25º CIOSP
REUNIÃO PARALELA
ABENO
CRITÉRIOS NA
AVALIAÇÃO DA
PÓS-GRADUAÇÃO
STRICTO SENSO NA
ODONTOLOGIA
PROF.DR.NEY SOARES DE ARAÚJO
REPRESENTANTE ODONTOLOGIA
CAPES
COORDENAÇÃO DE
APERFEIÇOAMENTO DE
PESSOAL DE NÍVEL
SUPERIOR
CRIADA EM 11 DE JULHO DE 1951
DECRETO LEI 29.741
PROF. ANÍSIO SPINOLA DE OLIVEIRA
SECRETÁRIO
CAPES
PROF.DR JORGE ALMEIDA GUIMARÃES
PRESIDENTE
PROF.DR.RENATO JANINE RIBEIRO
DIRETOR DE AVALIAÇÃO
ESTRUTURA
FUNCIONAL
CONSELHO SUPERIOR
CONSELHO TÉCNICO CIENTÍFICO
GRANDE ÁREA DA SAÚDE
ODONTOLOGIA
CURSOS
DE
PÓS-GRADUAÇÃO
Programas e Cursos de pós-graduação
Totais de Cursos de pós-graduação
GRANDE ÁREA
Total
CIÊNCIAS AGRÁRIAS
261
M
103
D
F
3
M/D
4
151
Total
M
D
F
412
254
154
4
Relação de Cursos Recomendados e Reconhecidos
CIÊNCIAS BIOLÓGICAS
210
47
4
8
151
361
198
155
8
CIÊNCIAS DA SAÚDE
431
128
15
39
249
680
377
264
39
CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA
250
100
3
10
137
387
237
140
10
CIÊNCIAS HUMANAS
336
158
4
5
169
505
327
173
5
CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS
291
158
0
36
97
388
255
97
36
ENGENHARIAS
276
113
4
31
128
404
241
132
31
LINGÜÍSTICA, LETRAS E ARTES
133
63
0
1
69
202
132
69
1
OUTRAS
200
103
11
53
33
233
136
44
53
BRASIL
2.388
973
44
187
1.184
3.572
2.157
1.228
187
Data da última atualização: 19/09/2006
GRANDE ÁREA DA SAÚDE
MEDICINA I
MEDICINA II
MEDICINA III
SAÚDE COLETIVA
ODONTOLOGIA
ENFERMAGEM
FARMÁCIA
EDUCAÇÃO FÍSICA
GRANDE ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE
ÁREA (ÁREA DE AVALIAÇÃO)
Programas e Cursos de pósgraduação
Tot
al
M
D
F
M/
D
Totais de Cursos de
pós-graduação
Tot
al
M
D
F
EDUCAÇÃO FÍSICA (EDUCAÇÃO FÍSICA )
20
12
0
0
8
28
20
8
0
ENFERMAGEM (ENFERMAGEM )
29
13
1
3
12
41
25
13
3
FARMÁCIA (FARMÁCIA )
27
10
0
2
15
42
25
15
2
FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL
(EDUCAÇÃO FÍSICA )
7
6
0
0
1
8
7
1
0
FONOAUDIOLOGIA (EDUCAÇÃO FÍSICA )
8
3
0
1
4
12
7
4
1
195
34
12
6
143
338
177
155
6
NUTRIÇÃO (MEDICINA II )
12
6
0
1
5
17
11
5
1
ODONTOLOGIA (ODONTOLOGIA )
89
25
2
15
47
136
72
49
15
SAÚDE COLETIVA (SAÚDE COLETIVA )
44
19
0
11
14
58
33
14
11
431
128
15
39
249
680
377
264
39
MEDICINA (MEDICINA I, II, III)
Total de CIÊNCIAS DA SAÚDE
Data da última atualização: 19/09/2006
Cursos:
M - Mestrado Acadêmico, D - Doutorado, F - Mestrado Profissional
Programas:
M/D - Mestrado Acadêmico / Doutorado,
A NOVA FICHA DE AVALIAÇÃO É COMPOSTA DE
CINCO QUESITOS E UM COMPLEMENTO
QUESITOS:
PROPOSTA DO PROGRAMA
CORPO DOCENTE
CORPO DISCENTE,TESES E DISSERTAÇÕES
PRODUÇÃO INTELECTUAL
INSERÇÃO SOCIAL
COMPLEMENTO:
CRITÉRIOS PARA ATRIBUIÇÃO DE NOTAS 6 E 7
FICHA DE AVALIAÇÃO
ATUAL
ANTERIOR
I- PROPOSTA DO PROGRAMA
I- PROPOSTA DO PROGRAMA
II- CORPO DOCENTE
II- CORPO DOCENTE
III- CORPO DISCENTE,TESES E
DISSERTAÇÕES
III- ATIVIDADE DE PESQUISA
IV- ATIVIDADE DE FORMAÇÃO
IV-PRODUÇÃO INTELECTUAL
V- CORPO DISCENTE
V- INSERÇÃO SOCIAL
VI- TESES E DISSERTAÇÕES
VI- COMPLEMENTO
VII- PRODUÇÃO INTELECTUAL
I PROPOSTA DO PROGRAMA
(SEM ATRIBUIÇÃO DE PESO)
a) Síntese da avaliação.
