O PROCON
LEI Nº 1.627, DE 24 DE NOVEMBRO DE
1995
 Cria o Sistema Estadual de Defesa do
Consumidor – SEDC.
 Cria a da Superintendência para Orientação e
Defesa do Consumidor e possui dentre outras
as seguintes competências:
 planejar, coordenar e executar a política
estadual de proteção ao Consumidor;
O PROCON
 prestar, aos consumidores, orientação
permanente sobre seus direitos e garantias;
 informar, conscientizar e motivar o consumidor,
através dos diferentes meios de comunicação;
 fiscalizar e aplicar as sanções administrativas
previstas na Lei Federal nº 8.078/90, e em
outras pertinentes à defesa do consumidor;
RELAÇÃO DE CONSUMO
As
relações
de
consumo
geralmente surgem através de
um negócio jurídico compreendido
entre duas ou mais pessoas,
geradas através de princípios
contratuais básicos, onde figuram
de um lado consumidor (es) e de
outro fornecedor(es).
CONCEITOS BÁSICOS
Consumidor – Art. 2°
Fornecedor – Art. 3º
Produto - §1° do Art. 3°
Serviço - §2° do Art. 3°
Consumidor por equiparação –
Art. 17 e Art. 29
PRAZO DECADENCIAL
O legislador determinou que houvesse
uma garantia legal para os produtos
viciados (art. 24), ao mesmo tempo deu
a esta garantia um prazo decadencial
(art. 26), isto é, tem o consumidor uma
garantia legal de adequação do produto,
independente de qualquer manifestação
do fornecedor, estando este, inclusive,
proibido de buscar desoneração de sua
responsabilidade por essa garantia
legal.
PRAZO DE GARANTIA
Esta garantia legal de adequação existe
por dois motivos: por um lado, quer a lei
que o consumidor usufrua de um período
no qual nenhum vício pode surgir; por
outro estabelece um limite de tempo (30
ou 90 dias) em benefício do fornecedor,
porque este não poderia ficar eternamente
responsável pelo produto.
Fazendo isso, o legislador estabelece um
equilíbrio na relação de consumo.
PRAZO DE GARANTIA
Assim, o legislador no art. 26 do
CDC fixou expressamente os prazos
para a extinção do direito de
reclamar por vícios do produto, e o
fez da seguinte forma:
30 dias, tratando-se de
fornecimento de produtos nãoduráveis;
90 dias, tratando-se de
fornecimento de produtos duráveis.
PRAZO DE GARANTIA
Tais prazos são usados tanto para os vícios
aparentes como para os vícios ocultos, porém o
dies a quo é diferente para cada caso.
 Tratando-se de vício aparente ou de fácil
constatação, o início do prazo se dá com a
entrega efetiva do produto, conforme se extrai
do § 1º do art. 26.
 Já, tratando-se de vício oculto, o § 3º do art.
26 estipulou que o início do prazo começa a ser
contado no momento em que ficar evidenciado
o defeito (entenda-se vício).
ENTENDA A CONTAGEM
Os prazos são decadenciais, por isso não se
interrompem nem se suspendem.
 Todavia, no CDC, não é assim que funciona,
pois havendo causas que obstem o prazo, ele é
suspenso.
 É o que se extrai do § 2º do art. 26, que diz
obstar a decadência: a reclamação formulada
pelo consumidor até a resposta negativa do
fornecedor e bem como a instauração de
inquérito civil a cargo do Ministério Público, até
o seu encerramento.
ENTENDA A CONTAGEM
 O prazo será suspenso e não interrompido, ma
vez que o propósito do legislador foi de
suspender o curso decadencial.
 Tanto é assim que o legislador usou a palavra
“até” nos dois eventos que obstam a
decadência, exatamente como nas causas
tradicionais de suspensão.
 Logo, trata-se de eventos que obstam a
decadência, mas que têm prazo para terminar.
Dessa forma, encerrado o tempo de suspensão, a
decadência retoma o seu curso até completar o
prazo de 30 ou 90 dias previsto na norma.
GARANTIA CONTRATUAL
Além da garantia legal, nada impede que
fornecedor dê um prazo maior de garantia,
chamada de garantia contratual, que não é
obrigatória, é mera faculdade do fornecedor,
que acaba por concedê-la a fim de atrair o
consumidor.
Tal garantia é regulada pelo art. 50 do CDC,
e é complementar à garantia legal, sendo
conferida mediante termo escrito.
GARANTIA CONTRATUAL
Caso o fornecedor venha a dar um prazo de
garantia contratual, este prazo nunca poderá
ser menor que o prazo da garantia legal, e
dentro do prazo garantido pelo fornecedor, até
o último dia, o produto não pode apresentar
vício.
Se apresentar, o consumidor tem o direito de
reclamar que se estende até 30 ou 90 dias
após o término da garantia.
PRAZO DE ARREPENDIMENTO
Ao adquirir um produto fora do
estabelecimento
comercial,
o
consumidor tem a possibilidade de
exercer
o
seu
direito
de
arrependimento,
mesmo
que
o
produto não apresente qualquer tipo
de vício, sem sequer ter que
expressar o motivo pelo qual está
desistindo da aquisição, respeitando,
é claro, o prazo que a lei estabelece.
