TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS
04 a 06/12/2006, FIERGS
Rogério Pecci
Ciclo de Projetos MDL – Revendo Conceitos
Participantes
do Projeto
Atividades
de Projeto
Entidade
Operacional
Designada
(1) DCP – Documento
de Concepção de Projeto
Painel de
Metodologia (ONU)
(2) Validação
Autoridade
Nacional
Conselho Executivo
(ONU)
Participantes
do Projeto
Prazo médio entre 10 a 18
meses para cada Projeto
Emissão Reduzida
Certificada
(7) Emissão
(3) Aprovação
(4) Registro das
Atividades de
Projeto
(5) Monitoramento
Outra Entidade
Operacional
Designada
(6) Verificação/
Certificação
Diferenças de Projetos – Pequena Escala e Grande Escala
•
Classificação de um projeto como “Pequena Escala”
– Atividade de projeto de energia renovável com uma geração máxima de
15 MW ou equivalente;
– Atividade de projeto de aumento de eficiência energética com redução
de consumo de energia de até 15 GWh por ano;
– Outras atividades de projeto que reduzam as emissões antropogênicas
e possuam uma emissão direta de projeto de, no máximo, 15.000
toneladas de CO2eq por ano.
•
Projetos de grande escala são os projetos que não atendam aos requisitos
acima.
Diferenças de Projetos – Pequena Escala e Grande Escala
•
Vantagens e simplificações de um projeto de pequena escala em relação
ao ciclo e custos do projeto:
– Atividades de projetos podems ser agrupadas em uma só
documentação;
– PDD simplificado, com menos requisitos;
– Metodologias de linha de base simplificadas de forma a reduzir custos
de estabelecimento da linha de base;
– Planos de monitoramento simplificados de forma a reduzir custos;
– Mesma entidade operacional pode fazer a validação, verificação e
certificação;
Metodologias Aprovadas – Grande Escala
•
Resíduos (Aterros)
–
ACM0001 – Consolidated Methodology for landfill gas project activities – Version 4
(http://cdm.unfccc.int/UserManagement/FileStorage/CDMWF_AM_TX29WGSXE4781NKGQ
GCDPTHM2F3V3D):
• Consolidação das metodologias AM0002, AM0003, AM0010 e AM0011;
• Metodologia utilizada para captura e queima de gás de aterro;
• Cogeração de energia pode ser contemplada;
• Fórmula básica de cálculo contempla:
– Diferença entre metano recuperado e queimado no projeto em relação a linha de
base;
– Acrescida da energia elétrica gerada e intensidade de CO2 deslocada;
– Descontadas as emissões de gases de efeito estufa pela queima de combustíveis
fóssei no cenário de projeto
Metodologias Aprovadas – Grande Escala
•
Reaproveitamento de Resíduos (Cimento)
–
ACM0003 – Emissions reduction through partial substitution of fossil fuels for alternative
fuels in cement manufacture - Version 4
(http://cdm.unfccc.int/UserManagement/FileStorage/CDMWF_AM_88CWL5ZY93M4D5KLB
MHF8CZLCA7312):
• Consolidação das metodologias NM0040, NM0048;
• Metodologia utilizada para utilização de resíduos como fonte de energia e redução de
emissões na produção de cimento;
• Resíduos de fontes fósseis e biomassa podem ser considerados;
• Fórmula básica de cálculo contempla:
– Diferença entre o poder calorífico do combustível utilizado no cenário de linha de
base e o poder calorífico do resíduo utilizado no cenário de projeto;
– Considerando as diferenças de consumo, calcula-se as emissões de gases de
efeito estufa nos cenários de linha de base e de projeto;
– As emissões reduzidas serão dadas pela diferença nas emissões entre os
cenários considerados.
Metodologias Aprovadas – Grande Escala
•
Reaproveitamento de Resíduos (Insumo para Cimento)
–
ACM0005 – Consolidated methodology for increasing the blend in cement production Version 3
(http://cdm.unfccc.int/UserManagement/FileStorage/CDMWF_AM_2RF4A6B593SVHDHUL
WXASWD1OWQ7VB):
• Consolidação das metodologias NM0045, NM0047, NM0095, NM0106;
• Metodologia utilizada para utilização de resíduos como substitutos do clínker na
produção de cimento;
• Resíduos de fontes como gesso, escória, etc;
• Fórmula básica de cálculo contempla:
– Diferença das emissões calculadas entre o cenário de linha de base e projeto que
consideram as emissões do uso do clínker;
– Diferença da emissão devido ao consumo de combustíveis fósseis nos dois
cenários;
– Diferença da emissão de gases de efeito estufa relativa ao consumo de energia
elétrica da rede.
Metodologias Aprovadas – Grande Escala
•
Cogeração de Energia com Resíduos de Biomassa
–
ACM0006 – Consolidated methodology for grid-connected electricity generation from
biomass - Version 4
(http://cdm.unfccc.int/UserManagement/FileStorage/CDMWF_AM_I5X2LJAJB4HSYWLIIUX
OKSUPQVSBGS):
• Consolidação das metodologias NM0050, NM0081, NM0098;
• Substituição das metodologias AM0004 e AM0015;
• Metodologia aplicável para novas unidades com biomassa, incremento de produção de
energia com biomassa e substituição de combustível fóssil por biomassa em unidades
existentes;
• Biomassa: Material orgânico não fossilizado e biodegradável originário de plantas,
animais e microorganismos, incluindo gases e líquidos da decomposição de material
orgânico;
• Fórmula básica de cálculo contempla:
– Consideração de 15 possíveis cenários de utilização de resíduos de biomassa,
como cenários de expansão de capacidade de geração, novas unidades de
cogeração, eficiência energética e substituição de combustível;
– Os cálculos consideram as emissões nos diferentes cenários.
