9912202976-DR/BA
Remetente: CROBA - Rua Basílio da Gama, nº 3
Canela - CEP 40.110-040 - Salvador/BA
ISSN 2237-776X
ANO 1 - N 4 - Jan/Fev/Mar 2012
O CROBA
REALIZA AÇŌES CONTRA
O EXERCÍCIO ILEGAL DA
ODONTOLOGIA
SUMÁRIO
Palavra do presidente ............................................................................. 3
Ponto de vista .......................................................................................... 3
CROBA Notícias ...................................................................................... 4
Saúde Suplementar ................................................................................. 5
Censuras Públicas ................................................................................... 6
CROBA Entrevista .................................................................................... 7
Destaque .................................................................................................. 8 e 9
Saúde e Vida .......................................................................................... 10 e 11
Destaques do Interior .............................................................................. 11
História .....................................................................................................
12
Odontologia Hospitalar ........................................................................... 13
Ética e responsabilidade ........................................................................ 14
CROBA Informa ....................................................................................... 14
Fala, leitor! ............................................................................................... 14
Novos inscritos ....................................................................................... 15
EXPEDIENTE
REVISTA TRIMESTRAL DO CONSELHO
REGIONAL DE ODONTOLOGIA DA BAHIA
ANO 1, Nº 4, JAN/FEV/MAR 2012
ISSN 2237-776X
CONSELHEIROS EFETIVOS
Conselheiro Presidente:
Francisco Xavier Paranhos Coêlho Simões
Conselheiro Secretário:
Antonio Fernando Pereira Falcão
Conselheira Tesoureira:
Sandra Maria Ferraz Mello
Presidente da Comissão de Ética e Presidente
da Comissão de Tomada de Contas:
Ricardo Araujo da Silva
Conselheiro:
Fabiano Pires Neves
CONSELHEIROS SUPLENTES
Antonio Raimundo Rezende Campos
Carlos Antonio Dourado Campos
Danilo Chequer Freire de Souza
Marcel Lautenschlager Arriaga
Marcelo de Azevedo Rios
Assessor da Presidência:
Mário Dourado Queiroz
Assessora da Tesouraria:
Elisângela de Jesus Campos
Procuradora Jurídica:
Magna Dourado Rocha
COMISSÃO DE ÉTICA
Presidente: Ricardo Araújo da Silva
Membros: Antonio Fernando Pereira Falcão,
Antonio Raimundo Rezende Campos
1ª CÂMARA DE ÉTICA
Presidente: Ricardo Araújo da SIlva
Membros: Gabriela Botelho Martins,
Marcela Wiering Pinto
2ª CÂMARA DE ÉTICA
Presidente: Antonio Fernando Pereira Falcão
Membros: Humberto Rezende Campos,
Liliane Elze Falcão Lins Kusterer
3ª CÂMARA DE ÉTICA
Presidente: Antonio Raimundo Rezende
Campos
Membros: Ana Paula Flores Dantas,
Deyla Duarte Carneiro Vilela
COMISSÃO DE ODONTOLOGIA
HOSPITALAR
Presidente: Norma Lucia Luz Sampaio
Membros:Nilton Roberto Ferreira da Silva
Sandra Maria Ferraz Mello
COMISSÃO DE FISCALIZAÇÃO
Presidente: Antonio Raimundo Rezende Campos
Membro: Marcel Lautenchlager Arriaga
COMISSÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS
DE SAÚDE
Presidente: Marcel Lautenschlager Arriaga
Membros: Ivea Carolina Santiago Sant’Ana,
Janaína Barros Pombo, Marcelo Torres Peixoto,
Mouna Cristinne Rodrigues Farias, Patrícia Suguri
Cristino, Rosa Esther de Almeida Souza Magalhães
COMISSÃO DE RELAÇÕES
INSTITUCIONAIS
Presidente: Antonio Fernando Pereira Falcão
Membros: Ana Isabel Fonseca Scavuzzi,
Antístenes Albernaz Alves Neto, Arlei Cerqueira,
Cátia Maria Guanaes Silva, Clovis Ribeiro Sobrinho,
Davi Odilon Ferraz Flores da Silva, Eneida Barros
Santos de Araújo, Luciano Fernandes de Almeida,
Luis Cardoso Rasquin, Mara Isabel Pereira Vianna
Mariângela Silva de Matos, Ruth Freitas da Silveira
Villas Boas, Susana Paim dos Santos, Teresinha Costa
de Santana, Urbino da Rocha Tunes,Vagner Mendes,
Viviane Almeida Sarmento
COMISSÃO DE VALORIZAÇÃO DE
ESPECIALIDADES
Presidente: Antonio Fernando Pereira Falcão
Membros: Ana Carla Ferreira Carneiro Rios,
Ceres Mendonça Fontes Elisabeth Maria Costa
de Carvalho, Jean Nunes dos Santos, João Pedro
Pedrosa Cruz, Luciana Maria Pedreira Ramalho,
Luciano Castellucci Barbosa, Marcelo Torres
Peixoto, Mauricio Andrade Barreto, Mauricio
dos Santos Lago, Onaldo Aguiar, Ruth Freitas da
Silveira Villas Boas
Tania Lapa Galvão, Tereza Maria de Moraes
Sarmento,Viviane Almeida Sarmento
COMISSÃO DE ENSINO, ESPECIALIDADES
E PÓS-GRADUAÇÃO
Presidente: Marcelo de Azevedo Rios
Membros: Adriano Monteiro D`Almeida Monteiro
Alexandre Mascarenhas Villela, Marcelo
Filadelfo Silva, Marcos André Matos de Oliveira,
Sandro Bittencourt Sousa, Sergio Wendell Silva
Souza
COMISSÃO DE EVENTOS
CIENTÍFICOS E SOCIAIS
Presidente: Sandra Maria Ferraz Mello
Membros: Carla Figueiredo Brandão, Jane Luzia
Freire Matos, Maria de Fátima Guimarães Varela
Nilton Roberto Ferreira da Silva, Norma Lucia
Luz Sampaio, Patricia Panizzi Gimenes Sakima
COMISSÃO DE LICITAÇÃO
Presidente: Sandra Maria Ferraz Mello
Membros: Antonio Fernando Pereira Falcão,
Cíntia da Silva Monteiro Cerdeira, Magna
Dourado Rocha, Leomario Pinto
COMISSÃO DE SAÚDE
SUPLEMENTAR
Presidente: Marcel Lautenschlager Arriaga
Membros: Emerson Teixeira Machado,
Marcelo Nunes Dourado Rocha,
Mário Dourado Queiroz
COMISSÃO DE COORDENAÇÃO DE
DELEGACIAS E REPRESENTAÇÕES
MUNICIPAIS
Presidente: Carlos Antonio Dourado Campos
Membros: Antonio Raimundo Rezende
Campos, Danilo Chequer Freire de Souza,
Lucas Rizério Coutrim
COMISSÃO DE REMIDOS
Presidente: José Carlos Nunes da Silva
Membros: Antonieta Simas Rego, Avilmar Passos
Galvão, Carlos de Souza Barros, Dílson Pereira
Dias, Isaurinha Baptista, Lauro Araripe Pereira
Filho, Olga Maria Maliarenco, Walter Augusto
Nuno da Silva, Walter Brandão Cardoso
COMISSÃO DA MEDALHA DE HONRA
AO MÉRITO ODONTOLÓGICO
ESTADUAL
Presidente: Marcel Lautenschlager Arriaga
Membros: Benedicto Alves de Casto Silva, Lauro
Araripe Pereira, Orlins Santana de Oliveira,
Ricardo Araújo da Silva
COMISSÃO ACADÊMICA
Presidente: Érico Brito dos Santos
Membros: Aline Cruz Sowzer dos Santos,
Indira Oliveira Almeida, Rodrigo de Oliveira
Luna e Almeida
COMISSÃO DE PESSOAL
TÉCNICO-AUXILIAR
Presidente: Antonio Pitta Correa
Membros: Guilherme Medrado Silvany
Leila Maria Coelho Coutinho
