A UTILIZAÇÃO DAS PLANTAS MEDICINAIS COMO RECURSO
FISIOTERAPÊUTICO NA ATENÇÃO BÁSICA
THE USE OF MEDICINAL PLANTS AS A PHYSIOTHERAPIC RESOURCE IN
BASICS MATTERS.
Divaldo Loureiro Guimarães 1, Deivison Gardoni2, Mariana Botelho Castilho ³, Mirella
de Lima Brasil 4, Érika Guerrieri Barbosa 5
1. Acadêmico do curso de Fisioterapia da Universidade Vale do Rio Doce (UNIVALE) - Governador
Valadares - MG. E-mail: [email protected]
2. Acadêmico do curso de Fisioterapia da Universidade Vale do Rio Doce (UNIVALE) - Governador
Valadares - MG. E-mail: [email protected]
3. Acadêmica do curso de Fisioterapia da Universidade Vale do Rio Doce (UNIVALE) - Governador
Valadares – MG. E-mail: [email protected]
4. Acadêmica do curso de Fisioterapia da Universidade Vale do Rio Doce (UNIVALE) – Governador
Valadares – MG. E-mail: [email protected]
5. Orientadora Professora da Universidade Vale do Rio Doce (UNIVALE) - Governador Valadares - MG.
E-mail: [email protected]
Resumo: A Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares vem ampliar as possibilidades
terapêuticas no Sistema Único de Saúde, tornando-se uma área de atuação para o fisioterapeuta devido
a sua inserção nos Núcleos de Apoio ao Saúde da Família. Foi realizada uma revisão bibliográfica sobre
plantas medicinais indicadas como analgésicos e antiinflamatórios para uso pela Fisioterapia. O
presente estudo teve como objetivo abordar o uso das plantas medicinais como analgésico e
antiinflamatório em casos agudos e crônicos de traumas, afecções articulares e inflamações, para
posterior utilização como opção terapêutica na Atenção Básica. Foram estudadas 05 plantas medicinais
distribuídas em 05 famílias botânicas distintas. No estudo realizado, observou-se que Arnica Montana,
Arnica; Cebola Alium cepa, Calêndula, Calendula officinalis; Gengibre, Zengiber Officinalis ; Inhame,
Colocasia Esculenta; foram as mais citadas nas bibliografias pesquisadas. Embora o emprego dessas
plantas seja difundido, ainda faltam estudos científicos que permitam uma maior segurança no uso
tópico dessas espécies.
Palavras-Chave: Sistema Único de Saúde, Fitoterapia e praticas complementares, Plantas medicinais,
Fisioterapia, saúde da comunidade.
Abstract: The national politics of complementary and integrative practice comes to broaden the
therapeutic possibilities in the Unique Health System, becoming and area of work for the physiotherapist
due to its inclusion in the centers of support to family health. Thus, a bibliographic revision was realized
about medicinal plants as pain killers and anti- inflammatory in acute and chronic cases of traumas,
articulatory affections and inflammatory processes to a future use as a therapeutic option in Basic
Attention. Five medicinal plants distributed in five distinctive botanical families were studied. In the study
done, it was observed that Arnica Montana, Amica; Onion Alium cepa, Calendula, Calendula officinalis;
Ginger, Zengiber officinalis, Yam, Colocasia Esculenta; were the most mentioned in the bibliographies
researched. Although the use of these plants is spread out, we still need scientific studies that allow a
bigger safety in the topic use of these species.
Key-words: Unique Health System,
physiotherapy, community’s health.
fitotherapy,
complementary
practice,
medicinal
plants,
2
de saúde coletiva e/ou saúde pública (PEIXOTO,
1.0 Introdução
MATTOS e BARBOSA, 2007).
A criação de modelos nacionais de saúde
Entretanto em janeiro de 2008 foi publicada
de acordo com as carências e aptidões dos
a Portaria n°154 que cria os Núcleos de Apoio ao
países
suma
Saúde da Família (NASF), com o objetivo de
importância para que a saúde pública seja mais
ampliar o atendimento e a qualidade dos serviços
expansiva para seus usuários, e de melhor
da Atenção Básica e pode conter nas equipes
qualidade (World Health Organization, 2002).
médico-acupunturista, assistente social, Educador
em
desenvolvimento,
é
de
Assim foi criado no Brasil o Sistema Único
Físico,
farmacêutico,
fisioterapeuta,
de Saúde que é o arranjo organizacional do
fonoaudiólogo,
Estado Brasileiro, produto da Reforma Sanitária
homeopata,
Brasileira, que dá suporte à efetivação da política
psicólogo,
de saúde no Brasil, e traduz em ação os princípios
ocupacional, sendo estes inseridos de acordo com
e diretrizes desta política (CAMPOS, 2006).
o projeto de cada município (BRASIL, 2008).
médico-ginecologista,
nutricionista,
médico-psiquiatra
médico-
médico-pediatra,
e
terapeuta
O modelo de saúde no Brasil sofreu
Portanto, as práticas na Atenção Básica
diversas alterações a partir da década de 70, mas
(AB) podem se tornar mais resolutivas com
sua organização se deu a partir da Atenção
atuação multiprofissional incentivando a prática de
Básica que é um conjunto de ações de saúde, no
todas as Políticas de Saúde, ressaltando a
âmbito
Política
individual
e
coletivo,
que
envolve:
Pública
de
Práticas
Integrativas
e
promoção, prevenção de agravos a saúde, o
Complementares. A Organização Mundial de
diagnóstico,
é
Saúde (OMS) desde a Declaração de Alma-Ata,
desenvolvida por meio do exercício de práticas
em 1978, tem expressado a sua posição a
gerenciais
e
respeito da necessidade de valorizar a utilização
participativas, sob a forma de trabalho em equipe,
de plantas medicinais no âmbito sanitário, tendo
dirigidas
bem
em conta que 80% da população mundial utiliza
assumem
essas plantas ou preparações destas no que se
responsabilidade, orienta-se pelos princípios da
refere à atenção primária de saúde. O interesse
universalidade,
da
popular e institucional vem crescendo no sentido
e
de fortalecer a fitoterapia no SUS. A partir da
tratamento,
e
a
reabilitação;
sanitárias,
populações
delimitados,
das
da
coordenação
do
continuidade,
da
democráticas
de
territórios
quais
acessibilidade
cuidado,
do
integralidade,
e
vínculo
humanização,
década
de
80,
diversos documentos foram
equidade e participação social (ESCODA e LIMA,
elaborados, enfatizando a introdução de plantas
1992).
