DIREITO PROCESSUAL
PENAL I
PRINCIPIOS QUE REGEM
O PROCESSO PENAL
VERDADE REAL
• A função punitiva do Estado, só pode fazerse em face daquele que, realmente, tenha
cometido uma infração; deve-se buscar a
averiguação e descobrimento da verdade
real, da verdade material, como fundamento
da sentença.
IMPARCIALIDADE DO JUIZ
• O Juiz situa-se na relação processual entre
as partes e acima delas
• Não se pode admitir Juiz parcial. Se o
Estado chamou a si a tarefa de dar a cada
um o que e seu, essa missão não seria
cumprida sem imparcialidade e exige antes
de tudo independência
JUIZ NATURAL
• Juiz natural ou constitucional é aquele cuja
competência resulta, no momento do fato
das normas abstratas.
• Consagra o direito de ser processado pelo
magistrado competente (art. 5º, LIII da CF) e
a vedação à criação de juízos ou tribunais de
exceção (art. 5°, XXXVII)
PROMOTOR NATURAL
• Veda a designação arbitrária, pela Chefia da
Instituição, de promotor para patrocinar caso
específico.
• O STF, em julgamento que teve como Relatora a
Ministra Ellen Gracie, contrariando julgamentos
anteriores do próprio Pretório Excelso, entendeu
pela inexistência do princípio do promotor
natural, sob o argumento de que tal princípio é
incompatível com o da indivisibilidade do
Ministério Público.
IGUALDADE DAS PARTES
• No processo, as partes, embora fiquem em
pólos opostos, situam-se no mesmo plano,
com direito, ônus, obrigações e faculdades.
• Defesa técnica.
PARIDADE DE ARMAS
• De nada valeria as partes acusadora e
acusada encontrarem-se no mesmo plano,
equidistantes do Juiz, se o Estado não lhes
proporcionasse equilíbrio de forças, dandolhe os mesmos instrumentos para a pugna
judiciária.
LIVRE CONVENCIMENTO
• Esse principio impede que o Juiz possa julgar
com o conhecimento que eventualmente
tenha extra-autos. O que não estiver dentro
do processo é como não existisse.
PUBLICIDADE
• A publicidade dos atos processuais é a regra.
• O sigilo é admissível quando a defesa da
intimidade ou o interesse social o exigirem,
sem prejuízo do interesse público à informação
(art. 5°, LX e art. 93, IX da CF) ou se a
publicidade do ato puder ocorrer escândalo,
inconveniente grave ou perigo de perturbação
da ordem (§ 1°, art. 792 do CPP).
OBRIGATORIEDADE
• Por ser praticamente indispensável que os
delitos não fiquem impunes, no momento
em que ocorre a infração penal é necessário
que o Estado promova o jus puniendi, sem
que se conceda aos órgãos encarregados da
persecução penal poderes discricionários
para
apreciar
a
conveniência
ou
oportunidade de apresentar sua pretensão
punitiva ao Estado-Juiz.
OBRIGATORIEDADE
• Por este principio a Autoridade Policial esta
obrigada a instaurar inquérito policial e o órgão do
Ministério Publico a promover a ação penal
quando da ocorrência de pratica de crime que se
apure mediante ação penal publica.
• Nos crimes de ação privada, o que vigora é o
princípio da oportunidade, pois cabe à vítima ou a
seu representante legal, entre dar início à
persecução penal ou não.
OFICIALIDADE
• Os órgãos incumbidos da persecução
criminal são órgãos oficiais por excelência,
tendo a Constituição Federal consagrado a
titularidade da ação penal pública ao
Ministério Público (art. 129, I), e disciplinado
a polícia judiciária no §4°, do seu art. 144,
OFICIALIDADE
• A atuação oficial na persecução criminal,
como regra, ocorre sem necessidade de
autorização. Excepcionalmente, o início da
persecução penal pressupõe autorização do
legítimo interessado, como se dá na ação
penal pública condicionada à representação
da vítima ou à requisição do Ministro da
Justiça.
AUTORITARIEDADE
• Consagra que os órgãos incumbidos da
persecução penal estatal são autoridades
públicas.
