SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DO
PARANÁ
DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA
Planejamento Escolar:
condição para a efetivação do
processo de ensinoaprendizagem.
O que se entende por
planejamento?
De acordo com Fusari (1990):
- Planejamento: meio para se facilitar e viabilizar a
democratização do ensino;
- Prática sistematizada: analisar dados disponíveis,
buscar a raiz do problema e propor ações.
- Planejamento é uma atitude crítica e organizada de
todos os envolvidos no processo de ensinoaprendizagem.
O que se entende por
planejamento?
Projeto Político-Pedagógico
Proposta Pedagógica Curricular
Plano de Trabalho Docente
REGIMENTO ESCOLAR
- Envolve o planejamento das ações
desenvolvidas pelo coletivo escolar,
articuladas com as ações individuais do
professor.
- É processo de reflexão: inerente ao
processo educativo e, portanto, à prática
docente;
- Planejamento e plano, apesar de estarem
intrinsecamente articulados, não são
sinônimos.
- Assim como o Plano de Trabalho Docente,
os demais Planos de Ação (da direção e da
equipe pedagógica) devem estar voltados à
efetivação do Projeto Político-Pedagógico
e da Proposta Pedagógica Curricular.
LDB 9394/96
Art 13: Os docentes incumbir-se-ão de:
I - participar da elaboração da proposta pedagógica
do estabelecimento de ensino;
II – elaborar e cumprir plano de trabalho, segundo a
proposta pedagógica do estabelecimento de ensino;
III – zelar pela aprendizagem dos alunos;
IV – estabelecer estratégias de recuperação para os
alunos de menor rendimento;
V – ministrar os dias letivos e horas-aula estabelecidos,
além de participar integralmente dos períodos
dedicados ao planejamento, à avaliação e ao
desenvolvimento profissional;
VI – colaborar com as atividades de articulação da
escola com as famílias e a comunidade.
Estatuto do Magistério
Lei Complementar nº 7/76:
Art 82: O Professor ou Especialista da Educação
tem o dever constante de considerar a
relevância social de suas atribuições,
cabendo-lhes manter conduta moral, funcional e
profissional adequada à dignidade do Magistério,
observando as seguintes normas:
I I - quanto aos deveres:
h – Participar no processo de planejamento de
atividades relacionadas com a educação para o
estabelecimento de ensino em que atuar.
Edital de concurso para o magistério – Descrição das
atividades genéricas dos professores do Ensino
Fundamental e séries do Ensino Médio da Rede Estadual
do Paraná:
1) Contribuir para o desenvolvimento da proposta
pedagógica dos estabelecimentos de ensino em que
atuar;
2)
Elaborar planejamento anual de sua disciplina e
trabalhar pelo seu cumprimento em consonância com a
proposta pedagógica do estabelecimento de ensino,
com os princípios norteadores das políticas
educacionais da SEED e com a legislação vigente para
a Educação Nacional;
PLANO DE TRABALHO
DOCENTE - PTD
- PTD é o espaço mais flexível e dinâmico do
planejamento escolar.
- Prevê abordagens diferenciadas para conteúdos
específicos.
- Deve estar em consonância com a PPP da
escola, PPC e com a Diretriz Curricular
Disciplinar.
PLANO DE TRABALHO
DOCENTE
- É documento elaborado por cada professor e,
portanto, individual, pois é “lugar de criação
do professor”.
- PTD: segurança e tranquilidade ao professor,
que encaminha melhor o seu trabalho,
consegue diminuir a indisciplina em sala.
- PTD: segurança e tranquilidade ao pedagogo,
que pode encaminhar melhor o trabalho em
caso de substituição.
PTD
- É a sistematização das decisões tomadas
pelo professor.
- É onde ele define a abordagem que fará de
determinado conteúdo,com quais recursos,
como e quando fará e como se dará a
verificação da aprendizagem dos alunos.
- É nele que se registra o que se pensa fazer,
como fazer, quando fazer, com que fazer e
com quem fazer.
ELEMENTOS DO PTD
Embora não haja um modelo definido de PTD, existem
alguns elementos que devem ser contemplados,
observando:
1) Periodicidade: período em que será desenvolvido,
não necessariamente deve seguir um tempo prédeterminado, visto que é o conteúdo que determina
o tempo.
Sugere-se que ele seja um plano de curto prazo,
podendo seguir a mesma periodicidade do
calendário letivo: bimestral, trimestral ou semestral.
É importante destacar que o plano deve ser flexível,
uma vez que a aprendizagem nos alunos não se dá
ao mesmo tempo e da mesma maneira.
2) Conteúdos estruturantes, básicos e
específicos: evidenciando a relação entre
eles - a qual conteúdo estruturante está
relacionado cada um dos conteúdos
específicos.
3) Justificativa: qual a intenção (função social)
em se trabalhar cada um dos conteúdos
específicos – expressa opção conceitual.
4) Encaminhamentos metodológicos:
específicos para cada conteúdo e não geral da
disciplina, visto que nem todos os conteúdos
podem ser abordados da mesma maneira.
Assim, é o conteúdo - e o recorte deste realizado
pelo professor - que determinarão a
metodologia.
5) Recursos didáticos: recursos que serão
utilizados pelo professor para o trabalho com o
conteúdo (TV, pen-drive, computador,
laboratório, revistas, jornais...)
6) Avaliação: critérios, instrumentos e pesos. Deve
expressar como cada conteúdo será avaliado –
por que ensinar determinado conteúdo; quais
instrumentos serão utilizados (prova, trabalho,
dramatização, debate ....) e o peso que se
atribuirá a cada um dos instrumentos. Deve
expressar concepção.
7) Referências: todas as fontes de pesquisa e
referência utilizadas pelo professor para o
trabalho com o conteúdo: sites, livros, livros
didáticos...
Ainda que, didaticamente, esta divisão acima
se faça necessária, é importante que o
professor consiga perceber a relação
intrínseca entre todos os elementos, dando
movimento ao plano.
- CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO: dizem respeito
diretamente aos conteúdos específicos
elencados pelo professor num curto período.
- EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM:
expressam o que é essencial o aluno saber ao
final de cada ano do EF e ao final de EM,
relacionam-se aos conteúdos básicos.
- Não é parte da PPC nem do PTD.
- Consiste num subsídio a mais para a prática
docente de um modo geral.
Equipe de Língua Portuguesa



