Universidade Federal da Bahia
Instituto de Saúde Coletiva
Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva
MESTRADO EM SAÚDE COMUNITÁRIA
Áreas de Concentração
Epidemiologia
Planificação e Gestão em Saúde
Ciências Sociais em Saúde
MANUAL DO/A
ALUNO/A
Colegiado:
Maria da Gloria Lima Cruz Teixeira (Coordenadora) – t.gloria@hotmail.com
Rosana Aquino Guimarães Pereira (Vice-coordenadora)– aquino@ufba.br
Darci Neves dos Santos – darci@ufba.br
Ediná Alves Costa – edina@ufba.br
Isabela Cardoso de Matos Pinto – Isabela@ufba.br
Ligia Maria vieira da Silva – ligiamvs@ufba.br
Mônica de Oliveira Nunes – nunesm@ufba.br
Vilma Sousa Santana – Vilma@ufba.br
Representação Discente - Mestrado e Doutorado
Última Atualização: janeiro/2010
Última Atualização: Janeiro/2010
APRESENTAÇÃO
Este manual tem por finalidade orientar os alunos quanto às etapas e responsabilidades ao
longo do Curso, além de apresentar informações relevantes sobre o ISC. Entretanto, não
substitui os instrumentos legais reguladores da Pós-Graduação no país e particularmente na
UFBA. Desse modo, é fundamental que o/a aluno/a conheça estes dispositivos legais, em
especial o regimento do PPGSC e as normas da UFBA, pois, evidentemente, em caso de
dúvidas ou discrepâncias, prevalece o que está disposto nestes instrumentos. É obrigação
do/a aluno/a conhecer e cumprir todos os requisitos para obtenção do grau equivalente ao
seu Curso e em caso de necessidade ou de dúvidas deve remeter-se a/o orientador/a, à
Coordenação e ao Colegiado.
1.
O INSTITUTO DE SAÚDE COLETIVA DA UFBA
O Instituto de Saúde Coletiva (ISC-UFBA) da Universidade Federal da Bahia foi criado
em 5 de agosto de 1994, e aprovado por meio da Portaria no 613/95 do Ministério da
Educação. A organização do ISC-UFBA advém do crescimento do antigo Departamento de
Medicina Preventiva, no contexto de redefinições recentes da teoria e das práticas no campo
da Saúde Coletiva. O Instituto desenvolve uma perspectiva inovadora de ensino integrado à
pesquisa e à cooperação técnica, enfatizando a natureza transdisciplinar e globalizante da
Saúde Coletiva, privilegiando a integração de estudantes, pesquisadores e profissionais de
distintas áreas e com formação diversificada.
O ISC localiza-se no campus do Canela, onde se concentram as unidades da área de saúde
da UFBA. As suas instalações incluem salas de aula, gabinetes de docentes e pesquisadores,
salas de programas de pesquisa e extensão e uma biblioteca especializada, com acesso a
sistemas internacionais de consulta bibliográfica (Medline, Lilacs, ISI, Health Star, Health
Plan) e videoteca. Dispõe ainda de: Laboratório de Informática (LIS), Laboratório de
Geoprocessamento (GEO), Apoio Técnico em Informática, Setor de Informações em Saúde
e Setor de Atendimento ao Usuário, com sala de consulta informatizada, onde é possível
realizar trabalhos em informática contando com apoio técnico.
O Laboratório de Informática tem como objetivos: contribuir para a formação dos
estudantes de graduação e pós-graduação, atuando como elemento facilitador aos meios de
acesso à Internet, BBS1 e aos Bancos de Dados disponíveis em CD ROM; atender às
necessidades dos docentes e pesquisadores do Instituto de Saúde Coletiva, de outros centros
da UFBA e de instituições de ensino, pesquisa e serviços para o desenvolvimento de
informática e informações em saúde. Seus equipamentos estão ligados em rede de fibra
ótica na UFBA e à Internet. O LIS compõe-se de duas salas climatizadas, apropriadas para
o trabalho em informática e às atividades de ensino, com 21 micro-computadores,
impressoras, scanner e outros equipamentos necessários às aulas e conferências, inclusive
projetores multimídia. O Setor de Geoprocessamento tem como finalidade o
desenvolvimento de métodos e técnicas e o uso de aplicativos informatizados para a análise
e difusão de informações georeferenciadas, e o apoio ao Projeto Bahia Azul do ISC/UFBA.
Compõe-se de uma sala climatizada e dispõe de micro-computadores, impressoras e outros
equipamentos de suporte em informática. A Sala de Consulta dispõe de microcomputadores ligados à rede UFBA, com a finalidade de possibilitar o amplo acesso de
estudantes e profissionais aos programas informatizados e aos bancos de dados de interesse
em saúde. Além disso, é utilizada pelos programas e projetos de pesquisa para a entrada,
manutenção e análise de dados. O Setor de Apoio Técnico coordena as atividades do LIS e
da Sala de Consulta, oferece suporte técnico para a instalação e manutenção de
equipamentos de informática, para atendimento ao usuário e para a manutenção de bases de
dados.
O Setor de Informações em Saúde compõe-se de docente e profissionais que prestam
serviços no ISC e se dedicam às atividades de produção técnico-científica nas áreas de
interesse em informações em saúde. Dispõe de equipamentos de informática e acervo
bibliográfico e de banco de dados para o apoio às atividades de ensino, pesquisa e de
serviços do ISC e às instituições com as quais se mantêm cooperação técnica. O acervo de
bancos de dados, necessário aos estudos e trabalhos técnico-científicos, compõe-se de
coleção em CD-ROM dos dados dos Sistemas Nacionais de Informações em Saúde, do
Ministério da Saúde, de aplicativos informatizados para o processamento de texto, para
apresentações e para a consolidação e análise de dados. Dispõe ainda de dados do IBGE e
de outras bases de dados de interesse. A rede Intranet no ISC possibilita o acesso amplo aos
recursos da Internet e permite a comunicação rápida entre os profissionais que atuam no
ISC e Órgãos da UFBA, conectada ao CPD da UFBA e ligada à Internet e um Setor de
Comunicação em Saúde (com capacidade de produção de audiovisuais e vídeos educativos
em nível semi-profissional).
