HOSPITAL REGIONAL ANTONIO DIAS
Patos de Minas - MG
Relato de Experiência:
GERÊNCIA DE RISCO HOSPITALAR
HRAD/FHEMIG
Priscila Portes Almeida
Gerente de Risco
Enfermeira
Histórico:
O HRAD foi inaugurado em 1930 em Patos de Minas - MG. E desde
1977 faz parte da rede hospitalar FHEMIG.
Criada em 1977, a FHEMIG - Fundação Hospitalar do Estado de
Minas Gerais é hoje a maior rede de hospitais públicos da América
Latina.
Além da Administração Central e o Complexo MG Transplantes, a
FHEMIG, mantém 20 unidades assistenciais. Vinculada à SES –
Secretaria do Estado de Saúde Minas Gerais, presta serviços de
complexidade secundária e terciária, exclusivamente para o SUS.
O HRAD é referência na macrorregião noroeste (30 municípios) nos serviços
de Urgência e Emergência (pediatria, clínica médica, cirurgia geral, ortopedia,
toxicologia, neurologia, neurocirurgia e ginecologia e obstetrícia).
Atende uma população superior a 600 mil habitantes.
Presta atendimento ambulatorial eletivo.
A Unidade tem convênios com instituições de ensino técnico e superior na
formação de profissionais na área de saúde e Residência Médica em Cirurgia
Geral, Ginecologia e obstetrícia e Anestesiologia.
Conta com 107 leitos operacionais.
Em 2011 foi Acreditado ONA nível 1.
A criação do cargo de Gerente de Risco
Sanitário Hospitalar no HRAD ocorreu em
2008, no mesmo período o hospital
integrou-se a Rede de Hospitais
Colaboradores da Rede Sentinela.
Gerência de Risco Hospitalar - GRH
As diretrizes de trabalho da GRH são pautadas na avaliação dos
risco inerentes às atividades de cada setor com a padronização
de condutas que minimizem a ocorrência dos mesmos.
Domínios de Risco monitorados:
Assistencial
Sanitário
Ambiental
Civil
Ocupacional
Financeiro
Para gestão dos riscos, cada setor, conta com
uma matriz de risco que descreve:
os riscos inerentes (por domínio)
como a falha se manifesta
modo de prevenção
contingência
probabilidade de ocorrência
indicador que monitora
Matriz de Risco
Atividade
crítica
Busca Ativa e
notificação de
queixa técnica
relacionada à
medicamento
Tarefas
POP
POP
GRH
001
PRS
GRH
002
PRS
GRH
003
Como a falha
se manifesta
Permanência
e utilização
do
medicamento
com desvio
de qualidade
no hospital
Causas
da falha
Subnotificação
Falha no
processo de
investigação
Falta de
orientação
aos
colaborador
es sobre o
processo de
notificação
Problema
INICIAL
Utilização do
medicamento
com desvio
de qualidade
no hospital
Problema
FINAL
Inefetividade
terapêutica
Óbito
Matriz de Risco
continuação
Risco
Assistencial
Civil
Financeiro
Gravidade
Fatal ou
incapacitante/4
Probabilidade
Baixa/1
Gravidade +
probabilidade
5
Forma de
Prevenção
(POP/PRS/
PRQ)
POP GRH
001
PRS GRH
002
PRS GRH
003
Identificação e Monitoramento
NOTIFICAÇÃO: notificação de Eventos Adversos e Queixas
Técnicas e análise de registro em prontuário.
As notificações de Eventos Adversos e Queixas Técnicas são
analisadas e compiladas mensalmente, através de indicadores, que
são encaminhados aos setores do hospital, para conhecimento e
providências.
Após análise, as notificações são enviadas ao NOTIVISA.
Formulário de
Notificação de
Queixa Técnica
Planilha de Notificação de Eventos Adversos
As QUEIXAS TÉCNICAS notificadas são avaliadas e
comunicadas ao setor responsável pela compra (HRAD ou
FHEMIG), para o acionamento da empresa responsável.
Os EVENTOS ADVERSOS são investigados e discutidos em
uma comissão multidisplinar para identificação da causa raiz e
tomada de decisão.
A GRH efetua a comunicação ao NOTIVISA.
Todos os eventos adversos e queixas técnicas são monitorados
e acompanhados por indicadores e analisados criticamente. Esta
analise é enviada aos setores mensalmente.
A GRH realiza busca ativa em prontuários para
farmacovigilância, tecnovigilância, hemovigilância e
identificação de eventos adversos assistenciais.
São acompanhados os alertas e informes da ANVISA.
A GRH realiza discussões internas com os setores, direção,
DIRASS e vigilância sanitária local para aprimorar a
minimização da ocorrência de riscos. Os indicadores de
resultado e processo, coletados mensalmente, nos permite
uma análise sistêmica dos riscos da instituição, portanto, há
uma integração interdisciplinar que são registradas através
de atas de reuniões e grupos de melhorias.
INDICADORES GRH
Percentual de queixas técnicas e eventos adversos passíveis de
notificação e encaminhadas a ANVISA
Densidade de incidência de Eventos Adversos
assistência
relacionados a
Densidade de incidência de Eventos Adversos relacionados a
Fármacos
Densidade de incidência de Eventos Adversos relacionados a
Material Médico e Equipamentos
Taxa de reações transfusionais relacionados a Hemoterapia
Para o indicador com meta não atingida é traçado um
plano de minimização de riscos para cada equipe
envolvida.
O plano de ação tem prazo agendado para finalização da
ação.
Este plano de ação é monitorado pelo Núcleo da
Qualidade e pela Gerencia de Risco, tendo em vista que a
Gerencia de Risco também participa na finalização e
execução da ação.
Principais Ferramentas de
Gestão da Qualidade
 Revisão de prontuário
 Gestão por indicadores
 Controle estatístico dos processos de
trabalho
 Discussão dos casos
Prevenção/Contingência
POP/PRS
Legislação
Protocolos
(Ex: CSSV em implantação; sepse; feridas e etc.)
Treinamentos
Planos de ação
Matriz de risco
Comissão de Eventos Adversos
Comunicação com DIRASS e fabricantes.
Para otimização do processo de notificação, a GRH elaborou um
projeto de Notificação eletrônica, através do SIGH (Sistema de
Gestão de informação) que é usado em toda instituição.
O projeto foi apovado pela Dirass e etá em fase de definição dos
campos.
Obrigada pela atenção!
Priscila Portes Almeida
HRAD/FHEMIG
(34) 3818-6010
(34) 9244-8579
hrad.grisco@fhemig.mg.gov.br
Download

Priscila Portes - GR Hospital Antônio Dias