Adilson Carlos Batista
Edilson José Krupek
Marly Albiazzeti Figueiredo
debportugues@gmail.com
41-33401714
REFLEXÕES



Como os professores de Língua Portuguesa
são orientados pela equipe pedagógica,
quanto à realização de seu Plano de
Trabalho Docente (PTD)?
Há dificuldades para avaliar se o PTD está
embasado na DCE de Língua Portuguesa?
Em que medida os professores estão
familiarizados
com os documentos
norteadores da escola (PPP/PPC) a partir
dos quais o seu PTD deve ser desenvolvido?
HISTÓRICO
“Não podemos, não devemos, pois, adiar a
compreensão de que a participação efetiva da
pessoa na sociedade acontece, também muito
especialmente, pela “voz”, pela “comunicação”,
pela atuação e interação verbal”, pela
linguagem, enfim. Tivemos, por muito tempo,
uma escola que favoreceu o mutismo”.
ANTUNES, Irandé. Aula de Português: encontro & interação, 2003.
• Gramática Normativa/Prescritiva
• Perspectiva reducionista: estudo da palavra e
da frase descontextualizada.
• Saussure/Jakobson: língua como sistema,
teoria da comunicação.
RUPTURA
• Década de 80 – Sociolinguística/ Análise do
Discurso/ Semântica/ Linguística textual/ Teoria
dos Atos de Fala...
• Círculo de Bakhtin - Sociointeracionismo/
dialogismo discursivo.
“Homens não recebem a língua pronta para ser
usada, eles penetram na corrente da
comunicação verbal; ou melhor, somente
quando mergulham nessa corrente é que sua
consciência desperta e começa a operar”
Bakhtin, Mikhail.
DCE – Língua Portuguesa / Paraná
“A linguagem é o mais eficiente instrumento de
ação e interação social de que o homem
dispõe. Por meio dela, ele se constitui como
sujeito. [...] A vida social é, fundamentalmente,
um conjunto de atos de compreensão e, por
isso, e em grande parte, atividade linguística”.
(BORBA, Francisco da Silva. 2003, p. 02)
CONCEPÇÃO
TEÓRICO-METODOLÓGICA
PARA O TRABALHO COM A LÍNGUA
PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO BÁSICA:


