Seminário Internacional
Fundación MAPFRE – 08Nov2011, São Paulo, SP
Transporte Rodoviário de Cargas:
Soluções alinhadas à Década de
Ações para Segurança Viária
Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias
Revista VEJA, edição de 30 de junho de 2004
CARGA MUITO PESADA
A sobrecarga
é uma das
principais
causas de
acidentes com
caminhões nas
estradas.
O peso
excessivo
provoca falhas
mecânicas e
dificulta o
controle da
direção.
Os caminhões participam de 27% dos 180.000
acidentes rodoviários que ocorrem por ano
Seis em cada dez caminhões envolvidos
em acidentes têm sobrecarga
Dois em cada dez caminhões que passam
pela pesagem infringem os limites legais
JORNAL NACIONAL
- Edição do dia 04/08/2011
Caminhoneiros burlam fiscalização em rodovias federais de São Paulo
A fraude foi denunciada pelo Jornal Nacional há quatro anos, mas ainda não foi banida das
estradas. Na Via Dutra, os motoristas transferem a carga de caminhão para burlar as
balanças que pesam as cargas.
Um caminhão foi barrado na balança de Queluz, divisa com o Rio de Janeiro. Para ser
liberado, ele transfere as placas de madeira para outro caminhão e tem sinal verde
para seguir. O que recebeu parte da carga também sai. Três quilômetros à frente, a
carga volta para o que estava acima do peso.
Sinal vermelho para uma carreta carregada com bobinas de alumínio. Ela
transfere parte da carga para o caminhão menor e volta para a estrada. Na
saída, há um posto da Polícia Rodoviária Federal. Logo adiante recebe de volta
as bobinas.
A Agência Nacional de Transportes Terrestres informou que fiscaliza os
caminhões com excesso de peso apenas dentro da área das balanças. A
Polícia Rodoviária Federal explica que, onde há balanças, presta
assessoria e que atua nas estradas para evitar o desvio e a fuga de
veículos que seriam obrigados a fazer a pesagem.
PBT / PBTC
ou
peso por eixo ?
Por que pesar por eixo?
25,5
17
6
Portanto, o que destrói o pavimento é
o excesso de peso por eixo
e
não o PBT ou PBTC
Por esse motivo, os pavimentos rodoviários são projetados para
suportar a carga de um “eixo padrão”, referenciado a 80 KN ( 8,2 tf),
sem nenhuma preocupação com o PBT, pois se considera que o PBT será
dividido em tantos eixos quantos forem necessários para respeitar as
condições de projeto.
Influência do Excesso de Carga por Eixo na Vida Útil do Pavimento
O gráfico a seguir, extraído de apresentação do Dr. Neuto Gonçalves dos Reis,
ilustra muito bem as conseqüências do excesso de carga por eixo
Impacto do excesso de peso sobre a vida útil do
pavimento (eixo isolado)
12,0
10,0
8,0
6,0
6,6
4,5
4,0
2,0
3,2
2,3
1,7
1,3
1,0 0,8 0,6
0,0
10
,0
11
,0
12
,0
13
,0
14
,0
15
,0
16
,0
17
,0
18
,0
19
,0
20
,0
Vida útil (anos)
10,0
Peso por eixo (toneladas)
0,5
No caso de OAEs (pontes e viadutos), a situação é diferente. Aqui
importa, sim o PBT ou o PBTC, pois isso se traduz em solicitações
nas estruturas, nos apoios, nos pilares e nas fundações.
Por esse motivo, nos
Estados Unidos todos os
veículos de carga estão
sujeitos à
Bridge Formula,
expressão matemática que
verifica a adequação do
veículo em função de seu
carregamento e
espaçamento entre eixos,
proibindo sua circulação
em determinadas pontes.
FATOR DE EQUIVALÊNCIA DE CARGA
FEC =
“dano ao pavimento”
“perda de serventia do pavimento”
Exemplo: se, para um determinado pavimento
a perda de serventia causada por 100.000 passagens de um eixo padrão
for a mesma perda de serventia causada por 12.000 passagens de um eixo com 10 ton
100.000 ÷ 12.000 = 8,33
Portanto:
Nesse exemplo o FEC do eixo com 10 ton é 8,33 , significando que a perda de
serventia causada por 12.000 passagens do eixo com 10 ton é 8,33 vezes a
causada por 100.000 passagens do eixo padrão.
FEC PARA VÁRIAS SITUAÇÕES DE EIXOS:
simples, tandem duplo e tandem triplo
Fórmulas:
• AASHTO – American Association of State Highway and
Transportation Officials
• USACE – United States Army Corps of Engineers
No Brasil utiliza-se com mais freqüência as fórmulas
produzidas pelo USACE.
FEC PARA VÁRIAS SITUAÇÕES DE EIXOS:
simples, tandem duplo e tandem triplo
1º Exemplo:
•
•
Caminhão médio, com PBT de 16 ton, 6 ton no eixo dianteiro e 10 ton no eixo trator.
Astra sedã 2.0 flexpower, 1.220 kg, com quatro passageiros, cada um com 70 kg, peso total 1.500 kg,
cada eixo terá uma carga de 750 kg.
