SITUAÇÃO ALARMANTE DOS REFUGIADOS
ANUNCIA DESASTRE AINDA MAIS TERRÍVEL
+Louis Raphael Sako
Patriarca Caldeu da Babilónia
Presidente da Conferência Episcopal do Iraque
Bagdade – Iraque
10 de Agosto 2014
A morte e a doença estão a arrebatar as crianças e os idosos que se encontram entre os
milhares de famílias refugiadas espalhadas pela região do Curdistão, as quais perderam tudo
nos recentes desenvolvimentos trágicos, enquanto os combatentes do ISIS avançam e a ajuda
humanitária é insuficiente.
Há 70 mil cristãos deslocados em Ankawa, juntamente com outras minorias, nesta cidade com
uma população de mais de 25 mil cristãos. As famílias que encontraram abrigo dentro de
igrejas e escolas estão relativamente seguras, enquanto as que ainda dormem na rua e nos
parques públicos se encontram numa situação deplorável…
Em Dohuk, o número de refugiados cristãos ultrapassa os 60 mil e a sua situação é pior que em
Erbil. Há também famílias que encontraram abrigo em Kirkuk e Sulaymaniyah, e outras
chegaram até à capital, Bagdade.
DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO DA FUNDAÇÃO AIS
Tel. 217544000 | info@fundacao-ais.pt | www.fundacao-ais.pt
Enquanto as necessidades humanitárias se agravam – abrigo, alimentos, água, medicamentos
e dinheiro - a falta de coordenação internacional está a demorar e a limitar uma assistência
eficaz a estes milhares de pessoas que aguardam um apoio imediato. As Igrejas estão a prestar
toda a assistência possível dentro das suas capacidades.
Em resumo, a situação das aldeias cristãs em torno de Mossul até à fronteira com a região do
Curdistão é a seguinte: as igrejas foram abandonadas e profanadas; cinco bispos estão fora dos
seus episcopados, os sacerdotes e as religiosas deixaram as suas missões e instituições,
deixando tudo para trás, as famílias fugiram com as suas crianças, abandonando tudo! O nível
de desastre é extremo.
A posição do presidente americano Obama de apenas disponibilizar assistência militar para
proteger Erbil é decepcionante. As palavras que sugerem a divisão do Iraque são ameaçadoras.
Os Americanos não estão dispostos a contribuir para uma solução rápida que traga a
esperança, uma vez que não vão atacar o ISIS em Mossul e na planície de Nínive. A
confirmação de que esta situação terrível irá continuar até as Forças de Segurança do Iraque
combaterem, juntamente com os peshmerga, os membros do ISIS é bastante deprimente. O
Presidente da região do Curdistão afirmou que as tropas curdas estão a combater com um
estado terrorista e não com grupos minoritários! Enquanto o país está sob fogo, os políticos
em Bagdade estão a lutar pelo poder.
No final, talvez Mossul e as aldeias da planície de Nínive não sejam libertadas. Não há
nenhuma estratégia para secar as fontes humanas e os recursos destes terroristas islâmicos.
Eles controlam a cidade petrolífera de Zumar e os campos petrolíferos de Ain Zalah e Batma,
assim como os de Al-Raqqa e Deir ez-Zor, na Síria. Os combatentes extremistas islâmicos estão
a juntar-se a eles vindos de diferentes países.
As escolhas das famílias refugiadas:
Migração: para onde e terão os documentos e o dinheiro necessários?
Para ficar: nos salões e em campos de refugiados, à espera que o Verão termine e o Inverno
chegue? Reabrirão as escolas e poderão as crianças e os jovens frequentar as escolas
primárias, secundárias e as universidades? Serão acolhidos nas escolas de Erbil, Duhok e
Sulaymaniyah? Qual é o futuro das propriedades e dos bens, bem como dos empregos, destes
milhares de pessoas inocentes forçadas a fugir das suas aldeias, de um dia para o outro?
Estas são perguntas que deveriam causar dor na consciência de cada pessoa e organização, a
fim de que se faça algo para salvar este povo que tem a sua história nesta terra desde a sua
origem.
DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO DA FUNDAÇÃO AIS
Tel. 217544000 | info@fundacao-ais.pt | www.fundacao-ais.pt
Download

leia aqui o apelo