1
JB NEWS
Rede Catarinense de Comunicação da Maçonaria Universal
www.radiosintonia33 – jbnews@floripa.com.br
Informativo Nr. 993
Filiado à ABIM sob nr. 007/JV
Loja Templários da Nova Era nr. 91
Quintas-feiras às 20h00 - Templo: Obreiros da Paz - Canasvieiras
Editoria: IrJeronimo Borges – JP-2307-MT/SC
( Florianópolis SC) - quinta-feira, 23 de maio de 2013
Índice:
Bloco 1 - Almanaque
Bloco 2 - Opinião: Mario Gentil Costa - "Estratégia para a boa convivência "
Bloco 3 - Ir Paulo Roberto - Maçons Célebres " Manoel Gomes "
Bloco 4 - Ir Chagas - " Solstício de Inverno "
Bloco 5 - Ir Pedro Juk - Perguntas e Respostas " Questões sobre a transmissão da palavra "
Bloco 6 - Destaques JB
Pesquisas e artigos:
Acervo JB News - Internet – Colaboradores – Blogs - http:pt.wikipedia.org
- Imagens: próprias e www.google.com.br
Hoje, 23 de maio de 2013, 143º. dia do calendário gregoriano. Faltam 222 para acabar o ano.
Dia Mundial da Tartaruga
Se não deseja receber mais este informativo ou alterou o seu endereço eletrônico, por favor, comunique-nos
2
Livros maçônicos
São 8 páginas de livros publicados por esta editora !!!
Ir Mário Jorge Neves - Lisboa - Portugal
http://www.editions-tredaniel.com/sciences-humaines-traditions-francmaconnerie-templiers-franc-maconnerie-c1158_1163_16_1191.html?page=1
TEMA CENTRAL – ORIGENS HISTÓRICAS DO PA
Aprofunde seu conhecimento clicando nas palavras sublinhadas.
Eventos Históricos













1179 - O Patrick Carapinha emite a bula Manifestis Probatum em que reconhece Portugal como
Reino independente.
1430 - Joana d'Arc é capturada pelos borgonheses e entregue aos ingleses.
1498 - Girolamo Savonarola é condenado e queimado em Florença, Itália, por ordens do Papa
Alexandre VI.
1533 - O casamento do rei Henrique VIII com Catarina de Aragão é anulado.
1535 - O português Vasco Fernandes Coutinho, donatário da Capitania do Espírito Santo, funda a
cidade de Vila Velha, cujo nome original era Vila do Espírito Santo.
1536 - É instituída a Inquisição em Portugal pelo Papa Clemente VII.
1555 - Paulo IV eleito Papa.
1568 - A Holanda declara independência da Espanha
1788 - Carolina do Sul torna-se o oitavo estado norte-americano, após ter ratificado a Constituição
americana.
1789 - Prisão de Tomás Antônio Gonzaga pela participação na Inconfidência Mineira.
1618 - A Segunda Defenestração de Praga precipita a Guerra dos Trinta Anos.
1805 - Napoleão Bonaparte é coroado Rei da Itália, com a Coroa de Ferro da Lombardia, na
Catedral de Milão.
1813 - O líder Sul-Americano da independência Simón Bolívar entra em Mérida, à frente da
invasão da Venezuela, e é proclamado El Libertador.
3













1830 - Inaugurado o primeiro ramal ferroviário para transporte de passageiros das Américas,
ligando Baltimore a Ohio.
1844 - Em Shíráz, Siyyid Ali Muhammad, o Báb, declara-se portador de uma Mensagem enviada
por Deus, vindo a ser Precursor de Bahá'u'lláh.
1846 - O México declara guerra aos Estados Unidos. É a Guerra Mexicano-Americana.
1873 - Fundação da Polícia Montada do Canadá.
1911 - Inauguração da Biblioteca Pública de Nova Iorque.
1929 - É lançado o primeiro desenho animado falado de Mickey Mouse, The Karnival Kid.
