1
Plano de Negócio para abertura de Empresa de Transporte Profissional de pessoas.
Por
Ana Claudia Luiz
Cristiane Maria Pereira de Godoy
Dayani Silva de Almeida
Dilmar de Oliveira Souza
Eduardo Pelaes Garcia
Névio Cacioli Junior
Wagner Aparecido de Almeida
Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso
MBA em Gestão Empresarial
Pós-Graduação lato sensu, Nível de Especialização
Programa FGV Management
Junho/2009
2
FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS
PROGRAMA FGV MANAGEMENT
MBA em Gestão Empresarial
O Trabalho de Conclusão de Curso Plano de Negócio para a abertura de Empresa de
Transporte Profissional de pessoas elaborado por:
Ana Claudia Luiz
Cristiane Maria Pereira de Godoy
Dayani Silva de Almeida
Dilmar de Oliveira Souza
Eduardo Pelaes Garcia
Névio Cacioli Junior
Wagner Aparecido de Almeida
e aprovado pela Coordenação Acadêmica do curso MBA em Gestão Empresarial, foi aceito
como requisito parcial para a obtenção do certificado do curso de pós-graduação, nível de
especialização, do Programa FGV Management.
Data: ____ / ____ / ____
_______________________________
Isnard Marshall Junior
________________________________
Luís Eduardo Machado
3
TERMO DE COMPROMISSO
Os alunos Ana Claudia Luiz, Cristiane Maria Pereira de Godoy, Dayani Silva de Almeida,
Dilmar de Oliveira Souza, Eduardo Pelaes Garcia, Névio Cacioli Junior e Wagner Aparecido
de Almeida, abaixo-assinado, do curso MBA em Gestão Empresarial, do Programa FGV
Management, realizado nas dependências da instituição conveniada Strong Educadional, no
período de 08/06/2008 a 25/06/2009, declaram que o conteúdo do trabalho de conclusão de
curso intitulado Empresa de Transporte Profissional de pessoas é autêntico, original, e de suas
autorias exclusivas.
Santo André, 25/06/2009
_____________________________________
Ana Claudia Luiz
_____________________________________
Cristiane Maria Pereira de Godoy
_____________________________________
Dayani Silva de Almeida
_____________________________________
Dilmar de Oliveira Souza
_____________________________________
Eduardo Pelaes Garcia
_____________________________________
Névio Cacioli Junior
_____________________________________
Wagner Aparecido de Almeida
4
DECLARAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO DE DIVULGAÇÃO
Os alunos Ana Claudia Luiz, Cristiane Maria Pereira de Godoy, Dayani Silva de Almeida,
Dilmar de Oliveira Souza, Eduardo Pelaes Garcia, Névio Cacioli Junior e Wagner Aparecido
de Almeida, abaixo-assinado, do Curso MBA em Gestão Empresarial, do Programa FGV
Management, realizado nas dependências da instituição conveniada Strong Educacional, no
período de 08/06/08 a 25/06/09, ( ) AUTORIZA / ( x ) NÃO AUTORIZA a divulgação de
informações e dados apresentados na elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso,
intitulado Empresa de Transporte Profissional de pessoas, com objetivos de aplicação e/ou
divulgação em veículos acadêmicos.
_____________________________________
Ana Claudia Luiz
_____________________________________
Cristiane Maria Pereira de Godoy
_____________________________________
Dayani Silva de Almeida
_____________________________________
Dilmar de Oliveira Souza
_____________________________________
Eduardo Pelaes Garcia
_____________________________________
Névio Cacioli Junior
_____________________________________
Wagner Aparecido de Almeida
Santo André, 31/03/2009
5
AGRADECIMENTOS
Agradecemos primeiramente a Deus pela força que nos concedeu, a nossos familiares e
amigos pela compreensão nas ausências, a todos os professores que contribuíram para o
nosso desenvolvimento cultural ao longo deste projeto, em especial ao nosso orientador Luís
Eduardo Machado, pelo apoio no processo de elaboração deste trabalho.
