III ENI - Encontro Nacional de
Incubadoras
Política e instrumentos de estímulo ao
empreendedorismo
WRC - Curia Tecnoparque
24/04/2013
Francisco Pegado
 francisco.pegado@iapmei.pt
Notas Prévias:
• Âmbito da Actividade do
IAPMEI
• Sistemas/Iniciativas/Programas
actuais
Os Programas em Vigor
O FINICIA
O Programa +e+i – Iniciativa
+ Empresas
Apoio directo aos
Empreendedores
O Programa Valorizar
Fomento de
Ecossistemas
Empreendedores
O Programa de Empreendedorismo de Base Local
O Programa Portugal Empreendedor
O FINICIA
Distinguido como boa prática na área do financiamento a micro e pequenas
empresas pelo SBA da CE, em 2013
EIXO 0
EIXO 1
Capital de Risco
EIXO II Parcerias com a Banca
(Microcrédito e financiamento Early Stage)
EIXO III Fundos Municipais
Garantia Mútua
O Programa + Empresas
O Passaporte para o Empreendedorismo
Âmbito de actuação
Ciclo de Vida da Empresa
Embrionária
Crescimento
Maturidade
Declínio ou Reformulação
Dentro do ciclo de vida da empresa,
o +empresas concentra-se na fase
embrionária, distinguindo-se três
etapas:
Dimensão de
mercado
Arranque
Desenvolvime
nto
Inicial
Ideia
Temp
o
‒
‒
‒
Ideia
Arranque
Desenvolvimento inicial
+E+I
+Empresas
Financiamento - Iniciativas, medidas e instrumentos
Etapas
Ideia
PASSAPORTE PARA O
EMPREENDEDORISMO
Arranque
Desenvolvimento
VALE EMPREENDEDORISMO
+ Qualificado
+I&D
SI EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO
PLATAFORMA IGNIÇÃO
BUSINESS ANGELS
FCR Pré-seed
FCR Early Stage
ESTATUTO IAPMEI INOVAÇÃO
Linhas de Crédito Micro
(IAPMEI)
+Local
+ Social
Empreendedorismo
VALE INOVAÇÂO
Linhas de Crédito Early Stage
(IAPMEI)
FUNDOS MUNICIPAIS (F)
MICROCRÉDITO- MICROINVEST
INVEST +
REEMBOLSO DAS PRESTAÇÕES SEG. SOCIAL
ADIANTAMENTO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO
6
iapmei-dpif-aam
O PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO
Medidas específicas de apoio
 Acesso a Bolsa para o desenvolvimento de projeto empresarial;
 Assistência Técnica no desenvolvimento do modelo de negócio e na execução do
plano de negócios para projetos com um elevado grau de complexidade;
 Acesso a uma Rede de Mentores que forneçam orientação aos empreendedores.
O PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO
Bolsa do Passaporte para o Empreendedorismo
•
incentivo mensal no valor de 691,70 euros, por promotor, a atribuir a jovens que pretendam
desenvolver o seu projeto empresarial que se encontre em fase de ideia.
•
atribuídas por um período mínimo de 4 meses e até ao máximo de 12 meses.
•
Existirá uma avaliação intercalar no final de um período inicial de 4 meses.
Serão atribuídas até um máximo de três bolsas por projeto empresarial.
O PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO
Mentoria
A Mentoria é o aconselhamento empresarial por empreendedores, e outros profissionais, com
experiência, a beneficiários do Passaporte para o Empreendedorismo.
Está disponível durante o período de Bolsa e é atribuída pelo IAPMEI, tendo em conta as
necessidades do projeto empresarial.
O PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO
Assistência Técnica
A Assistência Técnica especializada compreende as seguintes atividades:
• Validação da tecnologia, incluindo prototipagem;
• Serviços de transferência de tecnologia e apoio à internacionalização;
• Consultoria para utilização de normas, equipamento e serviços de ensaio;
• Consultoria especializada para patentes internacionais;
• Consultoria para coaching de plano de negócios;
• Consultoria para estudos de mercado e prospeção;
• Intermediação na procura de parceiros financiadores ou empresariais.
Está disponível a partir do 5º mês de Bolsa e é atribuída mediante decisão de um Júri.
O PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO
Candidaturas recebidas e Candidaturas aprovadas
Fase
Fase 1
Fase 2
Fase 3
Total
Projetos
261
141
135
537
Candidatos
397
228
205
830
Passaportes
Projetos
atribuídos
Aprovados
168
99
89
44
78
45
335
188
Taxa de aprovação dos candidatos: 40%
Taxa de aprovação dos projetos: 35%
011
O PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO
Mais informações:
www.ei.gov.pt/passaporte
www.redenacionaldementores.pt
Questões:
info@ei.gov.pt
012
012
Programa Valorizar
um objetivo estratégico
Programa de políticas públicas integradas de estímulo à atividade
económica produtiva de base regional e local que favoreça o
crescimento económico sustentável, a competitividade e o emprego e o
investimento empresarial, numa lógica de coesão territorial, num
horizonte temporal alargado, convergente com o novo período de
programação de instrumentos comunitários (2014/2020)
1. Sistema de Incentivos de Apoio Local a Microempresas
2. Linha de Financiamento INVESTE QREN para territórios de
interioridade
3. Reforço do mérito regional dos Sistemas de Incentivos às
empresas do QREN
4.
