Julho 2003
Número 50
ipsis litteris on line
Boletim Mensal da Associação Profissional dos Tradutores Públicos e Intérpretes Comerciais do Estado de São Paulo
10 de julho de 2003
Índice
Editorial
A Atpiesp nos bastidores
Saiba mais sobre o ofício
Questões polêmicas
Dicas
A Palavra do Associado
Programe-se
Humor do Volker
Para refletir
Expediente
Este mês é um marco.
As vantagens de ser associado.
Novos termos na língua portuguesa.
Ainda a Previdência.
Prêmios, dicionários, cursos...
A vitória da lauda eletrônica.
Em agosto, no Mackenzie. Em setembro, na Abrates.
Expressões medievais ainda em voga.
Um homem de sucesso.
Endereços e telefone de contato.
EDITORIAL
Caros colegas:
Este mês é de mudanças. Em primeiro lugar, graças ao empenho da atual Diretoria,
conseguiu-se a liminar para o pagamento do ISS no município de São Paulo. Leia
abaixo sobre as instruções de pagamento e como conseguir a cópia da liminar.
Em seguida, conseguiu-se a aprovação por maioria expressiva da lauda eletrônica de
1.000 caracteres sem espaços, após sustentação oral no plenário da Jucesp como
fiel e pormenorizadamente relatado abaixo.
E o nosso Ipsis Litteris impresso passará por mudanças de editoração, uma vez que
a colega Eugenia Flavian não mais poderá participar da editoração do boletim.
Assim, só no final deste mês – já no auge do INVERNO – é que os associados e
demais leitores receberão o seu exemplar sobre a formação de tradutores. Vai valer
a pena esperar.
Este número apresenta ainda informação sobre novos termos na língua portuguesa
em matéria de Maria Tereza Piacentini. Muito interessante também a contribuição de
Lúcia Rocha sobre curiosidades etimológicas. E apresentamos diversas notícias de
utilidade prática para os tradutores: cursos, sites, a alteração da Instrução
Normativa da Previdência. A Jucesp avisa que fiscalizará os tradutores públicos (e de
fato já começou). Veja como se preparar na seção da Secretaria.
Boa leitura. Até agosto!
Valéria Helbig e María del Pilar Sacristán Martín
Anote: hot line para o boletim: [email protected]
A ATPIESP NOS BASTIDORES
A PALAVRA DA
DA PRESIDÊNCIA
Caros Associados,
Iniciamos o mês de julho com duas ótimas notícias. A primeira se refere à obtenção
de liminar decorrente de mandado de segurança impetrado em face da Prefeitura de
São Paulo, pelo aumento abusivo do ISS. A liminar deferida em prol dos associados
da ATPIESP suspende a exigibilidade do pagamento do ISS. Fomos bem
assessorados durante todo o preparo do processo e já passamos aos associados as
instruções de preenchimento do carnê do ISS e de pagamento deste imposto.
Cientes de que poderíamos eventualmente beneficiar uma parcela maior do universo
de Tradutores Públicos e Intérpretes Comerciais que atuam no Município de São
Paulo, fizemos uma campanha-relâmpago para agregar mais associados à nossa
ATPIESP. Obtivemos um resultado surpreendente em poucos dias. Foram aprovados
50 novos associados, e agora podemos oferecer aos nossos usuários mais três
idiomas: o croata, o lituano e o hebraico. Estamos otimistas e esperamos o
proferimento de uma sentença favorável ao nosso pleito.
A segunda notícia se refere à “Proposta de Critério para Contagem de Lauda”. Como
foi comunicado no Ipsis Litteris do mês de junho, a ATPIESP solicitou à JUCESP que
lhe fosse concedido o direito de sustentação oral deste tema por um nosso
representante. Tendo-nos sido concedido tal direito, comparecemos à Sessão
Plenária da JUCESP, no dia 8 do corrente, perante o Vice-Presidente, Secretário
Geral, Procuradoria e Vogais, para a defesa de nossa proposta.
A sustentação ficou a cargo do Professor Francis Henrik Aubert, que, com
brilhantismo, expôs de forma acadêmica e ordenada o conceito de Lauda Eletrônica,
que consagra uma evolução tecnológica, de conhecimento comum dos tradutores.
Nos debates, um dos vogais manifestou-se, enaltecendo nossa Associação como
representante de um grupo seleto de profissionais, e conclamou todos os outros a
aprovarem nossa proposição.
