Universidade Aberta do Meio Ambiente
e Cultura da Paz - UMAPAZ
RIO + 20: que significado tem para o Brasil,
debater a Economia Verde, se ainda NÃO
expurgamos o câncer do trabalho escravo
na nossa sociedade?
No Brasil, a escravidão contemporânea
manifesta-se na clandestinidade e é
marcada pelo autoritarismo, corrupção,
segregação social, racismo,
clientelismo e desrespeito aos direitos
humanos.
Segundo cálculos da Comissão
Pastoral da Terra (CPT), existem no
Brasil 25 mil pessoas submetidas às
condições análogas ao trabalho
escravo.
(FONTE: Plano Nacional para a erradicação do Trabalho Escravo)
http://www.youtube.com/watch?v=nFZMS1sxPaU
O trabalho escravo rural no Brasil é
uma das peças que constituem o
desenvolvimento do capitalismo de
ponta no país.
Divulgado na terça-feira, 26/10/11, um
relatório da Organização Internacional
do Trabalho (OIT) traçou um perfil dos
trabalhadores e empregadores desse
processo.
“Perfil dos principais atores
envolvidos
no trabalho escravo rural no Brasil”
O estudo traça o perfil dos atores na
escravidão contemporânea
(trabalhadores resgatados, aliciadores
– os “gatos” – e proprietários rurais).
“Perfil dos principais atores envolvidos
no trabalho escravo rural no Brasil”
Tem como objetivo desenvolver a base
de conhecimentos e reflexão sobre o
tema e subsidiar a elaboração de
políticas que possibilitem avançar em
forma consistente e definitiva rumo à
verdadeira abolição do trabalho
escravo no Brasil.
Quem são os atores deste processo
I. Os escravocratas
Fazendeiros acusados de trabalho
escravo são do Sudeste, com boa
formação e ligados a partidos políticos
Os escravocratas
A maioria deles nasceu no Sudeste,
mas mora nas regiões próximas às
lavouras (Norte, Nordeste e CentroOeste).
Eles têm curso superior e declararam
como profissões pecuarista,agricultor,
veterinário, comerciante, gerente,
consultor e parlamentar. São filiados ao
PMDB, PSDB e PR
FONTE: Pesquisa OIT Brasil
Lista de escravocratas brasileiros!
Fonte:
http://portal.mte.gov.br/data/files/8A7C816A32B088220132D0A524A87C0C/cadastro_empregadores.pdf
CADASTRO DE EMPREGADORES – PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 02
DE 12 DE MAIO DE 20111
ATUALIZAÇÃO 04 de outubro DE 2011
Nº
UF
EMPREGADOR
CNPJ/CPF/CEI
ESTABELECIMENTO
TRAB.
RESGAT.
Mês/Ano
Inclusão no
Cadastro
1.
PA
Abdon Lustosa Neto
191.608.011-15
Fazenda Sossego, Vicinal Tuerê,
Novo Repartimento/PA
26
Dezembro/04
2.
MA
Adailto Dantas de
Cerqueira
091.906.195-87
Fazenda São Jorge – BR 222, Km
109 – Povoado São Miguel – Zona
Rural – Santa Luzia/MA
45
Julho/09
II Os trabalhadores
85% dos trabalhadores libertados, além
de baixíssima escolaridade (analfabetos
e com menos de quatro anos de estudo),
nunca fizeram um curso de qualificação.
Os trabalhadores
A maior parte dos trabalhadores era
negra (18,2%) e parda (62%) e veio do
nordeste para as regiões norte e
centro-oeste, onde acabaram “presos”
em fazendas escravagistas.
Quantos escravos trabalham para
você?
Uma ONG americana criou um sistema
que permite a qualquer um calcular sua
“pegada escravista”
A Fair Trade Fund, ONG da Califórnia
presidida por Justin Dillon, criou um
programa disponível em
http://slaveryfootprint.org
Conferência das Nações Unidas sobre
Desenvolvimento Sustentável
Rio + 20
A conferência adotará dois eixos
centrais de debate:
- a economia verde no contexto do DS
e da erradicação da pobreza; e
- o arcabouço institucional para o DS
ECONOMIA VERDE
De acordo com o PNUMA, entende-se
economia verde como aquela que
“resulta em melhoria do bem estar
humano e da equidade social, ao
mesmo tempo em que reduz
significativamente os riscos ambientais
e a demanda por recursos escassos do
ecossistema”.
FONTE: Cartilha da Frente Parlamentar Ambientalista
ECONOMIA VERDE
(...) disseminando a idéia de que
esta pressupõe, sempre e
necessariamente, o aspecto social.
FONTE: Diálogos Nacionais, Rumo à Rio + 20
(www.economiaverde.org.br)
ECONOMIA VERDE
O que a Rio + 20 tem a ver com a
erradicação do trabalho escravo.
Esta não é apenas a realidade de um
passado distante. A escravidão ainda
está presente em nossos dias, mas
modificada por algumas características
particulares.
O que a Rio + 20 tem a ver...
Existem mais escravos hoje do que em
qualquer outra época.
A idade média de entrada de crianças
na exploração sexual é de 13 anos.
Existem mais de 30 milhões de
escravos no mundo.
O tráfico de pessoas movimenta 32
bilhões de dólares anualmente.
Aproximadamente 70% das vitimas de
tráfico transnacional são mulheres e
meninas menores de 18 anos.
O tráfico de pessoas é o segundo
negócio ilícito do mundo só perdendo
para o tráfico de drogas.
FONTE: Associação Liberta (www.liberta.org.br)
Ou não tem a ver?...
Onde e como FAZER pela erradicação
do Trabalho Escravo
1) Congresso Nacional, cobrar os
parlamentares pela retomada da
PEC 438: PEC do Trabalho Escravo
http://www.trabalhoescravo.org.br/
2) Presidente da Frente
Parlamentarista para Erradicação do
Trabalho Escravo
Deputado Domingo Dutra
Tel.: (61) 3215-5806
Chefe de Gabinete: Sr. Sales
e-mail: dep.domingosdutra@camara.gov.br
Onde e como FAZER pela erradicação
do Trabalho Escravo
3) OIT - Organização Internacional do
Trabalho - Projeto de Combate ao
Trabalho Escravo (www.oitbrasil.org.br)
Coordenador: Luiz Antonio Torres
Machado Tel.: (61) 2106-4615
e-mail: machado@oitbrasil.org.br
Onde e como FAZER pela erradicação
do Trabalho Escravo
4) Comitê Facilitador da Sociedade
Civil Brasileira para a Rio+20:
http://www.rio2012.org.br/
5) Associação Liberta: www.liberta.org.br
6) Repórter Brasil - Agência de Notícias
http://www.reporterbrasil.com.br/conteudo. php?id=4
7) João Roberto Ripper, fotógrafo social
e idealizador da Escola de Fotógrafos
Populares
http://www.imagenshumanas.com.br/imghumanas/
Obrigado!
Ivan Souza Moraes
Gestor Ambiental
ivansmoraes@uol.com.br
Download

Os escravocratas A maioria deles nasceu no Sudeste, mas mora