Marcio Giampá Ticianeli, Ravel Bastos Carvalho
Wellington de Freitas Santos Júnior
Sede Canela: Rua Basílio da Gama, nº 03, Canela,
Salvador – Bahia CEP: 40110-040
Fone: (71) 3114-2525 / Fax: (71) 3114-2509
Sede Itaigara: Av. Antônio Carlos Magalhães, nº
34, Ed. Servicenter Itaigara, sala 15 – Salvador – BA
Fone: (71) 3353-4544 / Fax: (71) 3351-4532
Horário de funcionamento: 10 às 18 horas
Homepage: www.croba.org.br
E-mail: [email protected]
COORDENAÇÃO GERAL E EDIÇÃO DA
REVISTA CROBA:
Lume Comunicação
www.lumecomunicacao.com.br
Jornalista responsável: Cristina Barude – Mtb 1284
Edição: Emanuele Pereira
Redação e reportagem: Camila Salles
Fotografia:Arquivo do CROBA
Projeto gráfico e editoração eletrônica: Gorila
Comunicação | Site: gori.la
LISTA DOS NOVOS INSCRITOS
CDS INSCRITOS DE 04/01/2012 A 31/03/2012
BA-CD-12167
BA-CD-12168
BA-CD-12169
BA-CD-12170
BA-CD-12171
BA-CD-12172
BA-CD-12173
BA-CD-12174
BA-CD-12175
BA-CD-12176
BA-CD-12177
BA-CD-12178
BA-CD-12179
BA-CD-12180
BA-CD-12181
BA-CD-12182
BA-CD-12183
BA-CD-12184
BA-CD-12185
BA-CD-12186
BA-CD-12187
BA-CD-12188
BA-CD-12189
BA-CD-12190
BA-CD-12191
BA-CD-12192
BA-CD-12193
BA-CD-12194
BA-CD-12195
BA-CD-12196
BA-CD-12197
BA-CD-12198
BA-CD-12199
BA-CD-12200
BA-CD-12201
BA-CD-12202
BA-CD-12203
BA-CD-12204
BA-CD-12205
BA-CD-12206
BA-CD-12207
BA-CD-12208
BA-CD-12209
BA-CD-12210
BA-CD-12211
BA-CD-12212
BA-CD-12213
BA-CD-12214
BA-CD-12215
BA-CD-12216
BA-CD-12217
BA-CD-12218
BA-CD-12219
BA-CD-12220
BA-CD-12221
BA-CD-12222
BA-CD-12223
BA-CD-12224
BA-CD-12225
FILHO
BA-CD-12226
BA-CD-12228
BA-CD-12229
BA-CD-12230
BA-CD-12231
BA-CD-12232
BA-CD-12233
BA-CD-12234
BA-CD-12235
BA-CD-12236
BA-CD-12237
BA-CD-12238
BA-CD-12239
BA-CD-12240
BA-CD-12241
SANTOS
BA-CD-12242
BA-CD-12243
BA-CD-12244
BA-CD-12245
BA-CD-12246
BA-CD-12247
BA-CD-12248
BA-CD-12249
BA-CD-12250
BA-CD-12251
BA-CD-12252
BA-CD-12253
BA-CD-12254
BA-CD-12255
BA-CD-12256
BA-CD-12257
BA-CD-12258
BA-CD-12259
BA-CD-12260
BA-CD-12261
BA-CD-12262
BA-CD-12263
BA-CD-12264
BA-CD-12265
BA-CD-12266
BA-CD-12267
BA-CD-12268
BA-CD-12269
BA-CD-12270
BA-CD-12271
BA-CD-12272
BA-CD-12273
ANDREA TEIXEIRA DOVALLE
ANAVERENA MOTA GOMES
RUTH RIBEIRO DE RISO
MARINA ALBERTASSIVAILANT
ELAINE ALKMIM DE OLIVEIRA BASTOS
MAYANA BONFIM CALASANS
LARISSA MARIA SOUZA DA FONSECA
LANGE MIRELE FIGUEIREDO CARDOSO
CRISTIAN CHARLES SOARES DE OLIVEIRA
MARCELO ANTONIO DE ARAUJO ROSEIRA
ALANA DE CASTRO PEREIRA
WIRGINIA ALMEIDA GOMES
ERICA ANDRADE DA SILVA
PRISCILA FERREIRA DE OLIVEIRA
AVELAR GONCALVES DOS REIS JUNIOR
JOCASTA IVANA GARAFFA
ANILTON JOHN BATISTA FONSECA
DAIZE CEDRAZ CARNEIRO
ELEN CRISTINA DA SILVA AMORIM ARAUJO
THALLYS SIQUEIRA PEREIRA
RAQUEL SODRE QUEIROZ
HENRIQUE LIMA DA COSTAVARGENS
ENOCK NASCIMENTO PIMENTEL
LUCIO FLAVIO DOURADO MAIA
JAMARA BARBOZA DA SILVA
DANIEL FAGUNDES PEREIRA BARROS
EDUARDO FELIPE WELCH DA MOTTA
BRUNO MENESES DA HORA DE MELO
JAMISON OLIVEIRA FONSECA
WENDEL SOUZA MUNIZ
LORENA CAVALCANTE PEIXOTO
NAYANE FIGUEIREDO FONSECA MORENO
LORENA DE ALBUQUERQUE MENDES
JAMILSON OLIVEIRA FONSECA
INGRIDE EMANUELA ANTUNES BASTOS
MAYARA ALVES DE OLIVEIRA
JOAO PAULO MARTINS ARGOLLO GALVAO
KARYN RIBEIRO DE REZENDE
CARINAVAZ DE QUEIROS NEPOMUCENO
MAYARA SILVA PENA
DIOGO OLIVEIRA PIMENTEL
CLEYTONVINICIUS SANTOS DE ANDRADE
DAVID DOURADO FERREIRA CHAVES
LEONARDO SANTANA DO NASCIMENTO
LINO TENORIO DE BRITO FILHO
LAYRA ALVES DE ALMEIDA SANTOS
VANESSA ANDRADE ROMANO DE OLIVEIRA
RAFAELA DE SANTANA OLIVEIRA
CAMILA COSTA DA SILVA
RENATA DA CUNHA BARROS
CAROLINE GUIMARAES PEIXOTO
EMANUELLE SILVA CRUZ SANTANA
TACIOVIEIRA DOS SANTOS
ADRIANO AGUIAR SANTOS
IARA FERREIRA RIZZI
EDIMARIO ALVES DE JESUS NETO
FERNANDA MANUELE DA SILVAVILELLA
MARAUEVENGRES
PAULO ROBERTO PEREIRA DE OLIVEIRA
ANDRESSA ROSSI FERREIRA
ERIKA DA SILVA MAGALHAES ALVES
GABRIEL HERCULANO DE SOUZA OLIVEIRA
GUILHERME RIBEIRO NUNES LOPES
SILVIA DANIELLE BACELAR DE OLIVEIRA
CATHARINA SANTANA DOS REIS SANTOS
FILIPE GOMES DE CARVALHO
FERNANDA LYRIO MENDONCA
CAMILLA MENDES SANTOS
ANA PAULA PORTUGAL CHAGASVALENTE
VINICIUS RIOVERDE MELO MUNIZ
MONICA CRISTINA MATOS DOS SANTOS
RAFAEL FERNANDES DE ALMEIDA NERI
ISRAEL NOGUEIRA OLIVEIRA
ANDRE LUCAS D ALMEIDA LYRIO DOS
DIEGO SILVA DA CONCEICAO
RODRIGO DE OLIVEIRA LUNA E ALMEIDA
ADRIANA CARVALHO GOES DUARTE
DAVI SILVA CARVALHO CURI
DANILA DE BARROS ARAUJO
EDSON MURILO MAGALHAES GOMES
RUANY AMORIM DA SILVA
GUSTAVO QUEIROZ SANTOS
WALFRIDO ALVES
ANA LAURA HORA MENEZES BATISTA
RENATA SIQUEIRA COSTA
MARILENE RODRIGUES
ANGELA SEING MEI CHIU
ANE CRISTINE AMARAL DO SACRAMENTO
VINICIUS OLIVEIRA SILVA
LUCAS DE CASTRO MARRA
DALTON PASSOSVINHAS
LILIAN SARAH DO NASCIMENTO
ISABEL KANG
ANA PAULA AZEVEDO RIBEIRO
CAMILA MONTEIRO CAMPOS
GABRIELA MENDES GONCALVES
JAMILE BRITO RIBEIRO
SOSTHENES SERRAVALLE CAMPOS
MILLENA KEURE FARIAS SANTOS
CAROLINA DOS REIS SOUZA
ANIELE BORGES FERRAZ
CAROLINA DRUMMOND RUAS GASPAR
ANALU BARRETO DE OLIVEIRA
JULIANA DE SOUZA CORDEIRO
POLLYANNA NOVAIS DE OLIVEIRA
ALINE SANT ANA DOS SANTOS GEHLING
BA-CD-12274
BA-CD-12275
BA-CD-12276
BA-CD-12277
CHAGAS
BA-CD-12278
FRANCA
BA-CD-12279
BA-CD-12280
BA-CD-12281
BA-CD-12282
BA-CD-12283
BA-CD-12284
BA-CD-12285
BA-CD-12286
BA-CD-12287
BA-CD-12288
BA-CD-12289
BA-CD-12290
BA-CD-12291
BA-CD-12292
BA-CD-12293
BA-CD-12294
BA-CD-12295
BA-CD-12296
BA-CD-12297
BA-CD-12298
BA-CD-12299
BA-CD-12300
BA-CD-12301
BA-CD-12302
BA-CD-12303
BA-CD-12304
BA-CD-12305
BA-CD-12306
BA-CD-12307
BA-CD-12308
BA-CD-12309
BA-CD-12310
BA-CD-12311
BA-CD-12312
BA-CD-12313
BA-CD-12314
BA-CD-12315
BA-CD-12316
BA-CD-12317
BA-CD-12318
BA-CD-12319
BA-CD-12320
BA-CD-12321
BA-CD-12322
BA-CD-12323
BA-CD-12324
BA-CD-12325
BA-CD-12326
BA-CD-12327
SANTANA
BA-CD-12328
BA-CD-12329
BA-CD-12330
BA-CD-12331
BA-CD-12332
BA-CD-12333
BA-CD-12334
BA-CD-12335
BA-CD-12336
BA-CD-12337
BA-CD-12338
BA-CD-12339
BA-CD-12340
BA-CD-12341
BA-CD-12342
BA-CD-12343
BA-CD-12344
BA-CD-12345
BA-CD-12346
BA-CD-12347
BA-CD-12348
BA-CD-12349
BA-CD-12350
BA-CD-12351
BA-CD-12352
BA-CD-12353
BA-CD-12354
BA-CD-12355
BA-CD-12356
BA-CD-12357
BA-CD-12358
BA-CD-12359
BA-CD-12360
BA-CD-12361
BA-CD-12362
BA-CD-12363
BA-CD-12364
BA-CD-12365
BA-CD-12366
BA-CD-12367
BA-CD-12368
BA-CD-12369
BA-CD-12370
BA-CD-12371
BA-CD-12372
BA-CD-12373
RICHELLY DAHER DE LIMA
JEFFERSON GUILHERME RODRIGUES
MARIANA CEDRAZ DE OLIVEIRA
GABRIELA BORGES MOTTA DE CARVALHO
THAISE RODEIRO CARDOSO DE LACERDA
RENATA REIS DE ALMEIDA
TAIANE DOS ANJOS RABELO
MARCELA RAFAELA BRASIL MAIA
ELIS NUNES GUIMARAES
TALITA MENDONCA DA SILVA
MARIANA BARRETO DE ALMEIDA
DEBORAH PORTELA PINHEIRO