Encerrados os debates, passou-se à votação, que resultou em 11 votos favoráveis e
6 votos contrários à nossa proposta, ficando aprovado o estabelecimento de “um
critério de equivalência entre uma lauda de 25 (vinte e cinco) linhas e um conjunto
de até 1000 caracteres, não computados os espaços em branco” (sic). Estamos
aguardando a publicação, no Diário Oficial, da Deliberação que oficializará este
procedimento.
Este resultado coroa o esforço das diretorias que nos precederam, com as quais nos
congratulamos.
Adriana Tommasini
SECRETARIA
Sobre a Liminar referente ao pagamento do ISS no município de São Paulo
A Secretaria enviou no dia 8.07.03 o texto da liminar concedida referente à majoração do
ISS, município de São Paulo. O associado deverá imprimir uma cópia e guardá-la junto com
o carnê do ISS, para ficar documentado o motivo de termos pago valor diferente do
previsto na lei. O texto está no formato Acrobat, e para abri-lo é necessário ter o programa
Acrobat Reader que pode ser obtido gratuitamente no site www.brasil.adobe.com (Suporte,
Download do acrobat reader). Quem não recebeu o texto poderá entrar em contato com a
secretaria.
FISCALIZAÇÃO JUCESP
Desde o início do mês, fiscais da Jucesp têm telefonado para marcar uma fiscalização.
Certifiquem-se de estar com os seus livros em dia, mesmo que ainda não encadernados,
com todas as folhas impressas, rubricadas e assinadas, constando o número do recibo e
valor do serviço. O seu impresso deve ser o aprovado pela Seção de Fiscalização.
Igualmente os recibos correspondentes devem estar em dia, preenchidos adequadamente e
assinados. Pede-se que o tradutor tenha em local visível uma tabela impressa dos valores
das traduções públicas. Para quem não tem a tabela, pode obtê-la no site da Atpiesp.
DIRETORIA SOCIOCULTURAL
Na área social, no mês que passou, realizamos o ALMOÇO DE COMEMORAÇÃO DOS 40
ANOS DA ATPIESP. Com alegria, pudemos finalmente nos reunir para comemorar essa data
tão importante para nossa Associação, a vitória de 40 anos de atividades ininterruptas,
congregando os tradutores juramentados do Estado de São Paulo. Tivemos uma
participação expressiva de nosso quadro associativo, e, num dia ensolarado, no pátio ao ar
livre do restaurante Rosmarino, os associados presentes apreciaram um delicioso almoço,
ao som de um conjunto de "chorinho" e de uma tecladista para os que queriam dançar.
Foram distribuídos alguns brindes, e a festa se estendeu até o final da tarde. Na próxima
atividade, você, que não pôde vir dessa vez, não deixe de comparecer!
Na área cultural, dando prosseguimento à nossa política de oferecer sempre cursos para o
aperfeiçoamento dos tradutores, oferecemos cursos de memória de tradução do software
Wordfast. Pelo fato de esse curso destinar-se a tradutores de qualquer língua, houve um
interesse enorme de nossos associados, o que nos levou a ministrar o curso 4 vezes, nos
dias 25 e 31 de maio e 3 e 28 de junho. Em todos eles, tivemos lotação completa e
comparecimento de associados de diversos idiomas. Esperamos poder continuar a oferecer
a vocês todos cursos que despertem igual interesse.
E VEM AÍ:
•
•
Atenção, programem-se: Curso de Introdução à Linguagem Contábil e
Financeira, a ser ministrado pelo prof. Danilo Nogueira. Em breve, vocês receberão
a chamada para mais este curso.
Na área social, atendendo à solicitação de diversos colegas, e para aproveitar o
confortável salão existente no prédio de nossa nova sede, promoveremos um batepapo com a diretoria, para confraternização e troca de experiências. Gostaríamos
muito de contar com a presença tanto dos tradutores mais antigos como dos novos,
para nos conhecermos melhor e nos entrosarmos cada vez mais. Este encontro será
no dia 13 de agosto, 4ª-feira, das 18h às 20h, no salão social da sede, na
Rua Pará, 76.
SAIBA MAIS SOBRE O OFÍCIO...
