Televisão Universitária
Perspectivas na TV Digital
XX Encontro
Forum Nacional de Pró-Reitores de Graduação das Universidades Brasileiras
Porto Alegre – Maio 2007
TVU - Conceito
• Televisão produzida por IES (Instituições de Ensino Superior), para
promoção da educação, cultura e cidadania
• É laboratório estudantil e acadêmico, mas não apenas - É também a
face institucional e meio de comunicação da Universidade
• Expressão audiovisual da comunidade universitária - Estudantes,
Professores e Funcionários devem fazê-la, em diálogo com Mercado
Audiovisual
• Mostra o que é a Universidade, o que faz e como pensa os problemas
do mundo
• Feita para Público Geral e Comunidade Universitária
Hoje
52 canais Universitários
( 90 IES )
+
13 canais comerciais
com programação universitária
( 13 IES )
=
65 canais de TV com Programação Universitária
( 103 IES )
+
4 canais WebTV
( 4 IES )
=
69 canais transmitindo TV Universitária
107 IES produzindo Televisão no Brasil
(6% do totalES)
Hoje
54 Cidades brasileiras têm
Canais Universitários
(TV e Web)
Região Norte - 4
Belém, Manaus, Boa Vista, Palmas
Região Nordeste - 6
Salvador, Fortaleza, Recife, Natal, Teresina, João Pessoa
Região Centro-Oeste - 4
Brasília, Campo Grande, Cuiabá, Cáceres
Hoje
54 Cidades brasileiras têm
Canais Universitários
(TV e Web)
Região Sudeste - 22
São Paulo, Campinas, Bauru, Ribeirão Preto, Piracicaba, Santos,
Assis, São José dos Campos, São Carlos,
Rio de Janeiro, Niterói, Vitória,
Belo Horizonte, Ouro Preto, Governador Valadares,
Uberlândia, Lavras, Viçosa, Coronel Fabriciano,
Alfenas, Varginha, Montes Claros
Hoje
54 Cidades brasileiras têm
Canais Universitários
(TV e Web)
Região Sul - 18
Curitiba, Londrina, Cascavel,
Florianópolis, Itajaí, Blumenau, Chapecó, Tubarão,
Porto Alegre, São Leopoldo, Novo Hamburgo,
Caxias do Sul, Pelotas, Rio Grande, Cruz Alta,
Santa Cruz do Sul, Passo Fundo, Santa Maria.
Transmissão / Acesso
• 2/3 dos canais existentes estão na Cabodifusão
(Lei 8977/95 – Artigo 23 – Canais Básicos de Utilização
Gratuita)
• 1/3 está na Radiodifusão (freqüências VHF e UHF)
ALCANCE AINDA RESTRITO
ACESSO AINDA ELITIZADO
Tecnologia
• Equipamentos de Captação (Imagem e Som) em transição
dos sistemas analógicos para os digitais
> Betacam e SVH-S para DVCam e Beta Digital
• Equipamentos de Edição e Finalização já digitais
> AVID, McIntosh G5
• Equipamentos de Transmissão ainda analógicos
ATUALIZAÇÃO TECNOLÓGICA RELATIVA
Programação
• Gêneros mais utilizados: entrevista, debate, palestra, revista
jornalística, documentário
• Poucos programas de entretenimento
• Pouco esporte, música, teatro e cinema universitários
• Canais de cidades menores funcionam como Canais Locais:
programação generalista
PROGRAMAÇÃO POUCO DIVERSIFICADA
Audiência
• Não há aferição regular; carência de pesquisas
• Informações indiretas mostram que os canais universitários têm
mais audiência fora do segmento
• Baixa interatividade com o Telespectador
• Nas cidades pequenas, maior audiência
> canal tem função comunitária, opera como emissora local
• Emissoras educativas abertas no Brasil têm audiência média inferior
a 5%; a audiência no cabo é ainda menor
AUDIÊNCIA SEGMENTADA
Custos
• Grande variação orçamentária, de canal para canal
• Gestores não têm controle total dos custos; muitas atividades são