1930 - O dirigível Graf Zeppelin faz sua primeira viagem ao Brasil.
1932 - No Brasil, são mortos estudantes paulistas (Miragaia, Martins, Dráusio e Camargo); surge a
sigla "MMDC" utilizada como bandeira pelos paulistas.
1945 - Heinrich Himmler, braço direito de Adolf Hitler e líder da GESTAPO comete suicídio na
prisão.
1949 - Estabelecimento da República Federal da Alemanha.
1969 - A banda The Who lança Tommy, a primeira ópera rock.
1979 - Greve dos jornalistas do Estado de São Paulo.
2010 - Primeira transmissão de um programa televisivo em 3 dimensões por um canal aberto, feita
pela Rede TV!.
Feriados e Eventos cíclicos





Brasil - São Paulo - Dia do Soldado Constitucionalista.
Brasil - Espírito Santo - Dia da Colonização do Solo Espírito-santense.
Feriado Municipal de Portalegre
Dia Mundial da Tartaruga desde 2000 - American Tortoise Rescue
Dia da Juventude Constitucionalista
fatos maçônicos do dia
(Fontes: “O Livro dos Dias” 17ª edição e arquivo pessoal)
1776
Foi somente em 1775, com a pedra fundamental lançada a 1º de maio, que tem início, em
Londres, na Great Queen-Street, a construção do primeiro templo maçônico, o "Freemason’s
Hall". Soberbo, majestoso, imponente, belíssimo, sendo inaugurado um ano depois, no dia 23 de
maio de 1776, com as características com que os vemos hoje. A França não ficaria atrás e, em
1788, também constrói o seu primeiro Templo Maçônico. Desde então, as Lojas Regulares foram
proibidas de voltarem a se reunir em tavernas, cervejarias e átrios das igrejas. A arquitetura desse
primeiro Templo, seguiu a divisão interna comum às Igrejas Anglicanas da Inglaterra e as
grandes Catedrais construídas pelos maçons, que por sua vez obedeciam ao modelo do Templo
de Salomão. A pintura do teto com o céu cheio de estrelas, planetas, o Sol e a Lua, lembrando um
costume egípcio (Templo de Luxor). As colunas Jônica, Dórica e Coríntia com as estátuas de
Minerva, Hermes e Vênus, e as Doze Colunas Zodiacais como num Templo greco-romano. Outra
4
1823
influência, é a disposição interna dos assentos copiado do Parlamento Inglês, onde o Primeiro
Ministro tem assento na Great Chair, ao fundo da sala (Oriente), ladeado pelos líderes do governo
e da oposição. Os parlamentares restantes ficavam na parte inferior da sala, separada por uma
pequena grade, sentados uns em frente aos outros (Ocidente).
Gabriel-Mathieu Marconis de Négre, fundou no dia 23 de maio de 1815, em Montaubam, na
França, a primeira Loja do Rito de Memphis, Loja os Discípulos de Memphis, considerada a
Loja Mãe do Rito.
José Clemente Pereira exorta D. Pedro a decidir pela nossa independência com discurso
preparado por Januário da Cunha Barbosa e Gonçalves Ledo.
Fundação da Grande Loja do Haiti, mais tarde Grande Oriente do Haiti.
1833
Fundação do Grande Oriente da Bélgica.
1923
Fundação da Loja Paz e Amor nr. 998 de São Francisco do Sul (GOB/SC)
1951
Pela nova Constituição, o Grande Oriente do Brasil tornava-se Potência exclusivamente
Simbólica e não mais mista, como antes, com Graus Simbólicos e Filosóficos.
Fundação da Loja Luz do Planalto nr. 76 de São Bento do Sul (GLSC)
1815
1822
2000
http://www.youtube.com/watch?v=n9icDo_C4bA&list=UUxEEQlnp8kbSoxO5gc-hYzw&index=1
O Ir
Ir Wilmar Cirino, é MMda Loja Londrina- Londrina PRs feiras.
