XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO
Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente.
São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro de 2010.
ANÁLISE DO PROCESSO PRODUTIVO
DE COLCHÕES DE POLIURETANO POR
MEIO DAS SETE PERDAS DO SISTEMA
TOYOTA DE PRODUÇÃO
Thassyo Jorge Gonçalves Pereira (UEPA)
thassyo@ymail.com
Rodrigo Rangel Ribeiro Bezerra (UEPA)
rangel.engenharia@ymail.com
Artur Rodrigues da Silva (UEPA)
artur_r.s@hotmail.com
Léony Luis Lopes Negrão (UEPA)
leonynegrao@bol.com.br
Este artigo tem como objetivo utilizar as 7 perdas do Sistema Toyota
de Produção para analisar o processo produtivo de colchões de
poliuretano em uma fábrica que utiliza produção puxada capaz de
oferecer rápido suprimento a seus clientes e varejistas. Para isto, foi
realizada uma revisão nos conceitos existentes sobre 7 perdas e criado
um sistema de classificação, então, as atividades da fábrica foram
descritas e classificadas de acordo com a metodologia proposta. Feito
isto, a análise dos resultados foi realizada para a proposição de
contra-medidas objetivando a melhoria do processo produtivo em
questão.
Palavras-chaves: Toyota de Produção, Sete perdas, Colchões de
poliuretano
1. Introdução
Segundo Antunes Júnior e Klippel (2002), o Sistema Toyota de Produção (STP) constitui-se
em uma importante ferramenta para o desenvolvimento da Competitividade Empresarial.
Womack, Jones e Roos (1992), acrescentam que o modelo de produção desenvolvido pela
Toyota persegue a eliminação de estoques e é superior, em termos de eficiência da produção,
ao modelo de produção em massa.
Ohno (1997) define o STP como sendo embasado na eliminação das 7 perdas (muda) e
sustentado por dois pilares: jidoka e just-in-time. Marchwinski e Shook (2007) consideram
três elementos operacionais do just-in-time: Takt time, fluxo contínuo e produção puxada.
Este artigo realiza um estudo em uma empresa que disputa um mercado que prima por rapidez
de suprimento. Utilizando-se de produção puxada e eliminação de estoques de produto final,
ela recentemente conquistou a liderança na fabricação de colchões no mercado local, graças
ao seu lead time de produção.
Desta forma, vê-se oportunidades de, identificando em seu processo produtivo de colchões de
poliuretano as 7 perdas do Sistema Toyota de Produção, propor melhorias que contribuam
para o aprimoramento de sua produção e consequente aumento em seu nível de
Competitividade Empresarial.
Para isto, é primeiramente feito um resumo teórico dos principais pontos do STP e das 7
perdas. Em seguida, é desenvolvida uma sucinta indicação para classificar quantitativamente
as atividades realizadas na fabricação dos colchões. Com base na classificação realizada, é
feita uma breve análise do processo produtivo e são propostas sugestões para melhoria das
atividades e eliminação das muda.
2. O Sistema Toyota de Produção
O Sistema Toyota de Produção (STP) é também conhecido como Sistema de Produção
Enxuta ou Lean Manufacturing. O termo “lean” (enxuto) foi associado ao Sistema Toyota de
Produção por Womack e Jones em seu livro “A máquina que mudou o mundo”. Os autores
estudaram indústrias automobilísticas ao redor do mundo e descobriram que as fábricas
japonesas eram muito mais produtivas e eficientes do que as montadoras ocidentais. As
características encontradas por Womack e Jones em seus estudos nas montadoras japonesas
foram disseminadas no Japão pelo criador do STP, Taiichi Ohno, com o livro “O Sistema
Toyota de Produção” (MAS-SW, 2010).
Ohno (1997) afirma que o Sistema Toyota de Produção tem como base a eliminação absoluta
do desperdício (muda, em japonês). Para isto, o sistema sustenta-se em dois pilares: just-intime (JIT) e autonomação (jidoka, em japonês).