Ítens1)
Avaliação2)
1
Coerência, consistência, abrangência e atualização das áreas de
concentração, linhas de pesquisa e projetos em andamento (pesquisa,
desenvolvimento e extensão).
(Orientação do CTC: Examinar se o conjunto de atividades atende à(s) área(s) de
concentração proposta(s) e suas linhas de pesquisa.)
2
Coerência, consistência e abrangência da estrutura curricular.
(Orientação do CTC: Examinar se o conjunto de disciplinas e suas respectivas ementas são
atuais e se atendem às áreas de concentração e estão em consonância com o corpo de
docentes permanentes.)
3
Infra-estrutura para ensino, pesquisa e extensão.
(Orientação do CTC: Analisar a adequação da infra-estrutura para o ensino, a pesquisa, a
administração, as condições laboratoriais, áreas experimentais, áreas de informática e a
biblioteca disponível para o Programa.)
Comissão
2)
Atributos: Muito Bom, Bom, Regular, Fraco, Deficiente.
a.Apreciação da Comissão.
II - CORPO DOCENTE
Peso 30%
Síntese da avaliação
Ítens
1
Formação (titulação,
diversificação na origem de
formação, aprimoramento e
experiência).
Peso
s
10%
Critérios1)
Análise qualitativa.
Verificar se todo o corpo docente é composto por
doutores;
Avaliar se as áreas e a diversificação da formação do
corpo docente é adequada e não endógena;
Avaliar o nível de experiência do corpo docente,
inclusive sua projeção nacional e internacional;
Avaliar se o corpo docente tem atraído alunos para
estágios pós-doutorais.
Referencial para análise Quantitativa
Bolsa Produtividade (será considerado um bônus
para o programa)
oMB: 30%
oB: 20% a 29%
oR: 10% a 19%
Percentual de docentes nas condições de visitantes
em outras IES nacionais e internacionais, de
consultores técnico-científicos de instituições
públicas, privadas e órgãos de fomento; de
pareceristas, corpo editorial e editor de periódicos
especializados nacionais e internacionais:
oMB 50% ou mais ;
oB – de 30 a 49 %;
oR – de 20 a 29 %;
oF – de 10% a 19 %
oD – menos de 10%.
2
Adequação da
dimensão,
composição
(experiência
acadêmicocientífica) e
dedicação dos
DOCENTES
PERMANENTES para
o desenvolvimento
das atividades de
ensino, pesquisa e
orientação do
programa.
20 %
Análise qualitativa.
Avaliar o tipo e o nível de atuação do
corpo docente permanente nas
atividades de ensino, de pesquisa, de
orientação, de publicação e de
formação de mestres e doutores
(adequar os critérios quantitativos
em relação aos novos docentes
permanentes – aqueles que atuam há
menos de três anos no Programa)
Referencial para análise Quantitativa
Proporção de docentes permanentes
com atividades de ensino, pesquisa,
de orientação e formação de mestres
e doutores:
oMB – 80 % ou mais;
oB – 70 a 79 %;
oR – 60 a 69 %;
oF – 50 a 59 %
oD – menos de 50 %.
3 Perfil, compatibilidade e
integração do corpo
docente permanente
com a Proposta do
Programa
20 %
(especialidade,
adequação em relação
à proposta do programa
e ao corpo discente).
