1
2
•Psicólogo
Clínico formado pela Universidade Presbiteriana
Mackenzie
•Extensão
em Práticas Clínica Contemporâneas.
•Diversos
trabalhos clínicos e seminários em Treinamento de
Habilidades Sociais e Sexualidade e suas disfunções.
•Seminários
e parceria com Sites de Relacionamentos
3
•Compreender
•Entender
•Levar
as origens sexuais humanas
as teorias de seleção sexual
em conta aspectos sócio-biológicos e não apenas psíquicos.
•Aprimorar
o conhecimento para melhor instruir pacientes
4
Sexo é responsável por criar adaptações
Se um de nossos antepassados tivesse falhado em selecionar
um parceiro apropriado ou tivesse falhado em atrair um
parceiro ou de mantê-lo tempo suficiente pra se reproduzirem,
nós não estaríamos aqui
Descendentes de pessoas de sucesso.
“...o sexo está no coração do processo evolutivo...”
David Buss
5
Seleção de um parceiro fértil
Ganhar a competição de atração dos rivais do mesmo sexo
Bloquear aqueles que querem roubar seu parceiro
Não deixar o parceiro ir embora
manter todos os comportamentos sexuais e sociais necessários
para a concepção , nascimento e crescimento do bebê.
6
Teoria da seleção sexual – competição, geralmente entre
machos.
O vitorioso ganha a preferência sexual das fêmeas.
Os perdedores não conseguem se acasalar, então a
qualidade que leva o vencedor ao sucesso é passada para a
próxima geração e as qualidades do perdedor não.
Essas competições não são sempre combate direto. Machos
competem por hierarquia, status, dominância, território.
7
Teoria do Investimento Parental (Trivers, 1972):
O sexo que investe mais nos filhos que o outro é mais exigente
na escolha do que o que investe menos.
Em espécies onde há gestação interna feminina, quanto
maior o período de gestação, maior a exigência.
Uma gestação de 9 meses é o investimento mínimo necessário
para a mulher para produzir uma criança, enquanto no
homem o investimento mínimo é de uma ejaculação.
8
Não temos apenas uma estratégia de acasalamento:
Uma delas é o compromisso a longo prazo, em muitas vezes
assumindo um compromisso público (casamento).
Os dois sexos investem pesado em qualquer filho que vier, o
que, pela teoria do investimento parental, torna os dois muito
seletivos na escolha de seus parceiros de longo prazo.
9
Pontos atuais:
Mulher
diferente papel frente a sociedade e ao sexo.
Mais competitiva e assertiva.
Homem
confusão e conflitos de seus papéis
incerteza quanto a assertividade ou passividade
10
11
Desejo
Fantasias acerca da atividade sexual e desejo de ter
atividade sexual.
Pode ser dividido:
Impulso - componente biológico, hormonal. Há necessidade
e saciação.
Motivação – ‘Apetite’ despertado por imagem,
comportamento, situação, etc.
Querer – Outros motivos (ex: contentar parceiro, dever)
12
Desejo
Parafilia - caracterizadas por anseios, fantasias ou
comportamentos sexuais recorrentes e intensos que envolvem
objetos, atividades ou situações incomuns e causam
sofrimento clinicamente significativo ou prejuízo no
funcionamento social ou ocupacional ou em outras áreas
importantes da vida do indivíduo. (DSM-IV)
Cabe notar que as noções de desvio, padrões de
desempenho sexual e conceitos de papel apropriado para o
gênero podem variar entre as culturas.
13
Desejo
Características Diagnósticas
As características essenciais de uma parafilia consistem de
fantasias, anseios sexuais ou comportamentos recorrentes,
intensos e sexualmente excitantes, em geral envolvendo
1) objetos não-humanos;
2) sofrimento ou humilhação, próprios ou do parceiro, ou
3) crianças ou outras pessoas sem o seu consentimento, tudo isso
ocorrendo durante um período mínimo de 6 meses (Critério A).
Exibicionismo
Fetichismo
Pedofilia
Masoquismo
Sadismo
Fetichismo Transvéstico
Voyeurismo (…)
Desejo
Transtornos da Identidade de Gênero - caracterizam-se por uma forte
identificação sexual com o gênero oposto, acompanhada por
desconforto persistente com o próprio sexo atribuído.
Transtorno do desejo sexual hipoativo
A característica essencial do Transtorno de Desejo Sexual
Hipoativo é uma deficiência ou ausência de fantasias
sexuais e desejo de ter atividade sexual (Critério A). A
perturbação deve causar acentuado sofrimento ou
dificuldade interpessoal. (DSM-IV)
Transtorno de Aversão Sexual
Sofrimento causado pela premente necessidade de evitação de
oportunidades e de encontros sexuais com parceiros, devido a
sensações de desagrado, de medo, de "nojo", de repulsa e de
perigo iminente.
14
Excitação
Transtorno da Excitação Sexual Feminina
Incapacidade persistente ou recorrente de adquirir ou manter uma
resposta de excitação sexual adequada de lubrificaçãoturgescência até a conclusão da atividade sexual (Critério A). A
resposta de excitação consiste de vasocongestão da pelve,
lubrificação e expansão vaginal e turgescência da genitália
externa. A perturbação deve causar acentuado sofrimento ou
dificuldade interpessoal (Critério B).
Transtorno Erétil Masculino
Incapacidade persistente ou recorrente de obter ou manter uma
ereção adequada até a conclusão da atividade sexual (Critério A).
