SITUAÇÃO ATUAL DA MORTALIDADE
MATERNA NA BAHIA E REGIÃO DE
ITABUNA-BA
Iraní P. Dorzeé
ASPECTOS CONCEITUAIS
Mulher em Idade Fértil (MIF)
CONCEITO
 ÓBITO
É o desaparecimento permanente de todo
sinal de vida, em um momento qualquer
depois do nascimento, sem possibilidade
de ressuscitação, conforme definição da
Organização Mundial da Saúde (OMS)
Definição
Internacional
Óbitos de mulheres entre 15 e 49 anos.
Brasileira
Óbitos de mulheres entre 10 e 49 anos.
(ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE)
Mortalidade Materna
Morte Materna
“É a morte de uma mulher durante a gestação ou
até 42 dias após o término da gestação,
independentemente da duração ou da localização
da gravidez.
É causada por qualquer fator relacionado ou
agravado pela gravidez ou por medidas tomadas
em relação a ela.
Não é considerada Morte Materna a que é
provocada por fatores acidentais ou incidentais.”
(OMS)
Morte
Materna
Obstétrica
Direta
Não
Obstétrica
Indireta
Tardia
Causas obstétricas
Direta
“Complicações obstétricas durante gravidez, parto ou puerpério
devido a intervenções, omissões, tratamento incorreto ou a uma
cadeia de eventos resultantes de qualquer dessas causas.”
• Gravidez terminada em aborto
Ex: aborto infectado
• Transtornos hipertensivos da gravidez, parto ou
puerpério
Ex: pré-eclâmpsia, eclâmpsia, hipertensão prévia com
pré-eclâmpsia sobrepost
• Outros transtornos maternos relacionados com a
gravidez
Ex: hemorragia, complicações venosas na gravidez,
ITU
(OMS)
Causas obstétricas
Direta
“Complicações obstétricas durante gravidez, parto ou puerpério
devido a intervenções, omissões, tratamento incorreto ou a uma
cadeia de eventos resultantes de qualquer dessas causas.”
• Complicações do Trabalho de Parto e Parto
Ex: hemorragia da segunda metade,
complicações de
anestesia
• Complicações relacionadas com o puerpério
Ex: infecção puerperal, complicações venosas
no Puerpério, embolia amniótica.
(OMS)
Causas obstétricas
Indireta
“Doenças que existiam antes da gestação ou
que se desenvolveram durante esse período,
NÃO provocadas por causas obstétricas diretas,
mas agravadas pelos efeitos fisiológicos da gravidez
 Afecções anteriores da mãe complicando a gravidez, parto
ou puerpério
Ex: hipertensão prévia, diabete mellitus, cardiopatias,
hemoglobinopatias etc.
 Doenças infecciosas e parasitárias da mãe complicando a
gravidez, parto ou puerpério
Ex: sífilis, tuberculose, malária, hepatites etc.
 Tétano obstétrico
e Doenças causadas pelo HIV*
Morte Materna
Tardia
“Morte
de
uma
mulher,
devido
a
causas
obstétricas diretas ou indiretas, que ocorre num
período de 43 a 364 dias após o fim da gravidez.”
0BS: Esses óbitos NÃO são incluídos no cálculo da razão de mortalidade
materna.
(ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE)
Morte Materna
Não Obstétrica
“Resultante de causas incidentais ou acidentais não
relacionadas à gravidez e seu manejo.”
(ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE)
Morte Materna
Declarada
Não Declarada
“Quando as informações
“Quando as informações
registradas
na
DO
registradas na DO não
permitem classificar o
permitem classificar o
óbito como materno.”
óbito como materno.”
“Apenas com os dados
obtidos na investigação
é
que
tratar-se
(ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE)
materna.”
se
de
descobre
morte
Morte Materna Mascarada (Presumível)
“Aquela cuja causa básica, relacionada ao estado
gravídico-puerperal, não consta na DO por falhas no
preenchimento.”Consta apenas a causa terminal das
afecções ou a lesão que sobreveio por último na
sucessão de eventos que levou a morte, ocultando o
óbito materno.
Exemplos: AVC, causa desconhecida, SAM, embolia
pulmonar, peritonite, pneumonia, IRA, IAM, EAP,
crise convulsiva, septicemia.
CAUSA BÁSICA DA MORTE (OMS)
“É doença ou lesão que iniciou a cadeia de
acontecimentos
patológicos
que
conduziram
diretamente à morte ou as circunstâncias do
acidente ou violência que produziu a lesão fatal.”
