ANPROTEC – Associação Nacional de Entidades
Promotoras de Empreendimentos de Tecnologias Avançadas
SEBRAE – Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas
Glossário dinâmico de termos
na área de Tecnópolis,
Parques Tecnológicos e
Incubadoras de Empresas
www.anprotec.org.br/glossario
www.redeincubar.org.br/glossario
Brasília, setembro de 2002
1
Glossário
Copyright © 2002 - ANPROTEC & SEBRAE
REALIZAÇÃO
ANPROTEC
Associação Nacional de Entidades Promotoras
de Empreendimentos de Tecnologias Avançadas
Luís Afonso Bermúdez - Presidente
José Eduardo Azevedo Fiates – Vice-Presidente
César Acosta Rech – Diretor
Gonzalo Enríquez – Diretor
Guilherme Ary Plonski – Diretor
José Alberto Sampaio Aranha – Diretor
SEBRAE
Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas
Sérgio Moreira – Diretor-Presidente
Vinícius Lummertz – Diretor
Maria Delith Balaban – Diretora
Paulo César R.C. Alvim – Gerente da Unidade de Inovação e Acesso à Tecnologia
Maria de Lourdes da Silva – Coordenadora do Programa de Incubadoras
Coordenação
José Eduardo Azevedo Fiates
Sheila Oliveira Pires
Organização e Redação:
Adelaide Maria Coelho Baêta
Rosa Maria Neves da Silva
Projeto Gráfico e Diagramação:
www.grifodesign.com.br
Dados Internacionais de Catalogação-na-Publicação (CIP)
(Laila de Moura Dantas, DF)
Associação Nacional de Entidades Promotoras de Tecnologias Avançadas; Serviço
Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas.
Glossário dinâmico de termos na área de tecnópoles, parques tecnológicos e incubadoras de empresas / ANPROTEC; SEBRAE; Coordenação José Eduardo Azevedo Fiates e Sheila Oliveria Pires; Organização Adelaide Maria Coelho Baêta
e Rosa Maria Neves da Silva. – Brasília, 2002.
124 p.
1. Tecnópoles. 2. Parque tecnológico. 3. Incubadora de empresas. 3. Terminologia.
I. ANPROTEC. II. SEBRAE. III. Título. IV. Fiates, José Eduardo. V. Pires, Sheila
Oliveira. VI. Baêta, Adelaide Maria Coelho. VII. Silva, Rosa Maria Neves da.
CDU- 658(038)
2002 – Impresso no Brasil
Exemplares deste livro podem ser obtidos na Associação Nacional de Entidades
Promotoras de Empreendimentos de Tecnologias Avançadas.
Campus Universitário Darcy Ribeiro – Universidade de Brasília
Faculdade de Tecnologia, Módulo A1-1, Caixa Postal 04383 - CEP 70910-900 – Brasília/DF
Tel.: (61) 347-0722 – Telefax: (61) 340-5866
Home Page: www.anprotec.org.br – e-mail: anprotec@anprotec.org.br
Glossário
2
Glossário dinâmico de termos na área de Tecnópolis,
Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas
Coordenação
José Eduardo Azevedo Fiates – Vice-presidente, Anprotec
Sheila Oliveira Pires – Gerente de Projetos, Anprotec
Organização e Redação
Adelaide Maria Coelho Baeta,PhD
Rosa Maria Neves da Silva,MSc
Comitê Editorial
Guilherme Ary Plonski – Anprotec, Presidente do Comitê
Agnaldo Gerson Castanharo – Sebrae
Anne Marie D. Maculan - UFRJ
Antonio Sérgio Fragomeni - MCT
Carlos Eduardo Negrão Bizzotto - Gene Blumenau
Carlos Sérgio Asinelli - IEL/CNI
Celso Antonio Barbosa - Anpei
Elisete Silva Aguiar - CNPq
João Bosco de Carvalho Lima Freitas - MCT
Jocelita Cabral Palhano - Sebrae
Jorge de Paula Costa Ávila - Finep
José Roberto Salomão - Ceped
Lúcia Radler dos Guaranys - Finep
Lynaldo Cavalcanti de Albuquerque - Abipti
Maria Alice Lahorgue – UFRGS
Silvana Almeida Filgueira de Medeiros - CNPq
3
Glossário
Contribuições
Para preparar este documento foram despendidos vinte e dois
meses de trabalho. Ao longo desse período, a equipe organizadora
se beneficiou de comentários e sugestões oferecidos por várias
pessoas. As primeiras versões do glossário, produzidas com a ajuda do Comitê Editorial, foram colocadas em consulta pública no
portal Rede Incubar, e enviadas a todos os associados da Anprotec,
do Sistema Sebrae, Comitê Gestor Sebrae & Anprotec, Comitê
Gestor do PNI, coordenadores dos Núcleos de Referência da
Anprotec e das Redes de Incubadoras, instituições de apoio e fomento ao movimento de incubadoras e parques brasileiros e pesquisadores. Após esta primeira versão, o Glossário continua em
permanente processo de atualização e aperfeiçoamento, através
de um processo dinâmico de interação via internet.
Agradecemos àqueles que de alguma maneira contribuíram para
a organização deste Glossário. Os nomes de todos os que colaboraram para o Glossário, estão listados abaixo, sem distinção de
papel ou cargo.
Ada Cristina Vianna Gonçalves – Finep
Adriana Coelho Saraiva – CNPq
Adriana Noce - Fundetec
Afrânio Carvalho Aguiar - UFMG
Alexandre Caixeta Spínola – Abipti
Ana Flávia Mendicelli – UFRGS
Ana Lúcia Moura de Oliveira – Sebrae
Antonia Aguiar - Anprotec
Ary Marques – Padetec
Cláudia Lins e Silva – PUC-Rio
Clélia Fabiana Bueno – CDT/UnB
Cristiane Stainsack – Isae/FGV
Djalma Petit – Tecsoft
Ednalva Fernandes Costa de Morais – CDT/UnB
Edson Gonçalves Pereira – GEM Consultoria
Emerson A. Miotto Corazza - Uniderp
Ena Elvira Colnago – MDIC
Érika Soares Leite de Miranda - Anprotec
Glossário
4
Fabiana Carvalho – Fieb
Ghíssia Hauser – Prefeitura de Porto Alegre
Gonzalo Henríquez – Anprotec
Héctor Hernan González Osório – Instituto Prointer
Helena Maria Gramiscelli Magalhães – Syntagma Assessoria e Consultoria Pedagógica
Helvio Tadeu dos Prazeres – Sebrae/MG
Ida Beatriz M. Miranda Sá - Uniderp
Izis Paula de Albuquerque – Cefet/RN
Janaina Prevot Nascimento – Finep
José Alberto Sampaio Aranha – Anprotec
José Henrique Moreira – Fundação Certi
José Rousso – Cefet/RJ
Katia T. Cunha – UFRGS
Luciana Gurgel Machado – MCT
Luciane Gorgulho - Finep
Marcelo Cometti – Anpei
Márcia Martins Alves – MDIC
Márcio Caetano Setúbal Alves – Anprotec
Marco Aurélio – BNDES
Marconi Edson Esmeraldo Albuquerque - Abipti
Maria de Lourdes da Silva – Sebrae
Marli Elizabeth Ritter dos Santos – UFRGS
Mauro Ruiz – Adetec/Londrina Tecnópolis
Naila Tereza Barbosa do Amaral - UFMG
Orlando Eugênio de Carvalho – Univap
Paulo César Rezende Carvalho Alvim – Sebrae
Paulo Esteves – Adetec/Londrina Tecnópolis
Paulo Renato – RMI
Roberta Alves - Reinc
Sayonara Leal – Anprotec
Sérgio Risola – Cietec
Sérgio Yoshio Mitsugui – Funarbe
Silvio Liberato – Fieb
Simone Assis – IEL/CNI
Valéria Júdice – Fundação Biominas
Valéria Quiroga Vinhas - Finep
Veramivaldo Fonseca – Fiesp/Ciesp
5
Glossário
Glossário
6
Apresentação
ANPROTEC
O conhecimento do significado dos vocábulos de uma determinada área empresarial garante, em parte, o êxito de qualquer
relacionamento empreendedor. Para haver comunicação, é necessário um repertório de vocábulos comum entre os falantes.
Nesse processo de interação podem surgir dificuldades de compreensão, uma vez que o sentido dos vocábulos está relacionado
a inúmeros fatores sociais, profissionais, de região, de escolaridade, culturais, entre outros.
A interatividade é uma das principais peculiaridades do Movimento Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas. As relações mantidas entre universidade/empresa, setores
público/privado, tecnológico/tradicional, pesquisa/ação, teoria/prática, conhecimento/produção, incubação/independência são algumas amostras da diversidade de conhecimento e informações que
precisam ser intermediadas através de um instrumento de comunicação eficaz e amplo na área de incubação de empresas.
Para superar dificuldades de comunicação e obter êxito nessas
relações, a ANPROTEC e o SEBRAE estão lançando a primeira edição do Glossário Dinâmico de Termos na Área de Tecnópoles, Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas. Um documento que
reúne termos prioritários e complementares, que intermediaram a
comunicação entre os participantes e incentivadores da cultura
empreendedora do Brasil durante décadas.
7
Glossário
A reunião de tais termos se fez com a participação e empenho
de vários atores do empreendedorismo, que durante todo esse
tempo ampliaram e deram suas contribuições para a criação de
um vocabulário amplo e próprio do movimento.
A crescente e promissora situação do Movimento Nacional de
Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas se deu, em parte, pelo sucesso da comunicação entre as relações interativas de
seus personagens. Agora, os associados, parceiros e interessados
na área de incubação têm a oportunidade de ampliar ainda mais
seus relacionamentos e negócios através do domínio dos termos
dispostos neste documento.
Aproveitem!
Prof. Luís Afonso Bermúdez
Presidente da Anprotec
Glossário
8
Apresentação
SEBRAE
A comunicação é essencial. Se já o era em épocas remotas,
imagine-se agora, em plena globalização, quando a informação é
instantânea, está facilmente disponível em tempo real.
No seu discurso popular – e por isso mesmo de grande aceitação, comunicativo -, num meio de massa, a televisão, já dizia
Abelardo Barbosa, o Velho Guerreiro, que quem não se comunica, se trumbica.
É uma verdade que vale tanto para explicar o processo de produção da pipoca vendida na esquina quanto para resumir os princípios da física quântica.
É extremamente bem vindo, portanto, o Glossário Dinâmico de
Termos na Área de Tecnópoles, Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas. Para os não iniciados, o título já guarda em si
alguma pompa, o que pode parecer paradoxal – editar um guia
para tornar acessíveis termos técnicos cujo título já expressa um
certo hermetismo.
Mas o Glossário desfaz esse aparente paradoxo, dessacralizando a abordagem de um segmento que ainda soa distante ao cidadão comum. E o grande papel da comunicação é justamente esse
– dessacralizar, simplificar, diminuindo tal distância.
9
Glossário
O Glossário faz isso com competência e na hora certa, quando
cresce significativamente a quantidade de incubadoras no país,
colocando o Brasil entre os primeiros países em número de incubadoras no mundo.
O Sebrae se orgulha de estar contribuindo decisivamente para
essa ampliação. Em quatro anos, está apoiando quase 300 projetos de incubadoras, entre novas e já existentes.
Em 2002, estabelecemos recorde de recursos, com 150% mais
do que no ano anterior, e de número de projetos a serem selecionados pelo Programa Sebrae de Incubadoras.
O Glossário engrossa essa onda. Será extremamente útil, não
temos dúvida.
Sérgio Moreira
Diretor-presidente do Sebrae
Glossário
10
Prefácio
O Programa Nacional de Incubadoras de Empresas - PNI, criado em 1998 como uma das ações estratégicas do Ministério de
Ciência e Tecnologia - MCT, tem por objetivo principal promover
a interação dos diversos atores do sistema de ciência, tecnologia
e inovação (governo, setor privado e instituições de pesquisa,
entre outros) de forma a promover a consolidação da atuação
das incubadoras e parques tecnológicos no país. O PNI conta
hoje com a participação das seguintes instituições: Conselho
Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq,
Financiadora de Estudos e Projetos - Finep, Associação Nacional
de Entidades Promotoras de Empreendimentos de Tecnologias
Avançadas - ANPROTEC, Instituto Euvaldo Lodi - IEL, Serviço
Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - Sebrae, Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC, Banco do Nordeste, Serviço Nacional de Aprendizagem
Industrial - Senai e Sociedade Brasileira para Promoção da Exportação de Software - Softex, além do próprio Ministério da Ciência e Tecnologia - MCT.
Pesquisas e estatísticas recentes indicam o Brasil como o país
mais empreendedor do mundo, abrigando hoje quase 200 incubadoras instaladas, das quais 60% de base tecnológica, com mais
de 1000 empresas de médio e pequeno porte, gerando mais de
6000 empregos diretos e indiretos.
11
Glossário
Apesar desses números, ainda nos deparamos com uma alta
taxa de mortalidade de empresas nascentes, o que nos leva a
avaliar a necessidade de investir em capacitação dos empreendedores, bem como identificar os possíveis entraves hoje existentes
– dificuldades de acesso a crédito, falta de cultura empreendedora, pouco acesso a capital de risco- para que possam avaliar de
forma adequada a viabilidade de suas empresas em um mercado
competitivo.
No cenário brasileiro atual, com a perspectiva de aprovação da
Lei de Inovação, a criação recente dos Fundos Setoriais e a regulamentação do Fundo Verde-Amarelo com os chamados “mecanismos de inovação”, para citar alguns eventos, as instituições
participantes do PNI têm empenhado esforços no sentido de
otimizar ações e instrumentos disponíveis no sistema visando o
aumento da eficiência das incubadoras, como importantes agentes de desenvolvimento, com ênfase na capacitação de seus gerentes e equipes, além da identificação de mecanismos e arranjos
institucionais que permitam a consolidação de sua atuação.
Com a publicação deste trabalho a ANPROTEC demonstra mais
uma vez a sua contribuição para seus associados propondo a revisão de conceitos relacionados à inovação e gestão tecnológica e
empresarial, oferecendo subsídios fundamentais para o fortalecimento do papel das incubadoras no Brasil, permitindo que sejam
percebidos como importantes atores de desenvolvimento tecnológico
e ganhem visibilidade e apoio tanto das instituições do sistema de
Ciência, Tecnologia e Inovação como da sociedade civil.
Ada Cristina Vianna Gonçalves
Coordenadora do PNI
Glossário
12
Palavra das
Organizadoras
Recurso essencial das atividades humanas, na atual sociedade
do conhecimento – também chamada de economia do aprendizado
– o conhecimento tornou-se o principal ativo de uma organização.
Em razão disso, desde a última década, o esforço de gerar
inovações tecnológicas tem motivado governos e empresários a
utilizar a gestão do conhecimento como estratégia fundamental
na construção do sistema nacional de inovação.
A multifacetada e crescente evolução do perfil dos sistemas
industrial e sócio-cultural resultante do avanço tecnológico e científico faz-se inevitavelmente acompanhar de novo aparato
terminológico. No entanto, a criação, a aplicação e o uso dessa
terminologia nem sempre acompanham com fidelidade as
especificidades, o ritmo e as exigências do desenvolvimento das
diversas áreas a que se referem.
