A utilização de jogos no ensino da Matemática no
Ensino Médio
Afonso Henrique Leonardo da Conceição
Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP
e-mail: [email protected]
Tatiane Cristina Camargo
Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP
e-mail: [email protected]
Marcos Batista de Medeiros Júnior
Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP
e-mail: [email protected]
Márcia Marinho do Nascimento Mello
Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP
e-mail: [email protected]
Alexandre de Oliveira
Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP
e-mail: [email protected]
Comunicação Oral
Relato de Experiência
Introdução
O conhecimento matemático possui características que são muito importantes
para o cotidiano da humanidade. Conjuntamente com a evolução do homem, a
matemática
desenvolveu-se
de
forma
contextualizada,
histórica,
social
e
culturalmente. Por este motivo é necessária, também, a constante evolução e
1
mudanças no ensino da matemática, trilhando novos caminhos por meio da
inovação e transformação dos processos de construção do conhecimento.
Segundo Baraldi (1999), os alunos sentem a matemática como uma “ciência
fria”, que não tem utilidade no cotidiano. Sendo assim, um dos possíveis caminhos é
a utilização do lúdico, isto é, o uso de jogos como metodologia de ensino que,
segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais de Matemática (PCN’s) podem ser
uma maneira interessante de apresentar problemas de forma mais atrativa e criativa
na elaboração de estratégias em busca das soluções. Desta forma, permitem
simulações e proporcionam situações concretas e imediatas estimulando o
planejamento das ações. (BRASIL, 1998).
Deste modo, com a inserção dos jogos nas aulas de Matemática, podemos
almejar uma mudança significativa no processo de aprendizagem dos discentes.
Visto que, trabalhar com o lúdico favorece o desenvolvimento da linguagem,
diferentes processos de raciocínio e a interação entre os alunos.
Entretanto, jogar por jogar, agrega poucos valores e conhecimentos à vida
dos educandos. Por isso, cabe ao professor direcionar as atividades lúdicas para um
caminho pelo qual os discentes possam obter melhor desempenho, com isso, eles
acabam externando suas qualidades espontaneamente e o educador passa a
conhecê-los melhor.
Segundo Melo e Sardinha (2009, p.10 apud MOURA, 1991, p.24), com jogos
podemos expressar e interpretar o mundo, por este motivo deve ser visto de forma
complexa,
pois
podem
surgir
vários
significados,
interpretações
e
novas
possibilidades de análise. Pode-se encontrar dificuldades para a realização dos
trabalhos, mas também diversas potencialidades para o seu desenvolvimento.
Espera-se, com este trabalho, demonstrar que a inserção de jogos no ensino
da Matemática, traz enormes benefícios para a aprendizagem dos alunos, bem
como, para seu desenvolvimento cognitivo.
Metodologia
O presente estudo trata-se de um trabalho realizado por alunos do curso de
Licenciatura em Matemática da Universidade Sagrado Coração (USC) em Bauru/SP
que foram contemplados com bolsa do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação
à Docência (PIBID) que é financiado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de
2
Pessoal de Nível Superior (Capes). O nosso subprojeto, “Jogos e Aprendizagem
Matemática – Uma Associação Possível” começou, com a realização de reuniões
semanais com duração de 1h30min, nas quais foram desenvolvidas atividades de
leitura e discussão de textos, bem como, oficinas para a confecção dos jogos. O
conteúdo de tais jogos foi definido de acordo com o assunto abordado em sala de
aula pela professora supervisora.
Um dos objetivos foi trabalhar com jogos nas aulas de Matemática nos 1º
anos do Ensino Médio, com o intuito de fomentar o interesse dos alunos pela
disciplina e, auxiliar no desenvolvimento de habilidades como observação, análise,
levantamento de hipóteses, busca de suposições, reflexão, tomada de decisões,
argumentação, organização e o raciocínio lógico, habilidades estas, com a finalidade
de expandir as competências do alunado para que sejam capazes de resolver as
adversidades cotidianas.
A aplicação dos jogos foi feita nos 1º Anos do Ensino Médio para verificar
como os alunos reagiam perante os desafios proporcionados pelos jogos e como
eles solucionavam esses problemas. Durante esta etapa, percebemos que os alunos
se mostravam muito envolvidos ao participar dos jogos, e apesar de algumas
dificuldades notamos que em um curto prazo de tempo, eles se apropriaram de
alguns conceitos matemáticos fundamentais para a compreensão dos conteúdos da
disciplina. Essas informações foram registradas para podermos analisar os
resultados obtidos, relacionando a parte teórica com a prática.
Dentre os jogos aplicados, podemos citar um muito conhecido e também
simples de ser adaptado, mas foi o que mais proporcionou o desenvolvimento dos
alunos, que foi o Jogo da Memória, adaptado para o conteúdo ministrado Função do
2º Grau.