ANDREA BAPTISTAVIEIRA DE MENESES
MATHEUS OLIVEIRA PRADO
PABLO ALEXANDRE QUEIROZ CORDEIRO
BENILVA PORTELA DA SILVA
PAULA RODRIGUES GUIMARAES
BRUNNA DA SILVA SOUZA
LUANA OLIVEIRA DE CARVALHO
FILIPE ANDION CASTRO
MARCELO DE OLIVEIRA MACHADO
MARIANA ACHY DE AFONSECA
DANILO ALOISIO DOS SANTOS SILVA
HUMBERTO FERNANDES FRAGA
ANNE CATHERINE DE MIRANDA FREITAS
FERNANDA PAIVA FERRARI
PAULO ICARO CARRERA BARROS
MARCELA GONCALVES MAGALHAES
NADJA CRISTINA DE OLIVEIRA REIS
EDERLUCIO LACERDA SILVA
YURI SOUZA RODEIRO
GISLENE REGINA BATISTA CARVALHO
IURE SALVADOR AZEVEDO
RAFAEL MARTINEZ CALASANS RODRIGUES
DAVID SOARES BRITO FILHO
THAIZA OLIVEIRA MENDES LOPES
MARCOSVINICIUS MARINHO MACHADO
ALANA DOS SANTOS BRANDAO
MAURICIO GOMES DIAS
DANIELA CRUZ SOARES
JEOVANE BOTELHO GUIMARAES
SAMUEL ANDRADE PINTO
DANIEL MARIANO BORGES
CARLOS ALEXANDRE WISCH
JUCIMAR NUNES DE MELO
CAROLINA RAMIRO MENDONCA
LIVIA GONCALVES SOUZA CORREIA
VINICIUS GAMA CORREIA
RANIERE MARINS MORAIS
ERICA MATOS GONCALVES
TAMIRES ALVES DA SILVA
MICHELE DA SILVA SANTOS
PABLO CAIRES ROCHA
KRISCIA CARINNE DE ANDRADE FONSECA DE
RAFAEL FRANCISCO MATIAS
PAULO HENRIQUE ALVES SILVA
THAMIRES SILVA SOUZA
AGDONIA RODRIGUES DE ALMEIDA
KATIUSKA SILVA FEITOSA WARWICK
MAISA FERNANDA DE ALMEIDA
JOSE DE ARAUJO SOUZA NETO
DAIANE PEREIRA MAIA
FREDERICO LIMA E SILVA
ANA CARLA DE CARVALHO SILVA FREITAS
WILLIANNE ARAUJO OLIVEIRA
CASIMIRO RICARDO DE OLIVEIRA PASSOS
MICHELE LUCIENNE DELAFERTE
OSMARIO HENRIQUES DE SOUZA FILHO
SANDRO MADSEN
TULIO PEREIRA FERREIRA
GUSTAVOVALERIO CORREA
CAMILA GABRIELA COELHO CELESTINO
NAIANNE BELKER SOARES CANUTO
RAQUEL AMORIMVIANA DE MOURA
SAMARA RAMOS DE SOUZA
LEANDRO MARTINS SOARES DE LIMA ALMEIDA
DEBORA GARCIA DUCA
ANNE CARLA LEMOS DAMASIO
LEILA DA SILVA GONZAGA
GEISA FARIAS DOS SANTOS
DANIELAVIDIGAL RODRIGUES
KEK ROSSBERG DO CARMO ROCHA
KARILLY DO CARMO ROCHA
MATEUS MAGALHAES ALMEIDA
TATIANA RIBEIRO ROCHA
ADRIELE RODRIGUES SOUZA
DANILO GOMES BASTOS
RAFAEL DE SOUSA MORAIS MAGALHAES
LARISSA MEDAUAR E MASCARENHAS
LILIA MACHADO JUNQUEIRA BARROS
RODRIGO FERREIRA GUIMARAES
CARMEMVANIA DAL MORO
MAYRA MENEZES SILVEIRA
CARMEMLUZ RODRIGUES DA SILVA
ADRYELLE BONFIM GUIMARAES
LUCAS DE SOUZA FERREIRA
DAMIAO LEONE RODRIGUES DE SOUZA
RAFAEL DE MELO CORDEIRO
INARI CATRIANA DIAS DA SILVA
LUIS FILIPE SIU LON
TPDS INSCRITOS DE 04/01/2012 A 31/03/2012
BA-TPD-774
BA-TPD-775
BA-TPD-776
BA-TPD-777
ANDERSON ARAGAO SILVA
ANDRE LUIZ SCALZER LEAO
LUZIA SILVA PASSOS CARNEIRO SOARES
VANESSA SILVA PALMEIRA
BA-TPD-778
BA-TPD-779
BA-TPD-780
BA-TPD-781
BA-TPD-782
BA-TPD-783
BA-TPD-784
BA-TPD-785
FRANCISCO CANINDE JUNIOR
EVERALDO TEOFILO MOREIRA FILHO
FRANCISCO DE ASSIS NETO
DILMA GALVAO SANTOS
ALANA SANTANA ALMEIDA
GILVANDA DE OLIVEIRA CHAGAS
FRANCIELSA NERI DO NASCIMENTO
FABIO DUARTE MAGALHAES NETO
ASBS INSCRITOS DE 04/01/2012 A 31/03/2012
BA-ASB-5223
BA-ASB-5224
BA-ASB-5225
BA-ASB-5226
BA-ASB-5227
BA-ASB-5228
BA-ASB-5229
BA-ASB-5230
BA-ASB-5231
BA-ASB-5232
BA-ASB-5233
BA-ASB-5234
BA-ASB-5235
BA-ASB-5236
BA-ASB-5237
BA-ASB-5238
BA-ASB-5239
BA-ASB-5240
BA-ASB-5241
BA-ASB-5242
BA-ASB-5243
BA-ASB-5244
BA-ASB-5245
CONCEICAO
BA-ASB-5246
BA-ASB-5247
BA-ASB-5248
BA-ASB-5249
BA-ASB-5250
BA-ASB-5251
BA-ASB-5252
BA-ASB-5253
BA-ASB-5254
BA-ASB-5255
BA-ASB-5256
BA-ASB-5257
BA-ASB-5258
BA-ASB-5259
BA-ASB-5260
BA-ASB-5261
BA-ASB-5262
BA-ASB-5263
BA-ASB-5264
BA-ASB-5265
BA-ASB-5266
BA-ASB-5267
BA-ASB-5268
BA-ASB-5269
BA-ASB-5270
BA-ASB-5271
JUZIANE BARRETO SANTOS
ANA GILZA DOS SANTOS SILVA
ROSANE SANTOS FERREIRA
VANILDA NARDE DOS SANTOS
GRACIENE SANTOS DA SILVA
JOSINEIDE AUGUSTO DA SILVA CERQUEIRA
PAULA REGINA GOMES PENA
ADRIELE CRISTIENE ALVES
REGILENE DOS SANTOS LIMOEIRO
VANIA AGUIAR DE QUEIROZ
JAMILE DOS SANTOS BELO
LETICIA DE AZEVEDO FERREIRA
LAIZ AQUINO MARIANO
JOSELMA DA SILVA
VALDILENE DOS SANTOS NASCIMENTO
VANUSA ALVES DE MACEDO
MARICELIA CARLOS DE SOUSA
EDNA BONFIM DE JESUS
ANA CLAUDIA XAVIER DA SILVA
HELENA RODRIGUES DOS SANTOS SAMPAIO
ANDRAS MICHELLE MARCALVICENTE
AUREANA SANTANA DOS SANTOS
LEIDE CRISTIANE FREITAS DA SILVA
ANITA MARIA SANTOS PINTO
CLAUDIA OLIVEIRA REIS
CLAUDILANDIA SILVA HAINE
ROSANE LUIZA SILVA
VERONICA SANTOS OLIVEIRA
MICHELE FERREIRA SILVA
POLYANA SOARES RANGEL
JOSIANE SOUSA FERREIRA DE LIMA
ROSILANE CARLA DOS SANTOS LIMA
TAMIRES NASCIMENTO LIMA
MAGNOLIA DE SANTANAVALE
VALQUIRIA CONCEICAO DOS SANTOS
IRLANDE SOUZA COTIAS
NEIDE MARIA SANTANA DOS SANTOS
MARIA APARECIDA MORAIS SANTOS
KATIANE LIMA DO CARMO
JOELMA DE SOUZA BRITO
SARA KELLY DE ANDARDE OLIVEIRA
JESSICA MICAELA DOS SANTOS
ARIANE DA CRUZ THEDOLDI
FRANCINEIDE MARIA DOS SANTOS
FERNANDA DA SILVA CERQUEIRA
ELIANE DOS SANTOS FERREIRA
MARIA ANTONIA ABREU DA SILVA
VIVIANE GONCALVES ARAUJO
JESSICA SAMPAIO DA SILVA
TSBS INSCRITOS DE 04/01/2012 A 31/03/2012
BA-TSB-461
BA-TSB-462
BA-TSB-463
BA-TSB-464
BA-TSB-465
BA-TSB-466
BA-TSB-467
BA-TSB-468
BA-TSB-469
BA-TSB-470
BA-TSB-471
BA-TSB-472
BA-TSB-473
BA-TSB-474
BA-TSB-475
BA-TSB-476
BA-TSB-477
BA-TSB-478
BA-TSB-479
BA-TSB-480
BA-TSB-481
BA-TSB-482
BA-TSB-483
BA-TSB-484
BA-TSB-485
BA-TSB-486
BA-TSB-487
BA-TSB-488
BA-TSB-489
BA-TSB-490
BA-TSB-491
BA-TSB-492
BA-TSB-493
BA-TSB-494
BA-TSB-495
BA-TSB-496
BA-TSB-497
BA-TSB-498
BA-TSB-499
BA-TSB-500
BA-TSB-501
BA-TSB-502
BA-TSB-503
BA-TSB-504
BA-TSB-505
BA-TSB-506
MARIA ISABEL SANTOS CONCEICAO
UELIENE MACHADO SANTOS
GISELE MARTINS FARIAS
GEANE ALVES DOS REIS
LARISSA SOUSA SILVA
CRISTIANE DA SILVA SANTOS
SIRLEI SA DE SOUZA NASCIMENTO
GRAZIELA LIMA XAVIER DOS SANTOS
SUZIANE DA SILVA OLIVEIRA
ROSEANE SANTOS E LOPES
IOLANDA PEREIRA DOS SANTOS
ADRIANA CAROLINA SANTANA SILVA
JAQUELINE DO AMOR DIVINO DAMASCENO
ROSANA DA SILVA CONCEICAO
CLAUDENICE SILVA LIMA
FLORANAIDE SANTOS DE MELO ALMEIDA
ADENILZA PERLA PEREIRA
JEANE SANTOS DA SILVA
DANIELA DE OLIVERA BACELAR
CARLA DE JESUS BRITO
RITA DE CASSIA PAULA DOS SANTOS
GESSIANE RAMOS DE SANTANA
LUCIENE BENTO DE JESUS
INAIE SANDI DE SOUZA SANTOS
ELISANGELA DIAS SANTOS MATTOS
MAGALI JAMILE MOLINARI GALVAO
MAIARA CHAGAS ALVES
MARIA DE JESUS
JILCELIA ALMEIDA DA SILVA
ROSSILENE COSTA DA SILVA
ELAINE MIRANDA RODRIGUEZ
CLEONICE ANDRADE SANTOS
ANA CRISTINA CONCEICAO MOREIRA
DJENANE ARAGAO PEREIRA DOS SANTOS
ELIONAI SENA SANTOS
ELLEN CARLA ESPINOLA SANTOS
MONICA DE JESUS MIRANDA
LUCIMARA SOARES DE AGUIAR LAGO
SANDRA REGINA OLIVEIRA DE MORAIS
WILLIAN GONCALVES DA SILVA
ADALBERTO FERREIRA DO NASCIMENTO
ROSELITA PEREIRA SOARES
SIMONE BATISTA DE JESUS
LUCINEIDE SANTOS MENDES
GILDA ALVES ALMEIDA
ANA PAULA CARDOSO DE JESUSVALVERDE
outro, estabeleceram conflitos e novos
desafios.
