O. F. : E-Portefólios de aprendizagem – Fundamentos e Práticas
Boas práticas na utilização de E-Portefólios
de aprendizagem
Branca Silveira, Luís Reis e Marisa Moniz
Videoconferência, 12 de Maio de 2008
O. F. : E-Portefólios de aprendizagem – Fundamentos e Práticas
Em 2003, o consórcio europeu EifEL (European Institute for E-Learning)
lançou a campanha “ePortfolio para todos”, cujo principal objectivo é o de
que, em 2010, todo o cidadão europeu tenha acesso a um e-Portefólio.
O e-Portefólio, no actual contexto europeu, surge como um instrumento
de facilitação da mobilidade, da transparência e do reconhecimento das
aprendizagens formais e informais realizadas ao longo da vida.
O. F. : E-Portefólios de aprendizagem – Fundamentos e Práticas
O Projecto digiFolio - O Portfolio Digital como estratégia de
desenvolvimento profissional dos professores - nasceu de uma proposta
sugerida pelos representantes portugueses num Seminário de Contacto
promovido pela The Learning Teacher Network, uma das redes
comunitárias financiadas pelo programa Sócrates/Comenius e que teve
lugar em Dublin, Irlanda, em Novembro de 2004.
http://www.fpce.ul.pt/pessoal/ulfpcost/digifolio/
O. F. : E-Portefólios de aprendizagem – Fundamentos e Práticas
O DeGóis é uma plataforma complexa e madura que suporta uma
estrutura para a informação académica dos investigadores. Partindo do
potencial criado podem ser geradas, de forma transparente para o
utilizador, diversas vistas como, por exemplo, os CVs e os e-portefólios.
Esta evolução de uma plataforma rígida e isolada para uma plataforma
multifuncional, interoperável e integrável (…) um processo ainda não
concluído e onde Portugal desempenha um papel fundamental graças às
parcerias desenvolvidas e às ligações culturais que tem com países de
todo o mundo.
http://www.degois.pt
O. F. : E-Portefólios de aprendizagem – Fundamentos e Práticas
Portefólio reflexivo e desenvolvimento de competências:
uma experiência pedagógica em contexto universitário
Isabel Barbosa, Instituto de Educação e Psicologia, Universidade do Minho
Quadro 1: Constrangimentos, limitações e principais ganhos da experiência
O. F. : E-Portefólios de aprendizagem – Fundamentos e Práticas
O e-portefólio no ensino superior – reflexões em torno de
uma experiência na licenciatura em Ciências da Educação
da Universidade de Coimbra Teresa Pessoa [email protected]
ReginaLencastre [email protected]
Faculdade Psicologia e de Ciências da Educação, Universidade de Coimbra.
Algumas considerações sobre a avaliação dos portefólios:
“Ainda não tinha saboreado o prazer da resolução das minhas primeiras inquietações,
quando me vi a braços com um conjunto de PA, para avaliar: os alunos, como noutra
qualquer unidade curricular, tinham que ter uma “nota”! (…)
Com doze PA pela frente para avaliar e com as listagens de compromissos que com os
alunos tinha assumido, pus mãos à obra. Porque os PA eram individuais, aquilo que à
partida me tinha parecido objectivo era agora tão diverso que decidi registar os
aspectos que avaliaria.”
O. F. : E-Portefólios de aprendizagem – Fundamentos e Práticas
Um e-portefólio no ensino superior
Paula Carvalho, [email protected]
Luís Descalço, [email protected]
Universidade de Aveiro.
