Repotenciação em
Usinas Hidroelétricas
Nota Técnica ANEEL
N
° 026/2011 – SRG/ANEEL
 Traduz
as propostas apresentadas por ABRAGE
e APINE nas reuniões técnicas realizadas.
Repotenciação
 Acréscimo
de potência em usinas hidroelétricas
existentes pode ser obtido de diversas formas;
– Instalação de máquinas adicionais
– Modernização com ganho de potência;
Pontos Básicos 1/3
O
SIN necessita da instalação de potência
adicional para melhorar as condições de
atendimento;
 Os problemas atuais não se restringem ao dito
“horário de ponta” das 18 as 21 horas;
 Existem diversas UHEs que foram originalmente
projetadas para terem um número maior de
conjuntos turbina/gerador;
 Essas usinas podem agregar a potência adicional
que o SIN necessita.
Pontos Básicos 2/3
O
mecanismo proposto (leilão de potência) não
é uma sistemática perene para solucionar a
atual falta de potência do SIN;
 O problema de falta de potência tende a se
agravar no futuro por conta da nova matriz
energética que está sendo implantada no SIN;
 A partir de 2014 todos os agentes deverão
apresentar lastro de potência para garantir
100% de seus contratos e de suas cargas.
Pontos Básicos 3/3
A
potência adicional agregará mais Reserva de
Potência Operativa ao SIN;
 Essa
RPO é obtida atualmente através de
geração térmica, definida pelo ONS, e paga
através do ESS;
O
acréscimo de Garantia Física obtido pela
potência adicional não é suficiente para viabilizar
economicamente essa instalação, mas deverá
ser levado em conta no processo.
Atendimento da Ponta
Geração Termelétrica Sudeste
4200
4000
W.Arjona
3800
M.Lago
3600
3400
3200
3000
2800
2600
2400
2200
A.Chaves
B.L.Sobrinho
F.Gasparian
T.Lagoas
G.L.Brizola
J.Fora
N.Fluminense
Angra
– Exploração máxima da
disponibilidade de alguma
termelétricas no Sudeste e do
Complexo J.L. Sul;
– CVU de até 322 R$/MWh;
2000
1800
1600
1400
– Importação da Argentina
1200
1000
800
600
– O problema em discussão é de
natureza elétrica e sujeito a
restrições de ordem econômica
400
200
0
01/02/2010
02/02/2010
03/02/2010
04/02/2010
05/02/2010
Geração Termelétrica Sul
800
760
J.LACERDA C
720
J.LACERDA B
680
J.LACERDA A
640
600
560
520
480
440
400
360
320
280
240
200
160
– Ainda que toda a demanda esteja
100% contratada, em termos de
potência de ponta, o sistema requer
reserva de potência a custos
razoáveis para cobrir incertezas sobre
as previsões de demanda e geração.
120
80
40
0
01/02/2010
02/02/2010
03/02/2010
04/02/2010
05/02/2010
Fonte: ONS/PMO (mar/2010)
Ganho de G.F.
+ 15 % Potência
Nome
Potência (MW)
G.B. MUNHOZ
1676
1927
1312
1509
3162
3636
8370
9626
4251,5
4889
2280
2622
554
637
1500
1725
452,1
520
500
575
FURNAS
XINGO
TUCURUI 1/2.
I. SOLT. EQV
ITUMBIARA
TAQUARUCU
ITAPARICA
PEIXE ANGIC
ITAUBA
Energia Firme
Geração Média E.F./Potência
(MWmed)
599,89
606,45
598,23
602,9
2200,47
2241,9
3996,26
4068,54
1873,76
1883,96
962,56
962,2
182,69
182,47
931,97
941,4
282,25
285,71
178,16
181,13
690,06
709,39
670,15
687,14
2085,65
2166,71
4515,18
4831,74
2196,64
2247,12
1027,66
1047,22
229,62
230,95
900,84
932,15
319,89
334,11
192,35
196,91
36%
31%
46%
40%
70%
62%
48%
42%
44%
39%
42%
37%
33%
29%
62%
55%
62%
55%
36%
32%
Ganho %
Ganho % de
Ger. Méd.
1,1%
2,8%
0,8%
2,5%
1,9%
3,9%
1,8%
7,0%
0,5%
2,3%
0,0%
1,9%
-0,1%
0,6%
1,0%
3,5%
1,2%
4,4%
1,7%
2,4%
Comentários 1/3
 Atualmente
os agentes de geração sofrem
pressão por parte do ONS para postergar as
manutenções de suas unidades geradoras;
 O PDE 2020, em audiência pública, não indica a
necessidade de potência adicional;
 Isso é discrepância de modelagem?
 O processo de modernização em curso no SIN
acentuará os problemas de potência do SIN;
 O dimensionamento dos novos
empreendimentos não leva em consideração a
questão de falta de potência no SIN.
Comentários 2/3
O
novo parque eólico brasileiro trará maiores
necessidades de Reserva de Potência Operativa;
 Novos estudos sobre a RPO deverão ser feitos
para considerar a nova matriz de energia
elétrica do SIN;
 A geração adicional será um benefício marginal
a ser obtido pelas novas unidades geradoras e
será obtido através da redução de vertimentos
turbináveis.
Comentários 3/3
A
instalação dessa potência adicional não estará
disponível antes de 2014; até lá, caso
necessário, o ONS continuará a despachar
usinas térmicas para suprir essa necessidade;
 A solução perene para a falta de potência não
será atingida apenas com a exigência de lastro
de potência prevista para 2014;
 Essa solução somente será atingida com uma
reforma mais profunda do arcabouço legal
vigente.
Conclusões
O
mecanismo proposto serve para contribuir na
solução de um grave problema do SIN;
 Os problemas de atendimento à demanda tende
a se agravar, com a inclusão das novas fontes
de geração previstas para os próximos anos;
 Devem ser estudados outros mecanismos de
atração de investimento para a garantia da
confiabilidade do atendimento à demanda de
potência do SIN;
 ABRAGE e APINE se prontificam a colaborar.
OBRIGADO
Luiz Roberto Morgenstern Ferreira
luiz.roberto@copel.com
Download

Luiz Roberto Abrage e Apine