SEMINÁRIO INOVAÇÃO EM GEOLOGIA, MINERAÇÃO
E TRANSFORMAÇÃO MINERAL: GOVERNO E
EMPRESA
Comitê Gestor do Fundo Setorial Mineral
CT-Mineral / MCT
EXPERIÊNCIA DE TRABALHOS COOPERATIVOS DE P&D&I
COM EMPRESAS: FACILIDADES, DIFICULDADES E
PROPOSTAS DE MELHORIAS
Onildo João Marini
ADIMB
Brasília , 02 de dezembro de 2010
ADIMB
Agência para o Desenvolvimento
Tecnológico da Indústria Mineral Brasileira
MISSÃO
Promover o desenvolvimento técnico-científico e a
capacitação de recursos humanos para a Indústria Mineral
Brasileira.
NATUREZA JURÍDICA
Entidade privada, sem capital acionário, sem fins lucrativos,
com autonomia administrativa, técnica e financeira
PRINCIPAIS LINHAS DE AÇÃO DA ADIMB
 Elaboração de diagnósticos estratégicos visando o
desenvolvimento do setor mineral brasileiro;
 Identificação, viabilização e administração de projetos
cooperativos empresa/universidade/governo;
 Promoção de simpósios, workshops, encontros e
seminários de interesse de seus associados;
 Promoção de cursos de curta duração no estado-da-arte
e expedições internacionais a distritos mineiros.
 Divulgação das atividades e oportunidades do setor
mineral brasileiro, no país e no exterior.
PROJETOS COOPERATIVOS UNIVERSIDADE/EMPRESA: PAP
NA SOLUÇÃO DE PROBLEMAS CONCRETOS E NA
CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES E TÉCNICOS








Atração da comunidade acadêmica para pesquisar problemas concretos da
indústria brasileira.
Transferência de conhecimentos de campo, de prática e de técnicas
empresariais aos acadêmicos.
Emprego de equipamentos de alto custo e potencial analítico das
universidades na solução de problemas do setor produtivo.
Transferência de conhecimentos teóricos, de análises sofisticadas e suas
interpretações para os técnicos das empresas.
Incentivo e facilitação à capacitação dos técnicos de empresas, inclusive
para realização de mestrados e doutorados.
Acesso, facilidades de campo e colaboração das empresas com os
acadêmicos no estudo “in loco” de problemáticas de interesse sócioeconômico para o País.
Publicações, em co-autoria, de trabalhos mais sólidos e com abundância de
informações, tanto de campo como de laboratórios acadêmicos.
Melhoria na qualidade de ensino nos cursos acadêmicos, com a inclusão de
estudos de casos concretos.
EXEMPLOS DE PROJETOS P&D&I DA
ADIMB COM EMPRESAS







Caracterização de Depósitos Auríferos em Distritos Mineiros Brasileiros –
ADIMB/DNPM- UFMG, UFPA, UFBA, UnB, UNISINOS; DOCEGEO, UGM,
GEOSOL, BHP, RTDM e ANGLOGOLD.
Caracterização de Depósitos Minerais em Distritos Mineiros da Amazônia –
ADIMB/CT–Mineral/DNPM – UFBA, UFMG, UFRGS, UnB, UFPA, UFMT,
UNISINOS; CVRD, RTDM, Anglogold Ashanti, Anglo American, Taboca, Santa
Elina.
Mosaicos do Projeto RADAMBRASIL em Meio Digital –ADIMB/DNPM PETROBRÁS/CPRM/Empresas.
Superfície Curie Interpretada do Brasil – ADIMB/DNPM- UnB; PETROBRÁS,
DNPM, IBGE.
Amplitude do Sinal Analítico do Brasil –ADIMB/DNPM – PETROBRÁS e
Empresas.
E3 PDAC- “Excellence Environmental Exploration”, versão em português.
ADIMB/PDAC - VALE, Falconbridge, GEOSOL, Kinross, RTDM, Votorantim
Metais, Yamana, CBPM e INCO.
Caracterização de Minérios e Rejeitos de Depósitos Minerais Brasileiros –
DNPM/PADCT/ADIMD- UnB, UFRGS, UFBA, UNESP, UFPR, UNISINOS,
MINEROPAR, DNPM, IEN/CNEN e 13 Empresas de mineração.
EXEMPLOS DE PROJETOS P&D&I COM
EMPRESAS - CONTINUAÇÃO








