(AC 1) AÇÃO DOS EXTRATOS DO BAGAÇO DOS FRUTOS VERDE E MADURO
DE
Averrhoa
carambola
FRENTE
BACTÉRIAS
GRAM-POSITIVAS
MULTIRRESISTENTES
1
1
1
2
SOARES, CRM ; SOUZA, MA ; LACERDA, AMA ; SANTOS, AF ; PIRES, LLS
1-Alunos
de
Graduação
carlarmoraes2@hotmail.com;
llspires@yahoo.com.br
em
Farmácia
2-Professoras
do
do
Centro
Centro
2
Universitário
Universitário
CESMAC,
CESMAC,
A resistência das bactérias aos antibióticos representa um grave problema de saúde
pública mundial, caracterizando uma das principais causas de infecções hospitalares,
gerando elevadas taxas de morbidade e mortalidade. Staphylococcus aureus e
Enterococcus faecalis são bactérias gram-positivas, que apresentam elevada
incidência, tanto na comunidade quanto no ambiente hospitalar, responsáveis por
diversas infecções, tais como epiteliais, gastrointestinais, osteomelite, pneumonia,
septicemia, bacteremia, miocardite e síndrome do choque tóxico. Sendo assim, o
objetivo deste trabalho foi avaliar a ação antibacteriana de um produto natural como os
extratos do bagaço dos frutos verde e maduro de Averrhoa carambola frente
Staphylococcus aureus ATCC 25923, S. aureus MRSA, S. saprophyticus ATCC
25352, Enterococcus faecalis ATCC 29212, Escherichia coli ATCC 25922, E. coli
ESBL, Proteus mirabilis ATCC 25933, Enterobacter aerogenes KPC, Pseudomonas
aeruginosa ATCC 27853, P. aeruginosa MBL e Acinetobacter baumannii MBL. A
atividade antibacteriana do extrato foi analisada pelo método de microdiluição em
caldo, em que o inóculo foi preparado a uma concentração de 5 x 106 UFC/mL, a partir
de suspensão 0,5 McFarland (1 x 108 UFC/mL), obtidas de colônias frescas de
bactérias selecionadas. O bagaço do fruto verde não apresentou ação antibacteriana,
enquanto o extrato bruto do bagaço do fruto maduro apresentou atividade
antibacteriana com CIM de 100 µg/mL frente Staphylococcus aureus ATCC 25923, S.
aureus MRSA e Enterococcus faecalis ATCC 29212, demonstrando ação contra
bactérias gram-positivas que tem como um dos principais mecanismos de resistência
a produção de beta-lactamases, especialmente penicilinases, nos quais os principais
alvos de degradações por estas enzimas são amoxicilina e meticilina.
Centro de Convenções Maceió – AL 20 a 22 de agosto de 2015
Página 1
(AC 2) ATIVIDADE ANTIBACTERIANA DO EXTRATO BRUTO DA CASCA DO
CAULE DE Averrhoa carambola FRENTE BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES
1
1
1
2
SOARES, CRM ; SOUZA, MA ; LACERDA, AMA ; SANTOS, AF ; PIRES, LLS
1-Alunos
de
Graduação
carlarmoraes2@hotmail.com;
llspires@yahoo.com.br
em
Farmácia
2-Professoras
do
do
Centro
Centro
2
Universitário
Universitário
CESMAC,
CESMAC,
Os desafios no tratamento de doenças infecciosas vêm crescendo de forma
significativa, tendo em vista que a eficácia clínica de muitos antimicrobianos existentes
está ameaçada pelo surgimento de patógenos multirresistentes. Averrhoa carambola,
conhecida vulgarmente como carambola, tem várias propriedades medicinais. O
extrato do caule apresenta atividade antineoplásica e ação anti-inflamatória. Não há
relatos da ação antimicrobiana do extrato da casca do caule em inibir bactérias
multirresistentes, necessitando de estudos adicionais para detecção de novas opções
terapêuticas contra esses micro-organismos causadores de infecções graves. Com
isso, o objetivo deste trabalho foi avaliar a atividade antibacteriana do extrato bruto da
casca do caule de A. carambola em isolados clínicos multirresistentes causadores de
infecção hospitalar. O extrato foi testado na concentração de 200 µg/mL pelo método
de microdiluição em caldo. Um volume (100 µL) do extrato foi inoculado em 100 µL do
caldo Müeller-Hinton nas microplacas e posteriormente inoculada suspensão
bacteriana de 5 x 106 UFC/mL, a partir de suspensão 0,5 Mc Farland (1,5 x 108
UFC/mL). Diluições seriadas de 100 até 0,39 µg/mL foram realizadas para determinar
a concentração inibitória mínima (CIM). O extrato da casca do caule apresentou
atividade de 100 µg/mL frente aos isolados de Staphylococcus aureus MRSA e
Klebsiella pneumoniae ESBL, demonstrando ação contra bactérias gram-positivas e
gram-negativas com diferentes mecanismos de resistência.