O uso de termos inadequados, de abrangência restrita, ambíguos, inexatos e a ausência de linguagem padronizada interferem
na comunicação entre os agentes envolvidos nos processos de inovação e de desenvolvimento de empreendimentos tecnológicos.
A apropriação e o tratamento adequados de dados e informação facilitam a criação de redes de comunicação, favorecem a
gestão do conhecimento e promovem o aprendizado organizacio-
13
Glossário
nal para o desenvolvimento empresarial. Por isso, novos termos
precisam ser incorporados ao discurso de pesquisadores, industriais, empresários e técnicos.
A conceituação precisa, o entendimento e o uso adequados
desses termos constituem exigência fundamental para o desempenho comunicativo satisfatório do profissional da sociedade do
conhecimento. Assim, torna-se essencial uma proposta de padronização terminológica que lhes permita transitar com eficiência no
seu ambiente profissional.
Cabe ao glossarista a tentativa de equalização dos termos em
vigência na sociedade do conhecimento e certa responsabilidade
pela adequação de outros por vegir.
É com este intuito que a ANPROTEC e o SEBRAE oferecem à
comunidade tecnológico-empresarial o Glossário Dinâmico de Termos na Área de Tecnópoles, Parques Tecnológicos e Incubadoras
de Empresas.
O Glossário impõe-se como referencial ao planejamento e à
execução de programas e projetos de empreendimentos de base
tecnológica no contexto do desenvolvimento do sistema nacional
de inovação.
As Organizadoras
Glossário
14
Sumário
Introdução ................................................................
17
Como usar o Glossário ................................................
19
Termos em ordem alfabética ........................................
23
Siglas .......................................................................
103
Referências Bibliográficas ............................................
107
Índice Remissivo ........................................................
113
Ficha de Sugestões/Críticas .........................................
123
15
Glossário
Glossário
16
Introdução
Promover o intercâmbio de informações, compartilhar projetos, cooperações e programas com entidades congêneres é um
dos diversos trabalhos desenvolvidos por instituições como a
ANPROTEC. Diante dessa responsabilidade e do papel que lhe é
pertinente, a Associação entende que para alcançar tais objetivos
é fundamental dar a devida atenção à Comunicação, ferramenta
indispensável na troca de idéias e conhecimento.
Para facilitar e dinamizar a troca de informações, a ANPROTEC
está lançando um documento inédito no país. Trata-se de um
Glossario que reúne, aproximadamente 250 termos. Este documento
surgiu da necessidade de padronização da linguagem e observação
de uma grande demanda por uma publicação de termos pertinentes à área de incubadoras, pólos e parques tecnológicos.
O objetivo é apresentar as expressões e vocábulos mais utilizados na área de incubação de empresas, parques tecnológicos e
tecnópolis, abrangendo também, a utilização de termos técnicos
no relacionamento entre empreendedores, agências de fomento e
instituições de apoio - de forma a evitar equívocos e buscar um
entendimento mais rápido entre os envolvidos no processo.
A elaboração deste GLOSSÁRIO é fruto de discussões do Comitê Gestor SEBRAE & ANPROTEC, e faz parte do Plano de Ações
2000/2001 do Projeto de Cooperação ANPROTEC/SEBRAE. Antes
17
Glossário
de ser definida a versão final, durante vários meses o documento
esteve em consulta pública. Ano passado, foi apresentada, durante a World Conference on Business Incubation - WCBI, uma prévia
da publicação para consulta e aprovação.
Para realizar o trabalho, foram contratadas duas profissionais:
uma doutora em engenharia de produção e a outra mestre em
lingüistíca. Foi formado, também, um Comitê Editorial composto
pelas principais instituições que apoiam o movimento e alguns
sócios da ANPROTEC. O papel desse Comitê foi fazer a análise do
documento, apresentando críticas e sugestões.
Resultado do trabalho de um conjunto de atores, este documento pretende ser um instrumento de comunicação voltado a
estreitar cada vez mais as barreiras da linguagem e do conhecimento. Dessa forma, sua intenção é buscar a interatividade, ou
seja, o leitor poderá enviar suas contribuições para futuras edições, via Internet, acessando o portal Rede Incubar
(www.redeincubar.org.br) ou pelo site da ANPROTEC
(www.anprotec.org.br).
Glossário
18
Como usar
o Glossário
Este Glossário contém os termos e conceitos essenciais consagrados e utilizados pela comunidade formada pelo movimento de
incubadoras de empresas, pólos e parques tecnológicos brasileiros, profissionais, técnicos, empreendedores e pesquisadores que
dão suporte a empreendimentos de tecnologia.
Os termos estão listados em ordem alfabética, seguidos da
sua conceituação. O termo base vem em destaque, e os termos
que dele derivam, são apresentados em sub-itens, como no
exemplo:
Empresa – qualquer firma, companhia, organização ou corporação
destinada à produção e/ou comercialização de processos, bens
e serviços.
8 Empresa associada – Aquela que utiliza a infra-estrutura
e os serviços oferecidos pela Incubadora, sem ocupar espaço físico, mantendo vínculo formal. Pode ser empresa recém-criada ou já existente no mercado.
Para facilitar e dinamizar a consulta ao Glossário, optou-se
por inserir um Índice Remissivo. Nele estão reunidos em nove
grupos temáticos os conceitos mais utilizados no cotidiano das
incubadoras, pólos e parques tecnológicos:
19
Glossário
a.
Conceitos Básicos – termos que permeiam todas as áreas
estratégicas do segmento de parques tecnológicos e incubadoras de empresas, como empreendedorismo, convênio,
tecnologia.
b.
Gestão de Incubadora – termos relacionados com o processo de gestão. Exemplos: Conselho de Administração, Estudo de viabilidade técnico-econômica.
c.
Incubadora – termos relacionados à incubadora, tais
como: incubadora mista, incubadora de artes, redes de
incubadoras.
d.
Parques Tecnológicos – temos que relacionados diretamente com essa área. Exemplo: condomínio industrial.
e.
Pólos – são relacionados termos como agências de desenvolvimento, clusters, habitats de inovação.
f.
Pré-Incubação – termos relacionados aos mecanismos de
pré-incubação: Hotel de Projetos.
g.
Sistema de incubação – listam-se aqui os termos mais usuais relacionados ao sistema de incubação, como análise de
viabilidade, plano de negócios, processo de seleção.
h.
Termos Acessórios – termos utilizados em áreas afins e
que mostram-se úteis no dia-a-dia das incubadoras e parques tecnológicos. Exemplos: benchmarking, capital aberto, garantia de qualidade, gestão tecnológica, sistema de
informação.
i.
Programas e Projetos – nesse grupo foram listados os termos que nomeiam projetos e/ou programas governamentais
ou não governamentais. Exemplos: Comitê Gestor Sebrae &
Anprotec, Projeto Inovar, RHAE, etc.
Glossário
20
O Índice Remissivo agiliza a consulta ao Glossário, pois orienta
o leitor quanto à categorização dos conceitos e indica a página em
que estão:
Gestão de Incubadora
8 Base de dados e informação – pág. 29
8 Certificação de incubadoras - pág. 36
8 Comitê técnico de avaliação – pág. 38
O leitor pode, assim, consultar o Glossário conforme seu interesse, domínio e necessidade.
21
Glossário
Glossário
22
A
A
Aceleradora de negócios e empresas – Organização que funciona como incubadora física ou à distância para estimular empreendimentos a partir de um plano de negócios, com a finalidade de promover capacitação gerencial, acesso a capital de
risco e inserção do empreendedor em rede de contatos.
Acompanhamento e avaliação de empresas – Metodologia
para medir o desempenho empresarial apoiada em indicadores
organizados em torno de quatro perspectivas: financeira, clientes, processos internos e aprendizado & crescimento a fim
de orientar ações e investimentos.
Avaliação de incubadora – Metodologia para medir o desempenho das atividades da incubadora com a finalidade de subsidiar
decisões quanto à continuidade, interrupção ou redirecionamento de ações.
Acordo de cooperação – Forma de colaboração entre organizações que não implica constituição de nova entidade. Inclui acordos técnicos, financeiros, pesquisas cooperativas ou parcerias,
estas consideradas como a forma mais evoluída de cooperação.
Agência de fomento ao desenvolvimento – Entidade de apoio
a organizações empresariais que oferece linhas especiais de
crédito para financiamento de capital fixo e de giro, prestação
de garantias, realização de operações especiais de investimen-
23
Glossário
to, prestação de serviços de assessoria e consultoria financeira, estímulo à produção regional e assistência à implementação de projetos de desenvolvimento industrial. Sob supervisão
do BACEN, as agências integram o Sistema Financeiro Nacional. (Resolução nº 2.574/98, de 17/12/98– BACEN).
Agência de transferência de tecnologia – Organização responsável pela aplicação do conhecimento científico e tecnológico
disponível nos centros de excelência, com a finalidade de suprir as necessidades do setor produtivo para o aumento da
produtividade e da competitividade.
Agente Inovar – Instituição envolvida na atividade de prospecção
e desenvolvimento de negócios de base tecnológica, oriundos
das instituições de ensino e pesquisa do estado em que se
insere, para o Projeto Inovar. Veja Projeto Inovar.
Agronegócio ou Agroindústria (Agribusiness) – Atividade de
negócio relacionada à cadeia produtiva que envolve desde a
fabricação de insumos, a produção, a transformação até o consumo de produtos agro-pecuários. Essa cadeia incorpora serviços de apoio, desde a pesquisa e assistência técnica, o processamento, o transporte, a comercialização, o crédito, a exportação, os serviços portuários, dealers, as bolsas, a industrialização, até o consumidor final.
Agropólo – Microrregião na qual o agronegócio representa parcela
relevante do produto interno bruto, e onde há articulação eficaz
entre os agentes de desenvolvimento: produtores rurais, empresas, órgãos do governo, agências de financiamento, instituições de ensino e pesquisa e associações da sociedade organizada. Visa promover o agronegócio regional no âmbito do processo de desenvolvimento econômico-social sustentado.
Alavancagem – Grau de utilização de recursos de terceiros
que tem por objetivo o aumento das possibilidades de lucro,
mas que aumenta também o grau de risco da operação. No
Glossário
24
setor empresarial, o grau de endividamento identifica o grau
de alavancagem.
Aliança estratégica – Associação entre empresas com o propósito de unir recursos físicos e humanos como opção estratégica
de crescimento. Pode ocorrer entre fabricantes de produtos e/
ou serviços complementares e/ou concorrentes. As alianças estratégicas estão se tornando cada vez mais comuns na área
das novas tecnologias.
Ambiente inovador – Veja Habitats de Inovação.
Análise de risco ou Avaliação de risco – Avaliação contínua e
sistemática dos efeitos adversos que possam atingir a empresa no mercado competitivo; (b) Metodologia utilizada para classificar empresas de alto potencial, tendo como referência sua
probabilidade de sucesso no mercado.
Análise de viabilidade – (a) Avaliação das possibilidades de
sucesso de um projeto através de um exame cuidadoso das
características e variáveis que possam afetá-lo; (b) avaliação
dos projetos técnicos propostos, com a finalidade de subsidiar
as decisões relativas à implementação de um negócio; (c) análise das características sócio–econômicas e específicas da região onde se pretende instalar negócio.
Análise mercadológica ou pesquisa de mercado – coleta e
análise de informações sobre mercados potenciais específicos
para novos produtos. Pode ser quantitativa ou qualitativa. A análise quantitativa é a única que permite conclusões estatísticas.
Análise de produtividade – Sistema de avaliação que determina com exatidão o nível de atividade do pessoal, a carga de
trabalho e a qualidade da empresa.
Angel investor – Pessoa física que investe em negócios esperando retorno maior do que aquele geralmente obtido em investimentos tradicionais. Um angel investor tem especial interesse
25
Glossário
A
pelo negócio escolhido e constitui a ligação entre os estágios de
auto financiamento e aquele em que o negócio precisa do nível
de financiamento que só um capitalista de risco pode oferecer.
Aprendizagem organizacional – Processo de aquisição e assimilação coletiva de novas bases de conhecimento para adaptação, geração e aperfeiçoamento do processo de produção
da empresa.
Aptidão empreendedora, Espírito empreendedor ou Competência empreendedora – (a) Capacidade de atingir objetivos com alto grau de consciência do ambiente, usando a criatividade e a habilidade de detectar oportunidades de negócio;
(b) habilidade para empreender ou criar novos negócios e projetos; (c) capacidade de transformar idéias em inovações.
Atividades de Ciência e Tecnologia (C&T) – Qualquer trabalho relacionado com a geração, o avanço, a difusão e aplicação
de conhecimento científico e técnico em todos os campos da
atividade humana. Constituem atividades de ciência e tecnologia a pesquisa básica, científica, aplicada ou tecnológica; o desenvolvimento experimental de produto ou processo; a administração da pesquisa científica e tecnológica; os eventos técnicos e científicos; a educação e o treinamento em ciência e
tecnologia e os serviços de apoio à pesquisa.
Ativo – Bens, direitos e valores pertencentes a uma pessoa ou
empresa.
8 Ativo circulante – Bens líquidos de uma empresa, que
podem facilmente ser convertidos em dinheiro.
8 Ativo financeiro – Título representativo de parte
patrimonial ou de dívida.
8 Ativo fixo (ativo permanente) – Bens, direitos e valores
que a empresa não pretende vender em curto prazo e que
não são facilmente conversíveis em dinheiro.
Glossário
26
8 Ativos intangíveis ou Recursos intangíveis – Valores
que não têm representação física imediata, ou cuja
mensuração não é refletida integralmente na contabilidade
das empresas como as mercadorias em geral. Incluem direitos (acordos de distribuição e armazenagem, contratos
com empregados e de serviços, licenças ganhas em licitações, etc), relacionamentos (distribuidores, empregados,
clientes, etc.), propriedade intelectual (patentes, copyrights,
softwares, slogans, vinhetas, trilhas sonoras, etc), marcas
e patentes, franquias, tecnologia, conhecimentos e cultura
organizacional, entre outros.
8 Ativos tangíveis ou Recursos tangíveis – Bens que têm
valor de mercado, são expressos no balanço patrimonial da
empresa e representados pela propriedade de edifícios,
máquinas, equipamentos, veículos, estoques, entre outros.
8 Ativos tecnológicos – Patentes, licenças, máquinas, equipamentos e instrumentos.
Aumento de capital – Incorporação de reservas e/ou novos recursos ao capital de uma empresa.
Auto-sustentabilidade – Capacidade da empresa de manter–
se no mercado de modo competitivo.
27
Glossário
A
Glossário
28
B
B
Balcão de negócios – Serviço de orientação sobre procedimentos gerenciais, abertura de empresas, estatuto da
microempresa, registro especial no âmbito federal e estadual,
registro de marcas e patentes, busca de anterioridade, aditivos
e baixas de empresas, normas técnicas e outras informações
oferecido a empresários.
Banco de dados – Acervo de informações e dados coletados de
pesquisa, planilhas, relatórios e publicações, reunidos em arquivo manual ou eletrônico para uso da organização em estudos e tomada de decisões.
Banco de idéias – Acervo de sugestões, propostas e projetos
encaminhados à organização para posterior avaliação e implementação.