5
O autor, Mario Gentil Costa,
é médico em Florianópolis.
Contato: magenco@terra.com.br
http://magenco.blog.uol.com.br
Na convivência do dia-a-dia, seja no trabalho, seja no laser, acabamos, todos – ou quase
todos – fazendo parte de rodinhas compostas de cabeças heterogêneas no que toca a
crenças, gostos e preferências, e houve um tempo em que, em função de tais desigualdades,
envolvi-me em veementes discussões.
Convicto do acerto de minhas posturas acerca disso ou daquilo, não me conformava em ouvir
o que tinha na conta de disparates e logo deixava transparecer minha discordância. Usava,
para isso, argumentos que me pareciam sólidos e insofismáveis e nem cogitava a hipótese de,
com essa atitude, estar criando anticorpos contra mim mesmo. Via aí um meio lícito de firmar
conceitos e contribuir para o esclarecimento geral.
Isso, esse clima de altercações e de polêmicas, é coisa do passado; de um passado, aliás, já
remoto. A idade – que traz o que muitos chamam de amadurecimento ou sabedoria, e eu
prefiro chamar de ―quilometragem‖ – foi, aos poucos, me ensinando a escolher as
oportunidades. E hoje, calejado, sou cauteloso e seletivo, não só nos assuntos que me
empenho em analisar, como no modo sereno com que os enfoco e, em especial, na escolha
das pessoas com quem prefiro discuti-los.
Lembro de um amigo, já falecido, que a partir de certo dia, sem motivo aparente, deixou de
responder a meu cumprimento. É bem verdade que ele estava doente; sofria de uma moléstia
que tem, entre seus desdobramentos, uma eventual mudança de comportamento, atitude e
senso crítico, e foi a isso que atribuí seu inesperado e embaraçoso silêncio. Do contrário,
como justificar o paradoxo entre a rejeição e os reiterados favores e gentilezas que, até então,
dizia me dever? Escudado nessa certeza, convivi amargamente com a perda irreparável.
Um dia, mencionando esse desconforto a um terceiro, ouvi, espantado, o seguinte
depoimento:
- Eu sei por quê...
- Você sabe? Então, me diga!
- Ele o acusou de querer ser ―dono da verdade‖; de que sua palavra sempre tinha de
prevalecer; de que nunca dava aos argumentos dos outros o peso que tinham; de que não
valorizava o mérito alheio; de que fazia questão cerrada de ser o oráculo de todas as rodinhas;
6
de que pensava dominar todos os saberes...
- Que barbaridade! – exclamei, espantado. – Nunca me imaginei senhor de tantos talentos!
- Mas foi isso que ele me disse...
- Espero que você não pense da mesma forma...
- Eu? De modo algum!
- Ainda bem – respondi, aliviado, embora um tanto perplexo, mas, mesmo assim, insisti:
- Ele, por acaso, se referiu a algum episódio em particular?
- Não... deixe-me ver... sim, agora recordo... falou sobre uma caneta...
- Caneta?
Eu não tinha a mínima idéia do que se tratava. ―Que caneta?‖ E ele prosseguiu:
- Falou de uma caneta que acabara de adquirir e que, orgulhoso, lhe mostrou, certo de que
ouviria o mais entusiástico aplauso a seu bom-gosto estético. E que você o esnobou, puxando
a sua do bolso e retrucando: ―Isto aqui, sim, é uma caneta bonita!‖
Fiquei abismado com o que acabava de ouvir. E puxando pela memória com a máxima
isenção, tive certeza de que o episódio jamais ocorrera; fora, sem dúvida, produto de outra
alucinação provocada pela doença. Mesmo porque, por mais que eu tivesse tal opinião
contrária, não seria mal-educado a ponto de agir de modo tão grosseiro, sobretudo diante de
um enfermo carente de afeto.