medicinais e fitoterápicos na atenção básica no
O
profissional
da
fisioterapia
vinha
inserindo-se na Atenção Básica através da
sistema público (BRASIL, 2006).
A
Política
de
Integrativas
convênios
universidades,
publicada em 2006, foi de grande importância
objetivando a implantação de estágios curriculares
para o SUS, pois através dessas foi possível à
municípios
e
Complementares
Práticas
Estratégia de Saúde da Família (ESF) a partir de
com
e
Nacional
(PNPIC),
referência de práticas complementares como
3
fitoterapia
no
sistema
de
Saúde
Brasileiro
(BRASIL, 2006).
naturais
para
a
população
brasileira,
principalmente por ser um tratamento de baixo
A Fitoterapia consiste no preparo de
medicamentos
exclusivamente
com
plantas
custo, favorecendo principalmente a população
que
não
tem
acesso
aos
medicamentos
medicinais ou partes delas (raízes, cascas, folhas,
farmacêuticos (SILVA, SILVA e ANDRADE, 2007;
flores, frutos ou sementes), em suas diferentes
GALDINO, 2006 e MARTINS et al, 1994).
de
A fitoterapia é uma opção terapêutica
possuindo
mais acessível do ponto de vista econômico e, em
propriedades reconhecidas de cura, prevenção,
alguns casos, com menor intensidade de efeitos
diagnóstico ou tratamento sintomático de doenças
colaterais. Podem ser usadas de diversas formas
(BRASIL, 2006; ARNOUS, SANTOS e BEINNER,
para o tratamento de pacientes com traumas,
2005).
afecções articulares e inflamações. Ela faz parte
formas
farmacêuticas,
substâncias
ativas
sem
a
utilização
isoladas,
De acordo com o DECRETO nº 5.813, de
da prática da medicina popular, como um conjunto
22 de junho de 2006, fica aprovada a Política
de saberes articulados, passados de geração em
Nacional de Plantas Medicinais, garantindo à
geração; porém, sua prática foi muito diminuída
população brasileira o acesso seguro e o uso
nas décadas de 40 e 50, devido à industrialização
racional de plantas medicinais e fitoterápicos,
de medicamentos (ARAÚJO et al, 2006).
A
ampliando as opções terapêuticas aos usuários,
fitoterapia
é
uma
terapêutica
de
na
medicamentos classificados como alopatia de
perspectiva da integralidade da atenção à saúde,
origem vegetal, e não possuem semelhança com
considerando o conhecimento tradicional sobre
a homeopatia, pois, os remédios homeopáticos
plantas medicinais (BRASIL, 2006).
criam mecanismos de defesa para estimular o
com
segurança,
eficácia
e
qualidade,
O uso de plantas medicinais, cultivadas ou
organismo a proteger-se de eventuais infortúnios
não, utilizadas com propósitos terapêuticos, é
e os fitoterápicos atacam diretamente o lugar em
uma forma de tratamento de origem muito antiga.
que o organismo se encontra prejudicados,
No Brasil as culturas indígenas, africanas e
através dos princípios ativos (GALDINO, 2006).
européias são as que mais influenciaram na
Diversos estudos são realizados no Brasil
utilização das plantas nos tratamentos de doença
e no mundo sobre as plantas medicinais e seus
(MARTINS et al, 1994; ALEXANDRE, BAGATINI
efeitos terapêuticos e adversos. De acordo com
e SIMÕES, 2008 e BRASIL, 2006).
Martins et al (1994) e Araújo et al (2006) as
Nas regiões tropicais da América Latina,
plantas
medicinais
podem
ser
utilizadas
e
pode-se contar com diversas espécies de plantas
preparadas de diferentes formas para melhor
medicinais de uso local, podendo gerar um custo-
aproveitamento dos seus princípios ativos.
benefício
mais
acessível
à
população
e
Assim os princípios ativos das plantas são
contribuindo para a promoção de saúde. Nota-se
as substâncias sintetizadas por elas durante seu
um aumento significativo da utilização das plantas
desenvolvimento, mas nem todo esse produto
medicinais, e a Organização Mundial de Saúde
metabólico
(OMS) vêm incentivando o uso das terapias
algumas espécies têm alta toxicidade dependente
sintetizado
tem
valor
medicinal;
4
da via de administração utilizada, como o confrei
pano fino ou gaze. Decocção utilizada para ervas
(Symphytum officinale L.), cujo chá e suco já
com princípios estáveis ao calor (óleos essenciais
foram largamente utilizados com fins terapêuticos,
entre outros), sem aromas, e partes de vegetais
porém
mais resistentes à ação da água quente, como,
esta
espécie
sintetiza
substâncias
causadoras de necrose centro-lobular, levando as
sementes,
lesões hepáticas graves; por outro lado, uma
coloca-se a planta em água fervente e deixa-se
mesma
vários
em fogo baixo de 10 a 20 minutos, depois côa-se
destes
a erva; e utiliza-se no mesmo dia de seu preparo.
planta
componentes
componentes,
pode
ativos,
tem
apresentar
e
cada
grupo
sua
ação
principal.
