Estratégias de Busca
e Uso da Informação
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - UFSC
CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO – CED
DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO – CIN
Mestrado em Ciência da Informação
Fontes de Informação – CIN 3211
Professora: Úrsula Blattmann
Aluno: Jovelino D. Cardoso Jr.
jovelinojr@yahoo.com.br
Estratégias de Busca e Uso da Informação
Novato: aquele que nunca
Experiente: usa o sistema
usou determinado sistema e prefere
freqüentemente e pode lidar
interfaces simples e intuitivas;
com problemas que venham
a surgir no sistema;
O Usuário:
Especialista: possui conhecimento da coleção ou da base
de dados e é familiarizado
com a interface do sistema.
Ocasional: utiliza o sistema
de modo infreqüente e precisa
reaprender a usá-lo cada novo
contato;
Com necessidades especiais:
pode ser portador de deficiências
visuais ou auditivas, ou com
necessidades físicas especiais ou
distúrbios de aprendizagem;
“... a maioria dos usuários não busca por mais informação, mas sim,
procura por menos, a melhor informação para eles” (FIGUEIREDO: 1996,
p. 14).
Estratégias de Busca e Uso da Informação
A Busca:
Recuperar registros
relevantes
Recuperação
de registros
irrelevantes
Recuperação
de número
excessivo
de registros
Recuperação
de número
insuficiente
de registros
Estratégias de Busca e Uso da Informação
Bibliografias
Resumos
Atlas
mapas
Teses
Dissertações
Relatórios
Blablablablablablabla
Blablablablablablabla
Blablablablablablabla
Blablablablablablabla
Blablablablablablabla
Blablablablablablabla
Blablablablablablabla
Blablablablablablabla
Blablablablablablab
Biografias
Fontes
Catálogos
Diretórios
Monografias
Tratados
Ìndices
Enciclopédias
Estratégias de Busca e Uso da Informação
Estratégias de Busca
Busca Rápida
Busca Booleana
Busca Simples
Emprega-se o operador E
para a recuperação de
alguns registros
Utiliza-se o termo ou
expressão em linguagem
natural em um site de
busca;
Elementos
construtivos
Emprega-se OU,
inicialmente, entre os termos
e seus sinônimos, depois
compara-se os registros
utilizando o operador E;
?
Frações
sucessivas
Emprega-se os operadores
E e NÃO
Emprega-se aspas
à expressão ou ao termo
pesquisado;
Desdobramento
de uma
Citação-matriz
Emprega-se alguns termos
ou um dos termos de uma
expressão
Idem à booleana;
Estratégias de Busca e Uso da Informação
Linguagens de indexação e de busca:

Linguagem de Indexação são “termos ou códigos que podem ser
usados como ponto de acesso num índice” (ROWLEY: 2002, p. 168).

Controlada: “conjunto limitado de termos autorizados para uso na
indexação” (LOPES: 2002, p. 42).
Exemplos: Tesauros, listas de cabeçalhos de assuntos e os sistemas
de classificação (código ou notação);

Natural: os termos da indexação são extraídos do documento. Na
indexação feita por um computador, há termos que podem ser
descartados por fazerem parte de um tesauro ou por serem comuns
como artigos, preposições, conjunções etc.;

Livre: indexação feita por um indexador humano e depende do
conhecimento deste sobre o assunto e sua terminologia;
Estratégias de Busca e Uso da Informação
Tesauro em ciência da Informação da PUC Minas disponível em < http://www.inf.pucminas.br/ci/tci/>, acessado em 12 de maio de 2007.

Linguagem de Busca representa “os termos usados por
um consulente ao especificar uma necessidade de busca”
(ROWLEY: 2002, 168).
Observação: mesmo que as linguagens de indexação e
de Busca sejam diferentes estas devem estar
relacionadas.
Estratégias de Busca e Uso da Informação
Interface de Busca:

Baseada em linguagem natural: utilizada pelo usuário não-especialista, o qual
vale-se da linguagem comum;

Baseada em linguagem de comando: utilizada pelo usuário especialista, o qual
precisa conhecer linguagem e comandos específicos para fazer a pesquisa;

Baseada em Menus: apresenta ao usuário várias alternativas para auxiliar na
busca, por exemplo, listas de assuntos, relação de links etc.;

De manipulação direta: o usuário pode agir diretamente sobre os objetos da
pesquisa, sem a utilização de comandos ou linguagens.