CONTRADITORIO
• A Constituição de 1988 é bem clara: “aos
litigantes, em processo judicial ou administrativo,
e aos acusados em geral são assegurados o
contraditório e ampla defesa, com os meios e
recursos a ela inerentes” (art. 5. LV, da CF);
• Impõe que às partes deva ser dada a
possibilidade de influir no convencimento do
magistrado, oportunizando-se a participação e
manifestação sobre os atos que constituem a
evolução processual.
AMPLA DEFESA
• Deve ser assegurada a ampla possibilidade
de defesa, lançando-se mão dos meios e
recursos disponíveis e a ela inerentes (art.
5°, LV, CF).
INICIATIVA DAS PARTES
• Cabe a parte provocar a prestação
jurisdicional.
• Não ha Juiz sem autor.
• O Juiz não pode proceder, não pode dar
inicio ao processo, sem a provocação da
parte.
INADMISSIBILIDADE DAS PROVAS
OBTIDAS POR MEIOS ILICITOS
• São
inadmissíveis,
devendo
ser
desentranhadas do processo, as provas
ilícitas, assim entendidas as obtidas em
violação as normas constitucionais ou legais.
PRINCIPIO DO ESTADO DE INOCENCIA
• Ninguém será considerado culpado ate o transito
em julgado da sentença penal condenatória (Art.
5. LVII, da CF). Tem sido encarado como princípio
da não culpabilidade.
• Nenhuma pena pode ser imposta ao réu
antecipadamente, mas a prisão antecipada se
justifica como providência exclusivamente
cautelar, vale dizer, para impedir que a instrução
criminal seja perturbada ou, então, para
assegurar a efetivação da pena.
PRINCIPIO DO ESTADO DE INOCENCIA
• Ninguém será considerado culpado ate o transito
em julgado da sentença penal condenatória (Art.
5. LVII, da CF). Tem sido encarado como princípio
da não culpabilidade.
• Nenhuma pena pode ser imposta ao réu
antecipadamente, mas a prisão antecipada se
justifica como providência exclusivamente
cautelar, vale dizer, para impedir que a instrução
criminal seja perturbada ou, então, para assegurar
a efetivação da pena.
PRINCIPIO DO ESTADO DE INOCENCIA
• Ninguém será considerado culpado ate o transito
em julgado da sentença penal condenatória (Art.
5. LVII, da CF). Tem sido encarado como princípio
da não culpabilidade.
• Nenhuma pena pode ser imposta ao réu
antecipadamente, mas a prisão antecipada se
justifica como providência exclusivamente
cautelar, vale dizer, para impedir que a instrução
criminal seja perturbada ou, então, para
assegurar a efetivação da pena.
DUPLO GRAU DE JURISDICÃO
• Possibilidade de revisão, por via de recurso,
das causas já julgadas pelo juiz de primeiro
grau.
DEVIDO PROCESSO LEGAL
• Consiste em assegurar a pessoa o direito de
não ser privada de sua liberdade e de seus
bens, sem a garantia de um processo
desenvolvido na forma que estabelece a lei
(due process of law – CF, art. 5. LIV)
INDISPONIBILIDADE DO PROCESSO
• Vigora inclusive na fase do Inquérito Policial
que uma vez instaurado não pode ser
parado indefinidamente ou arquivado.
• Proíbe o Ministério Publico de desistir da
ação penal já instaurada ou do recurso
interposto.
MOTIVAÇÃO DAS DECISÕES
• Decorre do art. 93, IX da Carta Magna,
asseverando que o juiz é livre para decidir,
desde que o faça de forma motivada, sob pena
de nulidade insanável.
• Trata-se de autêntica garantia fundamental,
decorrendo da fundamentação da decisão
judicial o alicerce necessário para a segurança
jurídica do caso submetido ao judiciário.
ECONOMIA PROCESSUAL
• Deve-se buscar a maior efetividade, com a
produção da menor quantidade de atos
possíveis.
