Instruções e Orientações para construção
de roteiro, filmagem e fotografia.
O CINEMA PODE SER DIVIDIDO EM DIVERSOS
PROCESSOS. SÃO ELES:












Argumento
Roteiro
Produção
Realização
Sonorização
Decupagem
Montagem
Edição
Legendagem
Dublagem/Dobragem
Distribuição
Exibição
ARGUMENTO:
O argumento, geralmente, é a primeira
coisa a ser desenvolvida por um
roteirista. É a idéia trabalhada sobre a
qual se desenvolverá uma seqüência de
atos e acontecimentos, que constituirão,
futuramente, o roteiro.
 É a historia do filme descrita de forma
dissertativa, a idéia central de tudo.


O argumento é
muitas vezes visto
como a sinopse, mas
não é. A sinopse de
um espetáculo
possui pouquíssimas
linhas (15 ou menos),
enquanto alguns
autores afirmam que,
para cada página de
argumento,
corresponde a dez
de um roteiro.
ROTEIRO

O roteiro é um documento narrativo utilizado como
diretriz para espetáculos de cinema ou programas
televisivos.

Roteiros de ficção contêm a íntegra de um filme ou
de um capítulo de novela ou seriado, divididos em
cenas numeradas que descrevem os personagens e
os cenários. O roteiro inclui todos os diálogos, com
indicações para os atores quanto à entonação da
voz e à atitude corporal. Além disso, informa o
horário em que cada cena deve ser filmada ("Dia",
Noite","Pôr-do-sol", "Amanhecer", etc) e se a cena é
"Externa" (filmada ao ar livre) ou "Interna" (gravada
em estúdio).
Percebendo a diferença

Um exemplo de transcrição de um argumento para um
roteiro:

ARGUMENTO
Alan vive triste e agora quer sua mulher novamente.



ROTEIRO
Alan entra na sala, com uma expressão triste. Dirigese até o sofá. Conseguimos ver uma fotografia sobre
o sofá. Alan agacha-se e pega a fotografia, trazendo
sobre seu tórax. Depois olha a fotografia, enquanto
chora. Vemos que a foto é de sua mulher.

O roteiro técnico,
desenvolvido
posteriormente, dá
indicações quanto ao
posicionamento das
câmeras, uso de
gruas, iluminação e
efeitos audiovisuais.
É preparado pelo
diretor do
espetáculo, em
conjunto com a
equipe técnica e,
eventualmente, com
o roteirista.
Noções Técnicas
Montagem:

I Um filme é uma série de sucessiva de planos,
cenas e sequências de diferentes comprimentos cada
um dos quais contendo um momento da acção

 A montagem é a linha de união que liga os

 Cada plano do filme, sendo uma parte do total,
deve estar unido com lógica tanto ao plano anterior
como ao seguinte, tendo em vista o desenrolar
correcto da acção com respeito ao tempo, espaço e
restantes elementos do filme

 Cada parte do filme, entre as outras partes, deve
estar justificada coerentemente (razões lógicas,
estéticas e outras).
fotogramas de um filme;
Escala de Planos
O quadro sintetiza
todos os possíveis
planos de uma
imagem:
Tipos de planos de filmagem







Quanto à distância entre a câmera e o objecto filmado
(enquadramento)
Plano geral: mostra uma paisagem ou um cenário completo.
Plano de conjunto: mostra um grupo de personagens.
Plano médio: mostra um trecho de um ambiente, em geral com
pelo menos um personagem em quadro.
Plano americano: mostra um único personagem enquadrado
não de corpo inteiro (da cabeça até a cintura, ou até o joelho).
Primeiro plano: mostra um único personagem em
enquadramento mais fechado que o plano americano (em
muitas situações, o primeiro plano é considerado sinónimo de
close-up).
Plano próximo, grande plano ou close-up (ou apenas close):
mostra o rosto de um personagem.
Plano detalhe: mostra uma parte do corpo de um personagem
ou apenas um objecto.





Quanto à duração
Plano relâmpago: dura menos de um segundo,
correspondendo quase a um piscar de olhos.
Plano-sequência: é um plano tão longo que se pode dizer que
corresponde a uma seqüência inteira do filme.
Entre esses dois extremos, pode haver planos mais curtos
(com duração de uns poucos segundos) ou mais longos
(durando um ou vários minutos). Mas é claro que a percepção
de um plano como curto ou longo depende não apenas de sua
duração, mas também do que acontece no decorrer do plano.
Quanto ao ângulo vertical
Plongê (do francês plongée, "mergulhado") ou Picado: a
câmara está posicionada acima do seu objeto, que é visto,
portanto, em ângulo superior. No exemplo mais simples, filmase um personagem colocando-se a câmara acima do nível de
seus olhos.
Contra-plongê ou Contra-picado: a câmara colocada abaixo do
objeto faz com que o espectador veja a cena de baixo para
cima (por exemplo, abaixo do nível do olhar do personagem).