Os
raízes,
cascas.
Para
prepará-la,
Maceração, são utilizadas folhas e flores, pois
Princípios Ativos são denominados; Alcalóides,
possuem
Princípios amargos, Óleos essenciais, Taninos,
submersas à água fria. Elas são picadas e
Heterosídeos,
Saponinas,
colocadas em um recipiente com liquido extrator
Mucilagens, Ácidos orgânicos; eles se concentram
como, água, álcool e óleo, e maceram por 10 a 12
de preferência nas flores, folhas e raízes, e às
horas; por fim, filtra-se o liquido Óleos: são
vezes nas sementes, nos frutos e na casca. A
utilizadas plantas aromáticas que são colocadas
concentração do princípio ativo depende do ciclo
em um frasco de vidro fechado, transparente,
de vida da planta, seu habitat, a colheita e a
contendo óleo de girassol, oliva ou milho, e
preparação (ARAÚJO et al, 2006).
mantém-se o frasco fechado por 2 a 3 semanas à
Flavonoides,
facilidade
na
degradação
quando
Para aproveitar os princípios ativos das
luz do sol; deve-se agitar o frasco diariamente; e
plantas de forma adequada, é necessário um
ao final do tempo determinado, deve-se filtrar e
preparo correto, assim, cada parte da planta
conservar em recipiente protegido da luz solar.
corresponde a um princípio ativo extraído e atuará
Pomada e Ungüento podem ser preparados com
na doença ou sintoma a ser tratado. Como formas
o sumo da erva ou chá, e misturadas com banha
de preparo, as mais mencionadas são banho,
animal, gordura de coco ou vaselina na forma
cataplasmas, pomadas e ungüentos, compressas,
líquida; ou então, aquecer as ervas na gordura,
decocção, pó, inalação, suco ou sumo, infusão,
depois coar e guardar em frascos. Renova-se as
tintura e maceração, cada uma com suas
pomadas e ungüentos 2 ou 3 vezes ao dia
peculiaridades no preparo. Entretanto, vamos
(MARTINS et al, 1994).
ressaltar neste artigo apenas as de uso tópico,
De acordo com Araújo et al (2006) a
como: Banho consiste em se colocar as ervas em
Compressa é uma preparação de uso tópico por
um pano fino e deixá-las flutuar sobre a água, ou
onde ocorre a penetração de princípios ativos na
então, coar a infusão mais concentrada, e
pele. Ela pode ser quente ou fria. São utilizados
misturá-la na água. Costumam ser indicados uma
panos, chumaços de algodão embebidos no
vez por dia, e podem ser parcial ou de corpo
sumo, ou tintura da planta dissolvida em água.
inteiro. Cataplasma que é utilizada de várias
Pós: as plantas secas devem ser trituradas e
formas. As ervas frescas podem ser amassadas,
moídas (cascas e raízes) até virarem pó, e depois
ou utilizadas também em forma de pó; e devem
peneirado e conservado em recipiente fechado.
ser aplicadas diretamente, ou envoltas em um
Eles podem ser utilizados em preparos de
5
infusões ou decocções, ou misturados em óleo,
com isso aceitam de uma forma mais objetiva o
água antes da aplicação. Suco ou Sumo o sumo
tratamento proposto. Dessa forma, o cidadão sai
é obtido através da trituração da planta; e para
do papel passivo, tornando-se agente ativo no
obter o suco, basta espremê-la. Se necessário
cuidado de sua saúde (FIGUEIREDO et al, 2005).
adicionar uma pequena quantidade de água,
Assim o presente estudo tem como
triturar, e após uma hora de repouso o liquido
objetivo selecionar, através da literatura, plantas
pode ser extraído. Na Tintura utiliza-se a ação
medicinais com estudos científicos que abordam
solvente do álcool sobre as plantas secas. É a
seu uso como analgésico e antiinflamatório em
melhor forma de se conservar os princípios ativos
casos agudos e crônicos de traumas, afecções
de muitas plantas medicinais, pois a maioria é
articulares e inflamações, para posterior utilização
bastante solúvel em álcool. Pode ser usada em
como opção terapêutica para Fisioterapia na
pomadas, ungüentos e fricções (uso externo).
Atenção Básica.
Porém, existem diversas concepções,
opiniões, valores, conhecimentos, práticas e
2.0 Metodologia
técnicas diferentes, que devem ser incorporadas e
O presente estudo consiste em uma
respeitadas no cotidiano, que são influenciadas
revisão bibliográfica descritiva, sobre as possíveis
por hábitos, tradições e costumes (ARNOUS,
plantas medicinais de uso tópico em casos
SANTOS e BEINNER, 2005).
agudos
Cada espécie desconhecida pode vir a ser
um medicamento importante, desde que seja
Entretanto, a principal justificativa para o
crônicos
articulares
e
de
traumas,
inflamações
afecções
como
método
complementar da Fisioterapia na Atenção Básica.
