“Cefaléia e DTM:
O que é o que?”
18° CIORJ - 2007
Norma Fleming
Neurologista
Coordenadora Ambulatório de Cefaléia UERJ
Coordenadora do Grupo de Trabalho de Cefaléia e Dor da
ANERJ
Definições

Cefaléia – Dor de cabeça
 Dor localizada acima da linha orbitomedial

Divide-se em primária e secundária

Primária – é aquela que por si só é a própria
doença (migrânea, cefaléia do tipo tensional,
etc...)

Secundária – é a cefaléia que faz parte dos
sintomas de uma doença
Definições

DTM

DTM constituem numerosos problemas
clínicos envolvendo: musculatura
mastigatória, articulações
temporomandibulares e estruturas
associadas.

As DTM dividem-se em: desordens
musculares e desordens articulares ou
ambas
DTM

O sintoma mais comum é dor, localizada nos
músculos mastigatórios, área pré-auricular ou
ATM, que piora com a função mandibular.
Esta dor pode ser: facial e cefaléia.

Esta cefaléia é primária ou secundária?
DTM

Classificação das cefaléias e dores
craniofaciais – 1988

A cefaléia da DTM era considerada


Cefaléia Primária – código 2.3.0.2

Cefaléia secundária – código 11.3
Por quê?

Nesta época achava-se que
• a DTM miofascial era um dos tipos da cefaléia primária
do Tipo tensional
• A DTM articular era uma cefaléia secundária, isto é,
fazia parte dos sintomas desta DTM
Revisão
Cefaléia e DTM
Magnusson e Carlsson
1978- Suécia

DTM (n=80) vs Controle (sem DTM)(n=80)

DTM

Cefaléia em 78%♀ e 59%♂

Cefaléia diária em 8%

Uso excessivo de analgésico (1x/semana
ou mais) em 23%

MAGNUSSON T, Carlsson G. Swed Dent J, 1978, 2: 85 – 92.
Cefaléia e DTM
Reik 1981-UCON

100 pacientes com cefaléia- 11 com DTM

9♀ e 2♂

Cefaléia hemicraniana não responsiva ao
tratamento: Migrânea, Dor Facial Atípica ou
formas atípicas de CTT → avaliar DTM
REIK L, Hale M. Headache, 1981, 21: 151 –
Cefaléia e DTM
Kemper 1983-Kentuck

DTM (n=141) vs Controle (sem DTM)(n=159)

DTM – cefaléia em 68,1% pelo menos 1 x/semana

Não diagnosticou a cefaléia

KEMPER JT, Okeson JP. The Journal of Prosthetic Dentistry, 1983, 49 (5): 702
– 705.
Cefaléia e DTM
Bittencourt 1996 -Kentuck

DTM (n=40) vs Controle (n=40)

CIC 1988

Migrânea = 24% (8% 1ª e 16% 2ª)

CTT = 76% (46% 1ª e 30% 2ª)

TESE, 1996
Cefaléia e ATM –
S. Graff- Radford 1997

Há evidência significativa de que a dor pode
melhorar muito com abordagens não
farmacológicas

Há necessidade de classificação de DTM
aceitável e testada.
RADFORD SB. Headache and the Temporomandibular Joint. In: Blue Books of Practical Neurology Headache,
Editors: Peter J. Goadsby / Stephen D. Silberstein,1997, cap 23: pg 383-391.
Cefaléia e ATM –
S. Graff- Radford 1997

Pode a dor crônica proveniente da DTM ativar
centros no SNC causando Migrânea e CTT?

Podem eventos no SNC que iniciam a
migrânea produzir nocicepção periférica,
fazendo com que estes problemas mecânicos
ficassem dolorosos?
RADFORD SB. Headache and the Temporomandibular Joint. In: Blue Books of Practical Neurology Headache,
Editors: Peter J. Goadsby / Stephen D. Silberstein,1997, cap 23: pg 383-391.
Cefaléia e DTM
Liljeström 2001- Finlândia

Associação de diferentes tipos de cefaléia
com DTM em crianças

N=297 entre 13 e 14 anos

Não houve diferença estatística, embora
Migrânea e cefaléia tipo migrânea tenham
tido maior percentagem de sinais de DTM

Não houve associação de CTT e DTM
LILJESTRÖM MR, Jämsä T, Le Bell Y, Alanen P, Anttila P, Metsähonkala L,
Armaa M, Sillanpää.. Acta Odontol Scand 2001; 59: 413 – 417.
DTM - 2004


Na revisão de 2004 a cefaléia da DTM
ficou classificada como cefaléia
secundária – 11.7
Por quê?
•
Houve evolução no conhecimento
fisiopatológico das cefaléias, das dores
orofaciais e das DTM
• As cefaléias primárias Migrânea e CTTE
e CTTC são co-morbidades
Mecanismos
Nociceptive impulses
from trigeminal nerve
entering N.caudalis
Nucleus
trigeminalis
caudalis
Nociceptive impulses
from cervical nerve
entering N.caudalis
O que é Migrânea ou
Enxaqueca?

Cefaléia recorrente, em
crises de 4 a 72 h

Migrânea crônica
durando15 dias/mês

Dor típica:

Unilateral

Pulsátil



Intensidade moderada
ou forte
Exacerba com atividade
física rotineira
Associada com náusea
e/ou fotofobia e
fonofobia
O que é CTT Episódica?

Cefaléia mais comum

Infreqüente –


Freqüente


< 12 dias/ano
 1 dia, porém <15 dias
Dor típica:

Bilateral

Pressão ou aperto

Intensidade fraca a
moderada

Sem náusea

Fotofobia ou fonofobia
O que é CTT Crônica?


 15 dias/mês, por > 3
meses
Dor típica:

Bilateral

Pressão ou aperto



Intensidade fraca a
moderada
Sem náusea
Fotofobia ou
fonofobia
Conclusão

Podemos entender que as cefaléias
primárias encontradas na DTM,
migrâneas e CTTC, seriam
etiologicamente distintas,

porém 
Conclusão

Poderíamos hipotetizar, como já mencionado
por outros autores (CAWSON 1986, CADY
2002, OKESON 2005), que a dor da DTM
poderia ser um disparador da crise de
migrânea, naqueles pacientes já portadores
desta cefaléia
ou com predisposição
genética para migrânea
Norma Fleming – Tese 2007
Obrigada
nfleming@unisys.com.br
Download

DTM - (LTC) de NUTES