RAZÃO DE MORTALIDADE MATERNA
Óbitos maternos ( O00 a O95+ O98+O99)*
RMM
100.000
Nascidos vivos
*Óbitos maternos codificados fora do capítulo XV da CID-10:
-B20 – B24 – Doença causada pelo HIV
-A34 – Tétano obstétrico
-D39.2 – Neoplasia de placenta
-E23.0 – Necrose pós parto da hipófise
-M83.0 – Osteomalácea puerperal
-F.53 – Transtornos mentais e comportamentais associados ao puerpério
RAZÃO DE ÓBITOS MATERNOS
Por 100.000 Nascidos Vivos
> 100
MUITO ALTO
50 - 100
ALTO
10 - 50
MÉDIO
< 10
BAIXO
SITUAÇÃO ATUAL
70,0
60,0
PRINCIPAIS GRUPOS DE CAUSAS DE INTERNAÇÕES DE
MULHERES EM IDADE FÉRTIL NA REDE SUS. BAHIA, 2012
58,0
50,0
% 40,0
30,0
20,0
10,0
8,0
6,2
5,9
4,7
D. do aparelho
geniturinário
D. do aparelho digestivo
Algumas DIP"S
Neoplasias
0,0
Gravidez parto e
puerpério
FONTE: MS/DATASUS; SESAB/SUVISA/DIS SIH-SUS
PRINCIPAIS GRUPOS DE CAUSAS DE INTERNAÇÕES DE MULHERES EM
IDADE FÉRTIL NA REDE SUS DA REGIÃO DE ITABUNA-BA , 2012
70,0
60,0
%
57,6
50,0
40,0
30,0
20,0
8,9
10,0
6,1
5,7
5,6
Algumas DIP"S
Neoplasias
D Ap. Digestivo
0,0
Gravidez parto e
puerpério
FONTE: MS/DATASUS; SESAB/SUVISA/DIS SIH-SUS
D. do aparelho
geniturinário
PRINCIPAIS GRUPOS DE CAUSAS DE ÓBITO DE MULHERES EM IDADE FÉRTIL
RESIDENTES NA BAHIA, 2012*
25,0
20,0
19,6
18,5
15,7
15,0
%
13,2
10,0
6,7
5,4
5,0
5,1
4,6
2,3
0,0
PRINCIPAIS GRUPOS DE CAUSAS DE ÓBITO DE MULHERES EM IDADE FÉRTIL
RESIDENTES NA REGIÃO DE ITABUNA-BAHIA, 2012*
18,0
16,0
17,0
16,6
16,1
14,2
14,0
12,0
% 10,0
8,0
7,1
6,1
6,0
5,2
4,0
1,9
2,0
0,0
1,9
RAZÃO DE MORTALIDADE MATERNA BAHIA, 2000 A
2011*
100,0
90,0
89,4
80,0
70,0
68,1
60,0
50,0
50,9
67,4
RAZÃO
Linear (RAZÃO)
40,0
30,0
20,0
10,0
0,0
2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009* 2010 2011
Fonte de dados: MS/DATASUS; SESAB/SUVISA/DIS SIM
Data de coleta: 02/07/2013
200,0
Razão de Mortalidade Materna, segundo Dires de residência.
Bahia, 2011*
180,0
RAZÃO (Por 100.000 NV)
160,0
140,0
120,0
100,0
80,0
67,4
60,0
40,0
20.7
20,0
0,0
FONTE: SESAB/SUVISA/DIS - SIM e SINASC
*Dados preliminares
DIRES
Morte materna, segundo tipo de causa
obstétrica. Bahia, 2012*.
Fonte de dados: DIS/DIVEP/SIM WEB
*Dados preliminares
Data de atualização: 01/07/2013
Morte materna, segundo tipo de causa obstétrica.
Região de Saúde de Itabuna, 2012-2013*.
Fonte de dados: DIS/DIVEP/SIM WEB
*Dados preliminares
Data de atualização: 19/07/2013
Distribuição dos Óbitos Maternos por municípios de residência da 7ª dires. Bahia, 2010-2013.
R. S. Itabuna
2012
2013
5
1
ALMADINA
AURELINO LEAL
BARRO PRETO
BUERAREMA
CAMACAN
COARACI
FLORESTA AZUL
GONGOGI
IBICARAÍ
1
IBIRAPITANGA
1
ITABUNA
1
ITAJU DO COLÔNIA
ITAJUÍPE
1
ITAPÉ
ITAPITANGA
JUSSARI
MARAU
1
PAU BRASIL
SANTA CRUZ DA VITÓRIA
SÃO JOSÉ DA VITÓRIA
1
UBAITABA
UBATÃ
Fonte de dados: DIS/DIVEP/SIM WEB
Data de atualização: 01/08/2013
Meta : 100%
ÓBITOS MATERNOS POR CAUSAS E MUNICÍPIOS DE RESIDÊNCIA DA 7ª DIRES –BA, 2012*
Causas
Ibicaraí
O72.1 - Outras hemorragias do pós-
Ibirapitanga
Itabuna
Itajuípe
Maraú
1
parto imediato
O46.0 - Hemorragia anteparto com
deficiência de coagulação
1
O86.4 - Febre de origem desconhecida
subsequente ao parto
1
O15.9 - Eclampsia não especificada
quanto ao período
1
O008 - Outras formas de gravidez
ectopica
TOTAL
FONTE: SESAB/DIS/SIM
1
1
* Dados preliminares em 01/07/13
1
1
1
1
ÓBITOS MATERNOS POR CAUSAS E MUNICÍPIOS DE RESIDÊNCIA DA 7ª DIRES –BA, 2013*
Causas
O72.1 - Outras hemorragias do pós-parto imediato
TOTAL
FONTE: SESAB/DIS/SIM
* Dados preliminares em 01/08/13
Ubaitaba
1
1
Mortalidade Materna
A redução da mortalidade materna no Brasil é ainda um
desafio para os serviços de saúde e a sociedade como
um todo.
As altas taxas encontradas se
configuram em um grave problema
de
saúde
pública,
atingindo
desigualmente
as
regiões
brasileiras, com maior prevalência
entre mulheres das classes sociais
com menor ingresso e acesso aos
bens sociais.
Muito Obrigada!
Telefone: (71) 3116-0022
E-mail: veo.divep@yahoo.com.br
Site: www.suvisa.ba.gov.br
Equipe:
GT Óbito Infantil e Fetal
Selma Rios
Consultora: Ana Gabriela Victa
Estagiária: Marta Lopes
GT Óbito MIF e Materno
Irani Dorzée
Gildete Farias
Download

Mortalidade Materna