Nas DCEs, a linguagem é vista como
fenômeno
social,
pois
nasce
da
necessidade de interação entre os homens.
Ensinar a língua materna, a partir dessa
concepção, requer que se considerem os
aspectos sociais e históricos em que o
sujeito está inserido, bem como o contexto
de produção do enunciado.
CONTEÚDO ESTRUTURANTE:
DISCURSO COMO PRÁTICA SOCIAL



O discurso é toda atividade comunicativa
entre interlocutores.
Os agentes são seres situados num tempo
histórico, num espaço geográfico; pertencem a
uma comunidade, a um grupo e, por isso,
carregam crenças, valores culturais, sociais,
enfim, a ideologia do grupo, da comunidade
da qual fazem parte.
Essas crenças e ideologias são veiculadas, ou
seja, aparecem nos discursos.

O ensino-aprendizagem
de Língua
Portuguesa
visa
aprimorar
os
conhecimentos
linguísticos
e
discursivos dos alunos, para que eles
possam compreender os discursos
que os cercam e tenham condições de
interagir com esses discursos.
-Para isso, é relevante que a língua seja
percebida como uma arena em que
diversas vozes sociais se defrontam,
manifestando diferentes opiniões.
“A língua é um poderoso instrumento de
manipulação e, por conseguinte, de
implantação e conservação de ideologias”.
(BORBA, Francisco da Silva. 2003, p. 01)
CONTEÚDOS BÁSICOS:
GÊNEROS DISCURSIVOS

Caberá ao professor fazer a seleção dos
gêneros nas diferentes esferas de acordo
com o Projeto Político Pedagógico, com a
Proposta Pedagógica Curricular, com o
Plano
de
Trabalho
Docente,
considerando o nível de complexidade
adequado a cada série/ano.


O professor de Língua Portuguesa precisa,
então, propiciar ao estudante a prática, a
discussão, a leitura de textos das diferentes
esferas sociais (jornalística, literária,
publicitária, digital, midiática, etc.)
Defende-se que as práticas discursivas
abrangem, além dos textos escritos e
falados, a integração da linguagem verbal
com outras linguagens (multiletramentos).
Gêneros e Esferas de
Circulação:
COTIDIANA: anedotas, bilhetes, cantigas, carta
pessoal, cartões, comunicados, bilhetes,
convites, diários, piadas, receitas, músicas...
LITERÁRIA/ARTÍSTICA: biografia,
autobiografia, contos, contos de fadas,
crônicas, fábulas, poemas, lendas e mitos,
literatura de cordel, HQ, poemas, romances,
narrativas de aventura, de humor, terror,
fantásticas...
O GÊNERO E AS PRÁTICAS
DISCURSIVAS