6
DEDICATÓRIA
Dedicamos este trabalho a nossa família pelo apoio nos momentos difíceis, a empresa de
Transporte de passageiros Playbus pela colaboração e atenção com que nos atenderam e a
todos que direta ou indiretamente contribuíram para a conclusão deste trabalho.
7
RESUMO
O projeto baseia-se na abertura de uma empresa de transporte de passageiros na modalidade
de fretamento contínuo e eventual.
Nosso objetivo é oferecer valor agregado ao serviço disponível no mercado.
A procura por qualidade de vida e a própria dispersão das residências, empregos e escolas nas
cidades favorecem a utilização do serviço de fretamento, principalmente pela: comodidade,
pontualidade e segurança, características inerentes ao serviço.
Optamos por este negócio tendo em vista a carência do transporte público na região
metropolitana de São Paulo e por ser um setor em constante crescimento.
Palavras Chaves: Fretamento de passageiros, Região metropolitana e Valor agregado
8
ABSTRACT
This project is based on the start-up of a company which will be focused on passenger
transportation. It will operate in on going and charter modals all over the metropolitan area of
São Paulo.
The company key feature will be the offer of high value-added service, to be distinguished in
the market by its excellence.
The search for better life quality as well as residences displacement from jobs and schools
places assures the growth of demand for personnel transportation. Comfort, regularity and
safety are the features of excellence in the services to be offered.
The option for such business is result of increasing demand versus the poor quality of
passenger transportation services available in São Paulo metropolitan area.
Keywords: Chartering of passengers, metropolitan area and value added.
9
SUMÁRIO
1. Sumário Executivo..............................................................................................................13
2. Estruturação do Negócio.....................................................................................................14
2.1. Nome do Projeto..........................................................................................................14
2.2. Missão do Negócio......................................................................................................14
2.3. Visão do Negócio.........................................................................................................14
2.4. Valores do Negócio.....................................................................................................14
3. Análise de mercado.............................................................................................................15
3.1. Análise dos fatores externos........................................................................................15
3.2. Descrição dos Produto/Serviços..................................................................................16
3.3. Análise dos clientes.....................................................................................................17
3.4. Análise dos concorrentes.............................................................................................17
3.4.1. Concorrentes Indiretos.......................................................................................18
3.4.2. Concorrentes Diretos.........................................................................................19
3.4.2.1. Concorrentes Diretos na mesma região................................................19
3.4.2.2. Concorrentes em outras regiões............................................................21
3.5. Análise dos fornecedores.............................................................................................22
3.5.1. Descrição dos processos de gerenciamento de suprimentos a serem
utilizados no projeto ...........................................................................................23
3.5.2. Gerenciamento de fornecedores – Tipos de contratos a serem solicitados ......23
3.5.3. Critérios de avaliação da proposta....................................................................23
3.5.4. Análise cadastral dos fornecedores...................................................................24
3.5.5. Critérios de avaliação dos fornecedores............................................................24
3.5.6. Responsabilidade Social e Ambiental dos fornecedores...................................25
3.5.7. Contrato de confidencialidade..........................................................................25
3.5.8. Administração dos contratos.............................................................................25
3.5.9. Principais fornecedores.....................................................................................25
3.6. Análise de atratividade do mercado.............................................................................26
3.6.1. Ameaças de entrada de novos concorrentes......................................................26
3.6.2. Poder de barganha dos clientes.........................................................................26
3.6.3. Poder barganha dos fornecedores.....................................................................27
3.6.4. Rivalidade entre os concorrentes......................................................................27
10
3.6.5. Pressão de produtos/negócios substitutos.........................................................27
4. Gerenciamento do processo produtivo/operacional............................................................28
4.1. Estrutura de operação...................................................................................................28
4.1.1. Como será o serviço..........................................................................................28
4.1.2. Garagem principal e equipamentos...................................................................29
4.1.3. Custos de reforma, móveis e equipamentos......................................................31