Just-in-time, para Liker (2005), é um conjunto de princípios, ferramentas e técnicas que
permitem à empresa produzir e entregar pequenas quantidades de produtos, com lead times
curtos para atender necessidades específicas de seus clientes. Desta forma, segundo o mesmo
autor, o JIT dá à empresa o poder de responder rapidamente às mudanças diárias na demanda,
entregando apenas o necessário, quando necessário e na quantidade necessária. Marchwinski e
Shook (2007) identificam no just-in-time três elementos operacionais: produção puxada, Takt
time (“medidor”, em alemão) e fluxo contínuo.
Produção puxada, segundo Knod e Shonberger (2001), difere do modelo de produção
tradicional (ou empurrada) no tocante ao elo da cadeia que controla o fluxo produtivo. De
2
acordo com os autores, na produção empurrada, o fornecedor empurra, sem solicitação, o
resultado de seu trabalho para o receptor. Na produção puxada, o receptor precisa sinalizar
para que o fornecedor lhe envie o resultado do seu trabalho. Marchwinski e Shook (2007)
acrescentam que puxar a produção é uma maneira de eliminar a produção em excesso.
O Takt time é definido como a razão entre o tempo disponível para a produção pela demanda
do cliente. Tem o objetivo de alinhar, de forma precisa, a produção à demanda, fornecendo o
ritmo do sistema de produção. Fluxo contínuo consiste em movimentar um item ou um lote
pequeno de itens por vez, ao longo de uma série de etapas de processamento, continuamente,
realizando-se em cada etapa apenas o que é exigido pela etapa seguinte (MARCHWINSKI e
SHOOK, 2007).
Autonomação ou jidoka consiste em máquinas e operadores que possam detectar quando uma
condição anormal ocorreu e interromper o trabalho neste mesmo instante. Isso faz com que as
operações possam construir a qualidade de um produto a cada etapa do processo e separar os
homens das máquinas, com vistas a um trabalho mais eficiente (MARCHWINSKI e SHOOK,
2007).
3. Os paradigmas do Sistema Toyota de Produção
Segundo Ohno (1997) e Shingo (1989), o trabalho pode ser dividido em dois tipos: o que
agrega valor (ou processamento que, segundo Shingo (1989), consiste em uma mudança física
no material ou na sua qualidade) e o que não agrega valor (ou muda).
Desperdício, muda, ou perda é o uso de recursos em quantidade superior ou inferior ao que
seria realmente necessário para a fabricação de um produto adequado às necessidades do
consumidor. Se o consumidor não precisa ou não pagará por algo, então este algo é
considerado desperdício, aí estão inclusos materiais, máquinas e trabalho (MAS-SW, 2010).
Existem, segundo Marchwinski e Shook (2007), dois tipos de desperdícios:
 Muda tipo 1: não agrega valor, mas é inevitável dentro de uma determinada situação;
 Muda tipo 2: não agrega valor e pode ser eliminado.
Ao apontarem a eliminação total dos desperdícios como o coração do Sistema Toyota de
Produção, Ohno (1997) e Shingo (1989), citam que tal eliminação aumenta a eficiência do
processo por intermédio da redução de seus custos. A eliminação, segundo os autores, deve
ser realizada de forma sistemática, com base em sete classes de perdas: superprodução,
espera, transporte, processamento, estoque, movimentação e correção.
3.1 Muda de superprodução
É considerada por Ohno (1997) a classe de desperdício mais nociva ao processo produtivo, já
que, segundo Liker (2005), esta perda ocorre com a produção de itens sem demanda, gerando
e ocultando as perdas com excesso de pessoal, de estoque e com os custos de transporte
devido ao excesso de estoque. Mais especificamente, Shingo (1989) distingue duas categorias
de superprodução:
 Quantitativa: fazer mais produtos do que o necessário;
 Antecipada: fazer produtos antes do que o necessário.
3
3.2 Muda de espera
É o desperdício de tempo disponível:
 Do produto: quando produtos intermediários criam filas esperando serem processados
(work-in-progress, WIP). O que acontece devido à produção de grandes lotes ou falta de
sincronia entre as fases da produção (MAS-SW, 2010);
 Da mão de obra: segundo Liker (2005), ocorre com funcionários que ficam apenas
vigiando uma máquina automática ou que esperam pelo próximo passo no processamento,
ferramenta, suprimento, peça, etc, ou que, simplesmente, não têm trabalho para fazer
devido à falta de estoque, atrasos no processamento, interrupção do funcionamento de
equipamentos e gargalos de capacidade.
