EM ÓLEO DE DENDÊ NO CONTROLE DE Heilipus
catagraphus Germar COLEOPTERA: (CURCULIONIDAE) BROCA-DOCOLETO DA GRAVIOLEIRA
CLORPIRIFÓS
JOSÉ INÁCIO LACERDA MOURA1
1
CEPLAC/ESMAI, KM 0, ROD. UNA-COLONIA, CEP:45690-000, UNA-BA
e-mail: Jinaciolacerda@yahoo.com.br
IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA
Uma nova praga vem destacando-se pelos danos que vem causando a plantios
comerciais de gravioleira no sul do estado da Bahia, e nos estados do Espírito Santo e Minas
Gerais. Trata-se do curculionídeo Heilipus catagraphus Germar, conhecido como broca-doculeto ou broca-do-tronco.
DESCRIÇÃO DO INSETO
O adulto mede aproximadamente 2 cm de comprimento, de cor preta com duas faixas laterais
de cor amarela e formato irregular em toda extensão do corpo. A larva é de coloração branca (
Figuras 1 e 2).
Figura 1. Adulto de Heilipus catagraphus
Figura 2. Larva de H. catagrafus
DANOS
A larva constrói galerias sob a casca na região do coleto causando na maioria das vezes a
morte da planta.Em gravioleiras adultas, às vezes a larva não mata a planta em razão da área
diametral do coleto. Porém, reduz a produtividade pela interrupção da seiva.
Na região cacaueira não é incomum o produtor confundir a morte causada por esta
praga com fusarium. Assim, recomenda-se observar se na base do coleto a existência de
sintomas semelhantes aos das figuras 3 e 4.
Figura 3. Gravioleira atacada por larvas de H. catagraphus
Figura 4. Gravioleira morta por H. catagraphus
MEDIDAS DE CONTROLE
COLETA MANUAL: No sul da Bahia, entre os meses de setembro e janeiro adultos de H.
catagraphus emergem das gravioleiras. Assim, recomenda-se a fiscalização do pomar nesse
período em dias alternados visando identificar a presença destes insetos sobre o coleto das
gravioleiras. Uma vez identificados, estes devem ser coletados manualmente e mortos.
CONTROLE CULTURAL: Retirada e queima das gravioleiras mortas.
CONTROLE QUÍMICO: Pincelamento sobre as partes atacadas do coleto da gravioleira com a
mistura de 1 litro de óleo de dendê e clorpirifós a 3%. O óleo de dendê vai atuar como veículo
do inseticida. Recomenda-se o óleo de dendê devido a fácil aquisição pelos produtores na
região cacaueira. Todavia, pode-se utilizar outro tipo de óleo vegetal. Porém, jamais use óleo
mineral, pois ele é tóxico para a gravioleira.
ETAPAS PARA O CONTROLE QUÍMICO
i) Reúna o material necessário
DA ESQUERDA PARA DIREITA: CLORPIRIFÓS, ÓLEO DE DENDÊ,
FUNIL, LUVA, BALDE, ROLO DE PINTAR ( SOBRE O BALDE) OU
PINCEL E PROVETA.
ii) Após localizar a planta atacada, faça com auxilio de uma inchada
um sulco ao redor da base do tronco da gravioleira, pois na
maioria das vezes a larva desce em direção as raízes.
iii ) MISTURE INSETICIDA COM ÓLEO DE DENDÊ
Meça 30 ml de clorpirifós
Misture com 1 litro de óleo de dendê.
IV) COLOQUE A MISTURA EM UM BALDE
V) Insira o rolo dentro do balde com a mistura. Faça esta
operação sempre próximo da planta a ser tratada, pois
agindo assim evita que respingos caiam sobre o solo.
VI) Pincele a mistura sobre as partes atacadas do coleto
VANTAGEM E DESVANTAGEM DO PINCELAMENTO COM O ROLO:
i) Vantagem: distancia o operador do inseticida
ii) Desvantagem: incomodo para carregar
VANTAGEM E DESVANTAGEM DO PINCELAMENTO COM O PINCEL
i) Vantagem: fácil de carregar
ii)Desvantagem: aproxima o operador do inseticida
ATENÇÃO!
O CLORPIRIFÓS NÃO ESTÁ REGISTRADO NO MINISTÉRIO DA
AGRICULTURA PARA O CONTROLE DA BROCA-DO-COLETO.
DESSE MODO, PROCURE UM AGRONOMO DE SUA REGIÃO PARA
MELHOR ORIENTAÇÃO.
LITERATURA CONSULTADA
Moura, J.I.L.; Sgrillo, R.B.; Cividanes, F.J. 2006. Clorpirifós em óleo de dendê no controle de
Hellipus catagraphus Germar ( Coleo ptera: Curculionidae ) em gravioleira. Agrotrópica. 18: 53-56.
Moura, J.I.L.; E.R. Lima.; R.B.Sgrillo. 2002. Manejo Integrado das Pragas da Gravioleira. In:
Poltronieri,L.S.; Trindade, D.R. Eds. Manejo Integrado das Principais Pragas e Doenças de Cultivos
da Amazônia. Belém, Embrapa Amazônia Oriental. PP. 51-56.
Yamamoto,P.T.; Pinto, A.S.; Paiva,P.E.B.; Gravena, S. 1992. Seletividade de agrotóxicos aos
inimigos naturais de pragas de citros. Laranja. 13: 709-755.
Download

CLORPIRIFÓS EM ÓLEO DE DENDÊ NO CONTROLE DE