Nº 1 | 1º semestre de 2015 – Páginas 48 a 52
OFICINA DE FOGUETES COM MATERIAL RECICLÁVEL: UMA ATIVIDADE
PRÁTICA E VIVENCIAL DOS CONTEÚDOS DE FÍSICA ENVOLVIDOS NO
LANÇAMENTO DE UM FOGUETE
ANTENOR CIRIACO DE ARAÚJO1
RESUMO
Este artigo se propõe ao relato de uma atividade prática com estudantes da primeira
série do ensino médio, objetivando a participação efetiva dos educandos visando ao
aprofundamento da teoria e prática dos fenômenos, leis e tecnologias que envolvem
a física em um lançamento de foguetes. O foguete foi elaborado a partir de uma
oficina com material reciclável utilizado no seu dia a dia: garrafas pet, cortiça,
caneta, cano de PVC, papelão. A metodologia foi dividida em quatro partes, primeiro
momento conteúdo trabalhado em sala referente à atividade, segundo momento
oficina de construção do foguete no laboratório, terceiro momento lançamento e
coleta de dados, quarto momento conclusão e análises de dados. O trabalho nos
apontou algumas diretrizes importantes para o aprendizado a partir de uma situação
prática, concluímos assim uma aprendizagem mais efetiva e consistente sobre a
física presente na atividade.
PALAVRAS-CHAVE: Oficina. Material reciclável. Estratégia de ensino. Ensino de
ciências. Aprendizagem.
1 INTRODUÇÃO
Popularmente a física é conhecida, pelos alunos, como uma das mais difíceis
disciplinas do Ensino Médio. Tal problema, em partes, é decorrente da existência de
dificuldades e, além disso, muitas pessoas confundem a física com a matemática, não
observam relação com seu cotidiano, etc. Cabe ao professor desse componente
curricular oferecer o conhecimento da ciência de uma maneira sólida e consistente,
dando ao aluno possibilidades de relacionar os conceitos físicos aos fenômenos do
seu cotidiano. Como tornar o ensino de física agradável, de maneira que se torne
interessante para o aluno? Será que os professores estão capacitados a oferecer os
conhecimentos de maneira que os alunos gostem de sua aula?
A respeito de estratégias em sala de aula, Montenegro (2011), infere que é
preciso (re) elaborar continuamente os processos didáticos- metodológicos que o
professor apresenta, de forma que esse possa ser trabalhado e refletido pelo aluno,
para se constituir em conhecimento.
Neste sentido, a utilização da oficina de construção de foguetes pode ser
considerada uma alternativa para envolvimento dos estudantes e apreensão de
1
Professor de Física/Práticas Experimentais do Colégio Marista de Natal; Rua Apodi, Centro, 300,
Natal, Rio Grande do Norte, Brasil, CEP 59.072-970.
E-mail: [email protected],
[email protected]
Nº 1 | 1º semestre de 2015 – Páginas 48 a 52
conteúdos e motivação pela busca do saber, pois esse tipo de atividade favorece o
aprendizado dos conhecimentos a partir da vivência e ação lúdica, da exposição ao
conhecimento fora das quatro paredes da sala de aula. Um dos grandes desafios
encontrados pelos professores de Física no ensino Médio é identificar como associar
o conteúdo a ser ministrado com a prática, de forma a facilitar o processo ensino
aprendizagem.
Este artigo é uma proposta para trabalhar vários conceitos da física em um
momento rico e participativo respondendo a estes e outros questionamentos.
Apresenta-se ainda a teoria envolvida durante o lançamento do foguete por meio de
algumas aproximações, mostrando a aplicabilidade de assuntos comuns no ensino
médio como segunda e terceira leis de Newton, conceitos de momento linear,
momento angular, empuxo, velocidade relativa, expansão adiabática de um gás ideal.
Por fim, obtém-se o alcance do foguete, a velocidade máxima que este pode atingir
aplicando-se uma pressão, sendo possível estimar a aceleração do mesmo durante o
processo de ejeção de água, algo próximo a 250 g, um resultado incrível pela
simplicidade da montagem do material.
A partir desta atividade o aluno percebe a riqueza de conhecimentos de física
que está presente na prática, abrindo assim um novo mundo para observá-lo e fazer
ciência de forma aplicada e com base tecnológica.
2 PERCURSO METODOLÓGICO
A pesquisa foi desenvolvida,
qualitativa, com alunos da primeira
Natal/RN. A sequência do trabalho
sala os conteúdos envolvidos na
lançamento e coleta de dados e
coletados.
sob a forma de estudo de caso, com análise
série do Ensino Médio do Colégio Marista de
foi dividida em quatro partes: trabalhando em
atividade, oficina de construção do foguete,
por último, análise e conclusão dos dados
3 TRABALHANDO EM SALA OS CONTEÚDOS ENVOLVIDOS
Nesta fase o objetivo foi apresentar o conteúdo normalmente em sala em uma
situação tradicional, com filmes, definições, exemplos e exercícios. Essa fase teve
como objetivo específico fazer o aluno perceber, mesmo de maneira teórica, que a
prática pode ser desenvolvida a partir de um foco experimental com a teoria. Os
conteúdos expostos foram: as leis de Newton, lançamento horizontal e vertical,
pressão, empuxo, quantidade de movimento linear, momento de inércia, energia
dentre outros. Foi possível estabelecer uma conexão interdisciplinar com assuntos
que serão estudados pelo aluno apenas no ano seguinte.