Centro de Convenções Maceió – AL 20 a 22 de agosto de 2015
Página 2
(AC
3)
ASPECTOS
SOCIOECONÔMICOS
E
OCORRÊNCIA
DE
ENTEROPARASITOSES EM MORADORES DO POVOADO MANGABEIRA NA
ZONA PERIURBANA DO MUNICÍPIO DE PILAR (ALAGOAS, BRASIL)
4
5
SANTOS, ACM¹; COUTO, JLA²; NASCIMENTO, NLO³; SILVA, EMG ; SANTOS, SSGS ; LIMA
6
JÚNIOR, MCF .
1- Universidade Federal de Alagoas, carol-marinho@outlook.com; 2- Universidade Federal de
Alagoas,
janira.couto@icbs.ufal.br;
3-Universidade
Federal
de
Alagoas,
naiannylivia@hotmail.com; 4- Universidade Federal de Alagoas, lidy_gonzaga@hotmail.com; 5Universidade Federal de Alagoas, silvana.gomsantos@gmail.com; 6- Universidade Federal de
Alagoas, mario_cesar_music@hotmail.com.
As enteroparasitoses são doenças causadas por helmintos e protozoários, que vivem
a etapa importante de seus ciclos vitais no aparelho digestório humano. Podem
causar, por isso, alterações patológicas no organismo do hospedeiro. Em países
subdesenvolvidos ou em desenvolvimento, como é o caso do Brasil, é comum sua
ocorrência, caracterizando um problema de saúde pública. Investigar a prevalência de
parasitos em moradores do povoado Mangabeira, localizado na zona periurbana do
município de Pilar (Alagoas, Brasil). O grupo de estudo abrangeu a faixa etária entre
dois a setenta anos. Foram realizados inquéritos socioeconômicos, com indagações
sobre condições de moradia, saneamento, hábitos higiênicos, banhos em rios. Foram
coletadas amostras de fezes para exames laboratoriais. As análises parasitológicas
foram realizadas pelos métodos de Lutz e Kato-Katz. Moradores com resultados
positivos receberam prescrições médicas com esclarecimentos sobre o tratamento. Os
fármacos indicados foram obtidos no posto de saúde local. A Secretaria de Saúde do
município informou que o anti-helmíntico Albendazol vem sendo administrado nas
escolas sistematicamente. Atividades de sensibilização em educação sanitária
promoveram o conhecimento da transmissão e prevenção dos parasitos, como parte
das medidas de controle. Foram examinados 132 moradores, dos quais 84,84% (112)
encontraram-se positivos para alguma espécie de parasito. Observou-se maiores
índices de infecções pelos protozoários Giardia lamblia (27,50%), e Entamoeba
histolytica/ Entamoeba dispar (17,86%). O abastecimento de água proveniente da rede
pública correspondeu a 57,57% das casas analisadas, seguido pelo uso de poços
artesianos ou cacimbas (38,63%). A maioria das residências (86,36%) possui fossa,
porém 10,60% eliminavam seus dejetos a céu aberto. Quanto aos hábitos de higiene
pessoal e alimentar, 86,36% dos habitantes lavam os alimentos antes de comer,
entretanto, 39,39% se alimentam sem lavar previamente as mãos. Apesar do uso
periódico do anti-helmíntico, as condições ambientais deixam a desejar. A ocorrência
de protozooses revela contaminação da água e indica a necessidade de medidas
efetivas para promover uma salubridade adequada. Além disso, o conhecimento das
enteroparasitoses, assim como dos bons hábitos de higiene, por meio de ações
educativas se faz necessários, e deverão ser uma ação contínua para os escolares e
suas famílias.