Barreiras à entrada/saída – Obstáculos naturais ou artificiais
(se criados por empresas concorrentes) para o acesso de empresas de um determinado mercado.
Base de conhecimento – Acervo de informações, experiências e
conhecimento utilizados como a principal fonte de recursos para
o desenvolvimento da empresa.
Base de dados e informação – (a) Acervo de informações gerenciais internas e externas, provenientes de planilhas eletrô-
29
Glossário
nicas ou de relatórios diversos, gerenciados pelos gestores da
organização. A base mantém registros e os consulta através
de um conjunto de programas a ela associados; (b) Acervo de
informações disponibilizado em bibliotecas e bancos de dados
para setores específicos.
Base tecnológica – (a) Processo ou produto que resulta da pesquisa científica e cujo valor agregado advém das áreas de tecnologia avançada: informática, biotecnologia, química fina,
mecânica de precisão, novos materiais, etc; (b) aplicação do
conhecimento científico, do domínio de técnicas complexas e
do trabalho de alta qualificação técnica.
Benchmarking – (a) Sistema de referência para a excelência
empresarial; avaliação e comparação continuadas do nível de
desempenho das melhores empresas. O processo pode utilizar
concorrentes e empresas de outros setores como parâmetro
e/ou observar aspectos de eficiência e procedimentos
interdepartamentais ou inter–setoriais; (b) Processo de melhoria
da atividade interna, através da identificação de áreas– chave
do negócio ou do relacionamento com clientes, da implementação de melhores práticas e da adaptação de processos com
base na experiência própria ou na observação da atividade de
empresas ou organizações concorrentes. O objetivo do
benchmarking é a melhoria do desempenho.
Biotecnologia – (a) Uso da atividade bioquímica de organismos
vivos, principalmente microorganismos, para processos industriais de qualquer natureza, inclusive aqueles que utilizam técnicas de engenharia genética para a construção de novas linhagens de organismos, com novas aplicações; (b) Conjunto
amplo de tecnologias habitadoras e potencializadoras (enabling
technologies) que implicam utilização, alteração controlada e
otimização de organismos vivos ou suas partes funcionantes,
células e moléculas para a geração de produtos, processos e
serviços. Os processos biotecnológicos são aplicados e utilizados por diversos setores, como saúde, agroindústria e meio
Glossário
30
ambiente, e envolvem várias áreas do conhecimento, como a
biologia molecular, a genética, a fisiologia, a microbiologia, a
química e a engenharia de alimentos.
Bolsa de Negócios – Serviço de promoção de negócios que busca a aproximação de compradores e fornecedores de produtos,
serviços, resíduos e oportunidades de negociação entre empresas nacionais e internacionais.
Branding – Processo de identificação de produto ou serviço pela
atribuição de marca, símbolo e/ou nome identificativo.
Break–even – Ponto de equilíbrio – Momento exato em que os
benefícios superam os custos acumulados gerando fluxo de caixa
positivo em relação ao investimento.
B2B – Business to Business – Negócios entre empresas, feitos
através da Internet, que incluem compra e venda, rastreamento
de cargas, troca de informações estratégicas e controle de estoques de empresas.
B2C – Business to Consumer – Negócios entre uma empresa e
consumidores individuais, feitos através da Internet, que incluem serviços de pós–venda, de promoção e propaganda prestados aos clientes.
31
Glossário
B
Glossário
32
C
C
Cadeia de valor – Conjunto das diversas etapas de produção,
que começa com a matéria–prima, inclui o fornecimento de
equipamentos, o aparato tecnológico e institucional e se encerra com a distribuição e comercialização do produto final.
Canal de distribuição – Caminho percorrido pelo produto final
da fábrica até ao consumidor. A empresa pode optar por utilizar um ou vários canais de distribuição.
Capacidade de produção – (a) Resultado da utilização combinada de recursos para produzir bens e/ou serviços com eficiência e insumos tais como: equipamentos, recursos humanos,
especificações de produtos, sistemas e métodos organizacionais; (b) volume de bens e/ou serviços que uma empresa pode
produzir durante jornada de trabalho pré-determinada.
Capacidade empresarial/gerencial, ou Competência empresarial – Habilidade para organizar, coordenar, decidir, controlar e dirigir um negócio com sucesso.
Capacidade instalada – Condição potencial de produção de uma
empresa com base nos recursos de que dispõe (equipamentos, mão de obra, conhecimentos, estoque...)
Capacidade tecnológica ou Competência tecnológica – (a)
Habilidade que a empresa possui de reter e utilizar informa-
33
Glossário
ções para as atividades que favorecem o domínio de tecnologias para a aquisição de novos conhecimentos e a inovação contínua; (b) capacidade de que a empresa dispõe para absorver
gerar e gerenciar a mudança técnica.
Capital – (a) Investimento destinado a produção; (b) Toda riqueza capaz de produzir renda; (c) todo bem econômico aplicado
à produção.
8 Capital aberto – Investimento representado por ações
de sociedade anônima dividido entre grande número de
acionistas.
8 Capital circulante ou Capital de giro – Investimento destinado às despesas correntes de uma empresa.
8 Capital de risco (Venture capital) – Investimento temporário em empresas emergentes com evidente potencial
de crescimento: participação direta no capital social da
empresa por aquisição de ações ou debêntures conversíveis em ações visando rentabilidade acima das alternativas
disponíveis no mercado financeiro.
8 Capital fechado – Investimento representado por ações
de sociedade anônima dividido entre pequeno número de
acionistas, não negociáveis em bolsa de valores.
8 Capital humano ou intelectual – (a) Conjunto de investimentos destinados à formação de recursos humanos
de uma empresa. O índice de crescimento do capital humano é um dos indicadores do desenvolvimento econômico; (b) termo usado para designar o conjunto de conhecimento, know–how e informações acumulado pelos
funcionários da organização.
8 Capital semente (seed money) – Recursos investidos no
estágio pré-operacional da empresa para elaboração de plano
de negócios, construção de protótipo, desenvolvimento de
pesquisa de mercado, e contratação de executivos.
Glossário
34
8 Capital social – (a) Total de recursos próprios dos sócios
mobilizados para a constituição de uma empresa; (b) conjunto de recursos humanos qualificados ou educados de
uma população regional; (c) empresas e instituições que
tornam possível o desenvolvimento econômico; (d) conjunto de características da organização social – confiabilidade, valores, normas, sistemas, educação – que contribuem para aumentar a eficiência da sociedade, facilitando
ações coordenadas.
Capitalista de risco ou investidor de risco – Aquele que investe temporariamente em empresas emergentes com evidente potencial de crescimento, tem participação direta no
capital social, visa rentabilidade acima das alternativas disponíveis no mercado financeiro e participa da gestão da empresa temporariamente.
Centros de comercialização – (a) Empório, armazém; (b) exposições e feiras: organização que promove a exposição, distribuição e comercialização de bens ou produtos.
Centro de inovação ou Centro de tecnologia – Organização
que abriga e promove a geração de empreendimentos inovadores e desenvolve atividades para o desenvolvimento de conhecimento científico e tecnológico e a capacitação tecnológica, financeira e gerencial das empresas numa região.
Centro de pesquisa e desenvolvimento (P&D) ou instituto
de P&D – Organização que abriga atividades de estudos
empíricos e laboratórios.
Certificação – (a) Procedimento de verificação e produção de
atestado formal, efetuado por especialistas, relativo à presença de requisitos mínimos estabelecidos quanto às qualificações de pessoal, processos, procedimentos, ou itens, de
acordo com necessidades específicas aplicáveis à empresa;
(b) expressão numérica ou qualitativa dos resultados de ava-
35
Glossário
C
liação, geralmente fornecida sob a forma de laudos ou relatórios expedidos por instituições especializadas. Pode ser de segunda ou terceira parte.
8 Certificação ambiental – Procedimento de verificação e
produção de atestado que indica o grau de consciência ambiental de uma organização refletido na qualidade de determinado produto, processo, sistema ou serviço. Faz–se através da aplicação do selo verde como garantia da observância às exigências, instruções, normas técnicas e legislação
vigente para o tipo de atividade e a região específica.
8 Certificação de incubadoras - Atestado do alcance de qualificação das atividades e/ou serviços prestados por incubadora ou empresa.
Chief Executive Officer (CEO) – Diretor Executivo: executivo
encarregado pela administração geral de uma empresa.
Chief Financial Officer (CFO) – Diretor Financeiro: executivo
responsável pelo planejamento financeiro de uma empresa, arquivamento de dados financeiros, financiamentos de longo prazo, política de dividendos, investimentos de capital,
gerenciamento de fluxo de caixa e alocação de recursos.
Chief Investment Officer (CIO) – Executivo responsável pela
gestão de decisões relativas a investimentos.
Chief Technology Officer (CTO) – Executivo responsável pela
gestão da tecnologia da empresa.
Ciclo de vida do produto – Do ponto de vista industrial, as
etapas anteriores à chegada do produto à linha de produção: concepção, desenvolvimento, confecção de protótipos
e teste. Em seguida, utilização do produto pelos clientes,
descarte ou reciclagem. Do ponto de vista mercadológico,
conceito que expressa a permanência de um produto ou serviço no mercado. Essa permanência apresenta quatro fases:
Glossário
36
introdução, crescimento, maturidade e declínio. Cada uma
dessas fases determina a taxa de crescimento de vendas, a
rentabilidade do produto ou serviço e o tipo de estratégia
que deve ser adotada.
Cliente – Indivíduo ou organização que se beneficia de serviço ou
produto ofertado.
Clipping – Relatório periódico de informações de interesse da
organização coletadas na mídia.
Clima Organizacional – Conjunto das percepções compartilhadas pelos membros de uma organização com relação ao trabalho, ao ambiente físico profissional, às relações interpessoais e
às normas formais que afetam o trabalho.
Clube de empreendedores ou Rede de empreendedorismo
– Associação de empresários que tem por finalidade a troca de
informações, a aquisição de conhecimentos, a interação para a
prestação de serviços comuns, a redução dos custos de
consultoria e atividades interativas. Geralmente localizados em
parques, pólos e clusters, geram ambiente propício à inovação, formando uma grande rede de tecnologia.
Cluster ou aglomeração competitiva – (a) Pólo produtivo consolidado pela interação entre empresas de determinado setor
econômico que apresentam possibilidade de crescimento contínuo superior àquele das aglomerações econômicas comuns.
O cluster apresenta alto potencial de beneficiamento através
de maior atração de capital, redução do “lead time”, custos, e
riscos; maior qualidade e flexibilidade de mão–de–obra, aumento do dinamismo empresarial e da qualidade de vida da
região; (b) aglomerado produtivo.
Comercialização tecnológica – Direito de utilização de know
how ou de conhecimento tecnológico efetivado através de compra e venda ou pagamento de royalties pelo uso de processos
ou produtos patenteados.
37
Glossário
C
Comércio eletrônico – (electronic commerce – EC) – Compra e
venda de informações, produtos e serviços através de redes de
computadores / INTERNET.
Comitê Gestor SEBRAE/ANPROTEC – Grupo composto por técnicos de cada entidade que têm a responsabilidade pela definição de prioridades, acompanhamento e avaliação do desenvolvimento de ações e projetos constantes do Plano de Ação
SEBRAE/ANPROTEC.
Comitê técnico de avaliação – Equipe de especialistas de áreas
técnicas e de Administração que têm como atribuição avaliar a
viabilidade técnica e mercadológica dos planos de negócios
apresentados por candidatos a ingresso em incubadora.
Commodities – Produtos padronizados, comercializados em larga escala. Geralmente utilizada no plural, a palavra commodities
significa mercadoria. No mercado financeiro é utilizada para
indicar um tipo de produto negociado entre importadores e
exportadores, geralmente agrícola ou mineral, de importância
econômica internacional. As commodities são negociadas por
Bolsas de Valores específicas.
Competência essencial ou Competência central (core
competence) – Conjunto de qualificações e conhecimentos, exclusivos de uma empresa, de difícil imitação, e que lhe garantem vantagem competitiva.
Competência profissional – Aptidão essencial ao exercício
da profissão.
Competitividade – (a) Capacidade de competir; (b) capacidade
de adaptação às características do mercado e da conjuntura
econômica que possibilite a uma organização expandir regularmente sua participação no mercado; (c) capacidade que uma
empresa tem de definir e colocar em prática as estratégias de
concorrência que tornem possível a ampliação ou manutenção
de sua participação no mercado conferindo–lhe solidez; (d)
Glossário
38
capacidade que os produtos gerados internamente têm de competir com seus similares produzidos no exterior. Em curto prazo, a competitividade é influenciada pelo crescimento econômico, pela política cambial, fiscal e monetária e se reflete nos
preços. No longo prazo, reflete a qualidade e confiabilidade dos
produtos e a eficácia da política de inovação da empresa.
8 Competitividade das nações – Grau de produção de bens
e serviços de um determinado país, adequado tanto às exigências dos mercados internacionais quanto à manutenção
e expansão das oportunidades internas de emprego. Contribuem para o aumento dessa competitividade o potencial
de inovação tecnológica das empresas, a capacidade produtiva do aparelho industrial e a qualidade de gestão e organização do trabalho.
Condomínio empresarial ou Condomínio industrial (a) Conjunto de pequenas empresas circunscritas a uma mesma região, organizada de forma contratual, que se unem para
viabilizar soluções econômicas e sociais e investimentos planejados; (b) prédio em que estão localizadas várias empresas
que compartilham áreas comuns.
Conhecimento científico – Competência que se adquire através
da pesquisa ou investigação científica, seguindo as etapas da
metodologia científica e que dão origem a teorias explicativas
dos fenômenos estudados.
Conselho de Administração – Órgão de deliberação colegiada
cujos membros são eleitos pelos acionistas responsáveis pela
orientação geral dos negócios. Tem como função à nomeação,
fiscalização, destituição de diretores e a convocação de assembléia geral da empresa.
Conselho Fiscal – Órgão externo, constituído de membros escolhidos pelos acionistas, com reconhecido conhecimento das
práticas legais, para fiscalizar a situação contábil e financeira
da empresa.
39
Glossário
C
Consórcio de empresas – Associação de pequenas empresas
organizadas de forma contratual, que se unem para viabilizar
soluções econômicas, sociais e investimentos planejados.
Consultor ad hoc – Especialista contratado para avaliar projetos
ou atividades específicas.
Consultoria – (a) Assessoramento temporário, prestado por pessoa física ou jurídica com reconhecido conhecimento técnico
especializado; (b) alternativa de administração menos formal
do que aquela feita por diretoria. Estratégia administrativa preferida por muitas empresas de pequeno porte. Mantém reuniões periódicas, mas não tem responsabilidade legal sobre as
atividades da empresa.
Contrato – Instrumento jurídico celebrado entre pessoas físicas
com fins de aquisição, modificação ou extinção de direitos ou
estabelecimento de obrigações recíprocas.
Controle acionário – Poder de decisão garantido pela posse do
maior número de ações com direito a voto sobre determinada
organização.
Controle ambiental – Orientação, correção, fiscalização e
monitoramento da utilização dos recursos ambientais pelo Poder Público, em cumprimento às leis em vigor e às diretrizes
técnicas e administrativas pertinentes.
