ARTIGOS / ARTICLES
LIPOSSARCOMA M IXÓIDE
DE
MEMBRO I NFERIOR RELATO DE CASO *
Myxoid Liposarcoma of the Thigh - Case Report
Orlando Jorge Martins Torres¹, Roberta Casanovas Tavares²,
Camila Cristina Bastos S. Raposo², Rodrigo Palácio de Azevedo²,
Lia Raquel de Alcântara Caldas² e Ana Gisélia Portela de Araújo³
RESUMO
O lipossarcoma mixóide se constitui em um subgrupo de lipossarcomas que, na maioria
das séries, representa o segundo ou terceiro mais comum tipo de sarcoma de partes moles.
Os autores apresentam um caso de lipossarcoma mixóide gigante de membro inferior submetido
à ressecção cirúrgica. Paciente de 64 anos, sexo masculino queixava-se de massa de crescimento
insidioso na perna, que alcançou grande extensão. O tratamento consistiu na excisão radical
do tumor. Histologicamente o tumor era composto de núcleos atípicos e figuras mitóticas,
típicas do lipossarcoma mixóide. Os autores discutem os principais fatores que influenciam
as taxas de sobrevida e o tratamento do tumor.
Palavras-chave: lipossarcoma; lipossarcoma mixóide; neoplasias de tecidos moles; cirurgia.
ABSTRACT
Myxoid liposarcoma make up the biggest subset of liposarcomas, which, in most series, represent
the second or third most common type of soft tissue sarcoma. The authors present a case of giant
myxoid liposarcoma of the lower extremity submitted to surgical resection. A sixty-four year old man
complained of an insidiously growing mass at the thigh, that reached a large size. Treatment consisted
of radical excision of the tumor. Histologically the tumor was composed of atypical nuclei and
mitotic figures, typical of myxoid liposarcoma. The authors discuss the main factors influencing the
survival rate and the treatment of the tumor.
Key words: liposarcoma; myxoid liposarcoma; soft tissue neoplasms; surgery.
* Trabalho realizado na Disciplina de Clínica Cirúrgica III da Universidade Federal do Maranhão (UFMA)
1
Professor Adjunto-Doutor, Coordenador da Disciplina de Clínica Cirúrgica III (UFMA) e Professor Livre-Docente, Universidade Federal do Ceará (UFC).
Enviar correspondência para O.T. Rua Ipanema 01, Ed. Luggano Bl I/ 204, São Francisco, 65076-060 São Luís, MA. E-mail: [email protected]
2
Estudante de Medicina - UFMA
3
Médica Patologista - UFMA
Revista Brasileira de Cancerologia, 2001, 47(1): 43-47
43
Torres, O. J. M. et al.
INTRODUÇÃO
O lipossarcoma é um dos mais comuns
sarcomas de tecidos moles próprios do adulto,
sendo rara a sua ocorrência em crianças, com
pico de incidência entre os 40 e 60 anos. Acometem principalmente o homem e a determinação do subtipo histológico e grau de
diferenciação é importante para o prognóstico
e proposta terapêutica1. O lipossarcoma é o
segundo ou terceiro tipo histológico mais
comum entre os sarcomas de partes moles,
representando 8% a 17% destes sarcomas na
maioria das séries. O lipossarcoma mixóide
é definido por Spillane et al. como uma variante de lipossarcoma com lipoblastos que
freqüentemente são do tipo anel de sinete,
com padrão capilar plexiforme, matriz mixóide com mucopolissacarides sensíveis à
hialuronidase. Diferentes anormalidades
citogenéticas e moleculares têm sido identificadas em associação com sarcomas de partes
moles e a anormalidade citogenética do
sarcoma mixóide é t(12;16)(q 13; p 11)1,2.
Embora a maioria dos lipossarcomas
apresente de 5 a 10cm em seu maior diâmetro, alguns, principalmente aqueles do
retroperitôneo, podem atingir um diâmetro
maior 3,4. Pretendemos no presente estudo
apresentar um caso de lipossarcoma gigante
de extremidade, submetido a tratamento
cirúrgico.