ORALIDADE
•
Desse princípio decorrem três outros:
a) Imediatidade: o ideal é que a instrução probatória
seja patrocinada perante o magistrado;
b) Concentração: é o desejo de que os atos de
instrução centrem-se em uma só audiência, ou na
menor quantidade das mesma;
c) Identidade física do juiz: por ele, o magistrado que
conduziu a instrução deve obrigatoriamente julgar a
causa, salvo hipóteses excepcionais expressamente
contempladas.
DURAÇÃO RAZOÁVEL DO PROCESSO
PENAL
• A Emenda à Constituição de n.° 45, de 30 de
dezembro de 2004, dispôs que “a todos, no
âmbito judicial e administrativo, são
assegurados a razoável duração do processo
e os meios que garantam a celeridade de
sua tramitação” (art. 5°, LXXVIII, CF/1988). O
direito à celeridade pertence tanto à vítima
como ao réu.
FAVOR REI
• A duvida sempre beneficia o acusado. Se
houver duas interpretações, deve-se optar
pela mais benéfica; na duvida, absolve-se o
réu, por insuficiência de provas.
REFERÊNCIAS
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
ANTUNES, Paulo Bessa. Direito Ambiental. 2ed. Amplamente Reformulado. 14ª ed., Rio de Janeiro: Atlas, 2012.
Amaral, Diogo Freitas, Ciência Política, vol I ,Coimbra,1990
AQUINO, Rubim Santos Leão de . et al. História das Sociedades Americanas. 7 ed. Rio de Janeiro: Record, 2000.
ARANHA, Maria Lúcia. Filosofando: Introdução á Filosofia. São Paulo: Moderna, 1993.
ARRUDA, José Jobson de A. e PILETTI, Nelson. Toda a História. 4 ed. São Paulo: Ática, 1996.
ASCENSÃO, José de Oliveira. Breves Observações ao Projeto de Substitutivo da Lei de Direitos Autorais. Direito da
Internet e da Sociedade da Informação. Rio de Janeiro: Ed. Forense, 2002.
BRANCO JR., Sérgio Vieira. Direitos Autorais na Internet e o Uso de Obras Alheias. Ed. Lúmen Júris, 2007.
BUZZI, Arcângelo. Introdução ao Pensar. Petrópolis; ed. Vozes, 1997.
CAPEZ, Fernando. Curso de Direito Penal. V. 2, Parte Especial. 10. Ed. São Paulo: Saraiva, 2010.
CERQUEIRA, João da Gama. “Tratado da Propriedade Industrial”, vol. II, parte II. Revista Forense: Rio de Janeiro,
1952.
CHAUÍ, Marilena. Convite á Filosofia. São Paulo,10ª. Ed.,Ática,1998.
COTRIM, Gilberto. História Global: Brasil e Geral. 6 ed. São Paulo: Saraiva, 2002.
CRETELLA JÚNIOR, José. Curso de Direito Administrativo. Rio de Janeiro: Forense, 2003.
DEON SETTE, MARLI T. Direito ambiental. Coordenadores: Marcelo Magalhães Peixoto e Sérgio Augusto Zampol
DINIZ, Maria Helena. Curso de direito civil brasileiro: teoria das obrigações contratuais e extracontratuais. 3. ed. São
Paulo: Saraiva, 1998, v. 3.
DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo. São Paulo: Atlas, 2005.
COELHO, Fábio Ulhoa. Curso de direito comercial. 6. ed. São Paulo: Saraiva, 2002, v. 1, 2 e 3.
REFERÊNCIAS
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
FERRAZ JUNIOR, Tercio Sampaio. Introdução ao Estudo do Direito: técnica, decisão, dominação. 6.ed. São Paulo:
Atlas, 2008.
FIORILLO, Celso Antonio Pacheco. Curso de Direito Ambiental Brasileiro. 13ª ed., rev., atual. E compl. – São Paulo
:Saraiva, 2012.
FRAGOSO, Heleno Cláudio. Lições de direito penal: especial. 11. ed. atual. por Fernando Fragoso. Rio de Janeiro :
Forense, 2005.
GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito Civil Brasileiro, vol I: Parte Geral. São Paulo: Saraiva, 2007
GAGLIANO, Plablo Stolze & PAMPLONA FILHO, Rodolfo. Novo curso de direito civil, v. 1 - 5 ed. São Paulo: Saraiva.
2004.
GRINOVER, Ada Pellegrini et al. Código Brasileiro de Defesa do Consumidor comentado pelos autores do
anteprojeto. 8. ed. rev., ampl. e atual. Rio de Janeiro: FU, 2004.
JESUS, Damásio E. de. Direito Penal – V. 2 – Parte Especial dos Crimes Contra a Pessoa a dos Crimes Contra o
Patrimônio. 30 ed. São Paulo: Saraiva, 2010.
LAKATOS, Eva Maria. Introdução à Sociologia. São Paulo: Atlas, 1997
LAKATOS, E. M. & MARCONI, M. A. Sociologia Geral. São Paulo: Atlas, 1999
MARQUES, Claudia Lima. Contratos no Código de Defesa do Consumidor: o novo regime das relações contratuais.4.
ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: RT, 2004.
MARTINS FILHO, Ives Gandra da Silva. Manual de direito e processo do trabalho. 18.ed. São Paulo: Saraiva, 2009.
MARTINS, Sérgio Pinto.Direito do Trabalho. 25.ed. São Paulo: Atlas, 2009.
MARTINS, Carlos Benedito. O que é Sociologia. Rio de Janeiro: Zahar, 1988
MEDAUAR, Odete. Direito Administrativo Moderno. São Paulo: RT, 2001.
MEIRELLES, Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro. São Paulo: Malheiros, 1996.
MIRABETE, Julio Fabbrini. Processo penal. 18. ed. – São Paulo: Editora Atlas, 2006.
REFERÊNCIAS
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
MORAES, de Alexandre. Direito Constitucional. São Paulo: Atlas, 2004.
PEIXINHO, Manoel Messias. Os princípios da Constituição de 1988. Rio de Janeiro: Lúmen Júris, 2001.
Piçarra, Nuno, A separação dos poderes como doutrina e princípio constitucional: um contributo para o estudo das
suas origens e evolução, Coimbra, Coimbra Editora, 1989
NUCCI, Guilherme de Souza. Manual de processo penal e execução penal. 3. ed. – São Paulo: Editora Revista dos
Tribunais, 2007.
PEREIRA, Caio Mario da Silva. Instituições de direito civil, v.1. Rio de Janeiro: Forense. 2004.
POLETTI, Ronaldo. Introdução ao Direito. 4. ed., São Paulo: Saraiva, 2010..
PRADO, Luiz Regis. Curso de direito penal brasileiro. 11. ed. São Paulo : RT, 2007, v. 2.
REALE, Miguel. Lições Preliminares de Direito. 27.ed São Paulo: Saraiva, 2006.
REQUIÃO, Rubens. Curso de direito comercial. 8. ed. São Paulo: Saraiva, 1977, v. 1 e 2.
RUSSOMANO, Mozart Victor. Comentários à Consolidação das Leis do Trabalho. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense,
2005.
SELL, Carlos Eduardo. Sociologia Clássica . Itajai: EdUnivali, 2002
VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito Civil (Parte Geral), v.1 – 3 ed. São Paulo: Atlas. 2003.
ATENÇÃO
Parte deste material foi coletado na internet e não foi possível identificar a autoria.
Este material se destina para fins de estudo e não se encontra completamente
atualizado.
FIM
• _________________Obrigado pela atenção!!
•
Acimarney C. S. Freitas – Advogado – OAB-BA Nº 30.553
•
Professor de Direito do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Bahia – IFBA – campus de Vitória da
Conquista
•
Diretor do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Bahia – IFBA – campus de Brumado.
•
Bacharel em Teologia
•
Especialista em Direito Educacional - FTC
•
Especialista em Educação Profissional e de Jovens e Adultos - IFBA
•
Mestrando em Filosofia - UFSC
Email: acimarney@gmail.com
Facebook: Ney Maximus
Download

PRINCÍPIOS QUE REGEM O PROCESSO PENAL