Controle ou Gestão da Qualidade – (a) Inspeção por
amostragem, feita durante as várias fases do processo de fabricação de um produto, com base em padrões de qualidade
pré–estabelecidos. Faz–se através de técnicas e atividades
operacionais de monitoração de processos e de eliminação das
causas de desempenho insatisfatório do produto; (b) “sistema
de técnicas que permitem a produção econômica de bens e
serviços que satisfaçam às necessidades do consumidor”.(JIS
8101 – norma japonesa); (c) estratégia administrativa centrada
no controle da qualidade, que se desenvolve com a participa-
Glossário
40
ção dos recursos humanos, objetiva satisfação do cliente e
benefícios para os membros da organização e da sociedade.
Convênio – Acordo celebrado por instituições entre si ou entre
instituições e pessoas, com o objetivo de combinar esforços e
parcerias para um fim comum.
8 Convênio de apoio técnico e/ou financeiro – Acordo
que entre si celebram pessoas e/ou instituições para combinar a prestação de serviços de apoio técnico e/ou financeiro para um fim estabelecido.
Cooperação tecnológica – Forma de colaboração entre empresas e Instituições de Ensino e Pesquisa para o desenvolvimento de produtos e processos quando a tecnologia usada não
pode ser efetivamente transferida através da venda do direito
de utilização ou da simples transferência de informações. Implica melhoria das condições de trabalho, do meio ambiente,
da assistência técnica e da reciclagem.
Cooperação universidade–empresa – Forma de colaboração
para a formação de recursos humanos, acesso a laboratórios,
apoio à pesquisa, ao desenvolvimento tecnológico e à transferência de tecnologia.
Cooperativa de trabalho ou Cooperativa profissional – (a)
Associação autogerenciada, auto-sustentável, de proveito comum, sem fins lucrativos, em que os participantes reciprocamente se obrigam a contribuir com bens ou serviços para o
exercício de atividade econômica; (b) modalidade de associação que gera, mantém ou recupera postos de trabalho.
Copyright – Direito autoral: direito exclusivo sobre cópias e/ou
reproduções de qualquer natureza de que dispõe o autor de
obra literária, musical, artística ou de software.
Core business – (a) Negócio principal de uma empresa; (b) escopo de atividades que asseguram a vantagem competitiva de
uma empresa.
41
Glossário
C
Core Technology ou tecnologia essencial – aquela tecnologia
fundamental ao processo de produção, responsável pela competitividade da empresa.
Corporação rede (Network organization) – (a) Organização
que sub-contrata funções operacionais de outras empresas
e mantém apenas um grupo pequeno de empregados e
gestores trabalhando em sua sede; (b) agência de atividade
econômica em que a prática de negócios é realizada de forma ad hoc, depende de projetos específicos e demandas
efêmeras de negócios.
Credenciamento – Registro ou habilitação legal concedido por
instituições públicas reguladoras e/ou executoras de políticas e
programas diversos a entidades e/ou empresas. Permite
a realização de atividades diversas: execução, coordenação de
programas e projetos, pesquisa, produção, comercialização,
importação, aquisição de produtos e materiais de pesquisa
ou substâncias de risco, de uso restrito.
Cultura empreendedora – Normas, valores, práticas, símbolos
que caracterizam uma organização ou sociedade.
Cultura organizacional – Normas, valores, práticas, símbolos
que caracterizam e identificam uma empresa.
Cyberspace – espaço social eletrônico gerado pelas TIC – tecnologias de informação e comunicação, onde ocorrem as relações
sociais econômicas e culturais que dão lugar a realidade virtual. Permite a criação da sociedade em rede na qual se desenvolvem a economia informacional e a sociedade do conhecimento. Estar conectado (on line) e ter acesso a rede é requisito essencial para transitar neste espaço.
Glossário
42
D
D
Demanda induzida – Implantação de projeto, mediante financiamento, que provoca demanda de insumos e fatores de produção, estimulando o desenvolvimento de atividades econômicas
para o fornecimento de insumos ou outros fatores necessários
à consolidação do projeto.
Demanda tecnológica – (a) Exigência de criação de novos processos ou produtos provocada pela disseminação e produção
de conhecimento, que se faz através de consultoria, centro de
demonstração e aprendizado contínuo. A demanda tecnológica
estimula a transformação do conhecimento tácito em conhecimento codificado e maximiza benefícios para a empresa; (b)
busca de soluções tecnológicas.
Desenvolvimento econômico regional – Conjunto de ações integradas coordenadas pelo poder público que leva uma região a
adquirir capacidade de inovação suficiente para influenciar a dinâmica econômica, social, tecnológica e a qualidade de vida.
Desenvolvimento local integrado e sustentável (DLIS) –
Processo do desenvolvimento regional promovido pela parceria entre Estado e sociedade através de ações multissetoriais integradas. A metodologia inclui capacitação para a gestão, diagnóstico e planejamento participativos, articulação
da oferta pública de programas com a demanda social da
43
Glossário
localidade, monitoramento, avaliação do processo e fomento
ao empreendedorismo.
Desenvolvimento sustentável – Desenvolvimento industrial economicamente viável que preserva o meio ambiente e os recursos naturais renováveis. De acordo com a Comissão Brundtland,
“processo de transformação no qual a exploração de recursos,
a direção de investimentos, a orientação do desenvolvimento
tecnológico e as mudanças institucionais se harmonizam e reforçam o potencial presente e futuro, a fim de atender às necessidades e aspirações humanas”.
Desenvolvimento tecnológico regional – Programa de
dinamização da atividade empresarial caracterizada pela geração e repasse, uso e aplicação intensiva de tecnologias voltadas para o desenvolvimento de municípios e regiões.
Diferenciação de produto – Característica de singularidade
do produto com relação a qualidade, preço, projeto, imagem
ou serviço.
Difusão tecnológica – Processo de generalização, adoção, melhoramento e adaptação contínua de inovação técnica entre
usuários potenciais.
Diversificação – Estratégia de fabricação de produtos distintos
e/ou oferta de serviços em diferentes mercados.
Docente– pesquisador – Professor de universidade ou instituição isolada que acumula as funções de pesquisador e formador
de recursos humanos em quaisquer dos níveis de ensino oferecidos pela universidade ou instituição isolada.
Downsizing – Procedimento de reestruturação empresarial
feito através da redução da força de trabalho ou do encerramento de negócios não relacionados com as competências essenciais.
Glossário
44
E
E
Ecossistema – Comunidade de organismos e seu meio físico, em
interação como unidade ecológica.
Edital de seleção de empresas – Instrumento utilizado pelas
incubadoras para orientar a seleção de empresas que participarão de programas de incubação.
Educação empreendedora – Conjunto de ações desenvolvidas
pelo sistema educacional com o objetivo de valorizar o papel
do empreendedor, disseminar a cultura empreendedora e despertar vocações empresariais. Busca criar na escola e na sociedade uma mentalidade empreendedora através do estímulo à
geração de negócios.
E–economy ou economia informacional – espaço social onde
o conjunto das relações e atividades econômicas se desenvolve através de transações pela internet, em tempo real. Na economia informacional, o sucesso das empresas está relacionado
ao volume dos seus ativos intangíveis.
Empowerment – Delegação de autoridade a funcionários de níveis hierárquicos mais baixos que lhes permita participar do
processo decisório.
Empreendedor – (a) Pessoa capaz de agir por conta própria,
com criatividade, liderança e visão de futuro para inovar e
45
Glossário
criar seu próprio negócio e gerar novos empregos; (b) aquele que cria uma empresa; (c) comprador de uma empresa
que assume riscos e introduz inovações de qualquer natureza em qualquer das áreas da organização; (d) empregado
ou funcionário que inova a empresa e modifica os valores
existentes.
Empreendedorismo – (a) Característica daquele que tem habilidade para criar, renovar, modificar, implementar e conduzir
empreendimentos inovadores; (b) competência associada à
criatividade, persistência, habilidade de assegurar a realização
de objetivos, liderança, iniciativa, flexibilidade, habilidade para
conduzir situações e utilizar recursos; (c) competência que
possibilita a inserção do indivíduo no mundo do trabalho e sua
sobrevivência em sociedade competitiva.
Empreendedorismo comunitário ou empreendedorismo social – (a) Práticas de empreendedorismo no contexto dos problemas, desafios e características da comunidade que propõem,
desenvolvem e praticam empreendimentos comerciais ou industriais inovadores; (b) Ações voltadas para o desenvolvimento
social de uma região como forma de inserção e geração de
emprego e renda.
Empreendimento – (a) Organização destinada à produção e/ou
comercialização de bens e serviços, tendo como objetivo o lucro; (b) estruturação de um negócio; (c) empresa; (d) resultado de ação empreendedora.
Empresa – qualquer firma, companhia, organização ou corporação
destinada à produção e/ou comercialização de processos, bens
e serviços.
8 Empresa associada – Aquela que utiliza a infra-estrutura
e os serviços oferecidos pela Incubadora, sem ocupar espaço físico, mantendo vínculo formal. Pode ser empresa recém-criada ou já existente no mercado.
Glossário
46
8 Empresa de alta tecnologia – Organização que opera com
processos, produtos ou serviços onde a tecnologia é considerada nova ou inovadora.
8 Empresa de base tecnológica (EBT) ou empresa baseada no conhecimento – (EBC), pequena empresa de base
tecnológica (PEBT) – Empreendimento que fundamenta sua
atividade produtiva no desenvolvimento de novos produtos ou
processos, baseado na aplicação sistemática de conhecimentos científicos e tecnológicos e utilização de técnicas avançadas ou pioneiras. As EBTs têm como principal insumo os conhecimentos e as informações técnico– científicas.
8 Empresa emergente (Start up) – Organização em fase de
estruturação (quase firma) em busca de nichos específicos de
mercado. Nessa categoria de empresa, a base técnica de produção advém de esforços de pesquisa e desenvolvimento
tecnológico. Pode estar ou não inserida em incubadora.
8 Empresa graduada – Organização que passa pelo processo de incubação e que alcança desenvolvimento suficiente
para ser habilitada a sair da incubadora. Algumas instituições usam o termo “empresa liberada”. A empresa graduada pode continuar mantendo vínculo com a incubadora na
condição de empresa associada.
8 Empresa de setores tradicionais – Organização que utiliza tecnologias maduras em seu processo produtivo.
8 Empresa de tecnologias agropecuárias – Organização
destinada à produção e/ou comercialização de bens e serviços que envolvem utilização de tecnologia específica para
produção e processamento de produtos agropecuários.
8 Empresa incubada – Organização que desenvolve produtos ou serviços inovadores, está abrigada em incubadora de
empresas, passa por processo de seleção e recebe apoio
47
Glossário
E
técnico, gerencial e financeiro de rede de instituições constituída especialmente para criar e acelerar o desenvolvimento
de pequenos negócios. Algumas instituições usam o termo
“empresa residente”.
8 Empresa incubada virtual – Organização voltada para negócios de comércio eletrônico, que recebe serviços e apoio
das incubadoras virtuais por meio da Internet.
8 Empresa júnior – (a) associação civil, sem fins lucrativos, constituída e gerida exclusivamente por estudantes
da faculdade, universidade ou escola onde ela se insere,
tendo como objetivo principal aplicar e aprimorar conhecimentos teóricos adquiridos em sala de aula; (b) laboratório ou estrutura colocada à disposição dos estudantes de
uma determinada instituição de ensino, na qual podem ser
elaborados e implementados projetos e estudos que propiciem a estes estudantes um maior contato com a realidade social e de mercado.
Empresário – (a) aquele que cria e administra uma empresa; (b)
dono de empresa.
Entidade gestora de incubadora – Instituição responsável pela
administração da incubadora de empresas.
Entidade mantenedora - Instituição responsável pela manutenção financeira, e/ou do espaço físico e/ou pelos serviços de apoio
e o funcionamento da incubadora ou de outras entidades.
Equity – Lucro obtido por investidores em virtude de propriedade
de ações ordinárias e preferenciais de uma empresa.
Escola de empreendedores ou Núcleo de empreendedorismo – programa para a disseminação da cultura empreendedora e que tem por missão desenvolver competências no campo
da gestão da inovação tecnológica e do empreendedorismo.
Glossário
48
Escritório de transferência de tecnologia – Organização que
promove a interação entre universidades e empresas com o
objetivo de prover o setor produtivo de conhecimentos científicos e tecnológicos para o desenvolvimento de inovações.
Estratégia – (a) Procedimento que determina as causas da
vantagem competitiva da empresa, suas competências centrais e como concretizá–las; (b) Conjunto de hipóteses sobre causa e efeito.
Estudo de viabilidade técnico-econômica – EVTE – Estimativa dos investimentos necessários à implantação de projetos e de custos operacionais. Faz-se através de análises
técno–econômica e financeira, da definição de localização da
empresa e do estabelecimento do esquema de captação de
recursos humanos.
Ética empresarial – Definição de regras e princípios de comportamento genericamente aceitos no mundo dos negócios.
49
Glossário
E
Glossário
50
F
Fornecedor – Organização ou pessoa contratada para fornecer
produto ou serviço.
Fluxo de caixa – (a) Controle das entradas e saídas de recursos
financeiros no caixa da empresa; (b) forma de representação
das receitas e despesas de um empreendimento.
Fomento – Aplicação de recursos orçamentários governamentais em atividades diversas relacionadas à pesquisa científica
e tecnológica.
Fundo de capital de risco ou Fundo de Investimento de
risco – (a) Entidade contábil administrada tanto por equipes
independentes ou vinculadas a instituições financeiras, sem
personalidade jurídica, e que permite a aplicação de recursos, na forma de ativos de risco, ou seja, com elevada incerteza quanto aos retornos futuros; (b) alternativa de financiamento para empresas emergentes com altas perspectivas de
crescimento, regulamentada no Brasil pela instrução CVM 209,
com a denominação de Fundos Mútuos de Investimento em
Empresas Emergentes FMIEE.
Fundo de investimento – (a) Entidade contábil, sem personalidade jurídica, administrada por instituição financeira pública
ou privada, que aplica recursos financeiros monetários
integralizados por cotistas em carteira diversificada de ações,
51
Glossário
F
outros títulos mobiliários, fundos e imóveis; (b) alternativa de
financiamento para empresas, que permite livre pactuação
do porte do fundo, remuneração dos gestores e política de
diversificação da carteira de investimento; (c) Condomínios
que reúnem vários investidores que juntam seus recursos em
diversos ativos, como ações, CDBs, títulos públicos e privados
e outros, segundo regulamentos dos fundos. Pode ser administrado por empresa independente ou ligada a um conglomerado financeiro.
Franquia (Franchise) – Direito de venda de bens ou serviços
pertencentes a uma marca, sujeito às regras e padrões préestabelecidos pelo franqueador.
Fusão (Merger) – Operação de absorção de duas ou mais empresas ou sociedades por organização de maior porte que lhes
sucederá em todos os direitos e obrigações.
Glossário
52
G
Garantia da qualidade – Conjunto de atividades planejadas e
sistemáticas, implementadas no sistema de qualidade e demonstradas como necessárias para prover confiança adequada de que uma entidade atenderá requisitos para a qualidade.
Gatekeeper – Pessoa responsável pela manutenção da rede de
contato, que atua dentro e fora da empresa, identifica ofertas
tecnológicas disponíveis no mercado e as canaliza para os objetivos da empresa. Sua atuação pode proporcionar sólida
interação entre a empresa e a universidade.