3.3 Muda de transporte
Para Liker (2005), este desperdício ocorre:
 No movimento de WIP por longas distâncias;
 Na criação de transporte ineficiente;
 Na movimentação de materiais, peças ou produtos acabados para dentro ou fora do
estoque;
 Na movimentação de materiais, peças ou produtos entre processos.
Shingo (1989) explica que a eliminação das perdas por transporte consiste em sua redução ou
até eliminação, o que só pode ser alcançado via melhoramento do leiaute da fábrica.
3.4 Muda de processamento
De acordo com Liker (2005) consiste em passos desnecessários para processar as peças, de
duas categorias:
 Superprocessamento: geram-se perdas quando são fabricados produtos com qualidade
superior à que é necessária;
 Processamento incorreto: processamento ineficiente devido a uma ferramenta ou projeto de
baixa qualidade do produto, causando movimentos desnecessários e produzindo defeitos.
3.5 Muda de estoque
Consiste, para Liker (2005), no excesso de:
 Matéria-prima;
 WIP;
 Produtos acabados.
Ainda segundo Liker (2005), esse tipo de perda causa lead times mais longos, obsolescência,
produtos danificados, custos de transporte e de armazenagem e atrasos. O estoque extra
também oculta problemas como o desbalanceamento da produção, entregas atrasadas dos
4
fornecedores, defeitos, equipamentos em conserto e longo tempo de setup.
3.6 Muda de movimento
Segundo Liker (2005), é qualquer movimento inútil que os funcionários executam durante o
trabalho: procurar, pegar ou empilhar peças, ferramentas, caminhar, etc.
3.7 Muda de correção
Para Liker (2005):
 Correção (consertar, retrabalhar, descartar ou substituir a produção);
 Inspecionar.
Significam perdas de manuseio, tempo e esforço.
4. Metodologia
As 7 perdas foram especificadas em 16 categorias, como demonstrado no item 3. Assim como
o processamento, cada categoria de perda recebeu uma letra indicativa, conforme exposto na
Tabela 1. Com base nessa indicação, serão listadas as atividades gerais do processo produtivo
estudado (Tabela 2) para que estas sejam classificadas como processamento, muda tipo 1
(inevitável) ou muda tipo 2 (desnecessária).
Atividade
Processamento
Muda de superprodução
Categoria
Indicação
Mudança física no material ou na sua qualidade
A
Quantitativa
B
Antecipada
C
Muda de espera
Do produto
D
Da mão-de-obra
E
Muda de transporte
De WIP por longas distâncias
F
Criação de transporte ineficiente
G
De materiais, peças ou produtos acabados para dentro e fora do estoque
H
De materiais, peças ou produtos acabados entre processos
I
Muda de processamento
Super-processamento
J
Processamento incorreto
K
Muda de estoque
De matéria-prima
L
Em processo (WIP)
M
De produtos acabados
N
Muda de movimento
Do trabalhador
O
Muda de correção
Correção
P
Inspeção
Q
Fonte: Autores
Tabela 1 - Identificação das atividades
Desta forma, após a descrição do processo produtivo, as atividades gerais da fabricação serão
listadas e classificadas, então será feita a análise dos resultados obtidos com vistas a avaliar o
processo produtivo para que sejam propostas melhorias.
5. Estudo de caso
5.1 Caracterização do mercado
Devido ao considerável volume que colchões ocupam em um armazém, os varejistas buscam
manter o nível de estoque deste produto o mais baixo possível. Para assim fazê-lo, necessitam,
com relação aos fornecedores (centros de distribuição ou fábricas), de parceiros capazes de
5
supri-los de forma rápida, para que não percam vendas. Para atingir essa velocidade, os
fornecedores têm duas alternativas: manter altos estoques próprios ou produzir de forma
rápida.
A fábrica analisada optou por não manter estoque de colchões, utiliza uma maneira enxuta de
produzir que a possibilita ganhar mercado via seu lead time de produção: 2 dias.
