Formar professores, contribuir para criar
mundos possíveis
Dra. Paula Pogré
PASEM/ UNGS
ppogre@ungs.edu.ar
ppogre@pasem.org
América do Sul: Os contrastes e as contradições

A América Latina é o continente com maior desigualdade social.

Ampliou- se a cobertura em educação. Aumentaram as desigualdades na
qualidade da educação.

Um continente com uma profunda reflexão e ação no campo educativo e social

As reformas, seus avanços e suas dívidas

O desafio pendente, mudar o núcleo duro: a gramática escolar
Como diminuímos a brecha entre o que sabemos e o que fazemos?
Três diferenças, a mesma escola?
As crianças e os jovens
o conhecimento
os mandatos
Pensemos na formação
de professores
Isto nos obriga a uma dupla análise

Para que escola?
Uma escola para todos e para cada uno.
A redefinição da equidade e da qualidade
No quadro do direito à educação e
a construção da cidadania.

Com que tipo de formação e em que instituição?
Muitos trabalhos....
alguns acordos

A formação docente está marcada por suas próprias experiências
como aluno; começa com a entrada à instituição formadora,
continua depois de formado, no processo de socialização
profissional e se desenvolve durante toda a sua vida profissional.

Não se trata somente de transmitir conceitos disciplinares
atualizados e uma nova teoria de ensino.

Busca-se a apropriação de concepções educativas reflexivas que
gerem outras maneiras de ensinar e de agir no marco das
instituições educativas.

Busca-se formar um docente autônomo, capaz de trabalhar em
equipe, com domínio disciplinar e um forte compromisso ético,
técnico e político com os resultados da aprendizagem de seus
alunos
Trinta anos de investigação , os temas em
questão na formação docente

Em que tipo de instituição?

A duração da formação

Os conteúdos da formação

A relação entre a teoria e a prática/o problema da “prática docente”

A relação entre conteúdos disciplinares e pedagógicos.

Os “novos estudantes”
Tendências

Mais anos de estudo

A formação docente passa ao nível superior

Maior ênfase na prática como parte da formação. Aumenta a
quantidade de horas “no campo”

Tentativa de superar propostas “aplicacionistas”
Algumas estratégias frente à necessidade de incluir
os novos desafios à formação

Incorporação de oficinas e seminários na formação

Proliferação das especializações e das pós-graduações

Sensação de que nada é suficiente.
A educação superior, una educação para todos?

Os mandatos fundacionais

Um sistema educativo baseado, para os setores menos
favorecidos, com um “especial” componente meritório.

“Mutar” para permanecer
Como diminuímos as brechas?
Quais são os desafios institucionais e
pedagógicos para ampliar as condições
de equidade no acesso ao
conhecimento?
O que realmente importa que compreendam os
futuros docentes na sua formação inicial?
Pensar a proposta focalizando na aprendizagem.
 Instituições que sejam capazes de criar condições para
aprender.

a
complexidade da prática
docente
Três perguntas para repensar os
desenhos da formação

O que deve compreender um futuro professor na sua formação
inicial?

Quais experiências deve transitar durante a formação para construir
essas compreensões?

Como eles e nos saberemos que estão sendo construídas as
compreensões esperadas?
Construir uma proposta curricular para a formação docente
requer revisar quais desempenhos e experiências propomos
aos docentes em formação.
O que aprender para poder ensinar?

Implica aprender além do que vai ensinar

Implica transitar experiências múltiplas de apropriação

Implica a construção da prática profissional
Outro currículo e outra instituição não se
consegue por imposição, se constrói

O desenho curricular e o desenho organizacional da
instituição formadora não são separáveis.

A profissão docente é uma construção coletiva, não
individual, portanto é necessário gerar oportunidades para
formar esse “coletivo”.
Olhar para fora, olhar para dentro
Trabalhar junto com os níveis para os que se forma
Trabalhar e investigar junto com as escolas é o que permite
continuar formando.
Uma instituição na qual todos estão comprometidos, em uma
relação viva, com os “saberes de referência”.
Concluindo, algumas ideias para continuar
pensando
Como propiciar o que deverá ser construído?

Outro currículo, outra instituição / outra instituição, outro currículo

“Nem à frente, nem atrás do sistema”. Instituições formadoras
trabalhando junto com os níveis para os que formam.

Repensar as propostas curriculares da formação no marco de
repensar a proposta formativa geral e a proposta institucional.
“Em cada minuto passado na escola vivemos não
só esse minuto : também contribuímos para a
criação de um mundo....”
Raths, 1967
Que tipo de mundo estamos ajudando a criar?
Download

Proyecto de Mejora de la Formación Docente Inicial para el Nivel