Geocronologia Isotópica de C, O e S de Províncias Auríferas Brasileiras-.
ADIMB/FINEP/DNPM- UnB, UFPA, USP, UFMG, CPRM e Empresas.
Métodos Petro-Mineralógicos em Exploração Mineral: Komatiitos e
Resistatos- ADIMB, UnB, CBPM, RTDM.
Mineralizações Auríferas Associadas ao Granito São Jorge. ADIMBUFPA , UFMG e Empresas.
Metalogenia Quantitativa Aplicada a GIS: Ouro e VMS –ADIMB- UFMG e
Empresa
Caracterização Geofísica da Crosta e Manto e Evolução Geoquímica do
SW do *Cráton Amazônico: Contribuição à Exploração Mineral –
ADIMB, USP e INPE.
SAR/SIPAM–Tapajós – ADIMB – GEOAMBIENTE, Empresas.
Conversão de Bases Cartográficas do Quadrilátero Ferrífero.ADIMBUFMG, Empresas.
Interpretações de imagens SAR/ SIPAM – ADIMB- UnB, UNICAMP,
CPRM; Empresas e SIVAM-SIPAM.
O PROJETO CARACTERIZAÇÃO DE DEPÓSITOS
MINERAIS EM DISTRITOS MINEIROS DA
AMAZÔNIA
*Objetivos: Caracterização das assinaturas e dos modelos prospectivos
de depósitos minerais da Amazônia.
*Idealização, viabilização e coordenação geral da ADIMB.
*Envolvimento: 219 pesquisadores ( 29 profissionais de empresas; 160
acadêmicos, 42 estudantes).
*Participação: 9 Universidades líderes, 5 Instituições de pesquisa, 8
Univesidades do Exterior , e 6 Empresas de mineração.
*Financiamento: CT-Mineral (FINEP e CNPq), Empresas (CVRD, RTDM,
Anglo GoldAshanti, Anglo American, Taboca e Santa Elina), DNPM.
*Executoras líderes: UnB, UFPA, UFMT, UNISINOS, UFMG, UFBA, UFRGS
*Depósitos Minerais Caracterizados: Fe Carajás-PA, Mn Azul-PA, Bauxita
Paragominas-PA, Cu Cinzento-PA, Cu Estrela-PA, Cu/Au Breves-PA, Sn
Pitinga-AM, Criolita Pitinga-AM, Zn/Pb/Cu Aripuanã-MT e Cu
Rondônia-RO.
*Duração:2001-2005. Publicação com 782 pg. - 2005
“
PROJETO DESENVOLVIMENTO METODOLÓGICO
PARA EXPLORAÇÃO MINERAL NA AMAZÔNIA
-Projeto Plataforma





Objetivo: Identificar os gargalos que dificultam a prospecção
mineral na Amazônia e sugerir ações para minimizá-los.
Idealização e coordenação: ADIMB. Apoio: MME, MCT e
Empresas.
Participação: 160 servidores públicos, pesquisadores e
profissionais de empresas.
Envolvimento:10 instituições de 4 ministérios, 14
universidades, 18 empresas, 2 sociedades científicas.
Produtos: 8 relatório técnicos temáticos e um relatório síntese
com análise da problemática e proposições de ações, com
custos e possíveis executores.
Resultados: Programa Aerogeofísico da Amazônia; Projeto
Cartografia da Amazônia; projetos acadêmicos de geofísica,
geocronologia, caracterização de depósitos minerais e outros
PROJETO CARACTERIZAÇÃO DE MINÉRIOS E
REJEITOS DE DEPÓSITOS MINERAIS







Objetivos: Integração Universidade/Governo/Empresa pelo uso
de equipamento (Microssonda) de última geração, visando a
otimização do aproveitamento de brasileiros.
Idealização e coordenação: DNPM/ADIMB.
Participação: 64 pesquisadores de universidades e empresas.
Executores líderes: UnB, UFRGS e UFBA. Outros UFPA,
UNESP, UFPR, UNISINOS, UFOP, IEN/CNEN, MINEROPAR.
Financiamento: PADCT/FINEP e 20 Empresas.
Produtos: Caracterização de minérios e rejeitos de 32
depósitos minerais de 11 estados brasileiros.
Estudos: texturais, químicas mineral e varreduras química de
10 depósitos de Au, 2 EGP, 2 metais raros, 4 metais base, 2
fertilizantes; 3 gemas,e 2 outros.
GARGALOS NACIONAIS À P&D&I NAS EMPRESAS









Ausência de Financiamentos Adequados à P&D&I para as
Empresas do Setor Mineral.
Falta de Incentivos Efetivos à Pesquisa nas Empresas.
Burocracia e Morosidade Incompatíveis com o Espírito
Empresarial.
Exigência de Parceria com as Instituições Acadêmicas.
Interesses Divergentes de Universidades e Empresas.
Falta de Valoração da Pesquisa e do Ensino Aplicados às
Necessidades Empresariais nas Universidades e no MEC.
Resistência da Academia em Manter o Foco da Pesquisa.
Dificuldade de Cumprimento de Prazos pela Academia.
Cobranças Fora de Prazo e ou com Ameaças Prematuras.
C
T-
C
T-
C
In
T-
fo
r
C
Hi
dr
o
ci
al
a
ia
er
gi
lo
g
ia
ci
o
ôn
pa
En
no
az
Es
T-
T-
C
ot
ec
Am
tic
o
gó
áu
ne
ro
n
ro
T-
Ag
Ae
Bi
T-
T-
m
át
ic
C
a
TM
in
er
al
C
TPe
tro
C
C
T
T-S
Tr C T
aú
-T
an
de
ra
sp
n
or
sp
te
or
C
aq
te
Tu
Ve
av
rd
iá
r
ea m io
ar
el
o
C
TIn
fra
C
C
C
R $ Milhões
Arrecadação dos fundos setoriais – até
Setembro de 2009
700
600
500
400
300
200
100
0
ORÇAMENTOS GLOBAIS 10 PAÍSES
LÍDERES, 2008
A ATUAÇÃO SINERGÉTICA E
EFEITO PONTUAL DA MINERAÇÃO
Área de mineração
~2% do total da FLONA
Mineração na FLONA de Carajás - 2005
Crostas Lateríticas Naturais
Fonte: SGM/MME - 2006
MUITO OBRIGADO
E
FELIZ NATAL
marini@adimb.com.br
Download

Clique aqui para baixar o arquivo