Colégio Internato dos Carvalhos
12.as Jornadas Psicopedagógicas de Gaia
As Novas Tecnologias e a Educação
29/30 de Novembro 2007
TIC e Educação:
um desafio para os professores
Bento Duarte da Silva
bento@iep.uminho.pt
Universidade do Minho
Instituto de Educação e Psicologia
Reflexão sobre...
1. Função estruturante das Tecnologias
2. Que tipo de novas tecnologias?
3. Qual é a essência da tecnologia?
4. Quais as repercussões das TIC na organização
escolar e curricular?
5. Estamos a viver num “novo mundo educacional”?
6. Desafios para os professores
1. Função estruturante das TIC
cada época histórica e cada tipo de
sociedade possui uma determinada
configuração proporcionada:
 pelo estado das suas tecnologias
 pela reordenação nas relações espaçotemporais (local, regional, nacional, global)
 pelo estímulo à transformação
As TIC, para além da função de meios que possibilitam a
emissão/recepção deste ou daquele conteúdo de
conhecimento, contribuem fortemente para estruturar a
ecologia comunicacional das sociedades, actuando como
instrumentos de mediação sociocultural.
Microprocessador
PC (Personal Computer)
Homo loquens
homo pictor
Escrita
50.000
4.000
C. Interpessoal
(45.000 anos)
Imprensa
Telégrafo
1456 / 1837
C. Elite
(5.500 anos)
C. Massas
(500 anos
/
400 Imprensa)
Internet
1971 / 1981
1989...
C. Individual C. Ambiente
Virtual
(18 anos)
(16 anos...)
2. Que tipo de novas Tecnologias?
 digitalização
 compatibilidade
 fim dos guetos tecnológicos
 rede comunicativa universal
As noções de rede e comutação são os conceitos chave
para percebermos as actuais tecnologias
Noção de rede
uma rede "não tem topo ou base, mas uma pluralidade
de conexões que aumentam a possibilidade de
desenvolvimento entre os utilizadores da rede”
(Zimmerman (1989)
Theodor H. Nelson – estrutura do hipertexto
 comutação
 tudo está ligado
valor é dado pela conexão
 multidimensionalidade do
universo comunicativo
 natureza ubiquística do indivíduo
 da Arpanet à web2 …
Tim Berners -Lee
1969
1989
1990
1991
1993
1994
1999
2003
…
Projecto ARPANET
Criação da INTERNET
Criação da rede WWW (Worl Wide Web)
Multimedia PC
Mosaic (browser)
Netscape (browser)
Interface Blogger
Comunicações WiFi (Wireless Fidelity)
CIBERESPAÇO
“Uma alucinação consensual vivida quotidianamente
em toda a legalidade por dezenas de milhares de
operadores em todos os países."
"Uma representação gráfica de dados extraídos dos
computadores. Uma complexidade impensável.“
“Traços de luz disponíveis no não-espaço do espírito,
massas, constelações de dados, tal como se fossem
luzes de uma cidade visível à distância."
(
William Gibson, Neuromante, 1984)
Sociedade da Informação
Na Internet, não transitam simples informações, mas actos de
comunicação onde o mundo privado da experiência pessoal
daqueles que os praticam é projectado no interior do mundo
interpessoal e grupal das interacções.
3. Qual é a essência da tecnologia?
MITO
Tecnologia faz a mudança
Tecnologia faz parte de um vasto pacote de mudança
 se a empresa // a escola...
 não se reestruturar
 se não possuir profissionais competentes
não existe tecnologia que resolva os problemas
Associação de
“tecnologia” a “maquinaria”
é inadequada
Sentidos de descodificação...
 máquina
 objecto, instrumento
 técnica
 forma humana de fazer
 tecnologia
 compreensão do saber fazer / reflexão sobre a técnica
Essência da tecnologia
 Estratégia
 Pensamento Estratégico
Compreender-se o
PORQUÊ e o COMO da integração
Estratégia
 arte de dirigir as operações
“intervenção num processo organizacional com sentido de optimização”

concepção de um conjunto de decisões e acções - inteligentes e
criativas - para promover a realização dos objectivos propostos e
proporcionar os melhores resultados
a origem da estratégia reside no
PENSAMENTO ESTRATÉGICO
 o conhecimento e a acção dos membros de uma
organização é decisiva:
 que se pretende com as TIC?
 que possibilidades de renovação
proporcionam à organização/empresa?
da reflexão sobre estes pontos resulta o
Pensamento Estratégico
O nosso contributo para o debate...
sobre a organização educativa
 não temos respostas completas...
 não temos a chave da solução da mão...
 ABRIR PISTAS DE REFLEXÃO
4. Repercussões das TIC na organização
escolar e curricular
o mundo presente – a Escola
A ESCOLA
 herdeira da tecnologia da escrita
 ambiente comunicacional de elite
 incorporou o formalismo e o intelectualismo
 organização curricular...
 fortemente racionalizada
 sequencial e sistemática
 operacionalizada segundo princípios...
 da divisão do trabalho
 de receptividade máxima
 optimização do rendimento
Contestações frequentes e cenários de crise
a escola terá que mudar
sob a ameaça de desaparecer
Há quem advogue o fim da escola...
substituindo-a por “canais inteligentes de aprendizagem”… hipermediáticos!
Pensamos que a ideia de escola




