Tegumento Comum
Tegumento Comum
Definição:
Sistema representado por
estruturas
anatômicas
responsáveis por constituir um
importante envoltório, para a
proteção e adaptação do corpo
humano ao ambiente externo.
Tegumento Comum
Funções:
Proteção
Regulação da temperatura
Eliminação de excretas
Renovação e reparação
Percepção (Sensorial)
Tegumento Comum
Divisão Anatômica:
Pele
Pelos
Anexos da Pele:
Unhas
Mamas
Tegumento Comum
Pele
Espessura
Distensibilidade
Superfície
Camada superficial do
Tegumento Comum.
Área
Idade
Extensão
2m2
Tegumento Comum
Espessura
Superfície
Área
Pressão
Idade
Espessa
Flexora
Delgada
Palma das Mãos
Planta dos Pés
Extensora
Espessa
Infância
Sem
Pressão
Delgada
Pálpebras
Delgada
Senilidade
Espessa
Tegumento Comum
Distensibilidade
Área
Dorso das Mãos
Muita Elasticidade
Palma das Mãos
Pouca Elasticidade
Idade
Infância
Muita Elasticidade
Senilidade
Pouca Elasticidade
Tegumento Comum
Camadas da Pele:
Epiderme
Derme
www.afh.bio.br/tegumentar/tegumentar.asp
Tegumento Comum
Epiderme
Camada Superficial
estratificado.
da
pele, constituída
de
epitélio
pavimentoso
Em sua camada periférica encontramos células mais resistentes,
ceratinizadas,
Córnea – células
queratinizadas
www.afh.bio.br/tegumentar/tegumentar.asp
Tegumento Comum Derme
Camada Profunda da pele, abundantemente vascularizada. É rica em
Fibras Colágenas e Elásticas, responsáveis pela distensibilidade da pele .
Papilas Dérmicas
Projeções da Derme para epiderme, originando
Cristas separadas através de Sulcos.
Impressões Digitais
Utilizadas
para
identificação
datiloscópica, pois sua disposição
varia de indivíduo para indivíduo.
Tegumento Comum Coloração
da Pele
Melanócitos
Melanina
http://www.cinemacafri.co
m/star.jsp?star=1523
www.albinismo.inf
o/social.htm
Amarelo
Negro
www.estadao.com.br/.../2006/j
www.verizon.com.do/.../
nuevas_fotos/Moca.jpg
ul/25/27.htm
Tela Subcutânea
Camada rica em Tecido Adiposo, sob a qual repousa a Derme. É um importante
meio de reserva energética, e eficiente isolante térmico responsável por impedir
a perda de calor.
Tecido Celular
Subcutâneo
Quantidade
Variável
Regiões do Corpo
Sexo
Abdômen
Mulher
Pálpebras
Homem
Prepúcio
roberto_anatomia@yahoo.com.br
Glândulas da Pele
roberto_anatomia@yahoo.com.br
Sudoríparas
Camada da Pele
Ducto
Sebáceas
Derme
Derme
Poro Cutâneo
Folículo Piloso
Distribuição
Toda a pele; Abundantes na
palma das mãos e planta
dos pés.
Toda a pele; Ausentes na
palma das mãos e planta
dos pés.
Função
Regulação da Temperatura
corporal. O suor absorve
calor por evaporação da
água.
Lubrifica a pele e os pelos
através de sua secreção, o
sebo.
Tegumento Comum
Pelos
Anexos da Pele
Unhas
Mamas
Tegumento Comum
Anexos da Pele
Pelos
Filamentos flexíveis formados por células ceratinizadas, que salientam-se acima
da pele e se implantam na derme.
Haste (1)
Está localizado acima da pele.
Divisão
Raiz (2)
Está
alojada
num
tubo
epidérmico
denominado
folículo Piloso (bulbo piloso).
www.afh.bio.br/tegumentar/tegumentar.asp
Tegumento Comum
Anexos da Pele
Unhas
São lâminas curvas, queratinizadas, que recobrem as falanges distais dos dedos das
mãos e dos pés, com o objetivo de protegê-las. A unha repousa sobre uma região
abundantemente vascularizada e inervada, o LEITO UNGUEAL.
Corpo
Parte distal e visível da unha.
Divisão
Raiz (2)
Parte proximal recoberta por
uma prega da epiderme.
Tegumento Comum
Úlceras de Pressão
São focos localizados de necrose celular, causados por comprometimento vascular
resultante de compressão.
Grau 1:
definida
hiperemia
persistente
epiderme
área
de
na
Grau 2:
Comprometimento
da epiderme ou da
derme. Manifestase por abrasão,
bolha ou cratera
rasa.
Grau 3: Perda
cutânea total
envolvendo tecido
subcutâneo.
Manifeta-se como
uma cratera
profunda.
REFERÊNCIAS
Albinismo. Disponível em: < www.albinismo.info/social.htm >. Acesso em
16/06/22/06
BROWN, D. O código da Vinci. Rio de Janeiro: Editora Sextante/ GMT Editores
Ltda, 2005
CABRAL, I..V. Administração de Medicamentos. Rio de Janeiro: Reichmann &
Affonso Editores, 2002.
CASTRO, S.V. de.Anatomia Fundamental.2.ed. São Paulo: Mc Graw Hill do
Brasil, 1985.
COMISSÃO FEDERATIVA DA TERMINOLOGIA ANATÕMICA. Terminologia
Anatômica: terminologia anatômica internacional. São Paulo: Manole, 2001.
CROSSMAN, A. R.; NEARY, D. Neuroanatomia. Rio de Janeiro: Guanabara
Koogan, 1997.
DANGELO, J.G.; FATTINI, C.A.Anatomia Humana Sistêmica e Segmentar
para o Estudante de Medicina.2.ed. Belo Horizonte: Atheneu,1998.
Escaras. Disponível
em.www.soenfermagem.bog.ig.com.br/escarasdedecubito.htm. Acesso em:
16/06/2006.
FRANK, H.; NETTER, M. D. Atlas Interativo de Anatomia Humana. 3. ed.
Porto Alegre: artmed, 2002.
Globo. Disponível em: <http://www.cinemacafri.com/star.jsp?star=1523>.
Acesso em 16/06/2006
Globo. Disponível em: <www.verizon.com.do/.../nuevas_fotos/Moca.jpg >.
Acesso em 16/06/22/06
Globo. Disponível em: <www.estadao.com.br/.../2006/jul/25/27.htm >. Acesso
em 16/06/22/06
GRAY, H.; GOSS, C.M. Anatomia. 29.ed.Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,
1988.
LIBERATO, J.A., DiDio, L.J.A. Tratado de Anatomia Sistêmica Aplicada. 2. ed.
Belo Horizonte: Atheneu, 2002.v.1.
MACHADO, A. B. M. Neuroanatomia Funcional. 2. ed. Rio de Janeiro:
Atheneu, 1993.
MOORE, K.L. Anatomia Orientada para a clínica. 3 ed. Rio de Janeiro:
Guanabara Koogan, 1994.
PUTZ, R.; PABST, R. (Ed.). Atlas de Antomia Humana Sobotta. 21.ed. Rio de
Janeiro: Guanabara Koogan, 2000. 2v.
JARVIS, C. Exame Físico e Avaliação de saúde. 3.ed. Rio de Janeiro:
Guanabara Koogan,2002.
Sistema Muscular . Disponível em: <www.escalotrio.com >. Acesso em
16/06/22/06
Tegumento comum. Disponível em: <
www.afh.bio.br/tegumentar/tegumentar.asp>. Acesso em 16/06/22/06
Download

Tegumento comum