5.2 Caracterização da empresa
A fábrica estudada pertence a um grupo empresarial atuante nos ramos varejista e industrial
nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Localiza-se na Região Metropolitana de Belém,
Pará. Conta com um quadro de aproximadamente 140 funcionários, estando, entretanto, em
vias de aumento do efetivo. De sua produção, 30% destinam-se ao suprimento de lojas do
próprio grupo e 70% a vendas para terceiros. Trabalha com três tipos de produtos: colchões de
molas, camas uni box e colchões de poliuretano (colchões convencionais). Tendo em vista a
amplitude de seu processo produtivo (molas, armações de molas, estruturas de madeira, etc.),
que engloba todos os componentes dos três produtos, optou-se por estudar a fabricação dos
colchões de poliuretano, já que as etapas iniciais da produção deste colchão são as mesmas
para os outros dois produtos, que têm em comum a espuma de poliuretano.
5.3 Descrição do processo produtivo
A fábrica trabalha com um sistema de produção puxada, produzindo apenas após o pedido do
produto pelo cliente. Depois que o processamento do pedido é realizado pelo departamento
financeiro (análise de crédito e etc.), é repassado ao departamento de produção que agrupa
pedidos de acordo com suas rotas. Quando um mínimo de 80m³ de carga para um
determinado destino é alcançado, a ordem de produção é gerada.
O ciclo produtivo, desde a geração da ordem de produção até a chegada do produto acabado
na área de despachos, dura exatamente dois dias, com seu envio dando-se no terceiro dia. O
primeiro dia do ciclo é reservado para a espumação e curagem das espumas e o segundo para
a produção dos colchões.
Para fins de estudo, o processo produtivo foi dividido em 10 etapas, as quais seguem
descritas.
5.3.1 Espumação
O processo começa na fabricação das espumas de poliuretano em dois formatos: blocos de
paralelepípedo e cilíndricos. Esta atividade inicia-se com o despejo, nas proporções da
densidade programada, dos componentes químicos necessários para a formação da espuma
nas fôrmas pré-moldadas. Então, ocorre o fechamento da fôrma para que a expansão dos
componentes ocorra de maneira limitada por suas dimensões. A expansão ocorre durante,
aproximadamente, 15 segundos. Entre este tempo e a preparação do transporte, os bicos
despejadores são limpos (setup) para que a próxima espuma a ser fabricada não sofra
alterações de densidade devido a resíduos do processo anterior e não possua corpos estranhos
passíveis de provocar combustão.
Devido à característica exotérmica da reação de expansão, há liberação de calor suficiente
para elevar a temperatura interna do bloco recém formado a, aproximadamente, 170° C.
5.3.2 Curagem
Esta etapa, que ocorre em uma área de estocagem arejada e isolada do restante do processo,
visa o esfriamento e solidificação interior dos blocos de espuma produzidos na etapa anterior.
6
A empresa padroniza o tempo de curagem em 24 horas, pois este tempo, além de oferecer
uma completa solidificação e uma maior segurança na fábrica, contribui para a celeridade do
processo produtivo.
5.3.3 Estoque de pré-corte
Um dia após o início do processo de curagem, os blocos já podem ser movidos para uma
segunda área de estocagem, esta destinada a armazenar os blocos que estão prontos para corte
em um local diferente da área de curagem, tanto para impedir uma possível confusão entre os
blocos prontos para corte e os que ainda não estão, quanto para impedir que algum incêndio
provocado pelos blocos em curagem alastre-se.
5.3.4 Costura
Nesta atividade, são preparadas as faixas (tecidos laterais dos colchões) e o tampo inferior
(tecido que cobre o lado de baixo do colchão). Ocorre simultaneamente ao restante da
produção, em um ritmo distinto, o que contribui para a formação de estoques em processo.
5.3.5 Corte
Os blocos de espuma, dependendo de seu formato, sofrem diferentes processos de corte, em
locais e máquinas distintos.
Blocos Cilíndricos: são laminados com a espessura de 1 cm em um torno mecânico e
enrolados em um tubo de papelão, dando origem aos rolos de espuma laminada. Destinados à
etapa de Bordagem (fabricação dos pillowtops) e ocasionais vendas para terceiros. Esta
atividade de corte ocorre independentemente do restante da produção.
