Monica M. Trovo Araújo
Mestre e doutoranda em Comunicação
em Cuidados Paliativos.
monicatrovo@uol.com.br
O que é uma má notícia?

Qualquer informação que afeta a perspectiva
de futuro de um indivíduo. Buckman, 2010
○ Diagnóstico inicial de uma doença grave
○ Piora do estado de saúde.
○ Descoberta de recidivas.
○ Perdas.
○ Morte.
O impacto da informação...

Aquilo que fere na comunicação de uma
má notícia não é o que o profissional de
saúde fala, mas a maneira como ele diz.
COMUNICAÇÃO INADEQUADA
De que comunicação
estamos falando?!!

Cummuns (latim): comungar, transferir,
compartilhar.
Não é apenas transmissão de
informações, envolve um processo muito
mais amplo...
A comunicação interpessoal

A comunicação interpessoal é a base das
relações humanas.
Troca de mensagens que ocorre na
interação entre os seres humanos.
Estar com o outro
Silva, 2002
Relação Humana
Resgatando princípios da comunicação

Todo processo comunicacional não é neutro, envolve
informações e sentimentos, possuindo 2 dimensões:
NÃO VERBAL
VERBAL
Watzlawick 2002;
Silva, 2002
O processo de comunicação
EMISSOR
MENSAGEM
RECEPTOR
MÁ NOTÍCIA
TEMPO
SENSO DE
OPORTUNIDADE
ESPAÇO
Watzlawick; 2002
Jakobson; 2000
A verdade
Contar ou não contar a
verdade?
 As pessoas querem
realmente saber a
verdade sobre sua
condição?

A relação deve ser verdadeira até o final, mas é
preciso que se entenda os limites do que pode ser
feito diante das questões da terminalidade.
Guinelli et al, 2004; Liu, 2005; Vivar, 2005; Voogt, 2005
A verdade progressiva e tolerável
Ao invés da mentira
piedosa, devemos
utilizar a sinceridade
prudente,
progredindo-a de
acordo com as
condições
emocionais do
paciente.
Um caminho...

Protocolo de 6 passos para a comunicação de
notícias difíceis:





1. Preparar-se.
2. Averiguar o que o paciente sabe.
3. Averiguar o quanto deseja saber.
4. Divulgar as informações.
5. Responder aos sentimentos do paciente e
família.
 6. Sumarizar informação e planificar o seguimento.
Baile WF et al. Skipes – a six step protocol for delivering bad news:
application to the patient with cancer. The Oncologist 2000. 5(4): 302-11
1. Preparar-se
Não delegar.
 Confirmar as possibilidades.
 Planejar o que será dito.
 Criar ambiente apropriado.
 Prover tempo adequado, prevenindo
interrupções.
 Saber quem são as pessoas que o
paciente deseja que estejam presentes.

2. Averiguar o que ele sabe

Investigar o que e quanto o paciente sabe: antes de
falar, pergunte.

Utilizar perguntas abertas:





Como você tem se sentido?
O que seu médico te disse?
Quais são suas expectativas/dúvidas com relação à...?
Porque você acha que...?
Atentar para linguagem verbal e não verbal – avaliar
habilidades de compreensão e condições emocionais.
3. Averiguar o quanto ele deseja
saber

Compreender o respeitar o fato de que as pessoas manejam
a informação de maneira diferente, influenciadas por raça,
etnia, cultura, religião, sexo, condição sócio-econômica,
etc...

Perguntar e reconhecer as preferências individuais do
paciente:
 Como você gostaria que eu te desse a informação sobre o
resultado dos seus exames?
 Você prefere informações detalhadas sobre os exames ou prefere
focar no tratamento?

Solicitar ao paciente que indique outra pessoa para receber
a informação em caso de rechaço voluntário do mesmo às
informações oferecidas.
4. Divulgar as informações

Ao dar a notícia:






Evitar monólogo, promovendo diálogo.
Usar silêncio – pausas frequentes.
Informar de modo claro e firme.
Evitar jargões e eufemismos.
Verificar compreensão.
Atentar à linguagem corporal.

Não minimizar a gravidade e nem dar falsa esperança.

Evitar ser vago.

