Conteúdo deste documento
• Abrangência e escopo do trabalho
• FASE A – Diagnóstico da Bacia Hidrográfica
• A.1 - Caracterização do Meio Físico Biótico
• A.2 - Caracterização do Meio Socioeconômico-Cultural
• A.3 - Caracterização das Disponibilidades Hídricas
• A.4 - Caracterização das Demandas Hídricas
• FASE B – Prognóstico da Bacia Hidrográfica
Plano de Recursos Hídricos
A água é o recurso mais importante do planeta?
Temos informações e um sistema de gestão adequado à importância deste recurso?
Planejamento! Exigência legal ou requisito técnico?
Planos Municipais (Plano Diretor, Plano de Saneamento, Orçamento)
Que outro recurso público possui mais informações, um sistema eficiente e todos sabemos
planejar?
O objetivo do plano? Desenvolvimento. Compatibilização
da disponibilidade com a demanda hídrica para o
desenvolvimento social e econômico da população.
Estratégia adotada
Conhecimento sobre os recursos hídricos e fatores sócioeconômicos.
Conhecimento sobre os setores usuários de recursos hídricos.
Conhecimento sobre os atores do sistema de gestão de recursos hídricos.
Universidades
• repositório de informações consistentes;
• domínio de metodologias científicamente comprovadas;
• experiência no debate e articulação participativa de políticas públicas;
• formação de recursos humanos;
• transferência de conhecimento;
• espaço aberto à sociedade.
Plano da Bacia Hidrográfica do Entorno do Lago
da UHE Luís Eduardo Magalhães
• Lei Federal Nº 9.433 de 8 de janeiro de 1997 - Política Nacional de Recursos Hídricos.
• Lei Estadual Nº 1.307 de 22 de março de 2002 - Política Estadual de Recursos Hídricos.
Planos Diretores de Recursos Hídricos
Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (SEMARH)
Convênio 05/2014
Fundação de Apoio Científico e Tecnológico do Tocantins (FAPTO)
Comitê das Bacias Hidrográficas do Entorno do Lago
Fundo Estadual de Recursos Hídricos
EQUIPE TÉCNICA
Nome
Função
Felipe de Azevedo Marques
Coordenador Geral – Especialista em Hidrologia e Geoprocessamento
Rui da Silva Andrade
Coordenador Técnico – Especialista em Conservação de Água e Solo
Fernán Enrique Vergara Fiqueroa
Especialista em Gestão de Recursos Hídricos
Paula Benevides de Morais
Especialista em Biodiversidade e Qualidade de Águas
Rogério Castro Ferreira
Especialista em Sócio Economia
Emerson Adriano Guarda
Especialista em Química Ambiental
Marcos André de Oliveira
Especialista em Hidroenergia
José Luiz Cabral da Silva Junior
Especialista em Hidrometeorologia
Ary Henrique
Especialista em Tecnologia da Informação
EQUIPE DE ESTAGIÁRIOS - UFT
Nome
Função
Raphael Medeiros
Hidrologia e geoprocessamento
Lucas Costa
Hidrologia e geoprocessamento
Ana Andreza Araújo
Socioeconomia
Taryane Fernandes
Biodiversidade e qualidade das águas
Caio Augusto Lobo
Gestão de recursos hídricos
Rafael Amaral
Arte e comunicação
Raphael Victor
Arte e comunicação
Nilsom Grimm
Relações públicas e eventos
Thaylon Guedes
Tecnologia da Informação
ESCOPO DO TRABALHO
Fases
Desenvolvimento do Plano Diretor do Lago
Plano de Trabalho
Atividades
Planejamento
Fase A
Diagnóstico
Fase B
Prognóstico
Fase C
Fase D
Compatibilização
Metas e Ações
•Planejamento de
homologação;
•Testes de aceitação
com usuários;
•Relatórios de teste e
homologação.
• Documentação de
passagem a
produção;
• Implantação de
processos e
relatórios;
• Acompanhamento
pós –produção;
•Treinamentos e
capacitações.