A equipe do Programa de Pós-graduação do ISC compõe-se de um quadro de docentes
permanentes, além de professores participantes de outras unidades da UFBA (Matemática,
Ciências Sociais, Nutrição, Economia, Psicologia, Enfermagem, Engenharia). O corpo
docente do Instituto é qualificado, todos em nível de Doutorado e grande parte com
formação em universidades do exterior.
A equipe de pesquisadores do ISC-UFBA destaca-se pela sua produtividade, tendo
inúmeras publicações em revistas científicas nacionais e internacionais. As principais linhas
de pesquisa do Instituto atualmente são: Análise da situação de saúde, informação em
saúde, saúde e trabalho, saúde ambiental, gênero e saúde, nutrição e saúde materno-infantil,
saúde mental, epidemiologia de enfermidades transmissíveis, epidemiologia de doenças
crônico-degenerativas, desenvolvimento de recursos humanos em saúde, políticas e
planificação de sistemas locais de saúde, qualidade e impacto de serviços de saúde,
avaliação de programas de saúde, epistemologia e epidemiologia, antropologia da saúde.
Essas linhas de pesquisa estão organizadas em grupos de pesquisa cadastrados no CNPq.
O Instituto vem mantendo intensa colaboração com várias instituições em níveis
internacional, federal, estadual e local, como por exemplo: Organização Panamericana da
Saúde - OPAS, Organização Mundial da Saúde - OMS, Conselho Britânico, UNICEF,
Fundação Rockefeller, Fundação Kellogg, Ministério da Saúde, Fundação Nacional de
Saúde, Secretarias Estaduais de Saúde, e secretarias de saúde de vários municípios. Desde
1991, na qualidade de membro da rede INECOM, o Instituto de Saúde Coletiva tem sido
designado como Centro Colaborador da Organização Mundial da Saúde no campo da
pesquisa e formação avançada em saúde mental.
1
BBS - "Boletim Board System"- Sistema informatizado de comunicação por linha discada dedicada
ao contato com o DATASUS/MS.
Última Atualização: janeiro/2010
Última Atualização: Janeiro/2010
O ISC-UFBA desenvolve atualmente programas de intercâmbio de docentes, pesquisadores
e estudantes com universidades importantes da Europa e América do Norte, como:
University of North Carolina at Chapel Hill (áreas: epidemiologia, saúde do trabalhador);
Tulane University (áreas: gênero e saúde; saúde reprodutiva); Université de Montréal
(áreas: antropologia médica, planejamento e avaliação de serviços de saúde); London
School of Hygiene and Tropical Medicine (áreas: epidemiologia, saúde ambiental);
Universidad de Barcelona (área: gestão de sistemas locais de saúde). Também implementa
convênios de cooperação acadêmica para o intercâmbio de docentes, pesquisadores e
estudantes com universidades estaduais, com instituições de ensino na Região Nordeste e de
outras regiões do país, como a FIOCRUZ e o Instituto de Medicina Social no Rio de Janeiro
e a Faculdade de Saúde Pública da USP e a NEPO/UNICAMP em São Paulo.
O campo de atuação do ISC situa-se em três eixos disciplinares fundamentais: I)
Epidemiologia; II) Planificação e Gestão em Saúde; III) Ciências Sociais em Saúde. O ISC
tem ministrado disciplinas de Epidemiologia, Saúde Coletiva e Políticas de Saúde para os
cursos de Medicina, Nutrição, Farmácia, Enfermagem, Odontologia e Engenharia Sanitária,
envolvendo aproximadamente 600 estudantes de graduação por ano. Aplicando o Sistema
IMP (integrado-modular-progressivo) de estrutura curricular, o Instituto oferece cursos de
curta duração para capacitação, atualização ou formação básica e cursos de especialização
para profissionais de saúde e afins, nas áreas de Vigilância à Saúde, Saúde do Trabalhador,
Gênero, Sexualidade e Saúde Reprodutiva, Sistemas de Informação em Saúde, Programas
de Promoção da Saúde, Gestão de Sistemas Locais de Saúde, Epidemiologia em Serviços de
Saúde, Comunicação em Saúde (parceria FACOM/UFBA) e Arquitetura de Sistemas de
Saúde (parceria FAU/UFBA).
O Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia
(PPGSC/UFBA) foi criado em 1974 com o então Mestrado em Saúde Comunitária, ainda no
Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina. Em 1989, implantou-se o
Doutorado em Saúde Pública, inicialmente com área de concentração em Epidemiologia.
Com a fundação do Instituto de Saúde Coletiva da UFBA em 1994, todos os cursos de pósgraduação do DMP/UFBA foram transferidos para a nova unidade. Atualmente, conta-se
com três áreas de concentração no Mestrado e no Doutorado Acadêmico: Epidemiologia,
Planificação e Gestão em Saúde e Ciências Sociais em Saúde. A partir de 2001, iniciou-se a
oferta de cursos de Mestrado Profissionalizante com concentração em Docência em Saúde
da Família, Gestão e Planificação em Saúde, Vigilância Sanitária e Vigilância
Epidemiológica.