como memória da humanidade
como sistema de construção do saber
de enriquecimento social e moral
como um espaço que considere cada aluno como um ser
humano à procura de si próprio, em reflexão com os
demais e com o mundo que o rodeia
Tem ainda razão de existir neste novo milénio
Mas...
precisa de ser profundamente renovada
As
TIC
contêm os ingredientes
para favorecer a renovação ?
Repercussões das TIC na organização escolar e
curricular
 organizativas
 relação com conteúdos
 metodologia
 organizativas
via colaborativa nas tomadas de decisão
vias clássicas: central-periférica; periférica-central; periférica-periférica
via emergente: colaborativa
flexibilidade do espaço e do tempo escolares
 desescolarizar o tempo e o lugar - retirar a dimensão colectiva:
- flexível para se adaptar às necessidades dos alunos
- flexível na adaptação às mudanças de planificação
 Adaptação curricular
 relação com os conteúdos
 disponibilidade de conhecimentos relacionados com
os programas
 acesso a fontes de informação diferentes
 possibilidade de actualização permanente
 possibilidade de estabelecimento de uma relação
directa com os criadores do conhecimento
“Acesso Pleno ao Conhecimento”
 Novo paradigma de aprendizagem em que aprender
significa:
 saber interagir com as fontes de conhecimento




interagir com outros detentores/processadores do conhecimento...
outros professores
outros alunos
outros membros da sociedade
o problema não está no acesso livre e fácil, é uma vantagem,
mas em saber o que procurar e como o fazer!
 metodológicas
A tecnologia torna possível o acesso directo à informação,
mas não é possível o acesso directo ao conhecimento
Valorização da intermediação
PEDAGOGIA DIFERENCIADA