Centro de Convenções Maceió – AL 20 a 22 de agosto de 2015
Página 3
(AC 4) OCORRÊNCIA DE Ascaris lumbricoides E DE Trichuris trichiura EM
MORADORES DE UMA COMUNIDADE VULNERÁVEL SITUADA NA ZONA
PERIURBANA DO MUNICÍPIO DE PILAR (ALAGOAS, BRASIL)
3
4
5
NASCIMENTO, NLO¹; COUTO, JLA²; SANTOS, ACM ; SILVA, EMG ; SANTOS, SSGS ; LIMA
6
JÚNIOR, MCF
1 – Universidade Federal de Alagoas; naiannylivia@hotmail.com; 2 – Universidade Federal de
;
Alagoas; janira.couto@icbs.ufal.br 3 – Universidade Federal de Alagoas; carol;
;
marinho@outlook.com 4 – Universidade Federal de Alagoas; lidy_gonzaga@hotmail.com 5 –
;
Universidade Federal de Alagoas; silvana.gomsantos@gmail.com 6 – Universidade Federal de
Alagoas; mario_cesar_music@hotmail.com
Os parasitos intestinais são protozoários e helmintos que vivem no trato digestório
humano, e que podem causar graves alterações no organismo humano. Com uma
prevalência maior em países subdesenvolvidos ou em desenvolvimento, como é o
caso do Brasil, constituem um importante problema de saúde pública. Objetivo:
investigar a prevalência de parasitos intestinais em moradores do povoado
Mangabeira, localizado na zona periurbana do município de Pilar (Alagoas, Brasil). A
Secretaria de Saúde do município informou que o medicamento Albendazol vem
sendo administrado nas escolas sistematicamente. O grupo de estudo foi formado por
indivíduos com faixa etária entre dois a setenta anos. Foram realizados inquéritos
socioeconômicos, com indagações sobre condições de moradia, saneamento,
escolaridade, hábitos higiênicos, uso de calçados, banhos em rios. Foram coletadas
amostras de fezes para exames em laboratório. A análise parasitológica foi realizada
pelos métodos de Lutz e Kato-Katz. Os indivíduos com resultados positivos receberam
prescrições médicas com esclarecimentos sobre o tratamento. Os fármacos indicados
foram obtidos no posto de saúde do município. Atividades de sensibilização em
educação sanitária promoveram o conhecimento da transmissão e prevenção dos
parasitos, como parte das medidas de controle. Foram examinados 132 moradores,
dos quais 84,84% (112/132) encontraram-se positivos para alguma espécie de
parasito. Observou-se maiores índices de infecções pelo helminto Ascaris
lumbricoides (12,86%), a seguir pelo Trichuris trichiura (8,93%). A maioria das
residências (86,36%) possui fossa, porém 10,6% eliminavam seus dejetos a céu
aberto.
Dos moradores avaliados, 65,15% andam com os pés descalços
rotineiramente e 39,39% se alimentam sem lavar previamente as mãos. Para 62,12%
dos moradores, o banho de rio é tido como uma atividade de lazer e recreação.
Apesar de algumas melhorias e do fármaco anti-helmintíco usado, as condições
ambientais ainda deixam a desejar, pois favorecem as parasitoses. Juntamente com
as providências necessárias para promover uma salubridade ambiental adequada, o
conhecimento das enteroparasitoses, assim como dos bons hábitos de higiene, por
meio de ações educativas deverá ser uma ação contínua para os escolares e suas
famílias.
Centro de Convenções Maceió – AL 20 a 22 de agosto de 2015
Página 4
(AC 5) ATIVIDADE ANTIBACTERIANA DO OLÉO ESSENCIAL DE FRUTOS
MADUROS
E
VERDES
DE
AROEIRA
FRENTE
A
PATÓGENOS
MULTIRRESITENTES
1
1
1
1
1
1
FARIAS, FL ; SOARES, CRM ; SOUZA, MA ; AZEVEDO, MMR ; NEVES, FJM ; LIMA, CVR ;
2
2
SANTOS, AF ; PIRES, LLS
1.Graduandos de Farmácia do Centro Universitário CESMAC, felipelimafarias@hotmail.com
2. Professoras do Centro Universitário CESMAC, llspires@yahoo.com.br
Atualmente o aumento significativo na frequência de isolamento de bactérias que eram
reconhecidamente sensíveis a drogas rotineiramente usadas na clínica, mas que
agora se apresentam resistentes aos fármacos disponíveis no mercado tem
despertado interesse no uso de óleos essenciais como fontes antimicrobianas. A
aroeira (Schinus terebinthifolius) é planta comum da vegetação litorânea dos estados
nordestinos que possui várias propriedades medicinais com atividades antiinflamatórias, antidiarreica, diuréticos e antipiréticos. Apesar do grande e antigo
emprego popular não foi encontrado trabalho científico estudando o uso da aroeira
para o tratamento de infecções por bactérias multirresistentes, o que motivou a
realização desta pesquisa, que tem como objetivo verificar o efeito do óleo essencial
dos frutos verdes e maduros da aroeira em bactérias multirresistentes causadoras de
infecção hospitalar pelo método de microdiluição em caldo. Foi preparado a partir do
óleo puro, uma emulsão a 16% do óleo com água destilada estéril e tween 80, sob
agitação constante. Um volume (100uL) da emulsão do óleo foi inoculado em 100uL
do caldo Müeller-Hinton nas microplacas e posteriormente inoculada suspensão
bacteriana de 5 x 106 UFC/mL, a partir de suspensão 0,5 McFarland (1,5 x 108
UFC/mL). Diluições seriadas de 8% até 0,0039% foram realizadas para determinar a
concentração inibitória mínima (CIM). O óleo do fruto maduro apresentou maior
espectro de ação que o fruto verde. O óleo do fruto maduro inibiu às bactérias
Staphylococcus aureus MRSA, S. aureus MSSA, S. aureus ATCC 25923, Escherichia
coli 193 ESBL, E. coli ATCC 25922, Enterobacter aerogenes 21 KPC, Acinetobacter
baumannii 203 e A. baumannii 382 MBL, com CIM variando de 0,0078% a 1%. O que
se conclui que o óleo essencial de frutos de aroeira representa uma nova fonte
terapêutica contra bactérias envolvidas em infecção hospitalar.
