Conceito
• Contabilidade é a ciência que tem como objeto de estudo o
patrimônio das entidades, seus fenômenos e variações, tanto
no aspecto quantitativo quanto no qualitativo, registrando os
fatos e atos de natureza econômico-financeira que o afetam
e estudando suas consequências na dinâmica financeira.
•
•
•
•
•
•
Os princípios da Contabilidade são:
Entidade
Continuidade
Oportunidade
Registro pelo valor original
Competência
Prudência
Estrutura Patrimonial
•
O patrimônio da cooperativa é constituído por bens, direitos e
obrigações. O balanço patrimonial é uma demonstração contábil
que tem por finalidade apresentar a posição contábil, financeira e
econômica da cooperativa em determinada data, representando
uma posição estática. O balanço patrimonial apresenta os Ativos
(bens e direitos), Passivos (obrigações) e o Patrimônio líquido
(obrigações não exigíveis), que é resultante da diferença entre o
total de ativos e passivos.
Estrutura das Contas de Resultado
•
A demonstração do resultado do exercício (DRE) é uma demonstração
contábil dinâmica que se destina a evidenciar a formação do resultado
líquido em um exercício, através do confronto das receitas, custos e
resultados. Exclusivamente para cooperativas esta demonstração
denomina-se Demonstração de Sobras ou Perdas e diferencia-se das
demais porque deve demonstrar de forma segregada a demonstração
do resultado do ato não cooperativo.
Principais Demonstrações
•
•
•
•
•
•
Balanço
Patrimonial
Demonstração
do Resultado do
Exercício (DSP)
Demonstração
das Mutações
do Patrimônio
Líquido
Demonstração
do Valor
Adicionado
Demonstração
do Fluxo de
Caixa
Notas
Explicativas
a) contexto operacional da Cooperativa;
b) principais atividades desenvolvidas;
c) forma de apresentação das demonstrações contábeis;
d) principais práticas contábeis adotadas;
e) apresentação analítica dos principais grupos de contas,
quando não apresentados no balanço patrimonial;
f) investimentos relevantes;
g) saldos e transações c/ partes relacionadas (não associados);
h) composição do imobilizado e diferido;
i) composição dos tipos de empréstimos e financiamentos;
j) contingências existentes;
k) composição da conta Capital Social;
l) discriminação das reservas, natureza e finalidade;
m) mudanças de critérios e práticas contábeis;
n) composição, forma e prazo de realização das perdas
(Ativo);
o) eventos subsequentes.
Ativo
Passivo
Circulante
Disponibilidades
Caixa
Bancos
Créditos
Clientes
Cooperados
......
Estoques
Mercadorias para revenda
Almoxarifado
Dispêndios Antecipados
Seguros a vencer
APLICAÇÃO
DEVEDORAS
Não Circulante
Créditos Realizáveis a LP
Clientes
Cooperados
Investimentos
Participações em Empresas
Imobilizado
Imóveis
Veículos
Móveis e utensílios
Máquinas e Equipamentos
Computadores
Intangível
Softwares
BENS E
DIREITOS
Circulante
Obrigações
Cooperados
Não Cooperados/Fornecedores
Tributos/Impostos
Salários/Encargos
Empréstimos e Financiamentos
Outros
Não Circulante
Obrigações
Cooperados
Não Cooperados
Tributos/Impostos
Salários/Encargos
Empréstimos e Financiamentos
Outros
ORIGEM
CREDORAS
OBRIGAÇÕES
Patrimônio Líquido
Capital Social
Capital Social Subscrito
(-) Capital Social a Integralizar
Reservas
Fundo de Reserva
FATES
Outras Reservas
Resultado do Exercício a Destinar
Sobras a Disposição da AGO
Perdas a Disposição da AGO
Demonstração de Sobras ou Perdas
Ingresso Bruto – Receita Bruta (Vendas, Serviços)
(-) Deduções
Impostos – PIS/COFINS/ISSQN
Devoluções de Venda/Cancelamento de serviços
(=) Ingressos Líquidos/Receita Líquida
(-) Dispêndios - Custos
Repasse ao Associado/Compra de Produção Ass.