4.2. Gestão da qualidade.....................................................................................................33
5. Gerenciamento de pessoas..................................................................................................33
5.1. Estrutura de gestão de pessoas.....................................................................................34
5.1.1. Nomenclatura dos cargos..................................................................................34
5.1.2. Habilidades necessárias aos cargos...................................................................35
5.1.3. Descrição das atividades...................................................................................36
5.1.4. Horários de trabalho..........................................................................................38
5.1.5. Descrição de salários e alíquotas e dos encargos que incidirão diretamente
sobre a mão-de-obra.............................................................................................38
5.1.6. Organograma.....................................................................................................39
5.1.7. Processo de recrutamento e seleção..................................................................39
5.1.8. Estrutura de treinamentos..................................................................................40
5.1.8.1. Treinamentos obrigatórios.......................................................................40
5.1.8.2. Treinamentos desejáveis..........................................................................40
5.1.9. Aspecto motivacional......................................................................................... 41
5.2. Habilidades dos empreendedores.................................................................................42
6. Responsabilidade social e ambiental...................................................................................45
6.1. Responsabilidade social...............................................................................................45
6.1.1. Ações da empresa na área de responsabilidade social, contribuindo para a
comunidade vizinha..............................................................................................46
6.2. Responsabilidade ambiental........................................................................................46
6.2.1. Norma ISO 14000-Sistema de gestão ambiental..............................................47
6.2.2. Aspectos positivos e negativos para a empresa no meio ambiente...................47
6.2.3. Atendimento a legislação na área de manutenção da garagem empresa..........48
7. Posicionamento estratégico.................................................................................................50
7.1 Estratégia de mercado no posicionamento estratégico................................................50
7.2 Os objetivos, indicadores de desempenho e metas da Transprof.................................51
8. Planejamento das variáveis mercadológicas.......................................................................53
11
8.1. Comunicação mercadológica.......................................................................................53
8.1.1. Fatores críticos do sucesso................................................................................54
8.1.2. Brainstorming sobre os possíveis requisitos do cliente....................................54
8.1.3. Pesquisa realizada para avaliar o grau de importância dos requisitos de
uma empresa de transporte de pessoas por fretamento.........................................54
8.1.3.1. Critérios para medir o grau de importância.............................................55
8.1.3.2. Critérios para medir o grau de satisfação................................................55
8.1.3.3. Avaliação da disponibilidade dos serviços prestados..............................56
8.1.3.4. Avaliação da qualidade, conforto e segurança dos ônibus......................56
8.1.3.5. Avaliação do preço..................................................................................56
8.1.3.6. Avaliação de pós-vendas.........................................................................57
8.1.3.7. Análise dos resultados da pesquisa..........................................................57
8.1.3.8. Conclusão da pesquisa.............................................................................57
8.1.3.9. Plano de ação...........................................................................................58
8.2. Política de preços.........................................................................................................58
8.3. Promoção.....................................................................................................................59
8.3.1. Propaganda........................................................................................................59
8.3.2. Publicidade........................................................................................................60
8.3.2.1.Relações Públicas........................................................................................60
8.4. Produto.........................................................................................................................60
8.5. Distribuição..................................................................................................................61
8.5.1. Demografia........................................................................................................62
8.6. Projeções de vendas e custos.......................................................................................63
8.6.1. Projeções de vendas..........................................................................................63
8.6.2. Projeções de crescimento nas vendas para 2011 e 2012...................................65
8.7. Projeções de custos variáveis.......................................................................................66