Gerência do Projeto
Gestão de Qualidade de Dados
QA Centro de Competência em Recursos Hídricos
Gestão de Informações (Metadados)
•Mobilização da
equipe;
•Cronograma
detalhado;
•Plano de Trabalho;
•Reunião de kick-off;
•Ata reunião de kickoff.
•Meio físico biótico;
•Meio Socioeconômico
Cultural;
•Disponibilidades
hídricas;
•Demandas hídricas;
•Consulta pública;
•Encontro técnico.
• Evolução
demografica e
econômica;
•Evolução
Construção das
rotinas de aplicação;
•Construção das
telas;
•Construção das
rotinas de integração
e tratamento de
dados;
•Carga da base de
dados;
•Testes de aplicação.
Conteúdo deste documento
• Abrangência e escopo do trabalho
• FASE A – Diagnóstico da Bacia Hidrográfica
• A.1 - Caracterização do Meio Físico Biótico
• A.2 - Caracterização do Meio Socioeconômico-Cultural
• A.3 - Caracterização das Disponibilidades Hídricas
• A.4 - Caracterização das Demandas Hídricas
• FASE B – Prognóstico da Bacia Hidrográfica
FASE A- Diagnóstico da Bacia Hidrográfica
Levantamento e a avaliação integrada das restrições e das potencialidades dos
recursos hídricos, associadas às demandas atuais para os diversos usos, incluindo o
conhecimento da dinâmica social, a organização e a condução inicial do processo de
mobilização social.
O objetivo foi inventariar e estudar o meio físico e biótico, socioeconômico-cultural e
os recursos hídricos, superficiais e subterrâneos para a avaliação quantitativa e
qualitativa da disponibilidade hídrica da bacia hidrográfica.
Principais atividades desenvolvidas:
A1 - Diagnóstico do Meio Físico-Biótico;
A2 - Caracterização do Meio Socioeconômico-Cultural;
A3 - Caracterização das Disponibilidades Hídricas;
A4 - Caracterização das Demandas Hídricas;
A5 - Primeira Consulta Pública;
A6 - Encontro Técnico para Discussão do Diagnóstico.
Cartilha de Mobilização Social
Encaminhada a 225 atores sociais
estratégicos nos municípios do
entorno do lago.
E-mail: planodolago@uft.edu.br
Página em rede social:
https://www.facebook.com/planodolago
Entre em contato e participe!
Página Oficial no Facebook
Conteúdo deste documento
• Abrangência e escopo do trabalho
• FASE A – Diagnóstico da Bacia Hidrográfica
• A.1 - Caracterização do Meio Físico Biótico
• A.2 - Caracterização do Meio Socioeconômico-Cultural
• A.3 - Caracterização das Disponibilidades Hídricas
• A.4 - Caracterização das Demandas Hídricas
• FASE B – Prognóstico da Bacia Hidrográfica
Área de drenagem:
18.972,185 km²
Que tal dividi-la em partes menores?
Quando um problema está muito difícil
Convém dividi-lo em partes menores.
A1- Caracterização do Meio Físico-Biótico
Problemas?
Problemas?
Problemas?
Conteúdo deste documento
• Abrangência e escopo do trabalho
• FASE A – Diagnóstico da Bacia Hidrográfica
• A.1 - Caracterização do Meio Físico Biótico
• A.2 - Caracterização do Meio Socioeconômico-Cultural
• A.3 - Caracterização das Disponibilidades Hídricas
• A.4 - Caracterização das Demandas Hídricas
• FASE B – Prognóstico da Bacia Hidrográfica
Conteúdo deste documento
• Abrangência e escopo do trabalho
• FASE A – Diagnóstico da Bacia Hidrográfica
• A.1 - Caracterização do Meio Físico Biótico
• A.2 - Caracterização do Meio Socioeconômico-Cultural
• A.3 - Caracterização das Disponibilidades Hídricas
• A.4 - Caracterização das Demandas Hídricas
• FASE B – Prognóstico da Bacia Hidrográfica
Pluviograma mensal e ano hidrológico
Início do ano hidrológico: Setembro!
