PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE TOLEDO
VIGILÂNCIA EM SAÚDE
RESOLUÇÃO SESA N° 700/2013
Dispõe sobre as condições para
instalação e funcionamento dos
Estabelecimentos de Salão de
Beleza, Barbearia e/ou Depilação
no Estado do Paraná.
Cleunice A. F. Sarturi- Enfermeira- VISA
TOLEDO – PR
2014
FLUXO DE ATENDIMENTO EM CASOS DE
ACIDENTE DE TRABALHO COM MATERIAL
BIOLÓGICO
Os profissionais devem ser orientados a
sempre comunicar imediatamente o acidente
à chefia imediata do local onde trabalham.
 Todos os estabelecimentos devem ter
conhecimento do protocolo (conduta na exposição
ocupacional a material biológico – HIV e Hepatite
B).
 Todo trabalhador deve conhecer a sua situação
vacinal (Hepatite B). Se houver dúvida no
esquema vacinal, encaminhar o trabalhador para
realizar uma 4ª dose de vacina e Imunoglobulina
anti- hepatite B e aguardar o resultado do AntiHBs.
.
Encaminhar o profissional ao serviço de referência de
Toledo, CISCOPAR- CTA/SAE que fica localizado na
Rua XV de novembro n°1287 ao lado do Hospital Bom
Jesus, com horário de atendimento das 08:00 às 12:00
– 13:30 às 17:00 horas. Neste serviço os profissionais
habilitados irão avaliar a gravidade do acidente e
realizar os devidos procedimentos e orientações. Serão
realizados exames (HIV, HBsAg, Anti-HBc, Anti-HCV
e VDRL), sendo que a 1ª coleta deve ser realizada
imediatamente após o acidente com material biológico,
pois na necessidade de antirretroviral, este deve ser
iniciado preferencialmente nas primeiras 2 horas após
o acidente.
 Se o acidente ocorrer em finais de semana ou a noite
entrar em contato com o mini hospital.

.
Se possível realizar a coleta do paciente fonte ou
solicitar ao serviço do CTA/SAE a coleta (com
consentimento do cliente). Pois a realização do exame
do cliente fonte facilita bastante a conduta a ser
tomada mediante um acidente de trabalho com
material biológico.
 Importante a coleta das amostras subsequentes ( 2ª, 3ª
e 4ª) que deverão ser coletadas, pois um acidente de
trabalho com material biológico só é concluído após
seis meses de acompanhamento e é de
responsabilidade do acidentado realizar o
acompanhamento até fechamento do caso.

RESOLUÇÃO SESA N° 700/2013
Reprocessamento
de
Materiais
SALÕES DE BELEZA E BARBEARIA
Faz parte do ritual da beleza a utilização de vários
materiais como escovas, tesouras, alicates, ceras,
espátulas, lâminas,toalhas entre outros. Cada
profissional deve zelar pelos seus materiais, pois
são imprescindíveis à sua atividade. Entre os
cuidados com os materiais o profissional deve dar
atenção especial à forma adequada de limpeza, que
varia conforme o tipo de material e o grau de risco
de transmissão de doenças. As toalhas por exemplo
não devem ser levadas para residência para serem
lavadas e devem ser lavadas com água e sabão,
passadas a ferro quente e armazenadas em saco
plástico individualmente, protegidas da poeira. A
troca das toalhas deve ser realizada a cada cliente.
CLASSIFICAÇÃO DE ARTIGOS
Críticos
Semicríticos
Não críticos
Esta classificação é realizada conforme o
grau de contato do artigo com o
organismo humano
Classificação de Spaulding.
Artigo não crítico = são artigos que entram em contato
com a pele integra. (pentes, escovas, cubetas e bacias )
limpeza e desinfecção de baixo nível
Artigo semi-crítico = entram em contato com a pele não
íntegra (minimamente colonizada) ou com mucosa íntegra.
(alicates e espátulas, lâminas )

Desinfecção de alto nível/esterilização.
Artigo crítico = utilizados em procedimentos invasivos,
penetram pele, tecidos estéreis ou sistema vascular,
incluindo artigos diretamente conectados a eles.
(alicates e lâminas )

Esterilização.
Resolução RDC 156, 11 de agosto de 2006
RDC 15 /2012
“Reprocessamento de produto de
saúde….
é o processo de limpeza e desinfecção ou esterilização a
ser aplicado a produto de saúde, que garanta a
segurança na sua utilização, incluindo controle de
qualidade em todas as suas etapas”.
Área de expurgo

Dispor de uma área exclusiva para
limpeza, embalagem e esterilização , de
materiais, dotada de pia com ponto de
água e bancada.
ETAPAS DO REPROCESSAMENTO