Foram realizadas buscas em bases de
conhecida e estudada anteriormente a utilização
(ALVES, 2004).
e
dados científicos tais como Scielo e Bireme;
Revistas e Editais do Ministério da Saúde,
uso desta categoria de produtos se refere ao
Decretos,
menor custo do seu desenvolvimento e ao fato de
específicos, em livros e periódicos científicos em
que a grande maioria não se encontra sob
acervos bibliográficos de bibliotecas universitárias,
proteção patenteária; tornando-os uma alternativa
utilizando como palavras-chave, dentre outras:
terapêutica promissora para países pobres ou em
Sistema Único de Saúde, Fitoterapia e práticas
desenvolvimento como o Brasil, que possui um
complementares, Plantas medicinais, Fisioterapia,
terço da flora mundial (ALVES, 2004).
saúde da comunidade. Não foram estabelecidos
Outro fator importante é que o contato e o
Leis,
Portarias
e
em
materiais
períodos específicos de publicação nem restrição
conhecimento com as plantas medicinais é algo
quanto
ao
delineamento
que geralmente cativa as pessoas, pois elas
selecionados
compartilham esse tipo de conhecimento, ao
português, inglês e espanhol.
contrário do que ocorre, com o tratamento à base
Os textos obtidos foram organizados por afinidade
de medicamentos alopáticos, que as deixam fora
de assuntos e utilizados na elaboração de uma
de qualquer entendimento, fazendo-as sentirem
análise
meros objetos na mão do profissional de saúde;
ressaltando principalmente as possibilidades de
critica
materiais
dos
do
estudo.
bibliográficos
respectivos
Foram
em
resultados,
6
inclusão
das
práticas
complementares
integrativas
nos
e
De acordo com Kundrat (2006) uma
tratamentos
pesquisa recente com mais de 31.000 adultos nos
fisioterapêuticos.
Estados Unidos, revelou que aproximadamente
1/5 dos indivíduos pesquisados (19%) usavam
produtos naturais. De acordo com a pesquisa, os
3.0 Resultados
Foram encontrados diversos estudos de
dez principais produtos naturais mais populares
plantas utilizadas para o tratamento de casos
eram: equinácea, ginseng, ginkgo biloba, alho,
agudos
glucosamina, erva de São João, hortelã, óleos de
e
crônicos
de
traumas,
afecções
articulares e inflamação.
peixe/ácidos
graxos
ômega,
gengibre
e
De acordo com Wessling (2007) em sua
suplementos à base de soja, ressaltando o uso do
pesquisa sobre o uso e o patrimônio de plantas
gengibre no tratamento da osteoartrite, mas não
medicinais, recorreu-se ao trabalho de campo,
especificando o método de aplicação.
utilizando-se entrevistas, fotografias, arquivos,
Em levantamento etnobotânico de plantas
registros feitos pela própria população local, além
medicinais classificadas em diferentes categorias
de uma literatura especializada sobre o tema
de uso na comunidade de Conceição-Açu, no
abordado, ressaltam o uso do gengibre no
município de Cuiabá, Pasa, Soares e Guarim
tratamento do reumatismo.
(2004) realizam um questionário com 59 pessoas
Em pesquisa realizada por Cocco e
da comunidade resultando em um número total de
Rezende (2002) objetivou-se estudar o uso da
180 espécies, e dentre essas 44,5% foram
fitoterapia, em uma população da zona rural no
utilizadas como remédios como: babosa, confrei,
interior de Minas Gerais; identificando as plantas
gengibre. Entre as formas de preparo, a mais
utilizadas com maior freqüência e formas de uso e
expressiva é o chá, com 81%; outras formas
comparar os seus efeitos com aqueles descritos
também
na literatura. Foram entrevistadas 33 pessoas em
compressas, banhos, macerado, emplastro e ao
1997.
natural.
Em
relação
às
plantas
fitoterápicas
conhecidas pelos entrevistados foram citadas 106,
foram
Em
um
relatadas
como
levantamento
de
infusão,
plantas
sendo 60 efetivamente utilizadas, dentre elas o
medicinais que podem ser usadas na ortopedia, a
inhame associado à folha de abacate que
arnica, segundo Araújo et al (2006) apresenta
combate as dores do reumatismo.
efeitos
antiinflamatórios,
cicatrizantes
e
Em comunidade no norte Fluminense
estimulantes dos sistemas nervoso e circulatório,
foram entrevistadas 96 pessoas para levantar as
podendo ser usados pomadas e ungüentos para
espécies de plantas medicinais utilizadas por essa
uso externo em três aplicações diárias.
população, 83 % dos quais fazem uso das plantas
No programa fitoterápico farmácia Viva no
para tratamento das doenças primárias, sendo
SUS em Betim, segundo Guimarães, Medeiros e
citadas a arnica, o gengibre e a Erva-de-Santa-
Vieira (2006) o uso tópico de arnica é eficaz no
Maria
tratamento
como
plantas
(ANDRADE et al, 2005).
de
grande
utilização
reumatismos.
de
contusões,
traumatismos
e
7
Das plantas estudadas, extraímos as
mais citadas e as mais facilmente encontradas na
cicatrizantes e estimulantes dos sistemas nervoso
e circulatório (ARAÚJO et al, 2006).
flora brasileira, conforme demonstrado na tabela
Arnica Montana, tem sido utilizada sob a
01, sendo abordadas no presente estudo 05
forma de tintura e creme nos casos de contusões,
plantas medicinais distribuídas em 05 famílias
nas
botânicas distintas.
inflamações articulares, dores e feridas em geral.
A Tabela 01. Plantas Medicinais e descrição
Estudos
popular,
flavonoides, presentes neste extrato, podem
científica,
indicação
terapêutica
e
luxações,
recentes
interferir
preparo.
traumatismos,
nas
hematomas,
demonstraram
propriedades
que
os
funcionais
de
diferentes células, o que leva alguns autores a
afirmar
que
podem
antiinflamatórias,
apresentar
antialérgicas,
atividades
antevirais
e
anticarcinogénicas (LIMA, MOGOR e MOGÓR,
2007).
Franco e Padre (1997) e Korbes (1995)
diz que a Arnica Montana tem seu uso nos
banhos para traumatismo golpes ferimentos e
machucaduras.
Segundo Teske e Trentini (1994) arnica
Montana tem ação antiinflamatória é indicada para
contusões,
entorses,
hematomas,
distensões
musculares, dores reumáticas, gota.