Período chuvoso: outubro a abril
Período seco: Maio a Setembro
143 mm
Equação IDF
5 estações com pelo menos 5 anos
Estudo das Vazões no Entorno do Lago
Série histórica:
2003, 2004, 2005
Qmld
Área
qmld
3,003
m³/s
157,083 km²
0,019
m³/s.km²
Hidrograma de Vazões Médias
Média
3,0 m³/s
Vazões médias mensais na estação 22351000 no Ribeirão Taquaruçu Grande.
Espacialização da Vazão Mínima de Referência (m³/s)
Conteúdo deste documento
• Abrangência e escopo do trabalho
• FASE A – Diagnóstico da Bacia Hidrográfica
• A.1 - Caracterização do Meio Físico Biótico
• A.2 - Caracterização do Meio Socioeconômico-Cultural
• A.3 - Caracterização das Disponibilidades Hídricas
• A.4 - Caracterização das Demandas Hídricas
• FASE B – Prognóstico da Bacia Hidrográfica
105 ANA
207 Naturatins
Cálculo das Demandas Hídricas - Outorgas
ID
Sub-bacia
Abastecimento (L/s Dessedentação (L/s) Irrigação (L/s) Indústria (L/s) Mineração (L/s) Piscicultura (L/s) Recreação (L/s) Serviços (L/s) Total (L/s
1 Ribeirão Taquaruçu Gran
728,6
0,7
17,9
2,1
8,3
0,3
6,7
764,6
2 Ribeirão Água Fria
100,6
1,4
2,5
1,4
85,3
1,4
5,7
198,3
3 Rio Crixás
4 Córrego Comprido
0,3
191,8
122,4
41,4
0,6
1,4
103,3
0,6
15,8
7,1
5 Ribeirão Conceição
6 Rio Água Suja
1,4
2,4
7 Rio Areias
8,3
1,3
8 Ribeirão dos Mangues
2,4
3,3
9 Ribeirão do Carmo
10 Ribeirão São João
0,3
0,3
2,8
192,1
0,4
0,4
23,9
51,0
1,7
17,1
28,4
13,8
0,7
0,3
7,4
0,2
15 Rio Formiga
20,7
8,0
4,4
7,2
5,6
2,8
0,2
13 Córrego Santa Luzia
14 Ribeirão Lajeado
178,1
105,3
11 Córrego São João
12 Rio Matança
13,3
0,6
0,3
5,6
3,0
0,6
0,3
0,0
Uso por atividade nas Sub-bacias (%) - Naturatins
ID
Sub-bacia
Abastecimento (L/s)Dessedentação (L/s) Irrigação (L/s) Indústria (L/s) Mineração (L/s) Piscicultura (L/s) Recreação (L/s) Serviços (L/s) Total (L/s)
1 Ribeirão Taquaruçu Gran
95,3
0,1
2,3
0,3
0,0
1,1
0,0
0,9
100,0
2 Ribeirão Água Fria
50,7
0,7
1,3
0,7
0,0
43,0
0,7
2,9
100,0
3 Rio Crixás
0,2
0,0
99,8
0,0
0,0
0,0
0,0
0,0
100,0
4 Córrego Comprido
68,7
0,0
23,2
0,3
0,0
0,0
0,2
7,5
100,0
5 Ribeirão Conceição
0,0
1,3
98,1
0,5
0,0
0,0
0,0
0,0
100,0
6 Rio Água Suja
2,7
4,7
31,0
13,9
0,8
46,9
0,0
0,0
100,0
7 Rio Areias
29,2
4,6
0,0
0,0
6,0
60,2
0,0
0,0
100,0
8 Ribeirão dos Mangues
11,6
15,9
1,4
66,7
3,4
0,0
0,0
1,0
100,0
9 Ribeirão do Carmo
0,0
3,8
0,0
3,8
