TEORIA DO ESTADO
CONTEMPORÂNEO
INCICIATIVA POPULAR
É O DIREITO CONSTITUCIONAL QUE TORNA
POSSÍVEL
OS
CIDADÃOS
BRASILEIROS
APRESENTAREM PROJETOS DE LEI.
OS ENCAMINHAMENTOS DE PROJETOS DE LEI
PODEM SER REALIZADOS EM TRÊS NÍVEIS:
-NACIONAL
-ESTADUAL
-MUNICIPAL
INICIATIVA POPULAR NO
CONCEITO NACIONAL
LEI Nº. 9.709 DE 18 DE NOVEMBRO
1988
ART. 13
A
INICIATIVA
POPULAR
CONSISTE
NA
APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE LEI À
CÂMARA DOS DEPUTADOS, SUBSCRITO POR
NO
MÍNIMO
UM
ELEITORADO NACIONAL.
POR
CENTO
DO
AS
COLETAS
DE
ASSINATURAS
DEVEM
ATINGIR NO MÍNIMO CINCO ESTADOS, COM
NÃO MENOS DE TRÊS DÉCIMOS POR CENTO
DOS ELEITORES DE CADA UM DELES.
ART. 13 § 2º
O PROJETO DE LEI DE INICIATIVA POPULAR NÃO
PODERÁ SER REJEITADO POR VÍCIO DE FORMA,
CABENDO A CÂMARA DOS DEPUTADOS, POR SER
ÓRGÃO
COMPETENTE,
PROVIDENCIAR
A
CORREÇÃO DE EVENTUAIS IMPROBIDADES DE
TÉCNICA OU REDAÇÃO.
OS
PROJETOS
EVENTUALMENTE
SERÃO
VOTADOS
APROVADOS
E
PELOS
DEPUTADOS E SENADORES DE ACORDO COM
O § 2º DO ARTIGO 61 DA CONSTITUIÇÃO
FEDERAL DE 1988.
EXEMPLO DE PROJETOS DE INICIATIVA
POPULAR:
CRIMES HEDIONDOS
E A COMPRA DE VOTOS.
O PROJETO DE LEI PODERÁ TER SÓ
UM ASSUNTO.
INICIATIVA POPULAR, ESTADO DO RIO
GRANDE DO SUL
LEI Nº 9.207 DE 21 DE JANEIRO DE
1991.
CONSTITUIÇÃO DO RIO GRANDE DO
SUL.
O PROJETO DE INICIATIVA POPULAR PODE
SER ENCAMINHADO
NA FORMA DE
PROJETO DE LEI OU PROPOSTA DE EMENDA
CONSTITUCIONAL.
O PROJETO SERÁ TOMADO POR NO MÍNIMO
DE UM POR CENTO DO ELEITORADO QUE
TENHA VOTADO NAS ÚLTIMAS ELEIÇÕES
GERAIS DO ESTADO.
A COLETA DE ASSINATURAS DEVE SER
DISTRIBUÍDA POR NO MÍNIMO EM UM
DÉCIMO DOS MUNICÍPIOS, COM NÃO MENOS
DE MEIO POR CENTO DOS ELEITORES DE
CADA UM DELES.
RECEBIDO O REQUERIMENTO A ASSEMBLÉIA
VERIFICARÁ
REQUISITOS
O
COMPONENTE
DOS
PREVISTOS,
DANDO-LHE
TRAMITAÇÃO IDÊNTICA À
DOS DEMAIS
PROJETOS.
OS PROJETOS DE INICIATIVA POPULAR
QUANDO REJEITADOS PELA ASSEMBLÉIA
LEGISLATIVA
SERÃO
REFERENDO POPULAR SE:
SUBMETIDOS
A
NO PRAZO DE 120 DIAS, DEZ POR CENTO
DO ELEITORADO QUE TENHA VOTADO NAS
ÚLTIMAS ELEIÇÕES GERAIS DO ESTADO
REQUER.
OS
RESULTADO
REFERENDÁRIAS
PELO
DAS
SERÃO
PRESIDENTE
LEGISLATIVA.
DA
CONSULTAS
PROMULGADOS
ASSEMBLÉIA
INICIATIVAS POPULARES
MUNICIPAIS
LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO DE
IJUÍ
ARTIGO 31:
A INICIATIVA POPULAR SERÁ EXERCIDA
MEDIANTE PROJETO DE LEI DE INTERESSE
ESPECÍFICO DO MUNICÍPIO, DA CIDADE E DOS
BAIRROS.
