Supervisão de Ação Solidária e
Segurança Alimentar
“Os frágeis usam a força; os fortes, a
inteligência.” Augusto Cury
Janete Alves Soares da Rocha
1
Equipe
Janete Alves Soares da Rocha – Pedagoga – Supervisora
Isabela Silva Lima – Tecnóloga em Gestão Ambiental
Juliane de Sousa Machado – Pedagoga – Analista de Desenvolvimento Rural
Maria Madalena F. Résio de Oliveira – Assistente de Desenvolvimento Rural
Neurileide Maria Lima de Oliveira Leão– Assistente de Desenvolvimento Rural
2
Objetivo
Contribuir para o desenvolvimento
tecnológico, econômico, sócio-cultural
e a promoção da cidadania das
famílias rurais e suas organizações.
3
Público
Beneficiário
O público beneficiário são as famílias
de agricultores familiar e suas
organizações,
principalmente
as
mulheres e os jovens.
4
Projetos
Alimentação e Nutrição
Produção de Alimentos no Âmbito Familiar
5
Projetos
Alimentação e Nutrição
Produção de Alimentos no Âmbito Comunitário
6
Projetos
Alimentação e Nutrição
Desenvolvimento de Práticas Educativas
Qualidade dos Alimentos
Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável
7
Projetos
Alimentação e Nutrição
Incentivo à Produção de Alimentos Orgânicos
8
Projetos
Alimentação e Nutrição
Aproveitamento Integral dos Alimentos
9
Projetos
Alimentação e Nutrição
Processamento e ou Conservação de Alimentos
10
Projetos
Alimentação e Nutrição
Acompanhamento de Sistemas de Boas Práticas de Fabricação
11
Projetos
Saúde Familiar
Educação Sanitária
Práticas Educativas em Prevenção de Doenças
12
Projetos
Plantas Medicinais
Levantamento de Uso de
Plantas Medicinais
Implantação de Hortas de
Plantas Medicinais
13
Projetos
Educação Ambiental
Coleta Seletiva de Lixo
Reciclagem de Lixo
14
Projetos
Educação Ambiental
Uso Racional da
Água
Qualidade
Ambiental
15
Projetos
Gestão Social
Difusão de Políticas Públicas Existentes voltadas para a
Agricultura Familiar
Assessoramento a Implementação de Políticas Públicas
16
Projetos
Gestão Social
Resgate e Manutenção das Tradições Populares
17
Projetos
Gestão Social
Assessoramento a Programas de Políticas Sociais
18
Projetos
Gestão Social
Assessoramento a Grupos Formais e Informais
Assessoramento ao Desenvolvimento do Capital Humano
Assessoramento ao Desenvolvimento do Capital Social
19
Projetos
Gestão Social
Orientação a Mulher Rural numa Perspectiva de Gênero
20
Geração de Renda
"É impossível imaginar um país próspero sem que seu povo seja capaz de,
a partir de idéias e sonhos, erguer do zero novas empresas",
diz presidente do Grupo Abril, Roberto Civita
Incentivo a novos (as) Empreendedores (as)
Assessoramento em Comercialização da Produção
Inserção da Mulher e do (a) Jovem Rural na Geração de Renda
21
Cursos ministrados pelas
extensionistas
•
•
•
•
•
•
•
•
Artesanato (Cabaças, Semi-Jóias, Sementes, Bordados em Pedraria, Palha
de Milho, Bananeira, Produtos do Cerrado, Pintura, Customização, Biscuit,
materiais recicláveis, Etc.).
Alimentação Alternativa
Processamento de Carnes (Defumados e embutidos- suínos e aves- paio,
salaminho, apresuntado, lingüiça toscana, calabresa. Frescal, leitoa
desossada e recheada, frangos desossados)
Processamento de Soja Para Alimentação Humana (Bolo, pães, manjar,
salgados, tortas, empada, quibe, hambúrguer, mouses, etc.).
Processamento da Guariroba
Desidratação de Frutas
Produção de Salgados
Produção de Tortas
22
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
Produção de doces
Panificação e Confeitaria
Produção de Quitandas
Congelamento de Alimentos
Processamento de Produtos da Mandioca
Processamento de Pescado (Filetagem, pratos diversos, defumados e
embutidos).
Produção de Conservas. (Conserva de guariroba, pimenta, picles simples de
batata, cebola, cenoura, pepino, pimentão, vagem, couve-flor, beterraba, picles
mistos destas verduras, etc).