Análise qualitativa.
Avaliar a estabilidade do corpo docente
permanente, considerando o impacto
gerado nas atividades de ensino, de
pesquisa e de orientação em função das
possíveis reduções, incorporações e
substituições de docentes.
Avaliar a adequação do percentual de
docentes permanentes em tempo integral
e com vínculo institucional (60% dos
permanentes)
Avaliar se a dinâmica do Programa revela
dependência da atuação de docentes
visitantes e colaboradores (Não há limite
para o número de docentes colaboradores ou
visitantes, desde que a parcela majoritária das
atividades de ensino, pesquisa e orientações
esteja a cargo de docentes permanentes.)
Avaliar se as áreas de formação
acadêmica dos docentes permanentes são
adequadas à Proposta do Programa (AC,
LP e PP);
4 Atividade docente e
distribuição de carga
letiva entre os docentes
permanentes.
5 Participação
dos
docentes
nas
atividades de ensino e
pesquisa
na
GRADUAÇÃO, quando
pertinente,
com
particular atenção à
repercussão que este
item
pode
ter
na
formação de futuros
ingressantes na PG.
10 %
20 %
Análise qualitativa.
Avaliar se há distribuição eqüitativa de
oferta das disciplinas que compõem a
estrutura curricular do Programa pelos
docentes permanentes
Análise qualitativa.
Avaliar o nível de envolvimento do corpo
docente com atividades de ensino,
iniciação científica e orientação de
trabalho de conclusão de curso em nível
de graduação.
Obs: a inserção de estudantes de Iniciação
Científica no Programa será muito valorizada.
6 Participação
dos docentes
em pesquisa e
desenvolvimento de
projetos.
1)
Análise qualitativa.
Avaliar capacidade do corpo
docente do Programa captar
recursos financeiros (agências de
20 % fomento à pesquisa; instituições
pública e privada; indústrias ou
similares) para a execução de
projetos de pesquisa e de
desenvolvimento.
Descrição dos projetos, fonte
financiadora e valores obtidos
durante o período da avaliação.
Obs: será valorizada a captação de
recursos que não sejam destinados
especificamente para os programas de
pós-graduação.
Atributos: Muito Bom, Bom, Regular, Fraco, Deficiente.
III - CORPO DISCENTE,TESES E
DISSERTAÇÕES
(Peso 30%)
OBS: Os itens deste quesito devem ser
considerados separadamente para Mestrado e
Doutorado, embora, ao final, deva ser gerada uma
nota e atributo únicos
Itens
1
Pesos
Orientações de teses e
dissertações concluídas no
período de avaliação em
relação ao corpo docente
permanente e à dimensão do
corpo discente.
15%
Avaliação 1)
Análise qualitativa.
Avaliar a proporção de teses e dissertações
concluídas em relação ao corpo docente
permanente (adequar os critérios quantitativos em
relação aos novos docentes permanentes –
aqueles que atuam há menos de três anos no
Programa);
Avaliar a proporção de titulações em relação à
dimensão do corpo discente.
Referenciais para análise Quantitativa:
Proporção de docentes permanentes com alunos
titulados no triênio:
MB – 80% ou mais;
B – 60% a 79%;
R – 40 a 59%;
F/D – menos de 39%;
Proporção de alunos titulados em relação à
dimensão do corpo discente (considerar a
variação do CD no ano-triênio):
MB – 30 % ou mais;
B - 25- 29%;
R - 20-24%;
F - 15 a 19%;
D – menos de 15%.
2
Adequação
e
compatibilidade
da
relação
orientador/discen
-te.
15%
Análise qualitativa.
Avaliar a proporção entre o
número de orientandos e o número
de orientadores, bem como a
distribuição eqüitativa (incluir os
orientandos de outros Programas
da mesma IES e de outras IES).
Observações:
oA Grande Área de Saúde considera
desejável que, em média, o programa
contemple 5 orientandos por
orientador.
oO número de orientandos deve ser
compatível com a experiência,
produção intelectual e
disponibilidade do orientador.
3
Participação
de
discentes autores da
pós-graduação e da
graduação
(neste
caso, se a IES possuir
graduação na área) na
produção
científica
do programa.
30%
Análise qualitativa.
oAvaliar a proporção de discentes e
egressos autores com publicações em
relação à dimensão do corpo discente.