Jogo da Memória
Descrição: Neste jogo, foram construídas algumas peças com as operações as quais os alunos deviam resolver - e outras com os resultados.
a) participantes: 5 pessoas (os alunos da sala foram divididos em vários
grupos);
b) quantidade de peças: 14 (sete com as funções e outras sete com os
respectivos resultados).
3
Resultados e Discussões
No fim de nossas atividades na escola, notamos que os alunos se mostraram
cada vez mais interessados pela disciplina, o que os levou a participarem com mais
engajamento das aulas, que segundo relatos da professora da sala, não ocorria
antes das ações desenvolvidas pelo PIBID. O alunado também conseguiu
interiorizar alguns conceitos básicos de Matemática que lhes faltavam, e com isso,
houve uma grande melhora no desempenho dos mesmos nas avaliações bimestrais
aplicadas pela professora. Além disso, os alunos se apropriaram de conceitos como:
respeito, observação e argumentação, e isso só fez melhorar o convício entre eles
na sala de aula.
Como uma das propostas do PIBID é o incentivo à carreira do magistério nas
áreas da educação básica, obtivemos também, excelentes resultados com relação
aos alunos de licenciatura envolvidos no projeto. Dentre eles, podemos citar: relação
entre a teoria e a prática; melhor entendimento e aprofundamento dos conceitos
matemáticos; conhecimento e assimilação dos conteúdos abordados na educação
básica; melhor argumentação em discussões relacionadas à educação e por fim,
mas não menos importante, a valorização do professorado.
Considerações Finais
Por meio da realização deste trabalho, verificamos que os jogos no ensino da
Matemática têm se mostrado um instrumento muito eficaz no processo de ensinoaprendizagem, devido aos resultados satisfatórios obtidos durante a aplicação dos
mesmos.
Assim, temos o lúdico como um possível caminho na transformação dos
tradicionais métodos de ensino. Visto que, motiva os alunos a participarem das aulas
bem como proporciona maior desenvolvimento cognitivo.
Neste sentido, citamos como exemplo uma frase de Ribeiro (2006) que diz: “A
arte de ensinar deve ser objetivo primordial de qualquer profissional da área da
educação”, ou seja, para alcançarmos este objetivo tão importante, precisamos
recorrer a novos métodos de ensino, como os jogos.
Após o apresentado, relacionamos o desenvolvimento dos alunos diretamente
com as metodologias escolhidas e aplicadas em sala de aula pelos professores, e
4
tais metodologias devem ser elaboradas de acordo com a realidade da escola, da
comunidade na qual ela se insere e com a realidade também do aluno, que já chega
à escola portando algumas verdades e ideais. Sendo assim, a mudança nos
métodos de ensino é possível a partir de iniciativas oriundas dos docentes.
Agradecimentos
Em primeiro lugar agradecemos a Deus, por ter nos dado a dádiva da vida e
nos iluminar durante a realização deste trabalho.
À Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e
ao Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID) por nos
conceder a oportunidade de iniciarmos a nossa carreira docente.
À Universidade Sagrado Coração (USC) por disponibilizar ampla estrutura
para a realização das nossas reuniões e oficinas.
À nossa orientadora, Prof. Esp. Márcia Marinho do Nascimento Mello por
sempre nos incentivar e apoiar durante o desenvolvimento de nossas atividades no
ano de 214.
A todos da Escola Estadual Professora Ada Cariane Avalone por terem nos
recebido de braços abertos em especial às professoras Adriana e Angélica.
E ao nosso atual Orientador Prof. Me. Alexandre de Oliveira por nos apoiar e
nos direcionar durante a confecção deste relato de experiência.
Palavras-Chave: Matemática; Jogos; Aprendizagem; Resultados.
Referências
BARALDI, Ivete Maria. Refletindo sobre as concepções matemáticas e suas
implicações para o ensino diante do ponto de vista dos alunos. Mimesis, Bauru, v.
20, n. 1, p. 7-18, 1999. Disponível em:
<http://www.usc.br/biblioteca/mimesis/mimesis_v20_n1_1999.pdf#page=7>. Acesso
em: 18 fev. 2015.
BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares
Nacionais : matemática. Brasília, DF: MEC, 1998. Disponível em:
<http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/matematica.pdf>.Acesso em: 22 fev. 2015.
5
RIBEIRO, Elcy F. F. O Ensino da Matemática por meio de Jogos de Regras.
Ucb,[2006?]. Disponível em:
<http://www.ucb.br/sites/100/103/TCC/22005/ElcyFernandaFerreiradeSousa.pdf>.
Acesso em: 02 mar. 2015.
MELO, Sirley Aparecida; SARDINHA, Maria O. B. Jogos no Ensino Aprendizagem
de Matemática: uma estratégia para aulas mais dinâmicas. Revista [email protected]ência,
Apucarana, PR, v. 4, n. 2, p. 5-15, 2009. Disponível em:
<http://www.fap.com.br/fapciencia/004/edicao_2009/002.pdf>. Acesso em: 28 fev.
2015.
6
Download

A utilização de jogos no ensino da Matemática no Ensino