• O QUE É ANARQUISMO?
É a teoria baseada na ausência do Estado.
Afirma que tudo o que limita a liberdade do ser humano
deve ser suprimido.
Pretende destruir igrejas, estado, propriedade privada,
lei.
O QUE ELE DEFENDE?
- Ausência de um governo nocivo
-População organizada em harmonia
-Sociedade sem hierarquia
-Descentralismo
-Em sua maioria são contra a violência
"As liberdades não se concedem,
conquistam-se."
(Piotr Kropotkin)
• DE ONDE SURGIU?
-Teve início na metade do séc.XIX, na frança.
-Seu desenvolvimento foi paralelo ao do movimento
socialista;
-Foi criado pela luta do oprimido pela liberdade;
-Criado por uma classe trabalhadora e sua resistência à
exploração.
“o movimento Anarquista se renova cada vez que recebe as impressões de uma grande lição prática: ele deriva sua origem dos ensinamentos da vida em
si mesma“ (Kropotkin)
-Nasceu com o advento do capitalismo.
-O 1° homem a dizer-se anarquista foi o francês
Joseph Proudhon.
"Assim, anarquismo não se deriva de reflexões abstratas de um intelectual ou de um filósofo,
o anarquismo nasce a partir da luta direta dos trabalhadores contra o capitalismo, nasce a
partir do necessario e das necessidades dos trabalhadores, nasce a partir de suas aspirações
por liberdade e igualdade, aspirações que tornam-se particularmente incisivas nos melhores
períodos heróicos da vida e da luta das massas trabalhadoras” (Movimento Makhnovista)
• PROPOSTAS ANARQUISTAS:
-Formação de comunidades livres
-Extinção de propriedades privadas
-Término da “instituição igreja”, mas não como um
templo de fé.
-A violência é inevitável como legítima defesa à
instituições coercivas.
-Busca por um mundo Livre, Igualitário, Fraterno e Solidário.
-O homem é capaz de viver em Paz com seus semelhantes, sem um
Estado superior.
"Assim, sob qualquer ângulo que se esteja situado para considerar
esta questão, chega-se ao mesmo resultado execrável: o governo da
imensa maioria das massas populares se faz por uma minoria
privilegiada. Essa minoria, porém, dizem os marxistas, compor-se-á
de operários. Sim, com certeza, de antigos operários, mas que, tão
logo se tornem governantes ou representantes do povo, cessarão de
ser operários e pôr-se-ão a observar o mundo proletário de cima do
Estado; não mais representarão o povo, mas a si mesmos e suas
pretensões de governá-lo. Quem duvida disso não conhece a
natureza humana.” (Mikhail Aleksandrovitcj Bakunin)
• O ANARQUISMO NO MUNDO:
-Se iniciou na metade do séc. XIX, na França
- Por Pierre-Joseph Proudhon
-O movimento anarquista deixou de ser um movimento
de massas após a II Guerra Mundial, e perdeu a grande
influência que exercia sobre os movimentos operários
dos vários países europeus.
-Continuou influenciando revoltas populares na segunda
metade do séc. XX.
-
"As pessoas vão à igreja pelos mesmos motivos que vão à
taverna: para estupefazerem-se, para esquecerem-se de sua
miséria, para imaginarem-se, de algum modo, livres e felizes.“
(Mikhail Aleksandrovitcj Bakunin)
• O ANARQUISMO NO BRASIL:
-Iniciou-se em 1889, com a criação da Colônia Cecília, em
Palmeiras- PR, criada por Giovanni Rossi.
-Era baseada no trabalho, vida, no “amor livre”. Teve pequena
duração.
-Mas foi em SP que surgiram os primeiros Anarquistas
Revolucionários.
-Ganhou força com a imigração de trabalhadores europeus,
nos primeiros anos de industrialização.
-A imprensa anarquista teve início em 1898.
-Predominou na luta pelas reivindicações operárias.
Formou-se o partido Comunista (1922)
-As grandes greves de 1917(SP), 1918(RJ) e 1919(SP e RJ)
obedeceram a comandos de uniões anarquistas.
