PRODUÇÃO MUSICAL
50
e aprender com...
FONOGRAMAS
PARA OUVIR
Parte IV
Se você está
acompanhando essa
coluna seriada (que
iniciou na edição de
março de 2008), pode
pular direto para a
lista de faixas. Caso
contrário, para não
ficar boiando sem
entender do que se
trata, leia o primeiro
parágrafo. Boa leitura!
Ticiano Paludo é produtor musical, publicitário, músico, compositor e sound designer. Leciona Áudio Publicitário e Atendimento na
FAMECOS - Faculdade de Comunicação Social
(PUC/RS) - e Arranjo e Produção Musical Nível III
no IGAP - Instituto Gaúcho de Áudio Profissional.
http://www.pontowav.com.br/hotsite/
50 www.backstage.com.br
V
ocê já deve ter lido diversas matérias enfocando os álbuns mais
importantes da história. Em março
desse ano, propus algo diferente aos
leitores da Backstage. Não tenho a
pretensão de elaborar nenhuma lista
única e definitiva. Quero apenas
apontar algumas faixas (e álbuns) que
tenho escutado ultimamente e cuja
produção, arranjos e canções são dignas de um minuto (ou mais) de atenção. Não vou fazer uma análise extremamente detalhada e minuciosa,
apenas sugerir um ponto de partida
em uma tentativa de elaborar (começando em março e terminando em julho/2008) um conjunto, reunindo 50
fonogramas dignos de respeito. A
cada mês, apontarei 10 faixas, artistas
e álbuns. Não interessa se é nacional
ou internacional, se é brega ou descolado, se é atual ou retrô. A lista será
organizada em ordem alfabética. Ter a
mente aberta (e, principalmente, os
ouvidos) é um dos principais pontos
para se produzir bem. Recomendo
comprar os álbuns a seguir: é um investimento tão bom quanto fazer um
curso de áudio.
Você está pronto para essa viagem?
Então, vamos nessa!
LETRA Q
Nessa penúltima parte do nosso
passeio, quero destacar uma das
baladas de rock mais lindas que já
ouvi. Essa faixa tem um acabamento primoroso e sua sonoridade é muito agradável.
Começa melancólica, apenas com
um violão, e segue em um crescendo emocionante. O vocal de Geoff
Tate é de muito bom gosto e contribui como reforço para toda a
dramaticidade que a canção se propõe a ter. Construir baladas eficientes que fujam do tradicional
“Baby, I love you” é uma tarefa árdua. O Queensryche mostra caminhos para que isso seja possível.
ARTISTA: QUEENSRYCHE
FAIXA: SILENT LUCIDITY
ÁLBUM: EMPIRE (1990)
SAIBA +: http://www.queensryche.com
PRODUÇÃO MUSICAL
LETRA R
ARTISTA: RAMMSTEIN
FAIXA: DU HAST
ÁLBUM: SEHNSUCHT (1997)
SAIBA +: http://www.rammstein.com
Fui conhecer o Rammstein quando
eles abriram o show antológico do Kiss
com a formação original aqui em Porto
Alegre, na década de 90. Infelizmente,
eu estava tão enlouquecido pela possibilidade de ver o Kiss que acabei
não prestando a devida atenção ao
Rammstein. Mas, passado um breve
período, corri atrás do prejuízo e não
me arrependi. Esse grupo é muito
original e conseguiu elaborar uma
identidade própria, forte e eficaz.
Misturando letras em alemão, música eletrônica e heavy metal, desenvolvem uma sonoridade muito peculiar.
Eu toquei metal por muitos anos da
minha vida e acho que as novas bandas de rock pesado deveriam prestar
atenção em saídas como esta apresentada pelo Rammstein. Afinal, guitarra
distorcida (e nada mais) é muito lugarcomum e não seduz mais ninguém.
Sob o olhar do mainstream, para mim,
existem apenas três bandas que conseguiram evoluir de modo relevante no
cenário metal contemporâneo (que
começou com o Black Sabbath nos 70s
e desaguou no Iron Maiden nos 80s):
Pantera, Sepultura e Rammstein. O
álbum inteiro é ótimo e merece ser adquirido (o projeto gráfico e encarte são
muito caprichados também).
ARTISTA: REVOLTZ
FAIXA: MR. WHITE
ÁLBUM: BEIJO NO ESCURO (2007)
SAIBA +: http://www.revoltz.com.br
Se você gosta de garage bands e está
querendo conhecer gente inteligente
que tem trabalhado produzindo rock
indie de qualidade não pode deixar de
conferir o som da Revoltz. Tem um
quê de jovem guarda (da boa fase
roots), experimentalismo e mais
umas misturas bem interessantes.