Material aplicado na Prestação de Serviço/CMV
(=) Sobra Bruta
(-) Dispêndios Operacionais
Administrativos
Comerciais
Pessoal
Tributários
Outras Despesas/Receitas Operacionais
(+/-) Resultado Financeiro Líquido
Ingressos/Receita Financeira
Dispêndios/Despesa Financeira
(=) Sobra Líquida (Antes das Destinações)
(-) Destinações
FATES – 5%
Fundo de Reserva – 10%
(=) Sobra a Disposição da AGO
Exemplos de Ato Cooperativo
Exemplos de Ato Não Cooperativo
1) Entrega de produtos dos associados à
cooperativa, para comercialização, bem
como
os
repasses
efetuados
pela
cooperativa a eles, decorrentes dessa
comercialização, nas cooperativas de
produção agropecuárias;
1) Compra de produtos/mercadorias de
terceiros para comercialização, bem como
pagamentos efetuados pela cooperativa a
eles, decorrentes dessa comercialização, nas
cooperativas de produção agropecuárias;
2) Fornecimento de bens e mercadorias a
associados, desde que vinculados à
atividade econômica do associado e que
sejam
objeto
da
cooperativa
nas
cooperativas de produção agropecuárias;
2) Fornecimento de bens e mercadorias a
não associados, mesmo que vinculados à
atividade econômica dele e que sejam
objeto da cooperativa nas cooperativas de
produção agropecuária;
3)
Operações
de
beneficiamento,
armazenamento e industrialização de
produto do associado nas cooperativas de
produção agropecuárias;
3)
Operações
de
beneficiamento,
armazenamento e industrialização de
produto do não associado nas cooperativas
de produção agropecuária;
4) Atos de usos ou cessão de casas a 4) Atos de uso ou cessão de casas a não
associados nas cooperativas de habitação;
associados, nas cooperativas de habitação;
5) Fornecimento de créditos aos associados 5) Fornecimento de créditos aos não
das cooperativas de crédito.
associados das cooperativas de crédito.
Ativo
Circulante
Disponibilidades
10.000
500
Caixa
Bancos
9.500
34.500
24.500
12.000
22.000
4.000
4.500
Créditos
Clientes
Cooperados
8.000
......
Estoques
Mercadorias Rev
Almoxarifado
Dispêndios Antecipados
Seguros a vencer
Não Circulante
Créditos Realizáveis a LP
Clientes
Cooperados
Investimentos
Participações
Imobilizado
Imóveis
Veículos
30.000
Móveis e utensílios 5.000
Máquinas e Equip.
Computadores
2.500
Intangível
Softwares
50.000
Total Ativo
Passivo
Circulante
Obrigações
Cooperados
Fornecedores
Tributos/Impostos
Salários/Encargos
Empréstimos
Outros
Não Circulante
Obrigações
Cooperados
Não Cooperados
Tributos/Impostos
Salários/Encargos
Empréstimos
Outros
Patrimônio Líquido
Capital Social
Capital Subscrito
(-) Capital a Real.
Reservas
Fundo de Reserva
FATES
Outras Reservas
Resultado a Destinar
Sobras a Disp. AGO
Perdas a Disp. AGO
Total Passivo
2.500
22.500
10.000
20.000
30.000
Vinte sócios integralizam,
cada um, 50 quotas partes no
valor de 10 reais cada quota
parte, totalizando 500 reais
por associado (em dinheiro).
A cooperativa efetua um
depósito de R$ 9.500 no
banco para abrir sua conta.
Compra de móveis para a
sede por R$ 5.000 à vista.
Pagamento com DOC
Compra de um computador
por R$ 2.500 à prazo.
A cooperativa toma um
empréstimo de R$ 30.000.
10.000
Compra de um veículo por
R$ 30.000. Entrada de 1/3 do
valor e o restante para
pagamento em 2 parcelas.
Pagamento da parcela única
do computador
Pagamento da 1ª parcela do
veículo
50.000
A cooperativa empresta à um
associado R$ 8.000
Ativo
Circulante
Disponibilidades
Caixa
Bancos
Créditos
Cooperados
Estoques
Mercadorias
Não Circulante
Imobilizado
Veículos
Móveis/Utens.