Tipo de eixo
Faixa de carga (ton)
Fórmula (P = ton)
Simples
0–8
≥8
FEC = 2,0782 x 10-4 x P 4,0175
FEC = 1,528 x 10-6 x P 5,484
Aplicando as fórmulas, temos:
FEC para 750 kg = 2,0782 x 10-4 x 0,754,0175 = 0,00007
FEC para 6 ton
= 2,0782 x 10-4 x 6 4,0175
= 0,278
-6
6,2542
FEC para 10 ton = 1,8320 x 10 x 10
= 3,289.
Fator de Veículo = soma dos respectivos fatores de equivalência dos eixos.
Para o caminhão: 0,278 + 3,289 = 3,567.
Para o Astra: 0,00007 + 0,00007 = 0,00014.
Dividindo um pelo outro temos = 25.478.
Isso nos diz que são necessárias mais de 25.000 passagens do Astra para causar ao
pavimento a mesma perda de serventia causada por uma única passada do caminhão.
FEC PARA VÁRIAS SITUAÇÕES DE EIXOS:
simples, tandem duplo e tandem triplo
2º Exemplo:
•
•
Bi-trem de 7 eixos e PBCT de 57 ton, 6 ton no eixo dianteiro e 17 ton em cada um dos
três tandens duplos.
O Astra sedã continua o mesmo.
Tipo de eixo
Faixa de carga (ton)
Fórmula (P = ton)
Simples
Tandem duplo
0–8
≥ 11
FEC = 2,0782 x 10-4 x P 4,0175
FEC = 1,528 x 10-6 x P 5,484
Aplicando as fórmulas, temos:
FEC para 6 ton
= 2,0782 x 10-4 x 6 4,0175 = 0,278
FEC para 17 ton = 1,528 x 10-6 x 17 5,484 = 8,549.
Fator de veículo para o bi-trem, 0,278 + (3 x 8,549) = 25,925.
Fator de veículo para o Astra: o mesmo já calculado anteriormente, 0,00014.
Dividindo um pelo outro, temos 185.178.
Ou seja, são necessárias mais de 185.000 passagens do Astra para causar ao
pavimento a mesma perda de serventia causada por uma única passada do bi-trem.
FEC PARA VÁRIAS SITUAÇÕES DE EIXOS:
simples, tandem duplo e tandem triplo
3º Exemplo:
•
•
Vamos, agora, supor que o bi-trem esteja com 5% de sobrecarga, o que significa 6,3 ton
no eixo dianteiro e 17,85 ton em cada um dos 3 tandens duplos.
O Astra continua o mesmo
Aplicando as fórmulas, temos:
FEC para 6,3 ton
= 2,0782 x 10-4 x 6,3 4,0175 = 0,338
FEC para 17,85 ton = 1,528 x 10-6 x 17,85 5,484 = 11,171
Fator de veículo para o bi-trem, 0,338 + (3 x 11,171) = 33,852.
Fator de veículo para o Astra: o mesmo já calculado anteriormente, 0,00014.
Dividindo um pelo outro, temos 241.801.
Ou seja, com 5% de sobrecarga, são necessárias mais de 241.000 passagens do Astra para
causar ao pavimento a mesma perda de serventia causada por uma única passada do bi-trem
Ou ainda: 5% de sobrecarga no bi-trem representa uma perda de
serventia do pavimento equivalente a 56.000 passagens do Astra.
Conseqüências do excesso de carga
As pesquisas indicam que as conseqüências imediatas dessa destruição dos
pavimentos são:
• Aumento de até 58% no consumo de combustível
• Aumento de até 100% no tempo de percurso
Extrato de Relatório do LASTRAN
Laboratório de Sistemas de Transportes (UFRGS):
“Quando determinado trecho é submetido a rigoroso controle de tráfego
pesado, chega-se a ciclos médios de recapeamento três vezes maiores do
que em rodovias sem controle de peso, além, é claro, de reduzir os riscos
de acidentes.
A conclusão recente de uma análise revela que a vida útil do pavimento se
reduz em até 85% quando a carga por eixo e a pressão dos pneus aumentam
de condições normais para condições de sobrecarga e alta pressão de
inflação”
Conseqüências do excesso de carga
Mas sobrecarga, acarreta, ainda, outras – e sérias – conseqüências:
Compromete
o veículo
Compromete o
nível de serviço
da rodovia
Motor
Pneus
Câmbio
Freios
Combustível, etc.
Reduz a velocidade média
Aumenta o tempo de viagem
Aumenta a possibilidade e a
gravidade dos acidentes
CONCLUINDO
CONCIENTIZAÇÃO
A sobrecarga é danosa para todos, mas principalmente para
os pavimentos, sejam eles de rodovias concedidas ou não.
Seguir sobrecarregando os veículos significa privatizar os
lucros e socializar os prejuízos.
FISCALIZAÇÃO
Onde não houver ação fiscalizadora ou onde a fiscalização
ocorrer de forma eventual ou até mesmo omissa, pode ser
dado como fato consumado a redução da vida útil dos
pavimentos e o aumento na quantidade e na gravidade
dos acidentes.
OBRIGADO
Eng. Gil Firmino Guedes
Coordenador Técnico
Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias – ABCR
g[email protected]
Download

“Vias” – Gil Guedes – Coordenador Técnico da