A
arnica
traumatismos
em
ainda
é
diversos
utilizada
órgãos,
para
fadiga
muscular, traumas leves e até mesmo em
afecções do cérebro ou da espinha. Só deve ser
usado externamente e quando não houver lesão
cutânea. O uso externo pode ser na forma de
ungüento, loção, tinturas e vinagre (CAIRO, 1949;
BRUNING, 1996 e WEIL, R., n/d).
A
arnica
geralmente
é
o
primeiro
“remédio” dado após uma queda ou ferimento (ou
fratura óssea), para impedir o edema, hematoma.
Excelente para alívio da dor, particularmente para
3.1 Arnica Montana
Arnica Montana pertencente à família das
Compositae, mas conhecida como Arnica. É uma
planta
com
indicações
Antiinflamatórias,
lesões do esporte como câimbra, estiramento,
enrijecimento, dor nas costas (PAGE, 1997).
De acordo com Cocco e Rezende (2002)
a arnica é citada em três entrevistas como
8
analgésico, na forma de chá ou banho para dor
séptica,
muscular (deixar a água ferver com as folhas e
antiinflamatória,
depois de esfriar fazer o banho). Na literatura os
vasodilatadora e tonificante da pele. O efeito de
rizomas
estimulação
à
regeneração
epitelização
foi
testado
e
as
flores
são
empregados
externamente nos casos de traumatismo.
sudorífica,
analgésica,
antiviral,
colagoga,
antiemética,
fisiológica
através
de
e
um
Arnica Montana tem como constituintes
experimento em ratos cujas feridas induzidas
químicos a lactona sesquiterpênicas, triterpenos,
foram cobertas com ungüento de Calêndula
esteroides,
colina,
officinalis e alantoína. Esta combinação com a
ácidos,
alantoína estimulou acentuadamente esse efeito
arnidendiol,
devido a maior atividade das glicoproteínas,
arnicina,
glicosidios
inulina,
falvônicos,
glicose,
carotenos,
isoquercitrina,
astragolina,
xontofiloposídeos,
zeaxantina,
cafeína,
ceras,
nucleoproteínas e proteínas colágenos durante o
período de regeneração nos tecidos.
resinas, e taninos (CASALI, 2000).
Em um trabalho sobre o uso tópico da
Calêndula officinalis no tratamento de 10 cães que
3.2 Calêndula
Calêndula officinalis L. é uma planta
apresentaram complicações pós-operatórios em
pertencente à família das Compositae conhecida
cirurgias
de
emergência,
ortopédicas
e
popularmente como Calêndula, indicada como
oncológicas, referidas a deiscência de suturas,
cicatrizante. Sua apresentação e administração
infecções e necrose tecidual, Castro et al (1996-
pode ser em forma de tintura para uso externo na
2008) afirma que os cães obtiveram estilização
forma de compressas 2 a 3 vezes/dia. Ungüentos
completa entre 21 e 28 dias de tratamento.
e pomadas a 8% e a 15% para uso externo de 2 a
creme de calêndula feito com a tintura de flores
3 vezes ao dia (ARAÚJO et al, 2006).
secas da Calêndula officinalis segundo Brasil
O
É uma espécie exótica empregada na
(2002), pode ser usado em uso tópico como
cicatrização de feridas com ação antiinflamatória e
antiinflamatória e anti-edematosa devido a seus
antibacteriana na cicatrização de queimaduras,
princípios ativos: flavonóides e óleos essenciais,
feridas
promovendo
ésteres de taraxasterol e faradiol respectivamente.
regeneração do tecido cutâneo (GUIMARÃES,
A posologia refere-se ao uso como aplicação local
MEDEIROS e VIEIRA, 2006).
3 vezes por dia, não apresentando efeitos
e
fissura
mamária
Já Ravagnani (2004), dá ênfase aos
efeitos antiinflamatório e anti-séptico de uso
colaterais, sendo as contra-indicações apenas à
hipersensibilidade à droga.
tópico.
A calêndula tem como princípios ativos
3.3 Gengibre
carotenóides, flavonóides e saponinas, seu uso
O
Zengiber
officinalis
pertencente
à
externo se dá nas formas de ungüento, tintura, gel
família das zengiberacea mais conhecida como
e
Gengibre tem indicação anti-álgica, nevralgias,
chá
(MEDICAL
ECONOMICS
COMPANY,
2000).
edemas artríticos e reumáticos. Sua apresentação
A calêndula tem segundo Castro et al
(1996-2008) como propriedade cicatrizante, anti-
e
administração
para
uso
tópico
são
cataplasmas (CARIBÉ e CAMPOS, 1991).
os
9
É uma das mais antigas e populares
3.4 Cebola
plantas medicinais do mundo; é conhecido por
A Cebola (Allium cepa) pertencente à
quase todos os povos. No Japão, o óleo de
família das Liliáceas e apresenta propriedades
gengibre é muito usado para problemas de coluna
diurética, anti-séptica, antibiótica, bactericida,
e articulações. Compressas
são
hipoglicemiante, vermífuga. . A cebola é usada
conhecidas no mundo inteiro para, aliviar dores,
em cataplasma e o suco em fricções para
congestões nasais e várias outras doenças. Mas
inflamações, artrite, reumatismo e gota. Para uso
sua principal ação está ligada ao óleo essencial
externo
que ele contém. O gengibre é usado em
picadas de abelha, dores de origem reumática e
cataplasmas
calvície. Utiliza-se o bulbo através de infusão de
locais
para
de
gengibre
eliminar
dores
de
combate
piodermites,
hemorróidas,
90 g de cebola em um litro de água e usa
contusão e outras (RAVAGNANI, 2004).
De acordo com Corrêa (1926-1978) o
externamente
em
compressas
locais.
