Desenvolvimento do Setor Agropecuário e
Inclusão Social
Mercado Internacional,
Infra-estrutura e logística
Cristiano Walter Simon
14 de dezembro de 2004
Brasil: Balança comercial
Ano Brasil
US$ bilhões
Agronegócio US$ bilhões
Exportação Importação Saldo Exportação Importação Saldo
2001
58,2
55,5
2,7
23,9
4,8
19,1
2002
60,3
47,2
13,1
24,8
4,5
20,3
2003
73,0
48,2
24,8
30,6
4,7
25,9
2004
86,0
58,0
28,0
35,0
5,0
30,0
Fonte: SECEX
Brasil: Exportações para o Mundo
Produtos
US$ milhão
Participação
Ranking
Soja – grão
4.290
38%
1
Soja – farelo
2.600
34%
2
Açúcar
2.140
29%
1
Aves
1.709
29%
2
Carne Bovina
1.538
20%
1
Café
1.302
29%
1
Soja – óleo
1.232
28%
2
Suco de Laranja
1.192
82%
1
Fumo
1.052
23%
1
Carne Suína
542
16%
4
Milho
369
4%
4
Algodão
189
5%
4
Fonte: Secex, 2003
Pontos Fortes do Agronegócio Brasileiro
1) Disponibilidade de terras
2) Clima favorável
3) Tecnologia para agricultura tropical
4) Recursos humanos qualificados
5) Capacidade de gestão
6) Potencial de bioenergia
7) Competitividade – custos de produção e qualidade
Barreiras Internas e Externas
O segmento empresarial quer trabalhar em parceria com o
governo para enfrentar os desafios de buscar:
1. Desoneração tributária das agroexportações
2. Eficiência da Infra-estrutura logística
3. Fortalecimento do controle sanitário e fitossanitário
4. Avanços nas negociações internacionais
Evolução do Agronegócio
1. Cresce quase 2,5 vezes o PIB entre 1998 e 2003
2. Maior crescimento: antes e dentro da porteira
3. Menor crescimento: depois da porteira - indústria e distribuição
4. Harmonizar a expansão das cadeias produtivas
5. Investimento no pós-porteira
Br: Desempenho do Agronegócio - R$ milhão
Ano
Antes da porteira Dentro da porteira Depois da
1994
19.411
118.201
1998
19.731
122.002
2003
33.499
158.197
porteira Total
281.193
418.805
280.990
422.735
316.678
508.374
PIB
1.375.458
1.521.816
1.649.603
Br: Desempenho do Agronegócio -variação %
Ano
Antes da porteira Dentro da porteira Depois da porteira Total
PIB
1994-1998
1,65
3,22
0,99
0,94
10,64
1998-2003
69,78
29,67
12,70
20,26
8,4
1994-2003
72,58
33,84
12,62
21,39
19,93
Br: Taxa % de investimento em relação ao PIB
•Abaixo do nível ideal de 25% do PIB
•Baixa capacidade de poupança interna
•Incertezas jurídicas
•Marcos regulatórios : transparência e credibilidade
• PPP’s e Lei de Biossegurança
Tendências das Barreiras Protecionistas
descendente
ascendente
- tarifas nas importações
- sanitárias
- subsídios em crédito e preço
- ambientais
- dumping nas exportações
- sociais
EurepGap
Euro Retailer Produce Working Group
•Protocolo descreve os requisitos essenciais, de acordo com
as BPA/GAP - Boas Práticas de Agricultura
•Padrões globais de segurança do alimento, preservação do
meio ambiente e bem estar dos trabalhadores
•As novas fronteiras de comercialização externa exigem
adequação às exigências da Norma EurepGap
EurepGap
Auditoria para o processo de certificação
Rastreabilidade
Manutenção de registros
Variedades e cultivares
Histórico e gerenciamento da propriedade
Manejo de solo
Utilização de fertilizantes
Irrigação
Proteção à cultura
EurepGap - continuação
Auditoria para o processo de certificação
Colheita
Tratamento pós-colheita
Aspectos ambientais
Manejo, reutilização e reciclagem de descartes
e contaminantes
Saúde, segurança e bem estar dos trabalhadores
Formulário de reclamações
Auditoria interna
SEGURANÇA ALIMENTAR
RASTREABILIDADE
CODEX ALIMENTARIUS
CÓDIGO DE ALIMENTOS
Requisitos do CODEX
Reconhecidos pelo acordo SPS
•Aditivos
•Contaminantes
•Resíduos de pesticidas e de medicamentos veterinários
•Métodos de análise e amostragem
•Códigos e guias para práticas de higiene
Agronegócios
IPT/USP
R$3
42%
R$1
Exportações (MAPA)
“Brasil será o maior produtor mundial de alimentos da
próxima década” (UNCTAD)
“Os mercados importadores vão começar a ficar de olho
nas práticas de política brasileira para tentar achar
fragilidades e pontos em desacordo com as regras da
OMC” (ICONE)
Agroquímicos
Cenário safra 2004/05
reunião com o MAPA - 27/08/2004
Competitividade
DISPONIBILIDADE DE PRODUTOS
AGILIDADE NA REGULAMENTAÇÃO
FATORES RESTRITIVOS
REGISTRO DE NOVAS FONTES
REGISTRO POR EQUIVALÊNCIA
•Revisão da IN 49 (qualidade)
REGISTRO DE COMPONENTES
•Revisão Decreto 4074/02
(ARTs29 E 30)
RET INDEFINIÇÕES
FALTA DE COMPETITIVIDADE
DESABASTECIMENTO - CUSTO
RETARDA A PESQUISA – FALTA
COMPETITIVIDADE - CUSTO
DIMINUI INVESTIMENTOS LOCAIS
REX
DEPENDÊNCIA DA IMPORTAÇÃO
DISPONIBILIDADE – CUSTO
Agroquímicos
VENDAS DE GENÉRICOS E ESPECIALIDADES
2003 - Valor US$ 1.000
CLASSES
GENÉRICOS
ESPECIALIDADES
TOTAL
HERBICIDAS
875.604
57,46%
648.131
42,54%
1.523.735
100,00%
FUNGICIDAS
229.669
32,19%
483.875
67,81%
713.544
100,00%
INSETICIDAS
321.159
44,28%
404.063
55,72%
725.222
100,00%
ACARICIDAS
40.662
50,81%
39.361
49,19%
80.023
100,00%
OUTRAS
45.025
47,99%
48.790
52,01%
93.815
100,00%
1.512.121
48,21%
1.624.222
51,79%
3.136.343
100,00%
TOTAL
Paz em nossos campos!
Eis o anseio maior de todos nós,
que trabalhamos a favor da liberdade
de produzir sem as amarras que entravam
o presente e comprometem o futuro
abag@netpoint.com.br
www.abagbrasil.com.br
Download

Apresentação Data Show