Notícia anterior
Classificação do artigo Próxima notícia
20 mar 2015 O Globo THIAGO HERDY E TIAGO DANTAS [email protected] oglobo.com. br
Dirceu intermediou contato com
Chávez, diz empresário
Petista teria ajudado duas empresas a resolver problemas na Venezuela
­SÃO PAULO­ Empresas que contrataram os serviços de consultor do ex­ministro da Casa Civil José
Dirceu afirmam que estavam interessadas em suas análises sobre conjuntura política ou sua atuação
como lobista em países da América Latina. Dirceu intermediou até mesmo encontros com o ex­presidente
Hugo Chávez, como informou um dos contratantes ao GLOBO.
ANDRÉ COELHO/04­11­2014
Faturamento. Dirceu, cuja empresa recebeu, de 2006 a 2013, R$ 29,2 milhões
O dono da Consilux Tecnologia, Aldo Vendramin, disse ter pagado R$ 1,22 milhão a Dirceu para
assessorar a empresa “no relacionamento com o governo venezuelano”, um de seus principais clientes.
Desde 2006, a Consilux participa da construção de moradias e infraestrutura em bairros populares da
Venezuela, ao custo de US$ 416 milhões.
— Tínhamos muitas dificuldades com o recebimento (por contratos), havia um desgaste grande com o
governo. Foi muito satisfatório o serviço prestado, a relação melhorou muito. Sou grato — disse
Vendramin.
Segundo ele, Dirceu atuou em conversas com ministros venezuelanos e com o próprio presidente da
Venezuela à época, Hugo Chávez. O ex­ministro alega que os serviços foram prestados dentro da lei.
Responsável por pagamentos que totalizaram R$ 1,5 milhão, a Ambev também diz ter contado com os
serviços de consultoria de Dirceu em atendimento às suas operações na Venezuela e “em função do
notório conhecimento de que dispunha (Dirceu) acerca do país vizinho”. Na época, o petista atuou,
segundo a Ambev, para evitar que Chávez levasse adiante projeto de confiscar uma das fábricas da
companhia na Venezuela.
A lista de clientes da JD Assessoria e Consultoria, empresa de Dirceu, foi tornada pública em inquérito
que apura a relação do ex­ministro com empresas investigadas na Operação LavaJato. Entre 2006 e
2013, a empresa do petista recebeu R$ 29,2 milhões, dos quais R$ 8,5 milhões foram repassados por
prestadoras de serviço da Petrobras suspeitas de corrupção. Outro R$ 1,45 milhão foram pagos a uma
empresa de Milton Pascowitch, citado em depoimentos como operador de pagamento de propinas ao PT,
conforme revelou O GLOBO.
“INTERNACIONALIZAÇÃO”
Cliente que mais pagou oficialmente pelos serviços de Dirceu, a farmacêutica EMS disse ter buscado
com os serviços do ex­ministro a “internacionalização da empresa”, por meio da “prospecção, expansão e
diversificação dos negócios do grupo”. Segundo relatório da Receita Federal, Dirceu recebia R$ 150 mil por
mês da empresa, que não quis dizer em que países o petista trabalhou. Os pagamentos ocorreram entre
2009 e 2013, e totalizaram R$ 7,8 milhões.
Holding que pertence ao controlador da Hypermarcas, a maior empresa de bens de consumo do Brasil,
a Monte Cristalina Ltda. pagou R$ 1,59 milhão ao petista entre 2008 e 2013. Em troca, diz ter recebido
“análises e palestras sobre o cenário político brasileiro”, usada como “suporte para as suas decisões de
investimentos”.
Quem também diz ter buscado a “análise do cenário político brasileiro e latino­americano” a um custo
de R$ 20 mil por mês foi o Grupo ABC, do publicitário Nizan Guanaes, que pagou R$ 1,1 milhão ao petista.
Prestadora de serviços de tratamento de resíduos em 16 estados brasileiros e no Peru, a Solví
Participações diz ter pago R$ 448 mil a Dirceu entre 2008 e 2010, em apoio “às ações de
internacionalização da empresa”, segundo a assessoria.
De acordo com a Solví, o serviço prestado foi “satisfatório” e considerou o “conhecimento geopolítico
da América do Sul” do ex­ministro. A Solví reúne aproximadamente 30 empresas, entre elas a Revita
Engenharia, acusada pela contadora Meire Poza de emitir notas frias. A empresa nega.
A Arns Engenharia e a Credencial Construtora pagaram, respectivamente, R$ 600 mil e R$ 200 mil a
Dirceu, em busca de oportunidades fora do país. No entanto, segundo a empresa, os negócios não
prosperaram.
— Foi uma tentativa válida — disse Eduardo Meira, sócio da Credencial.
Impresso e distribuído por NewpaperDirect | www.newspaperdirect.com, EUA/Can: 1.877.980.4040, Intern: 800.6364.6364 | Copyright protegido
pelas leis vigentes.
Notícia anterior
Próxima notícia
Download

Dirceu intermediou contato com Chávez, diz empresário