Rede Nacional de Parcerias Territoriais de Apoio ao Desenvolvimento Económico e Social
5.
Estratégias Territoriais para o ciclo de financiamento comunitário 2014-2020
6.
Relatório do Estado da Coesão Territorial
7.
Prémio para o Desenvolvimento Regional
1.
Sistema de Incentivos de Apoio Local a Microempresas
2.
Linha de Financiamento INVESTE QREN para territórios de interioridade
3.
Reforço do mérito regional dos Sistemas de Incentivos às empresas do QREN
4. Rede Nacional de Parcerias Territoriais de Apoio ao
Desenvolvimento Económico e Social
5. Estratégias Territoriais para o ciclo de financiamento
comunitário 2014-2020
6. Relatório do Estado da Coesão Territorial
7. Prémio para o Desenvolvimento Regional
Incentivos a Microempresas
do Interior
Beneficiários
microempresas com VN até 2M€ em territórios interiores de Regiões
de Convergência e Algarve, com AF pós-projecto acima de 0,15.
Investimento
projectos até 18 meses até 5 mil euros de despesa elegível, entre 5
mil e 25 mil euros em freguesias não rurais criação de postos de
trabalho.
Incentivo
50% do investimento elegível postos de trabalho (+50% para jovens
entre 18 e 30):
- sem secundário – 419,22€/12 meses
- secundário – 524,025€ idem
- licenciatura ou + – 691,713€
Pagamento
Investimento: 50% na celebração do contrato, restante passados 6
meses (prorrogável).
Postos de trabalho: 50% após o primeiro mês do contrato, 12 meses
após 1º pagamento.
Reforço Investe QREN
Beneficiários
Empresas com projectos aprovados no âmbito do QREN,
localizadas nos territórios com problemas de interioridade.
Tipo de investimento
Contrapartida nacional, custos não elegíveis, fundo de
maneio necessário ao investimento.
Condições
Empréstimos até 8 anos, 2 anos de carência, para Leasing
imobiliário e de equipamentos.
Taxas de juro entre 4,369% e 4,969%, garantia mútua de 50%,
amortizações constantes, trimestrais e postecipadas.
Instituições
CGD, BES, BPI, CCA, Montepio, Deutsch Bank + SPGM,
COMPETE e IFDR.
Reforço do Mérito Regional
nos SI do QREN
Majoração na apreciação de projectos QREN
• Reforço do foco regional das intervenções.
• Integração de necessidades e prioridades de
desenvolvimento de cada região.
Rede Nacional de Parcerias
Quem?
Para quê?
IFDR, CCDR e CIM/AM
Apoio ao desenvolvimento
económico e social das regiões, em
áreas como:
• Empreendedorismo
• Atracção de investimento
• … …,
com ligação transversal aos
organismos nacionais da economia
e do emprego.
Com:
Associações Empresariais.
Agências de Desenvolvimento
Regional.
Centros de Saber.
Redes formais e informais de
cooperação.
Instituições e serviços de apoio
nacionais.
Capacitação de agentes, partilha de
práticas, ferramentas e projecto.
Preparar implementação de
estratégias de desenvolvimento
territorial no próximo QREN.
Estratégias territoriais
2014-2020
Quem?
O quê?
Redes de parcerias.
•Planos Estratégicos (por NUT II).
•Planos Estratégicos (por CIM/AM).
•Alinhamento de recursos e
instrumentos territoriais.
Relatório do Estado da
Coesão Nacional
Objectivos:
• Monitorizar a coesão territorial para leitura sistemática da
situação.
• Criar indicadores de assimetrias territoriais que permitam
(re)definir políticas públicas de correcção.
• Permitir aos territórios um “benchmarking” mais claro da sua
situação face ao contexto nacional.
Prémios de
Desenvolvimento Regional
Objectivos:
•Reconhecimento do mérito e incentivo à maximização de
resultados.
•Visibilidade dos exemplos, para efeitos de disseminação.
Tipologia:
• Financiamento a actividades relacionadas:
– Demonstração de resultados.
– Formação especializada ou conhecimento de experiências
em actividades congéneres.
• Participação em eventos ou feiras/mostras.