Com uma experiência acumulada de três décadas de ensino, o Programa de Pós-Graduação
do ISC-UFBA já produziu 371 dissertações e 179 teses e tem sido considerado como centro
de excelência pelo sistema CAPES-CNPq. Atualmente, o Instituto atende mais de 100
alunos de pós-graduação em todos os seus cursos, com uma expressiva proporção oriunda
de outros Estados do Brasil e de outros países.
baseia-se nos princípios da integração ensino-serviço, racionalização das atividades acadêmicas,
não-superposição de conteúdos didáticos e acumulação progressiva de créditos. A Figura 1 (ver
anexo) esquematiza esta proposta, em seus diversos níveis, acentuando o seu alto grau de
flexibilidade e potencial integrador das atividades-fim do Instituto.
Em nível de Graduação, o ISC oferece disciplinas na área temática da Saúde Coletiva às
unidades de ensino profissional da UFBA (Medicina, Enfermagem, Nutrição, Farmácia,
Odontologia, Psicologia, Engenharia Sanitária) integradas às atividades docente-assistenciais
nos Distritos Sanitários. No momento atual, o Instituto responsabiliza-se pelo ensino das
seguintes disciplinas de Graduação: Introdução à Saúde Coletiva, Epidemiologia, Políticas de
Saúde. A depender da solicitação dos colegiados de cursos de graduação e aprovação pelos
respectivos departamentos, o Instituto poderá ampliar sua oferta de cursos neste nível.
Em nível de Especialização (pós-graduação senso lato), estreitamente integrado aos seus
programas de cooperação técnica, o Instituto oferece cursos de capacitação, atualização e
extensão, organizados em micro-módulos temáticos (denominados módulos CAP) de 30-60
horas. A integralização dos créditos plenos (com aproveitamento) dos módulos CAP, permite a
estruturação de cursos de aperfeiçoamento (sigla: APF), em áreas temáticas organicamente
vinculadas, com carga horária de aproximadamente 180 horas (equivalente a 6 módulos CAP).
No sentido progressivo do sistema I-M-P, a articulação de 2 ou 3 módulos APF em áreas afins
permite a organização de cursos de especialização senso lato (sigla: ESP), com carga horária
mínima de 360 horas. Os cursos neste nível oferecem vagas abertas à comunidade, servindo
portanto aos objetivos da extensão universitária do Instituto, além de vagas reservadas às
instituições conveniadas em programas de cooperação técnica e desenvolvimento de recursos
humanos. Para aqueles candidatos elegíveis, dada a seleção em concurso próprio e o
cumprimento de um estágio supervisionado de treinamento em serviço (entre 1.900 a 2.100
horas), os créditos obtidos em cursos de especialização poderão integrar o Programa de
Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva.
Em nível de pós-graduação senso estrito, o Instituto oferece programas de Mestrado, Doutorado
e Pós-Doutorado. Para o Mestrado e Doutorado acadêmicos, encontram-se atualmente
implantadas três áreas de concentração (Epidemiologia, Planificação e Gestão em Saúde e
Ciências Sociais em Saúde). Além das disciplinas exclusivas deste nível, será possível a
convalidação, incorporação ou dispensa de qualquer disciplina ministrada pelo Instituto no
Sistema I-M-P (ou outra unidade da UFBA ou de outra instituição credenciada), de acordo com
a legislação vigente, para a integralização dos créditos exigidos. Os programas de
Pós-Doutorado são oferecidos pelos grupos de pesquisa do Instituto sob a forma de estágios
supervisionados, devendo o/a candidato/a igualmente cumprir atividades de apoio didático na
sua área de competência, sob a forma de seminários monográficos ou metodológicos.
3.
2.
A ESTRUTURA CURRICULAR DO ISC (SISTEMA I-M-P)
As atividades didáticas do Instituto de Saúde Coletiva da UFBA são desenvolvidas a partir de
um modelo de organização efetivamente capaz de integrar o ensino com a pesquisa e a
extensão, denominado sistema I-M-P (Integrado-Modular-Progressivo). O sistema I-M-P
Última Atualização: janeiro/2010
DESCRIÇÃO DO CURSO DE MESTRADO
O Mestrado em Saúde Comunitária - MSC tem como objetivo a qualificação de professores,
pesquisadores e profissionais dos serviços de saúde no campo da Saúde Coletiva, nas áreas
de concentração de Epidemiologia, Planificação e Gestão em Saúde e Ciências Sociais em
Saúde. Autorizado pela Câmara de Pós-Graduação da UFBA, em 15 de dezembro de 1973 e
credenciado pelo CFE desde 1978, o MSC/ISC/UFBA tem recebido a mais alta
Última Atualização: Janeiro/2010
classificação (grau A) do sistema de avaliação da CAPES/Ministério da Educação desde
1982, sendo que na avaliação 2001/2003 obteve grau 6.
O modelo curricular do MSC baseia-se em um marco teórico que se desdobra a partir dos
seguintes pressupostos: (i) O objeto da Saúde Coletiva é complexo, transitando do
molecular ao social, e compreende a investigação dos determinantes dos fenômenos da
saúde-doença-cuidado, da organização social das práticas e dos serviços de saúde e do
estudo da historicidade do saber e das práticas sobre a saúde. (ii) As ações de saúde
(promoção, proteção, recuperação, reabilitação) são práticas sociais e estão marcadas pelo
relacionamento entre os grupos sociais.
Mestrado em Saúde Comunitária
Área de Concentração:
Com regime de seleção anual, atualmente oferecendo 16 vagas nacionais e 4 internacionais,
o programa destina-se a profissionais da área de saúde (Medicina, Enfermagem, Nutrição,
Odontologia, Farmácia, Veterinária etc.) e áreas afins (Sociologia, Antropologia, Economia,
Psicologia, Serviço Social, Geografia, Engenharia, Estatística, Administração, etc.), desde
que as suas áreas de interesse sejam consonantes com as linhas de investigação em
desenvolvimento no ISC. A duração máxima e improrrogável do curso é de 2 anos (24
meses). O curso dispõe de quotas institucionais, em número variável, de bolsas CAPES e
CNPq que são distribuídas de acordo com critérios de elegibilidade do/a candidato/a
definidos por essas instituições e a classificação obtida na seleção.