PALAVRA DO
PRESIDENTE
Caros colegas,
Em sua origem histórica, os Conselhos
Profissionais foram concebidos com a
precípua função de regulamentação e
fiscalização do exercício profissional.
Passadas mais de quatro décadas da
criação dos Conselhos de Odontologia
(Lei 4.324/64), esta nobre missão,
eixo norteador das nossas ações,
tornou-se mais complexa, mediante
as inúmeras mudanças ocorridas
no mundo do trabalho, alavancadas
pelo desenvolvimento econômico e
tecnológico que, se de um lado, deram
origem a verdadeiros avanços, de
Dentro dessa nova modelagem social
à nossa originária missão, somaramse tantas outras ações no contexto da
Valorização Profissional. Somente
atuando de forma consciente e
articulada com diversos segmentos da
sociedade civil organizada é que vamos
obter o êxito pretendido nas diversas
frentes de combate estabelecidas. Nisto
enquadra-se o aviltamento pelos planos
odontológicos, a afronta à autonomia
profissional, a propaganda antiética, a
precarização do trabalho, que, aliados
a outras tantas questões, ferem a
dignidade profissional e atentam contra
o seu devido reconhecimento social.
Pública. Em outra vertente, aborda os
conflitos no relacionamento com os
planos odontológicos, o papel e as ações
vitoriosas desenvolvidas pelo CROBA
desde o primeiro encontro com outros
Conselhos Regionais, ocorrido em 02
de março, em Salvador, até o último
encontro nacional, ocorrido em
Brasília, em 03 de maio passado.
Boa leitura!
Francisco Simões
Neste contexto, esta edição traz
matérias alusivas à fiscalização e ao
trabalho desenvolvido conjuntamente
com a Vigilância Sanitária, Defesa
do Consumidor, Ministério Público
Estadual e Secretaria de Segurança
FRANCISCO SIMÕES
Presidente do CROBA
PONTO DE VISTA
A quem interessa
a comparação
entre Seguro de
Saúde Médico e
Odontológico
Insistem em comparar Seguro de
Saúde Médico com Seguro de Saúde
Odontológico. Se analisarmos bem,
veremos uma diferença grande. Os
tratamentos odontológicos são eletivos
e os médicos nem sempre são. Em razão
do processo degenerativo pelo qual passa
o nosso corpo, estamos todos sujeitos a
um possível internamento para uma
cirurgia de emergência, um acidente e
a possibilidade de ir parar em uma UTI,
onde, a depender da surpresa, se não
tivermos um Seguro Médico, os custos
advindos de uma internação poderão
levar uma família inteira à falência. Os
tratamentos realizados pelos cirurgiõesdentistas, além de serem, em sua maioria,
feitos em tecidos duros, podem ser
programados, eletivos, parcelados, e não
passarão, nem de longe, perto dos custos
imprevisíveis de uma internação em UTI.
A comparação só favorece aos
intermediários dos serviços prestados
pelos cirurgiões-dentistas. Basta ver a
valorização que estas empresas estão
obtendo nas Bolsas de Valores. Também
pudera, nos Planos Odontológicos, se
tiver algum risco, este será sempre daquele
que efetivamente prestou o serviço – ou
seja: o profissional! Em busca dos lucros, a
agressividade dessas Empresas é tamanha
e desmedida. Conseguiram fazer com
que os Planos Odontológicos sejam, hoje,
objeto de desejo dos trabalhadores. Os
Sindicatos colocam entre os principais
itens em suas pautas de reivindicações.
Cabe a todos nós informarmos à
sociedade que não é preciso fazer um
Seguro Odontológico.Com a informação
e os conhecimentos sobre prevenção que
estão ao alcance de todos, provavelmente
esta nova geração dificilmente fará um
tratamento endodôntico. Esta história
da necessidade de se fazer Seguro
Odontológico me lembra aquela outra, a
da rifa do burro morto, onde o ganhador
era único a reclamar e só esse tinha o
dinheiro devolvido.
Por falar em agressividade, lembro outro
dia de ter recebido um telefonema de
uma paciente que, eufórica, dizia que sua
mãe estava sendo assediada por um desses
Planos, onde eles ofereciam aparelho
ortodôntico grátis e que a manutenção
do referido aparelho seria “baratinha”. Eu
perguntei qual era a idade da genitora e
ela me respondeu: 62 anos. Além disto, já
usava um par de próteses total.A paciente
só caiu na real quando eu lhe disse que
sua mãe só usaria o aparelho em outra
encarnação.
Envie um texto para
[email protected]
com a sua sugestão.
A sua opinião a respeito de temas
relacionados à Odontologia poderá ser
publicada nesta coluna.
Mário Dourado
é assessor da
presidência
|3|
CROBA
NOTÍCIAS
Capacitação
Para melhorar a gestão das empresas
de Odontologia, o CROBA e a ABOBA firmaram parceria com o Sebrae
- Serviço Brasileiro de Apoio às Micro
e Pequenas Empresas. O objetivo das
entidades é oferecer a tão necessária
educação continuada para a formação
profissional em gestão, inovação,
planejamento, estratégias empresariais,
tomada de decisão, custos operacionais,
entre outros temas. O projeto será
lançado oficialmente no dia 10/07.
Mutirão do TRF
48 anos da instituição das Autarquias.
Na ocasião, Maurício Trindade,
Deputado Federal pela Bahia, recebeu
uma homenagem pela atenção que
tem dado à Odontologia Nacional.
Tiago Novais recebeu o Diploma
de Menção Honrosa, referente à sua
atuação no município de Camaçari.
Representando o CROBA, estavam
presentes Francisco Simões, Antonio
Rezende, Carlos Dourado, Mário
Dourado e Magna Rocha.
Mauricio Trindade, Ailton Morilhas, Francisco Simões e
Mário Dourado
Reynaldo Fonseca, Magna Dourado, Gilda Seixas e
Francisco Simões
Francisco Simões e Tiago Novais
O presidente do CROBA, Francisco
Simões, e a procuradora jurídica,
Magna Rocha, participaram de reunião
realizada em Brasília no dia 3 de abril, a
convite do Tribunal Regional Federal
da 1ª Região (TRF1). O Tribunal
convocou os Conselhos de Classe dos
estados para tratar de assunto referente
aos processos oriundos das Autarquias.
A ação faz parte de uma medida do
TRF1 para organizar um mutirão
de conciliação, a fim de reduzir os
números de processos que chegam à
Justiça Federal.
48 anos dos CROs
Uma
solenidade
comemorativa
marcou o aniversário dos Conselhos
de Odontologia. O evento, promovido
pelo CFO, aconteceu no dia 14 de abril,
no Rio de Janeiro, em homenagem aos
|4|
XVI CIOBA
Cerca de oito mil participantes estão
sendo esperados no XVI CIOBA
2012 - Congresso Internacional de
Odontologia da Bahia. O evento,
promovido pela ABO-BA, acontece
de 27 a 30 de outubro, em Salvador,
no Centro de Convenções da Bahia.
Com o tema “Responsabilidade
Social: evoluções, desafios e escolhas”,
os presentes terão a oportunidade
de difundir conhecimentos com
especialistas da Odontologia de todo
o mundo. Além da programação
científica, o CIOBA contará com
a Feira Internacional de Produtos
(Expofeira), reunindo as novas
tecnologias do setor. Os interessados
devem se inscrever através do site
www.cioba2012.com.br.