Seus
gengibre contém, entre muitas outras substancias,
princípios ativos são vitaminas A, B1, B2, B5, C,
o gingerol que é o principio ativo, tendo grande
sais minerais (potássio, fósforo, cálcio, sódio,
apreço para combater as afecções reumáticas, a
silício, magnésio, ferro), glicoquiina e flavonóides.
paralisia, o beribéri, a cólera morbus e as
Em altas doses pode agravar hipercloridria e a
secreções
pulmonares.
flatulência intestinal e (BALBACH, 1973).
preparados
com
Os
produtos
são
de
Segundo Caribe e Campos (1991), a
emplastros, extrato etéreo, infusão, pastilhas,
cebola tem propriedades terapêuticas como
pílulas, pós, etc.
emoliente,
o
rizoma
em
forma
Segundo Campos (1993) o gengibre é
utilizado nas articulações em quadros reumáticos,
antibiótica,
anti-térmica,
anti-
reumática, anti-álgica, entre outras. Para seu uso
externo contra o reumatismo, gota e artrite.
agudos ou crônicos, com dor e edema articular.
Para reumatismo, gota e artrite friccionam-
De acordo com Weil (1995), o gengibre utilizado
se as articulações com o suco 3x dia (CARIBÉ e
em banhos de infusão reduz dores musculares e a
CAMPOS, 1991).
rigidez dos músculos, Willians (1996), também
De acordo com Kaizer e Drescher (1995) a
ressalta o uso do gengibre no tratamento da
cebola
artrite. Em relação à toxicologia, Martins et al
essenciais, enzimas (diastase que se perde com o
(1994), afirma que seu uso externo deve ser
calor),
acompanhado para evitar possíveis queimaduras.
minerais e vitamina B e C, já segundo Medical
De acordo
com
estudo
etnobotânico
realizado em um quilombo maranhense, a raiz do
tem
como
princípios
elicoquinina
Economics
ativos:
(hipoglicemiante),
Company
(2000)
óleos
sais
saponinas
esteroidais e flavonóides.
gengibre é utilizada nessa comunidade para
tratamento de doenças do sistema músculo
3.5 Inhame
esquelético em uso tópico através de massagens,
O inhame (Colocasia esculenta) pode ser
fricção e emplastos (MONTELES e PINHEIRO,
usado como cataplasma nas articulações e em
2007).
outras regiões, podendo também ser usado
juntamente com o gengibre, acrescentando ao
10
mesmo sua capacidade em lidar com o calor
seguro e com eficácia das plantas, assim podendo
úmido que é mais penetrante e duradouro que o
ser um recurso terapêutico com possibilidade de
calor seco, fazendo com que este calor dure mais
uso da fisioterapia.
tempo. O inhame também consegue unir seu
próprio elemento líquido à luz e ao calor do sol,
realizando uma metamorfose para amido que
5.0 Conclusão
As
plantas
medicinais
proporcionam
posteriormente é incorporado em seus rizomas
alternativas para tratamento de casos agudos e
que são energéticos e depurativos (CAMPOS,
crônicos de traumas, afecções articulares e
1993).
inflamação. No estudo realizado, observou-se que
De acordo com Bruning (1996) o inhame
tem atuação eficaz no tratamento do reumatismo.
De acordo com Balbach e Boarim (1993),
Arnica Montana, Arnica; Cebola Alium cepa,
Calêndula,
Zengiber
Calendula
Officinalis
;
officinalis;
Gengibre,
Inhame,
Colocasia
o inhame também é rico em vitamina A (retinol),
Esculenta; foram as mais citadas nas bibliografias
vitamina B1 (tiamina), vitamina B2 (riboflavina),
pesquisadas. Todas estas espécies têm sido
niacina e ácido ascórbico, identificados como
amplamente empregadas na medicina popular.
princípios ativos.
Embora o emprego dessas plantas seja difundido,
Existem inúmeras formas farmacêuticas
ainda faltam estudos científicos que permitam
de administração de medicamentos e para se
uma maior segurança no uso tópico dessas
obter efeitos locais é necessária a aplicação direta
espécies nas afecções agudas e crônicas de
no local desejado da ação, já os efeitos sistêmicos
traumas, afecções articulares e inflamação.
acontecem pela entrada dos fármacos no sistema
Desta forma, o conjunto destes resultados
circulatório, assim eles são transportados para o
deve permitir um perfil de espécies para uso na
local da ação. Existem diferentes formas de
fisioterapia e contribuir para o direcionamento de
absorção;
pesquisas
depende
da
forma
farmacêutica
nesta
área,
culminando
com
o
utilizada. Entre os fatores que afetam a absorção
desenvolvimento de fitoterápicos de qualidade e
percutânea dos medicamentos estão a natureza
validados
do próprio fármaco, a natureza do veículo e as
permitindo a divulgação desses estudos para a
condições da pele, como o nível de hidratação e
população e profissionais afins.
para
uso
terapêutico,
bem
como
tensão (LOBATO e BARJA, 2006)
Entretanto para utilização das plantas
medicinais de uso tópico temos que considerar a
absorção da pele, entretanto a maioria dessas
plantas são utilizadas in natura e sua forma de
absorção deve ser melhor estudada. Contudo
seus
efeitos
são
abordados
em
diversas
bibliografias desde as mais antigas e as mais
recentes. Mais pesquisas e regulamentações da
farmacologia devem ser realizadas para uso
6.0 Referencias Bibliográficas
ALEXANDRE, R. F.; BAGATINI, F.; SIMÕES, C.
M. O. Interações entre fármacos e medicamentos
fitoterápicos à base de ginkgo ou ginseng.
Revista
Brasileira
de
Farmacognosia,
Florianópolis-SC, v. 18, n. 1, p. 117-126, Jan./mar.
2008.
ALVES, N. D. C. Avaliação da Adequação Técnica
das Indústrias de Medicamentos Fitoterápicos e
Oficinais do Estado do Rio de Janeiro a Partir dos
Instrumentos Regulamentatórios
Monografia
11
(Programa de Pós-Graduação em Vigilância
Sanitária,Instituto Nacional de Controle de
Qualidade em Saúde Fundação Oswaldo Cruz)Rio de Janeiro, p.83, 2004.