92,5
0,0
0,0
0,0
100,0
10 Ribeirão São João
0,0
38,9
61,1
0,0
0,0
0,0
0,0
0,0
100,0
11 Córrego São João
0,0
0,0
0,0
0,0
0,0
0,0
0,0
100,0
100,0
12 Rio Matança
0,0
0,0
93,3
0,0
0,0
6,7
0,0
0,0
100,0
13 Córrego Santa Luzia
0,0
0,0
0,0
0,0
100,0
0,0
0,0
0,0
100,0
14 Ribeirão Lajeado
0,0
0,0
0,0
100,0
0,0
0,0
0,0
0,0
100,0
15 Rio Formiga
0,0
0,0
0,0
0,0
0,0
0,0
0,0
0,0
0,0
Cálculo das Demandas Hídricas – Censo IBGE
ID
Sub-bacia
Abastecimento (L/s)
Dessedentação (L/s)
Irrigação (L/s)
Indústria (L/s) Mineração (L/s) Piscicultura (L/s) Recreação (L/s)
1 Rio Crixás
27,6
489,6
943,3
2 Ribeirão dos Mangues
35,4
451,9
767,7
13,8
3 Ribeirão Taquaruçu Grande
733,1
24,2
132,8
2,1
4 Rio Areias
22,0
201,7
663,4
5 Rio Formiga
6,3
133,4
505,3
6 Córrego Santa Luzia
3,8
262,0
373,5
7 Rio Água Suja
13,4
83,3
279,8
7,1
8 Ribeirão Lajeado
1,0
129,7
195,3
0,3
9 Ribeirão Água Fria
100,6
5,1
27,9
1,4
10 Ribeirão do Carmo
2,3
42,0
125,6
0,3
11 Córrego Comprido
122,4
4,4
24,1
0,6
12 Córrego São João
122,4
7,5
22,5
13 Ribeirão Conceição
0,8
43,7
102,0
14 Rio Matança
2,0
35,6
106,6
15 Ribeirão São João
3,9
22,4
89,0
Serviços (L/s)
Total (L/s)
1460,4
0,7
8,3
1,7
0,3
0,2
1269,7
6,7
907,6
17,1
905,9
645,0
0,6
0,4
639,9
23,9
407,9
326,3
85,3
1,4
5,7
7,4
227,3
177,6
0,4
0,6
13,3
165,2
5,6
158,1
147,1
0,2
144,4
115,3
Comparação das Demandas Outorgadas VS Estimadas
ID
Sub-bacia
Abastecimento (L/s) Dessedentação (L/s) Irrigação (L/s) Indústria (L/s) Mineração (L/s) Piscicultura (L/s) Recreação (L/s) Serviços (L/s) Total (L/s)
1 Ribeirão Taquaruçu Grande
4,5
23,5
114,9
0,0
0,0
0,0
0,0
0,0
143,0
2 Ribeirão Água Fria
0,0
3,7
25,4
0,0
0,0
0,0
0,0
0,0
29,0
3 Rio Crixás
27,3
489,6
751,5
0,0
0,0
0,0
0,0
0,0
1268,3
4 Córrego Comprido
0,0
4,4
-17,3
0,0
0,0
0,0
0,0
0,0
-12,9
5 Ribeirão Conceição
0,8
42,3
-1,3
0,0
0,0
0,0
0,0
0,0
41,8
6 Rio Água Suja
12,0
80,9
264,0
0,0
0,0
0,0
0,0
0,0
356,9
7 Rio Areias
13,7
200,4
663,4
0,0
0,0
0,0
0,0
0,0
877,5
8 Ribeirão dos Mangues
33,0
448,6
767,4
0,0
0,0
0,0
0,0
0,0
1249,0
9 Ribeirão do Carmo
2,3
41,7
125,6
0,0
0,0
0,0
0,0
0,0
169,6
10 Ribeirão São João
3,9
19,6
84,6
0,0
0,0
0,0
0,0
0,0
108,1
11 Córrego São João
122,4
7,5
22,5
0,0
0,0
0,0
0,0
0,0
152,5
12 Rio Matança
2,0
35,6
103,8
0,0
0,0
0,0
0,0
0,0
141,4
13 Córrego Santa Luzia
3,8
262,0