Carteira TSB e ASB
1ª entrega de carteiras de ASBs e TSBs
A solenidade de entrega de carteiras
profissionais, que era realizada apenas
para cirurgiões-dentistas, acontece
também, agora, para os técnicos e
auxiliares em saúde bucal. A primeira
festividade solene aconteceu no dia
16 de abril, na sede do CROBA, foi
presidida por Francisco Simões e
contou com a presença de Antonio
Pitta, presidente da Comissão de
Pessoal Técnico Auxiliar. Esta é mais
uma iniciativa da atual gestão, que
tem como compromisso prestigiar
todos aqueles que compõem o quadro
de profissionais da Odontologia.
com registro no Conselho. O evento
entregou as carteiras profissionais às
ASBs Daiane Andrade Santos, Karina
Ravel dos Santos Melo e à TSB Joeane
Goes Silva Sá.
Academia de
Odontologia
Pesquisar e estudar a história da
Odontologia, fomentando a cultura
e difundindo conhecimentos, são
os principais objetivos da Academia
de Odontologia da Bahia. Com o
propósito de registrar e tornar pública
a história da Academia, a presidenta
do órgão, Cátia Guanaes, planeja o
lançamento de um site institucional.
É necessário que os profissionais
enviem seus dados, no intuito de
enriquecer os registros, para o e-mail
[email protected]
gmal.com. A página estará aberta para
publicação de artigos
e pesquisas da classe
odontológica, após a
devida apreciação.
Cátia Guanaes
SAÚDE SUPLEMENTAR
Paralisação no
atendimento aos
planos de saúde
odontológicos
marca o primeiro
semestre de 2012
“Não existe plano de saúde sem
cirurgião-dentista,
mas
existe
cirurgião-dentista sem o plano de
saúde”. A frase, de autoria de Marcel
Arriaga, presidente da Comissão de
Saúde Suplementar do CROBA, relata
a verdadeira condição de dependência
das operadoras com os profissionais da
Odontologia. Apesar disto, a realidade
mostra que essas empresas dominam o
mercado e que os cirurgiões-dentistas,
em sua maioria, estão reféns de
aviltantes contratos.
No primeiro semestre de 2012,
os profissionais se mobilizaram e
se uniram em prol de contratos
mais justos e tabelas de honorários
adequadas. Na Bahia, os cirurgiõesdentistas paralisaram o atendimento aos
clientes da Rede UNNA/Bradesco/
OdontoPrev e da SulAmérica, nas
segundas-feiras, de 12 de março a 21 de
maio. Foram dois meses de luta, apoiada
pelo CROBA, SOEBA e ABO-BA.
Após uma reunião em Brasília com
CROs e CFO, ficou definido que
as negociações com planos de saúde
odontológicos continuarão através
da CNCC (Comissão Nacional de
Convênios e Credenciamentos).
A Revista CROBA conversou com
Marcel Arriaga, conselheiro que atuou
de maneira exemplar nesta luta contra
os planos. Confira!
A Bahia foi responsável por
desencadear este movimento
a nível nacional. Como isto
ocorreu?
Dentistas de vários estados mostraram
indignação ao mesmo tempo e reuniões
começaram a ser feitas isoladamente.
Nosso mérito foi convocar CROs e
Sindicatos para um debate na Bahia.
Viajamos por vários estados para
tentar unificar as ações. Conseguimos
disseminar o entendimento de que,
para que haja um atendimento digno à
população, o dentista precisa trabalhar
em condições adequadas. Ética
também é proporcionar condições
para que o profissional trabalhe sem
aviltar sua profissão.
CROs e CFO se reuniram com a
Rede UNNA no dia 3 de maio. O
que aconteceu nesta reunião?
Foi uma reunião histórica, com todos os
conselhos estaduais, CFO, ABO nacional,
APCD e representantes da Rede UNNA,
além dos presidentes da OdontoPrev
e Bradesco Saúde. Pela primeira vez as
operadoras sentiram a união da classe em
torno do problema e tenho certeza que
daqui para frente a relação entre CDs e
operadoras vai mudar. A Bahia teve uma
participação essencial nesta reunião.
Decidimos dividir as ações em duas
partes. A primeira compete aos CROs,
fazendo que as operadoras, através de
seu responsável técnico, em cada estado,
cumpra as resoluções do CFO, com
perícias e auditorias descentralizadas, e o
fim das radiografias para comprovação de
tratamento.A segunda ação foi encarregar
à Comissão Nacional de Convênios
e Credenciamentos e à Comissão da
CBHPO, juntamente com CROs e
Sindicatos dos estados, a negociação de
valores, trabalhando na recomposição da
defasagem.
O que é a CBHPO?
Classificação Brasileira Hierarquizada
de Procedimentos Odontológicos,
elaborada pela Comissão Nacional
de Convênios e Credenciamentos
(CNCC), com assessoria da Fundação
Instituto de Pesquisas Econômicas –
FIPE, da USP. Essa ferramenta vai
facilitar a negociação entre operadoras e
CDs, além de facilitar o entendimento
entre a separação de honorários e custos
operacionais.
Quais foram as principais
conquistas obtidas?
Quando começamos o movimento,
ouvimos das empresas e de alguns
colegas mais céticos que não seríamos
recebidos para negociar, nem
atenderiam aos nossos telefonemas.
Com muito prazer recebemos aqui na
Bahia, várias vezes, os representantes
das operadoras, inclusive presidentes.
Também seu sindicato nacional veio
negociar. Para quem nem ia atender
o telefone... acho que a coisa mudou!
Tenho certeza que a maior conquista
foi a união dos dentistas em torno
de um problema, pois nunca houve
uma movimentação nacional dessa
envergadura. O grande entendimento
do CROBA e do SOEBA, cada um
no seu papel, atuando de maneira
conjunta, para o bem da Odontologia.
Espero que os colegas entendam o papel
fundamental do sindicato e atuem no
sentido de seu fortalecimento. Ele é
essencial em nossas reivindicações.
O que determina a nova
deliberação do CFO?
Basicamente o fim da radiografia
final para procedimentos sem
fundamentação e perícia e auditoria
aqui no estado, para que o CD
saiba com quem reclamar e o CRO
saiba quem ouvir em caso de
descumprimento dos preceitos éticos.
Quando essa deliberação
começará a ser cumprida?
Já temos responsáveis técnicos
de operadoras sendo processados
eticamente. Começaremos a dar
publicidade para que os CDs cumpram
a questão do RX final.
Marcel Arriaga
|5|
CENSURAS PÚBLICAS
|6|
CROBA
ENTREVISTA
O relevante papel
dos Conselhos
Profissionais
As profissões que envolvem a preservação
de valores fundamentais, como a vida, a
integridade, a segurança física e social
do cidadão, demandam controle e
regulamentação. O Conselho Regional
de Odontologia da Bahia, instituído em
23 de maio de 1968, completa 44 anos
cumprindo os ditames legais, preservando
os princípios éticos e atualizando-se para
promover a valorização e moralização
da Odontologia. O CROBA Entrevista
desta edição conversou com a
Procuradora Jurídica da Autarquia, a
advogada Magna Dourado Rocha, para
discutir as atribuições do Conselho.
Confira:
Qual a função institucional
dos Conselhos Profissionais?
A missão dos Conselhos Profissionais
nem sempre tem sido esclarecida com
objetividade, sendo incompreendida por
diversos segmentos da própria profissão.
Constituídos como Autarquias Federais,
dispõem do poder disciplinador e
fiscalizador das profissões, buscando a
valorização profissional e a promoção
dos interesses sociais. A atual gestão do
CROBA, através da aplicação das regras
contidas no Código de Ética, aproximouse da classe, conhecendo os seus anseios
e envidando esforços no sentido de
implementar medidas
benéficas ao
profissional e à sociedade em geral.
Em quais aspectos a função
do Conselho se diferencia
do Sindicato e de outras
Associações de Classe?
O Conselho Profissional diferenciase em sua essência por tratar-se de
entidade de Direito Público vinculada
a regramento público instituído, tendo
Magna Rocha
como função precípua o resguardo dos
princípios éticos e a fiscalização das
condições de capacidade para o exercício
profissional. No entanto, o atual Plenário
do CROBA, através da interação mantida
com as demais entidades representativas
da categoria, respeitando os seus limites
de competência, e sempre em busca
da valorização profissional, participa
de debates importantes, a exemplo do
aviltamento praticado pelos planos.
Dentre as atividades
desempenhadas pelo
Conselho, em qual a
interface com a assessoria
jurídica se mostra mais
relevante?
A PROJUR está presente no dia a dia do
Conselho, posto que os atos praticados
pela instituição estão vinculados ao
princípio da legalidade e, portanto,
necessitam de análise jurídica. Ademais,
temos constantemente realizado mutirões
de esclarecimentos voltados para o
cirurgião-dentista, expondo as normas
legais as quais se obriga e as consequências
do seu descumprimento.
Estamos vivenciando um
processo de “judicialização”
nas relações de assistência
à saúde. No aspecto pessoal
da atividade profissional, que
atitudes ou medidas podem
evitar ou minimizar estes
litígios?
É importantíssimo que o cirurgiãodentista compreenda que a sua atuação
deve observar os preceitos técnicos, éticos
e legais vigentes, vez que trata-se de
prestação de serviços com características
especiais. A responsabilidade civil na
Odontologia é uma realidade em
nosso sistema jurídico. Inúmeros são os
processos judiciais contra profissionais
em atuação na área de saúde embasados
em pedidos indenizatórios de caráter
patrimonial e extrapatrimonial. O
cumprimento das normas contidas no
Código de Ética Odontológica, bem
ainda o conhecimento das normas
impostas pelo Código de Defesa do
Consumidor, são essenciais para se evitar
questões judiciais desnecessárias. Neste
sentido, a PROJUR atua esclarecendo
a adoção das regras aplicáveis ao bom
desempenho da Odontologia.
O CROBA tem se destacado
nacionalmente na discussão
contra o abuso perpetrado
pelos planos. Qual a sua
análise deste cenário?