Customizar, fulcrar, ociar
Não é de espantar o título desta coluna? Você pode conhecer os três verbos ou desconhecêlos por completo, pois eles passaram a existir na língua portuguesa há pouco tempo, assim
como os demais que veremos abaixo. Isso significa um enriquecimento do idioma – para
algumas pessoas; para outras, trata-se de um abuso. Quem não gosta de neologismos não
precisa usá-los, certamente. Mas como não se escolhe o que se lê (no sentido de que não
posso selecionar os vocábulos dentro de um texto que estou lendo), é bom saber o que há
de novidade por aí. A mais recente, para mim, foi o verbo “ociar” - facilmente relacionado a
“ócio”, uma vez que constava da resenha do livro A Economia do Ócio, de De Masi,
Bertrand Russel e Paul Lafarge: “Os autores querem contribuir para a recuperação da
ciência econômica como via ocidental para a arte de ociar”. E já me falaram em “gugliar“
(de fazer busca no Google), mas aí vou esperar para ver!
*
“Gostaria de saber o significado da palavra customização.” E. O. S., Aracaju/SE
Customização tem o sentido de adaptar os produtos e processos ao gosto do cliente,
portanto é o atendimento que visa a satisfação do freguês. A origem da palavra está no
inglês customer, que significa “cliente” – não tem nada a ver com “costume”, como pode
parecer à primeira vista ao falante de português.
*
“Tenho visto em textos jurídicos as palavras fulcradas(os), elencadas(os) sendo utilizadas
com freqüência. É correto este uso? Exemplos: ‘as garantias elencadas no art. 5º da
Constituição Federal’; ‘as limitações fulcradas no dispositivo tal’.” S. M. G., Florianópolis/SC
O verbo elencar já é encontrado no dicionário Houaiss e significa incluir num rol, lista ou
elenco.
Quanto ao particípio fulcrado, emprega-se como alternativa para “baseado, fundamentado,
com base, fulcro ou fundamento em”. Já o verbo fulcrar [calcar, apoiar] é menos comum.
O termo “fulcrado” já criou tradição em razão de seu uso constante, podendo ser aceito
sem problemas na linguagem oficial.
*
“Será que eu poderia ter uma lista das palavras oriundas do inglês e que se referem à
informática que estão sendo usadas correntemente, como ‘linkar’, por exemplo.” C. L. C. R.,
São Paulo/SP
Assim como muitos termos da área da informática são usados em bom português – como
“configurar, arquivar, responder, formatar, imprimir, fechar” –, outros continuam
transitando, aqui no Brasil, em inglês mesmo (por ex. link, hiperlink, mouse, dowload, chat,
backup). E outros, como “delete”, ainda que tenham equivalentes em português, receberam
formas adaptadas que são preferidas pelo público. Vejamos então alguns verbos que
sobrevivem com sua forma aportuguesada:
Atachar – o mesmo que anexar; fazer o envio de um arquivo como anexo.
Clicar – apertar e soltar o botão do “mouse”.
Deletar – apagar, limpar, remover.
Escanear – digitalizar imagens por meio de scanner, aparelho de leitura óptica. Na área
das comunicações também se fala em “leiaute escaneável”, ou leitor que escaneia online,
isto é, que passa a vista, vê os subtítulos e as palavras-chaves, mas não lê o texto
completamente.
Inicializar (em vez de “iniciar”) – pôr na configuração ou posição inicial.
Lincar (com c, e não k) – fazer as ligações ou clicar nos “links” presentes num hipertexto.
Postar – fazer um “post”, ou seja, escrever e enviar um artigo para um grupo de notícias
ou mensagens públicas (“news”).
Surfar – o mesmo que navegar, passear pela internet. O termo navegar surgiu pelo fato de
ter sido o Netscape Navigator o primeiro programa que possibilitou acessar e visualizar os
recursos da rede www – a web.
Zipar – compactar (arquivo) para armazenamento de dados ou transmissão via rede.
*Maria Tereza de Queiroz Piacentini, autora dos livros “Só Vírgula” e “Só Palavras
Compostas”, é diretora do Instituto Euclides da Cunha - www.linguabrasil.com.br
Encaminhem suas dúvidas para o Ipsis Litteris. Elas serão respondidas e
publicadas posteriormente neste espaço. Correspondência diretamente para:
[email protected]
QUESTÕES POLÊMICAS
Mais modificações na Previdência social: IN 89/03 de 11.06.2003, D.O.U. 13.06.03.
A Instrução Normativa nº 89/03 de 11/06/2003 revoga a Instrução Normativa nº
87/03 e dispõe dentre outras providências, sobre os procedimentos da contribuição
para o financiamento da aposentadoria especial do cooperado filiado a cooperativa
de trabalho ou de produção e à arrecadação e ao recolhimento da contribuição
previdenciária devida para contribuinte individual que presta serviço à empresa.