Centro de Convenções Maceió – AL 20 a 22 de agosto de 2015
Página 5
(AC 6) CORRELAÇÃO ENTRE ATIVIDADE DA ENZIMA ACETILCOLINESTERASE
(AChE) E NÍVEIS DE ESTRESSE OXIDATIVO EM AGRICULTORES EXPOSTOS A
AGROQUÍMICOS
1
2
3
4
5
6
MORI, NC ; HORN, RC ; OLIVEIRA, C ; GELATTI, GT ; TISSIANI, AC ; BONFADA, V ;
7
KLAFKE, JZ
1
2
Universidade de Cruz Alta, e-mail: natachamori@msn.com; Universidade de Cruz Alta, e3
mail:
rcattaneo@unicruz.edu.br;
Universidade
de
Cruz
Alta,
e-mail:
4
carolzinha_olveira@hotmail.com
Universidade
de
Cruz
Alta,
e-mail:
5
gabriela.gelatti@hotmail.com;
Universidade
de
Cruz
Alta,
e-mail:
6
ana.c.t@hotmail.com Universidade de Cruz Alta, e-mail: vanessa.bonfada@hotmail.com;
7
Universidade de Cruz Alta, e-mail: jonzeni@hotmail.com
Os agroquímicos promovem a inibição da enzima acetilcolinesterase (AChE),
causando acúmulo de acetilcolina na fenda sináptica e consequente síndrome
colinérgica aguda, o que leva ao desenvolvimento de sintomas, como rigidez
muscular, fadiga, cansaço entre outros (CÁRDENAS et al., 2005; BAYRAMI et al.,
2012). Além disso, segundo Milatovic, Gupta e Aschner (2006) a inibição da AChE
leva a redução da fosforilação oxidativa no sistema nervoso central (SNC),
comprometendo a capacidade da célula para manter os seus níveis de energia, o que
possivelmente aumenta as quantidades de Espécies reativas de Oxigênio (EROs) e
Espécies Reativas de Nitrogênio (ERNs) no organismo, caracterizando a condição de
estresse oxidativo. Dessa forma, o objetivo deste estudo foi verificar se a inibição da
enzima AChE pelos agroquímicos é acompanhada por alterações nos níveis de
biomarcadores de estresse oxidativo. Este trabalho foi aprovado pelo comitê de ética
em pesquisa (CEP) da UNICRUZ e todos os participantes assinaram o termo de
consentimento livre e esclarecido (TCLE). Foram utilizadas 30 amostras de
agricultores pertencentes a municípios da Região do COREDE Alto Jacuí – RS, com
idade entre 18 e 59 anos e que trabalhavam no mínimo a três anos no ramo da
agricultura. A análise da atividade da enzima AChE foi realizada através da
metodologia descrita por Ellman et al. (1961). Os níveis de peroxidação lipídica,
proteínas carboniladas e glutationa reduzida foram determinados conforme protocolos
de Stocks e Dormandy (1971), Levine (1990) e Ellman (1959), respectivamente. Para
a análise estatística foram utilizados os testes de correlação de Pearson ou de
Spearman, seguidos de regressão linear. A atividade da AChE não está
correlacionada com os níveis de peroxidação lipídica, contudo apresenta correlação
negativa com os níveis de carbonilação proteica e correlação positiva com os níveis de
GSH. A partir deste estudo foi possível concluir que a intoxicação por agrotóxicos,
verificada por redução da atividade da AChE, está correlacionada com a ocorrência de
estresse oxidativo, tendo em vista que promoveu danos em proteínas e estimulou a
síntese do principal antioxidante endógeno (GSH). Destaca-se assim, a importância da
monitorização ocupacional dos agricultores, bem como do incentivo à utilização de
equipamentos de proteção individual (EPIs).
Centro de Convenções Maceió – AL 20 a 22 de agosto de 2015
Página 6
(AC 7) IMPORTÂNCIA DO USO CLÍNICO DO ANTIBIOGRAMA PARA PREVENÇÃO
DA RESISTÊNCIA BACTERIANA
1
2
3
4
FONSECA, LB ; MORAIS, MFS ; DOS SANTOS, MT ; CABRAL, AGS
1
Discente da Associação Caruaruense de Ensino Superior (ASCES), lindy_swan@hotmail.com;
Discente da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) - Campus Cuité,
3
frannciellysimoes@gmail.com; Discente da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)
4
- Campus Cuité, michaeltorres@outlook.com.br; Docente da Associação Caruaruense de
Ensino Superior e Técnico (ASCES) analuciaguedes@gmail.com
2
Introdução: A prevalência das infecções e consequente consumo dos medicamentos
para trata-las acarretam muitos erros de prescrição, relacionadas à incerteza
diagnóstica. O antibiograma é um ensaio utilizado como método de confirmação,
capaz de medir a susceptibilidade ou resistência de uma bactéria aos antibióticos,
proporcionando o uso do antimicrobiano adequado. Informar aos profissionais e
acadêmicos através de revisão de literatura sobre a importância do uso clínico do
antibiograma e do uso racional de antibióticos mediante aos alarmantes índices de
resistência bacteriana. Utilizaram-se artigos científicos pesquisados nas bases de
dados LILACS, SCIELO, MEDLINE, Biblioteca Virtual de Saúde – BVS e em site
especializado como o da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), entre os
anos de 2003 e de 2014.