Conforme dissemos, a legislação que
instituiu os Conselhos Regionais de
Odontologia foi editada quando não
se discutia questões como planos de
saúde e propaganda em site de compra
coletiva. A atual realidade fez que com o
CROBA, antenado com as necessidades
da classe, integrasse a luta pela melhoria
da qualidade profissional do cirurgiãodentista, evitando que os planos
odontológicos descumprissem as normas
legais.A memorável atuação da Comissão
de Saúde Suplementar não deixa dúvidas
quanto à necessidade de alteração
da legislação vigente no que tange a
ampliação da competência dos Conselhos
Regionais. A PROJUR acredita que a
mobilização nacional impulsionada pela
Bahia sensibilize o Conselho Federal
e os órgãos legislativos no sentido de
promover, com urgência, mudanças da
Lei 4324/64, diante da importância
dos
Conselhos
Regionais
na
conquista das melhorias profissionais
para o cirurgião-dentista, em todos os
âmbitos.
Fale com a PROJUR
[email protected]
|7|
Fiscalização encontra
DESTAQUE ilegais atuando no
interior da Bahia
Coibir o exercício ilegal na área da
Odontologia e zelar pela ética e
dignidade da profissão é o foco do
CROBA nesta gestão. A Comissão
de Fiscalização, sob a presidência de
Antonio Rezende, tem atuado de
maneira efetiva na capital e interior do
estado. A ação é realizada de maneira
conjunta, em parceria do Conselho
com Ministério Público, Polícia Militar,
Polícia Civil e Vigilância Sanitária.
CROBA intensifica
fiscalização
Por Antonio Rezende, presidente
da Comissão de Fiscalização
Consultório interditado em Gandu
Além das ações de fiscalização,o CROBA
está promovendo uma campanha, com
o objetivo de conscientizar a população
sobre os riscos de um atendimento feito
por um charlatão, através de propagandas
em rádios do interior do estado.
Apenas no mês de abril de 2012, a
Comissão de Fiscalização encontrou
ilegais atuando nos municípios de
Gandu,Teixeira de Freitas, Luis Eduardo
Magalhães e Jaguaquara.
Consultório interditado em Jaguaquara
Em Gandu, um técnico em prótese
dentária e um falso cirurgião-dentista
foram
identificados
exercendo
ilegalmente a profissão. A ação foi
conduzida pela Delegada do CROBA
no município, Noelma Matos Paiva,
após o recebimento de denúncias.
Em Teixeira de Freitas, um charlatão
que atuava há mais de 40 anos foi
identificado. Um protético foi flagrado
atuando como cirurgião-dentista em
Luis Eduardo Magalhães. Materiais e
equipamentos foram encontrados em
um consultório em Jaguaquara.
Todas as ações resultaram na apreensão
dos materiais e equipamentos, interdição
dos locais e registros de queixa na
polícia, onde foram lavrados os boletins
de ocorrência.
|8|
Consultório interditado em Luis Eduardo Magalhães
Faça sua
denúncia,
com total sigilo,
para
[email protected]
Em todas as regiões do Estado
da Bahia, a Fiscalização tem
atuado, através de visitas à
maior quantidade possível dos
profissionais da Odontologia, nos
setores públicos e privados, tendo
como meta o cumprimento
do nosso Código de Ética
Odontológica
e
utilizando
sempre uma abordagem pautada
no respeito, além de buscar, nas
reivindicações e sugestões da
classe, o direcionamento dos
trabalhos. As irregularidades
encontradas, independentemente
de ser uma cidade de grande ou
pequeno porte, não são diferentes.
No âmbito da publicidade,
verificamos, por meio das
atuações realizadas, a ausência
do responsável técnico e do
respectivo CRO; o anúncio
de especialidade sem o devido
registro; a configuração de pessoa
jurídica que possui apenas o
registro da pessoa física; divulgação
de formas de pagamento e a
gratuidade de serviços. Em relação
ao profissional, observamos a falta
de inscrição (CDs com o CRO
de outros estados); caducidade;
auxiliares em saúde bucal sem
inscrição e em desacordo ao
CEO no seu capítulo V.
No que concerne aos ASBs
e TSBs, a fiscalização os tem
encontrado executando atividades
exclusivas do cirurgião-dentista,
inclusive com o consentimento ou
acobertamento do próprio CD, ou até
mesmo realizando atendimentos sem a
presença daquele, o que se caracteriza
por estar em total desacordo com
o quanto disposto na Lei 11.889,
que enumera os procedimentos
que podem ser executados pelos
profissionais acima mencionados.
Ademais, encontra-se TPDs prestando
serviços diretamente à população, o
que também é vetado por lei.
Diante da constatação de que
integrantes de equipes auxiliares estão
cada vez mais realizando atribuições
próprias do cirurgião-dentista, o
CROBA prepara campanha, que
será divulgada na mídia, com o
escopo de orientar os profissionais da
Odontologia e a população quanto à
atribuição e competência da execução
dos procedimentos odontológicos,
bem como de preservar a saúde da
equipe Odontológica e da população,
reduzindo a ocorrência de erros pela
falta de preparo destes auxiliares para
a execução de procedimentos para
os quais não foram tecnicamente
habilitados.
FALSOS DENTISTAS
A Procuradoria Jurídica do Conselho
tem buscado convênios com o
Ministério Público, Polícia Militar,
Polícia Civil e Vigilância Sanitária
dos municípios, com o intuito de
tornar as ações contra os falsos
dentistas eficazes. O charlatanismo é
um problema sério de Saúde Pública,
onde a população, ao ser tratada por
um falso profissional, despreparado,
incompetente e sem a devida formação,
se expõe ao risco de contrair doenças
infectocontagiosas, tais como a AIDS,
hepatites, tuberculose, ou inclusive o
câncer bucal, provocado por próteses
desajustadas e/ou confeccionadas com
artifícios condenados para a retenção e
estabilidade da mesma (a exemplo da
câmara de sucção).
À Vigilância Sanitária cabe autorizar
(via alvará) e fiscalizar quanto às
normas sanitárias dos estabelecimentos
que prestam assistência à Saúde nos
municípios. Sendo a Odontologia
uma profissão regulamentada (Lei
5081), apenas cirurgiões-dentistas,
devidamente inscritos no Conselho do
respectivo Estado, ou a pessoa jurídica
com o CD como Responsável Técnico,
possuem alvará da VISA. Portanto,
cabe à VISA também a interdição e o
arresto de material e equipamento de
uso exclusivo do cirurgião-dentista.
O CROBA, quando recebe denúncia
do exercício ilegal da profissão,
encaminha à fiscalização para
averiguar. Sendo realmente constatado
o ilícito, o Fiscal vai para a Delegacia
de Polícia, registra o fato e solicita
atuação, quando a Polícia vai ao local
e leva o ilegal até a Delegacia, onde
faz um Termo consubstanciado e
o libera. Cabe, a partir disto, a nossa
Procuradoria Jurídica apresentar
notícia crime ao Ministério Público.
Quando temos a possibilidade de,
antecipadamente,
preparar
uma
ação conjunta com VISA, Polícia e
Conselho, temos a chance de, ao dar
flagrante do exercício ilegal, levar o
ilícito até a Delegacia, fazer o termo
consubstanciado, fazer o arresto dos
materiais de uso exclusivo do CD ou
fazer a interdição por intermédio da
VISA.
Para que ações como estas aconteçam,
é importante que todo profissional
que tomar conhecimento do exercício
ilegal o denuncie ao Conselho. A
denúncia pode ser feita, com total
sigilo, através do e-mail [email protected]
croba.org.br.
O CROBA tem orientado a população
de como reconhecer se um profissional
está realmente habilitado para exercer
a Odontologia, exigindo dos CDs o
seu número de registro no CROBA.
De posse do mesmo, a autenticidade
do registro do CD pode ser conferida
através do site do Conselho Federal de
Odontologia.
Antonio Rezende,
presidente da Comissão de
Fiscalização
EXERCÍCIO
ILEGAL DA
ODONTOLOGIA
O
exercício
ilegal
da
Odontologia, assim como o da
Medicina e Farmácia, configurase crime no Brasil e está disposto
no artigo 282 do Código Penal.
O artigo mencionado versa que:
Art. 282. Exercer, ainda que a
título gratuito, a profissão de
médico, dentista ou farmacêutico,
sem autorização legal ou
excedendo-lhe os limites:
Pena – detenção, de seis meses a
dois anos.
Parágrafo único. Se o crime é
praticado com o fim de lucro,
aplica-se também multa.
A título de exemplificação,
são hipóteses de configuração
deste crime, na modalidade
sem autorização legal: leigo que
possui noções de Odontologia,
acadêmico de Odontologia
e membro de equipe auxiliar
(TPD, TSB, ASB e APD) que
exerce, de forma ilegal, a profissão
de dentista. O sujeito passivo, por
seu turno, é a coletividade.
Por se tratar de crime de ação
pública incondicionada, caberá
ao representante do Ministério
Público, por ser dele a titularidade,
propor a ação pertinente, que
será julgada em Juizado Especial,
em virtude de o crime em tela
ser considerado crime de menor
potencial ofensivo, nos termos
do artigo 61 da Lei 9099/95,
que assim define os crimes a
que a lei comine pena máxima
não superior a 2 (dois) anos,
cumulada ou não com multa.
|9|
SAÚDE E VIDA
A necessidade
de inserção do
cirurgião-dentista
na equipe de saúde
e segurança do
trabalho
Ricardo Silva é Mestre em
Deontologia e Odontologia Legal e Especialista
em Higiene Ocupacional
Por Ricardo Silva
A Odontologia do Trabalho é uma
especialidade recente, no âmbito da
Odontologia e do reconhecimento
pelo Conselho Federal. Tal contexto
possibilitou o incremento do
cirurgião-dentista nas atividades
desenvolvidas e abrangidas pela
saúde bucal do trabalhador. Apesar da
recente conquista no que concerne
à especialidade, é fato que muitos
profissionais e instituições, nacionais
e internacionais, já abordam a
necessidade do olhar para as questões
epidemiológicas das morbidades que
acometem a cavidade bucal e a relação
com o ambiente de trabalho.