• ANARQUISTAS CONHECIDOS:
Pyotr Alexeyevich Kropotkin
(09/12/1842 - 08/02/1921)
Pierre-Joseph Proudhon
(15/01/1809 - 19/01/1865)
Henry David Thoreau
(12/07/1817 - 06/05/1862)
• ANARQUISTAS BRASILEIROS:
Maria Lacerda de Moura
(16/05/1887 - 20/03/1945)
Domingos Passos
(Data desconhecidas)
Edgard Leuenroth
(1881-1968)
Curiosidade:
• Pouca gente sabe, mas um dos primeiros clubes de
futebol do Brasil foi criado em Santos (cidade
portuária que foi a porta de entrada de muitos
anarquistas), lá no início do século, por imigrantes
europeus. O nome do time era Libertários Futebol
Clube, e suas cores vermelhas e negras. Era um dos
melhores times de várzea de Santos.
"Aquele que botar as mão sobre
mim, para me governar, é um
usurpador, um tirano.
Eu o declaro meu inimigo"
Pierre-Joseph Proudhon
"A anarquia é a ordem."
REFERÊNCIAS
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
ANTUNES, Paulo Bessa. Direito Ambiental. 2ed. Amplamente Reformulado. 14ª ed., Rio de Janeiro: Atlas, 2012.
Amaral, Diogo Freitas, Ciência Política, vol I ,Coimbra,1990
AQUINO, Rubim Santos Leão de . et al. História das Sociedades Americanas. 7 ed. Rio de Janeiro: Record, 2000.
ARANHA, Maria Lúcia. Filosofando: Introdução á Filosofia. São Paulo: Moderna, 1993.
ARRUDA, José Jobson de A. e PILETTI, Nelson. Toda a História. 4 ed. São Paulo: Ática, 1996.
ASCENSÃO, José de Oliveira. Breves Observações ao Projeto de Substitutivo da Lei de Direitos Autorais. Direito da
Internet e da Sociedade da Informação. Rio de Janeiro: Ed. Forense, 2002.
BRANCO JR., Sérgio Vieira. Direitos Autorais na Internet e o Uso de Obras Alheias. Ed. Lúmen Júris, 2007.
BUZZI, Arcângelo. Introdução ao Pensar. Petrópolis; ed. Vozes, 1997.
CAPEZ, Fernando. Curso de Direito Penal. V. 2, Parte Especial. 10. Ed. São Paulo: Saraiva, 2010.
CERQUEIRA, João da Gama. “Tratado da Propriedade Industrial”, vol. II, parte II. Revista Forense: Rio de Janeiro,
1952.
CHAUÍ, Marilena. Convite á Filosofia. São Paulo,10ª. Ed.,Ática,1998.
COTRIM, Gilberto. História Global: Brasil e Geral. 6 ed. São Paulo: Saraiva, 2002.
CRETELLA JÚNIOR, José. Curso de Direito Administrativo. Rio de Janeiro: Forense, 2003.
DEON SETTE, MARLI T. Direito ambiental. Coordenadores: Marcelo Magalhães Peixoto e Sérgio Augusto Zampol
DINIZ, Maria Helena. Curso de direito civil brasileiro: teoria das obrigações contratuais e extracontratuais. 3. ed. São
Paulo: Saraiva, 1998, v. 3.
DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo. São Paulo: Atlas, 2005.
COELHO, Fábio Ulhoa. Curso de direito comercial. 6. ed. São Paulo: Saraiva, 2002, v. 1, 2 e 3.
REFERÊNCIAS
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
FERRAZ JUNIOR, Tercio Sampaio. Introdução ao Estudo do Direito: técnica, decisão, dominação. 6.ed. São Paulo:
Atlas, 2008.
FIORILLO, Celso Antonio Pacheco. Curso de Direito Ambiental Brasileiro. 13ª ed., rev., atual. E compl. – São Paulo
:Saraiva, 2012.
FRAGOSO, Heleno Cláudio. Lições de direito penal: especial. 11. ed. atual. por Fernando Fragoso. Rio de Janeiro :
Forense, 2005.
GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito Civil Brasileiro, vol I: Parte Geral. São Paulo: Saraiva, 2007
GAGLIANO, Plablo Stolze & PAMPLONA FILHO, Rodolfo. Novo curso de direito civil, v. 1 - 5 ed. São Paulo: Saraiva.
2004.
GRINOVER, Ada Pellegrini et al. Código Brasileiro de Defesa do Consumidor comentado pelos autores do
anteprojeto. 8. ed. rev., ampl. e atual. Rio de Janeiro: FU, 2004.
JESUS, Damásio E. de. Direito Penal – V. 2 – Parte Especial dos Crimes Contra a Pessoa a dos Crimes Contra o
Patrimônio. 30 ed. São Paulo: Saraiva, 2010.
LAKATOS, Eva Maria. Introdução à Sociologia. São Paulo: Atlas, 1997
LAKATOS, E. M. & MARCONI, M. A. Sociologia Geral. São Paulo: Atlas, 1999
MARQUES, Claudia Lima. Contratos no Código de Defesa do Consumidor: o novo regime das relações contratuais.4.
ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: RT, 2004.
MARTINS FILHO, Ives Gandra da Silva. Manual de direito e processo do trabalho. 18.ed. São Paulo: Saraiva, 2009.
MARTINS, Sérgio Pinto.Direito do Trabalho. 25.ed. São Paulo: Atlas, 2009.
MARTINS, Carlos Benedito. O que é Sociologia. Rio de Janeiro: Zahar, 1988
MEDAUAR, Odete. Direito Administrativo Moderno. São Paulo: RT, 2001.
MEIRELLES, Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro. São Paulo: Malheiros, 1996.
MIRABETE, Julio Fabbrini. Processo penal. 18. ed. – São Paulo: Editora Atlas, 2006.
REFERÊNCIAS
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
MORAES, de Alexandre. Direito Constitucional. São Paulo: Atlas, 2004.
PEIXINHO, Manoel Messias. Os princípios da Constituição de 1988. Rio de Janeiro: Lúmen Júris, 2001.
Piçarra, Nuno, A separação dos poderes como doutrina e princípio constitucional: um contributo para o estudo das
suas origens e evolução, Coimbra, Coimbra Editora, 1989
NUCCI, Guilherme de Souza. Manual de processo penal e execução penal. 3. ed. – São Paulo: Editora Revista dos
Tribunais, 2007.
PEREIRA, Caio Mario da Silva. Instituições de direito civil, v.1. Rio de Janeiro: Forense. 2004.
POLETTI, Ronaldo. Introdução ao Direito. 4. ed., São Paulo: Saraiva, 2010..
PRADO, Luiz Regis. Curso de direito penal brasileiro. 11. ed. São Paulo : RT, 2007, v. 2.
REALE, Miguel. Lições Preliminares de Direito. 27.ed São Paulo: Saraiva, 2006.
REQUIÃO, Rubens. Curso de direito comercial. 8. ed. São Paulo: Saraiva, 1977, v. 1 e 2.
RUSSOMANO, Mozart Victor. Comentários à Consolidação das Leis do Trabalho. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense,
2005.
SELL, Carlos Eduardo. Sociologia Clássica . Itajai: EdUnivali, 2002
VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito Civil (Parte Geral), v.1 – 3 ed. São Paulo: Atlas. 2003.
ATENÇÃO
Parte deste material foi coletado na internet e não foi possível identificar a
autoria. Este material se destina para fins de estudo e não se encontra
completamente atualizado.
FIM
• _________________Obrigado pela atenção!!
•
Acimarney C. S. Freitas – Advogado – OAB-BA Nº 30.553
•
Professor de Direito do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Bahia – IFBA – campus de Vitória da
Conquista
•
Diretor do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Bahia – IFBA – campus de Brumado.
•
Bacharel em Teologia
•
Especialista em Direito Educacional - FTC
•
Especialista em Educação Profissional e de Jovens e Adultos - IFBA
•
Mestrando em Filosofia - UFSC
Email: acimarney@gmail.com
Facebook: Ney Maximus
Download

ANARQUISMO