Blocos em forma de Paralelepípedo: passam por duas etapas de corte. A primeira etapa
consiste no corte vertical, gerando 9 blocos menores que serão submetidos à segunda etapa de
corte que, ao sofrer 3 cortes horizontais, darão origem a 27 blocos já em formato de colchão,
que são empilhados próximos às mesas de colagem e encapamento.
5.3.6 Bordagem
Os pillowtops são produzidos pelas máquinas de bordagem industrial. Resultam da costura de
tecido estampado com espumas provenientes de rolos de espuma laminada. São fixados em
um tecido destinado à cobertura do lado superior do colchão.
5.3.7 Colagem e Encapamento
Utiliza-se de produtos das atividades de costura, corte e bordagem. É realizada em três mesas
próximas à área de corte dos blocos de paralelepípedo, com dois funcionários por mesa. A
colagem é a fixação do pillowtop (advindo da bordagem) e do tampo inferior (advindo da
costura) à espuma resultante do processo de corte. Logo após, a faixa resultante do processo
de costura é alocada ao redor do colchão. Estando este devidamente encapado, falta apenas
costurar as laterais aos lados inferior e superior.
5.3.8 Acabamento
O acabamento é realizado em uma área relativamente distante da área de colagem e
encapamento. Consiste na costura das faixas laterais aos tecidos superior e inferior. Logo após
esta costura, o colchão já pronto é posto em uma esteira que o levará até a área de embalagem.
5.3.9 Embalagem
Na medida em que chegam pela esteira, os colchões são ensacados individualmente e
7
empilhados.
5.3.10 Esperar transporte
Após serem embalados, os colchões são transportados a uma área distante do local de
embalagem, onde aguardam em “gaiolas” até o dia seguinte pelos caminhões de despacho.
Desta forma, os colchões foram produzidos em 2 dias e transportados no terceiro.
5.4 Detalhamento e classificação das atividades
A Tabela 2 especifica as atividades realizadas em cada fase do processo produtivo. Na coluna
“Ind.”, correspondente a “Indicação”, a atividade é classificada de acordo com a indicação
presente na Tabela 1. A coluna “Tipo” apresenta “1” ou “2” para caracterizar o tipo de muda
(“1” para o tipo de muda inevitável e “2” para o tipo desnecessário) e “0” para processamento.
Note-se que as atividades descritas na Tabela 2 são as de caráter mais geral e aparente, não
estando englobados os micro-movimentos dos trabalhadores. Note-se também que, como
descrito, muitas das atividades ocorrem simultaneamente, de modo que a coluna “Nº”
(Número) possui apenas um caráter de localização.
Fase
Espumação
N°
1
2
3
4
5
6
7
8
9
Curagem
10
11
Pré-corte
12
13
Corte paralelepípedo 14
15
16
17
18
19
20
Corte cilíndrico
21
22
23
24
25
Costura
26
27
28
29
30
31
32
Bordagem
33
34
35
36
Atividade
A matéria-prima está em estoque
O equipamento realiza a mistura da matéria-prima
A base do molde é montada pelos trabalhadores
A mistura é despejada no molde e a reação inicia
O restante do molde é montado
Os despejadores são limpos (setup)
O transporte é preparado
Molde com bloco de espuma são colocados no transporte
O molde é retirado
O bloco de espuma é transportado para a área de curagem
O bloco fica em curagem
O bloco é transportado para a área de pré-corte
O bloco permanece na área de pré-corte esperando corte
O bloco é transportado para a área de corte
O bloco é colocado na máquina de corte vertical
O bloco é cortado na máquina de corte vertical
Os blocos são colocados na máquina de corte horizontal
Os blocos são cortados horizontalmente
Os blocos são empilhados pelo trabalhador próximos à etapa seguinte
Os blocos ficam empilhados esperando próxima etapa
O bloco é transportado para a área de corte (laminação)
O equipamento é preparado
O bloco é cortado e enrolado
O bloco é guardado pelo trabalhador