Medidas
Dotação
Calendário
Metas
Incentivos a Microempresas
38,5 M€
15 Fevereiro
Bimestral
1250 – 5000 empresas
1250 – 10 000 novos PT
Reforço Investe QREN
200 M€
Aberto
Em contínuo
500 empresas
Reforço Mérito Regional
Março 2013
Redes de Parcerias
11,8 M€
Maio 2013
Estratégias Territoriais
4,1 M€
A partir de Março 2013
(faseado)
1 Rede Nacional
5 Regionais
1 Local x CIM/AM
5 Planos Regionais
1 Plano Intermunicipal x CIM/AM
Relatório de Coesão Social
Discussão do 1º Relatório
Junho 2013
1 Relatório
Prémio de Desenvolvimento
Regional
A partir de Março 2013
Prémios Regionais
Programa Valorizar
Portaria nº 68/2013, de 15 de Fevereiro
www.pofc.qren.pt
EMPREENDEDORISMO DE BASE LOCAL
Horizonte Temporal: 2013
CIM Médio
Médio
CIM
CIM
Tejo
Tejo
Tagus
Associações
Tagus
Locais
Valley
Valley
Escolas
Municípios
Municípios
Infrestruturas
Nersant
Nersant
Tecnológicas
IPT
Municípios
Centros
de
Centros de
Centros
de
Emprego
Emprego
Emprego
…e outros…
EMPREENDEDORISMO DE BASE LOCAL
Divulgação/Sensibilização
Mapeamento
de
oportunidades
Informação e orientação
Ateliers de ideias
Banca Interna
Mercado
de ideias
FIE
Serviços
Complementares
SIM
Redes de Cooperação
Serviços de Incubação
Apadrinhamento
Mentoria
Formação-acção
Plano de Negócios,
Estudo de Viabilidade e
Consultoria de
Arranque
Montagem operação
Banca Externa
Galeria de
Negócios
Consultoria de
consolidação
de financiamento
EMPREENDEDORISMO DE BASE LOCAL
Visão de Futuro
Ecossistema empreendedor
Educação para
Empreendedorismo
 Escolas
 Divulgação
 Animação
 Comunicação
Empreendedorismo
Empresarial
 Capacitação de agentes locais
 Assistência técnica para constituição de
novas empresas
 Financiamento de novos projectos
 Acompanhamento de Empresas
Rede de parcerias e sistema de informação
Portugal Empreendedor
Portugal Empreendedor
Redes integradoras:
Rede Nacional de Parcerias Territoriais de Apoio
Rede Nacional de Mentores
Rede Nacional de Assistência Técnica
Portugal Empreendedor
Lógicas de Trabalho
As três redes a constituir emergem de vários setores
institucionais de natureza pública e privada, com enfoque nos
seguintes:
• Rede Nacional de Parcerias Territoriais de Apoio, alavancada
pelas CIM e AM em cooperação com entidades locais.
• Rede Nacional de Mentores, alavancada pelas Associações
Empresariais e pelas empresas;
• Rede Nacional de Assistência Técnica, alavancada pelas
Incubadoras, Infraestruturas Tecnológicas e outras entidades do
SCTN.
Portugal Empreendedor
Rede Nacional de Mentores
Rede constituída por profissionais de reconhecida experiência e
mérito empresariais, designados mentores, que disponibilizam, de
forma voluntária e pro bono, o acompanhamento de novos
empreendedores que estejam a desenvolver as suas ideias de
negócio e projetos empresariais. A sua dinamização e
coordenação competem ao IAPMEI por força da Portaria 370A/2012, de 15 de Novembro, que institui o Programa “Passaporte
para o Empreendedorismo”.
Portugal Empreendedor
Lógicas de Trabalho
Rede Nacional de Assistência Técnica:
Constituição de uma Rede Nacional de organismos técnicos
especializados para fornecerem assistência técnica remunerada
aos empreendedores nas várias vertentes dos projetos
empresariais, nomeadamente: elaboração do plano de negócios,
estudos de viabilidade tecnológica e de mercado, teste, validação
e prototipagem, certificação, etc, ajudando-os na materialização
dos seus projetos empresariais. A sua dinamização e coordenação
competem ao IAPMEI por força da Portaria 370-A/2012, de 15 de
Novembro, que institui o Programa “Passaporte para o
Empreendedorismo”.
Portugal Empreendedor
As redes
As três redes constituem-se ainda como pilares estruturantes e facilitadores
transversais da implementação de Programas como o “Passaporte para o
Empreendedorismo”, “Impulso Jovem”, “Vale Empreendedorismo” e Programa
“Valorizar” na sua vertente de promoção do empreendedorismo, contribuindo
para a criação de emprego, coesão territorial, competitividade e
desenvolvimento económico e social sustentável.
As três redes serão coordenadas, articuladas entre si, e dinamizadas pelo
IAPMEI em colaboração com os seus parceiros institucionais e são colocadas,
no seu conjunto, ao serviço do ecossistema nacional de empreendedorismo.
III ENI - Encontro Nacional de
Incubadoras
Política e instrumentos de estímulo ao
empreendedorismo
WRC - Curia Tecnoparque
24/04/2013
Francisco Pegado
 francisco.pegado@iapmei.pt
Download

Francisco Pegado, IAPMEI