Referenciais para análise Quantitativa:
oProporção entre o número de
publicações completas e qualificadas
com autoria ou co-autoria de discentes e
egressos no triênio e o número de teses
e dissertações concluídas no triênio
(índice=[número de publicações com
autoria discente no triênio]/[número de
teses e dissertações concluídas no triênio])
MB – 30% ou mais;
B – 25% a 29% ;
R – 20% a 24%;
F – 15% a 19%;
D – menos de 15%.
4
5
Qualidade das
Teses e
Dissertações:
Teses e
Dissertações
vinculadas a
publicações
Qualidade das
Teses e
Dissertações:
Outros
Indicadores.
30%
0%
Análise qualitativa, realizada
conjuntamente com o item 3.
Analisar a qualificação dos veículos
em que ocorreram as publicações
vinculadas às teses e dissertações
concluídas
6
Análise qualitativa.
Avaliar:
o tempo médio de titulação de
bolsistas e não-bolsistas em
nível de mestrado e do
doutorado;
a existência de bolsas de
10%
doutorado sanduíche;
Referenciais para análise Quantitativa
(somente bolsistas):
MESTRADO
MB – até 24 meses
B – de 25 a 30 meses
R – de 31 a 36 meses
F – de 37 a 42 meses
D – acima de 43 meses
Atributos: Muito Bom; Bom; Regular; Fraco; Deficiente.
DOUTORADO
MB – até 48 meses
B – de 49 a 54 meses
R – de 55 a 60 meses
F – de 61 a 66 meses
D – acima de 67 meses
Eficiência do
Programa na
formação de
mestres e doutores:
Tempo de formação
de Mestres e
doutores e
percentual de
bolsistas da Capes
e do CNPq titulados
1)
IV - PRODUÇÃO
INTELECTUAL
PESO 30%
Ítens
1
Publicações
qualificadas do
Programa por
docente
permanente.
Pesos
40%
Critério 1)
Referencial para análise quantitativa:
O NÚMERO TOTAL de publicações do
programa no triênio (cada produção deve
ser contabilizada apenas uma vez no
programa, mesmo que tenha a autoria de
mais de um docente) dividido pelo total
de docentes permanentes:
N Int-A/B / N docentes permanentes
N Int-C+ / N docentes permanentes
N Nac-A+ / N docentes permanentes
N Nac-B+ / N docentes permanentes
2
Distribuição de
publicações qualificadas
em relação ao corpo
docente do Programa. C
50%
Referencial para análise quantitativa:
Deve ser atingida A PROPORÇÃO de 80% dos
docentes permanentes do programa no triênio com
as autorias abaixo qualificadas (considera-se autoria, o
número de publicações do docente em questão,
independentemente se a publicação tem a participação de
outros docentes, discentes ou outros participantes):
CONCEITO EXCELENTE(7): 06 ou mais artigos em
Qualis Internacional A ou B, sendo que pelo menos
03 o sejam em Qualis Internacional A.
CONCEITO EXCELENTE(6): 04 ou mais artigos em
Qualis Internacional A ou B, sendo que pelo menos
02 o sejam em Qualis Internacional A.
CONCEITO: MUITO BOM(5): 3 ou mais artigos em
periódicos classificados como Qualis Internacional
C ou superior, sendo que pelo menos 1 seja em
Qualis Internacional A ou B.
CONCEITO BOM(4): 03 ou mais artigos em Qualis
Nacional A ou superior, sendo que pelo menos 1
seja em Qualis Internacional C ou superior.
CONCEITO REGULAR(3): 3 ou mais artigos em
Qualis Nacional B ou superior, sendo que pelo
menos 60% dos docentes tenham pelo menos 1
produto Qualis Internacional C ou superior.
CONCEITO FRACO(2): 02 ou mais artigos em
Qualis Nacional B ou superior.
CONCEITO DEFICIENTE(1): as demais situações.
3
Análise qualitativa
Outras
produções
Avaliar a participação do
consideradas
corpo docente permanente
relevantes, à 10% nos diferentes tipos de
produção técnica.
exceção da
artística
(programas com boa
(produção,
produção acadêmica não
técnica,
deverão ter seu conceito
patentes,
reduzido pela ausência de
produtos etc.)
produção técnica)
4
Produção
artística, nas
áreas em que
for
pertinente.