4.
ESTRUTURA CURRICULAR
A estrutura curricular do MSC compõe-se de disciplinas e atividades, oferecidas nos
domínios: teórico-conceitual, analítico-interpretativo e prático-instrumental, em um
programa de estudos que circunscreve os três eixos disciplinares da saúde coletiva epidemiologia, ciências sociais em saúde e planificação/gestão em serviços de saúde. As
disciplinas, oferecidas em regime semestral (março-julho; agosto-dezembro) são
classificadas em obrigatórias e optativas. As atividades, realizadas sob supervisão de um/a
orientador/a, compreendem uma prática de pesquisa, participação nas sessões científicas do
ISC, tirocínio docente e o cumprimento de pré-requisitos (exames de qualificação e
desenvolvimento de uma dissertação). Aos alunos estrangeiros será facultada a coorientação da dissertação por professor/a de uma universidade do seu país. Para tal, deverá
ser encaminhada uma solicitação própria, acompanhada de carta de aceitação do/a
professor/a e cópia do currículo para apreciação do Colegiado. Entretanto, o/a orientador/a/a
principal será um dos professores do quadro do PPG/ISC.
Planificação e Gestão em Saúde
Disciplinas obrigatórias
Créditos
Teórico/práticos
ISC510 - Epidemiologia em Saúde Coletiva
2 (2.0)
ISC520 - Políticas de Saúde
2 (2.0)
ISC521 - Administração e Gerência em Serviços de Saúde
2 (2.0)
ISC522 - Planificação em Saúde
2 (1.1)
ISC540 - Epistemologia e Metodologia em Saúde
2 (2.0)
ISC541 – Saúde, Cultura e Sociedade
2 (2.0)
Subtotal
12 (11.1)
Disciplinas optativas
Créditos
A serem escolhidas, em acordo com o/a orientador/a/a,
dentre as disciplinas do Sistema IMP-ISC, ou de
programas de PG da UFBA e de instituições com as quais
o ISC mantém convênio de intercâmbio acadêmico.
Total
2 (2.0)
14(13.1)
Atividades obrigatórias
ISC790 - Pesquisa Orientada
As disciplinas do MSC organizam-se em três estruturas curriculares, dentro das respectivas
áreas de concentração, conforme os quadros a seguir:
ISC791 - Tirocínio Docente
ISC792 – Projeto de Dissertação
ISC794 – Exame de qualificação
Última Atualização: janeiro/2010
Última Atualização: Janeiro/2010
Área de Concentração:
Epidemiologia
Área de Concentração:
Disciplinas obrigatórias
Ciências Sociais em Saúde
Créditos
Teórico/práticos
ISC501 - Estatística em Saúde
2 (1.1)
ISC503 - Métodos de Análise Epidemiológica I
2 (1.1)
ISC510 - Epidemiologia em Saúde Coletiva
2 (2.0)
ISC502 - Epidemiologia Social
2 (2.0)
ISC520 – Política de Saúde
2 (2.0)
ISC540 - Epistemologia e Metodologia em Saúde
2 (2.0)
ISC541 – Saúde, Cultura e Sociedade
2 (2.0)
Subtotal
14 (10.2)
Disciplinas optativas
A serem escolhidas, em acordo com o/a orientador/a/a, dentre
as disciplinas do Sistema IMP-ISC, ou de programas de PG da
UFBA e de instituições com as quais o ISC mantenha
convênio de intercâmbio acadêmico (ver ementário de
disciplinas)
Total
Créditos
Créditos
Teórico/práticos
ISC 510 - Epidemiologia em Saúde Coletiva
2 (2.0)
ISC 520 - Políticas de Saúde
2 (2.0)
ISC 540 - Epistemologia e Metodologia em Saúde
2 (2.0)
ISC 541 - Saúde, Cultura e Sociedade
2 (2.0)
ISC545 - Métodos de Análise de Dados Não Estruturados I
2 (1.1)
ISC550 - Teorias Sociais em Saúde
2 (2.0)
Subtotal
12 (11.1)
Disciplinas optativas
2 (2.0)
16(14.2)
Atividades obrigatórias
Disciplinas obrigatórias
Créditos
A serem escolhidas, em acordo com o/a orientador/a/a,
dentre as disciplinas do Sistema IMP-ISC, ou de programas
de PG da UFBA e de instituições com as quais o ISC
mantém convênio de intercâmbio acadêmico.
Total
2 (2.0)
14(13.1)
Atividades obrigatórias
ISC790 - Pesquisa Orientada
ISC791 - Tirocínio Docente
ISC790 - Pesquisa Orientada
ISC792 – Projeto de Dissertação
ISC791 – Tirocínio Docente
ISC794 – Exame de qualificação
ISC792 – Projeto de Dissertação
ISC794 – Exame de qualificação
Última Atualização: janeiro/2010
Última Atualização: Janeiro/2010
desempenho do/a aluno/a, através de relatórios periódicos. Para a concessão de notas, será
usado o sistema de 0 a 10, de acordo com as Normas Complementares da PG vigentes na
UFBA.
Atenção!
5.2.
