UNISUL- Universidade do Sul de Santa Catarina
Campus da Grande Florianópolis – Pedra Branca
Curso de Psicologia
Trabalho de iniciação científica - Bolsa art. 170
Área de conhecimento: Ciências Humanas
Amanda Castro; Prof. Msc. Gabriel Gomes de
Luca (orientador); Profª. Dra. Juliane Viecili
(orientadora)
CARACTERÍSTICAS DA PERCEPÇÃO
DE PSICÓLOGOS ACERCA DAS
RELAÇÕES ENTRE OS MOTIVOS QUE
OS LEVARAM A ESCOLHER A
PROFISSÃO E AS FUNÇÕES QUE
EXERCEM NA SUA PRÁTICA
PROFISSIONAL APÓS FORMADOS
PROBLEMA DE
PESQUISA
Quais as características da percepção de
psicólogos acerca das relações entre os
motivos que os levaram a escolher a profissão
e as funções que exercem na sua prática
profissional após formados?
OBJETIVOS
• OBJETIVOS ESPECÍFICOS
• a) Identificar a percepção de psicólogos sobre
os motivos de sua escolha pela Psicologia;
• b) Examinar a influência da função social da
Psicologia como motivo de escolha da
profissão;
• c) Examinar a influência da representação
social da Psicologia como motivo de escolha
da profissão;
• d) Examinar a influência de pessoas para a
escolha da profissão;
• e) Identificar a percepção de psicólogos
sobre as funções que exercem e
sustentam sua prática profissional após
formados;
• f) Examinar os tipos de atividades
desenvolvidas pelos profissionais após
formados;
• g) Comparar os motivos que levaram
psicólogos a escolherem pela Psicologia
com o que eles exercem como função
profissional após formados.
PROBLEMÁTICA E
JUSTIFICATIVA
• Magalhães, Straliotto, Keller e Gomes (2000)
descrevem como motivos apresentados para a
escolha da Psicologia como profissão: desejo
de ajudar (75%).
• Madeiro e Barbosa (2002), relatam que os
entrevistados, relacionam o profissional da
Psicologia ao estereótipo de psicólogo clínico,
repetindo a noção de psicólogo partilhada pelo
senso comum.
PROBLEMÁTICA
• Catálogo Brasileiro de ocupações do Ministério
do Trabalho, considera que em qualquer
campo de atuação o psicólogo procede ao
estudo e à análise dos processos intra e
interpessoais e nos mecanismos do
comportamento humano.
• É possível questionar quais as necessidades
sociais atendidas pelo psicólogo, tendo em
vista a preferência por atuação na área clínica
e o objetivo de ajudar atribuído à função
exercida. (Problema de pesquisa)
JUSTIFICATIVA
• No atendimento clínico problema básico a ser
atendido é de cunho individual, assim uma
camada da população que não tem recursos
financeiros, por isso fica à margem deste
atendimento
• Para Costa e Campos (2000, apud PEREIRA,
2003) é possível que haja uma redução das
desistências de curso de graduação, caso
sejam identificadas as expectativas que os
alunos de graduação têm quanto ao curso
JUSTIFICATIVA
• De acordo com 64,2% dos entrevistados por
Andriola, Ribeiro e Moura (2003) o interesse e
a afinidade pessoal com a área do curso ou da
carreira escolhida foram os fatores que mais
pesaram na escolha do curso
• Identificar os motivos para a escolha
possibilitará verificar se as expectativas com
relação ao curso de psicologia refletem o
conhecimento obtido acerca da profissão.
MARCO TEÓRICO
• As funções exercidas pelo psicólogo após sua
formação estão relacionadas majoritariamente
ao atendimento clínico atendendo deste modo
apenas uma parcela da população que tem
acesso a este tratamento (BASTOS, 1990).
• De acordo com Magalhães, Straliotto, Keller e
Gomes (2000) os alunos de Psicologia
ingressam no curso buscando ao término da
graduação prestar serviços à sociedade como
psicoterapeutas.