A perturbação deve causar acentuado sofrimento ou dificuldade
interpessoal (Critério B).
15
Orgasmo
Transtorno Orgásmico Masculino / Feminino
Atraso ou ausência persistente ou recorrente de orgasmo, após
uma fase normal de excitação sexual. Ao julgar se o orgasmo é
atrasado, o clínico deve levar em consideração a idade do
indivíduo e se a estimulação é adequada em termos de foco,
intensidade e duração (Critério A). A perturbação deve causar
acentuado sofrimento ou dificuldade interpessoal (Critério B).
Ejaculação Precoce
Início persistente ou recorrente de orgasmo e ejaculação com
estimulação mínima antes, durante ou logo após a penetração e
antes que o indivíduo o deseje (Critério A). O clínico deve levar em
consideração fatores que afetam a duração da fase de excitação,
tais como idade, novidade da parceira sexual ou situação e
freqüência recente da atividade sexual. (...)(Critério B).
16
Resolução
Esta fase consiste de uma sensação de relaxamento muscular e
bem-estar geral. Durante esta fase, os homens são fisiologicamente
refratários a outra ereção e orgasmo por um período variável de
tempo. Em contrapartida, as mulheres podem ser capazes de
responder a uma estimulação adicional quase que imediatamente.
17
TRANSTORNOS DE DOR SEXUAL
Dispareunia
Dor genital associada com o intercurso sexual (Critério A). Embora a dor seja
experimentada com maior freqüência durante o coito, ela também pode
ocorrer antes ou após o intercurso.
O transtorno pode ocorrer tanto em homens quanto em mulheres. Em
mulheres, a dor pode ser descrita como superficial, durante a penetração,
ou profunda, durante as investidas do pênis. A intensidade dos sintomas
pode variar desde um leve desconforto até uma dor aguda.
A perturbação deve provocar acentuado sofrimento ou dificuldade
interpessoal (Critério B).
Vaginismo
Contração involuntária, recorrente ou persistente, dos músculos do
períneo adjacentes ao terço inferior da vagina, quando é tentada
a penetração vaginal com pênis, dedo, tampão ou espéculo
(Critério A).
A perturbação deve causar acentuado sofrimento ou dificuldade
interpessoal (Critério B).
18
Todos os transtornos tem como critério exclusivo se ele for melhor explicado
por outro transtorno do Eixo I (pânico, agorafobia, depressivo recorrente,
etc) ou se deve a algum efeito fisiológico ou medicamentoso.
Para as disfunções sexuais existem subtipos como: ao longo da vida,
adquirido, etc. Consulte o DSM-IV.
19
20
Algumas causas psicológicas:
•situações
traumáticas de abuso sexual
•Insegurança quanto ao papel sexual
•mensagens anti-sexuais durante a infância
•Informação sexual inadequada
•comportamento sedutor por parte dos pais
•dificuldade em unir amor com sexo na mesma pessoa
(esposa X prostituta)
•culpas,raivas entre o casal,
•competição temida com o pai ou mãe,
•Repressão religiosa
21
Reestruturação Cognitiva:
RPD
Seta Descendente
Questionamento Socrático
Identificar os pensamentos automáticos disfuncionais que
possam influenciar nos transtornos sexuais.
Treinamento de respiração e relaxamento muscular
progressivo – para os casos em que há ansiedade envolvida.
Exposição-Gradual
22
Educação Sexual:
Além de minimizar a ansiedade, instrui o indivíduo sobre as
práticas sexuais.
-Focar
na experiência, prazer. Não no resultado.
-Tirar o foco do ato (ou ereção) em sí.
-Poder falar de sexo
-Momento em que ocorre o sexo (cansaço, etc)
-Drogas (álcool, remédios, drogas ilícitas, anabolizantes,
viagra)
-Importância das preliminares.
-Modificar estilo de vida destrutivo.
Técnicas Eróticas:
Foco sensível I – Pleasuring
23
Técnicas Eróticas:
Foco sensível II
Coito Não-exigente
24
Técnicas Eróticas:
Exercícios do músculo Pubococcígeo
Para tomar consciência do músculo:
Iniciar e parar de urinar.
Exercício:
Contrair e soltar – 3 séries de 10. Duas vezes ao dia.
25
Técnicas Eróticas:
Exercícios para Impotência:
Causas Diádicas – lutas por poder, decepção, transferências infantis,
entre outras.
Fatores emocionais – ansiedade de desempenho, medo de rejeição,
antecipação da impotência, preocupação exagerada com o prazer da
mulher, culpa.
-Foco
Sensível I e II
-Ereção sem orgasmo
-Orgasmo Extravaginal (estimulação manual ou oral)
-Coito
26
Técnicas Eróticas:
Exercícios para Impotência:
Estrangulamento – pode reobter uma ereção ‘perdida’
Mulher estrangula o pênis logo abaixo da glande até retrair a ereção.
Faz isso repetidas vezes.
Todas as técnicas comportamentais devem ser administradas juntamente
com as técnicas cognitivas para ter um resultado mais efetivo.
27
Buss, D. The Evolution of Desire, 2003
DSM – IV
Masters e Johnson. Human Sexual Inadequacy.
1970
Kaplan, Helen S. Manual Ilustrado de Terapia
Sexual. Editora Manole, 1978.
OBRIGADO PELA ATENÇÃO
Daniel Donadio de Mello
danielmello@clinicadialetica.com
(11) 5072-9875
(11) 8266-5693
28
Download

Disfunções Sexuais