1Atributos:
0%
Muito Bom; Bom; Regular; Fraco; Deficiente.
V – INSERÇÃO SOCIAL
Peso 10%
Síntese da avaliação
Ítens
1
Pesos
INSERÇÃO E
IMPACTO
40%
REGINONAL
E
(OU)
NACIONAL
DO
PROGRAMA
Critério 1)
Análise Qualitativa considerando:
a) impacto educacional: contribuição para a melhoria do ensino
fundamental, médio, graduação, técnico/profissional e para o
desenvolvimento de propostas inovadoras de ensino. Um exemplo de
contribuição nesse campo, passível de ocorrer em algumas áreas,
seria no caso de geração pelo programa de “livros-textos” para a
graduação e dos livros didáticos para o ensino fundamental e médio.
A DAV tem recomendado que esses trabalhos sejam pontuados
positivamente, mas apenas quando forem excelentes ou muito bons.
Nossa sugestão é que se classificarmos os livros numa escala de 1a 7
– os didáticos e livros-textos que tiverem 6 e 7 mereceriam uma
pontuação elevada; os que tiverem 5 mereceriam nota média; os que
tiverem 4 ou menos não receberiam pontos. O objetivo desta idéia é
estimular a produção de tais trabalhos só quando forem excelentes,
uma vez que, se forem de qualidade média, eles não trarão nada de
novo e, sempre, representam um esforço que afasta o professor de
outras atividades prioritárias para o desempenho do programa, como
a produção cientifica e orientação de alunos).
b) impacto social – formação de recursos humanos qualificados para
a Administração Pública ou a sociedade civil que possam contribuir
para o aprimoramento da gestão pública e a redução da dívida social,
ou para a formação de um público que faça uso dos recursos da
ciência e do conhecimento;
c) impacto cultural – formação de recursos humanos qualificados para
o desenvolvimento cultural e artístico, formulando políticas culturais e
ampliando o acesso à cultura e às artes e ao conhecimento nesse
campo;
d) impacto tecnológico/econômico – contribuição para o
desenvolvimento micro-regional, regional e/ou nacional destacando
os avanços produtivos gerados; disseminação de técnicas e
conhecimentos...
Orientação do CTC: –
2 INTEGRAÇAO E
participação em programas de
COOPERAÇÃO
cooperação e intercâmbio
COM OUTROS
sistemáticos; participação em
PROGRAMAS
projetos de cooperação entre
COM VISTAS AO
DESENVOLVI40% programas com níveis de
consolidação diferentes,
MENTO
DA
voltados para a inovação na
PESQUISA E DA
pesquisa ou o desenvolvimento
PÓSda pós-graduação em regiões ou
GRADUAÇÃO
sub-regiões geográficas menos
aquinhoadas (atuação de
professores visitantes;
participação em programas
como “Casadinho”, PQI,
Dinter/Minter ou similares).
Análise Qualitativa:
3 VISIBILIDA-DE
OU
Manutenção de página Web para a
TRANSPARÊNdivulgação, de forma atualizada, de
CIA DADA
20% seus dados internos, critérios de
PELO
seleção de alunos, parte significativa
PROGRAMA À
de sua produção docente,
SUA ATUAÇÃO
financiamentos recebidos da Capes
e de outras agências públicas e
entidades privadas etc.
Garantia de amplo acesso a Teses
e Dissertações, pela Web, conforme
a Portaria Capes 13/ 2006, que torna
obrigatória essa providência.
1)Atributos:
Muito Bom; Bom; Regular; Fraco; Deficiente.
VI- DIFERENCIAIS DE
QUALIFICAÇÃO E LIDERANÇA
A ser utilizado apenas na
atribuição dos conceitos 6 e 7
São elegíveis ao conceito 6 ou 7, programas que
atendam aos critérios de excelência explicitados no
quesito “IV. Produção Intelectual”, itens “1. Número
de publicações qualificadas do Programa por
docente permanente” e “2. Distribuição de
publicações qualificadas em relação ao corpo
docente do Programa
Pes
os
Critérios 1)
25%
Análise qualitativa:
Avaliar se o programa tem qualidade equivalente a
centros de excelência internacional, com presença
relevante e de impacto
25%
Análise qualitativa:
Avaliar se o programa exerce posição de liderança
na formação de recursos humanos
3 LIDERANÇA
25%
Análise qualitativa:
Avaliar a capacidade do programa de nucleação de
programas de Pós-graduação e grupos de pesquisa
no país.