Som para cima, bem feito. Torço que
alcancem o merecido reconhecimento e sucesso. No site deles dá para baixar o disco full na faixa. Boa pedida
para quem quer ouvir algo realmente
bom e novo.
ARTISTA: REPLICANTES, OS
FAIXA: FESTA PUNK
ÁLBUM: HOT 20 (1987/1999)
SAIBA +: http://cliquemusic.uol.com.br/artistas/
replicantes.asp
Confesso que, apesar de reconhecer e
admirar a importância histórica do
punk – principalmente no que se refere aos conceitos de “faça você mesmo” adotados atualmente pela web
2.0 – nunca fui um fã ardoroso do eswww.backstage.com.br 51
PRODUÇÃO MUSICAL
tilo. Porém, os gaúchos do Replicantes sempre fizeram um trabalho
competente e vanguardista. “Festa
Punk” foi lançada originalmente em
vinil em 1987. Em 1999, saiu uma
edição em CD contendo 20 sucessos
da banda. A faixa figura nessa coletânea. Punk é sinônimo de coisa tosca?
Se você pensa assim, precisa ouvir
correndo este álbum.
sonoridade é bem punch e as músicas
contagiam o ouvinte. Descartável,
mas vale à pena ouvir. Afinal de contas, o conceito de chiclete é exatamente esse: abrir, mascar, extrair algum
prazer e cuspir fora. Nesse sentido, o
Snow Patrol não deixa nada a desejar.
P.S: O problema do chiclete é que
tanto seu sabor quanto sua aderência
são efêmeros.
LETRA S
ARTISTA: SNOW PATROL
FAIXA: HANDS OPEN
ÁLBUM: EYES OPEN (2006)
SAIBA +: http://www.snowpatrol.com
Sou bem receoso com as bandas de
rock contemporâneo que habitam o
mainstream. Acho todas iguais, cha-
Afinal de contas, o
conceito de chiclete é
exatamente esse: abrir,
mascar, extrair algum
prazer e cuspir fora.
Nesse sentido, o Snow
Patrol não deixa nada
a desejar
tas e sem criatividade. Não posso dizer isso do Snow Patrol. Ok, eles não
revolucionaram absolutamente nada, mas produzem boas canções. A
52 www.backstage.com.br
ARTISTA: SHAKIRA
FAIXA: SE QUIERE, SE MATA
ÁLBUM: PIES DESCALZOS (1995)
SAIBA +: http://www.shakira.com
Shakira pode ser considerada uma das
grandes decepções da minha vida.
Quando ouvi “Pies Descalzos” fiquei
empolgado. Uma cantora colombiana, ótimas canções, produção impecável, tudo para funcionar. Mas ela
chegou de pés descalços e logo cedeu à
tentação, colocou um salto, ficou loira e correu para o lado negro da força.
Eu não sou amigo dela, então vou especular: imagino que a mudança de
rumo tenha sido uma definição conjunta entre manager e gravadora. Independente de quem seja a culpa, é
um claro exemplo de assassinato a
sangue frio de uma identidade musical valiosa que foi deixada de lado
para cair na vala comum. Sentiremos
saudades da verdadeira Shakira. O álbum destacado por mim mistura latinidade (sem ranços) com pop 80s/90s
e é muito bem resolvido. Pena que o
resto dos álbuns que veio depois caiu
em uma curva vertiginosa de perda de
originalidade e espontaneidade. Nem
sempre se pode ter tudo e é difícil es-
Já disse que não sou
muito chegado em discos
ao vivo. Porém, existem
dois para os quais eu tiro
o chapéu e o que mais for
preciso: ALIVE! (do Kiss) e
este aqui do Uriah Heep.
Tenho a edição de vinil
(maravilhosa)
colher entre um punhado polpudo de
dólares a mais na conta bancária e a
integridade artística. Pelo menos,
Shakira pode agora comprar vários
exemplares deste álbum para lembrar
que era feliz e não sabia.