Os riscos químicos, físicos e biológicos,
obrigatórios de serem descritos em
um Programa de Prevenção de Riscos
Ambientais
(PPRA), sinalizados
pela norma regulamentadora 09,
são alguns dos riscos que podem ser
elencados e associados à condição
multifatorial das doenças que atingem
o complexo estomatognático. A baixa
renda, a escolaridade e a frequência
de ingestão de carboidratos são alguns
dos fatores que, associados à condição
e ao ambiente de trabalho, podem
exacerbar o processo da instalação
das doenças nas estruturas dentárias
|10|
e paradentárias. O absenteísmo ao
trabalho por situações referentes às
morbidades que acometem a cavidade
bucal ainda é salientado por muitos
autores e verificado em estudos
epidemiológicos. Tal condição chega,
em média, a 10% das faltas ao trabalho.
A Constituição Federal Brasileira
(1988) traz à tona conceitos e
regulamenta o campo da Saúde do
Trabalhador. A Lei Orgânica da
Saúde (Lei Federal 8080/90), em seu
artigo 6°, parágrafo 3º, regulamenta
os dispositivos constitucionais sobre
a saúde do trabalhador por meio de
ações de vigilância epidemiológica
e sanitária, para garantir a promoção
e proteção da saúde do trabalhador,
recuperação e reabilitação dos
submetidos a riscos e agravos causados
pelo trabalho, em empresas públicas
e privadas. Ora, se é uma garantia
proferida pela Carta Magna, por que
não existem programas de Saúde
Bucal voltados para o trabalhador que
sejam empenhados pelo Governo?
É fato que a Estratégia de Saúde
da Família, menina dos olhos dos
governos, desde Fernando Henrique
Cardoso até a gestão atual, não
atinge os trabalhadores, haja vista o
funcionamento desse Programa ser
em horário comercial –momento
que o trabalhador encontra-se em seu
ambiente de trabalho, não funcionando
aos finais de semana, nem a noite. Se
existem políticas públicas para a saúde
do trabalhador e a saúde bucal do
trabalhador faz parte desta, elas têm de
ser cumpridas.
As Diretrizes da Política Nacional
da Saúde Bucal, implementadas no
País em Janeiro de 2004, norteou
sobremaneira algumas estratégias
dos programas desenvolvidos no
País no que concerne a saúde bucal.
Entretanto, apesar de existir um
dispositivo que alude à saúde bucal do
trabalhador, até o presente momento
não se tem estratégias definidas e
concretas para esses grupos específicos.
O item 6.5.4. dessas Diretrizes traz o
seguinte conteúdo, in verbis:
“Grupo de adultos: os adultos,
em especial os trabalhadores, (eu
grifei) têm dificuldades no acesso às
unidades de saúde nos horários de
trabalho convencionais destes serviços.
Estas situações conduzem a um
agravamento dos problemas existentes,
transformando-os em urgência e
motivo de falta ao trabalho, além
das consequentes perdas dentárias.
Sugere-se disponibilizar horários
de atendimento compatíveis às
necessidades de atenção a este grupo.
Integrar a atenção odontológica aos
programas de saúde do trabalhador e
segurança no trabalho, viabilizando a
detecção dos riscos específicos”.
Passados quase dez anos de
implantação dessas diretrizes políticas,
o trabalhador continua rechaçado ao
acesso de promoção da saúde bucal e
recuperação de agravos instalados.
Outro ponto a ser discutido são as
Normas Regulamentadoras do País
que se encontram defasadas, precisando,
urgentemente, sofrer revisão. O
Médico doTrabalho é responsável pelos
exames Pré-admissionais, Periódicos
e demissionais dentro da equipe de
Saúde e Segurança. Fundamental
e importantíssima a presença do
Médico do Trabalho, entretanto, a
competência da cavidade bucal e dos
agravos existentes e relacionados ao
ambiente do trabalho é do cirurgiãodentista ou de um Especialista em
Saúde Bucal do Trabalhador. São vários
os elencos de doenças da cavidade
bucal e sua relação com o ambiente
de trabalho e compete, única e
exclusivamente ao cirurgião-dentista,
dar o parecer técnico referente a
estas situações, verificando o nexo de
causalidade entre estas morbidades e
o ambiente de trabalho, o qual este
ou aquele trabalhador esteja inserido.
É importante a visão do especialista
em Odontologia do Trabalho neste
contexto. Muitas vezes, o empresário
acredita que simplesmente contratar
um serviço odontológico, terceirizado
ou não, garante o tratamento e
recuperação dos agravos à saúde bucal
de seu trabalhador.
A visão do cirurgião-dentista do
trabalho, que é o especialista em
saúde bucal do trabalhador, tem de
ser voltada para a reestruturação
do ambiente de trabalho, com um
olhar para: identificação, avaliação e
vigilância dos fatores ambientais que
possam constituir risco à saúde bucal
no local de trabalhado, em qualquer
das fases do processo de produção;
planejamento e implantação de
campanhas e programas de duração
permanente para educação dos
trabalhadores quanto a acidentes
de trabalho, doenças ocupacionais
e educação em saúde; organizar
estatística de morbidade e mortalidade
com causa bucal e investigar suas
possíveis relações com as atividades
laborativas. Então, percebe-se que
o cirurgião-dentista do trabalho
tem, obrigatoriamente, que sair do
consultório odontológico e conhecer
o ambiente que o trabalhador está
inserido. Além disso, deve este ser
conhecedor das estratégias de Saúde
e Segurança do Trabalho, bem como
comungar das ações da equipe de SST.
Por conseguinte, muitas vezes será
necessária a presença do especialista.
por benefícios de seguro-saúde e
odontológico. Isso se configura em
um risco para a saúde do trabalhador,
pois a visão das seguradoras de saúde
não permite um olhar do trabalhador
no seu ambiente de trabalho. Um
cuidado maior deverá existir para
que a saúde bucal do trabalhador não
fique mais comprometida do que já
está.
Tramita um Projeto de Lei 422 de
2007 que vislumbra a inserção do
cirurgião-dentista na equipe de saúde
e segurança do trabalho. Tal projeto
propõe a mudança dos artigos 162 e
168 da CLT (Consolidação das Leis
Trabalhistas). Porém, as Emendas nºs
1 e 2, de autoria do Deputado Júlio
Delgado, dão nova redação aos art.
1º e 2º do PL nº 422, de 2007, para
modificar, respectivamente, a redação
dos artigos 162 e 168 da CLT, alterados
pelo Projeto. As emendas objetivam
facultar as empresas a substituir os
serviços especializados em segurança,
medicina e odontologia do trabalho
Por fim, saliento que a inserção do
cirurgião-dentista na equipe de
saúde e segurança do trabalho não se
configura em apenas na criação de
mais um polo de trabalho, devido a
crises na Odontologia, muito pelo
contrário. A Odontologia passa
por uma remodelação em âmbito
nacional e urge uma reestruturação
com responsabilidade por parte dos
dirigentes para melhor oferecer um
serviço de saúde com qualidade à
nossa população, cumprindo assim
alguns dos princípios do SUS que são
a universalização e integralidade dos
serviços.
DESTAQUES DO INTERIOR
Delegacia do CROBA
é reinaugurada em
Jequié
Francisco Simões, Deputado Federal Antonio Brito e
Miguel Ferraro
Consciente da importância e necessidade
de descentralização, interiorização e
melhor acessibilidade aos profissionais,
o CROBA reinaugurou, no dia 15
de março, a nova sede da Delegacia
de Jequié. O ato marca o início das
ações de aprimoramento das sedes da
Autarquia, no interior e na capital. O
objetivo do CROBA é proporcionar
a acessibilidade adequada em todos os
locais. O novo prédio, moderno, com
elevador panorâmico e estacionamento,
está localizado na Rua D. Pedro II, nº
226, Centro. A mudança foi necessária
pois a antiga sede do município ficava
no terceiro andar de um prédio antigo,
sem elevador e com escada estreita,
dificultando o acesso de idosos e
portadores de necessidades especiais. Um
projeto já está sendo estudado para a sede
principal do Conselho, localizada em
Salvador, no bairro do Canela.
Irecê
CONFIRA ALGUMAS
FOTOS DE EVENTOS
NO INTERIOR
Juazeiro
Eunápolis
Valença
|11|
HISTÓRIA
Teve e tem efetiva participação nas
Conferências Nacionais de Ética
Odontológica, CONEO, resultando na
publicação e editoração do Código de
Ética Odontológica e, por conseguinte,
na revisão e editoração do Código
de Processo Ético Odontológico.
Igualmente, nas Assembleias Nacionais
de Especialidades Odontológicas, ANEO,
tendo contribuído significativamente para
com o reconhecimento de algumas das
Especialidades Odontológicas existentes
e rechaçado tantas outras, pela total
impropriedade de suas existências. E,
ainda, em muitos dos Fóruns Convocados,
nacional, estadual e regionalmente, como
os de Práticas Integrativas, Fiscalização
do Exercício Profissional, Perícias e
Auditorias, Processos Éticos, Profissionais
Auxiliares, Revisão do Regimento
Interno e da Consolidação das Normas
para Procedimentos nos Conselhos de
Odontologia.
A trajetória do
Conselho Regional
de Odontologia da
Bahia nestes 44 anos
de sua existência
Por Antonio Falcão
O Conselho Regional de Odontologia
da Bahia, CROBA, foi instalado em 23 de
maio de 1968, ou seja, quatro anos depois
da promulgação da Lei Federal nº 4.324/64
e três anos antes da vigência do Decreto
Federal nº 68.704/71 que a regulamentou,
contando hoje com quarenta e quatro anos
de existência e de bons serviços prestados à
Classe Odontológica e à Sociedade.