O PROJETO DE INICIATIVA POPULAR TERÁ
VALIDADE ATRAVÉS DA MANIFESTAÇÃO DE
PELO
MENOS
CINCO
ELEITORADO MUNICIPAL.
POR
CENTO
DO
INICIATIVAS POPULARES NÃO
GOVERNAMENTAIS
AS
INICIATIVAS
GOVERNAMENTAIS
POPULARES
ATUAM
A
NÃO
NÍVEL
INTERNACIONAL, NACIONAL, ESTADUAL E
MUNICIPAL.
A SUA ATUAÇÃO OCORRE EM DIVERSAS
ÁREAS COMO: MEIO AMBIENTE, SAÚDE,
EDUCAÇÃO, ENTRE OUTROS, SENDO O
OBJETIVO
PRINCIPAL
QUALIDADE DE VIDA.
UMA
MELHOR
AS
INICIATIVAS
IMPORTANTES
PARA
POPULARES
AS
SÃO
NECESSIDADES,
DEFESA, INTERESSE E DIREITOS DO SER
HUMANO E TODA A COMPLEXIDADE DE VIDA
QUE O CERCA.
REFERÊNCIAS
-LEI Nº 9.709 DE 18 DE NOVEMBRO DE 1998
PLEBISCITO. REFERENDO DE INICIATIVA POPULAR
www.soleis.adv.br
-CONSTITUIÇÃO DO RIO GRANDE DO SUL
www.objetivos.com/docs/lei_organica_municipaijui.p.d.f
REFERÊNCIAS
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
ANTUNES, Paulo Bessa. Direito Ambiental. 2ed. Amplamente Reformulado. 14ª ed., Rio de Janeiro: Atlas, 2012.
Amaral, Diogo Freitas, Ciência Política, vol I ,Coimbra,1990
AQUINO, Rubim Santos Leão de . et al. História das Sociedades Americanas. 7 ed. Rio de Janeiro: Record, 2000.
ARANHA, Maria Lúcia. Filosofando: Introdução á Filosofia. São Paulo: Moderna, 1993.
ARRUDA, José Jobson de A. e PILETTI, Nelson. Toda a História. 4 ed. São Paulo: Ática, 1996.
ASCENSÃO, José de Oliveira. Breves Observações ao Projeto de Substitutivo da Lei de Direitos Autorais. Direito da
Internet e da Sociedade da Informação. Rio de Janeiro: Ed. Forense, 2002.
BRANCO JR., Sérgio Vieira. Direitos Autorais na Internet e o Uso de Obras Alheias. Ed. Lúmen Júris, 2007.
BUZZI, Arcângelo. Introdução ao Pensar. Petrópolis; ed. Vozes, 1997.
CAPEZ, Fernando. Curso de Direito Penal. V. 2, Parte Especial. 10. Ed. São Paulo: Saraiva, 2010.
CERQUEIRA, João da Gama. “Tratado da Propriedade Industrial”, vol. II, parte II. Revista Forense: Rio de Janeiro,
1952.
CHAUÍ, Marilena. Convite á Filosofia. São Paulo,10ª. Ed.,Ática,1998.
COTRIM, Gilberto. História Global: Brasil e Geral. 6 ed. São Paulo: Saraiva, 2002.
CRETELLA JÚNIOR, José. Curso de Direito Administrativo. Rio de Janeiro: Forense, 2003.
DEON SETTE, MARLI T. Direito ambiental. Coordenadores: Marcelo Magalhães Peixoto e Sérgio Augusto Zampol
DINIZ, Maria Helena. Curso de direito civil brasileiro: teoria das obrigações contratuais e extracontratuais. 3. ed. São
Paulo: Saraiva, 1998, v. 3.
DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo. São Paulo: Atlas, 2005.
COELHO, Fábio Ulhoa. Curso de direito comercial. 6. ed. São Paulo: Saraiva, 2002, v. 1, 2 e 3.
REFERÊNCIAS
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
FERRAZ JUNIOR, Tercio Sampaio. Introdução ao Estudo do Direito: técnica, decisão, dominação. 6.ed. São Paulo:
Atlas, 2008.
FIORILLO, Celso Antonio Pacheco. Curso de Direito Ambiental Brasileiro. 13ª ed., rev., atual. E compl. – São Paulo
:Saraiva, 2012.