Quanto ao ângulo horizontal
Frontal: é o plano em que a
câmara filma o personagem ou
objeto de frente.
Lateral (ou de perfil): o
personagem é visto de lado.
Traseiro: o personagem é visto
por trás.
Plano de 3/4: ângulo intermediário
entre o frontal e o lateral (assim
chamado porque mostra
aproximadamente 3/4 do rosto do
personagem).
Plano de 1/4: ângulo intermediário
entre o lateral e o traseiro.




Quanto ao movimento
Plano fixo: é aquele em que a câmara permanece fixa, sobre
o tripé ou outro equipamento adequado, ainda que haja
movimento interno no plano, de personagens, objetos,
veículos, etc.
Panorâmica: é o plano em que a câmara, sem se deslocar,
gira sobre seu próprio eixo, horizontal ou verticalmente.
Travelling: é o plano em que a câmara se desloca, horizontal
ou verticalmente, aproximando-se, afastando-se ou
contornando os personagens ou objetos enquadrados, sendo
para isso utilizado algum tipo de veículo (carrinho), sobre
rodas ou sobre trilhos, ou com a câmara na mão ou ainda
com algum tipo de estabilizador.
Zoom: é um movimento aparente de aproximação (zoom in)
ou de afastamento (zoom out) em relação ao que é filmado,
provocado por uma manipulação das lentes da câmara, sem
que a câmara em si execute qualquer deslocamento ou
rotação.
Planos mais utilizados
Grande Plano e Plano Pormenor
Grande Plano Geral e Plano Médio
Plano Aproximado e Plano Geral
FOTOGRAFIA

 Composição:
 Antes de começar a gravar as imagens é importante
verificar o melhor enquadramento da cena, reparar
se contém tudo o que queremos e se as linhas
predominantes são as melhores
 Este processo pode ser feito utilizando a técnica da
fotografia, verificando ângulos, enquadramento,
composição, etc., tal como se se tratasse de uma
imagem fixa.
 Tudo isto deve ser feito antes, de pressionar o botão
vermelho de gravação
 Composição:
Uma das formas de conseguir uma boa
composição é através da utilização da “regra
dos terços”, que consiste em imaginar a
imagem dividida em três partes iguais, quer
horizontal, quer verticalmente
ILUMINAÇÃO

Luz
I Se possível gravam-se imagens com o
apoio de reflectores próprios para o efeito.
 Durante o dia tenta-se evitar a luz do
meio-dia por ser demasiado forte e muito
vertical.
 As melhores horas são as da manhã e as
do fim da tarde. À noite já será de novo
necessário compensar.
Síntese

Ter sempre em conta que uma
luz demasiado brilhante tal
como o sol por detrás do
sujeito, não é muito
aconselhável pela dureza dos
contrastes que provoca.

Se o sujeito está numa
situação de luz deficiente então
move-se para um local melhor
iluminado, e a imagem gravada
no vídeo ficará em muito
melhores condições.
SOM
 Algumas filamdoras apresentam
microfones inbutidos, mas é
necessario fazer o texte do som;
 Se necessário fazer adaptação de
suportes para microfones;
 Quando se trabalha em lugares
abertos cuidado com os ruidos
sonoras existentes no ambiete;
DICAS PARA FILMAGEM

Segurar sempre a câmara (mesmo as mais leves)
com as duas mãos.

 A mão direita fica apoiada
na pega e trabalha com os
controlos principais, a
esquerda fica livre para
ajudar a estabilizar a
câmara e trabalhar
com quaisquer outros controlos;

 Para evitar imagens
tremidas, utilizar sempre uma
posição de trabalho estável, em
particular se a câmara estiver
apenas apoiada nas mãos;

 Nunca pegar a câmara pela
lente, pelo microfone ou pelo
visor;

 Quando se trabalha em pé,
deve-se encostar os cotovelos
ao corpo, e conservar os pés
afastados (mais ou menos na
largura dos ombros);
 Sempre que possível,
procura-se um suporte
estável, tal como um muro,
uma vedação ou uma porta.
 Ajoelhar ou sentar serão
recursos úteis para planos
mais baixos (por ex.. para
filmar crianças), pois podem
proporcionar mais
estabilidade à câmara.
Ficha técnica

PROFESSORA:
Danielle Palagano da Rocha
dani.ivi@hotmail.com
www.danimonteiro.wilispaces.com
Download

FESTIVAL DE CURTAS