O bloco fica em estoque
Tecidos, linhas e etc estão na área de estocagem
Os tecidos são transportados da área de estocagem
Os tecidos são cortados
Os tecidos são costurados
Os tecidos recebem respiros e cordas
As faixas são empilhadas pelos trabalhadores
A pilha de faixas aguarda próxima etapa
Os blocos são transportados até a área de bordagem
Tecidos, linhas e etc. são transportados até a área de bordagem
Preparação da máquina
Bordagem dos pillowtops
Ind. Tipo
L
2
A
0
D
1
A
0
O
1
D
1
D
1
O
1
D
1
H
1
M
1
H
1
M
1
F
2
O
1
A
0
I
2
A
0
O
2
M
2
F
2
D
2
A
0
O
2
N
2
L
2
H
2
A
0
A
0
A
0
O
2
M
2
F
2
H
2
D
1
A
0
8
Colagem e
encapamento
Acabamento
Embalagem
Esperar transporte
37
38
39
40
41
42
43
44
45
46
47
48
49
50
51
52
53
54
55
56
57
58
59
60
61
62
Os pillowtops são empilhados pelos trabalhadores
A pilha de pillowtops aguarda próxima etapa
Blocos são posicionados na mesa de colagem e encapamento
Os pillowtops são transportados da área de bordagem
As faixas são transportadas da área de costura
É posta cola sobre a parte superior do bloco
A parte superior recebe um pillowtop
O bloco é virado
É posta cola sobre a parte inferior do bloco
A parte inferior recebe um tampo de tecido
A faixa é posicionada
Os colchões são empilhados pelos trabalhadores
A pilha de colchões aguarda próxima etapa
Os colchões são transportados para a área de acabamento
Os colchões são empilhados pelos trabalhadores
Os colchões aguardam acabamento
O colchão é posto na máquina de costura
A máquina é preparada
As faixas são costuradas às partes superior e inferior
O colchão é posto na esteira para embalagem
O colchão é transportado pela esteira
A máquina é preparada
O colchão é embalado
O colchão é empilhado
O colchão é transportado para a “gaiola”
Os colchões aguardam transporte na “gaiola”
18
32
12
62
Total muda tipo 1
Total muda tipo 2
Total processamento
TOTAL
Fonte: Autores
O
M
O
F
F
O
A
O
O
A
O
O
M
F
O
D
O
D
A
O
I
D
O
O
I
D
2
2
2
2
2
1
0
1
1
0
1
2
2
2
2
2
1
2
0
2
2
2
1
2
2
2
Tabela 2 - Detalhamento e classificação das atividades
Com base neste detalhamento, foi gerado um gráfico (Figura 1) de classificação da atividade
versus incidência da atividade, para melhor visualização da quantidade de cada muda:
Fonte: Autores
9
Figura 1 – Incidência das Categorias
6. Análise e discussão
Do total das 62 atividades identificadas, 12 (19,35%) são processamento, 18 (29,03%) muda
do tipo 1 e 32 (51,61%) muda do tipo 2. Isto permite constatar a necessidade de melhorias no
processo produtivo, propostas por meio da análise detalhada da classificação, realizada a
seguir.
As perdas B e C (superprodução quantitativa e antecipada, respectivamente) são inexistentes
em quase todas as etapas, visto que a fábrica trabalha com produção puxada e produz em cada
etapa apenas o necessário para a produção diária. No entanto, na etapa de corte do bloco
cilíndrico encontram-se ambas as perdas (representadas na Figura 2), já que a fábrica realiza a
comercialização destes de forma não planejada, ocasionando superprodução e estoques de
produto acabado.
A perda E, que faz referência à espera do trabalhador, não foi identificada nesta análise. A
explicação para isto encontra-se na alta ocorrência de perda O tipo 2 (desperdício
desnecessário de movimento do trabalhador) o que permite constatar que o trabalho dos
operários é aplicado de forma ineficiente.
Foram também identificados altos índices de perdas do tipo D (espera do produto), F
(transporte de WIP por longas distâncias, do tipo 2), M (excesso de WIP, predominantemente
do tipo 2) e I (transporte de materiais, peças ou produtos acabados entre processos, tipo 2),
consequentes de um arranjo físico mal projetado, falta de fluxo contínuo e de sincronia entre
as fases.