4 INSERÇÃO, PRESENÇA E
25%
Análise qualitativa:
Avaliar evidências de contribuição diferenciada do
programa para o desenvolvimento da sociedade,
através de formas inovadoras de pesquisa, sua
capacidade para atrair alunos para doutorado
sanduíche, estágios seniores ou pós-doutorado.
Ítens
1 QUALIFICAÇÃO DE
NÍVEL INTERNACIONAL
2
CONSOLIDAÇÃO DO
PROGRAMA COMO
FORMADOR DE
RECURSOS HUMANOS
DO
PROGRAMA
E
CAPACIDADE
DE
NUCLEAÇÃO DE GRUPOS
DE ENSINO E PESQUISA
RELEVÂNCIA DO
PROGRAMA NA
SOCIEDADE.
5 VISIBILIDADE – PÁGINA
WEB E ACESSO A
DISSERTAÇÕES E TESES
0%
QUALIDADE DOS DADOS E INFORMAÇÕES
a.Qualidade dos dados fornecidos e das informações disponíveis sobre o Programa.
Quesitos
Pesos
I
Proposta do Programa
II
Corpo Docente
III
Corpo Discente, Teses e Dissertações
IV
Produção Intelectual
Comissão
1)Atributos:
Bom; Regular; Deficiente.
a.Apreciação.
Coerência
Completude
Recomendações da Comissão ao Programa
Recomendação de Visita ao Programa
a.A CAPES deve promover visita de consultores ao Programa.
1)Opção:
S - Sim; N - Não.
Recomendação de Visita 1)
a.Em caso afirmativo, justificativa.
AVALIAÇÃO DOS PERIÓDICOS
CRITÉRIOS, REALIDADES E
TENDÊNCIAS
POR QUÊ?
IV - PRODUÇÃO
INTELECTUAL
PESO 30%
CRITÉRIOS
QUALIS
Classificação de veículos de divulgação da
Produção
Sensu,
Intelectual
utilizado
dos
pela
PG-
Stricto
Capes.
A
classificação é realizada de acordo com os
critérios definidos pelas comissões de
áreas
responsáveis
disponível
no
www.capes.gov.br
pela
site
avaliação
e
Capes,
WebQualis 2006
WebQualis é um aplicativo externo ao
Sistema de Coleta de Dados utilizado
para classificar os
veículos de
divulgação da produção científica dos
Programas de PG Stricto Sensu,
notadamente os periódicos científicos,
visando
o
aperfeiçoamento
dos
indicadores que subsidiam a avaliação
do Sistema Nacional de Pós-graduação,
SNPG.
Infocapes,10(2),2002
Classificação
Qualis - Dupla Entrada
1. Circulação do veículo
• Internacional
• Nacional
• Local
2. Qualidade
• Alta (A)
• Média (B)
• Baixa ( C)
CTC-Capes 12,13/05/2003
Qualis
1. Atualização
•
Novos veículos citados no Coleta Capes
•
Outros veículos que a área deseja incluir
•
Classificação na categoria regular de veículos já citados
1. Reclassificação: mudança de categoria do veículo
Observação: Um mesmo veículo pode ter, para diferentes
áreas, diferentes classificações.
REGRAS DO SISTEMA WEBQUALIS
COMO FUNCIONA
1. Recebe: dados relatório Coleta Capes disponível
2. Padroniza: Equipe técnica realiza a padronização
3. Libera: Representante de área libera a lista para que a
Comissão realize a classificação
4. Chancela: Representante de área chancela e não pode
mais ser alterada.