(…) um e-portfólio da disciplina de CálculoIII, destinada a estudantes
de Engenharia e frequentada por mais de mil alunos, da
responsabilidade do Departamento de Matemática da Universidade de
Aveiro; a experiência foi realizada durante o primeiro semestre do ano
lectivo de 2005/2006. tendo como base o Blackboard
AcademicSuite™ em http://elearning.ua.pt/ foi construído um eportfólio (…)
O. F. : E-Portefólios de aprendizagem – Fundamentos e Práticas
Autonomização dos e-portefólios nas EB1: visibilidade e
consciencialização da aprendizagem
Luís F. Barbeiro [email protected]
Isabel S. [email protected]
Escola Superior de Educação, Instituto Politécnico de Leiria
O Projecto de «Competências Básicas em TIC nas EB1», [email protected],
desenvolvido ao longo de 2006, incluiu entre os seus desafios e
indicadores a construção de portefólios digitais de turma. Este
instrumento encontra-se associado à visibilidade da manifestação de
competências de literacia digital dos alunos. A sua construção, enquanto
objecto autónomo, promove a tomada de consciência de aprendizagens
subjacentes aos trabalhos dos alunos, a tomada de decisão conducente
à sua selecção e a reflexão acerca dos projectos desenvolvidos na
turma.
O. F. : E-Portefólios de aprendizagem – Fundamentos e Práticas
O Sítio dos portefolios
A constituição de Portefólios digitais das turmas e das escolas
constitui um dos objectivos do Projecto de Competências Básicas em TIC
nas EB1. Através dos portefólios, pretende-se dar visibilidade aos
projectos e actividades que os alunos foram desenvolvendo ao longo do
ano, nos quais esteve integrado o recurso às Tecnologias de Informação
e Comunicação. Para além da divulgação dos portefólios nas páginas de
cada uma das escolas, quisemos criar um sítio de cruzamento de
percursos, para potenciar a visibilidade alcançada e promover a
interacção.
Neste “Sítio Encantado dos Portefólios” poderá descobrir o empenho
colocado pelos alunos nos projectos que desenvolveram e deixar o seu
contributo para a interacção.
http://blogs.esel.ipleiria.pt/portefolios/
O. F. : E-Portefólios de aprendizagem – Fundamentos e Práticas
Portefólio digital na formação de professores. Um estudo comparativo
Fernando Albuquerque Costa [email protected]
Maria Ângela Rodrigues [email protected]
Helena Peralta [email protected]
Mónica Raleiras [email protected]
Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, U. de Lisboa
(…) Muito embora os portefólios comecem a ser usados como ferramenta
de aprendizagem e de avaliação desde o início da década de 90, e se note já
alguma mudança, parece-nos poder concluir-se, com base nos relatórios
nacionais, que são ainda escassas e muito tímidas as experiências de
utilização de portefólios digitais no conjunto dos países aqui considerados.
Por um lado, por ser um conceito bastante recente e, por outro, por ser um
conceito decorrente do próprio avanço no desenvolvimento e generalização
das tecnologias, ou seja, uma ferramenta de trabalho nova e, por isso, ainda
pouco conhecida. (…)
O. F. : E-Portefólios de aprendizagem – Fundamentos e Práticas
(…)
Na Finlândia, por exemplo, apesar de já ser usada em algumas escolas
e ser relatado muito interesse pelo seu uso educativo (desde o início da
escolaridade até à Universidade),registam-se os poucos resultados de
estudos e de experiências concretas desenvolvidas no terreno, situação
que não será muito diferente, pelas mesmas razões, nos restantes países.
Parece ser exactamente o caso da República Checa, em cujo relatório
nacional se refere que apenas fará sentido a ideia depois de se terem
alcançado as transformações necessárias, nomeadamente em termos de
maiores índices de informatização da sociedade e das escolas. A
inexistência de enquadramento legal do uso dos portefólios digitais em
Educação parece ser outro ponto comum aos diferentes relatórios dos
países parceiros do Projecto, muito embora, no caso português, medidas
políticas recentes refiram o objectivo de cada aluno vir a criar um
portefólio digital que o acompanhe ao longo do seu percurso escolar (vide
Plano Tecnológico).
O. F. : E-Portefólios de aprendizagem – Fundamentos e Práticas
(…)
Como se refere no relatório de Portugal, o uso destas ferramentas
nem sempre é acompanhado por formação específica do ponto de vista da
sua utilização pedagógica, podendo residir aí a razão de algumas das
resistências referidas também pelo relatório holandês, em que se afirma
que a "perda de tempo", o "acréscimo de trabalho que isso implica” ou o
facto de "não perceberem as razões pelas quais são forçados a usá-los"
são alguns dos argumentos que os professores costumam apresentar
para não os usar.