A resistência microbiana refere-se a cepas de
microrganismos que são capazes de multiplicar-se em presença de antimicrobianos.
Há ainda uso de antibiótico como medicamento sintomático. Além disso, é comum o
não reconhecimento que antibiótico são medicamentos específicos, e, portanto são
eficazes pra determinados agentes infecciosos. Cerca de 50% a 66% de todas as
prescrições de antibióticos direcionam-se o tratamento de infecção de trato respiratório
superior e bronquite, quase sempre de etiologia viral. O que torna necessário o uso de
antibiograma que é analisado pela formação de um halo transparente sobre a
superfície do meio, envolvendo o disco de antibiótico, indicando uma região com
ausência de crescimento bacteriano. Sendo os resultados da cultura e do antibiograma
a melhor escolha para inicio do tratamento. Desse modo, haveria economia de seis
milhões de prescrições de antibióticos. O conhecimento da prevalência das cepas e do
antibiograma é fundamental para orientar a escolha de antibiótico. A falsa impressão
de eficácia é reforçada nas infecções autolimitadas, como as virais. Antibioticoterapia
apropriada significa não usar antimicrobianos na ausência de indicação, diagnóstico
ou por tempo demasiado.
Centro de Convenções Maceió – AL 20 a 22 de agosto de 2015
Página 7
(AC 8) ESTUDO IN VIVO DA ATIVIDADE LEISHMANICIDA DE COMPLEXOS DE
ANTIMÔNIO (V) CONTRA LEISHMANIOSE VISCERAL
OMENA, R.J.M.1; MELO, G.M.A.2; CAVALCANTE, A.Q.3; ALEXANDRE-MOREIRA, M.S.4;
MENEGHETTI, M.R.5.
1UFAL (GCaR/LaFI), Rafael.omena2@gmail.com, 2Faculdade Mauricio de Nassau, gabrielamuniz@hotmail.com, 3UFAL (LaFI),
allycq_farmacia@hotmail.com, 4UFAL (LaFI),
suzana.magna@gmail.com, 5UFAL (GCaR), mrmeneghetti@gmail.com
A leishmaniose é uma doença parasitária causada por protozoários do gênero
Leishmania que afeta 98 países, sendo considerado um grande problema de saúde
pública, principalmente nas regiões subdesenvolvidas. O atual arsenal terapêutico
ainda é limitado, sendo assim há uma necessidade de se pesquisar novos fármacos
para o seu tratamento. Logo, nós investigamos o potencial in vivo de complexos
organometálicos de antimônio, (L3)2SbPh3, contra a espécie Leishmania infantum,
principal espécie responsável pela forma visceral da doença. Para o estudo foram
utilizados Golden Hamsters, onde foram inoculados com 1 x 107 promastigotas de L.
chagasi na fase estacionária, após 45 dias de infecção os animais receberam o
tratamento diário por via intraperitoneal nas doses de 30 µmol/kg/dia do complexo
durante 15 dias, sendo sacrificados após o término do tratamento. Observou-se que o
tratamento com o complexo reduziu significativamente o número de parasitos no baço
dos hamsters infectados, sendo essa redução superior à observada pelo fármaco
padrão antimoniato de meglumina na mesma dose (30 µmol/kg/dia) e semelhante à
induzida por doses maiores deste fármaco. Também foram avaliados os níveis de
algumas enzimas hepáticas e renais para avaliar a toxicidade do complexo nos
hamsters, sendo que podemos observar que não ocorreu aumento nas enzimas,
demonstrando que o complexo não induziu nem hepatotoxicidade quanto
nefrotoxicidade. Desta forma, observamos que nosso protótipo de fármaco
demonstrou ser um excelente candidato para o tratamento da leishmaniose,
mostrando uma eficácia superior ao fármaco padrão utilizado já no mercado.
Centro de Convenções Maceió – AL 20 a 22 de agosto de 2015
Página 8
(AC 9) A INCIDÊNCIA DE ALTERAÇÕES DA GLICEMIA DE JEJUM NAS IDOSAS
DO ABRIGO LUIZA DE MARILLAC EM MACEIÓ-AL
2
3
4
GOMES, E. A.¹; SILVA, G. R. ; BUENO, N. B. ; CACVALCANTE, C. G ; BARBOSA, D. P.