RELATO DE CASO
Paciente do sexo masculino, 64 anos, deu
entrada no Serviço de Clínica Cirúrgica do
Hospital Universitário Presidente Dutra, em
São Luís, no Maranhão, apresentando tumoração em membro inferior direito, com início
há aproximadamente 3 anos e evolução gradativa. Não referia edema, cianose ou alteração
na coloração ou temperatura do membro
envolvido.
Ao exame físico se apresentava com bom
estado geral, eutrófico e com sinais vitais
normais. Ao exame das extremidades foi
observada tumoração na face posterior da
coxa e perna direita, ocupando os dois terços
inferiores da coxa e dois terços superiores da
perna, de consistência firme e elástica, temperatura semelhante à da pele circunjacente,
44
Revista Brasileira de Cancerologia, 2001, 47(1): 43-47
indolor à palpação com área endurecida
próxima à região poplítea.
Os exames laboratoriais de rotina
mostraram glicemia em jejum 72mg/dl,
hemoglobina 11,2g/dl, hematócrito 35,6%,
leucócitos 7.240/mm 3, uréia 39mg/dl,
creatinina 1,1mg/dl, proteínas totais 8,1g/dl
e albumina 3,8g/dl.
Realizou ultrassonografia do membro
inferior direito que evidenciou aspecto ecográfico de massa tumoral sólida estendendo-se
do terço médio posterior da coxa direita ao
terço médio posterior da perna. Com diagnóstico pré-operatório de tumoração em
membro inferior direito, foi indicado ressecção cirúrgica da lesão. Após preparo préoperatório, foi realizada incisão longitudinal
na face posterior do membro inferior direito,
dissecção e hemostasia com preservação de
nervo ciático e seus ramos. Após a ressecção
da lesão, que se apresentava encapsulada, a
área foi drenada com Penrose e síntese da
ferida operatória por planos. A lesão apresentava 39,0 x 8,0 x 6,0 cm em seus maiores
diâmetros e o peso foi de 4.750g. (Figura 1)
Paciente evoluiu sem complicações e recebeu
alta no 12º dia do período pós-operatório.
O estudo anatomopatológico do material
ressecado revelou proliferação de lipoblastos
em diferentes estágios de diferenciação, com
acentuadas atipias nucleares e pouca ou
nenhuma mitose. As células neoplásicas
encontravam-se dispostas em meio à matriz
mixóide, e exibiam proeminente rede de
capilares, alternadas por áreas com estroma
hialinizado e com fibrose. (Figura 2) O diagnóstico histológico foi de lipossarcoma mixóide. Paciente evoluiu sem anormalidades,
e, ao seguimento do oitavo mês de pós-operatório, não foram observadas complicações ou
sinais de recidiva local.
DISCUSSÃO
Os tumores lipomatosos são tumores de
partes moles e se classificam em benignos e
malignos. Os malignos são os lipossarcomas
que podem ser classificados em:
a) bem diferenciados (que podem ser esclerosantes, inflamatórios e lipoma-like, que
inclui tumores lipomatosos atípicos);
b) lipossarcoma mixóide;
Lipossarcoma Mixóide de Membro Inferior - Relato de Caso
Figura 1 - Imagem de parte da lesão ressecada do membro
inferior.
Figura 2 - Fotomicrografia do lipossarcoma mixóide demonstrando atipias nucleares e figuras de mitoses.
c) lipossarcoma de células redondas;
d) lipossarcoma pleomórfico e lipossarcoma
desdiferenciado. Podem também ser observadas as formas mistas. O lipossarcoma
apresenta um comportamento que reflete
sua característica microscópica. Os bem
diferenciados apresentam baixo grau de
malignidade e raramente apresentam metástases. É freqüentemente difícil a distinção
entre lipossarcoma bem diferenciado e
lipomas atípicos. Os pouco diferenciados
são, com freqüência, de comportamento
altamente agressivo, podendo apresentar
recorrência e metástases na maioria dos
casos. Por esta razão a determinação do
subtipo histológico e o grau de diferenciação
são importantes. O diagnóstico de lipossarcoma sem qualquer qualificação do tipo
histológico exato é sem significado e não
proporciona informações claras para seu
tratamento5-7. O comportamento clínico dos
lipossarcomas bem diferenciados é
geralmente indolente, com índice de sobrevida livre de doença que alcança 100%
quando estes tumores são tratados com
ressecssão cirúrgica adequada e/ou radioterapia6,8.