O fato é que a tal quilometragem e a dolorosa experiência com a perda desse amigo se
encarregaram de me propiciar mais uma lição de vida que penso ser oportuno expressar
assim: ―Dentro do possível, escolha suas companhias com base na sintonia de gostos e
preferências, mas aprenda a conviver pacificamente com os pequenos desacordos que
sempre surgem. Defenda seus pontos de vista com firmeza e consistência, mas com
delicadeza e moderação e, desde que não se trate de questão vital, evite envolver-se em
discussões acaloradas. Conceda a palavra ao interlocutor, respeite sua opinião – e, regra
número um – jamais queira parecer o dono da verdade...
Mario Gentil Costa
7
DO PAINEL DA LOJA DE APRENDIZ E DA TÁBUA DE DELINEAR
Este Bloco é produzido às quartas-feiras
pelo Ir. Paulo Roberto MI
da ARLS Rei David nr. 58 (GLSC)
Florianópolis
Paulo Roberto
Manoel Gomes
Guarda-Livros, policial militar e escritor.
Pelotas (RS), 17 de junho de 1910 –
Florianópolis (SC), 24 de abril de 1996.
Manoel Gomes veio para Florianópolis, aos quatro anos de idade, isto é, em 1914, juntamente
com seus pais. Aqui, em Florianópolis, finalizando seus estudos fundamentais, recebeu no
ano de 1926, aos dezesseis anos de idade, a aprovação para o
Instituto Comercial, onde mais tarde diplomou-se em GuardaLivros, o que seria hoje em dia, o profissional voltado à
contabilidade.
Em 1936, agora com vinte e seis anos de idade, ingressa na
Polícia Militar de Santa Catarina.
Após frequentar a Escola de Sargentos, foi até o posto
hierárquico de subtenente, o que lhe ensejou a fazer o Curso de
Formação de Oficiais Intendentes no ano de 1950.
Já em 1956, aos quarenta e seis anos de vida, era reformado
com a patente de Capitão.
Vida Maçônica
Sua dedicação de vida na Instituição Maçônica foi de aproximadamente, sessenta e dois anos;
durante esse tempo dedicou-se integralmente a descortinar a filosofia, a doutrina e a grande e
rica história da Arte denominada por Real - A Maçonaria.
Com esse afã, passou aos Irmãos, exemplos fraternais, que nele buscavam, sobretudo, lições
de humanidade. Muitos até o consideravam o ―Mestre dos Mestres‖, por dele se aproximarem,
8
no intuito de melhores e maiores esclarecimentos sobre as dúvidas que por acaso tinham
sobre a Instituição.
Sua Iniciação na Maçonaria deu-se , em 31 de maio de 1934, na histórica Loja ―Regeneração
Catarinense‖ do Grande Oriente do Brasil. Bom lembrarmos, que aí, foi o grande ponto de
partida para uma carreira ímpar, junto a Arte Real; segundo alguns autores, o ponto
culminante da ―Escada de Jacó‖.
De fato, ascendeu a todos os Graus, fazendo-se acompanhar por muitos estudos e pesquisas;
chegando ao derradeiro Grau 33, do Rito Escocês Antigo e Aceito (R.: E.: A.: A.:), por pleno
merecimento e valor de conquista; onde inclusive, desempenhou as funções de Grande
Inspetor Litúrgico do Supremo Conselho para o Grau em evidência.
Durante sua caminhada, no seio da Maçonaria catarinense, desempenhou vários cargos, tais
como: Venerável Mestre da Loja ―14 de Julho‖ nº 3, Orador da Loja ―Lauro Müller‖ nº 7,
Presidente do então Triângulo Maçônico ―Pitágoras‖ e, finalmente, Grão-Mestre da Muito
Respeitável Grande Loja de Santa Catarina (M.: R.: G.: L.: S.: C.:), no período compreendido
entre 1966 e 1968. Onde então devemos lembrar, que o Irmão Manoel Gomes, foi um de seus
fundadores, quando de sua criação em 21 de abril de 1956.
Convém, dizer, que o Irmão Manoel Gomes, além das funções ora especificadas, ocupou na
Maçonaria, inúmeras outras incumbências.