Computadores
(-) Depreciação
Passivo
500
159.000
189.000
729.000
304.000
54.000
4.000
8.000
Circulante
Obrigações
Cooperados
Fornecedores
Empréstimos
Tributos a Rec.
600.000
60.000
30.000
5.000
2.500
(5.000)
Patrimônio Líquido
Capital Social
Capital Social
Reservas
Fundo Reserva
FATES
Resultado a Destinar
Sobras Disp. AGO
Dispêndios
Impostos s/ Ingressos
49.000
9.000
Repasse ao Associado 250.000
Custo – CMV
540.000
Disp. Administrativos
30.000
Depr. do Imobilizado
6.000
Destinações
5.000
FATES – 5%
Fundo de Reserva – 10% 10.000
Saldo Disponível à AGO 85.000
600.000
60.000
10.000
30.000
49.000
9.000
10.000
10.000
5.000
Cooperativa prestou serviços.
Cobrou R$ 300.000 à vista
Incidência de Impostos no
montante de R$ 9.000
Repasse de R$ 250.000 aos
associados
Compra de 10.000 sacas de
soja dos associados por R$ 60
cada. Pagamento após venda.
Venda a vista de 9.000 sacas
de soja por R$ 75 cada.
Baixa Estoque.
85.000
Incidência de Impostos
(ICMS) no valor de R$ 40.000
Ingressos
Pagamento ao associado ref.
a venda da soja – R$ 540.000
Prestação de Serviços
300.000
Venda de Mercadorias
675.000
Pagamento de despesas
administrativas – R$ 30.000
Reconhecimento da
depreciação do imobilizado –
R$ 6.000
Sobras Antes das Destinações 100.000
Apuração do resultado
Destinação das reservas
Transferência das sobras
Balanço Patrimonial
Ativo _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _259.000
Circulante
Disponibilidades
Caixa
Bancos
Créditos
Cooperados
Estoques
Mercadorias
Não Circulante
Imobilizado
Veículos
Móveis e utensílios
Computadores
(-) Depreciação Acumulada
500
159.000
116.500
10.000
8.000
60.000
Ingressos Brutos Totais
Prestação de Serviços
Venda de Mercadorias
(-) Deduções
Impostos sobre Ingressos
(=) Ingressos Líquidos
(-) Dispêndios - Custos
Repasse ao Associado Serviço
CMV – Repasse Venda
30.000
5.000
2.500
(6.000)
Passivo _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _259.000
Circulante
Obrigações
Associados
Demonstração de Sobras ou Perdas
85.000
60.000
975.000
300.000
675.000
(49.000)
926.000
(790.000)
(250.000)
(540.000)
(=) Sobra Bruta
(-) Dispêndios Operacionais
Administrativos
Depreciação
(=) Sobra Antes das Destinações
(-) Destinações
FATES – 5%
Fundo de Reserva – 10%
(=) Sobra a Disposição da AGO
136.000
(36.000)
(30.000)
(6.000)
100.000
(15.000)
(5.000)
(10.000)
85.000
Não Cooperados/Fornecedores
10.000
Empréstimos e Financiamentos
30.000
Situação 1: Assembleia decide por não distribuir as sobras
Tributos a Recolher
49.000
a fim de fortalecer a cooperativa economicamente
Patrimônio Líquido
Capital Social
Capital Social Integralizado
Reservas
Fundo de Reserva
FATES
Resultado do Exercício a Destinar
Sobras a Disposição da AGO
Situação 2: Assembleia decide por distribuir as sobras aos
52.500
10.000
associados. Metade em dinheiro e metade em capital
Situação 3: Assembleia decide por distribuir 100% das
10.000
95.000
5.000
85.000
sobras em dinheiro aos associados, porém até a data da
assembleia, a cooperativa quitou todas as obrigações de
curto prazo existentes no balanço
CONFERÊNCIA
Conferência física dos valores. Análise do funcionamento
Extratos Bancários
Relatório do contas a receber. Verificar vencimentos
Contagem física feita periodicamente, podendo ser por
amostragem
Relação dos itens do ativo imobilizado. Verificação física
de objetos obsoletos.