5
1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS – UFAL: edalgomes@yahoo.com.br; 2.
FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU: gilnison@yahoo.com; 3. FACULDADE MAURÍCIO DE
NASSAU:
nassibbb@hotmail.com;
4.
FACULDADE
MAURÍCIO
DE
NASSAU:
cristiannigusmao@hotmail.com; 5. UFAL: dportob@gmail.com
A Diabetes Mellitus está relacionada a graves complicações crônicas, vasculares e à
redução da expectativa de vida. A hiperglicemia em idosos tem prevalência
aumentada, sendo muito variável e de controle mais rigoroso, aliada ao fato que nos
últimos anos o aumento dessa população se tornou expressiva mundialmente.
Considerando a relevância desta grave doença, o trabalho teve como objetivo
conhecer o perfil glicêmico das idosas acolhidas no Lar Luiza de Marillac na cidade de
Maceió, Alagoas no período de janeiro a março de 2015. Foram realizadas 03 coletas
em jejum para avaliar o perfil glicêmico, antropométrico e níveis pressóricos das 32
idosas institucionalizadas com idade entre 60 e 112 anos, delimitada pela avaliação e
estimativa da amostra e o papel da glicemia capilar de jejum. Foi observado que a
hipertensão arterial sistêmica não estava presente de forma significativa, não havendo
correlação entre sistólica e idade (r = - 0,01; p = 0,93), nem entre diastólica e idade (r
= - 0,01; p = 0,65), e o índice de massa corporal 27,4% da amostra apresentou
excesso de peso. Destacou-se também negativamente a dispersão da glicemia e
idade, à medida que a idade cresce a glicemia diminui (r = - 0,35; p = 0,004), idosas
categorizadas em 19 (59,4%) euglicêmicas e 13 (40,6%) disglicêmicas. A média da
glicemia do grupo deambulante e não-deambulante não diferiu significativamente (p =
0,91). Os resultados demonstraram a relevância deste estudo no qual a incidência da
doença nessa população servirá de alerta no que se refere à necessidade de adoção
de medidas preventivas como o monitoramento da glicemia visando o controle da
doença, na prevenção das complicações e suas peculiaridades individuais.
Centro de Convenções Maceió – AL 20 a 22 de agosto de 2015
Página 9
(AC 10) UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA SOBRE AS TÉCNICAS ANALÍTICAS NA
QUANTIFICAÇÃO DE ETANOL NO SANGUE
1
2
BEZERRA, L. G. LAIS ; SIMÕES, A. S. M. ; BARBOSA, T. P.
3
1- Faculdade de Ciências Médicas da Paraíba; laisemog@gmail.com; 2- Faculdade Ciências
Médicas da Paraíba; anderson_savio@hotmail.com; 3- Faculdade Ciências Médicas da
Paraíba; ticianopb@hotmail.com
As bebidas alcoólicas são utilizadas na sociedade desde os povos antigos, entretanto,
o consumo descontrolado tem se tornado um problema de saúde pública, pois se
apresenta como um dos principais fatores responsáveis pela incidência de acidentes
de trânsito com vítimas. A toxicologia forense estabelece técnicas analíticas para
quantificar substâncias tóxicas, dentre elas o etanol, encontradas em amostras
biológicas. No entanto, as técnicas analíticas usadas nestas matrizes, principalmente:
urina, saliva e sangue, devem ser cuidadosamente empregadas, pois os interferentes
nas amostras podem fornecer resultados falso-positivo. Por esse motivo, o
desenvolvimento de técnicas analíticas com maiores robustez, sensibilidade, exatidão
e precisão são primordiais para a atuação do perito criminal e estudos para o
desenvolvimento de técnicas para determinação de etanol em amostra de sangue têm
crescido nos últimos anos. Como as técnicas analíticas forenses são inúmeras, a
técnica ideal será determinada pelo toxicologista, apontando a mais vantajosa,
sensível, linear, preciso e exato, além da disponibilidade do aparelho e do custo da
análise. Dentre as principais técnicas utilizadas destacam-se a cromatografia gasosa
pelo método headspace (CG-HS), eletroforese capilar por zonas (ECZ), cromatografia
líquida de alta eficiência (CLAE), cromatografia gasosa (CG). Por este motivo, o
objetivo deste trabalho foi realizar uma revisão bibliográfica sobre as técnicas
analíticas utilizadas para quantificação de etanol no sangue, utilizando como base de
dados o Scielo, Pubmed, Medline e Google acadêmico, empregando como termos
descritores: identificação do etanol no sangue, quantificação do etanol no sangue e
técnicas analíticas para quantificação de etanol no sangue, sendo selecionados para a
análise um total de 17 artigos. Do total de artigos, 6 utilizaram a técnica de (CG-HS)
para quantificação de etanol no sangue, 2 artigos usaram CLAE, 1 artigo ECZ e 1
artigo CG. Outros 7 artigos usaram técnicas não usuais nas análises, na tentativa de
quantificar o etanol de forma simples e preciso evitando gastos de analises. Portanto,
este trabalho verificou a necessidade de um aumento das pesquisas para
desenvolvimento de novas técnicas analíticas para determinação de etanol em
amostras de sangue, como também, pesquisas para otimização das técnicas já
estabelecidas.