PRAZO DE ARREPENDIMENTO
 Ocorre que, por muitas vezes, o consumidor
adquire produtos fora do estabelecimento
comercial, através de catálogos, telefone,
televisão e, mais modernamente, através da
internet, dentre outras formas de venda em
domicílio.
 Para estes casos, o CDC trouxe uma inovação,
que é o chamado direito de arrependimento,
onde o consumidor poderá desistir da aquisição
do produto, sem mesmo que este esteja
viciado, e mais, não precisará dizer a razão da
desistência.
PRAZO DE ARREPENDIMENTO
O CDC não especifica qual a forma de
manifestação, por isso, o consumidor poderá
fazê-la de várias formas, como por exemplo:
avisando
o
fornecedor
pelo
telefone;
comunicando-o pela internet, notificando-o
por correspondência através dos correios ou
lhe entregando pessoalmente no domicílio do
fornecedor, de seu preposto ou representante
e ainda por notificação via Cartório de Títulos
e Documentos, etc.
PRAZO DE ARREPENDIMENTO
Dispõe o art. 49 do CDC que: “o consumidor
pode desistir do contrato, no prazo de 7
(sete) dias...”.
O legislador, ao fixar este prazo, analisou
não só o lado do consumidor, que não pode
ser prejudicado por adquirir produtos
naquelas formas, mas também pensou no
fornecedor, fixando um prazo razoável de
sete dias para “evitar abusos que possam
ser cometidos pelo consumidor”.
CONTAGEM DO PRAZO
 Se o produto for entregue no dia da assinatura
do contrato, é a partir daí que se inicia a
contagem do prazo para a desistência.
 Se o contrato for assinado em um dia e o
produto entregue em outro dia, posterior ao da
assinatura, o prazo para exercer o direito de
arrependimento começa do dia em que o
produto for efetivamente entregue.
 Deve-se contar o prazo dessa forma, haja vista
que o consumidor só terá oportunidade de se
arrepender da compra quando tiver contato real
com o produto.
PRECIFICAÇAO
 Lei Federal nº 10.962/04
 “I – no comércio em geral, por meio de etiquetas
ou similares afixados diretamente nos bens
expostos à venda, e em vitrines, mediante
divulgação do preço à vista em caracteres
legíveis;
II – em auto-serviços, supermercados,
hipermercados, mercearias ou estabelecimentos
comerciais onde o consumidor tenha acesso
direto ao produto, sem intervenção do
comerciante, mediante a impressão ou afixação
do preço do produto na embalagem, ou a afixação
de código referencial, ou ainda, com a afixação de
código de barras.
Lei Federal nº 10.962/04
 Parágrafo único. Nos casos de utilização de
código referencial ou de barras, o comerciante
deverá expor, de forma clara e legível, junto
aos itens expostos, informação relativa ao
preço à vista do produto, suas características
e código.”
Decreto Federal n° 5.903/06
- Art. 2º
 “Os preços de produtos e serviços deverão ser
informados adequadamente, de modo a garantir ao
consumidor a correção, clareza, precisão,
ostensividade e legibilidade das informações
prestadas.
§ 1o Para efeito do disposto no caput deste artigo,
considera-se:
I - correção, a informação verdadeira que não seja
capaz de induzir o consumidor em erro;
II - clareza, a informação que pode ser entendida de
imediato e com facilidade pelo consumidor, sem
abreviaturas que dificultem a sua compreensão, e sem
a necessidade de qualquer interpretação ou cálculo;
Decreto Federal n°
5.903/06 - Art. 2º
 II - clareza, a informação que pode ser entendida
de imediato e com facilidade pelo consumidor,
sem abreviaturas que dificultem a sua
compreensão, e sem a necessidade de qualquer
interpretação ou cálculo;
III - precisão, a informação que seja exata,
definida e que esteja física ou visualmente ligada
ao produto a que se refere, sem nenhum
embaraço físico ou visual interposto;
IV - ostensividade, a informação que seja de fácil
percepção, dispensando qualquer esforço na sua
assimilação; e
V - legibilidade, a informação que seja visível e
indelével.”
INFRAÇOES - DECRETO
 “I - utilizar letras cujo tamanho não seja
uniforme ou dificulte a percepção da
informação, considerada a distância normal de
visualização do consumidor;
II - expor preços com as cores das letras e do
fundo idêntico ou semelhante;
III - utilizar caracteres apagados, rasurados
ou borrados;
IV - informar preços apenas em parcelas,
obrigando o consumidor ao cálculo do total;
INFRAÇOES - DECRETO
 V - informar preços em moeda estrangeira,
desacompanhados de sua conversão em
moeda corrente nacional, em caracteres de
igual ou superior destaque;
VI - utilizar referência que deixa dúvida
quanto à identificação do item ao qual se
refere;
VII - atribuir preços distintos para o mesmo
item; e
VIII - expor informação redigida na vertical ou
outro ângulo que dificulte a percepção.”
Obrigada!
rcosta@procon.ms.gov.br
Download

o cdc: instrumento de defesa do fornecedor