CONSERVAÇÃO IN VITRO DE Epidendrum nocturnum
ANDRÉA SANTOS DA COSTA1, MATHEUS ALMEIDA SANTOS2, FRANCIANE
DOS SANTOS3, THAYS SAYNARA ALVES MENEZES4, MARIA DE FÁTIMA
ARRIGONI-BLANK5, ARIE FITZGERALD BLANK6
1
Universidade Federal de Sergipe – Departamento de Engenharia Agronômica, Av.
Marechal Rondon, s/n, 49100-000. São Cristóvão – SE. E-mail: [email protected],
[email protected], [email protected], [email protected],
[email protected], [email protected]
A destruição dos habitats naturais, aliada à coleta predatória, tem levado à perda da
variabilidade genética das espécies, intensificando o já acentuado processo de extinção.
Este trabalho teve como objetivo desenvolver protocolo de conservação in vitro, sob
crescimento lento, de Epidendrum nocturnum. O delineamento experimental utilizado
foi o inteiramente casualizado, em esquema fatorial 3x2, onde foram testadas três
combinações de fontes de carbono e reguladores osmóticos (20 g L-1 de sacarose; 10 g
L-1 de sacarose + 5g L-1 de manitol; 10 g L-1 de sacarose + 5g L-1 de sorbitol) e duas
temperaturas (18 e 25ºC). O meio de cultura utilizado foi o MS. Plântulas entre 1 e 2
cm, foram cultivadas em tubo de ensaio, contendo os tratamentos anteriormente citados.
A cada 90 dias de conservação foi avaliada a sobrevivência (%), presença de raiz (%),
coloração das folhas e altura das plantas. Aos 365 dias de cultivo, as plantas
apresentaram 96,67 % de sobrevivência a 25ºC em sacarose:sorbitol (10:5), 100% de
presença de raiz em ambas temperaturas em 20 g L-1 de sacarose e uma menor altura de
plantas a 18ºC em sacarose:sorbitol (10:5). Dessa forma, o E. nocturnum pode ser
conservado por 365 dias a temperatura de 18ºC em meio contendo sacarose:sorbitol
(10:5).
Palavras-chave: Sorbitol; Reguladores osmóticos; Orquídeas.
Trabalho executado com recursos do CNPQ, CAPES e FAPITEC/SE.
Download

073