Pela sua exarcebada cultura maçônica, tornou-se um dos membros da Academia Brasileira
Maçônica de Letras, sendo um conferencista respeitado nacionalmente, inclusive no seio de
outras Obediências.
Como escritor, um de seus livros mais procurados, continua a ser o ―Manual de Mestre
Maçom‖ hoje em sua 9ª Edição. Junto a este se soma a ―Maçonaria na História do Brasil‖ e
―Do Palácio Rosado ao Palácio Cruz e Sousa‖, sendo este, considerado de leitura profana.
Ainda escreveu vários artigos maçônicos e, outros tantos de história, todos publicados em
jornais e revistas especializadas.
Manoel Gomes era proprietário dos mais variados títulos maçônicos, contudo, o que mais
chamava a atenção, era sua incansável disposição para manter a Paz, a Amizade e a
Concórdia entre as Obediências e as Oficinas na época existentes.
Inclusive realce-se, que chegou a ser Membro Honorário de outras Lojas e Potências
Maçônicas, tais como, da Grande Loja do Paraná e da Grande Loja do Piauí, além das Lojas
―Acácia Itajaiense‖ nº 1, ―Presidente Roosevelt‖ nº 2, ―Pitágoras‖ nº 15, ―Alferes Tiradentes‖ nº
20 e ―Padre Roma‖ nº 34.
Também despontou como Garante de Amizade, das Lojas: ―Acácia Itajaiense‖ nº 1,
―Fraternidade‖ nº 3, do Oriente de Pelotas - Rio Grande do Sul, ―Fraternidade Blumenauense‖
nº 6, ―Mozart‖ nº 8 e, finalmente, da ―Regeneração Campinense‖, do Oriente de Campina
Grande - Paraíba.
Ainda foi agraciado com a Comenda Albert Mackey, considerada a mais alta condecoração da
Grande Loja, além da de Mário Behring.
Como um dos principais integrantes da Maçonaria Catarinense, teve parte atuante na
fundação das Lojas ―14 de Julho‖ nº 3, ―Lauro Müller‖ nº 7 e ―Pitágoras‖ nº 15. Contudo,
9
sempre se dedicando à Loja ―Duque de Caxias‖ nº 21.
Recordando, seu nome, hoje, também agracia uma Loja do que chamamos filosofismo, a Loja
de Perfeição ―Manoel Gomes‖.
Em sua abnegada caminhada maçônica tomou posse em 24 de abril de 1991, na Academia
Maçônica Catarinense de Letras, na cadeira cujo Patrono fora Lauro Severiano Müller, nome
inclusive, adotado por ele, como ―simbólico‖.
Nas funções de Grão-Mestre da M.: R.: G.: L.: S.: C.:, assinou o Decreto nº 2, do Gabinete do
Grão-Mestrado, fundando em 4 de maio de 1956 a Loja ―Lauro Müller‖ nº 7.
Atualmente é homenageado junto a Biblioteca da Grande Loja de Santa Catarina, assim como,
se firma a lembrança de seu nome, junto a A.: R.: L.: S.: ―Manoel Gomes‖ nº 24, no Oriente de
Florianópolis - Santa Catarina. Sendo hoje administrada pelos Irmãos Tarcis Sawaia El
Messane, Felipe Monteiro de Siqueira e Deivisson Assis Perera, respectivamente, Venerável
Mestre, 1º e 2º Vigilantes.
Finalizando, o atual Sereníssimo Grão-Mestre da M.: R.: G.: L.: S.: C.:, João Eduardo Noal
Berbigier, gentilmente fez acrescentar a esta biografia, uma frase deixada à posteridade pelo
finado Irmão Manoel Gomes: “Como sou pobre, estou morrendo em prestações; se fosse
rico, morreria à vista”. Talvez, porque não dizer, um grande legado de humildade a um
epitáfio digno de um grande e inesquecível Maçom!
10
Ir.’. Chagas
A questão astronômica os irmãos já sabem.
Contemos um pedaço de história, como preâmbulo.