Qualidade acadêmica
Solicita-se, por ocasião da primeira matrícula no programa, que o/a mestrando/a
previsão do exame de qualificação (2º semestre) e da apresentação pública da
Além da avaliação do aproveitamento dos alunos, propõe-se a implantação de um controle
de qualidade das disciplinas e dos docentes, que deverá se realizar ao final dos cursos,
adotando-se um formulário padronizado. O preenchimento desses formulários deve ser
realizado individualmente resguardando-se o anonimato do/a aluno/a. Recomenda-se que o
preenchimento e coleta fiquem a cargo de um/a aluno/a do curso. Em situações onde mais
de um/a professor/a tenha se responsabilizado por atividades didáticas, estes serão avaliados
em separado.
dissertação (prazo máximo ao final do 4o. semestre). A atividade de Pesquisa
5.3.
elabore o seu Plano de Curso, ouvido/a o/a orientador/a/a, preenchendo o
formulário em anexo, especificando cronologicamente (ano/semestre ou
mês/dia, quando apropriado) as disciplinas que pretende cursar, as atividades
relativas ao tirocínio docente, desenvolvimento do projeto e da dissertação,
Seminários de Avaliação
Orientada deve ser realizada em todos os semestres.
Prazos importantes
Espera-se que durante os dois primeiros semestres de curso, o/a mestrando/a complete os
créditos disciplinares e elabore um projeto de dissertação. A entrega do projeto de
dissertação deverá ser feita até data definida pelo Colegiado, com consequente exame
de qualificação até o final do 2º semestre. Após aprovação do projeto, este poderá ser
concluído nos meses restantes, totalizando, portanto, um máximo de dois anos (24 meses) a
contar da matrícula, sem direito a prorrogação. O cumprimento destes prazos estará sob a
responsabilidade do/a aluno/a, cabendo a/o orientador/a manter informado o Colegiado do
Curso sobre o andamento do processo de formação do/a candidato/a ao grau de Mestre.
Por ocasião da matrícula no último semestre do curso, o/a aluno/a deve verificar em
seu histórico escolar o cumprimento da creditação requerida para colação de grau,
não esquecendo de matricular-se na atividade ISC 792 Projeto de Dissertação.
5.
6.
REQUISITOS DO PROGRAMA
Para a obtenção do grau de Mestre em Saúde Coletiva, é necessário que o/a aluno/a
preencha os seguintes requisitos do Programa de Pós-Graduação do ISC/UFBA:
a)
Integralização dos créditos em disciplinas, de acordo com o apresentado na seção
anterior, alcançando Média Global não inferior a 7,0 nas disciplinas do curso (a ser
computada no final do 2o. semestre);
b)
Exame de Qualificação I- O Exame de Qualificação corresponde à avaliação do
projeto de dissertação devendo ser realizado ao final do segundo semestre, em data
definida pelo Colegiado
AVALIAÇÃO
O sistema de avaliação do curso pauta-se na idéia de que a formação do/a aluno/a é
progressiva e processual, propiciando: a) o conhecimento do grau de domínio ou alcance
dos objetivos do curso; b) a identificação de lacunas ou fragilidades que poderão ser
sanadas durante o restante da formação; c) o controle da qualidade do ensino pela
instituição. Os instrumentos do processo de avaliação são os seguintes:
5.1.
A cada ano letivo, será realizado seminário de avaliação do PPGSC, com a participação de
representantes do corpo docente e do corpo discente, além de comissões ad-hoc de
avaliação compostas por professores de outros programas de pós-graduação convidados
pela coordenação do curso.
Aproveitamento dos alunos
A metodologia de avaliação dos alunos, em cada disciplina, será definida pela equipe
responsável. Para a atividade Pesquisa Orientada, além da frequência plena às sessões
científicas do ISC, o/a orientador/a deverá manter o Colegiado informado sobre o
Última Atualização: janeiro/2010
"O projeto de dissertação será encaminhado ao Colegiado mediante
requerimento de apreciação pelo/a aluno/a, com a anuência do/a professor/a
Orientador/a. O Colegiado, tendo aceito o projeto de dissertação, deve designar
Comissão Examinadora composta de 02 (dois) professores. O exame de
qualificação constará de arguição do projeto por parte dos professores
componentes da Comissão Examinadora, com participação do/a orientador/a,
que presidirá a sessão. Ao final, os professores examinadores emitirão parecer
indicando sua reprovação ou aprovação com ou sem sugestões de modificações.
Será considerado reprovado o projeto que tenha recebido dois pareceres de
reprovação da Comissão Examinadora. Caso haja discordância um terceiro
parecer será solicitado. O Colegiado fixará a data, para apresentação de outro
projeto, por aluno/a que tenha tido o seu projeto inicial rejeitado pelo
Última Atualização: Janeiro/2010
Colegiado ou reprovado pela Comissão Examinadora, dentro do prazo máximo
de 03 (três) meses contados a partir da data de recebimento do projeto pelo
Colegiado ou dos pareceres, ouvido o/a professor/a Orientador/a. A segunda
reprovação em projeto de dissertação implicará o desligamento do/a aluno/a do
curso." (Artigo 20, Regimento Interno, PPGSC, 2000).
c)
Aprovação da Dissertação pela Comissão Examinadora cuja entrega de versão
definitiva deverá ser efetuada em data definida pelo Colegiado, antes do final do 4o
semestre.
Nenhum desses requisitos será passível de adiamento ou dispensa, exceção feita aos
créditos em disciplinas. Pedidos de dispensa, convalidação ou aproveitamento de créditos
deverão ser apresentados ao Colegiado para julgamento. Notar que publicações de artigos
ou livros poderão ser utilizados para dispensa de disciplinas, de acordo com as Normas
Complementares para a Pós-Graduação (NC/PPG/1993) da UFBA. Reprovação,
jubilamento ou outras situações que impliquem em afastamento do/a aluno/a do programa
serão conduzidas com base nas normas vigentes.
7.