ANDRADE, M. A. S.; OLIVEIRA, R. M. S. C.;
OLIVEIRA, V. P. S.; et al. Levantamento de
plantas medicinais em comunidade no Norte
Fluminense. Universidade Estadual do Norte
Fluminense Darcy Ribeiro – UENF, p. 25212527,
2005.
Disponível
em:
<http://www.pr5.ufrj.br/cd_ibero/biblioteca_pdf/sau
de/54_levantamento.pdf>. Acesso em: 30set.
2008.
ARAÚJO, E. C.; ARAÚJO, E. C.; OLIVEIRA, R. A.
G.; et al. Ações Educativas em Saúde: do saber
popular ao saber científico. Psicopedagogia
Educação e Saúde mental, on-line, São Paulo,
p.1-12,
abril
2006.
Disponível
em:
<www.portaldoenvelhecimento.net/artigos/artigo12
17m>. Acesso em: 01 setembro 2008.
ARNOUS, A. H.; SANTOS, A. S.; BEINNER, R. P.
C. Plantas medicinais de uso caseiro:
conhecimento popular e interesse por cultivo
comunitário. Revista Espaço para a Saúde,
Londrina, v.6, n.2, p. 1-6, Jun 2005.
BALBACH, A.; BOARIM, D. S. F. As hortaliças
na medicina natural. 1º Ed. Itaquaquecetuba:
Missionária, 1993. 439p.
BALBACH, A. As Hortaliças na Medicina
Domestica. 4º Ed. São Paulo: M.V.P., 1973.
501p.
BRASIL. Diário Oficial da União.; Atos do Poder
Executivo, Decreto 5813., 2006, Brasília. Distrito
Federal.
Disponivel
Em:
<
<http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/decr
eto_5813_fito.pdf>. Acesso em: 03 de outubro de
2008.
BRASIL. Ministro do Estado da Saúde. In:
Portaria 154: Núcleos de Apoio à Saúde da
Família. Brasília, p.1-16 janeiro 2008. Disponível
em:
<www.saude.ba.gov.br/dab/arquivos/portaria154.2
008.pdf>. Acesso em: 18 setembro de 2008.
BRASIL. Ministro do Estado da Saúde. In:
Portaria 971: Política Nacional de Práticas
Integrativas e Complementares (PNPIC). Brasília,
P.1-10,
maio
2006.
Disponível
em:
<portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/PNPIC.pd
f>. Acesso em: 09 setembro de 2008.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de
Atenção à Saúde. Departamento de Atenção
Básica. Política Nacional de Práticas Integrativas
e Complementares no SUS. Brasília. Printed in
Brazil,2006,
p192.
Disponível
em:
<ww.saude.gov.br/dab> . Acesso em: 01 de
outubro de 2008.
BRASIL. Secretaria Municipal de Saúde.
Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro. Memento
Terapêutico: Programa de Fitoterapia. Rio de
Janeiro,
2002,
p.1-83.
Disponível
em:
<http://www.saude.rio.rj.gov.br/media/memento_te
rapeutico.pdf>. Acesso em: 01 de outubro 2008.
BRUNING, J. A Saúde Brota da Natureza. 16
Ed. Curitiba: Universitária Champangnat, 1996.
464p.
BRUNING, J. A Saúde Brota da Natureza. 18
Ed. Curitiba: Expoente, 2000. 400p.
CAIRO, N. Guia de Medicina Homeopática. 14º
Ed. São Paulo: Vieira pontes & cia, 1949. 791p.
CAMPOS, G. W. S. Tratado de Saúde Coletiva,
São Paulo:Hucitec Rio de Janeiro Ed. Fiocruz,
2006.
CAMPOS, J. M. Guia Prático de Terapêutica
Externa: Métodos e Procedimentos Terapêuticos
de grande simplicidade e eficácia. São Paulo:
Pensamento, 1993. 240p.
CARIBÉ, J.; CAMPOS, J. M. Plantas que ajudam
o Homem: Guia Prático para a época atual. 10
Ed. São Paulo: Pensamento, 1991. 321p.
CASALI, V. W. D. Plantas Medicinais: Plantas
Medicinais Aromáticas e Homeopáticas. 1 Ed.
Viçosa: Arte Livros Viçosa, 2000. 107p.
CASTRO, J. M.; CASTRO, J. L. C.; LOPES, L. H.
P.; et al. O uso da pomada de Calêndula officinalis
no tratamento pós operatório das deiscências de
sutura de feridas cirúrgicas complicadas.
Universidade Castelo Branco, Rio de Janeiro, p.
1-16,
1996-2008.
Disponível
em:
<http://www.castelobranco.br/pesquisa/docs/pdfs/
pomada.pdf>. Acesso em: 30 set. 2008.
COCCO, M. I. M.; REZENDE, H. A. A Utilização
de Fitoterapia no Cotidiano de uma População
12
Rural. Revista da Escola de Enfermagem da
USP, v. 36, n. 3, p. 282-288, 2002. Disponível em:
<
<http://www.ee.usp.br/reeusp/upload/pdf/666.pdf>.
Acesso em: 30 set. 2008.
CORREA, M. P. Dicionário das Plantas Úteis do
Brasil: e das exóticas cultivadas. 3 ed. Rio de
Janeiro, Imprensa Nacional, 1926-1978. 382383p.
ESCODA, M. S.; LIMA, M. F. Saúde, Sociedade
e
Governo,
1992.
Disponível
em:
<http://www.ufmet.br/~scorpius/31-Saudesoc%20e%20gov.htm>. Acesso em: 27 setembro
2008.