O. F. : E-Portefólios de aprendizagem – Fundamentos e Práticas
Portefólio Digital no 1.º Ciclo do Ensino Básico – Experiências
de Utilização
Erika Magalhães, Isabel Rebelo, Tânia Maurício ESE de Viseu
No âmbito da disciplina de Educação e Multimédia, opção do 4º ano do
Curso de Professores do 1º Ciclo do Ensino Básico, surgiu a possibilidade
de desenvolvermos um portefólio digital, enquanto forma de integração
das Novas Tecnologias da Informação e Comunicação com os nossos
alunos de Prática Pedagógica III. Este projecto está ainda enquadrado
pelo projecto curricular de turma: “A Língua Portuguesa e as Novas
Tecnologias”. O portefólio digital que apresentamos tem vindo a ser
desenvolvido ao longo do 2º e 3º períodos, com uma turma constituída
por 12 alunos, dos quais dois frequentam o 1º ano, seis frequentam o 2º
ano e quatro pertencem ao 4º ano de escolaridade da Escola do Ensino
Básico de Avões de Cá.
O. F. : E-Portefólios de aprendizagem – Fundamentos e Práticas
Portefólios Digitais: Uma Investigação com Alunos do Ensino Superior
Marisa Moniz [email protected]
João Paiva [email protected]
Faculdade de Ciências da Universidade do Porto
Os portefólios digitais produzidos pelos futuros professores mostraram-se
verdadeiras criações únicas.
Retratam, de forma pessoal:
- o seu percurso,
- perspectivas, tomadas de decisão,
- as suas reflexões,
- o desenvolvimento de competências.
Figura – Página de entrada no portefólio de aluno
Portefólios Digitais: Uma Investigação com Alunos do Ensino Superior
Nos portefólios digitais reflexivos encontram-se evidências:
•
do exercício da reflexão e da sua importância ao longo do desenvolvimento
pessoal e profissional;
•
do comprometimento com o processo de ensino-aprendizagem, com as
escolhas e opções que fundamentam as tomadas de decisão, com a
aquisição de conhecimentos e competências;
•
do exercício da auto e hetero avaliação (entre pares e professor/aluno);
•
do carácter estimulador da auto-confiança, da auto-estima e motivação
face ao percurso construido;
•
do carácter revelador da identidade e auto-conhecimento;
•
de que o portefólio incita à comunicação entre pares e entre professor e
alunos;
•
do portefólio enquanto instrumento auxiliador da integração das TIC;
•
do carácter organizador do portefólio, e sua influência nos hábitos de
trabalho;
Portefólios Digitais: Uma Investigação com Alunos do Ensino Superior
A construção do portefólio permitiu:
- desenvolver nos futuros professores a capacidade de reflexão e de
autonomia,
- favorecer a interiorização de conteúdos e processos, bem como a
avaliação de competências.
Revelou-se um instrumento auxiliador na:
- coordenação, estruturação e reestruturação mental dos conceitos,
- resolução de concepções alternativas.
Portefólios Digitais: Uma Investigação com Alunos do Ensino Superior
Revelou-se também um facilitador da familiarização e utilização
das TIC:
-
forçou um maior recurso à Internet,
-
melhoria quanto à destreza na utilização de sistemas informáticos,
-
utilização de ferramentas de comunicação online, como email,
fóruns, chats, etc.,
-
incremento da auto-estima e auto-confiança na relação com o
computador.
No portefólio, verificamos que vários factores como o afectivo
podem interferir na aprendizagem e na demonstração daquilo que
se aprendeu.
Portefólios Digitais: Uma Investigação com Alunos do Ensino Superior
Alguns constrangimentos da utilização do portefólio são:
•
•
•
•
o trabalho contínuo exigido para produzir, compilar e organizar o
portefólio;
a avaliação exige mais tempo;
pode penalizar alunos com menor destreza na utilização de
sistemas informáticos e com maiores dificuldades de escrita;
o acesso à internet, se não for veiculada pela instituição de ensino,
pode também tornar-se uma dificuldade.