Os lipossarcomas se originam de células
mesenquimais primitivas ao invés de células
adiposas maduras e a presença de adipócitos
não é pré-requisito para seu desenvolvimento.
Eles são raros no tecido subcutâneo, submucosa e subserosa do trato intestinal, os dois
locais mais comuns de lipomas. São quase
sempre encontrados em estruturas profundas
e se originam de planos faciais intermusculares. Lipomas e lipomatoses não são
predisponentes a lipossarcomas. As duas
localizações mais comuns são as extremidades, particularmente membros inferiores
e o retroperitôneo6,7,9.
Não há história clínica característica, e
sempre a primeira manifestação da doença é
um crescimento insidioso ou massa profunda
definida que pode atingir grande proporção,
quando então o paciente busca tratamento.
Dor, hipersensibilidade e alterações funcionais
ocorrem em 10% a 15% dos casos, porém
são queixas usualmente tardias associadas a
tumores grandes. Da mesma forma, edema e
perda de peso são característicos do curso da
doença 3. No presente estudo, o paciente
apresentava história de 3 meses, porém sem
alteração das atividades habituais, mesmo
após o tumor atingir grandes proporções.
As variantes morfológicas dos lipomas
benignos podem ser o mixóide focal e com
áreas pleomórficas, possíveis de serem confundidas com sarcomas incipientes. Existem
casos de lipossarcomas subcutâneos bem
circunscritos que podem ter sido originados
de lipomas e outros associados com lipomas
em outras regiões7,10.
A característica dos exames de imagem
depende do tipo histológico e da composição
do tumor. Os tumores radiolucentes bem
diferenciados mostram relativamente pouca
vascularidade ao passo que os tumores
mixóides radiopacos e as formas pleomórficas
são ricamente vascularizados1,810.
Na classificação histológica, o lipossarcoma mixóide é o tipo mais comum,
observado em 45% a 55% de todos os lipossarcomas. É composto de três tipos de tecidos
principais:
a) proliferação de lipoblastos em vários
Revista Brasileira de Cancerologia, 2001, 47(1): 43-47
45
Torres, O. J. M. et al.
estágios de diferenciação;
b) delicado padrão capilar plexiforme;
c) matriz mixóide contendo abundante
glicosaminoglicanos não sulfatados. No
diagnóstico diferencial, o problema mais
importante enfrentado pelo patologista é a
identificação positiva de lipoblastos e sua
distinção de outras células vacuoladas que
comumente ocorrem em uma variedade de
neoplasmas mesenquimais e epiteliais1,2,6,10.
A recorrência é comum nos lipossarcomas
de todos os tipos. Nesses casos a remoção do
tumor é freqüentemente incompleta e o tecido
tumoral é deixado, principalmente como
nódulos satélites. A recorrência se torna aparente dentro de 6 meses após a excisão inicial
e mostra uma estrutura similar àquela do
neoplasma primário. Entretanto a recorrência
pode ocorrer 5, 10 ou mesmo 30 anos após a
excisão inicial, sendo rara nos casos bem
diferenciados1,4,5.
A freqüência de metástases está diretamente relacionada ao grau de diferenciação
histológica. Para os lipossarcomas mixóides
e aqueles bem diferenciados, a incidência de
metástase é mais baixa que aqueles pleomórficos e desdiferenciados. A forma mixóide
produz lesões para a superfície serosa da
pleura, pericárdio e diafragma. Metástase para
linfonodos é rara e sugere doença avançada4,5.
É freqüente a ocorrência de lipossarcoma
multicêntrico, onde o diagnóstico diferencial
de metástase é difícil ou freqüentemente
impossível. Aproximadamente 10% do pacientes com lipossarcomas de membro inferior
desenvolvem uma segunda lesão no retroperitônio, que surge após dois ou mais anos da
remoção da lesão primária. A maioria desses
tumores é do tipo mixóide, e pode desenvolver metástase visceral um ou dois anos após
a lesão do retroperitôneo. O índice de sobrevida em 5 anos varia de 59% a 70%, e em 10
anos, de 45% a 50%. O principal fator que
influencia o índice de sobrevida é o tipo
histológico do tumor, onde os tumores mixóides apresentam resultados mais favoráveis
que aqueles pleomórficos 1,5,9. Uma recente
análise do seguimento a longo termo em mais
de mil pacientes com sarcoma de partes moles
localizados na extremidade demonstrou uma
sobrevida de cinco anos de 76% com uma
média de seguimento de 4 anos. Os fatores
que aumentaram o risco de recorrência local
46
Revista Brasileira de Cancerologia, 2001, 47(1): 43-47
foram à idade superior a 50 anos, doença
recorrente no momento da apresentação,
margem histológica primária positiva e
tumores primários de nervos periféricos. A
histologia dos lipossarcomas foi favorável para
redução de recorrência distante quando comparado com outros tipos histológicos1,6.