MARCO TEÓRICO
• Carvalho (1982) considera que o curso
determina o tipo de profissional que sairá
formado, sofrendo também influências deste e
da sociedade.
•Segundo Bettoi e Simão (1999) as concepções
com que o aluno chega à faculdade influenciarão
na seleção e nas relações que ele estabelecerá
quando se defrontar com as informações,
atitudes e valores promovidos pelo curso.
METODOLOGIA
POPULAÇÃO
15 psicólogos- Formados entre 2005 e
2008. Escolhidos aleatoriamente a partir
de listagem concedida pela Unisul.
Local
Universidade do Sul de Santa Catarina,
município de Palhoça, ou locais indicados
pelos entrevistados, disponíveis em
Florianópolis.
CARACTERIZAÇÃO DA
PESQUISA
Pesquisa de Campo, Caracterização
Exploratória, Caráter Qualitativo.
Segundo Theodorson e Theodorson
(1970), a pesquisa exploratória
tradicionalmente é entendida como uma
pesquisa cujo objetivo é familiarizar-se
com o fenômeno.
METODOLOGIA
INSTRUMENTOS DA COLETA DE DADOS
Roteiro de entrevista semi-estruturado
composto por 17 questões abertas
PROCEDIMENTO PARA A ANÁLISE DO
MATERIAL
-Análise de conteúdo
-Categorias (motivos atribuídos para a escolha
do curso, funções exercidas e relação entre
motivos atribuídos e as funções exercidas
RESULTADOS
Conclusões
• Em geral, antes do ingresso no curso de
graduação, os psicólogos desconhecem as
possibilidades de intervenção do psicólogo.
A partir disso, a escolha pelo curso de
graduação em Psicologia é feita por alguns
estudantes com base em conhecimentos de
senso comum, que provavelmente
direcionam seus objetivos iniciais.
• Os objetivos iniciais com a profissão de
psicólogo, antes do ingresso nesse curso
de graduação parecem ser orientados pelas
atividades exercidas e não pelos resultados
obtidos após a intervenção. Após formados,
as atividades realizadas pelos psicólogos
no exercício da profissão consistem nas
mesmas atividades que esses atribuíam ao
papel do psicólogo, antes do ingresso para
o curso de Psicologia, que são, em geral,
atividades relacionadas à área clínica e
organizacional.
• O “desejo de ajudar” é indicado pelos
entrevistados como relação atribuída entre
o que os motivaram a escolher esse curso
de graduação e as funções que exercem
após formados. Portanto, as indicações
dos psicólogos entrevistados
possibilitaram identificar a existência da
relação entre os motivos para a escolha do
curso de graduação e as atividades que
esses psicólogos exercem após formados,
e, em geral, tal relação é percebida por
esses profissionais.
REFERÊNCIAS
ANDRIOLA, B. A.; RIBEIRO, E. S.; MOURA, C. P. Evasão discente nos
cursos de graduação da Universidade Federal do Ceará (UFC): busca das
suas causas . In: ANDRIOLA, W. B. (Org.). Avaliação:múltiplos olhares em
educação. Fortaleza: Ed. da Universidade Federal do Ceará, 2005
ANGELINI, A. L. (1975). Aspectos atuais da profissão de psicólogo no Brasil.
Boletim de Psicologia, 26, 31-39.
BARRETO, M. F. M. (1999). A Formação, o Exercício Profissional do
Psicólogo e a Prática da Dinâmica de Grupo (Tese de Doutorado). Pontifícia
Universidade Católica de Campinas.
BASTOS, A.V.B. A Psicologia no contexto das organizações – tendências
inovadores no espaço de atuação do psicólogo. Em: Conselho Federal de
Psicologia. Psicólogo Brasileiro: construção de novos espaços. Campinas,
SP: Tomo, 1992.
BETTOI, W. & SIMÃO, L.M. Profissionais para si ou para outros?: algumas
reflexões sobre a formação dos psicólogos.