Processamento de frutos nativos do cerrado
Produção de Produtos de Higiene e Limpeza
Produção de Licores
Produção de Queijos (Queijos: mussarela, minas, minas frescal, provolone,
ricota, iogurte, doces, bebida Láctea, requeijão cremoso, etc).
23
Lotação das Extensionistas Sociais
Total: 35 extensionistas sociais
24
Lotação das Extensionistas Sociais
Região Estrada de Ferro: 02
Catalão, Pires do Rio
Região Meia Ponte: 14
Regional, Abadia de Goiás, Bela
Vista,
Caldazinha,
Goianira,
Hidrolândia,
Inhumas,
Itauçu,
Nerópolis (2), Nova Veneza (2),
Santa Rosa de Goiás, Trindade.
Região Oeste: 00
Região Planalto: 02
Cidade Ocidental, Luziânia
Região Rio das Antas: 03
Alexânia, Petrolina, Silvânia,
Região Rio dos Bois: 03
Aurilândia, Firminópolis, Guapó
Região Rio Paranaíba: 00
Região Rio Vermelho: 00
Região Serra da Mesa: 01
Campinorte
Região Sudoeste: 00
Região Sul: 02
Morrinhos, Piracanjuba
Região Vale do Araguaia: 00
Região Vale do Paranã: 00
Região Vale do São Patrício: 04
Ceres, Goianésia, Itapuranga,
Rubiataba
CENTRAL: 04
25
Mulher Rural
Segundo dados de 1996 do Instituto Brasileira de Geografia e Estatística (IBGE),
dos 34 milhões de brasileiros que vivem no meio rural, 45% são mulheres. O
Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) indica que elas representam 62% dos
pobres do campo. Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios
(PNAD), de 1998, as mulheres no setor agropecuário representam 81% das
ocupações não-remuneradas do setor.
Para reverter o quadro:
2001 a Portaria nº 121- MDA - 2002 uma cota de 30% destinada
preferencialmente para as mulheres agricultoras rurais nos recursos relativos às
linhas de crédito do Pronaf e para a capacitação, assistência técnica e extensão.
Em 2003 - com o lançamento do maior e mais completo plano agrícola para a
agricultura familiar (Plano Safra), é que foi implantado o Pronaf Mulher.
Outra dificuldade é o acesso à terra, durante o processo de negociação da
Marcha das Margaridas o presidente do Incra, Rolf Hackbart, assinou a Portaria
nº 981, que torna a titulação conjunta da terra obrigatória.
26
Mulher Rural
Outra ação importante foram às alterações nos instrumentos de operação do Pronaf.
Buscamos aperfeiçoar a Declaração de Aptidão para aquisição do crédito (DAP),
instrumento considerado a porta de entrada para quem busca acessar o crédito.
Inclusão das organizações de mulheres no Conselho Nacional de
Desenvolvimento Rural Sustentável (Condraf), e houve uma concretização dessa
participação na composição do novo conselho.
2004 - Programa Nacional de Documentação das Mulheres Rurais, que prevê a
obtenção dos documentos como um passo necessário para a integração das
trabalhadoras às políticas de desenvolvimento e acesso à terra, a construção de
condições para uma maior valorização das mulheres rurais no conjunto da sociedade,
assim como a promoção do reconhecimento do seu papel no meio rural. Documentos
pessoais e profissionais: Carteira de Identidade, CPF, Inscrição no INSS e Carteira de
Trabalho, além do Registro de Pescadora. Esses documentos serão emitidos
gratuitamente para as trabalhadoras rurais.
Programa de Igualdade de Gênero, Raça, e Etnia.
27
“Desejo que você
Não tenha medo da vida, tenha
medo de não vivê-la.
Não há céu sem tempestades,
nem caminhos sem acidentes.
Só é digno do pódio quem usa as
derrotas para alcançá-lo.
Só é digno da sabedoria quem usa
as lágrimas para irrigá-la.
Os frágeis usam a força; os fortes,
a inteligência.
Seja um sonhador, mas una seus
sonhos com disciplina,
Pois sonhos sem disciplina
produzem pessoas frustradas.
Seja um debatedor de idéias. Lute
pelo que você ama.”
Augusto Cury
28
OBRIGADA PELA ATENÇÃO!!!
• Supervisão de Ação Solidária e
Segurança Alimentar
• Telefone: 62 32018743
• Email: janeterocha@emater.go.gov.br
29
Download

ria-e-Segurança-Alimentar