Além, de alterações na IN nº 68 de 10 de maio de 2002.
Confira na íntegra a IN nº 89/03.
DICAS
•
Em 23 de agosto, Workshop de Tradução no Mackenzie (ver Programe-se) contará
com a participação de dois associados: Francis H. Aubert e Lúcia Helena de Sena
França.
•
Todos os dias uma palavra nova (em inglês) com definição, uso, pronúncia e
etimologia. Confira: www.yourdictionary.com. O site oferece outros serviços de
interesse para tradutores.
•
Para importação de livros, consulte o site www.pti.com.br.
•
Parabéns à colaboradora Tinka Reichmann, tradutora oficial de português na Alemanha,
pelo prêmio “Iberoamericapreis”. O anúncio da cerimônia está on-line no endereço:
http://www.uni-saarland.de/verwalt/presse/pm/2003/07/2003-0307-c.html
•
A TDC - Translation Development Center em JULHO está oferecendo os seguintes
cursos: Curso de Tradução jurídica: Legal Translation Day One e Curso de Tradução
Médica I. Informações: www.tdc.trd.br ou (55 11) 69712193.
•
O Centro Universitário Ibero-Americano está oferecendo o Curso de Especialização
Lato-sensu em Tradução (Inglês-Português). Informações: www.unibero.edu.br ou (55
11) 3188-6783 e 3188-6781.
•
TRADUTORES DE ALEMÃO, a tradutora Tinka Reichmann da Alemanha
disponibilizou material sobre Orientações para Tabeliães alemães, tais como: heranças
e doações, compra de imóveis e escritura, direito de sucessão, pacto antenupcial. Os
interessados devem se dirigir aos membros de alemão do Conselho Consultivo
(Waldtraut Rose / Júlia Karin Strauss / Volker Haupt / Joanita Haimerl, telefones
disponíveis no site).
A PALAVRA DO ASSOCIADO
Uma vitória da persistência e seriedade!
Há alguns anos a Atpiesp se viu diante de um problema que não poderia ser de nenhuma
forma eludido: cada dia mais tradutores usavam o computador no seu trabalho e a lauda de
“25 linhas por 50 toques” da máquina de escrever estava se tornando obsoleta e fadada a
desaparecer. Era necessário criar um padrão de lauda eletrônica que todos os tradutores
pudessem utilizar. Para tanto, arregimentaram-se opiniões dos tradutores e criou-se uma
comissão para discutir e apresentar uma proposta a ser levada a uma assembléia geral
extraordinária. Tudo sob a batuta do Prof. Dr. Francis Henrik Aubert e com a bênção do
presidente Gilberto Labate. Nada mais simples e nada mais difícil em razão da diversidade
das línguas, dos diferentes softwares, e do fato de unidade “palavra” usada em muitos
países não responder com a justeza e equanimidade que se desejava. Por fim, chegou-se a
um consenso: uma lauda eletrônica deveria corresponder a 1000 caracteres sem espaços.
Na Assembléia extraordinária (fevereiro de 2001) foi aprovada por unanimidade - após um
animado intercâmbio de argumentações, contra-argumentações e explicações. O próximo
passo foi apresentar a proposta à Jucesp. Desde então estávamos esperando. A
Procuradoria da Jucesp rejeitava a proposta argumentando que mais justo seria a lauda de
1250 sem espaços. Finalmente, na terça-feira dia 08 do corrente, em plenário, seria
apresentado este tema aos vogais para que votassem. Como subsídio, foi pedido ao Prof.
Francis H. Aubert que fizesse a sustentação.
Estavam presentes, ansiosos pelo desenrolar do ato, a atual diretoria da Atpiesp (Adriana
Tommasini, Regina Opice, Cynthia Viégas, Rosiléa Carnelós, Sonia Labate e Raquel
Rosemblum), o presidente da gestão anterior Gilberto Labate (cheio de expectativas e com
muita razão) e membros do Conselho Consultivo (Graziela Gallo, Volker v. Haupt, Waldtraut
Rose e María del Pilar). E, logicamente, o Prof. Francis Henrik Aubert com o seu clássico
jeito de ser professoral e formal, mas sempre amável e sorridente.