BUENO, J. M. H.; LEMOS, C. G.; TOMÉ. Interesses profissionais de um
grupo de estudantes de psicologia e suas relações com inteligência e
personalidade. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 9, n. 2, p.271-278,
maio/ago. 2004.
CARVALHO, A.M.A. & KAVANo, E.A. Justificativa de opção por área de
trabalho em Psicologia: uma análise da imagem da profissão em psicólogos
recém-formados. Psicologia, v8, n3, p.1-18, 1982.
CASTRO, E. K. & BORNHOLDT, E. Psicologia da Saúde x Psicologia
Hospitalar: Definições e Possibilidades de Inserção Profissional. Psicologia:
Ciência e Profissão, Brasília, v. 24, n. 3, pp. 48-57, 2004.
GUEDES, M.C. Atuação do Psicólogo Clínico: análise de dissertações em
periódicos brasileiros e de dissertações e teses defendidas no país no
período 80/92. Em: Conselho Federal de Psicologia. Psicólogo Brasileiro:
construção de novos espaços. Campinas, SP: Tomo, p. 11-22, 1992.
MAGALHÃES, M., STRALIOTTO, M., KELLER, M. & GOMES, W. B. (2001).
Eu quero ajudar as pessoas: a escolha vocacional da psicologia. Psicologia:
Ciência e Profissão, 2, 10-27.
MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria Metodologia
científica. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2004.
MELLO, S. L. (1975). Psicologia e profissão em São Paulo. São
Paulo: Ática
MORAES, M. Cavalcanti de; MADEIRO, R. Torres de; BARBOSA,
V. P. As expectativas de alunos ingressantes no curso de psicologia
sobre sua formação profissional. Disponível em
<http://www.nead.unama.br/site/bibdigital/monografias/EXPECTATI
VA_FORMACAO_ALUNOS_PSICOLOGIA.PDF>. Acesso em: 08
abr. 2009.
MORE, C, LEIVA, A., TAGLIARI, L. A; (2001) Representação social
do psicólogo e de sua prática no espaço público-comunitário.
Paídéia - Cadernos de Psicologia e educação. Ribeirão Preto, 11
(21): 85-98.
OLIVEIRA, I. F., DANTAS, C. M. B., COSTA, A. L. F., SILVA, F. L.,
ALVERGA, A. R., CARVALHO, D. B., & YAMAMOTO, O. H. (2004).
O psicólogo nas Unidades Básicas de Saúde: formação acadêmica
e prática profissional. Interações, IX(17), 71-89.
OLIVEIRA, Silvio Luis de, tratando de metodologia cientifica. São Paulo
SP. Pioneira Thomason Leaming. 2002.
PEREIRA, F. C. B. Determinantes da Evasão de Alunos e os Custos
Ocultos para as Instituições de Ensino Superior: Uma Aplicação na
Universidade do extremo Sul Catarinense. 2003. 173 f. Tese (Doutorado) –
Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2003. Disponível
em: <http://teses.eps.ufsc.br/defesa/pdf/6936.pdf>. Acesso em: 10 ago.
2007.
PIOVESAN, A; TEMPORINI, E. R. Pesquisa exploratória: procedimento
metodológico para o estudo de fatores humanos no campo da saúde
pública. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 29, n. 4, Aug. 1995
. Available from
<http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S003489101995000400010&lng=en&nrm=iso>. access em 11 Nov. 2009. doi:
10.1590/S0034-89101995000400010
TAKAHACHI, T; SANTOS, M. A; LISBOA, L. M. P. (1987). O estudante de
psicologia e a psicologia: Os motivos da escolha do curso e as expectativas
quanto à futura atuação. Resumos da XVIII Reunião Anual de Psicologia da
SPRP, Ribeirão Preto, p. 221.
THEODORSON, G. A. & THEODORSON, A. G. A modern dictionary of
sociology. London, Methuen, 1970.
OBRIGADO!
Contato: amanda.castro@unisul.br
Download

Visualizar