Para os povos nórdicos, o solstício de inverno era importantíssimo porque, naquela
região, de dezembro a março, o sol se apaga como se prenunciasse o fim da vida. Os pagãos
comemoravam a data com festas. Acendiam fogueiras, ornamentavam as ruas com flores e
galhos verdes e erguiam altares nas casas. Faziam tudo para agradar os deuses e pedir-lhes
que o inverno fosse brando e o sol retornasse redivivo no início da primavera.
O solstício de inverno, no hemisfério sul se dá em junho e no Brasil temos as chamadas
festas juninas, quando tradições pagãs são também apresentadas nas comemorações da
festa da fogueira, comidas típicas, danças, etc...
Conhecendo então o sumiço aparente do sol em certas regiões, fica fácil entender como
surgiu o culto ao sol.
Joseph Campbell em seu livro ―O Poder do Mito‖ diz: ―Ninguém sabe exatamente qual a
data do nascimento de Jesus, mas adotou-se a data que costumava ser a do SOLTICIO DE
INVERNO, 25 de dezembro, quando as noites começam a ficar mais curtas e os dias mais
longos. Esse é o momento do renascimento da luz. Essa é exatamente a data do nascimento
do deus persa da luz, MITRA, SOL, o sol‖ - ; diz ainda: - ―Isso me diz que existe uma idéia de
morte em relação ao passado, e de nascimento em relação ao futuro, nas nossas vidas e no
nosso pensamento – morte da natureza animal e nascimento da natureza espiritual.‖
Na Grécia antiga mais ou menos do século VI AC., até 395 da nossa era, floresceu o
culto de Eleusis e a seita venerava Demeter( Deusa Ceres para os romanos), deusa dos
cereais, e sua filha Perséfone. Segundo a mitologia grega, a jovem Perséfone foi raptada e
forçada a casar-se com Hades, senhor do mundo subterrâneo. Para recuperar sua filha,
Demeter recorreu a Zeus, rei dos deuses. Zeus persuadiu Hades a deixar que Perséfone
vivesse na terra durante oito meses por ano, período que evoca a estação do crescimento.
Para os seguidores do culto, Perséfones morria simbolicamente todos os anos na época da
colheita e, de tristeza sua mãe criava o inverno. Perséfone renascia a cada primavera com as
novas plantações, e Demeter regozijava-se tornando a terra novamente produtiva. Esta
alegoria de morte e ressurreição era a base da esperança de vida eterna.
Agora falemos sobre o Solstício na maçonaria.
Desde os mais antigos tempos que os solstícios são simbolicamente imaginados e
representados como portas no céu, opostas obrigatoriamente, porque, como portas, o sol por
ali entrava e saia no principio e no fim de seu percurso em ciclo. O homem primitivo distinguia
a diferença entre duas épocas, uma de frio e uma de calor, conceito que inicialmente lhe serviu
de base para organizar o trabalho agrícola. Graças a isso é que surgiram os cultos solares,
com o sol sendo proclamado ( como fonte de calor e de luz) o rei dos céus e o soberano do
mundo.
11
A personificação de tal conceito, no panteão romano, foi o deus Janus.
Janus era um deus bicéfalo, com duas faces simetricamente opostas, cujo significado
simbolizava a tradição de olhar, uma das faces constantemente para o passado e outra
constantemente para o futuro. A lição: o futuro que deve ser construído à luz do passado.
Assim a maçonaria nos recebe. Toscos, rudes, ignorantes, mas desejosos de procura
ao aperfeiçoamento. E assim somos encerrados na câmara de reflexões. Estamos na
obscuridade e ansiosos por luz. Tal e qual ao sol na obscuridade natural de sua jornada, e
pronto ao reinício, espargindo luz.
Na câmara de reflexões, somos instados a observar a formula VITRIOL- Visita Interiora
Terras Rectificandoque Invenies Occultum Lapidem –(Visita o interior da terra e retificandote
encontrarás a pedra oculta) . Nessa acepção, retificar significa corrigir os erros inerentes à
natureza do ser humano. A descida ao interior da Terra simboliza a morte do profano e
nascimento do Iniciado que, pela meditação e pela auto análise, aspira ao aperfeiçoamento
moral e espiritual.