compartilhadas com outros setores das IES (administrativo, financeiro,
jurídico, etc)
• Custo anual médio de um canal universitário: R$ 500 mil
• Movimento financeiro dos canais associados à ABTU: R$ 20 milhões/ano
• Estimativa do movimento geral do setor: R$ 50 milhões/ano
= 1/72 do faturamento da TV Globo em 2006 (R$ 3,6 bilhões)
TELEVISÃO DE BAIXO CUSTO
Financiamento
• Investimentos das Universidades
• Patrocínio e apoio cultural
• Prestação de Serviços
• Publicidade comercial
UNIVERSIDADE, MAIOR FINANCIADORA
Organização / Gestão
• Núcleos vinculados a Faculdades de Comunicação
Social - Departamentos de Jornalismo e RTV
• Assessorias de Comunicação Institucional
• Setores autônomos
• Fundações mantidas por IES
MÚLTIPLOS MODELOS DE GESTÃO
Situação
• Carência de Recursos, para produção, programação e
atualização tecnológica
• Restrições legais – Apenas Universidades podem participar
dos canais universitários da TV a cabo (outras IES
excluídas)
• Institucionalização Precária - TV universitária não foi
“metabolizada” pelo organismo universitário
• Participação acadêmica e estudantil ainda limitada
• Investimento pesado para as Universidades
Projeto de Expansão
RITU - REDE DE INTERCÂMBIO DE TELEVISÃO UNIVERSITÁRIA
• Convênio ABTU - RNP-Rede Nacional de Pesquisa (MCT-MEC)
• Sistema de compartilhamento de programação via Internet (Banda
Larga)
• Solução de provimento de programação para canais universitários, a
baixo custo, com facilidade operacional
• Iniciando a fase-piloto, com 9 universidades
• Operação plena no 2º semestre de 2007, com alcance potencial de
aproximadamente 100 IES (instituições federais + associados ABTU)
Perspectivas
IMPLANTAÇÃO DA TV DIGITAL
IMPLANTAÇÃO DA REDE PÚBLICA DE TELEVISÃO
Perspectivas
IMPLANTAÇÃO DA TV DIGITAL
(início: Dezembro 2007)
• Alta Definição de som e imagem
• Mobilidade e Portabilidade (Universalização do acesso)
• Ampliação do número de canais disponíveis
• Multiprogramação de canais
• Interatividade
Perspectivas
TV UNIVERSITÁRIA NA TV DIGITAL
• Canal universitário em televisão aberta
• Programação para todos os públicos
• Educação à distância pela televisão
Perspectivas
IMPLANTAÇÃO DA REDE PÚBLICA DE TELEVISÃO
• Fusão das estruturas de TV federais
(Radiobrás, TVE-Rio, TVE-Maranhão)
• Articulação na nova TV federal com emissoras educativas estaduais,
formando a nova Rede Pública de Televisão
• Desestatização, com a criação de Conselhos Públicos de Gestão
• Multiprogramação no canal da Rede Pública, permitindo o acesso aos
canais públicos da TV a cabo (universitários, legislativos, comunitários)
• Interatividade, para interlocução com a cidadania
• Ambiente favorável para ampla reforma do Campo Público da
Televisão (nos aspectos regulatórios, financeiros e de gestão)
Perspectivas
TV UNIVERSITÁRIA NA REDE PÚBLICA DE TELEVISÃO
• Rede Pública > porta de acesso à TV Digital aberta
• Acesso de todas as IES aos canais universitários
• Financiamento à migração digital
• Financiamento à produção e programação
• Financiamento a programas de educação à distância
Conseguiremos?
SIM, COM
Informação - Mobilização - Pressão
das
DIREÇÕES e COMUNIDADES UNIVERSITÁRIAS
Informações Adicionais
www.abtu.org.br
Gabriel Priolli
(11) 2245.2245
presidencia@abtu.org.br
Download

Gabriel Priolli