GENESIS – Programa GENESIS (Geração de Novos Empreendimentos em Software Informação e Serviços), instituição da
Sociedade SOFTEX que objetiva a geração de empresas competitivas, com perspectivas de internacionalização de seus produtos a curto e médio prazo.
Gerente de incubadora – Agente responsável pelo funcionamento da incubadora e pela utilização do conhecimento científico, profissional e prático para o desenvolvimento de empresas inovadoras e a criação de cultura empreendedora.
Gestão – (a) Ato de gerir; administração; gerenciamento; (b)
planejamento, organização, liderança e controle das pessoas
que compõem uma empresa e das tarefas e atividades por
elas realizadas.
53
Glossário
G
8 Gestão da incubadora – Conjunto de atividades da função gerencial dirigido para o funcionamento da incubadora e que busca promover e estimular a criação e o desenvolvimento de micro e pequenas empresas competitivas
e inovadoras.
8 Gestão da inovação tecnológica – (a) Conjunto de atividades da função gerencial que coordena esforços para
apoiar a criatividade dos seus membros e prover contextos de pesquisa e desenvolvimento para que eles gerem
novos produtos e processos; (b) integração dos princípios
e métodos de administração, avaliação, economia, engenharia, informática e matemática aplicada ao processo de
inovação tecnológica.
8 Gestão de mudança – Processo de reinvenção e/ou
reestruturação continuadas da cultura, estratégia e estrutura de uma organização.
8 Gestão de processos ou Reengenharia – Estratégia de
redefinição dos processos utilizados por uma empresa com
a finalidade de melhor servir ao cliente. A estratégia pode
incluir até a redução da força de trabalho. A tecnologia da
informação tem influenciado significativamente a reengenharia de processos.
8 Gestão de projetos – Princípios, métodos e técnicas utilizados no estabelecimento e implementação de um projeto
de maneira que ele possa atingir seus objetivos.
8 Gestão do conhecimento – (a) Processo articulado e intencional, destinado a fazer com que o conhecimento de
uma organização esteja disponível para aqueles que dele
necessitem, quando, onde e na forma que se faça necessária, com o objetivo de aumentar o desempenho profissional
e a criatividade para a geração e aplicação de novos conhecimentos; (b) estratégia de implementação de ações coordenadas que assegura às empresas capacidade para cap-
Glossário
54
tar, armazenar, recuperar e analisar informações e conhecimentos estratégicos que ampliem seu desenvolvimento e
sua competitividade.
8 Gestão tecnológica – (a) Estratégia de utilização de técnicas de administração com a finalidade de maximizar o
potencial tecnológico da empresa; ( b) administração sistemática de habilidades, mecanismos, conhecimentos, planos e instrumentos organizacionais necessários à estruturação da capacidade empresarial de gerar, introduzir, apropriar, modificar e gerenciar inovações de produtos e processos, com vistas à competitividade.
G
55
Glossário
Glossário
56
H
Habitats de inovação ou ambiente inovador – (a) Espaço
relacional em que a aprendizagem coletiva ocorre mediante a
transferência de know how, imitação de práticas gerenciais
de sucesso comprovado e implementação de inovações tecnológicas no processo de produção. Nesse ambiente é intenso o intercâmbio entre os diversos agentes de inovação: empresas, instituições de pesquisa e agências governamentais;
(b) ambiente que congrega fatores favoráveis ao processo de
inovação contínua.
Hotel de idéias ou Hotel de projetos – Veja Pré-incubação.
57
Glossário
H
Glossário
58
I
Incubação de empresas – Processo de apoio ao desenvolvimento de pequenos empreendimentos ou empresas nascentes
e promoção de condições específicas, através do qual empreendedores podem desfrutar de instalações físicas, de ambiente instrucional e de suporte técnico e gerencial no início e durante as etapas de desenvolvimento do negócio.
8 Incubação à distância – Processo de desenvolvimento
de um empreendimento ou empresa que recebe suporte
da incubadora, mas não está instalada fisicamente em
incubadora.
Incubadora de empresas – (a) Agente nuclear do processo de
geração e consolidação de micro e pequenas empresas; (b)
mecanismo que estimula a criação e o desenvolvimento de micro
e pequenas empresas industriais ou de prestação de serviços,
empresas de base tecnológica ou de manufaturas leves, por
meio da formação complementar do empreendedor em seus
aspectos técnicos e gerenciais; (c) agente facilitador do processo de empresariamento e inovação tecnológica para micro
e pequenas empresas.
59
Glossário
I
8 Uma incubadora oferece
•
espaço físico construído ou adaptado para alojar temporariamente micro e pequenas empresas industriais ou
de prestação de serviços;
•
ambiente flexível e encorajador;
•
assessoria para a gestão técnica e empresarial;
•
infra-estrutura e serviços compartilhados: salas de reunião, telefone, fax, acesso à Internet, suporte em
informática.
•
acesso a mecanismos de financiamento
•
acesso a mercados e redes de relações
•
processo de acompanhamento, avaliação e orientação.
8 Incubadora agroindustrial – Organização que abriga empreendimentos de produtos e serviços agropecuários, com
vistas a facilitar o processo de empresariamento e inovação
tecnológica.
8 Incubadora cultural – Organização que abriga empreendimentos na área da cultura, com vistas a promover o
processo de empresariamento de produtos e serviços culturais.
8 Incubadora de artes – Organização que objetiva apoiar
pessoas criativas e empreendedoras que pretendam desenvolver negócio inovador na área de artes.
8 Incubadora de cooperativa – Incubadora que apoia cooperativas em processo de formação e/ou consolidação instaladas dentro ou fora do município. Estrutura que apresenta características tanto das incubadoras tradicionais como
do processo de incubação à distância com o objetivo de criação de trabalho e renda.
Glossário
60
8 Incubadora de empresas de base tecnológica – Organização que abriga empresas cujos produtos, processos
ou serviços resultam de pesquisa científica, para os quais
a tecnologia representa alto valor agregado. Abriga empreendimentos nas áreas de informática, biotecnologia, química fina, mecânica de precisão e novos materiais. Distingue–se da Incubadora de empresas de setores tradicionais por abrigar exclusivamente empreendimentos oriundos de pesquisa científica.
8 Incubadora de empresas de setores tradicionais –
Organização que abriga empreendimentos ligados aos setores da economia que detém tecnologias largamente difundidas e que queiram agregar valor aos seus produtos,
processos ou serviços, por meio de um incremento em seu
nível tecnológico. Esses empreendimentos devem estar
comprometidos com a absorção e o desenvolvimento de
novas tecnologias.
8 Incubadora mista – Organização que abriga ao mesmo tempo empresas de base tecnológica e de setores
tradicionais.
8 Incubadora setorial – Organização que abriga empreendimentos de apenas um setor da economia.
8 Incubadora social – Organização que abriga empreendimentos oriundos de projetos sociais, ligados aos setores
tradicionais, cujo conhecimento é de domínio público e que
atendem à demanda de criação de emprego e renda e
melhoria das condições de vida da comunidade. Os objetivos da incubadora devem estar alinhados com os objetivos
do programa do desenvolvimento local.
Incubadora virtual – organização que se estabelece via
internet, conta com amplo banco de dados e informática,
com vistas a estimular novos negócios.
61
Glossário
I
Indicador de desempenho – Forma de representação
quantificada usada para medir o nível de sucesso de recursos
em processo ou operação.
Índice de desenvolvimento humano (IDH) – Indicador composto de qualidade de vida, desenvolvido pelo PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) baseado no
tripé renda, saúde e educação. A renda é medida pelo PIB real
per capita, a saúde pela expectativa de vida e a educação pelas taxas de alfabetização de adultos e de matrículas no ensino
fundamental, médio e de terceiro grau combinadas.
Inovação – Introdução no mercado de produtos, processos, métodos ou sistemas não existentes anteriormente, ou com alguma característica nova e diferente daquela até então em vigor,
com fortes repercussões socioeconômicas.
8 Inovação de produtos e processos tecnológicos (PPT)
– Adoção de métodos de produção e colocação no mercado
de produtos novos ou aprimorados, resultantes do uso de
novo conhecimento, mudanças de equipamento e/ ou de
organização da produção.
8 Inovação incremental – Introdução em uma empresa, sem
alteração da sua estrutura industrial, de qualquer tipo de
melhoria em produto, processo ou organização da produção.
8 Inovação organizacional – Renovação de procedimentos
e métodos de organizar empresas, fornecedores, produção
e comercialização de bens e serviços.
8 Inovação radical – Introdução de novo produto ou processo ou renovação da forma de organização da produção
que pode resultar em ruptura estrutural com o padrão
tecnológico até então utilizado, dar origem a novas indústrias, setores ou mercados.
8 Inovação tecnológica – Introdução de produtos e processos tecnologicamente novos ou aprimorados.
Glossário
62
Interação universidade–empresa – Atividades de transferência de tecnologia e conhecimentos entre a academia e o setor
produtivo com vistas a promover inovação.
Intra-empreendedorismo – (a) Habilidade do empregado ou
funcionário que inova a empresa e modifica os valores existentes; (b) característica do empregado que propõe inovações.
ISO – International Standards Organization (Organização Internacional de Normalização) – Organização não governamental,
criada em 1947, com a finalidade de estabelecer padrões diferenciados de gerenciamento da qualidade para cada país. Visa
facilitar o intercâmbio internacional de bens e serviços e a cooperação no âmbito das atividades intelectuais, científicas,
tecnológicas e econômicas.
8 ISO 9000:2000 – Designação do conjunto de normas internacionais sobre Gerência e Garantia da Qualidade que
inclui três padrões: ISO 9000:2000, ISO 9001:2000, and
ISO 9004:2000.
•
ISO 9004:2000 contém requisitos e exigências das
normas.
•
ISO 9000:2000 e ISO 9004:2000 apresentam as diretrizes de aplicação das normas, que se referem a processos e não a produtos.
63
Glossário
I
Glossário
64
J
Janela tecnológica ou Janela de Oportunidades – (a) Abertura do conhecimento tecnológico voltada para segmento específico de mercado, e que possibilita transferência de tecnologia, de intercâmbios científicos e/ou de atualizações de conhecimentos e processos para outras empresas; (b) possibilidade
de desenvolvimento decorrente de mudanças de paradigmas
tecnológicos ou científicos que proporciona compensação e redução de desníveis econômicos e tecnológicos entre nações.
Joint–venture – Forma de aliança inter–empresarial que objetiva a criação de novo negócio, para atuação em mercados
conjugados na comercialização de produtos ou na complementação de projetos de desenvolvimento de produtos. É
normalmente estabelecida entre uma empresa com capital
necessário ao financiamento do projeto, e outra que domina
as competências técnicas, os contatos comerciais, ou ambos.
Nesse sentido, a franquia pode ser considerada como uma
espécie de joint-venture.
65
Glossário
J
Glossário
66
K
Know how – Experiência técnica; saber fazer. O termo é geralmente utilizado para referir–se a processos de fabricação não
patenteada, mas que exige grande habilidade. Refere–se também a um conjunto de operações que demandam experiência
específica.
K
67
Glossário
Glossário
68
L
Learning by doing – Desenvolvimento de capacitações científicas, tecnológicas e organizacionais e esforços substanciais de
aprendizado com experiência própria, no processo de produção.
Learning by interacting – Desenvolvimento de capacitação
mediante interação com fontes externas, como fornecedores
de insumos, componentes e equipamentos, licenciadores, licenciados, clientes, usuários, consultores, sócios, universidades, institutos de pesquisa, agências e laboratórios governamentais, entre outros.
Learning by searching – Desenvolvimento de capacitação por
meio de busca por novas soluções técnicas nas unidades de
pesquisa e desenvolvimento ou em instâncias menos formais.
Learning by using – Aprendizagem pelo uso e comercialização.
Learning organization ou Organização que aprende – (a)
Organização que cria ambiente de aprendizagem por meio de
repasse de conhecimento teórico e tácito; (b) organização
aprendiz; (c) empresa que permite o envolvimento de todos os
seus membros na identificação e solução de problemas.
Licenciamento de tecnologia – Acordo contratual pelo qual uma
organização vende a outra empresa os direitos de uso de tecnologia de sua propriedade, sob a forma de patentes, proces-
69
Glossário
L
sos e/ou know-how técnico e pelo qual recebe pagamentos de
royalties e/ou outra forma de compensação.
Logomarca – Símbolo gráfico que identifica o produto ou serviço.
Love money – Capital inicial, geralmente originário de poupança
pessoal ou familiar, que um empreendedor utiliza para iniciar
seu negócio sem contrair encargos financeiros.
Glossário
70
M
Marca – Segundo as leis brasileiras, todo sinal distintivo, visualmente perceptível, que identifica e distingue produtos e serviços de outros análogos, de procedência diversa, e certifica sua
conformidade com as normas e especificações técnicas pertinentes. O registro de uma marca é obtido através do INPI.
Marketing – (a) Processo de planejamento de uma empresa com
a finalidade de satisfazer as necessidades e desejos do cliente
e, ao mesmo tempo, gerar receita; (b) atividade de inovação
PPT quando relacionada com a implantação de produto tecnologicamente novo ou aprimorado. Não constitui atividade de
inovação PPT se executada para inovação organizacional, publicidade para linha de produtos, ou para manter a participação de produtos inalterados no mercado; (c) divulgação
promocional da empresa ou instituição.
Meio ambiente – Conjunto dos elementos que exercem influência sobre um sistema sem fazer parte dele. Compõem o meio
ambiente o ar, a água, o solo, a fauna, a flora, os minerais, os
seres humanos e suas inter-relações.
Mercado comum – União aduaneira internacional sustentada
pela remoção de barreiras de qualquer natureza com a finalidade de promover a integração econômica entre os países
participantes.
71
Glossário
M
Mercado de balcão – (a) Mercado que comercializa indiscriminadamente títulos de empresas não registradas na Bolsa; (b)
mercado de títulos em que as operações entre instituições financeiras são fechadas por telefone, fora de pregão físico.
Mercado de capitais – Conjunto de empresas, investidores, instituições intermediárias e entidades reguladoras de mercado
que promovem operação envolvendo valores destinados a investimentos fixos ou de longo prazo das companhias abertas
(valores imobiliários).
Mercado emergente – Mercado financeiro de países que desenvolvem economias de mercado e são preferidos por investidores norte–americanos.
Merchandising – Forma de anunciar o produto e/ou serviço através do uso de amostragem direta ao consumidor em stands ou
displays.
MERCOSUL – Mercado do Cone Sul – união aduaneira, criada
em 26 de março de 1991, com a assinatura do Tratado de Assunção por Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai.
Microcrédito – Sociedades de crédito ao microempreendedor, cujo
objeto social é a concessão de créditos a pessoas físicas ou a
pessoas jurídicas classificadas respectivamente como microempresários e microempresas, nos termos da legislação em vigor.
Microempresa – Pessoa jurídica ou firma mercantil individual cuja
receita bruta anual é igual ou superior a R$ 244.000,00. (Lei
9841 de 05/10/99).
Mix de produtos – Conjunto de produtos variados que compõem
o portfólio de uma empresa.