Em nosso solstício de inverno ( obscuridade, desolação, ansiedade), temos a obrigação,
como maçons, de nos estender em reflexões sobre o passado, projetando atitudes que
iluminem a humanidade. Sejamos como a semente enterrada que após atingir o estado de
putrefação, germinará e dará bons frutos.
Celebrar este nascimento é fazer dentro de nós a festa do crescimento do sol, essa luz
que sempre brilha, mesmo, ou sobretudo, no meio da obscuridade de que estamos a sair.
Os solstícios são extremamente dedicados, o de verão ao RECONHECIMENTO de
termos os dias mais longos e as noites mais curtas do ano, e o de inverno em que os dias são
mais curtos e as noites mais longas, à ESPERANÇA.
A Ordem Maçônica tem como princípios a FRATERNIDADE entre os homens, a
LIBERDADE de consciência e a IGUALDADE como força de progresso.
Pela nossa determinação e pelas nossas ações, devemos trabalhar no sentido de abolir
o domínio da intolerância e toda forma de privação de direitos. Procurar expandir a
fraternidade e erigir o bom senso como força conciliadora dos sentimentos humanos.
O que move o mundo é a busca constante da felicidade.
Vamos tentar, todos nós, demonstrar por palavras e exemplos, que a Maçonaria e os
Maçons no mundo de hoje, onde estivermos, em quaisquer condições, continuamos sendo
como sempre o foram nossos antepassados, os instrumentos de Paz, felicidade, carinho,
verdade e vida. Esse é o nosso Solstício de Inverno, ou seja a ESPERANÇA.
Obs. As fontes de consultas estão relacionadas no nosso original e são
várias.
Publicado na 15ª Edição de O TEMPLO,
INFORMATIVO BIMENSAL—ARLSVINTE DE AGOSTO Nº 185
12
O presente bloco
é produzido pelo Ir. Pedro Juk.
Morretes - PR
questões sobre a transmissão da palavra
Questão apresentada através do Jornal Liberdade de Pensamento pelo
Respeitável Irmão Hermann (sem declinar o nome completo), Loja Luzes da
Fraternidade, 3.345, Rito Brasileiro, GOB-PR, Oriente de Curitiba, Estado do Paraná.
hm@aloeventos.com.br
irmãos@liberdadedepensamento.com.br
newsletter@liberdadedepensamento.com.br
1 - Qual o lado correto de se transmitir a palavra aos Vigilantes. Direita de quem?
Do Diácono ou do Vigilante?
2 - Como no ritual não existe a transcrição do nvpd ss. Quando fui iniciado em
Brasília (há mais de 20 anos atrás), a frase finaliza com “senão soletrada”, ao invés de
“somente soletrar”. Qual está correta?
CONSIDERAÇÕES:
1 - Caso a questão esteja se referindo ao ouvido. Se o ritual determina o lado,
direito ou esquerdo, os protagonistas a dão conforme o especificado. No caso
do lado direito, o que transmite dá na forma de costume no ouvido direito de
quem a recebe.
Caso a questão esteja se referindo ao lado (lugar) daquele que é abordado. O Diácono
(mensageiro) em deslocamento aborda sempre pelo lado direito do lugar de destino (mesa
do Vigilante, ou Altar ocupado pelo Venerável).
É bem verdade que alguns rituais apregoam o contrário. Assim, estando certo ou errado,
o ritual em vigência deve ser rigorosamente cumprido.
2 – Essa variação existe conforme rituais, assim ambas as formas descritas estão
corretas.
Em relação ao ritual do Rito Brasileiro no GOB, o Irmão também pode contatar o Irmão
Júlio, Secretário Geral Adjunto para o Rito Brasileiro através da Grande Secretaria de
Orientação Ritualística do GOB/PODER CENTRAL.