Centro de Convenções Maceió – AL 20 a 22 de agosto de 2015
Página 10
(AC 11) CARGA PARASITÁRIA, ASPECTOS CLÍNICO E IMUNOLÓGICO DA
FORMA CRÔNICA DA ESQUISTOSSOMOSE EM ÁREA ENDÊMICA ÀS MARGENS
DO RIO SÃO FRANCISCO.
1,3
1
1
1
AMORIM, F.J.R. ; SANTOS, C.M.B. ; ROLLEMBERG C.V. ; BARRETO, D.D.; ANDRADE
1
1
1, 2
C.C.G. ; PESSOA, K.S.C. ; JESUS, A.R.
1. Departamento de Medicina, Universidade Federal de Sergipe, 2.Institutos Nacionais de
Ciência e Tecnologia, Instituto de Investigação em Imunologia, CNPq, 3.Setor de Farmácia
Hospitalar - Hospital Universitário de Sergipe/EBSERH - Aracaju/SE.
INTRODUÇÃO: A esquistossomose afeta 200 milhões de indivíduos mundialmente e
no Brasil 7,1 milhões. A cidade Sergipana de Ilha das Flores é banhada pelo Rio São
Francisco e possui uma extensa área de irrigação, onde se encontram muitos
caramujos da espécie Biomphalaria glabrata e Biomphalaria straminea. Estudos
mostram que após a oviposição há um predomínio da resposta Th2 (IL-4, IL-5 e IL-13).
Sendo que a interleucina IL-5 foi inicialmente descrita como um factor de crescimento
para eosinófilos e células B. OBJETIVOS: Apresentar dados epidemiológicos da
doença, analisar o grau de infecção pelo Schistosoma mansoni através do método
Kato-Katz, sua relação com a forma crônica da doença e com a resposta imune.
MATERIAL E MÉTODO: Após o cálculo do tamanho amostral, 500 pessoas assinaram
o termo de consentimento, responderam a um inquérito clínico, e submeteram-se à
coleta de sangue para a dosagem, dentre de outros testes, da citocina IL-5, ao exame
clínico e ao exame coproparasitológico (TF-Test® e Kato Katz). RESULTADOS:
Verificou-se uma prevalência de 24%, 120 casos positivos para S. mansoni entre os
500 exames coproscópicos realizados. A carga parasitária (número de ovos/g de
fezes) nos pacientes estudados está descrita em média ± DP dos números de ovos
nos 3 grupos de pacientes com as formas clínicas foram: Intestinal = 208,3 ± 486,3;
Hepatointestinal = 152,5 ± 294,5 e Hepatoesplênico = 544,3 ± 450,5. Foi observado
que as concentrações de IL-5 nos sobrenadantes de PBMC (células mononucleares
em sangue periférico) estimuladas por SWAP (antígeno do verme adulto) aumentam
progressivamente com a intensidade da infecção, mostrando diferenças entre os
grupos com  100 e  400 ovos/g. Foi identificada uma correlação direta entre as
concentrações de IL-5 em resposta a antígeno SWAP e número de ovos/g de fezes.
CONCLUSÕES: O Kato-Katz se mostrou um método coproparasitológico muito
eficiente para estudos epidemiológicos. Foi verificada uma alta freqüência de cargas
parasitárias elevadas. Os pacientes com a forma mais grave apresentaram maior
carga parasitária. Na avaliação da resposta imune foi comprovado que quanto maior a
carga parasitária maior a secreção da interleucina IL-5.
Centro de Convenções Maceió – AL 20 a 22 de agosto de 2015
Página 11
(AC 12) CONTAMINAÇÃO DE PRAIAS DA PARAÍBA POR STRONGYLOIDES
SPP.: UMA RELAÇÃO ENTRE A POSITIVIDADE E A APROXIMAÇÃO DOS
LOCAIS DE PERMANÊNCIA DOS BANHISTAS
LEITE, LCA1; CARVALHO, RMC2; FIGUEIREDO-JUNIOR, FS3; BATISTA, LM4;
FREITAS, FIS5
1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA, layscris_14@hotmail.com; 2 UNIVERSIDADE
FEDERAL DA PARAÍBA, rich_couras@hotmail.com; 3 UNIVERSIDADE FEDERAL DA
PARAÍBA,
juniorfsf@bol.com.br;
4
UNIVERSIDADE
FEDERAL
DA
PARAÍBA,
leoniab@uol.com.br; 5 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA, fisf@bol.com.br.