Modernização tecnológica – Uso – mas não necessariamente
domínio de tecnologias mais avançadas do que aquelas já utilizadas pela empresa. A modernização tecnológica é indicativa
do desenvolvimento econômico de um país.
Glossário
72
Monitoração – Função administrativa que visa pesquisar, receber e analisar informações que possam afetar a organização.
Mostra tecnológica – Exibição de produtos, processos e/ou serviços resultantes de inovação tecnológica.
Multincubação – (a) Processo que visa aproveitar a capilaridade,
recursos e competências que têm as incubadoras físicas e o
SEBRAE, para ampliar mutuamente seus programas e serviços;
(b) ampliação de suporte ao desenvolvimento de empreendimentos através da integração das incubadoras física e virtual.
M
73
Glossário
Glossário
74
N
Nicho de mercado – (a) segmento de mercado especializado,
com características próprias e que oferecem oportunidades de
negócios para empreendimentos específicos; (b) Segmento específico de mercado que a empresa se propõe atender com
produtos ou serviços extremamente ajustados às suas necessidades; (c) Oportunidade de negócio originário de segmentos
privilegiados de mercado.
Nicho ecológico – Espaço físico e funcional ocupado por uma
determinada espécie animal, vegetal ou mineral.
Nicho Tecnológico – Oportunidade de inovação de natureza predominantemente incremental, detectada no paradigma
tecnológico vigente, que utiliza competências essenciais da empresa ou da região, para possibilitar vantagem competitiva em
determinado mercado.
75
Glossário
N
Glossário
76
O
Organização – Sistema social em que a divisão de trabalho é
racionalmente realizada tendo em vista os fins almejados.
8 Organização não-governamental ou Terceiro Setor –
ONG – Instituição não governamental, doméstica ou internacional, constituída por associação de voluntários e com
objetivos variados.
Outsourcing – Terceirização: forma de transferir para outras
empresas a realização de tarefas e/ou serviços, ou a fabricação de produtos de que uma empresa necessita.
O
77
Glossário
Glossário
78
P
Padronização – (a) Implementação de procedimentos uniformes
e consistentes para a realização de tarefas; (b) processo de
classificação, ordenação, homogeneização e fixação de atividades, práticas e tecnologias segundo regras previamente estabelecidas.
Padrões (standards) – Critérios utilizados na comparação de
características quantitativas e qualitativas.
Paradigma econômico – Parâmetro indicador de competitividade expressa por regras econômicas determinantes das
relações inter e intrafirmas e da função do Estado na economia para formulação de políticas científico-tecnológicas
e industriais.
Paradigma tecnológico – Padrão ou modelo para solução de
problemas tecno-econômicos que define as necessidades mais
relevantes, os princípios científicos utilizados para a realização
de determinada tarefa e o material tecnológico a ser utilizado.
O paradigma tecnológico determina as oportunidades
tecnológicas que resultam em inovações e alguns procedimentos básicos para a exportação dessas inovações.
Parceria institucional – Cooperação entre organizações para a
realização de projetos de interesse mútuo.
79
Glossário
P
Parque tecnológico – (a) Complexo industrial de base científicotecnológica planejado, de caráter formal, concentrado e cooperativo, que agrega empresas cuja produção se baseia em pesquisa tecnológica desenvolvida nos centros de P&D vinculados
ao Parque; (b) empreendimento promotor da cultura da inovação, da competitividade, do aumento da capacitação empresarial fundamentado na transferência de conhecimento e tecnologia, com o objetivo de incrementar a produção de riqueza.
Patente – Título de propriedade temporária sobre invenção, modelo
de utilidade ou desenho industrial, outorgado pelo Estado ao inventor, autor, pessoa física ou jurídica detentora de direitos sobre
a criação. A patente confere ao seu titular uma situação legal,
pela qual a invenção patenteada pode ser explorada (fabricada,
importada, vendida e usada), com autorização do titular.
Payback – Avaliação de retorno de investimento num determinado prazo, geralmente medido em anos.
Pequena empresa – Pessoa jurídica ou firma mercantil individual cuja receita bruta anual é superior a R$ 244.000,00 e inferior ou igual a R$ 1.200.000,00. (Lei 9841 de 05/10/99).
Pesquisa – (a) Levantamento de dados; (b) coleta de informações; (c) censo; (d) atividade realizada com o objetivo de produzir novos conhecimentos, geralmente envolvendo experimentação. Reconhecem–se três tipos de pesquisa: pesquisa básica, pesquisa aplicada e desenvolvimento experimental.
8 Pesquisa aplicada – Investigação original concebida pelo
interesse em adquirir novos conhecimentos, dirigida a objetivo prático específico e realizada tanto para determinar possíveis usos para descobertas da pesquisa básica quanto para
definir novos métodos ou maneiras de alcançar determinado
objetivo. Exemplo: Sir Willian Crookes, após estudar as teorias de Maxwell e os experimentos de Hertz, sugere, em 1892,
a possibilidade de se aplicar as ondas eletromagnéticas para
a exploração dos serviços de transmissão telegráfica se fio.
Glossário
80
8 Pesquisa básica – Estudo teórico ou experimental com o
objetivo de contribuir para a compreensão de fatos e fenômenos observáveis, analisar propriedades, estruturas e conexões, comprovar e/ou gerar hipóteses e teorias, sem preocupação com uso ou aplicação específica imediata de seus
resultados. Exemplo: Motivado por sua curiosidade, Michael
Faraday descobre, em 1846, os efeitos recíprocos entre corrente elétrica e ímas. James C. Maxwell, inspirado nas descobertas de Faraday, desenvolve em 1864 a teoria das ondas eletromagnéticas, cuja comprovação experimental será
feita por Heinrich Hertz em 1886. Todas essas pesquisas
foram realizadas sem nenhuma preocupação de possíveis
aplicações práticas ou ganhos econômicos a curto prazo, o
que as caracterizam, portanto, como pesquisas básicas.
8 Pesquisa consorciada ou Pesquisa cooperativa – Est u d o s c i e n t í f i c o s d e s e nvo l v i d o s e m p a r c e r i a p a ra
viabilização de processos, produtos e/ou serviços que
exigem complementaridade de recursos, equipamentos e
conhecimento.
8 Pesquisa de mercado – Coleta e análise de informação
sobre mercados específicos e potenciais para novos produtos. Pode ser quantitativa ou qualitativa. A análise quantitativa é a única que permite conclusões estatísticas.
8 Pesquisa e desenvolvimento experimental– P&D – Investigação criativa e sistemática que objetiva ampliar e
reaplicar o conhecimento. Na sua etapa mais importante,
P&D envolve a construção e o ensaio de protótipo.
Planejamento – Estratégia organizacional que envolve (1) opção
pelo cumprimento de determinada tarefa e conseqüente definição de objetivos gerais de curto e longo prazo; (2) definição
de objetivos específicos para departamentos e funcionários (3)
seleção de estratégias (4) alocação de recursos humanos, de
equipamentos, tecnológicos, financeiros e outros.
81
Glossário
P
8 Planejamento estratégico – Processo de desenvolvimento
e análise do propósito e da filosofia da empresa, definição de
objetivos gerais, das estratégias a serem utilizadas em prazo
previamente definido, e da forma de alocação dos recursos.
Plano de negócios – (a) Documento preparado pela administração da empresa, contendo descrição detalhada do passado,
presente e futuro da organização. É geralmente utilizado para
atrair investimentos, conseguir empréstimos ou financiamentos, promover controle interno de integração e envolvimento
do pessoal; (b) conjunto de atividades a serem desenvolvidas
e implementadas pela empresa durante período previamente
estabelecido e cujas metas e compromissos traduzem a estratégia de atuação da empresa e as perspectivas de resultados.
Pode ser apresentado em forma de documento ou qualquer
outro tipo de mídia.
Política da qualidade – Sistema formalmente expresso de intenções e diretrizes gerais relativas à qualidade de uma organização.
Política de desenvolvimento regional – Sistema formalmente
expresso de intenções e diretrizes gerais relativas ao desenvolvimento de uma região.
Política tecnológica – Sistema formalmente expresso de intenções e diretrizes gerais relativas ao desenvolvimento tecnológico
de uma região.
Políticas públicas – Sistema formalmente expresso de intenções e diretrizes gerais para o desenvolvimento estabelecido
pelo governo.
Pólo – Aglomeração ou concentração de empresas de setores
tradicionais da economia com necessidades similares.
8 Pólo agroindustrial – Concentração regional de empresas que atuam no setor agroindustrial.
Glossário
82
8 Pólo tecnológico ou Pólo de ciência e tecnologia – Área
de concentração industrial caracterizada pela presença dominante de pequenas e médias empresas de segmento
empresarial de áreas correlatas e complementares, agrupadas por vocação natural em determinado espaço geográfico, com vínculos operacionais com instituições de ensino e
pesquisa e agentes locais, num esforço organizado de consolidação e marketing de novas tecnologias.
8 Pólo de inovação – Espaço que concentra micro e pequenas empresas que mantém vínculos operacionais com instituições de ensino e pesquisa e agentes locais. Visa a consolidação e marketing de novas tecnologias e a possibilidade
de proporcionar treinamento e consultoria para facilitar a
absorção e difusão de tecnologias. O pólo permite o acesso
a sistemas de informação e outros serviços que atendem às
necessidades das empresas.
8 Pólo de modernização – Aglomeração ou concentração
de micro e pequenas empresas dispostas a desenvolver
ações compartilhadas com vistas a aumentar a competitividade das empresas e o desenvolvimento local e regional.
Portfólio – Conjunto dos investimentos feitos por um mesmo indivíduo ou organização.
Pós-incubação – Graduação: estágio em que a empresa se instala fora do ambiente físico da incubadora. Nesse estágio a
empresa pode estabelecer parceria com a incubadora como
empresa associada.
Pré-incubação – Conjunto de atividades que visa estimular o empreendedorismo e preparar em curto período (de seis meses a
um ano) os projetos que tenham potencial de negócios em empresas. Nessa fase dá-se grande ênfase ao plano de negócios, à
pesquisa de mercado e à preparação dos empreendedores sobre
gestão de negócios. A pré-incubação tem o objetivo de preparar
83
Glossário
P
os empreendimentos para ingresso na incubadora. Algumas instituições que têm programas de pré-incubação dão a denominação de Hotel de Projetos, Hotel de Idéias, Hotel Tecnológico, etc.
Pré-incubadora – Programa de incentivo para o surgimento de
novas empresas, sobretudo na área de tecnologia, garantindo
também formas de aumentar as suas chances de maturação e
consolidação futura no mercado.
Private Equity – Investimentos realizados em empresas pré–
definidas, geralmente em empreendimentos já maduros, que
busca expansão de mercado e modernização de seus produtos
e serviços.
Processo – Organização lógica e detalhada de pessoas, máquinas, materiais, procedimentos e energia, para execução de
atividades que produzam trabalho final específico na forma de
produto ou serviço.
8 Processo de seleção – Procedimento sistematizado de avaliação e seleção dos empreendimentos candidatos às incubadoras, o critério de julgamento das propostas apresentadas é realizado segundo critérios e metodologia previamente estabelecidos e entregue ao candidato fase de inscrição
na forma de regulamento do processo de seleção.
8 Processo de inovação – Procedimento interativo para o qual
contribuem vários agentes econômicos e sociais e que consiste
na conjugação de oportunidades técnicas com as necessidades
de um empreendimento. Tem por finalidade a introdução ou
modificação de produtos ou processos para comercialização.
Produtividade – (a) Maximização dos resultados da empresa
através da otimização dos recursos utilizados; (b) medida da
eficiência de uma empresa ou organização na utilização de recursos, calculada através da divisão da produção física obtida
numa unidade de tempo por um dos fatores de produção (trabalho, bens, capital).
Glossário
84
Programa – Conjunto de ações e projetos coordenados que tem
como objetivo a solução de problema específico ou o aproveitamento de oportunidade em determinado prazo, com recursos humanos, materiais e financeiros definidos.
8 Programa Bolívar – Programa voltado para o desenvolvimento de das empresas na América latina, foi criado pelo
BIRD (Banco Interamericano de Desenvolvimento) e pelo governo da Venezuela, como objetivo de apoiar a internacionalização das empresas latino–americanas e aportar recursos
para pesquisa e desenvolvimento de empresas.
8 Programa de capacitação tecnológica – Conjunto de
ações e projetos para a qualificação dos recursos humanos
com a finalidade de permitir a utilização de conhecimentos
e informações técnicas que favoreçam o processo de inovação tecnológica da empresa.
Projeto – Plano que visa atingir objetivos explícitos e justificados através de metodologia específica, com início e término definidos.
8 Projeto Columbus – Programa de treinamento de gerentes de incubadoras, orientado para o desenvolvimento de
incubadoras junto às universidades.
8 Projeto Inovar – (a) Instrumento criado pela FINEP para
propiciar investimento em empresas nascentes ou emergentes de base tecnológica; (b) metodologia que visa construir um ambiente institucional que favoreça o florescimento
da atividade de Capital de Risco no País, de forma a estimular o fortalecimento das empresas nascentes e emergentes
de base tecnológica brasileiras, contribuindo, em última instância, para o desenvolvimento tecnológico nacional, bem
como para a geração de empregos e renda.
8 Projeto social – Qualquer plano que visa a melhoria da
qualidade de vida no trabalho e as condições gerais de vida
da comunidade.
85
Glossário
P
Propriedade industrial – Conjunto de direitos relacionados com
atividades industriais ou comerciais do indivíduo ou da empresa relativos a marcas e patentes.
Propriedade intelectual – Toda espécie de propriedade que provenha de concepção ou produto da inteligência para exprimir
um conjunto de direitos que competem ao intelectual (escritor,
artista ou inventor) como autor de obra imaginada, elaborada
ou inventada. No sentido lato, o poder irrestrito de autor ou
criador sobre bem imaterial. Torna–se restrita, se condicionada a prerrogativas de tempo e espaço. O título de propriedade
intelectual pode ser concedido nas categorias: artística, técnica, e científica.
Prospecção tecnológica – (a) Tentativas sistemáticas para observar, no longo prazo, o futuro da ciência, da tecnologia, da
economia e da sociedade, com o propósito de identificar tecnologias emergentes que possam produzir benefícios econômicos e/ou sociais; (b) – Estudos sobre tendências tecnológicas
em setores industriais específicos, utilizando principalmente
informações contidas em documentos de patentes nacionais
ou estrangeiros.
Protótipo – Modelo original básico representativo de invenção ou
criação nova, feito em escala, e que apresenta todas as características essenciais do produto final desejado. O protótipo é
utilizado em testes físicos.
Glossário
86
Q
Qualidade – Características de valor de um produto ou serviço
que atende às especificações ou padrões de excelência referentes a esse produto ou serviço.
Q
87
Glossário
Glossário
88
R
Racionalização – Estratégia de otimização de recursos que visa
melhorar o conjunto de procedimentos de uma organização.
Recrutamento – Procedimento de busca de pessoas dentro e
fora da empresa para ocupar posições em aberto.
Rede de empresas (network) – empresas que interagem entre si – como fornecedores, clientes, ou parceiros na transferência de tecnologia – e/ou com centros de pesquisa, centros
técnicos, universidades e outras entidades públicas ou privadas a fim de aumentar a sua competitividade, resolver problemas, entrar em novos mercados, desenvolver e produzir bens
e serviços.