373,5
0,0
0,0
0,0
0,0
0,0
639,3
14 Ribeirão Lajeado
1,0
129,7
195,3
0,0
0,0
0,0
0,0
0,0
326,0
15 Rio Formiga
6,3
133,4
505,3
0,0
0,0
0,0
0,0
0,0
645,0
Comparação das Demandas Outorgadas VS Estimadas
Id
Sub-Bacia
Qmld (m³/s)
Q90 (m³/s)
Estimado (m³/s)
Outorgado (m³/s)
Estimado
Outorgado
Qmld
Q90
Qmld
Q90
1
Córrego Comprido
0,884
0,093
0,1652
0,1781
18,68%
177,46%
20,14%
191,36%
2
Ribeirão Água Fria
1,654
0,174
0,2273
0,1983
13,74%
130,57%
11,99%
113,89%
3
Ribeirão Taquaruçu Grande
7,538
0,793
0,9076
0,7646
12,04%
114,39%
10,14%
96,37%
4
Ribeirão Conceição
6,636
0,699
0,1471
0,1053
2,22%
21,06%
1,59%
15,07%
5
Córrego São João
1,556
0,164
0,1581
0,0056
10,16%
96,52%
0,36%
3,42%
6
Rio Crixás
62,803
6,611
1,4604
0,1921
2,33%
22,09%
0,31%
2,91%
7
Rio Água Suja
17,858
1,880
0,4079
0,0510
2,28%
21,70%
0,29%
2,71%
8
Ribeirão São João
5,291
0,557
0,1153
0,0072
2,18%
20,70%
0,14%
1,29%
9
Ribeirão do Carmo
7,253
0,763
0,1776
0,0080
2,45%
23,27%
0,11%
1,05%
10
Rio Areias
44,236
4,656
0,9059
0,0284
2,05%
19,45%
0,06%
0,61%
11
Rio Matança
6,701
0,705
0,1444
0,0030
2,15%
20,47%
0,04%
0,43%
12
Ribeirão dos Mangues
48,772
5,134
1,2697
0,0207
2,60%
24,73%
0,04%
0,40%
13
Córrego Santa Luzia
23,622
2,487
0,6399
0,0006
2,71%
25,73%
0,00%
0,02%
14
Ribeirão Lajeado
12,901
1,358
0,3263
0,0003
2,53%
24,03%
0,00%
0,02%
15
Rio Formiga
34,723
3,655
0,6450
0,0000
1,86%
17,65%
0,00%
0,00%
Consulta Pública
Conteúdo deste documento
• Abrangência e escopo do trabalho
• FASE A – Diagnóstico da Bacia Hidrográfica
• A.1 - Caracterização do Meio Físico Biótico
• A.2 - Caracterização do Meio Socioeconômico-Cultural
• A.3 - Caracterização das Disponibilidades Hídricas
• A.4 - Caracterização das Demandas Hídricas
• FASE B – Prognóstico da Bacia Hidrográfica
Prognóstico
Cenário tendencial VS Cenário normativo (objetivo)
Prognóstico
Questionário
Com o desenvolvimento da agropecuária na região, percebe-se a possibilidade que o setor de
agroindústrias venha a se instalar nessa região.
O(a) sr(a) acha que isso é possível?
Justificativa:
Horizonte
5 anos
10 anos
20 anos
Certamente
que sim
Talvez sim
Talvez não
Certamente
que não
Não sei
Contatos:
Itamar Xavier (CBHEL): comite.cbhel@gmail.com
Felipe Marques (FAPTO): planodolago@uft.br
Até a próxima!
Download

especialista em tecnologia