A criação de transporte ineficiente (G) não pôde ser identificada por não configurar-se em
atividade, entretanto, é, de fato, inexistente no processo produtivo.
A perda por superprocessamento (J) não ocorre no processo produtivo, já que os produtos são
fabricados de acordo com seu projeto. O processamento incorreto (K) não possui
representatividade por não ser uma atividade realizada de forma constante e não ocorrer com
frequência.
O estoque de produtos acabados (N), não existe na fabricação dos colchões de poliuretano
(produção puxada). Entretanto, como apontado, a fabricação dos rolos de espuma laminada
gera estoques de produto final (representado na Figura 2) devido à falta de planejamento de
suas vendas, decorrência do fato de este não ser o core-business da empresa.
A perda P não foi identificada por tratar-se de uma atividade a parte do processo produtivo,
consequente de erros de processamento incorreto (K) por atividades anteriores. A perda Q não
existe nessa indústria, pois a mesma não realiza inspeção formal da qualidade de seus
produtos.
Note-se também que muitas perdas do tipo 1 são consequentes da fase de curagem. Estas
perdas, entretanto, tornam-se inevitáveis, visto que esta etapa é vital para a segurança da
fábrica.
Para melhor visualização das perdas, foi elaborado o fluxograma conforme a Figura 2. Com
uma análise conjunta de Figura 1, Figura 2 e Tabela 2 pode ser constatado que muitas das
principais perdas podem ser eliminadas via rearranjo físico, implantação do fluxo contínuo e
reprojeto do trabalho via estudo de tempos e movimentos.
10
Fonte: Autores
Figura 2 – Fluxograma com atividades classificadas
7. Conclusão
A empresa estudada mostrou-se eficiente na eliminação dos estoques de colchões (produto
final), no entanto, ainda possui perdas em seu processo produtivo, decorrentes de um arranjo
físico ineficiente, não projetado para o processo produtivo de uma produção puxada,
ocasionando altos índices de WIP (indesejável para o processo de produção enxuta), de um
projeto do trabalho inadequado (visto que os operários desperdiçam tempo com movimentos
não-produtivos) e da falta de um fluxo contínuo.
O método de avaliação descrito na Tabela 1 e aplicado por meio da Tabela 2 mostrou-se
eficiente em quantizar a maioria das perdas, sendo auxiliado qualitativamente pelo
fluxograma da Figura 2 na identificação de outras perdas, onde estudos estatísticos adequados
podem contribuir com suas respectivas quantificações.
Desta forma, as 7 perdas do Sistema Toyota de Produção tornaram-se úteis na avaliação do
processo produtivo estudado e serviram como suporte na identificação de problemas no
processo produtivo e no planejamento de sua melhoria.
Referências
ANTUNES JÚNIOR, J.; KLIPPEL, M. Análise crítica dos inter-relacionamentos das perdas e dos
subsistemas do Sistema Toyota de Produção. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE
PRODUÇÃO, 22., 2002, Curitiba. Anais... Curitiba: ENEGEP, 2002.
KNOD, E.; SHONBERGER, R. Operations manegement: meeting customers' demands. New York: McGrawHill, 2001.
LIKER, J. O modelo Toyota: 14 princípios de gestão da maior fabricante do mundo. Porto Alegre: Bookman,
2005.
11
MANUFACTURING ADVISORY SERVICE IN THE SOUTH WEST (MAS-SW). 7 Wastes. Disponível
em: <http://www.swmas.co.uk/transition/index.php/7-Wastes>. Acesso em 18 abr. 2010.
MARCHWINSKI, C.; SHOOK, J. Léxico Lean: glossário ilustrado para praticantes do pensamento lean. São
Paulo: Lean Institute Brasil, 2007.
OHNO, T. O Sistema Toyota de Produção: além da produção em larga escala. Porto Alegre: Artes Médicas,
1997.
SHINGO, S. A study of the Toyota production system from an industrial engineering viewpoint. Cambridge:
Productivity Press, 1989.
WOMACK, J.; JONES, D.; ROOS, D. A máquina que mudou o mundo. Rio de Janeiro: Campus, 1992.
12
Download

ANÁLISE DO PROCESSO PRODUTIVO DE COLCHÕES