Rede de incubadoras – Organização que congrega incubadoras
de uma região para divulgação, troca de conhecimentos e informações e otimização da utilização de recursos.
Rede de inovação – Organização das relações heterogêneas entre
agentes de produção de conhecimentos e aqueles que buscam
estabelecer vantagens competitivas no mercado.
Regimento interno ou regulamento interno – Conjunto de
normas e regras que definem atribuições e o funcionamento de
uma organização.
89
Glossário
R
Resultado operacional – Resultado da empresa obtido antes do
cálculo do imposto de renda a pagar.
Revitalização urbana – Reconstrução sócio – geográfica da área
urbana para o desenvolvimento econômico.
RHAE – Programa do CNPq para a capacitação de recursos humanos mediante formação de pesquisadores e sua fixação nas
empresas e apoio a programas de educação continuada nas
empresas, com vistas à promoção da inovação tecnológica.
Risco – Componente de variabilidade inerente a um investimento. Quanto maior a variabilidade, maior o risco.
Rodada de negócios – Encontros empresariais nacionais e internacionais com a finalidade de aproximar compradores e vendedores de produtos e serviços gerando negócios entre empresas.
Glossário
90
S
Seed money ou Capital semente – Recursos investidos no estágio pré-operacional da empresa para elaboração de plano de
negócios, construção de protótipo, desenvolvimento de pesquisa de mercado, e contratação de executivos.
Segmento de mercado – Conjunto de consumidores específicos
de um determinado produto ou serviço.
Shareholder – acionistas, proprietários.
Sistema de comercialização de tecnologia – Organização entre os agentes geradores de inovação e as empresas ou instituições econômicas com necessidades tecnológicas específicas
para a negociação sobre o uso de tecnologia e ou patentes.
Sistema de informação – Redes de armazenamento informatizado das informações de interesse dos executivos.
Sistema de logística – Gestão da cadeia de suprimentos responsável pelo planejamento e controle do fluxo e armazenagem de
bens, serviços e informações do ponto de origem ao ponto de
consumo, de forma a atender às exigências dos clientes.
Sistema nacional de inovação – (a) Rede interativa de instituições dos setores público e privado que gera, adota, importa,
modifica e difunde novas tecnologias; (b) Infra-estrutura pro-
91
Glossário
S
motora do desenvolvimento tecnológico de empresas intensivas em conhecimento e inovação; (c) Arranjo nacional para
gestão e uso de tecnologias que levam à inovação e aos processos de aprendizado coletivo; (d) sistema que favorece o
desenvolvimento de capacidades inovativas através do uso de
tecnologias.
Sistema produtivo local – Rede de clusters implantada em
região bem estruturada, que apresenta planejamento territorial
com alto nível de interação público–privado, respeito à cultura local e tem por objetivo assegurar a qualidade de vida dos
habitantes.
Sociedade da Informação ou Sociedade do Conhecimento –
Configuração de padrão sócio–técnico–econômico em que as
atividades humanas estão baseadas e organizadas em torno de
atividades de geração, recuperação e uso de informação e conhecimento. Na sociedade da informação, o sucesso das empresas está relacionado ao volume dos seus ativos intangíveis.
Spin-off - Empresa oriunda de laboratório e resultante de pesquisa acadêmica ou industrial.
Spin-out - Empresa impulsionada por outra já estabelecida no
mercado, para atuar na mesma área de negócio, mas com
produto ou serviço diferente daquele que a empresa original
comercializa.
Stakeholder – Agente que apóia ou se relaciona operacionalmente
com a empresa: empregados, clientes, fornecedores, acionistas, comunidade, agências governamentais.
Sustentabilidade – Compatibilização da exploração de recursos
com o volume de investimentos orientados para o desenvolvimento tecnológico e as mudanças institucionais tendo em vista
a responsabilidade ambiental do setor produtivo.
Glossário
92
T
Tecnologia – (a) Método para transformar inputs em outputs;
(b) aplicação dos resultados de pesquisa científica à produção
de bens e serviços; (c) tipo específico de conhecimento, processo ou técnica exigido para fins práticos; (d) conhecimentos
de que uma sociedade dispõe sobre ciências e artes industriais, incluindo os fenômenos sociais e físicos, e sua aplicação à
produção de bens e serviços. Identificam–se duas grandes categorias de tecnologia: tecnologia de produto: componentes tangíveis e facilmente identificáveis e tecnologia de processo: técnicas, métodos e procedimentos.
8 Tecnologia alternativa – (a) Tecnologia apropriada; (b)
tecnologia baseada nas condições locais de desenvolvimento tecnológico.
8 Tecnologia avançada – Resultado da aplicação de conhecimento gerados a partir de pesquisas que se caracterizam
como estado da arte, envolvendo recursos, informações e
conceitos no limiar do conhecimento até então existente.
8 Tecnologia da informação – Aquela que se aplica às áreas da informática, telecomunicações, comunicações, ciência da computação, engenharia de sistemas e de software.
93
Glossário
T
8 Tecnologia de gestão – Tecnologia aplicada à administração de empresas.
8 Tecnologia essencial ou core technology – aquela tecnologia fundamental ao processo de produção, responsável
pela competitividade da empresa.
8 Tecnologia industrial básica (TIB) – Tecnologia aplicada ao processo de manufatura de uma indústria.
Tecnópole ou Tecnópolis – (a) Sistema urbano articulado que
integra agentes locais e externos para o desenvolvimento
tecnológico regional, baseado numa estratégia de desenvolvimento sustentável; (b) pólo tecnológico; (c) cidade planejada
para o desenvolvimento tecnológico e ambiental.
Transferência de tecnologia – Intercâmbio de conhecimento e
habilidades tecnológicas entre instituições de ensino superior
e/ou centros de pesquisa e empresas. Faz–se na forma de contratos de pesquisa e desenvolvimento, serviços de consultoria,
formação profissional, inicial e continuada, venda de patentes,
marcas e processos industriais, publicação na mídia científica,
apresentação em congressos, migração de especialistas, programas de assistência técnica, espionagem industrial e atuação de empresas multinacionais.
Trainee – Estagiário: profissional em fase de treinamento durante processo de admissão por uma empresa.
Triple helix – Modelo de interação coordenada e ações integradas entre três agentes sociais (instituições governamentais,
do setor empresarial e de pesquisa) com a finalidade de promover o desenvolvimento socioeconômico.
Turnkey – Produto ou serviço que pode ser imediatamente
implementado ou utilizado sem qualquer esforço adicional do
comprador.
Glossário
94
U
Universidade empreendedora – Instituição de ensino e pesquisa voltada para o desenvolvimento de programas que incentivem a atividade empreendedora e cujo processo de aprendizado é centrado na criatividade, na imaginação e na inovação
através de novas metodologias, da incorporação de valores
organizacionais, do desenvolvimento de atitude pró–ativa, e
de perfil diferenciado dos professores.
Uso compartilhado – Utilização de recursos tangíveis e intangíveis em parceria.
U
95
Glossário
Glossário
96
V
Vale do Silício (Silicon Valley) – Região dos Estados Unidos da
América onde surgiram as primeiras incubadoras de empresas
e onde se encontra a maior concentração de pequenas empresas de tecnologia avançada do mundo.
Valor agregado – (a) Procedimento através do qual uma empresa adquire e melhora produto ou serviço antes de oferecê–lo a
seus clientes; (b) conhecimento embutido num produto, serviço ou processo.
Vantagem competitiva – Conjunto de fatores fundamentais que
influem na diferenciação de produtos e processos num ambiente de concorrência econômica.
Vantagem tecnológica – Capacidade da empresa de se manter
na fronteira do conhecimento para o favorecimento do processo de inovação.
Venture capital ou Capital de Risco – Investimento temporário em empresas emergentes com evidente potencial de crescimento: participação direta no capital social da empresa por
aquisição de ações ou debêntures conversíveis em ações visando rentabilidade acima das alternativas disponíveis no mercado financeiro.
97
Glossário
V
Glossário
98
W
Workshop – Oficina; reunião de grupos de trabalho interessados
em determinado projeto ou atividade para discussão e/ou apresentação prática do referido projeto ou atividade.
W
99
Glossário
Glossário
100
Z
Zona de industrialização tecnológica – Região que concentra
centros de pesquisa e universidades e empresas de base tecnológica, orientadas por programa de governo que estimula
uma nova vocação industrial com vistas ao desenvolvimento
regional.
Z
101
Glossário
Glossário
102
Siglas
8 ALCA – Área de Livre Comércio das Américas
8 ANPEI – Associação Nacional de Pesquisa, Desenvolvimento e
Engenharia das Empresas Inovadoras
8 ASP – Application Service Provider: Provedor de Serviços de
Aplicativos
8 BACEN – Banco Central do Brasil
8 BID – Banco Interamericano de Desenvolvimento
8 CAPES – Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
8 CEPAL – Comissão Econômica das Nações Unidas para a América Latina e o Caribe
8 CGDT – Coordenação Geral de Desenvolvimento Tecnológico
do MCT/SETEC
8 CNEN – Comissão Nacional de Energia Nuclear (PR)
8 CNPq – Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e
Tecnológico
8 CONCITE – Conselho de Ciência e Tecnologia da SCTDE
103
Glossário
8 COOE – Coordenadoria de Estatística e Indicadores de C&T do
MCT/CNPq
8 COP – Contribuição de P&D&E para o Lucro Bruto
8 C&T – Ciência e Tecnologia
8 EMBRAPA – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária
8 FGV – Fundação Getúlio Vargas
8 FMI – Fundo Monetário Internacional.
8 FINEP – Financiadora de Estudos e Projetos, vinculada ao MCT
8 IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística
8 ICCTI – Instituto de Cooperação Científica e Tecnológica Internacional
8 IEL – Instituto Euvaldo Lodi
8 INPE – Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (MCT)
8 INPI – Instituto Nacional da Propriedade Industrial
8 IPEN – Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (CNEN)
8 INT – Instituto Nacional de Tecnologia
8 ISO – International Organization for Standardization - Organização Internacional de Normalização.
8 MERCOSUL – Mercado do Cone Sul
8 MCT – Ministério da Ciência e Tecnologia
8 MPE – Micro e Pequenas Empresas
8 NAFTA – North America Free Trade Agreement – Tratado de
Livre Comércio da América do Norte do qual participam o Canadá, os Estados Unidos e o México
Glossário
104
8 OCDE – Organização para a Cooperação e Desenvolvimento
Econômico
8 OIT – Organização Internacional do Trabalho
8 OMC – Organização Mundial do Comércio
8 P&D – Pesquisa e Desenvolvimento
8 P&D&E – Pesquisa, Desenvolvimento e Engenharia
8 PDTA – Programa de Desenvolvimento Tecnológico Agropecuário
8 PDTI – Programa de Desenvolvimento Tecnológico Industrial
8 PEBT – Pequenas Empresas de Base Tecnológica
8 PME – Pequenas e Médias Empresas
8 PNI – Programa Nacional de Apoio às Incubadoras de Empresas
8 PPT – Produtos e Processos Tecnológicos
8 PRONEX – Programa de Apoio a Núcleos de Excelência, criado
pelo CNPq.
8 SETEC – Secretaria de Política Tecnológica Empresarial do MCT
8 TIC – Tecnologia de Informação e Comunicação
8 TIR – Taxa Interna de Retorno
105
Glossário
Glossário
106
Referências
Bibliográficas
A Experiência Brasileira: o Caso de São Paulo. IN: SEMINÁRIO INTER. DE PARQUES TECNOLÓGICOS, anais, 107, Rio de
Janeiro, 1987.
ANPEI – Glossário geral
BAÊTA, Adelaide Maria Coelho e SILVA, Rosa Maria Neves da. Glossário Bilíngüe de Tecnologia e Negócios. Rio de Janeiro:
Editora Nova Fronteira, 1998.
BAÊTA, Adelaide M.C. O desafio da criação: uma análise das
incubadoras de empresas de base tecnológica. Petrópolis:
Editora Vozes, 1999.
BARBOSA, Antônio Luiz Figueira. Sobre a propriedade do trabalho intelectual: uma perspectiva crítica. Rio de Janeiro,
Editora UFRJ. 1999.
BAXTER, Mike. Projeto de Produto: guia prático para o desenvolvimento de novos produtos. Trad. Itiro Iida. São Paulo, Editora Edgard Blucher Ltda., 1998.
CATTANI, Antônio David (org.). Trabalho e tecnologia: dicionário crítico. Porto Alegre: Ed. Universidade; Petrópolis: Vozes, 1997.
107
Glossário
CLERC, Denis. Dictionnarire de questiones économisques et
sociales. Paris: Les éditions de e’atelier, 1997.
COUTINHO, Luciano e FERRAZ, João Carlos. (coord.) Estudo da
Competitividade da Indústria Brasileira. Campinas: Editora da UniCamp, 1995.
DI BLASI, Clésio Gabriel. A propriedade Industrial. Rio de Janeiro, Editora Guanabara Dois S.A., 1982.
Documento de Referência do Programa Comunidade Ativa: Uma
Estratégia de Indução ao Desenvolvimento Local Integrado e Sustentável. Brasília, 1999.
DOLABELA, Fernando. O Segredo de Luísa. São Paulo, Cultura
Editores Associados, 1999.
EMERICH, Guilherme & BAÊTA, Adelaide M.C. IN FILLION,J &
DOLABELA,F. Boa idéia! Eagora? São Paulo: Cultura Editores
Associados. 2000.
COUTINHO, Luciano et FERRAZ, João Carlos. Estudo da Competitividade da Indústria Brasileira. Relatório de Pesquisa
(Unicamp)
FINEP. Apoio a Gestão da Qualidade - AGQ. IN: NEP-COMP/
01.00/1998. Rio de Janeiro, FINEP, 1998.
FINEP. Apoio a plano de negócios de parceiros tecnológicos.
IN: NEP-PART/01.00/1998. Rio de Janeiro, FINEP, 1998.
FINEP. Apoio ao desenvolvimento tecnológico da empresa
nacional – ADTEN. IN: NEP-COMP/02.00/1998. Rio de Janeiro, FINEP, 1998.
FINEP. Projeto Inovar: Glossário online.
FINEP. Sistema de Indexadores para a FINEP. Rio de Janeiro,
1994.
Glossário
108
FREEMAN, C. e PEREZ, C., in Technical Change and Economic
Theory. London, 1988.
FUNDAÇÃO CHRISTIANO OTTONI. Glossário da Qualidade Total. Elaborado por Alberto Amarante Macedo e Francisco l. Póvoa Filho. Belo Horizonte, Fundação Christiano Ottoni, 1995.
FUNDAÇÃO ESTADUAL DE ENGENHARIA DO MEIO AMBIENTE. Vocabulário Básico do Meio Ambiente, compilado por Iara
Verocai Dias Moreira. Rio de Janeiro, Serviço de Comunicação
Social da Petrobrás, 1990.
GUEDES PEREIRA, Maurício et Al. A Experiência Brasileira. IN:
SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PARQUES TECNOLÓGICOS,
anais, pág. 108-157, Rio de Janeiro, dez 1987.