DO TRABALHO DE CONCLUSÃO
O Exame do Projeto será realizado após o/a orientador/a/a atestar que o projeto encontra-se
em condições de ser submetido ao Exame de Qualificação I . O objetivo desta avaliação é
buscar a contribuição de outros profissionais para a formação do/a aluno/a, além daquela
fornecida pelo/a orientador/a. A composição da banca buscará a diversidade da formação
dos membros, recomendando-se que pelo menos um deles seja externo ao ISC. Os pareceres
serão escritos, compreendendo críticas e recomendações julgadas necessárias ao
aprimoramento do projeto, onde poderá se incluir a realização de disciplinas deste ou de
outros programas. Após a avaliação do projeto, o/a examinador/a deverá classifica-lo nas
seguintes condições: aprovado sem restrições; aprovado com recomendações; aprovado
condicionalmente; reprovado.
A dissertação deverá ser submetida ao Colegiado mediante requerimento de apreciação
pelo/a aluno/a, com a anuência do/a professor/a Orientador/a, em quatro cópias (3 para a
banca e 1 para a secretaria da PPGSC), em data definida pelo Colegiado antes do
esgotamento do prazo máximo de conclusão do Curso. Estas serão encaminhadas para a
banca examinadora a qual deverá emitir pareceres por escrito.
•
Formatos da dissertação (Secção V do Regimento Interno do PPGSC)
A apresentação da dissertação no formato tradicional traz limitações na divulgação e acesso
do material ao público, desde que, em geral, trata-se de texto extenso e não indexado, o
qual vem sendo progressivamente relativizado como produção científica. Visando um maior
alcance social do trabalho do/a aluno/a e do/a orientador/a/a, bem como a racionalização do
tempo e trabalho investido no desenvolvimento da dissertação, especialmente dentro do
contexto de redução do tempo de duração do mestrado, serão aceitas dissertações
desenvolvidas sob o chamado “modelo europeu”. Este modelo consiste na apresentação de
dissertação sob forma de um artigo, no qual o/a mestrando/a seja o autor principal. Caso o
artigo seja publicado ou aceito para publicação em periódicos científicos que requeiram
revisão por consultores para a sua aceitação, no período do curso, o exame do projeto e da
dissertação será efetivado pela aceitação (à guisa de convalidação) do material apresentado,
pela banca examinadora.
Ainda levando em consideração a realidade da redução do tempo de permanência no
programa, recomenda-se que, sempre que possível, o/a aluno/a utilize dados já coletados,
desde que conte com a anuência do/a orientador/a/a e dos responsáveis pelo material não
digitado ou sob a forma de banco de dados em versão eletrônica.
Além da realização de estudos com material de natureza empírica, seja pesquisa qualitativa,
quantitativa ou documental, poderão ser aceitos como trabalho de conclusão do Mestrado:
a)
Revisão de literatura - desde que represente síntese do conhecimento com
contribuição pessoal na análise, interpretação, compreensão e elaboração de modelos
teóricos ou metodológicos, ou venha a contribuir para a definição de novas agendas de
investigação no tema escolhido. Estas revisões poderão ser quantitativas ou
qualitativas. (ver em anexo Estratégias para pesquisa bibliográfica utilizando a
Internet).
b)
Projetos de aplicação tecnológica - serão aceitos projetos que objetivem a construção
de modelos originais de planejamento, gestão, intervenção, elaboração e avaliação de
instrumentos, bem como a sua aplicação em uma situação concreta na área da saúde
pública.
Após a defesa pública da dissertação, em sessão do Colegiado de Cursos, a comissão
examinadora deverá decidir pela sua aprovação ou não. O/a aluno/a terá 60 dias de prazo
para incorporar as modificações sugeridas pela comissão examinadora conforme previsto no
Regimento Interno. Quatro cópias da versão final (corrigida) deverão ser encaminhadas ao
Colegiado no prazo máximo de 30 dias a contar da data da defesa, junto com a
comprovação, atestada pelo/a orientador/a/a, de inclusão das correções recomendadas pela
banca examinadora.
Última Atualização: janeiro/2010
Última Atualização: Janeiro/2010
Ètica e pesquisa em saúde: os aspectos éticos na pesquisa em saúde no
Brasil são regulamentadas pelo Conselho Nacional de
Saúde/Ministério da Saúde através das resoluções 196 e 251.
Recomenda-se aos estudantes que realizem pesquisa com seres
humanos o acesso a essas resoluções. É obrigatório para esse tipo de
pesquisa a obtenção de parecer de Comissão de Ética no local onde a
pesquisa está sendo realizada. O ISC dispõe atualmente de Comissão
de Ética aprovada pelo CONEN.
Recomenda-se que imediatamente após o exame de qualificação, o estudante
submeta seu projeto ao Comitê de Ética em Pesquisa CEP-ISC)
8.
2.
3.
4.
FIGURA 1 GRD
Solicitar histórico escolar atual e verificar junto ao orientador/a se o número de
créditos e a grade curricular obrigatória, que deve ter cursado constam do mesmo.
Quando for o caso, providenciar as correções da versão final da dissertação/tese,
sugeridas pela banca, e substituir os exemplares existentes, em número de quatro, na
Secretaria da Pós Graduação.
Entregar a versão final da dissertação acompanhada de disquete, juntamente com ofício
solicitando providências relacionadas com a colação de grau e emissão de diploma
(modelo anexo).
Acompanhar pessoalmente o processo junto a Secretaria Geral dos Cursos.
O SISTEMA I-M-P DO ISC/UFBA
GRADUAÇÃO
Introdução à Saúde Coletiva; Epidemiologia; Políticas de Saúde
CAP - CAPACITAÇÃO, ATUALIZAÇÃO, EXTENSÃO
(módulos de 30-60 horas articulados a programas de cooperação técnica)
PG
CONCLUSÃO DO CURSO
Para que a colação de grau do/a aluno/a seja feita em menor espaço de tempo é necessário
que seja tomadas as seguintes providências:
1.