5. Publicado: Listas de periódicos e anais já se
encontram disponíveis no Portal capes
CAPES
Área de Avaliação: ODONTOLOGIA
Setembro / 2006
CRITÉRIOS UTILIZADOS PELA ÁREA DE ODONTOLOGIA PARA O
QUALIS 2004/2006
INTERNACIONAL A
Periódicos incluídos no JCR com Fator de Impacto) acima de 0,90
INTERNACIONAL B
Periódicos incluídos no JCR com Fator de Impacto abaixo de 0,90
INTERNACIONAL C
Periódicos indexados no MEDLINE
NACIONAL A
Periódicos indexados no SciELO
NACIONAL B
Periódicos indexados no LILACS
NACIONAL C
Periódicos indexados em outras bases de dados (BBO)
LOCAL C
Periódicos não indexados
BASES UTILIZADAS: JCR, MEDLINE, LILACS, BBO
CLASSIFICAÇÃO DOS PERIÓDICOS
PELA CAPES
CIRCULAÇÃO INTERNACIONAL
Journal Citation Report (JCR)
Fator de Impacto
Revistas Brasileiras Indexadas ISI
Ciências da Saúde

Memórias do Instituto Oswaldo Cruz 0.847

Brazilian J. of Medical and Biological Research 0.859

Genetics and Molecular Biology 0.285

Brazilian Journal Microbiology 0.165

Arquivos de Neuro Psiquiatria 0.228

Revista de Saúde Pública 0.170

Dados - Revista de Ciências Sociais 0.154

Brazilian Archives Biological Technology 0.131
Qualis Internacional C
MEDLINE
INTERNATIONAL
CUMULATIVE
PHARMACEUTICAL ABSTRACTS (IPA)
INDEX TO NURSING & ALLIED HEALTH
LITERATURE (CINAHAL)
SPORTDISCUS
ERIC
TROPICAL
DISEASES BULLETIN
SOCIOLOGICAL
PLANNING/POLICY & DEVELOPMENT
REVISTAS BRASILEIRAS NO MEDLINE
• Revista da Associação Médica Brasileira
• Brazilian Journal of Infectious Diseases
• Arquivos Brasileiros de Cardiologia
• Cadernos de Saúde Pública
• Arquivos de Gastroenterologia
• Revista Brasileira de Enfermagem
• Revista Paulista de Medicina
• Revista Latino Americana de Enfermagem
• Revista do Hospital Clinicas da FMUSP
• Brazilian Dental Journal
• Brazilian Oral Research
QUALIS NACIONAL
Os periódicos foram classificados de acordo com as bases
nas quais estão indexados

A - SCIELO

B - LILACS, EMBASE, EXCERPTA MÉDICA,
PSYCLIT.

C - Demais periódicos
PERIÓDICOS DA ÁREA DE ODONTOLOGIA INDEXADOS NO SCIELO
Acta Odontológica Venezuelana
Brazilian Dental Journal
Brazilian Oral Research
Journal of Applied Oral Science
Medicina Oral, Patología Oral y Cirugía
Bucal
Pesquisa Odontológica Brasileira
RCOE
Revista Cubana de Estomatología
Revista Dental Press de Ortodontia e
Ortopedia Facial
Revista de Odontologia da USP
Revista Espanola de Cirugia Oral y
Maxilofacial
REALIDADE
PÓS-GRADUAÇÃO: NÚMERO DE ALUNOS
 MESTRADO
PROFISSIONAL: 1879
 MESTRADO ACADÊMICO:
 DOUTORADO:
33004
61735
PÓS-GRADUAÇÃO
ODONTOLOGIA
ALUNOS
TITULADOS
MA
1380
MA
775
MP
350
MP
244
D
823
D
186
TENDÊNCIAS
4 PERIÓDICOS
4X15=60
4X60=240
MÉDIA DE TITULAÇÃO
ANO
MA 800
MP 250
D 200
Seminário – Avaliar para Avançar
55 anos da CAPES
30 anos de Avaliação da Pós-Graduação
Oficina 2
AS PUBLICAÇÕES EM PERIÓDICOS
Francisco J.B. Sampaio
Representante de Área - Medicina-III, CAPES / MEC
Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Oficina 2
AS PUBLICAÇÕES EM PERIÓDICOS
Um dos temas considerados candentes na definição
dos rumos da pós-graduação brasileira.
O nosso problema consiste em assegurar que a
divulgação da produção científica brasileira aumente
no mundo.
Isso significa, em todos os casos, um aumento das
publicações em periódicos internacionais e
internacionalização dos periódicos nacionais.