GUIMARÃES, Fábio Celso de Macedo Soares. A interação entre
pesquisa desenvolvimento e produção industrial no Brasil. Rio de Janeiro. MCT, 1992.
GUIMARÃES, Fábio Celso de Macedo Soares. A Política de Incentivo á Inovação. Rio de Janeiro. FINEP, 2000.
GUIMARÃES, Fábio Celso de Macedo Soares. FINEP. Rio de Janeiro, 2000.
JURAN, J.M. & GRYNA, Frank M. Controle da Qualidade, Conceitos, Políticas e Filosofia da Qualidade. São Paulo, Editora McGraw-Hill Ltda., 1991.
LA ROVERE, Emílio Lèbre, coord. Manual de auditoria ambiental. Rio de Janeiro, Qualitymark Ed., 2000.
LASTRES, Helena M. M & ALBAGLI, Sarita. Informação e Globalização na Era do Conhecimento. Rio de Janeiro: Editora
Campus, 1999.
LEMOS C. Inovação na Era do Conhecimento. IN: Parcerias
Estratégicas, nº8, maio, 2000, MCT.
109
Glossário
LONGO, W.P. Conceitos Básicos sobre Ciência e Tecnologia.
Rio de Janeiro, FINEP, 1996. V.1.
MATOS, Franco de. A Empresa Júnior no Brasil e no mundo.
São Paulo. Martins Claret, 1997 – págs. 21-23
MARTÍNEZ, Eduardo & ALBORNOZ, Mario. Indicadores de ciencia
y tecnología: Estado del arte y perspectivas. Caracas,
Unesco, 1998.
MCKINSEY & COMPANY. Desenvolvimento dos programas de
Ação para o “Cluster” de Biotecnologia em Belo Horizonte: Projeto Cresce Minas. Belo Horizonte, FIEMG/CIEMG/
SESI/SENAI/IEL 1999. 163p.
MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLÓGIA – MCT. Conceitos (Glossário). 1997.
MORAIS, Ednalva Fernandes Costa de. Multiincubação: ampliando o suporte a empreendimentos através da integração da
incubação física e virtual. Brasília: ANPROTEC, SEBRAE, 2001.
NBR ISO8402 – Gestão da qualidade e garantia da qualidade
– Terminologia. Rio de Janeiro, ABNT, jul.1993.
Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1986.
OECD. Frascati Manual. Paris: OCDE, 1993.
OECD. Oslo Manual. Paris: OCDE/Eurostat, 1997.
PALADINO, Gina G. et MEDEIROS, Lucilia Atas, (orgs) Parques
Tecnológicos e meio urbano: artigos e debates. Brasília:
ANPROTEC,SEBRAE, 1997.
PERILO, Sérgio & NASCIMENTO, Paulo. A Tecnologia como Condicionamento do Perfil de um Polo Tecnológico. IN: XVI
SIMPÓSIO NACIONAL DE PESQUISA, anais, Vol. II, PACTo/FEA/
USP, p. G-23 - G-39, Rio de Janeiro, out. 1991.
Glossário
110
SANDRONI, Paulo (org.). Novíssimo Dicionário de Economia.
Ed. Best Seller. 1999.
SOUZA, Eda Castro Lucas de. Empreendedorismo: Competência essencial para pequenas e médias empresas. Brasília:
ANPROTEC,SEBRAE, 2001.
WERKEMA, Maria Cristina Catarino. As ferramentas da Qualidade no Gerenciamento de Processos. Belo Horizonte,
UFMG/EE/Fundação Christiano Ottoni, 1995.
111
Glossário
Glossário
112
Índice
Remissivo
Conceitos Básicos
Agronegócio ou Agroindústria (Agribusiness) – 24
Análise de risco ou Avaliação de risco – 25
Análise de viabilidade – 25
Análise mercadológica ou pesquisa de mercado – 25
Aptidão empreendedora, Espírito empreendedor ou
competência empreendedora – 26
Auto-sustentabilidade – 27
Base de conhecimento – 29
Base de dados e informação – 29
Base tecnológica – 30
Biotecnologia – 30
Bolsa de Negócios – 31
Capacidade empresarial/gerencial, ou Competência empresarial – 33
Capacidade tecnológica ou Competência tecnológica – 33
Capital – 34
Capital de risco (Venture capital) – 34
Capital semente (seed money) – 34
Centros de comercialização – 35
Centro de inovação ou Centro de tecnologia – 35
Centro de pesquisa e desenvolvimento (P&D) ou
instituto de P&D – 35
Certificação – 35
113
Glossário
Ciclo de vida do produto – 36
Comercialização tecnológica – 37
Comércio eletrônico – 38
Conhecimento científico – 39
Consórcio de empresas – 40
Contrato – 40
Convênio – 41
Convênio de apoio técnico e/ou financeiro – 41
Cooperação tecnológica – 41
Cooperação universidade-empresa – 41
Cooperativa de trabalho ou Cooperativa profissional – 41
Copyright – 41
Credenciamento – 42
Cultura empreendedora – 42
Demanda tecnológica – 43
Ecossistema – 45
Educação empreendedora – 45
E-economia ou economia informacional – 45
Empreendedor ou Empresário – 45
Empreendedorismo – 46
Empreendedorismo comunitário – 46
Empreendimento – 46
Empresa de alta tecnologia – 47
Empresa de base tecnológica ou
Empresa baseada no conhecimento – 47
Empresa de setores tradicionais – 47
Empresa de tecnologias agropecuárias – 47
Empresa emergente (Start up) – 47
Empresa – 46
Empresa associada – 46
Empresa graduada – 47
Empresa incubada – 47
Empresa incubada virtual – 48
Empresa júnior – 48
Empresário - 48
Entidade gestora – 48
Glossário
114
Entidade mantenedora – 48
Escritório de transferência de tecnologia – 49
Estratégia – 49
Ética empresarial – 49
Incubação à distância – 59
Incubação de empresas – 59
Indicador de desempenho – 62
Inovação – 62
Inovação tecnológica – 62
Interação universidade-empresa – 63
Intra-empreendedorismo – 63
Licenciamento de tecnologia – 69
Marketing – 71
Meio ambiente – 71
Microempresa – 72
Modernização tecnológica – 72
Monitoração – 73
Organização – 77
Organização não-governamental ou Terceiro Setor – ONG – 77
Outsourcing – 77
Paradigma econômico – 79
Paradigma tecnológico – 79
Parceria institucional – 79
Patente – 80
Payback – 80
Pequena empresa – 80
Pesquisa – 80
Pesquisa aplicada – 80
Pesquisa básica – 81
Pesquisa consorciada ou Pesquisa cooperativa – 81
Pesquisa de mercado – 81
Pesquisa e desenvolvimento experimental– P&D – 81
Planejamento – 81
Planejamento estratégico – 82
Política de desenvolvimento regional – 82
Política tecnológica – 82
115
Glossário
Políticas públicas – 82
Portfólio – 83
Processo – 84
Produtividade – 84
Programa – 85
Programa de capacitação tecnológica – 85
Projeto – 85
Projeto social – 85
Propriedade industrial – 86
Propriedade intelectual – 86
Prospecção tecnológica – 86
Qualidade – 87
Rede de empresas (network) – 89
Rede de inovação – 89
Risco – 90
Sistema nacional de inovação – 91
Sistema produtivo local – 92
Sociedade da Informação ou Sociedade do Conhecimento – 92
Spin-off – 92
Spin-out – 92
Stakeholder – 92
Sustentabilidade – 92
Tecnologia – 93
Tecnologia alternativa – 93
Tecnologia avançada – 93
Tecnologia da informação – 93
Tecnologia de gestão – 94
Tecnologia essencial ou core technology – 94
Tecnologia industrial básica (TIB) – 94
Transferência de tecnologia – 94
Universidade empreendedora – 95
Vale do Silício (Silicon Valley) – 97
Valor agregado – 97
Vantagem competitiva – 97
Vantagem tecnológica – 97
Workshop – 99
Glossário
116
Gestão de Incubadora
Base de dados e informação – 29
Certificação de incubadoras – 36
Comitê técnico de avaliação – 38
Conselho de Administração – 39
Conselho Fiscal – 39
Estudo de viabilidade técnico-econômica - EVTE – 49
Fundo de capital de risco ou Fundo de Investimento de risco – 51
Fundo de investimento – 51
Gerente de incubadora – 53
Gestão da incubadora – 54
Regimento interno ou regulamento interno – 89
Uso compartilhado – 95
Incubadora
Incubação à distância – 59
Incubação de empresas – 59
Incubadora agroindustrial – 60
Incubadora cultural – 60
Incubadora de artes – 60
Incubadora de cooperativa – 60
Incubadora de empresas – 61
Incubadora de empresas de base tecnológica – 61
Incubadora de empresas de setores tradicionais – 61
Incubadora mista – 61
Incubadora setorial – 61
Incubadora social – 61
Incubadora virtual – 61
Pré-incubação – 83
Pré-incubadora – 84
Rede de incubadoras – 89
Parques
Condomínio empresarial ou Condomínio industrial – 39
Parque tecnológico – 80
117
Glossário
Pólos
Agência de transferência de tecnologia – 24
Agropólo – 24
Clube de empreendedores ou Rede de empreendedorismo – 37
Cluster ou aglomeração competitiva – 37
Desenvolvimento econômico regional – 43
Desenvolvimento local integrado e sustentável (DLIS) – 43
Desenvolvimento tecnológico regional – 44
Escola de empreendedores ou Núcleo de empreendedorismo – 48
Habitats de inovação ou ambiente inovador – 57
Pólo – 82
Pólo agroindustrial – 82
Pólo de inovação – 83
Pólo de modernização – 83
Pólo tecnológico ou Pólo de ciência e tecnologia – 83
Revitalização urbana – 90
Tecnópole ou Tecnópolis – 94
Zona de industrialização tecnológica – 101
Pré-Incubação
Balcão de negócios – 29
Hotel de idéias ou Hotel de projetos – Veja Pré-incubação – 57
Pré-incubação – 83
Sistema de incubação
Aceleradora de negócios e empresas – 23
Alavancagem – 24
Análise de risco ou Avaliação de risco – 25
Análise de viabilidade – 25
Análise mercadológica ou pesquisa de mercado – 25
Angel investor – 25
Aumento de capital –Capital de risco (Venture capital) – 27
Capital semente (seed money) – 34
Capitalista de risco ou investidor de risco – 35
Glossário
118
Controle acionário – 40
Edital de seleção de empresas – 45
Equity – 48
Estudo de viabilidade - EVTE – 49
Joint-venture – 65
Love money – 70
Mercado de balcão – 72
Mercado de capitais – 72
Mercado emergente – 72
Plano de negócios – 80
Private Equity – 84
Processo de seleção – 84
Rodada de negócios – 90
Seed money ou Capital semente – 91
Shareholder – 91
Stakeholder – 92
Venture capital ou Capital de Risco – 97
Termos Acessórios
Acordo de cooperação – 23
Aliança estratégica – 25
Análise de produtividade – 25
Aprendizagem organizacional – 26
Atividades de Ciência e Tecnologia (C&T) – 26
Ativo – 26
Ativo circulante – 26
Ativo financeiro – 26
Ativo fixo (ativo permanente) – 26
Ativos intangíveis ou Recursos intangíveis – 27
Ativos tangíveis ou Recursos tangíveis – 27
Ativos tecnológicos – 27
B2B - Business to Business – 31
B2C - Business to Consumer – 31
Balcão de negócios – 29
Banco de idéias – 29
119
Glossário
Barreiras à entrada/saída – 29
Base de dados e informação – 29
Benchmarking – 30
Branding – 31
Break-even – 31
Cadeia de valor – 33
Canal de distribuição – 33
Capacidade de produção – 33
Capacidade instalada – 33
Capital aberto – 34
Capital circulante ou Capital de giro – 34
Capital fechado – 34
Capital humano ou intelectual – 34
Capital social – 35
Certificação ambiental – 36
Chief Executive Officer (CEO) – 36
Chief Financial Officer (CFO) – 36
Chief Investment Officer (CIO) – 36
Chief Technology Officer (CTO) – 36
Cliente – 37
Clima Organizacional – 37
Clipping –37
Commodities – 38
Competência essencial ou
Competência central (core Competence) –38
Competência profissional – 38
Competitividade – 38
Competitividade das nações – 39
Consultor ad hoc – 40
Consultoria – 40
Controle ambiental – 40
Controle ou Gestão da Qualidade – 40
Core business – 41
Corporação rede (Network organization) – 42
Cultura organizacional – 42
Cyberspace – 42
Glossário
120
Diferenciação de produto – 44
Difusão tecnológica – 44
Diversificação – 44
Docente-pesquisador – 44
Downsizing – 44
Empowerment – 45
Fluxo de caixa – 51
Fomento – 51
Fornecedor – 51
Franquia (Franchise) – 52
Fusão (Merger) – 52
Garantia da qualidade – 53
Gatekeeper – 53
Gestão da inovação tecnológica – 54
Gestão de mudança – 54
Gestão de processos ou Reengenharia – 54
Gestão de projetos – 54
Gestão do conhecimento – 54
Gestão tecnológica – 55
Índice de desenvolvimento humano (IDH) – 62
Inovação de produtos e processos tecnológicos (PPT) – 62
Inovação incremental – 62
Inovação organizacional – 62
Inovação radical – 62
ISO - International Standards Organization
(Organização Internacional de Normalização) – 63
Janela tecnológica ou Janela de Oportunidades – 65
Know how – 67
Learning by interacting – 69
Learning by doing – 69
Learning by searching – 69
Learning by using – 69
Learning organization ou Organização que aprende – 69
Logomarca – 70
Marca – 71
Mercado comum – 71
121
Glossário
Merchandising – 72
MERCOSUL – Mercado do Cone Sul – 72
Microcrédito – 72
Nicho de mercado – 75
Nicho ecológico – 75
Padrões (standards) – 79
Padronização – 79
Política da qualidade – 82
Racionalização – 89
Recrutamento – 89
Resultado operacional – 90
Segmento de mercado – 91
Sistema de informação – 91
Sistema de logística – 91
Trainee – 94
Triple helix – 94
Turnkey – 94
Programas e Projetos
Agente Inovar – 24
Comitê Gestor SEBRAE/ANPROTEC – 38
GENESIS (Programa GENESIS) – 53
Programa Bolívar – 85
Projeto Columbus – 85
Projeto Inovar – 85
RHAE – 90
Glossário
122
Ficha de Sugestões, Críticas e Outras Informações
Caso deseje apresentar suas sugestões ou críticas para as futuras edições do Glossário, gentileza enviar esta ficha de inscrição
para o endereço no final da página. Você pode enviar suas sugestões também pela Internet, nos seguintes endereços:
www.anprotec.org.br - www.redeincubar.org.br
Enviar para o seguinte endereço:
Associação Nacional de Entidades Promotoras
de Empreendimentos de Tecnologias Avançadas.
Campus Universitário Darcy Ribeiro – Universidade de Brasília - Faculdade de
Tecnologia - Módulo A1-1 – Caixa Postal 04383 - CEP 70910-900 – Brasília-DF
Tel.: (61) 347-0722 – Telefax: (61) 340-5866
e-mail: anprotec@anprotec.org.br
123
Glossário
Glossário
124
Download

Anprotec - Universidade Federal de Alagoas