ANEXOS
APF - APERFEIÇOAMENTO
(integralização de módulos CAP articulados a programas de cooperação
técnica; carga horária: 180 - 240 horas)
ESP - ESPECIALIZAÇÃO
Senso
Epidemiologia; Vigilância à Saúde; Gestão de Sistemas Locais de
Saúde; Gerência de Unidades Hospitalares; Comunicação em Saúde;
Informação em Saúde, Arquitetura em Sistemas de Saúde
(integralização de módulos APF articulados a programas de cooperação
técnica; carga horária: 360 horas)
Lato
RMSC- RESIDÊNCIA MULTIPROFISSIONAL
EM SAÚDE COLETIVA
(Seleção + integralização de módulo ESP + 1.100 horas de estágio em
sistemas locais de saúde)
MSC - MESTRADO EM SAÚDE COLETIVA
PG
Epidemiologia, Planificação e Gestão em Saúde
Estrito
Senso
e Ciências Sociais em Saúde
(Seleção + 12 créditos em disciplinas exclusivas + creditação no sistema
IMP + atividades obrigatórias + exame de qualificação + dissertação)
MESTRADO PROFISSIONAL EM SAÚDE COLETIVA
DSC - DOUTORADO EM SAÚDE COLETIVA
Epidemiologia, Planificação e Gestão em Saúde
e Ciências Sociais em Saúde
(Seleção + 10 créditos em seminários avançados + créditos do sistema
IMP + atividades obrigatórias + exames de qualificação + tese)
POSDOC - PÓS-DOUTORADO
(programas temáticos, articulados a grupos de pesquisa do ISC/UFBA)
Última Atualização: janeiro/2010
Última Atualização: Janeiro/2010
PLANO DE ESTUDOS DO/A ALUNO/A (Mestrado)
INSTITUTO DE SAÚDE COLETIVA
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA
Nome do/a aluno/a
No. de matrícula
ACOMPANHAMENTO DO PROJETO DE DISSERTAÇÃO
Curso:
Área de concentração:
Programa Integrado:
Linha de Pesquisa:
Ano/semestre:
Orientador/a:
Data:
Disciplinas Obrigatórias:
1
2
3
4
5
6
7
Semestre / data
Disciplinas Optativas:
Semestre / data
Orientador/a:
Aluno/a:
Título do Projeto:
Comentários sobre o desenvolvimento do projeto de dissertação:
Etapa em que se encontra:
Ritmo do desenvolvimento:
Unidade
Desempenho do/a aluno/a:
Recomendações:
Atividades:
Início / Fim ou
Data
Observação
Pesquisa Orientada
Estágio / bolsa sanduíche
Projeto de dissertação
apresentação para exame
Entrega da dissertação para exame
Conceito para a atividade Desenvolvimento da Dissertação no período:
(1 a 10)
Salvador, _____ de _____________________________ de _____
Defesa de dissertação
____________________________________________________
Assinatura do Examinador
Última Atualização: janeiro/2010
Última Atualização: Janeiro/2010
SUGESTÃO DE ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO ARTIGO (epidemiologia)
ROTEIRO PARA AVALIAÇÃO DA DISSERTAÇÃO
(pesquisa epidemiológica)
TÓPICOS
1. INTRODUÇÃO:
1.1 Definição do problema/ contexto/ natureza e extensão
2. REVISÃO DE LITERATURA
2.1 Abrangência e atualidade
2.2 Nível de organização e síntese
2.3 Habilidade crítica
3. QUADRO TEÓRICO
3.1 Revisão da principais teorias relacionadas ao tema
3.2 Avaliação crítica pessoal
3.3 Sistematização de conceitos
3.4 Modelo de predição
4.OBJETIVOS DO ESTUDO / HIPÓTESES
4.1. Finalidades e objetivos mais imediatos
4.2 Coerência com as seções anteriores
4.4 Originalidade e relevância social e científica
5. MÉTODOS
5.1 Desenho e amostragem
5.2 Coleta de dados
5.3 Instrumentos
5.4 Plano de análise - definição de variáveis, arquitetura
de análise, pertinência de procedimentos descritivos e
analíticos.
6. RESULTADOS
6.1 População do estudo - elegibilidade, recusas,
tratamento de valores perdidos
6.2 Dados descritivos 6..3 Dados tabulares
6.4. Dados de modelagem 6..5 Poder do estudo
7. DISCUSSÃO
7.1 Síntese dos resultados
7.2 Interpretação /compreensão, explicação, sem uso de
jargões epidemiológicos e ou estatísticos
7.3 Generalização (consistência, coerência, plausibilidade)
7.4 Limites (bias/ direção) e perspectivas
8. ASPECTOS GERAIS
8.1 Bibliografia
8.2 Redação, ortografia, gramática e estilo
8.7 Apresentação de tabelas, gráficos ou figuras
CONCEITO FINAL
Última Atualização: janeiro/2010
CONCEITO
1. Introdução
a) identificação do problema estudado;
b) breve revisão da literatura - limitar-se a dados referentes à pergunta do estudo;
c) caracterização da área e da população estudadas;
d) importância/justificativas para o estudo;
e) objetivo ou hipóteses do estudo.
2. Metodologia
a) desenho do estudo;
b) população do estudo - houve amostragem (tipo, fração amostral), quem foi excluído,
c) quem foi considerado elegível e por que;
d) fonte de dados e época de realização do estudo;
e) como e por quem foi feita a coleta de dados;
f) cuidados adotados para evitar erros (validade) e tendenciosidades;
g) instrumentos utilizados;
h) definição de variáveis;
i) digitação, software empregado para a análise dos dados;
j) como foi realizada a análise dos dados - material descritivo e analítico: escolha da
medida da variável, das medidas de associação ou de tendência central e do teste
estatístico;
k) cuidados éticos.
