Treinamento SEER à distância: uma
estratégia para repasse de tecnologia
Autores
Andréa Fleury - andrea@ibict.br
Milton Shintaku – shintaku@ibcit.br
Ronnie Brito – Ronnie@ibict.br
A educação à distância (EaD) não é,
propriamente, uma novidade possibilitada pela
tecnologia da informação e comunicação (TIC), ou
seja, pela internet. Numa revisão histórica, Alves
(2011) apresenta, cronologicamente, que o
repasse de informações à distância tem raízes
bíblicas, com as epístolas de São Paulo, mas que
sistematicamente, apenas no Século XVIII
apresenta metodologia de tutoria à distancia, por
meio de um anúncio de jornal, pela Gazeta de
Boston, na edição de 20 de março de 1728, pelo
professor Caleb Phillips. Assis, o ensino à
distância tem longa história.
Entretanto, é indiscutível que a EaD tomou
grande impulso com a internet, da mesma forma
que com outras tecnologias, como os correios, o
rádio e a televisão. Iniciativas privadas como o
Instituto Universal Brasileiro, datado de 1941, ou
governamentais como o Projeto Minerva da
década de 70, do século passado, foram de
indiscutíveis avanços para a época.
Nos dias atuais, o impulso dado pelas tecnologias
disponíveis
na
internet
apoiam,
significativamente, a EAD. Esta torna-se uma
opção valiosa ao repasse de informações, uma
possibilidade para formação adequada ao
momento atual.
Nesse contexto, o presente trabalho foca na
iniciativa do Instituto Brasileiro de Informação em
Ciência e Tecnologia (Ibict) de ensino a distância
sobre a ferramenta Sistema Eletrônico de
Editoração de Revistas (SEER). Um levantamento,
de abordagem etnográfica,
que reúne
informações sobre o serviço SEER à distância
(SEERaD). Um estudo descritivo que visa
apresentar a iniciativa de repasse de tecnologia,
com uso de EAD, à comunidade.
O SEERaD foi implementado em 2010 com
tecnologia Moodle, amplamente utilizada em
EaD. Inicialmente, um teste piloto foi ofertado a
colaboradores do Ibict, com fins de ajuste à
metodologia. O SEERaD teve sua implementação
mais ativa em 2011, com seis das nove edições,
retomado em 2013, com planejamento de três
cursos ajustando o material didático e
metodologia.
Mesmo que o curso tenha a duração estimada
em duas semanas, com tempo previsto de uma
hora por dia útil, o presente estudo revela que,
seguindo um preceito básico da EaD, que respeita
o ritmo dos alunos, em grande parte, estende-se
o prazo para termino do curso em uma semana,
totalizando em três semanas, que inviabiliza a
oferta de mais que um curso por mês.
Composto de abordagem prática, o SEERaD
promove simulação na criação completa de
revistas, com todas as etapas, da criação da
revista, propriamente dita, até a publicação
completa de um número da revista.
Outro ponto importante na EaD é a
possibilidade de transcender o aspecto
geográfico. Nesse aspecto o SEERaD atendeu,
praticamente, a todo o Brasil. mesmo com
certa predominância de treinandos de Brasília,
dos 249 treinandos, 38% são do Distrito
Federal, seguidos por São Paulo com 27% e
Minas Gerais com 18%. Constatou-se que das
27 unidades federativas brasileiras o SEERaD
atingiu 23 estados. Revela-se o atendimento à
questão da abrangência geográfica do
treinamento.
Por fim, o SEERaD, em processo de
revitalização, prepara-se para novos desafios
com aporte para atualizações, atendendo às
necessidades de capacitação técnica e
tecnológica da comunidade usuária do SEER.
Referências
ALVES. L. Educação a distância: conceitos de
história no Brasil e no mundo. Revista Brasileira
de Aprendizagem Aberta e a Distância. v. 10.
2011, disponível em:
http://www.abed.org.br/revistacientifica/_braz
ilian/edicoes/2011/2011_Edicaov10.htm,
acessado em: 20/04/2013.
BAPTISTA, Ana Alice et al. Comunicação
científica : o papel da Open Archives Initiative
no contexto do Acesso Livre. Encontros Bibli n.
esp. , 1º sem. 2007. Disponível em:
<http://dx.doi.org/10.5007/15182924.2007v12nesp1p1>. Acesso em: 17 mar.
2013.
Download

Confoa_SEERaDistancia_10092013