De lá para cá, foram inúmeras as
participações, conquistas e vitórias
legadas à Classe Odontológica baiana
e brasileira, notadamente nos campos:
político-classista, ético-profissional, ensino
e especialidades, fiscalização do exercício
profissional, campanhas de valorização
profissional, coibição do exercício ilegal
e irregular, regulamentação quanto à
admissão e do plano de cargos e salários
para os seus servidores, atualizações:
dos dados cadastrais, da Consolidação
das Normas para Procedimentos nos
Conselhos de Odontologia, do regimento
interno, dos tipos e formalidades nos
registros e inscrições de EPAO, operadoras
e planos de saúde, cirurgiões-dentistas e
profissionais auxiliares, na construção de
instrumentos de avaliação, de coleta de
dados e na redação de atos normativos.
O CROBA sempre primou pela avocação
dos direitos e prerrogativas dos profissionais
nele inscritos, tendo destacada participação
nas convocações e investidas de interesse
coletivo, refutando, de imediato, o que fosse
de interesse individual. Mas, ainda assim,
embora com certa independência, não
consegue por em prática e implementar
|12|
ações e atividades que visem dotar a classe
profissional que constituímos de prestigio
e melhor conceito social.
Assumiu e vem assumindo posições e
convicções factuais, ouvindo os seus
Membros de Plenário, eleitos conforme
disposto nos citados instrumentos
legais e no Regimento Eleitoral e nas
normas que nos são próprias. Cobrando
incessantemente a reformulação e
oferecendo subsídios para atualização das
Leis 4.324/64, 5.081/66 e do Decreto
68.704/71, pelo o que deles consta, já não
satisfazem aos nossos interesses nem aos
interesses da sociedade.
Tem liderado e alavancado movimentos
que, por suas índoles, expressam e
exprimem o sentimento de convergência
para com os reais interesses, necessidades
e aspirações da Classe e da Sociedade,
editando Resoluções, Decisões ou
Portarias em consonância com a
Procuradoria Jurídica, PROJUR, que
venham suprir as lacunas ou vacâncias
deixadas pelas normas hierarquicamente
maiores, mas que não podemos, nem
poderemos ficar a reboque das mesmas.
E o faz de forma direta e célere, a fim
de poder assegurar bioeticamente os seus
princípios da autonomia, beneficência,
não maleficência, justiça e equidade.
Na atualidade, destaca-se o Movimento
Contrário à Rede UNNA.
Antonio Falcão é doutor em
Radiologia, mestre em Clínicas
Odontológicas – Estomatologia
ODONTOLOGIA HOSPITALAR
sobre as condições sistêmicas dos pacientes.
Alguns hospitais, com grande credibilidade
nacional, estabelecem protocolos onde, a
partir do exame, diagnóstico e tratamento
odontológico são reguladas as cirurgias
cardíacas, transplantes, o início da quimio
e radioterapias, entre outros.
A Odontologia
Hospitalar no
cenário nacional
Por Sandra Mello
Código de Ética Odontológica
no CAPÍTULO IX - DA
ODONTOLOGIA HOSPITALAR
Art. 18. Compete ao cirurgião-dentista
internar e assistir paciente em hospitais
públicos e privados, com e sem caráter
filantrópico, respeitadas as normas técnicoadministrativas das instituições.
Art. 19. As atividades odontológicas
exercidas em hospital obedecerão às
normas do Conselho Federal.
Art.20.Constitui infração ética,mesmo em
ambiente hospitalar, executar intervenção
cirúrgica fora do âmbito da Odontologia.
A Odontologia Hospitalar, já praticada e
reconhecida mundialmente, ganha força
no Brasil com a aprovação recente do
Projeto de Lei nº 2.776/08, aprovado
em 18 de abril de 2012, durante reunião
da Comissão de Seguridade Social e
Família da Câmara dos Deputados, que
estabelece a obrigatoriedade da presença
de profissionais da Odontologia nas
unidades hospitalares e será encaminhado
à Comissão de Constituição e Justiça.
Mas várias são as dúvidas que envolvem
a nova “musa” da Odontologia.
Odontologia Hospitalar, Odontologia
Sistêmica, Medicina Oral...? Especialidade,
Residência, Habilitação ou Capacitação?
Em 1901, surge o conceito de
atendimento odontológico hospitalar,
quando o Comitê de Serviço Dentário da
Associação Dentária Americana criou o 1º
Departamento de Odontologia dentro do
Hospital Geral da Filadélfia.
A pioneira no ensino da Medicina Oral foi
a Universidade de Columbia – EUA, em
1926. A partir de então, em 1933, Lester
Burket lança a 1ª edição do livro “Oral
Medicine: Diagnosis and Treatment” e,
em 1945, foi criada a American Academy
of Oral Medicine (AAOM). No Brasil,
a Odontologia Hospitalar foi legitimada
em 2004, com a criação da Associação
Brasileira de Odontologia Hospitalar
(ABRAOH).
A AAOM considera que os especialistas
em medicina oral devem cuidar de
uma grande variedade de condições da
face e cavidade oral, incluindo doenças
das mucosas orais, condições de dor
orofacial, desordens temporomandibulares,
doenças das glândulas salivares e boca
seca, complicações orais relacionadas
aos tratamentos de câncer e fornecer
cuidados dentários para pacientes com
problemas médicos complexos. Para tanto,
o profissional deverá cumprir um mínimo
de 24 meses em um programa de ensino
avançado credenciado pela Commission
on Dental Accreditation da American
Dental Association (ADA).
No Brasil, o foco principal da maioria
das especialidades odontológicas versa
por uma área particular, subdividida da
Odontologia,enquanto que a Odontologia
Hospitalar propõe, nos mesmos padrões
americanos, a aplicação dos cuidados orais
aos pacientes internados em unidades
hospitalares, incluindo a sua atuação nas
Unidades de Terapia Intensiva, exigindo
aos profissionais conhecimentos ampliados
Nos últimos meses, em todo o país,
a Odontologia Hospitalar tem sido
discutida técnica e legalmente, pela
necessidade de se firmar como obrigatória
a presença do cirurgião-dentista no
quadro clínico dos hospitais, onde a sua
ação perpassa pelos procedimentos mais
simples, como higienização bucal, até
aos cuidados intensivos e prevenção de
manifestações orais indesejáveis, reduzindo
custos e número de óbitos, a despeito
da endocardite bacteriana e pneumonia
associada à ventilação mecânica.
Somando aos esforços nacionais para
melhor definir a área, a Bahia, por meio
do seu Conselho (CROBA), foi um dos
primeiros estados a aderir ao movimento,
com participação nacional, e constituir a
sua Comissão de Odontologia Hospitalar.
A Comissão, além de promover encontros
científicos, com o propósito de elucidar
dúvidas sobre a atuação do cirurgião–
dentista no âmbito hospitalar, atualizar
conhecimentos das doenças crônicas,
degenerativas que necessitam da presença
de um profissional qualificado para o
trabalho em equipe multidisciplinar,
discute as diretrizes para compor a proposta
final que deverá ser encaminhada ao
Conselho Federal de Odontologia, onde
as competências, habilidades, algumas já
previstas no Código de Ética, definirão
a formação cabível ao profissional que
queira ingressar nessa área da Odontologia.
Sandra Mello é mestre em
Clínica Odontológica e
doutoranda em Saúde
|13|
ÉTICA E RESPONSABILIDADE
NOTA EXPLICATIVA:
Com o objetivo de uniformizar as
práticas contábeis, a Secretaria do
Tesouro Nacional publicou as Portarias
406/2011, 828/2011 e 231/2011,
adequando aos padrões internacionais
de Contabilidade do Setor Público e as
regras aos procedimentos de Estatísticas
de Finanças Públicas reconhecidas
por organismos internacionais. Em
virtude desse evento, o sistema contábil
do CROBA passou por profundas
alterações, buscando adaptar-se às
novas modificações previstas na
legislação. Nesse sentido, informamos
que o resultado contábil apurado do
primeiro trimestre de 2012 deixará de
ser publicado nesse momento como de
costume – o que ocorrerá nas próximas
publicações.
FALA,
LEITOR !
Sua opinião é
muito importante
para nós! Envie
dúvidas, críticas e
sugestões para o
e-mail:
[email protected]
“Infelizmente! É com essa palavra que
represento minha ausência nas reuniões, pois
tenho dois filhos e tenho que priorizar algumas
coisas com o salário de autônoma dentista que
ganho. Mas hoje tenho orgulho de parabenizar
a nossa presidência do CROBA. Nossa luta
|14|
CROBA
INFORMA
está forte e a grande maioria dos dentistas de
Salvador abraçou a causa. É isso aí colegas!
Vamos valorizar a nossa profissão, que tem a
mesma importância da medicina e os salários
são tão diferentes! Não há justificativa para
tanto desprezo da nossa linda e fantástica
Odontologia! Vamos amar essa nossa profissão
e valorizá-la! Parabéns, CRO!”.
Michelle Santos Lago, CD, CROBA
Atualização de
dados cadastrais
Atenção,cirurgião-dentista! Mantenha
seus dados cadastrais atualizados.
Preencha o formulário online com
os seus dados pessoais e profissionais,
através do site www.croba.org.br/
atencao-dentistas.
Desta
forma,
você receberá todos os e-mails e
correspondências
do
Conselho,
facilitando a nossa comunicação.
CROBA
QUER SABER MAIS SOBRE A ATUAÇÃO DO CROBA NO ESTADO? ACESSE
O SITE DO CONSELHO E FIQUE SEMPRE BEM INFORMADO.
WWW.CROBA.ORG.BR
TUDO SOBRE OS EVENTOS PROMOVIDOS PELA AUTARQUIA, AÇÕES
DE FISCALIZAÇÃO, COMUNICADOS DE ASSEMBLEIAS, REUNIÕES,
PALESTRAS, NOTÍCIAS RELACIONADAS À ÁREA ODONTOLÓGICA, ALÉM
DA OFERTA DE UMA GAMA DE SERVIÇOS PARA FACILITAR O EXERCÍCIO
PROFISSIONAL. ACESSE E CONFIRA!
Download

O CROBA - CROBA – Conselho Regional de Odontologia da Bahia