4 OFICINA DE CONSTRUÇÃO DO FOGUETE
Já com o conhecimento teórico previamente adquirido, durante essa etapa, foi
construído o foguete de garrafa pet a partir dos seguintes materiais: duas garrafas
pet, uma cortiça, um tubo de caneta, fita adesiva, papelão, cola quente, cano de
Nº 1 | 1º semestre de 2015 – Páginas 48 a 52
PVC. Durante essa etapa discutimos a aerodinâmica, a posição da colocação das
asas, o tamanho da asa, os principais conteúdos envolvidos, etc.
5 LANÇAMENTO E COLETA DE DADOS
Esse foi o momento mais esperado pelos alunos, o de colocar em prática seu
invento. Os primeiros lançamentos foram para testar e aferir algumas situações, logo
em seguida as equipes compostas por seis alunos entraram em ação coletando
todos os dados possíveis, referentes a tempo, deslocamento horizontal, direção do
vento, inclinação de lançamento. Nesta fase realizamos fotos e vídeos para obter
uma maior precisão dos resultados. No final da atividade os estudantes
responderam um relatório pós-prática que mostrou uma prévia do conhecimento
adquirido até aquele momento.
Figura 1: Lançamento do Foguete.
6 ANÁLISE E CONCLUSÃO DOS DADOS
Nesta etapa, foi realizada a conclusão de todo o trabalho desenvolvido, os
estudantes elaboraram um relatório final usando os conhecimentos que adquiriram
respondendo questionamentos que para serem respondidos é necessário que se
tenha os dados coletados e tabulados. Verificando assim a evolução efetiva dos
assuntos trabalhados na atividade.
7 DISCUSSÃO DOS RESULTADOS
A realização desse tipo de prática através da participação ativa dos
estudantes como sujeitos principais do processo ensino aprendizagem, se mostrou
significativo, tanto em aspectos cognitivos, associados à aprendizagem do conteúdo
específico mostrado tanto na teoria com na prática, quanto no que diz respeito ao
envolvimento e a motivação para o aprender científico.
O relatório final aplicado para analisar o nível de aprendizado dos alunos,
sinalizou que, quando os alunos se sentem envolvidos com o objeto de estudo
apresentam maior interesse e motivação na apropriação do conhecimento. Podemos
observar que, no contato com a Física em situação prática, os alunos se apropriam
Nº 1 | 1º semestre de 2015 – Páginas 48 a 52
do uso de linguagens e procedimentos de aplicação muito ampla. Objetos e métodos
utilizados corriqueiramente no estudo da Física tais como: sistemas de unidades,
gráficos, modelos matemáticos, tratamento de erros experimentais, passaram a
fazer parte de forma experimental do seu aprendizado, emprestando maior
significado se compararmos com as mesmas habilidades trabalhadas apenas em
sala.
8 CONSIDERAÇÕES FINAIS
Podemos considerar a atividade desenvolvida como uma alternativa que
possibilita a integração entre teoria e prática no cotidiano pedagógico, motivando
assim para uma nova possibilidade de trazer para o aluno todas as competências e
habilidades de que ele necessita para a construção de uma aprendizagem efetiva
dos assuntos envolvidos no componente curricular Física, ficou também provado
para os próprios alunos que mencionaram no relatório o quanto tinha sido prazeroso
e gratificante o conhecimento adquirido não por apenas ampliar sua gama de
conhecimentos, mas por ter realmente aprendido de forma muito significativa para
sua vida.
Para referendar as conclusões aqui mencionadas disponibilizamos alguns
relatos dos estudantes a respeito da rica possibilidade de aprendizagem que é aliar
a teoria à prática.
Aluno 1
¨Foi uma atividade muito dinâmica e descontraída, que fez os alunos aprenderem de
um modo diferente. ¨
Aluno 2
¨A atividade desenvolvida pelo professor Antenor proporcionou não só o trabalho em
equipe, como também conhecimentos de física de maneira lúdica e prazerosa. ¨
Aluno 3
¨Essa atividade prática mostrou que o trabalho em equipe é bastante importante pelo
fato de a atividade precisar de socialização de pessoas com habilidades diferentes
para a condução da experiência. ¨
Aluno 4
¨Com esse experimento aprendemos mais a física de um modo mais interativo e
dinâmico, pois o que estudamos em sala é só teoria e com essa atividade tivemos o
prazer de aprender a matéria na prática e levar esse conhecimento adiante. ¨
Nº 1 | 1º semestre de 2015 – Páginas 48 a 52
REFERÊNCIAS
ALVES, J. S. Um foguete de garrafas PET: relato de atividade. Rev. Física na
Escola, v. 8, n. 2, 2007.
MONTENEGRO, L. A. Produção de modelos didáticos para o estudo de poríferos no
ensino básico: relato de atividades. Rev. Educação Ambiental em ação, 2011.
PIETROCOLA, M. et al. Física em contextos: movimento, força, astronomia. v.1.
São Paulo: FTD, 2011.
Download

Leia aqui o artigo na íntegra - Marista Centro