Baseada em formulários: o usuário insere várias informações pertinentes à
pesquisa.
(SOUZA et al.: s/ data, p. 7-12)
Estratégias de Busca e Uso da Informação
Recursos acessíveis e disponíveis

Recursos de configuração: recursos de ajuda,
notícias e conexão;

Seleção dos termos de busca: pode mostrar
termos de indexação ou busca e números de
lançamentos;

Entrada de termos de busca: o usuário deve clicar
ou digitar o termo pesquisado;

Combinação dos termos: o usuário utiliza-se de
uma lógica de busca como a booleana;
Estratégias de Busca e Uso da Informação
Recursos acessíveis e disponíveis (2)

Especificação dos campos: a especificação das seções
de documentos ou campos que serão objetos de busca;

Truncamento: buscas em uma seqüência de caracteres;

Busca por proximidade, adjacência e contexto;

Buscas de amplitude e limitação de amplitude: o usuário
usa operadores como EQ (igual a) para encontrar
registros com base em campos numéricos ou datas.
Estratégias de Busca e Uso da Informação
Características das leituras e uso da informação

Exibição de buscas e conjuntos dos resultados: mostra ao usuário quantos
registros foram encontrados;

Exibição dos registros: especificação de dados referentes ao registro;

Gerenciamento de buscas: o usuário pode rever a estratégia de busca adotada e
salvá-la caso ache necessário;

Opções avançadas de exibição: apresentação de partes relevantes do texto na
exibição do registro ou em janelas;

Consultas conjugadas ou combinadas: o usuário faz buscas em diversas bases
de dados sem alterar a estratégia de busca.

Exibição do tesauro: em linguagem controlada, o usuário deve utilizar um tesauro
impresso ou em linha para auxiliar a pesquisa;

Hipervínculos: permitem ao usuário ligações como outros registros.
Estratégias de Busca e Uso da Informação
Referências:
CAMPELLO, Bernardete; CALDEIRA, Paulo da Terra (Org.) Introdução às fontes de informação. Belo Horizonte :
Autêntica, 2005. 181p. [Coleção Ciência da Informação];
FIGUEIREDO, Nice Menezes de. Textos avançados em referência e informação. São Paulo: Polis / APB, 1996,
124p.[Coleção Palavra-chave, n° 6];
LANCASTER, F. W. Princípios da indexação In. Indexação e resumos: teoria e prática. Tradução de Antônio Agenor
Briquet de Lemos. Brasília: Briquet de Lemos / Livros, 1993, cap. 2, p. 5-19;
LOPES, Ilza Leite. Uso das linguagens controlada e natural em bases de dados: revisão da literatura. In Revista
Ciência da Informação. Brasília: v.31, n.1, p. 41-52, jan/abr. 2002, disponível em
<ibict.br/cienciadainformacao/include/getdoc.php?id=493&...&mode=pdf>, acessado em 03 de maio de 2007;
Manual Yahoo! de busca na internet: facilitando o uso das buscas nas pesquisas escolares. Jornalista responsável:
Priscilla Cortezze, 2005, disponível em <br.buscaeducacao.yahoo.com/mt/manual/index.
php>, acessado em 03 de maio de 2007.
ROBREDO, Jaime. Documentação e Informação In. Documentação de hoje e de amanhã. Brasília: Associação de
Bibliotecários do Distrito Federal, 1978, cap. 1, p. 1-9;
ROWLEY, Jennifer. Fundamentos da recuperação da informação. In _______. A biblioteca eletrônica. Tradução de
Antônio Agenor Briquet de Lemos. Brasília: Briquet Lemos/Livros, 2002, cap. 7, p. 162-186;
SOUZA, Clarisse Sieckenius de et al. Projeto de Interfaces de Usuário: perspectivas cognitivas e semióticas, (s/ data),
47p., disponível em <www.unifacs.br/ihc/downloads/pdf/JAI_Apostila.pdf >, acessado em 13 de maio de 2007.
Download

Slide 1 - Fontes de informação