3.
a)
b)
c)
d)
e)
f)
g)
4
a)
b)
c)
d)
e)
f)
Resultados
dados gerais sobre a amostra e população do estudo: tamanho, perdas e ou recusas;
dados descritivos - caracterização da amostra ou população em estudo de acordo com
as informações disponíveis; quando há teste de hipóteses apresente esse material de
acordo com a exposição (coorte ou transversal) ou situação de saúde (caso-controle
ou caso-referente);
dados analíticos - tabelas da análise estratificada; apresentar estimativas das medidas
de associação e estimação e/ou inferência estatística (intervalo de confiança e/ou
valor-p); confundimento e interação;
Discussão
retome as principais respostas das suas questões de pesquisa;
interprete, explicando os seus achados a luz da teoria(s) existentes) e/ou de acordo com
a sua própria compreensão;
compare com os resultados referidos em outros estudos;
limitações e/ou falhas do estudo - como erros e/ou tendenciosidades
podem ter interferido para a obtenção dos seus resultados (direção e magnitude se
possível);
perspectivas de outras investigações do tema, que possibilitem o avanço do
conhecimento sobre a pergunta de investigação.
Esta é apenas uma proposta mínima que poderá ser alterada em acordo com o/a orientador/a
ou as normas do periódico no qual deseja submeter o material para publicação.
Última Atualização: Janeiro/2010
Modelo de ofício para solicitar realização de Exame de Qualificação / Defesa.
Modelo de ofício para entrega de versão final e solicitação de diplomas
Ilmo (a) Sr (a)
Ilmo (a) Sr (a)
Prof (a)
Prof (a)
MD Coordenador do Programa de Pós-Graduação de Saúde Coletiva
MD Coordenador do Programa de Pós-Graduação de Saúde Coletiva
Senhor (a) Coordenador (a)
Senhor (a) Coordenador (a)
Submeto à apreciação deste Colegiado o projeto (ou a dissertação) de dissertação intitulado
Encaminho quatro exemplares e disquete da versão final da tese de minha autoria, intitulada
“............................................................” como parte
“.....................................................................” ao tempo em que solicito providenciar a
dos requisitos para realização do
Exame de Qualificação (ou defesa) bem como os nomes dos seguintes professores para
emissão do meu diploma de mestre em saúde comunitária
composição da banca examinadora:
Assinatura do/a aluno/a
Assinatura do/a aluno/a
Assinatura do/a orientador/a/a
Última Atualização: janeiro/2010
Última Atualização: Janeiro/2010
Estratégias para pesquisa bibliográfica utilizando a Internet
1.
Portal .periódicos. da CAPES (http:\\www.periodicos.capes.gov.br)
O portal .periódicos. é uma ferramenta que facilita as pesquisas bibliográficas,
através de bases de dados referenciais, permite o acesso a um conjunto expressivo
de periódicos estrangeiros, de capa a capa. As bases de dados referenciais
temáticas são 8 e cobrem as áreas de agronomia, biologia, ciências dos alimentos,
economia, engenharia, geociências, letras, lingüística e sociologia em mais de
29.000 títulos indexados.
2.
http://webofscience.fapesp.br/
A Web of Science (WoS) é uma base de dados produzida pelo Institute for Scientific
Information (ISI), com informações sobre artigos publicados, a partir de 1945, em mais de
8.400 periódicos especializados, indexados pelo ISI, em todas as áreas do conhecimento
(Ciências, Ciências Humanas e Sociais, Artes e Humanidades). A assinatura do WoS foi
inicialmente feita pela FAPESP, em 1997, no âmbito do projeto SCIELO, relativo à
constituição de uma biblioteca virtual de revistas científicas brasileiras publicadas em
formato eletrônico (http://www.scielo.br).
3.
http://www.ncbi.nlm.nih.gov/entrez/query (Biblioteca Nacional de Medicina dos
Estados Unidos)
4.
http://www.mco.edu/lib/instr/libinsti.html (informações sobre diversos periódicos
internacionais na área da saúde- normas de publicação). Raymon H. Mulford library /
Medical College of Ohio
5.
•
•
•
•
•
•
Sites interessantes para documentos oficiais
http://www.saude.gov.br/ (Ministério da Saúde)
http://www.aids.gov.br/
(Programa Nacional de DST/AIDS do Ministério da Saúde)
http://www.cdc.gov/
(Centro de Controle de Doenças- Atlanta-USA)
http://www.cdc.gov/hiv/pubs/mmwr.htm (Centro de Controle de Doenças- sobre HIV)
(Organização Mundial da Saúde)
http://www.who.int/
http://www.paho.org/
(Organização Panamericana da Saúde)
6. http://www.adobe.com/
Neste site você pode "baixar" (download) o acrobat reader (é de graça apenas o reader).
Instale no seu computador e quando precisar ler arquivos em formato PDF acione o
programa. Vários artigos científicos estão disponíveis em formato PDF nos diversos sites
citados.
7.
•
•
Referências para facilitar a produção de artigos científicos
Editorial, 2000. Guidelines for contributors to Social Science & Medicine. Soc Sci
Med, 50:3-5 (www.elsevier.com/locate/sosscimed);
Huth EJ 1999. Writing and Publishing in Medicine, 3rd ed. Williams & Wilkins,
Baltimore.
(O capítulo 3 é sobre revisão de literatura).
Última Atualização: janeiro/2010
Última Atualização: Janeiro/2010
Download

- Instituto de Saúde Coletiva