Relatório do contas a pagar aos associados. Verificar
vencimentos. Utilizar amostragem
Relatório do contas a pagar a terceiros e outras contas.
Verificar vencimentos. Utilizar amostragem
Extratos de empréstimo. Contratos assinados. Garantias
dadas. Vencimentos
Relação dos impostos devidos. Vencimentos. Declarações
acessórias
Verificar atualização dos valores dos associados
Constituição legal dos fundos. Utilização correta.
Verificar registro contábil correto. Possível saldo
remanecente
CONFERÊNCIA
Conferência das notas fiscais de serviço
Conferência das notas fiscais de venda
Verificar o destaque de impostos nas notas fiscais
Verificar os recibos de repasses aos associados
comparando com o volume trabalhado e as receitas que
a cooperativa auferiu por meio dele, no caso de serviços
ou o preço pago pelo produto dele nas notas fiscais de
compra que a cooperativa deve emitir
Verificar por amostragem as notas fiscais de despesas
da cooperativa.
Indicadores
Fórmula
Indicador
LC =
Liquidez Corrente
Ativo Circulante
Passivo Circulante
Comentário
Mede a capacidade de pagamento
no curto prazo.
Endividamento
Total
PC + PNC
ET =
x 100
Ativo Total
Mede a proporcionalidade das
obrigações em relação ao Ativo
Total.
Endividamento
Financeiro Total
Emprést. e Financ. CP + LP
EFT =
x 100
Ativo Total
Mede a proporcionalidade das
obrigações financeiras em relação
ao Ativo Total.
Margem Bruta
Margem Líquida
Rentabilidade do
Patrimônio Líquido
Rentabilidade do
Ativo
MB =
Resultado Bruto
x 100
Ingressos, Receitas Totais
Mede o percentual decorrente das
vendas disponíveis para a
cobertura das demais despesas.
ML =
Sobras/Perdas
x 100
Ingressos, Receitas Totais
Avalia a capacidade de geração de
sobras líquidas, em relação ao
volume econômico da cooperativa.
Sobras/Perdas
 100
Patrimônio Líquido
Avalia o retorno do Patrimônio
Líquido aplicado no negócio.
Sobras/Perdas
x 100
Ativo Total
Avalia a capacidade de
remuneração da empresa como um
todo.
RPL =
RPL =
Indicadores de Liquidez
INDICADOR
Liquidez
Corrente
OBSERVAÇÃO
1,53
Indica que a cooperativa possui R$ 1,53 para cada um real de dívida no
curto prazo.
57,5%
Mostra que de todo o ativo total (todos os bens e direitos que a
cooperativa tem), 57,5% está comprometido em dívidas (obrigações,
passivo)
11,6%
Mostra que de todo o ativo total (todos os bens e direitos que a
cooperativa tem), 11,6% está comprometido em dívidas de
financiamento (que tem maiores juros)
Margem
Bruta
13,9%
Salienta que a taxa de administração da cooperativa está em 13,9%, ou
seja, essa porcentagem é o que está sendo deixada, do faturamento, para
a cooperativa quitar suas despesas operacionais
Margem
Líquida
10,3%
Indica que a cooperativa, após pagar os associados e as demais despesas,
ainda tem uma sobra de 10,3% do faturamento.
Rentabilidade
do Patrimônio
Liquido
77,3%
Mostra que de tudo o que foi aplicado no negócio (pelo associado), as
sobras representaram um retorno de 77,3% dessa aplicação.
32,8%
Mostra que de tudo o que foi aplicado no negócio (pelo capital do
associado e recursos de terceiros) as sobras deram um retorno de 32,8%
dessa aplicação.
Endividamento
Total
Endividamento
Financeiro
Rentabilidade
do Ativo
OBRIGADO
Leonardo Dangel
Analista Técnico – Monitoramento
CRCRJ 107.551 T-RS
(51) 3323-0032
[email protected]
Download

Document