AUMENTO DAS PUBLICAÇÕES
INTERNACIONAIS
INTERNACIONALIZAÇÃO
DE NOSSOS PERIÓDICOS
EDITORAÇÃO ELETRÔNICA
AUMENTO DAS PUBLICAÇÕES
INTERNACIONAIS
SONHO DE UMA NOITE
DE VERÃO
DOS COORDENADORES
INTERNACIONALIZAÇÃO
DE
NOSSOS PERIÓDICOS
 SITE!! - free
 DIVULGAÇÃO
PENETRAÇÃO INTERNACIONAL
 Custos: 150 visitas = 32.000 visitas
EDITORAÇÃO
ELETRÔNICA
AUMENTO
DO NÚMERO DE
PUBLICAÇÕES
PUBLICAÇÃO
ELETRÔNICA
OPEN JOURNAL SYSTEM
PLOS
PRODUÇÃO
ODONTOLOGIA
Table 1 – Articles published in MEDLINE-indexed
journals by health subfield in the years 1998 to 2002,
Brazil and world total. The percent increase of the total
number of articles in 2002 in relation to 1998 and the
percent increase of the Brazil’s share of the world’s
publications in the same period are calculated. (Source:
Science, Technology and Innovation Indicators in the
State of S. Paulo, Brazil, 2004. [general coordinator: FR
Landi; executive coordinator R Gusmão] São Paulo,
FAPESP, 2005, 432 p.)
ARTICLES
INCREASE
SHARE
INCREASE %
732.149
23,3%
40,0%
9476
73,2%
1.343.510
10.560
6,4%
68,5%
58,7%
SOCIAL MD
WORLD
BRAZIL
201.232
2.728
1,6%
72,1%
70,4%
RELATED MD
WORLD
BRAZIL
308.104
2220
28,5%
161,4%
104,4%
2.328.754
21.962
11,9%
75,7%
56,8%
FIELD
BASIC MEDICINE
WORLD
BRAZIL
CLINICAL MD
WORLD
BRAZIL
TOTAL
WORLD
BRAZIL
PRODUÇÃO DA ODONTOLOGIA
BRASIL
ANO
PRODUÇÃO
1990-1994
111
2000-2004
1082
PERCENTUAL
0,37%
3,24%
IMPORTÂNCIA DAS
PUBLICAÇÕES JUNTO A
AGÊNCIAS DE FOMENTO
FAPESP
Auxílios 2001-2005
Concedidos
Não-Concedidos
57%
380
USP
47%
191
UNESP
60%
182
Unicamp
Outras
39%
99
Entidade
NãoConcedido
Conce
dido
Total
geral
%conce
dido
USP
164
216
380
57%
UNESP
101
90
191
47%
72
110
182
60%
60
39
99
39%
13
8
21
38%
ENTIDADES PARTICULARES DE ENSINO E PESQUISA
7
4
11
36%
ENTIDADES PARTICULARES - EP (CONTINUACAO)
6
4
10
40%
ENTIDADES PARTICULARES - EP
8
1
9
11%
PESSOAS FISICAS
5
3
8
38%
UNIVERSIDADE DE GUARULHOS
2
5
7
71%
SECR EST SAUDE DE SAO PAULO
3
3
6
50%
UNIVERSIDADE DE TAUBATE
3
3
6
50%
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SAO PAULO
3
1
4
25%
SECR EST CIENCIA TECNOLOGIA DESENVIMEN ECONOMICO TURISMO SP
1
2
3
67%
CENTRO UNIVERSITARIO UNIFMU
2
0
2
0%
FUNDACAO ARNALDO VIEIRA DE CARVALHO
2
0
2
0%
UNIVERSIDADE DE FRANCA
1
1
2
50%
CENTRO ESTADUAL EDUCACAO TECNOLOGIA PAULA SOUZA
0
1
1
100%
CENTRO UNIVERSITARIO HERMINIO OMETTO
0
1
1
100%
FACULDADES INTEGRADAS DE GUARULHOS
0
1
1
100%
FUNDACAO ANTONIO PRUDENTE
1
0
1
0%
UNIVERSIDADE CIDADE DE SAO PAULO
1
0
1
0%
UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL
1
0
1
0%
UNIVERSIDADE METODISTA DE SAO PAULO
1
0
1
0%
UNIVERSIDADE SANTA CECILIA DE SANTOS
0
1
1
100%
Unicamp
Outras
UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORACAO
OBRIGADO PELA ATENÇÃO
nsaraujo@usp.br
Download

pós-graduação - Associação Brasileira de Ensino Odontológico