LETRA T
ARTISTA: TROPICÁLIA - VÁRIOS
FAIXA: BAT MACUMBA
ÁLBUM: TROPICÁLIA OU PANIS ET CIRCENCIS (1968)
SAIBA +: http://tropicalia.uol.com.br
Quando se misturam os ingredientes
Gil, Caetano, Mutantes, Gal Costa e
Nara Leão e tem-se como cozinheiro
dessa iguaria tropical o genial produtor
musical Rogério Duprat, o resultado
não pode ser diferente do esperado: um
prato sofisticado e saboroso. Este álbum é um dos xodós da minha coleção,
PRODUÇÃO MUSICAL
e “Bat Macumba” uma obra prima.
Qualquer pessoa pensante que deseja
trabalhar com produção musical tem
obrigação de ouvir esse trabalho. Classifico-o como o Sgt. Pepper’s brazuca.
meus colegas se debatendo para pedir
emprestado. Essa faixa tem mais de 10
anos e soa como se fosse lançada no
ano que vem. The Edge é, para mim, o
Hendrix da nossa era. E a produção do
Flood também impressiona. Uma banda que tem tudo e um pouco mais para
ARTISTA: URIAH HEEP
FAIXA: SUNRISE
ÁLBUM: LIVE – JANUARY 1973 (1973/2001)
SAIBA +: www.uriah-heep.com
ARTISTA: TONY DA GATORRA
FAIXA: ASSASSINO
ÁLBUM: SÓ PROTESTO (2005)
SAIBA +: http://tonydagatorra.blogspot.com
Você apenas acha que já ouviu artistas
estranhos. Na verdade não ouviu
nada enquanto não escutar atentamente o gaúcho Tony da Gatorra.
Conforme o release apresentado no
site da sua gravadora (PELIGRO),
“Tony é um eletrotécnico gaúcho,
hippie cabeludo coberto de medalhas
com o símbolo da paz, que inventou
um instrumento totalmente surreal
que chamou de Gatorra, um misto de
bateria eletrônica com sintetizadores
em forma de guitarra. Letras de protesto. Pós-punk outsider. Gênio”.
Sim, o cara trabalha como eletrotécnico para comprar o pão de cada
dia. Sim, ele inventou seu próprio
instrumento e criou um estilo único.
Talvez, por não depender em nada da
música para sobreviver, tenha conseguido criar algo tão surpreendente.
Alguns de vocês o acharão uma farsa,
uma piada, uma brincadeira musical
de mau gosto. Outros (como eu), apenas dirão: a Peligro não exagera na
descrição, o cara é gênio. Aliás, o blog
dele também é algo à parte (dá até
para ver fotos da Gatorra).
54 www.backstage.com.br
Já disse que não sou muito chegado a discos ao vivo. Porém, existem dois para os
quais eu tiro o chapéu e o que mais for
preciso: ALIVE! (do Kiss) e este aqui do
Uriah Heep. Tenho a edição de vinil
(maravilhosa). O som de tudo nessa
gravina é grandioso (principalmente a
batera e os teclados). O arranjo é disparado um dos mais belos de toda a história
do rock. A canção dispensa elogios (impecável). Todo “roqueiro profissional”
deveria ter esse álbum. Meu coração dispara sempre que ouço essa faixa. Pode
comprar no escuro que eu garanto!
ARTISTA: U2
FAIXA: DISCOTHEQUE
ÁLBUM: POP (1997)
SAIBA +: www.u2.com
O U2 é tudo: tudo de bom, pop, retrô,
rock, vanguarda, eletrônico, moderno, punk. Lembro direitinho que estava na faculdade quando esse álbum
saiu e fui o primeiro da minha turma a
comprá-lo. Lembro-me, também, dos
The Edge é, para mim,
o Hendrix da nossa era.
E a produção do Flood
também impressiona.
Uma banda que tem
tudo e um pouco mais
para se tornar imortal
como os Beatles
se tornar imortal como os Beatles.
Que venham novos trabalhos geniais
para que a gente possa aprender da forma mais divertida: ouvindo e assimilando as informações.
Hoje estou completando 2 anos aqui na
Backstage. Parece que foi ontem. Já escrevi (com muito prazer) nada menos
do que 24 colunas. Espero que vocês estejam curtindo ler tanto quando eu curto escrever. Obrigado a vocês, ao Nelson (nosso estimado, iluminado e ilustre editor) e a todo o povo querido que,
desde o início, me acolheu muito bem.
E podem ter certeza de que estamos
sempre trabalhando duro para produzir
informação de qualidade.
No próximo mês concluímos essa caminhada (que iniciou em março de
2008) analisando as últimas 10 faixas,
fechando, assim, 50. Abraços e até...
e-mail para esta coluna:
tpalu[email protected]
Download

Ticiano Paludo