Marisa Moniz, João Paiva, FCUP
Portefólios Digitais: Uma Investigação com Alunos do Ensino Superior
(Algumas…) Conclusões
A construção de portefólios digitais contribui para:
•
compreender os processos que traduzem a construção do conhecimento e a
estruturação intrapessoal;
•
permitir elevar o nível de explicitação, de destreza na escrita e de reflexão
sobre os processos de ensino-aprendizagem;
•
estimular o exercício da reflexão sistemática dos futuros professores;
•
promover o enriquecimento conceptual, a utilização de meios de informação e
de fontes de conhecimento;
•
possibilitar a diversidade, o surgimento de competências de mais alto nível,
como a originalidade e a criatividade individuais;
•
estimular a interiorização dos processos de auto e hetero-avaliação.
O. F. : E-Portefólios de aprendizagem – Fundamentos e Práticas
Olhar de Professor: Já existem experiências com o uso
interdisciplinar dos portfólios? Essa prática teria vantagens e
limites? Como um portfólio interdisciplinar poderia ser
organizado?
Idália Sá-Chaves: Quanto às experiências, é frequente nas disciplinas
organizadas por módulos e como tal permitindo abordagens multidisciplinares, o portfolio dever evidenciar não apenas os
conteúdos científicos próprios de cada módulo, mas também as
dimensões transversais, que os integram, dando-lhes coerência e
sentido.
“Discutindo sobre portfólios nos processos de formação, Entrevista com Idália Sá-Chaves”
Revista “Olhar de professor“, Ponta Grossa, 7(2): 09-17, 2004.
O. F. : E-Portefólios de aprendizagem – Fundamentos e Práticas
Quanto à transversalidade do portefólio:
Parece-nos que, exceptuando as práticas no 1º ciclo do ensino
básico, nesta fase, o que existe são portefólios de carácter
puramente disciplinar.
Numa determinada turma se o aluno tiver de fazer um portefólio
para a Matemática, outro para o Português, outro para... Pode
perder-se toda a visão de conjunto do aluno.
O. F. : E-Portefólios de aprendizagem – Fundamentos e Práticas
Alguns links
•
http://www.eportfolio.lagcc.cuny.edu/
– La Guardia Community College. Tem exemplos de portfólios de alunos
e registos vídeo de testemunhos de alunos. A partir deste site, em
ePortfolios Links, pode partir-se para outros de várias universidades e
colégios
•
http://magiadamatematica.com/wpcontent/uploads/portfolio1.pdf
– Texto de um professor brasileiro que conta o trabalho com os alunos do
ensino médio apresentando opiniões de alguns deles
•
http://www.kzoo.edu/pfolio/archive/outstanding.html
– Exemplos de portfolios de alunos no Kalamazoo College, desde os
“basics” até aos “outstanding”
•
http://eportfolio.citytech.cuny.edu/
– portfolios de alunos do New York College of technology
O. F. : E-Portefólios de aprendizagem – Fundamentos e Práticas
Curiosidade:
O primeiro encontro nacional sobre e-portfólios realizou-se a 13 e
14 de Julho de 2006 na Universidade do Minho
Próximos eventos:
Seminário Internacional de Divulgação de Boas Práticas - Helsínquia,
de 22 a 24 de Maio de 2008
17 de Janeiro de 2008
A Associação de Professores de Sintra coordena, desde 2005, um projecto
multilateral Comenius intitulado digiFolio cujo objectivo é a utilização das
potencialidades educacionais dos portfólios com apoio das Tecnologias de
Informação e Comunicação no desenvolvimento profissional dos professores.
No âmbito deste projecto, terá lugar em Helsínquia, de 22 a 24 de Maio de 2008
um Seminário para divulgação de boas práticas no âmbito da utilização de
portfólios electrónicos.
A informação complementar relativa a este assunto poderá ser encontrada no
seguinte website: www.digifolioseminar.org.
Download

Educação Multimédia - e