Aula 5. Diversidade e
Agrobiodiveridade
Agroecologia
Módulo 1
Profª. Chayane C. de Souza
Diversidade e biodiversidade
Biodiversidade é um termo amplo que indica a
variabilidade de organismos vivos de todas as
origens, compreendendo todos os ecossistemas e
complexos ecológicos, englobando também a
diversidade dentro das espécies e de ecossistemas
(CDB, 2006).
A diversidade pode ser medido em escalas:

Diversidade alfa: diversidade de espécies em um
local especifico;


Diversidade beta: entre comunidades e habitats;
Diversidade gama: medida como espécies em uma
região.
Agrobiodiversidade
Sistemas agroecológicos, por sua vez, promovem e
relacionam-se com a agrobiodiversidade, dentro de
um processo de relações e interações entre
aspectos socioculturais, manejo ecológico dos
recursos naturais e manejo integrado dos
agroecossistemas, que dá origem à noção de
sustentabilidade social, econômica e ecológica.
A agrobiodiversidade, entendida como a interação
entre ambiente, recursos genéticos e sistemas de
gestão e práticas utilizadas pelas populações
culturalmente diversas, resultando então em
diferentes formas de uso da terra e água para a
produção, também conta com avanços
consideráveis. Como exemplo, podemos citar a
incorporação e utilização de recursos genéticos,
insumos básicos para o desenvolvimento de
cultivares, raças animais e microrganismos de
grande importância para os setores agroalimentar e
agroindustrial.
Enquanto que a agrobiodiversidade diz respeito a
todas as espécies de plantas, animais e
microorganismos interagindo dentro do
agroecossistema, com o propósito de produzir
alimentos e matérias-primas para a indústria de
vestuário, farmacêutica, construção civil, mobiliário
e afins (ARMANDO, 2002).
A agrobiodiversidade compreende todos os
componentes da diversidade biológica pertinente a
alimentação e a agricultura presente no
agroecossistema, incluindo microorganismos,
insetos polinizadores e a estabilidade do solo que
proporcionam a vida selvagem (NEPAL, 2009).
Segundo WOOD e LENNÉ (1997), os componentes
que compõem um novo paradigma nas propriedades
rurais são:
a) A paisagem natural das propriedades entre as
culturas e seus parentes silvestres resulta nas
características das áreas;
b) Toda variedade tradicional são adaptações locais,
e, portanto, são de grande importância tanto para
pequenas propriedades como variedades modernas.
Benefícios:


Com mais diversidade, mais micro habitats;
Aumenta interferências benéficas (micorrizos);


Colonização de espécies uteis e não só de
pioneiras invasoras;
Com mais diversidade encoraja a vinda de insetos,
alguns que se alimentam de pragas;

Uma diversidade aumenta uma melhor eficiências
e heterogeneidade nos habitats;
Manejo da agricultura
De acordo Machado (2007), os primeiros sistemas
de manejo da agrobiodiversidade ocorreram nos
centros de origem, nos locais onde se iniciaram a
domesticação das plantas cultivadas, sendo que
muito dos modelos descritos e utilizados foram
baseados em culturas milenares.
O Brasil possui em torno de 4,8 milhões de famílias,
produzindo em 30% das terras cultiváveis
produzindo 50% da alimentação da população.
(ALTIERI, 2004).
Os quintais são uma das formas mais tradicionais
de manejo da terra, indicando sua sustentabilidade
com o passar do tempo, tornando-se um sistema
de produção o qual é composto de múltiplas
espécies sustentando economicamente milhões de
pessoas (AMARAL; NETO, 2008).
Métodos para aumentar a diversidade em
sistemas agrícolas
Existem uma gama de alternativas como inclusão de
novas espécies; reorganização das espécies já
presentes; adição de insumos.
Cultivo consorciado: Segundo Francis(1986) a
intensificação e diversificação das culturas nas
dimensões espaço e tempo. Normalmente com 2
ou 3 culturas.
Cultivo em faixas: Espécies diferentes em faixas,
criando uma policultura de monocultura.
Cercas vivas e vegetação tampão: Arvores ou
arbustos plantados próximo ao cultivo, usada para
demarcar áreas ou cortar o vento, além de gerar
um subproduto como a madeira;
Cultura de cobertura: Uma espécie de área
plantada para cobrir o solo, favorece matéria
orgânica ao solo; retém nutrientes em safras
anteriores; reduz erosão; fixa nutrientes e N.
Rotações: A rotação é um método para aumentar a
diversidade em dimensão de tempo. Cultivos
alternados se dá melhor do que uma monocultura.
Cada planto estimula ou inibe cada tipo de
organismos no solo. Usa se muito soja-milholeguminosa.
Pousios: área de descanse, logo após a roçada.
Alguns permitem a vinda da vegetação nativa.
Cultivo mínimo: Quando há um distúrbio no
agroecossitema há a necessidade de diminuir a
produção, deixando resíduos na superfície, para
manter a decomposição.
Dúvidas??
[email protected]br
Download

Aula 5. Diversidade e agrodiversidade