PRÉ LIMPEZA, TRANSPORTE E
DESMONTAGEM

LIMPEZA - 1ª INSPEÇÃO

DESINFECÇÃO- PADRONIZAR PRODUTO

SECAGEM - 2ª INSPEÇÃO

EMBALAGEM

ESTERILIZAÇÃO

ESTOCAGEM

VALIDAÇÃO CADA ETAPA

PROTOCOLOS CADA ETAPA
LIMPEZA
“Remoção de sujidades visíveis e detritos dos
materiais realizada com água adicionada de
sabão ou detergente neutro, de forma manual
ou automatizada, por ação mecânica, com
consequente redução da carga microbiana.
RE 2606, 22/08/06
DESINFECÇÃO
“ É o processo físico ou químico que elimina a
maioria dos microorganismos patogênicos de
objetos inanimados e superfícies. “
ESTERILIZAÇÃO
“ É o de destruição dos microorganismos,
realizado por meio de autoclave.”
Deve preceder os processos de desinfecção ou esterilização.
LAVAGEM E ENXÁGUE
Após a utilização os materiais, estes deverão ser colocados em um
recipiente com tampa com o devido produto químico para realizar da limpeza
(detergente enzimático). Este material deverá ficar exposto ao produto conforme
indicação do fabricante do produto. Após o tempo preconizado, lavar o material
em água corrente utilizando esponja ou escova, procede-se um criterioso enxágue
para a completa remoção dos resíduos dos agentes de limpeza (detergentes) ou
mesmo, resíduos orgânicos, agrupados à superfície do material, principalmente os
instrumentais articulados, que devem (ser abertos e fechados durante o processo
de enxágue).
Recipientes de plástico, borracha e vidro deverão ser lavados com água
corrente e sabão e depois serem colocados em submersão no produto químico
( hipoclorito de sódio a 1%) para desinfecção no tempo preconizado, após deixar
escorrer até o secamento. Este material deverá ficar exposto ao produto conforme
indicação do fabricante .
Materiais
abrasivos
saponáceos,
esponjas de
aço...
SECAGEM
Devem ser iniciadas logo após o
enxágue, abertos e enxugados com
compressa (tecido de algodão macio e
absorvente)
Daschner, 1997.
SELAGEM
Promover o fechamento
hermético da embalagem
com garantia de integridade
após o preparo,
esterilização,
armazenamento e
distribuição.
IDENTIFICAÇÃO DAS EMBALAGENS
Data de esterilização;
 Lote;
 Data de validade;
 Rubrica de quem realizou o processo.

CARREGAMENTO DO AUTOCLAVE
O
material, devidamente embalado, deve ser
colocado na autoclave desligada, não
ultrapassar 2/3 da sua capacidade e sem
encostar-se às laterais, dispostos de forma a
circulação do vapor ser eficiente. Embalagens
compostas de papel e filme devem estar com o
papel para baixo. Só ligar a autoclave depois
de terminada a disposição dos materiais.
Para retirar o material aguardar baixar a
temperatura a 60 graus.
REGISTROS ESCRITOS
- Data de processo
- Número do lote
- Tempo
- Temperatura
- Pressão
- Rubrica
- Controle quimico e biológico
QUALIFICAÇÃO DE DESEMPENHO DO EQUIPAMENTO E
VALIDAÇÃO PROCESSOS DE ESTERILIZAÇÃO
 Protocolos de manutenções preventivas –
calibração, agendamento, laudos
 Rotinas de acondicionamento dos artigos nos
equipamentos
 Registros biológicos e químicos do processo
Determinar parâmetros do ciclos –tempo,
temperatura e pressão.
Praticas recomendadas – sobecc/2007
CONTROLE DE PACOTE
Indicadores químicos internos
- Monoparamétrico – temperatura
- CLASSE 3 - Multiparamétrico – tempo, temperatura =
em todos os pacotes
- CLASSE 4 - Integrador – tempo, temperatura e pressão = pacotes
críticos, ciclos flash e cargas
subsequentes. Liberador de carga
- CLASSE 5 –
- Emulador/simulador – todos os parâmetros
críticos mais que o 5. Libera pelos parâmetros
- CLASSE 6
CONTROLE

BIOLÓGICO
Deverá ser colocado em um processo de
esterilização pelo menos uma vez por mês e ser
devidamente registrado.
OBS: passo a passo
ARMAZENAGEM
“Todo material processado deve possuir
local adequado para armazenagem de
forma que não haja risco de
recontaminação.”
“O prazo de validade de esterilização está
diretamente relacionado à qualidade da
embalagem e condições de
armazenagem. Sem validação validade de
7 dias.”
ARMAZENAGEM
Guardar e distribuir os materiais do estoque obedecendo
a ordem cronológica
Não utilizar materiais que apresentem alterações
(amassado, sujo, úmidos)
Verificar prazos de validade
Controle de estoque;
Prateleiras abertas ou fechadas (controle e limpeza
diária);
Inspeção periódica dos pacotes (validades e aspecto);
Identificação prateleiras;
Espaço restrito;
RASTREABILIDADE
Capacidade de investigar o histórico, a
aplicação ou a localização de um item
ou de uma atividade (ou itens ou
atividades semelhantes) por meio de
informações devidamente registradas.
OBRIGADA
DUVIDAS: ?????
Departamento de Vigilância em Saúde
3252-2717/3252-9892
vsanitaria@toledo.pr.gov.br
Download

Slide 1 - Portal do Município de Toledo