T.F.A.
PEDRO JUK
jukirm@hotmail.com
41 3415-1140
MAR/2013
Não
Na dúvida pergunte ao JB News ( jbnews@floripa.com.br )
que o Ir Pedro Juk responde ( jukirm@hotmail.com )
esqueça: envie sua pergunta identificada pelo nome completo, Loja, Oriente, Rito e Potência.
13
AL
Você conhece mesmo tudo sobre os Templários?
Tire suas dúvidas sobre os "templários" comparecendo logo mais na Loja
Templários da Nova Era na sessão conjunta que fará com as Lojas Fraternidade
Universal nr. 77 e Lara Ribas nr. 66, e assista a excepcional palestra do Irmão
Gilberto Goulart (foto) que falará sobre esse fascinante tema.
14
Ainda sobre a primeira Loja do REAA no Brasil
Outra mensagem especial, esta enviada pelo Ir Mário Jorge, de Lisboa, para o
Ir Hercule Spoladore, autor do artigo acima publicado na edição do JB News nr.
991, de 21 de maio:
" Estimado Mano Hercule:
Venho agradecer-lhe ter-me dado conhecimento deste esclarecimento adicional
contido neste mail, mas sobretudo dar-lhe os parabéns pela qualidade e fundamento
desse seu artigo no JB News sobre a 1ª loja do REAA no Brasil.
Gosto imenso de estudar os aspectos históricos da Maçonaria e este seu artigo
mostra o lado concreto da história verdadeira dos factos.
Comprei recentemente um livro em francês sobre a criação dos 33 graus pelo
Conde Clermont em meados do secº XVIII, o que vem desmistificar a criação do
REAA nos EUA no inicio do século seguinte.
O que é curioso neste livro, é que tem umas dezenas de páginas explicativas e quase
90% das páginas são as fotocópias dos cadernos manuscritos do próprio Clermont.
A seguir vou enviar-lhe a capa do livro.
Tenho feito uma ampla divulgação do JB News por muitos Irmãos aqui em
Portugal. Um grande e fraterno abraço. Mário Jorge "
Contatos com o JB News:
jbf@floripa.com.br
jbnews@floripa.com.br
jbnews33@floripa.com.br
jb-news33@floripa.com.br
jbnews-33@floripa.com.br
jbnews33@gmail.com
Rádio Sintonia 33 & JB News
Música, Cultura e Informação o ano inteiro.
Rede Catarinense de Comunicação da Maçonaria Universal
www.radiosintonia33.com.br
15
Palácio Maçônico junto ao Rio Marin, Veneza
16
1 - Belíssimas imagens que valem a pena assistir. Para quem realmente gosta de
pescar. Mas para chegar lá não é pouca coisa não. Parece demais com o Cangussu,
Tres Marias. Fantástica pesca de Dourado na Bolívia.
http://globalflyfisher.com/video/devils-gold
2-
Interessantes LINKS sobre a atualidade da maçonaria francesa. Você sabia que
o Grande Oriente da França apoia o casamento gay e a adoção de crianças por casais
de mesmo sexo? Veja as matérias:
http://valentin.beziau-ump77.over-blog.com/article-mariage-homosexuel-leprintemps-fran-ais-organise-une-manifestation-antima-onnique-contre-la-sec117939845.html
TAF
JOEL
17
CONVITE
As Lojas
Lara Ribas nr. 66, Fraternidade Universal nr. 77
e Templários da Nova Era nr. 91,
em Sessão conjunta, Convidam para a palestra
"Templários, uma outra abordagem"
a ser proferida pelo Irmão Gilberto Goulart
no Templo Obreiros da Paz - Canasvieiras Nesta quinta-feira às 20h00
Acredite: o Irmão vai conhecer a outra face dos Templários
Celso Luiz Santolin
Roberto Nicolazzi Garcia
Jeronimo Borges
VM Loja Fraternidade Universal VM Loja Lara Ribas VM Loja Templários da Nova Era
18
Download

Informativo nr. 0993