FRAGOSO, Heleno Cláudio. Lições de direito penal: especial. 11. ed. atual. por Fernando Fragoso. Rio de Janeiro :
Forense, 2005.
GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito Civil Brasileiro, vol I: Parte Geral. São Paulo: Saraiva, 2007
GAGLIANO, Plablo Stolze & PAMPLONA FILHO, Rodolfo. Novo curso de direito civil, v. 1 - 5 ed. São Paulo: Saraiva.
2004.
GRINOVER, Ada Pellegrini et al. Código Brasileiro de Defesa do Consumidor comentado pelos autores do
anteprojeto. 8. ed. rev., ampl. e atual. Rio de Janeiro: FU, 2004.
JESUS, Damásio E. de. Direito Penal – V. 2 – Parte Especial dos Crimes Contra a Pessoa a dos Crimes Contra o
Patrimônio. 30 ed. São Paulo: Saraiva, 2010.
LAKATOS, Eva Maria. Introdução à Sociologia. São Paulo: Atlas, 1997
LAKATOS, E. M. & MARCONI, M. A. Sociologia Geral. São Paulo: Atlas, 1999
MARQUES, Claudia Lima. Contratos no Código de Defesa do Consumidor: o novo regime das relações contratuais.4.
ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: RT, 2004.
MARTINS FILHO, Ives Gandra da Silva. Manual de direito e processo do trabalho. 18.ed. São Paulo: Saraiva, 2009.
MARTINS, Sérgio Pinto.Direito do Trabalho. 25.ed. São Paulo: Atlas, 2009.
MARTINS, Carlos Benedito. O que é Sociologia. Rio de Janeiro: Zahar, 1988
MEDAUAR, Odete. Direito Administrativo Moderno. São Paulo: RT, 2001.
MEIRELLES, Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro. São Paulo: Malheiros, 1996.
MIRABETE, Julio Fabbrini. Processo penal. 18. ed. – São Paulo: Editora Atlas, 2006.
REFERÊNCIAS
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
MORAES, de Alexandre. Direito Constitucional. São Paulo: Atlas, 2004.
PEIXINHO, Manoel Messias. Os princípios da Constituição de 1988. Rio de Janeiro: Lúmen Júris, 2001.
Piçarra, Nuno, A separação dos poderes como doutrina e princípio constitucional: um contributo para o estudo das
suas origens e evolução, Coimbra, Coimbra Editora, 1989
NUCCI, Guilherme de Souza. Manual de processo penal e execução penal. 3. ed. – São Paulo: Editora Revista dos
Tribunais, 2007.
PEREIRA, Caio Mario da Silva. Instituições de direito civil, v.1. Rio de Janeiro: Forense. 2004.
POLETTI, Ronaldo. Introdução ao Direito. 4. ed., São Paulo: Saraiva, 2010..
PRADO, Luiz Regis. Curso de direito penal brasileiro. 11. ed. São Paulo : RT, 2007, v. 2.
REALE, Miguel. Lições Preliminares de Direito. 27.ed São Paulo: Saraiva, 2006.
REQUIÃO, Rubens. Curso de direito comercial. 8. ed. São Paulo: Saraiva, 1977, v. 1 e 2.
RUSSOMANO, Mozart Victor. Comentários à Consolidação das Leis do Trabalho. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense,
2005.
SELL, Carlos Eduardo. Sociologia Clássica . Itajai: EdUnivali, 2002
VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito Civil (Parte Geral), v.1 – 3 ed. São Paulo: Atlas. 2003.
ATENÇÃO
Parte deste material foi coletado na internet e não foi possível identificar a
autoria. Este material se destina para fins de estudo e não se encontra
completamente atualizado.
FIM
• _________________Obrigado pela atenção!!
•
Acimarney C. S. Freitas – Advogado – OAB-BA Nº 30.553
•
Professor de Direito do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Bahia – IFBA – campus de Vitória da
Conquista
•
Diretor do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Bahia – IFBA – campus de Brumado.
•
Bacharel em Teologia
•
Especialista em Direito Educacional - FTC
•
Especialista em Educação Profissional e de Jovens e Adultos - IFBA
•
Mestrando em Filosofia - UFSC
Email: acimarney@gmail.com
Facebook: Ney Maximus
Download

TEORIA DO ESTADO CONTEMPORÂNEO – INICIATIVA