valorizar o método
o processo
o itinerário
o como
dando aos professores a possibilidade de
ENSINAR DE OUTRO MODO
 ensinar a construir o saber
 ensinar a pensar
Estas reflexões permitem-nos pensar a escola como...
comunidades virtuais de aprendizagem
**
comunidades de aprendizagem
“cultura da virtualidade real”.
“é virtual porque está construída principalmente através de
processos virtuais de comunicação de base electrónica. É real (e não
imaginária) porque é a nossa realidade fundamental, a base material
com que vivemos a nossa existência, construímos os nossos
sistemas de representação, fazemos o nosso trabalho, nos
relacionamos com os outros, obtemos informação, formamos a
nossa opinião, actuamos politicamente e alimentamos os nossos
sonhos. Esta virtualidade é a nossa realidade”.
(Castells, 2004)
 Comunidades construídas com base
 na partilha de motivações comuns
 de afinidades de interesses, de conhecimentos, actividades, de
projectos
 num processo de cooperação e interacções sociais
entre escolas
entre outras instituições comunitárias
entre autores e leitores
Independentemente das proximidades
geográficas e domínios institucionais
• a Web pode constituir uma interface educacional para
renovar a escola
• pois é uma tecnologia adequada para suportar os
processos da aprendizagem colaborativa,
proporcionando que professores e alunos exercitem a
capacidade criadora dentro de um ambiente de
aprendizagem hipertextual, interactivo e plural.
 pela interacção directa com os conteúdos
 pela participação activa na pesquisa e exploração de informação
 pelo estabelecimento de uma relação directa com os criadores do
conhecimento
 pelo confronto e repartição da diversidade de interpretações na
comunidade do saber
 pelo apoio tutorial
5. Estamos a viver num “novo mundo educacional?
O futuro não está tão longínquo como se poderia supor
As experiências de algumas escolas falam por si!
Plano Tecnológico da Educação
(Resolução do Conselho de Ministros n.º 137/2007; D.R. de 18 de Setembro de 2007)
Objectivos equipamento
“atingir um rácio de 2 alunos por computador, assegurar que
nenhuma escola apresenta um rácio de computadores por alunos
superior a 5, que todas as salas de aulas tenham videoprojector e
1 quadro interactivo em cada 3 salas de aula”.
6. Desafios para os professores
O grande desafio consiste em compreender a
chegada do tempo de tecnologias que dão
oportunidade de redesenhar as fronteiras de
uma escola aberta aos contextos sociais e
culturais, à diversidade dos alunos, aos seus
conhecimentos, experimentações e interesses.
Resulta daqui um novo ambiente e estilo
pedagógicos que favorecem as aprendizagens
personalizadas e colaborativas.
Janus – deus romano
Questões centrais:
 Partilha de informação e trabalho colaborativo
 Aspectos psicopedagógicos: pedagogia de construção
Aprendizagem
Desenvolver com os alunos actividades que favoreçam a
aquisição de conhecimentos disciplinares significativos.
necessário ter em consideração que a aprendizagem é um
 processo (re)construtivo
 cumulativo
 auto-regulado
 situado
 colaborativo
As tecnologias informáticas, consideradas como novos
sistemas para tratar e representar a informação, ancorados nos
sistemas convencionais, vão modificar o modo como as
crianças estão habituadas a aprender e também amplificar o
seu desenvolvimento cognitivo.
(Miranda, 2007)
Concluindo...
ESTRATÉGIA
É o desafio central que se coloca às TIC
O debate a fazer deve situar-se no
CAMPO ORGANIZACIONAL e CURRICULAR e na
APRENDIZAGEM
seja do funcionamento global da escola
seja na formulação e implementação do currículo
seja na forma de desenvolver actividades que favoreçam a
aquisição de conhecimentos significativos
Posição dos professores
tomada de uma atitude de maioridade
reconhecer que as TIC podem proporcionar um espaço de
profunda renovação, sendo que o ponto essencial é a mudança
qualitativa nos processos de ensino e aprendizagem, com
repercussões nos níveis organizativo, de conteúdo,
metodológico e aprendizagem .
Referências:
CASTELLS, Manuel (2004). A Galáxia Internet. Reflexões sobre Internet, Negócios e Sociedade. Lisboa: Fundação Calouste
Gulbenkian.
GIBSON, William (2004). Neuromante. Lisboa: Gradiva (1ª edição de 1984.
HARASIM, Linda; HILTZ, Starr; TUROFF, Murray & TELES, Lucio (2000). Redes de aprendizaje. Guia para la enseñanza y el
aprendizaje en red. Barcelona: Gedisa.
INGLIS, Fred (1993). A Teoria dos Media. Lisboa: Veja.
LANDSHEERE, Viviane (1994). Educação e Formação: ciência e prática. Porto: Asa.
LÉVY, Pierre (2000). A Cibercultura. Lisboa: Instituto Piaget.
MAFFESOLI, Michel (1990). El tiempo de las tribus, el declive del individualismo nas sociedades de masas. Barcelona: Icaria.
MATTELAR, Armand (1996). A invenção da Comunicação. Lisboa: Instituto Piaget.
MIRANDA, Guilhermina (2007). Limites e possibilidades das TIC na Educação. Sísifo, Revista de Ciências da Educação, nº 3, 41-50.
PRETTO, Nelson & SERPA, Luis (2001). A Educação e a Sociedade da Informação. In Paulo Dias & Varela de Freitas (org.), Actas da II
Conferência Internacional de Tecnologias da Informação e Comunicação na Educação, Desafios 2001. Braga: Centro de
Competência Nónio Século XXI da Universidade do Minho, pp. 21-41.
RHEINGOLD, Howard (1996). A Comunidade virtual. Lisboa: Gradiva.
RIBEIRO, Darcy (1975). O processo civilizatório. Etapas da evolução sociocultural. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira.
SILVA, Bento (1999). Questionar os fundamentalismos tecnológicos: Tecnofobia versus Tecnolatria. In Paulo Dias e Varela Freitas (ed.).
Actas da I Conferência Internacional de Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação, Desafios’99. Centro de
Competência Nónio Século XXI da Universidade do Minho, pp. 73-89.
SILVA, Bento (2001). A Tecnologia é uma Estratégia. In Paulo Dias & Varela de Freitas (org.). Actas da II Conferência Internacional de
Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação. Braga: Centro de Competência Nónio Século XXI da Universidade do
Minho, pp: 839-859.
SILVA, Bento (2002). A inserção das tecnologias de informação e comunicação no currículo – repercussões e exigências na
profissionalidade docente. In António Moreira Flávio & Elisabete Macedo (coords.) Currículo, Práticas Pedagógicas e
Identidades. Porto: Porto Editora, pp. 65-91.
SILVA, Bento (2005). Ecologias da Comunicação e Contextos Educacionais. Revista Educação & Cultura Contemporânea, vol. 2, nº 3,
Universidade Estácio de Sá , Rio de Janeiro, pp. 31-51.
SILVA, Bento, GOMES, José & SILVA Álvaro (2007). A Escola e as Tecnologias de Informação e Comunicação: inquietações e
superações. In Jesus Maria Sousa & Carlos Fino (org.). A Escola Sob Suspeita. Porto: Asa, pp. 255-275.
SILVA, Marco & EDMÉA, Santos (2006) (orgs.). Avaliação da aprendizagem em educação online. São Paulo: Edições Loyola.
WOLTON, Dominique (2000). E depois da Internet? Para uma teoria crítica dos novos média. Algés: Difel.
ZIMMERMAN, Muriel (1989). Reconstruction of a profession: New roles for writers in the computer industry. In Edward Barrett (ed.),
The Society of Text, Hypertext, Hipermedia and the Social Construction of Information. Cambridge, Ma: Mit Press, pp. 235-249.
Download

TIC e Educação: um desafio para os professores