A excisão radical do tumor continua sendo
o tratamento de escolha do lipossarcoma profundo. A simples enucleação do tumor deve
ser desestimulada, pois é a principal causa de
recorrência local e de metástase. O local mais
freqüente de recorrência distante, que é consistente com a disseminação hematogênica do
tumor, é o pulmão. Isto tem levado ao uso da
radiografia de tórax como a principal modalidade para estadiamento inicial e vigilância
pós-tratamento para doença recorrente. Entretanto, recentes estudos têm demonstrado que
o lipossarcoma pode metastatizar para locais
extra-pulmonares. O exato limite do tumor
pode não ser determinado macroscopicamente, e linfonodos satélites podem ser esquecidos. Nesta situação, o exame de congelação
obtido no momento da cirurgia assegura
excisão completa. A amputação não apresenta
vantagens sobre a excisão radical, entretanto,
pode ser necessária por razões técnicas, como
o envolvimento de vasos e nervos3,4,8,9. O tratamento realizado no presente caso consistiu
em ressecção radical do lipossarcoma
mixóide.
A radioterapia pós-operatória é um
adjuvante valioso ao tratamento cirúrgico,
especialmente para o tipo mixóide. A radioterapia é capaz de retardar o crescimento
tumoral prevenindo a recorrência local,
evitando também a necessidade de amputação. Entretanto, não deve substituir a
operação radical. Até o momento, os dados
são insuficientes sobre a eficácia da quimioterapia necessitando portanto, de estudos
adicionais3,6.
REFERÊNCIAS
BIBLIOGRÁFICAS
1- Lewis JJ, Brennan MF. Soft tissue sarcomas. Curr
Prob Surg 1996; 33: 826.
2- Spillane AJ, Fisher C, Thomas JM, et al. Myxoid
lipossarcoma – the frequency and the natural
history of non pulmonary soft tissues metastases.
Lipossarcoma Mixóide de Membro Inferior - Relato de Caso
Ann Surg Oncol 1999;6: 389.
3- Blair SL, Lewis JJ, Leung D, et al. Multifocal
extremity sarcoma: an uncommon and controversial entity. Ann Surg Oncol 1998;5: 37.
4- Pearlstone DB, Pisters PWT, Bold RJ, et al.
Patterns of recurrence in extremity lipossarcoma.
Cancer 1999;85:85.
5- Brooks AD, Heslin MJ, Leung DHY, et al.
Superficial extremity soft tissue sarcoma: an
analysis of prognostic factors. Ann Surg Oncol
1998;5: 41.
6- Enzinger FM, Winslow DJ. Lipossarcoma: a
study of 103 cases. Virchows Arch Pathol Anat
1962;335: 367.
7- Pisters PWT, Leung DHY, Wooduff J, et al.
Analysis of prognostic factors in 1,041 patients
with localized soft tissue sarcomas of the
extremities. J Surg Oncol 1996;14: 1679.
8- Kulaylat MN, King B, Karakousis CP. Posterior
compartment resection of the thigh for softtissue sarcomas. J. Surg Oncol 1999;71: 243.
9- Beitler AL, Virgo KS, Johnson FE, et al. Current
follow-up strategies after potentially curative
resection of extremity sarcomas. Cancer
2000;88: 777.
10-Saenz NC, Helin MJ, Adsay V, et al.
Neovascurarity and clinical outcome in highgrade extremity soft tissue sarcomas. Ann Surg
Oncol 1998;5:48.
Revista Brasileira de Cancerologia, 2001, 47(1): 43-47
47
Download

Lipossarcoma Mixóide de Membro Inferior