A estrogyloidiase é uma doença causada pelo enteroparasita Strongyloides spp., que
possui também a capacidade de permanecer e se desenvolver no solo. Dentre os
ambientes arenosos, as praias constituem um excelente meio de veiculação de várias
espécies de parasitas intestinais, como por exemplo, o Strongyloides. spp., causador
de infecções desde assintomáticas, sintomáticas (cutânea, pulmonar e intestinal), até
hiperinfecções e disseminação, podendo resultar em óbito. Avaliar a contaminação da
orla de João Pessoa-PB, comparando a positividade das amostras com a aproximação
dos locais de permanência dos banhistas. Foram coletadas 63 amostras nas praias de
Tambaú e Cabo Branco da cidade de João Pessoa-PB, no período de fevereiro a
março de 2015. Em cada região foram selecionados três pontos de coleta, um ponto
próximo ao local dos banhistas, denominado ponto 3 e outros dois a 10 metros de
distância do ponto 3, denominados ponto 1 e 2. Em cada ponto foram colhidos três
amostras de 150g de areia. Os métodos para identificação das larvas foram Hoffmann
e Rugai e para análise dos dados, foi utilizado a regressão logística e o método
Backward. Os resultados destes métodos, também foram analisados em relação a
razão de chance de um resultado dá positivo. Dos 126 resultados, 23,0% (29) foram
positivos para Strongyloides spp. e dentre estes, 17,2% (5) foram coletados no ponto
1, 37,9% (11) no ponto 2 e 44,9% (13) no ponto 3. Os resultados mostram que o risco
de detecção de positividade é maior quando passa do ponto 1 para o ponto 3, pois
esta razão aumenta em 5,343 vezes. A maior parte das amostras positivas foram
detectadas no ponto 3, ponto mais próximo dos banhistas. Logo, a aproximação do
local de permanência dos banhistas está diretamente relacionada ao aumento do risco
de detecção de larvas. Por isso, este grupo de frequentadores da orla, principalmente
as crianças, devido os hábitos de brincarem na areia, apresentam maior risco de
contaminação por larvas de Strongyloides spp., tornando-se portanto, um grupo de
risco que necessita realizar, frequentemente, exames coproparasitologico e então,
tratamento adequado.
Centro de Convenções Maceió – AL 20 a 22 de agosto de 2015
Página 12
(AC 13) PERFIL REDOX DE AGRICULTORES TRATADOS “in vitro” COM A
INFUSÃO DE Cymbopogon citratus
1
2
3
4
CATTANEO, RC ; MORI, NC ; GELATTI, GT ; OLIVEIRA, C ; TISSIANI, AC
1
5
2
Universidade de Cruz Alta (UNICRUZ). E-mail: rcattaneo@unicruz.edu.br; UNICRUZ. E-mail:
3
4
natachamori@msn.com; UNICRUZ. E-mail: gabriela.gelatti@hotmail.com; UNICRUZ. E-mail:
5
carolzinha_olveira@hotmail.com; UNICRUZ. E-mail: ana.c.t@hotmail.com
Os pesticidas agrícolas promovem inibição da fosforilação oxidativa no sistema
nervoso central, comprometendo a capacidade da célula para manter os seus níveis
de energia, o que pode elevar as quantidades de espécies reativas de oxigênio,
caracterizando a condição de estresse oxidativo. Estudos verificaram que o extrato de
Cymbopogon citratus, conhecido popularmente como capim limão, possui substâncias
antioxidantes em sua composição fitoquímica, porém, sua infusão, que é a forma de
consumo da população, foi pouco estudada. Avaliar a resposta redox em eritrócitos de
agricultores tratados com a infusão de Cymbopogon citratus. Foram utilizadas 30
amostras de agricultores pertencentes a municípios da Região do COREDE Alto
Jacuí/RS, que trabalhavam no mínimo a três anos no ramo da agricultura. Os
eritrócitos dos agricultores foram diluídos a 5% e divididos em 5 grupos: Grupo 0
(basal): eritrócitos sem tratamento com a infusão do capim limão; Grupos 5, 10, 25 e
50, tratados respectivamente, com 5g/L, 10g/L, 25g/L e 50g/L da infusão do capim
limão. Para verificar o perfil redox foram avaliados os níveis de Proteínas Carboniladas
(PCs), Substâncias Reativas ao Ácido Tiobarbitúrico (TBARS) e Glutationa Reduzida
(GSH). As concentrações de TBARS e PCs não foram alteradas após os tratamentos
com a infusão de capim-limão (5-50g/L), contudo os níveis de GSH estavam
significativamente aumentados quando comparados ao grupo sem tratamento com a
planta. O aumento dos níveis de GSH demonstra que a infusão de Cymbopogom
citratus pode possuir uma relevante capacidade antioxidante.
Centro de Convenções Maceió – AL 20 a 22 de agosto de 2015
Página 13
Download

Análises Clínicas e Toxicológicas - V Congresso Norte Nordeste de