Metodologias Aprovadas – Grande Escala
•
Sistemas de Tratamento de Dejetos de Animais
–
ACM0010 – Consolidated methodology for GHG emission reductions from manure
management systems
(http://cdm.unfccc.int/UserManagement/FileStorage/CDM_ACMIMX76HSH7DGQO6TX0YB
Y2NV7TGUDCM):
• Consolidação das metodologias AM0006 e AM0016;
• Metodologia aplicável para resíduos de animais onde um sistema de tratamento
anaeróbico substituído por sistema de tratamento de resíduos animais resultando em
menor emissão de gases de efeito estufa;
• Animais devem estar confinados e contemplam suínos, gado, búfalos, ovelhas, cabras
e aves;
• Fórmula básica de cálculo contempla:
– Maior complexidade de cálculo após revisão da metodologia;
– No cenário de linha de base, devem ser consideradas emissões de metano, N2O
e emissões devidas a consumo de energia;
– No cenário de projetos, considerar o tipo de tratamento (anaeróbico somente,
anaeróbico + aeróbico), eficiência de captação de metano e de queima e fugas
em efluentes.
Metodologias Aprovadas – Grande Escala
•
Outras metodologias
–
–
AM0013 – Avoided methane emissions from organic waste-water treatment – Version 3
(http://cdm.unfccc.int/UserManagement/FileStorage/CDMWF_AM_TUXV2ZCTQVGAZTGOK
EJZK88YMRMRCR):
• Metodologia aplicável para substituição de sistema de tratamentos existentes
compostos de lagoas abertas anaeróbicas;
• Cálculos baseados em DQO e vazão do efluente.
AM0022 – Avoided wastewater and onsite energy use emissions in the industrial sector –
Version 3
(http://cdm.unfccc.int/UserManagement/FileStorage/CDMWF_AM_7FFPSIIC938F73EMIXU
SLV5LR14BIK);
• Metodologia aplicável para implantação de sistemas de tratamento de efluentes
anaeróbicos;
• Somente aplicável para melhoria de sistemas já existentes;
Metodologias Aprovadas – Grande Escala
•
Outras metodologias
–
–
AM0025 – Avoided emissions from organic waste through alternative waste treatment
processes – Version 5
(http://cdm.unfccc.int/UserManagement/FileStorage/CDMWF_AM_KSUL76BS5PK5VBYDA
QSCHSMGF9QX29):
• Metodologia aplicável para projetos que visam tratar resíduos orgânicos que de outra
forma seriam enviados para aterro;
• Tecnologias contempladas: compostagem, gaseificação, digestão anaeróbica e
processos mecânicos para produção de combustíveis;
AM0036 – Fuel switch from fossil fuels to biomass residues in boilers for heat generation
(http://cdm.unfccc.int/UserManagement/FileStorage/CDMWF_AM_OWGQWV5HY0OCMI9O
JEONHZE7QH8HX9);
• Metodologia aplicável para caldeiras que utilizem resíduos orgânicos para geração de
calor, sendo novas caldeiras ou caldeiras existentes;
Metodologias Aprovadas – Grande Escala
•
Outras metodologias
–
AM0039 – Methane emissions reduction from organic waste water and bioorganic solid
waste using composting
(http://cdm.unfccc.int/UserManagement/FileStorage/CDMWF_AM_80I2I82LZP63C8A2CCZ0
QPAX1CS1VU):
• Metodologia aplicável para projetos que evitam geração de metano em lagoas abertas
ou tanques de estocagem e por decaimento natural de sólidos orgânicos em aterros;
Metodologias Aprovadas – Pequena Escala
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
AMS-I.A. - Electricity generation by the user;
AMS-I.B. - Mechanical energy for the user;
AMS-I.C. - Thermal energy for the user;
AMS-I.D. - Grid connected renewable electricity generation;
AMS-II.A. - Supply side energy efficiency improvements – transmission and
distribution
AMS-II.B. - Supply side energy efficiency improvements – generation
AMS-II.C. - Demand-side energy efficiency programmes for specific
technologies
AMS-II.D. - Energy efficiency and fuel switching measures for industrial
facilities
AMS-II.E. - Energy efficiency and fuel switching measures for buildings
AMS-II.F. - Energy efficiency and fuel switching measures for agricultural
facilities and activities
Metodologias Aprovadas – Pequena Escala
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
AMS-III.A. - Agriculture
AMS-III.B. - Switching fossil fuels
AMS-III.C. - Emission reductions by low-greenhouse gas emitting vehicles
AMS-III.D. - Methane recovery in agricultural and agro industrial activities
AMS-III.E. - Avoidance of methane production from biomass decay through
controlled combustion
AMS-III.F. - Avoidance of methane production from biomass decay through
composting
AMS-III.G. - Landfill methane recovery
AMS-III.H. - Methane recovery in wastewater treatment
AMS-III.I. - Avoidance of methane production in wastewater treatment
through replacement of anaerobic lagoons by aerobic systems
AMS-III.J. - Avoidance of fossil fuel combustion for carbon dioxide
production to be used as raw material for industrial processes
Muito Obrigado!
•
•
•
Rogério Pecci Filho
Fone: (11) 3372-9572
Email: rpecci@institutototum.com.br
Download

Slide 1