Começou a sessão. Após uma breve abertura, foi colocado em discussão o tema da lauda
eletrônica. Os vogais pediram à mesa que o Prof. Francis fizesse a sustentação antes de
debaterem o tema. Ouviu-se então uma fala sem leitura, precisa e bastante didática: o que
era exatamente uma lauda, a importância de utilizar um padrão, a pertinência dos 1.000
caracteres sem espaços, o trabalho de diagramação que acaba envolvido no trabalho de
tradução sem custos adicionais, tudo exemplificado com um histórico escolar e uma
demonstração contábil. Seguiu-se então a apresentação da Procuradoria da Jucesp
aprovando o conceito de lauda eletrônica, mas encaminhando, como alternativa técnica,
uma lauda de 1.250 caracteres, não computados os espaços em branco. Algumas das
perguntas dos senhores vogais demonstravam a preocupação com a preservação da lauda
anterior de 25 linhas por 50 toques. A proposta da Atpiesp contemplava este aspecto, pois o
que se desejava era acrescentar a “lauda eletrônica” e não substituir a anterior, de forma
que, democraticamente, todos os tradutores estivessem amparados, tanto aqueles que
usam os recursos da informática quanto os que ainda não se valem deles.
Manifestou-se então o vogal Alberto Murray Filho dizendo que estava convencido da
pertinência da proposta da Atpiesp, que se tratava de uma associação muito séria há muitos
anos representando os tradutores juramentados e que se tratava de um pedido justo. O Sr.
Cássio Portugal Gomes, outro vogal, também se manifestou favoravelmente à Atpiesp
considerando a importância da adequação ao mundo moderno.
Finalmente, após alguns debates e esclarecimentos suplementares, procedeu-se à votação e
foi vencedora a proposta da Atpiesp.
A alegria tomou conta de todos que saíram se abraçando, cumprimentando o Prof. Francis
por sua delicada e brilhante atuação e muito satisfeitos com a vitória de uma luta de anos,
pois agora os tradutores juramentados contam com o amparo legal para o uso da tão
necessária lauda eletrônica.
(María del Pilar Sacristán Martín)
PROGRAMEPROGRAME-SE
•
Translation Sig Workshops 2003 – Translation Today: Tradition, Technology
and Individual Talent. Data: Sábado, 23 de AGOSTO de 2003. Local:
Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo. Inscrições antecipadas até 30 de
julho. Contato: [email protected] / Tel/Fax: (11) 3559-8782.
•
Eurospeech 2003 – 8th European Conference on Speech Communication and
Technology- CICG Congress Center Data: 1 a 4 de SETEMBRO de 2003. Local:
Genebra, Suíça. Contato:: [email protected]
•
Globalisation, localization and international accounting practice: economic
and lingustic effects on international business. XXVIII Annual Conference of
the International Association of Language and Business Local: Rennes, França.
Data: 12 a 13 de SETEMBRO de 2003. Informações:Daniel Toudic; e-mail:
[email protected]
•
Machine Translation Summit IX. Local: New Orleans, USA. Data: 23 a 28 de
SETEMBRO de 2003. Informações: :http://www/summit/;
•
I Congresso Nacional de Tradução da Abrates – O profissional da Tradução na
Atualidade. Local: Rio Atlântica Hotel, Rio de Janeiro. Data: 27 e 28 de SETEMBRO
de 2003. Informações: www.abrates.com.br/congresso.
•
Conference on Languages of EU Candidate Countries – Budmerice 2003 Local:
Bratislava, Eslováquia. Data: 21 a 22 de NOVEMBRO de 2003.. Contato: Andrej
Rady e-mail: [email protected]
•
50th Anniversary of the International Federation of Translators – Unesco
Building, Local: Paris, França. Data: 20 de NOVEMBRO de 2003 : Multiple
versions of Harry Potter; 21 de NOVEMBRO de 2003: Translation and
Copyright; 22 de NOVEMBRO de 2003: Translator’s rights and official
cerimony e-mail: [email protected],ift.org
•
Choice and Difference in Translation. Data: 3 a 7 de DEZEMBRO de 2003.
Local: Atenas, Grécia. Organizado pela Universidade de Atenas, Grécia ; informações:
c/o Maria Sidiropoulou – Faculty of English Studies – The University of Athens,
Penepistimioupoli, Zografou GR 157 84; e-mail: [email protected]
HUMOR DO VOLKER
Corajosa
Curiosidades da Idade Média
Naquele tempo a maioria casava-se no mês de junho (inicio do verão, para eles), porque como
tomavam o primeiro banho do ano em maio, o cheiro ainda estava mais ou menos. Entretanto, como
já começavam a exalar alguns “odores”, as noivas tinham o costume de carregar os buquês de flores
junto ao corpo, para disfarçar.