Implicação do “sinto muito”: compaixão
Responsabilidade
≠
pena
Renúncia de
responsabilidade
5. Responder aos sentimentos

Estar preparado para manifestações emocionais
fortes:
 Respostas afetivas: lágrimas, tristeza, raiva, ansiedade, alívio.
 Respostas cognitivas: negação, culpa, medo, descrença,
vergonha, luto, intelectualização.
 Resposta psicofisiológica: luta, fuga.

Prover tempo, compreendendo e respeitando
mecanismos.

Utilizar como estratégias para oferecer apoio:
toque, presença, escuta, tempo, disponibilidade.
6. Sumarizar informação e
planificar o seguimento

Resumir as principais informações.

Assegurar a continuidade do cuidado: princípio
do “não-abandono”.

Planificar o(s) passo(s) seguinte(s).
 Oferecer informações adicionais, se pertinente.
 Investigações e tratamento de sintomas.
 Próxima consulta/visita ou derivação.

Identificar mecanismos e redes de apoio.

Dar sempre uma esperança!
Quando a família diz:
“Não diga a ele...”







Conspiração ou cerca de silêncio.
Obter consentimento da família.
Promover reuniões familiares para estabelecer
alianças.
Escuta ativa, destacando relações.
Promover confiança e reforçar vínculos.
Argumentar pela honestidade.
Valorizar a história familiar, ajudando a identificar
recursos prévios para lidar com situações difíceis.
Concluindo...
“Se ao paciente é suficiente uma palavra, não ofereça discursos
Se só lhe for necessário um gesto, esqueça-se das palavras
Se ele só lhe pedir um olhar, omita o gesto
E se lhe basta o silêncio, feche os seus olhos
E reze
Com ele e por ele...”
Tradução livre de um poema do Pe. Martin Puerto, Argentina
Referências















Araújo MMT. Quando “uma palavra de carinho conforta mais que um medicamento”: necessidades e expectativas de pacientes sob
cuidados paliativos. [dissertação]. São Paulo (SP): Escola de Enfermagem da USP; 2006.
Pessini L, Bertachini L. Humanização e cuidados paliativos. São Paulo: Loyola; 2004.
Silva MJP. Comunicação com pacientes fora de possibilidades terapêuticas: reflexões. Mundo Saúde. 2003: 27(1):64-70.
Araújo MMT, Silva MJP. Comunicando-se com o paciente terminal. Rev Soc Bras Cancer. 2003; 6(23):16-20.
Pimenta CAM, Mota DDC, Cruz DALM. Dor e Cuidados Paliativos: Enfermagem, Medicina e Psicologia. Barueri: Manole; 2006.
World Health Organization (WHO). WHO Definition of Palliative Care [on line]. Disponível em:
http://www.who.int/cancer/palliative/definition/en. [Acesso em 13 jul. 2007).
Araújo MMT, Silva MJP. Cuidados Paliativos na UTI: possibilidade de humanização do processo de morrer. Rev Soc Bras Cancer
2006. 11: 40-44
Pessini L. Viver com dignidade a própria morte: reexame da contribuição da ética teológica no atual debate sobre a distanásia [tese].
São Paulo (SP): Centro Universitário Assunção, Pontifícia Faculdade de Teologia Nossa Senhora da Assunção; 2001.
Kübler-Ross E. Sobre a morte e o morrer. São Paulo: Martins Fontes; 2002
Kovács MJ. Pacientes em estágio avançado da doença, a dor da perda e da morte. In: Carvalho MMMJ. Dor: um estudo
multidisciplinar. São Paulo: Summus; 1999. p. 318-37.
Rodrigues IG, Zago MMF. Enfermagem em cuidados paliativos. Mundo Saúde. 2003; 27(1):89-92.
Lynn J et al. Perceptions by family members of the dying experience of older and seriously ill patients. SUPPORT Investigators. Ann
Intern Med 1997; 126(2):97-106.
Desbiens NA et al. Pain and satisfaction with pain control in seriously ill hospitalised adults: findings from the SUPPORT research
investigations. Crit Care Med 1996; 24(12):1953-61
SUPPORT Principal Investigators A Controlled Trial to Improve Care for Seriously ill Hospitalized Patients: The Study to Understand
Prognoses and Preferences for Outcomes and Risks of Treatments (SUPPORT). JAMA 1995; 274(20): 1591-1598.
Oliveira RA. Cuidado Paliativo. São Paulo: Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo; 2008.
Obrigada pela atenção!
monicatrovo@uol.com.br