Oralidade
Leitura
Escrita
A Análise linguística consiste numa prática
didática, complementar às práticas
discursivas, conforme consta na Diretriz
Curricular da disciplina de Língua
Portuguesa, p. 77.
PLANO DE TRABALHO
DOCENTE
Língua Portuguesa
8ª Série/9º ano do Ensino
Fundamental
CONTEÚDO ESTRUTURANTE:
Discurso como prática social.
CONTEÚDO BÁSICO: Gênero discursivo da esfera
de circulação da imprensa: notícia.
JUSTIFICATIVA: Propiciar o contato do aluno com o
gênero “notícia”, para que ele analise os fatos sociais
de forma crítica, reconhecendo os recursos
discursivos e linguísticos que compõem esse gênero,
tornando-o relativamente estável.
CONTEÚDO BÁSICO
CONTEÚDO ESPECÍFICO
Gênero discursivo Notícia
Conteúdos a serem trabalhados por meio das práticas da leitura, escrita e oralidade,
permeadas pela análise linguística:
-Contexto social de produção;
- Finalidade, interlocutor, época, suporte, esfera
de circulação, papéis sociais.
-Elementos composicionais ;
- Título, lead, desenvolvimento (o que, quem,
quando, onde, porquê)
- Conteúdo temático e a ideologia;
- Tema, ideologia, vozes sociais.
- Adequação do discurso ao
gênero/estilo;
-Grau de formalidade/informalidade da linguagem
- Marcas Linguísticas
- Pontuação, parênteses, aspas, ordem direta e
ordem inversa, expressão adverbial de tempo e
lugar, aposto, coesão e coerência,
- Aspectos relativos ao domínio gráfico e - Ortografia e acentuação gráfica
ao domínio da língua padrão
- Marcas extralinguísticas
- Entonação, pausas, gestos
ENCAMINHAMENTO METODOLÓGICO
PRÁTICA DA ORALIDADE:
- Análise oral e coletiva de notícias sobre um mesmo
fato veiculadas em telejornais de diferentes redes,
considerando os conhecimentos prévios dos alunos.
- Produção, em grupos, de uma notícia para
telejornal a partir de um roteiro preestabelecido.
ENCAMINHAMENTO METODOLÓGICO
PRÁTICA DA LEITURA:
- Análise de notícia em diferentes suportes para
verificar, por meio de discussão coletiva e ativa e
atividades individuais: as condições de produção,
os elementos composicionais, o conteúdo temático,
a ideologia, as marcas linguísticas, as vozes
presentes nos textos e seus efeitos de sentido.
ENCAMINHAMENTO METODOLÓGICO
PRÁTICA DA ESCRITA:
- Orientar para a produção de texto (coletiva e/ou
individual) de notícia escrita para ser publicada em jornal,
a partir de um tema de interesse local, considerando o
contexto de produção, os elementos composicionais, e os
recursos discursivos e linguísticos próprios do gênero
notícia.
- Orientar para a revisão e reescrita, produção da versão
final: análise linguísta do texto construído coletivamente;
seleção de alguns textos individuais para análise e
revisão coletiva; reescrita dos textos individuais.
- Possibilizar a socialização do texto (site, blog, jornal
escolar).
RECURSOS
- Várias notícias selecionadas de diferentes
jornais de circulação regional, estadual e
nacional.
-Vídeos de notícias televisivas coletadas no
You tube;
-TV multimídia;
AVALIAÇÃO
CRITÉRIOS PARA A ORALIDADE:
- Faz adequação da linguagem ao suporte (televisivo, radiofônico, internet, etc.)
considerando a esfera de circulção;
- Percebe a ideologia presente na notícia televisiva / radiofônica, considerando aspectos
linguísticos, lexicais e construções semânticas, bem como a organização do texto
utilizada pelo jornalista.
- Faz adequação do discurso à situação de produção (formal / informal).
-Articula seus gestos, postura e expressão facial para dar credibilidade à notícia que
está produzindo;
- Considera a importância dos elementos extralinguísticos usados pelo jornalista para
melhor compreender a notícia.
AVALIAÇÃO
- CRITÉRIOS PARA A LEITURA:
-Reconhece a finalidade da notícia ;
- Reconhece o papel social do autor e a época de produção.
- Reconhece a importância do lead para a compreensão do texto;
- Identifica, no lead, as informações que serão desenvolvidas no texto (fato,
quem, quando...);
- Percebe a importância da escolha lexical do título para a compreensão do
texto.
- Compreende a ideologia presente no texto, considerando aspectos linguísticos,
lexicais e construções semânticas, bem como a organização do texto utilizada
pelo autor.
- Reconhece o grau de formalidade e informalidade em diferentes notícias.
- Reconhece o efeito de sentido proveniente do uso das aspas em determinadas
palavras / expressões e da ordem inversa na notícia.
AVALIAÇÃO:
CRITÉRIOS PARA A ESCRITA:
- Considerar o suporte e interlocutor de seu texto.
- Organiza seu texto levando em conta as partes constitutivas da notícia: Título, Lead,
desenvolvimento.
-Utiliza construções linguísticas que demonstram a ideologia presente no texto.
- Mantém coerência temática ao desenvolver suas ideias.
- Faz adequações na sua linguagem (formal/informal) ,de acordo com a intenção de
produção.
-Aplica adequadamente aspas como sinal indicativo de citação direta;
- Utiliza adequadamente a vírgula para separar expressões adverbiais de tempo e lugar
deslocadas de sua ordem direta na oração;
- Utiliza de forma pertinente elementos coesivos na construção de seu texto.
- Utiliza normas ortográficas e de acentuação.
REFERÊNCIAS
PARANÁ. Secretaria de Estado de Educação.
Diretrizes Curriculares Estaduais de Língua
Portuguesa. Curitiba: 2008.
PARANÁ. Secretaria de Estado de Educação.
Superintendência de Educação. Departamento de
Educação Básica. Caderno de Expectativas de
Aprendizagem. Versão preliminar. Curitiba: 2011.
Download

Planejamento