Daí termos em maio o “mês das noivas” e os buquês. Os banhos eram tomados numa única tina
enorme, cheia de água quente. O chefe da família tinha privilégio do primeiro banho na água limpa.
Depois, sem trocar a água, vinham os outros homens da casa, por ordem de idade, as mulheres,
também por idade e, por fim, as crianças. Os bebês eram os últimos a tomar banho. Quando chegava
a vez deles, a água da tina já estava tão suja que era possível perder um bebê lá dentro. É por isso
que existe a expressão em inglês “don’t throw the baby out with the bath water”, ou seja,
literalmente “não jogue fora o bebê junto com a água do banho”, que ainda hoje se usa nos países
de língua inglesa para os mais apressadinhos...
Os telhados das casas não tinham forro e as madeiras que os sustentavam eram o melhor lugar para
os animais se aquecerem; cães, gatos e outros animais de pequeno porte, como ratos e besouros.
Quando chovia, começavam as goteiras, e os animais pulavam para o chão. Assim a nossa expressão
“está chovendo canivetes” tem o seu equivalente em inglês em “it’s raining cats and dogs”. Para
não sujar as camas, inventaram uma espécie de cobertura, que se transformou no dossel. Quem
tinha dinheiro possuía pratos de estanho. Certos tipos de alimentos oxidavam o material, o que fazia
com que muita gente morresse envenenada, lembremo-nos de que os hábitos higiênicos da época
não eram lá grande coisa. Isso acontecia freqüentemente com os tomates que, por serem ácidos,
foram considerados, durante muito tempo, como venenosos. Os copos de estanho eram usados para
beber cerveja ou uísque. Essa combinação, às vezes, deixava o indivíduo “no chão” (numa espécie de
narcolepsia induzida pela bebida alcoólica e pelo óxido de estanho).
Alguém que passasse pela rua poderia pensar que ele estava morto, portanto recolhia o corpo e
preparava o enterro. O corpo era então colocado sobre a mesa da cozinha por alguns dias e a família
ficava em volta, em vigília, comendo, bebendo e esperando para ver se o morto acordava ou não. Daí
surgiu a vigília em torno do caixão, que hoje chamamos de velório.
A Inglaterra é um país pequeno, e nem sempre houve espaço para enterrar todos os mortos. Então,
os caixões eram abertos, os ossos tirados e encaminhados ao ossuário, e o túmulo era utilizado para
outro infeliz. Às vezes, ao abrir os caixões, percebiam que havia arranhões nas tampas, do lado de
dentro, o que indicava que aquele morto, na verdade, tinha sido enterrado vivo. Assim, surgiu a idéia
de, ao fechar os caixões amarrar uma tira no pulso do defunto, tira essa que passava por um buraco
no caixão e ficava amarrada num sino. Após o enterro, alguém ficava de plantão ao lado do túmulo
durante uns dias. Se o indivíduo acordasse, o movimento do braço faria o sino tocar. Assim ele seria
“saved by the bell”, ou “salvo pelo gongo” expressão usada até hoje...
(Flávia Lippi) (Contribuição da Lúcia Rocha)
PARA REFLETIR
“Um homem é um sucesso se pula da cama de manhã, vai dormir à noite e, nesse
meio tempo, faz o que gosta”. Bob Dylan
*************
Junte-se à nossa campanha pela valorização do tradutor público. Respeite a tabela.
Participe da associação. Faça cursos de atualização. Dê sua opinião –
http://www.atpiesp.org.br.
EXPEDIENTE
Associação Profissional dos Tradutores Públicos e Intérpretes Comerciais do Estado de São Paulo - ATPIESP
2001/2003 – Presidente: Adriana Tommasini • Vice-presidente: Sonia Regina Opice • 1ª Secretária: Denise
Penteado Lima• 2ª Secretária: Rachel Rosemblum • Tesoureira: Cynthia Viégas Berriel• 2a Tesoureira: Rosiléa
P. Carnelós • Diretora Social: Maria Cristina de Oliveira Vondrak • 2a Diretora Social: Sonia Maria Caiuby
Labate
Rua Pará 76 - conj. 33 – 01243-020 - Higienópolis - SP • Tel.: (011) 3159-3636
E-mail: [email protected] / [email protected] / [email protected]
Ipsis Litteris On Line: [email protected]
Site: http://www.atpiesp.org.br.
Download

Ipsis Litteris