DIAGNÓSTICO PARTICIPATIVO- COMUNIDADE, ESF-DF E
UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA
Marina Aparecida Malheiros Silva
Médica do PSF- Equipe PAD-DF
Colônia Agrícola Lamarão








Possui 135 famílias
560 pessoas
Está localizada há 70 Km de Brasília
Não possui rede de esgoto
Possui água tratada
Coleta de lixo 1 vez por semana
Não possui transporte coletivo eficiente
Mais de 50% da população são imigrantes
dos Estados do nordeste
Atores envolvidos

Os participantes consistiam em sua maioria
trabalhadores, moradores, lideranças comunitárias,
Emater, escola local,professores, estudantes da
universidade de Brasília( graduação e pós
graduação )e membros da ESF
Objetivos



Construir um diagnóstico participativo
Aproximar, empoderar e fortalecer o vínculo
da equipe de saúde com a comunidade
Integrar as necessidades e saberes da
comunidade com os saberes da universidade e
da equipe
Desenvolvimento da vivência e
Referencias metodológicos de
base

Diálogo de saberes - Paulo Freire
Métodos

Estimativa rápida participativa
Observações de campo
 Entrevistas com informantes chaves
 Visitas domiciliares


Mapeamento de vulnerabilidades
socioambientais e contextos de promoção
da saúde ambiental
Oficina de mapeamento de
vulnerabilidades socioambientais e
contextos de promoção da saúde ambiental.

Construir uma leitura social territorial para a ação
local em saúde ambiental no que concerne o
impacto a saúde e o ambiente decorrente dos
processos que ameaçam e promovem a vida.
MAPA de Vulnerabilidades socioambientais e
contextos de promoção da saúde ambiental,
Comunidade do Lamarão, 2012
Resultados
O QUE PROMOVE A
VIDA NA
COMUNIDADE
O QUE AMEAÇA A
VIDA NA
COMUNIDADE
Diversidade de produção de
alimentos
- Liberdade e segurança
- União e organização da
comunidade
- Disponibilidade de emprego
- Natureza
- Cultura alimentar
- Mal uso de agrotóxicos
- Uso incorreto de EPI’s
- Pulverização aérea
- Falta de lazer
- Falta de transporte
- Uso de drogas lícitas e ilícitas
Construindo uma agenda para a
ação
Mapa como base para o planejamento das
ações:
 Aula de dança
 Rodas de conversa
sobre segurança
alimentar
 Cineclube e teatros temáticos
 Gincana de saúde
ambiental

Desdobramentos deste trabalho





Oficina com várias palestra
Nova reunião com a comunidade
Aplicação de um instrumento nas
residências que avaliava a saúde
nutricional, do trabalhador e o meio
ambiente
Cálculo do IMC e medida da prega cutânea
de um representante de cada geração de
cada residência
Avaliação deste dados está sendo realizada
pela UNB
Desafios




Logística para trazer a UNB para esta área
rural( transporte, alimentação e outras)
Aproximar os jovens da comunidade para
este projeto
Fazer com que a comunidade participe e
acredite nesta forma de construção da
assistência à saúde
Fazer a equipe se interessar em tentar esta
nova forma de abordagem dentro da ESF
Autores




Marina Aparecida Malheiros Silva - Silva
MAM marinamalheiros@hotmail.com – ESFSES-DF
Glória Boaventura - Boaventura G gloriaboaventura@hotmail.com- ESF-DF
Gilberto Correia de Souza - Souza GC GilbertoCSouza@hotmail.com – ESF-DF
Anelise Rizzolo de Oliveira Pinheiro - Pinheiro
ARO - anelise.unb@gmail.com –UNB
Fernando Ferreira Carneiro - Carneiro FF fernandoferreira.brasilia@gmail.com - UNB

Obrigada a todos os envolvidos:
comunidade, a equipe de saúde, os
alunos e professores da UNB
Download

coc25 Marina Aparecida Malheiros Silva. Apresentação