FIGUEIREDO, C. A.; GONDIM, F. I. D.;LIMA, J. F.
et a.l. Fitoterapia como prática popular em duas
comunidades da cidade de João Pessoa –
Paraíba. V Colóquio Internacional Paulo
Freire,p. Recife, p. 1-7, setembro 2005.
FRANCO, I. J, PADRE. 5 Ed. Ervas e Plantas: A
Medicina dos Simples. 5 Ed. Chapecó:Imprimax,
CH2 Fotolitos ltda, 1997. 179p.
GALDINO, V. S. Das plantas medicinais e a
biopirataria. In: XV Congresso Nacional do
CONPEDI,
Manaus.
Direito
Ambiental
Internacional e Proteção Jurídica dos
Recursos Naturais. Manaus, 2006. p. 1-19.
GUIMARÃES, J.; MEDEIROS, J. C.; VIEIRA L. A.
Programa Fitoterápico Farmácia Viva no SUSBETIM. Sistema Único de Saúde, Betim- MG,
p.1-10,
2006.
Disponível
em:
<http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/Jaq
ueline%20Guimaraes%20ok.pdf>. Acesso em:
30set. 2008.
KAIZER, R.; DRESCHER, L. Terra, Água e Chá.
1Ed. Vitória: Gráfica ITA, 1995. 311p.
KORBES, V. C, Irmão. Plantas Medicinais. 48
Ed. Paraná: Francisco Beltrão, 1995. 149p.
KUNDRAT. Ervas e Atletas. Sports Science
Exchang, v.17, n.2, p. 1 a 7, março de 2006.
LIMA, G. P.; MOGOR, A.; MÓGOR, G.
Espermidina
e
espermina
exogena
na
micropropagação de Aloe vera (L.) Burm. Revista
Cubana de Plantas Medicinales, São Paulo, v.
12, n. 2, abr-jun. 2007. Disponível em:
<http://scielo.sld.cu/scielo.php?script=sci_arttext&
pid=S102847962007000200008&lng=es&nrm=iso&tlng=pt#a
utor>. Acesso em: 30 set. 2008.
LOBATO, C. A. e BARJA, P. R. Estudo
Fotoacústico da Cinética de Penetração de
hidratantes
em
diferentes
formulações.
Universidade do Vale do Paraíba, São Paulo,
p.497-500,
2006.Disponível
em:<http://www.inicepg.univap.br/INIC_07/trabalh
os/engenharias/inic/INICG00258_01O.pdf.>
Acesso em: 05 de outubro 2008.
MARTINS, E. R.; CASTRO, D. M.; CASTELLANI,
D. C.; et al. Plantas Medicinais: Outras Plantas
Popularmente Utilizadas. 19 ed. Viçosa:
Imprenssa Universitária, 1994. v1, p 305.
MEDICAL ECONOMICS COMPANY. PDR for
Herbal Medicines. 2º Ed. Montvale, New Jersey:
Medical Economics Company, 2000. 858p.
MONTELES, R.; PINHEIRO, C. U. B. Plantas
medicinais em um quilombo maranhense: uma
perspectiva etnobotânica. Revista de biologia e
ciências da terra, v. 7, n. 2, 2007. Disponível em:
<http://eduep.uepb.edu.br/rbct/sumarios/pdf/etnob
otanica.pdf>. Acesso em: 30 set. 2008.
PAGE, L.R. Healthy Healing. U.S.A: Healthy and
Healing Publications, 1997. 477 p.
PASA, M. C.; SOARES, J. J.; GUARIM NETO,G.
Estudo etnobotânico na Comunidade de
Conceição – Açu (alto da bacia do rio Aricá Açu,
MT, Brasil. Acta botânica brasileira, Mato
Grosso, v.19, n.,2, p.195-207, agosto 2004.
PEIXOTO, F. F. MATTOS, M. F. BARBOSA, E.
G.; Atuação da fisioterapia na atenção básica:
Revisão bibliográfica. Universidade Vale do Rio
Doce-UNIVALE, Governador Valadares, 2007,
P.1-11.
RAVAGNANI, F. Farmácia Natural. 301º Ed.
Revista ÉPOCA: Globo S.A., 2004. Disponível em:
<http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,E
DG62844-6014,00.html>. Acesso em: 2008-10-22.
SILVA, C. G. R.; SILVA J. L. L.; ANDRADE, M.
Fitoterapia como terapêutica Alternativa e
Promoção de Saúde. Informe-se em promoção
da saúde, v.3, n2, 15-17, 2007. Disponível em: <
www.uff.br/promocaodasaude/fit.pdf> . Acesso
em: 02 de outubro de 2008.
13
.
TESKE, M.; TRENTINI, A. M. M. Compêndio de
Fitoterapia. Curitiba: Herbárium, 1994. 268p.
WEIL, R. As ervas que curam: Um reencontro
com “ A memória perdida” da farmacologia
natural. 8 Ed. Rio de Janeiro: Ediouro, n/d, 131p.
WEIL, A. Natural health, Natural Medicine. Boston,
New York, U.S.A: Houghton Mifflin Company,
1995.
370
p.
WESSLING, L. A importância do patrimônio
fitoterápico na vida dos camponeses que habitam
na área rural de Blumenau. Universidade
Regional de Blumenau, Blumenau – SC, p. 1113,
2007.
Disponível
em:
<http://biblioteca.universia.net/html_bura/ficha/par
ams/id/24693113.html>. Acesso em 2 outubro
2008.
WILLIANS, J.C. Jude’s Herbal Home Remedies.
St. Paul, Minnesota, U.S.A: Llewellyn Publications,
1996.
297
p.
World Health Organization. The Selection of
Essential Medicines. WHO Policy Perspectives
on Medicines, Geneva, n.2, p.1-6, junho 2002.
14
Download

a utilização das plantas medicinais como recurso