9. Estrutura legal do negócio...................................................................................................66
9.1. Em relação a empresa jurídica.....................................................................................66
9.1.1. Em relação as instalações...................................................................................67
9.1.2. Em relação aos empregados...............................................................................67
9.1.3. Em relação aos veículos.....................................................................................67
9.1.4. Quando o serviço for interestadual ou internacional.........................................68
9.1.5. Quando o serviço for intermunicipal.................................................................70
9.1.6. Quando o serviço for metropolitano..................................................................70
12
9.1.7. Quando o serviço for municipal.........................................................................72
9.1.8. No município de São Paulo...............................................................................72
9.1.9. Contrato de prestação de serviços......................................................................73
9.1.10 Legislação do Fretamento Continuo/Eventual de acordo com a portaria
300/2008..........................................................................................................74
9.1.11. Responsabilidade civil.....................................................................................75
9.2. Um setor que gera impostos.........................................................................................75
9.2.1. Encargos mensais que incidem sobre a mão-de-obra..........................................76
10. Planejamento da abertura da empresa.................................................................................77
11. Desafios do negócio proposto.............................................................................................78
12. Planejamento financeiro......................................................................................................80
12.1. Projeção de investimentos pré-operacionais.....................................................81
12.2. Projeção de investimentos em bens (ativos fixos).............................................82
12.3. Projeção de investimentos financeiros..............................................................83
12.4. Projeção das despesas fixas mensais.................................................................84
12.5. Projeção das despesas com pessoal...................................................................85
12.6. Projeção de financiamento do negócio (fonte e usos).......................................86
12.7. Projeção financeira dos produtos/serviços/mercadorias....................................87
12.8. Projeção das receitas com produtos/serviços/mercadorias................................88
12.9. Projeção dos custos diretos com produtos/serviços/mercadorias......................89
12.10. DRE projetado.................................................................................................90
12.11. Fluxo de caixa projetado.................................................................................91
12.12. Balanço patrimonial projetado........................................................................92
12.13. Análise do investimento..................................................................................93
12.14 Analise do investimento no cenário pessimista.....................................
...94
12.15. Análise dos demonstrativos financeiros..........................................................95
12.16. Gráfico dos principais resultados do negócio ................................................96
13. Referências Bibliográficas................................................................................................100
14. Anexos..............................................................................................................................101
13
1 – Sumário Executivo
A criação de uma empresa de transporte de pessoas tem como principal vantagem, o fato de
ser um setor em específico na modalidade de fretamento contínuo, que esta em crescimento,
visto a preocupação das pessoas de melhorarem sua qualidade de vida.
Observa-se que os órgãos competentes não oferecem projetos imediatos de melhoria no
transporte público, o que implica na necessidade do “cidadão paulistano” em buscar
resultados imediatos, e ainda, como agravante temos o trânsito cada vez mais intenso na
cidade de São Paulo.
O objetivo da nossa empresa é oferecer transporte de qualidade, com conforto e segurança
com destaque em itinerários previamente estudados e implantados.
Pretende-se também ampliar anualmente o número de linhas de acordo com a demanda e a
capacidade de otimização dos veículos.
De acordo com o plano de negócio teremos o retorno do capital investido em 5 anos com uma
taxa de remuneração 12,5% e de reinvestimento 11,25 % ao ano, o que atende as expectativas
dos investidores.
Todos os detalhes referentes a produtos, preço, distribuição e público alvo encontra-se em
detalhes neste documento.
Esperamos contar com a aprovação dos leitores, e estamos disponíveis para qualquer
informação adicional.
Atenciosamente,
Membros da diretoria
14
2 – Estruturação do negócio
2.1 – Nome do projeto
Empresa de Fretamento Profissional de Pessoas: Transprof
Empresa de transporte de passageiros na modalidade contínuo e eventual.
2.2 – Missão do negócio
Nossa missão é fazer o transporte de pessoas com qualidade, segurança e conforto,
remunerando o capital investido a taxas superiores as de mercado.
2.3 – Visão do negócio
Queremos ser reconhecidos na região de atuação como uma excelente opção em substituição
aos transportes individuais e públicos.
2.4 – Valores do negócio
Respeito no atendimento ao cliente;
Respeito ao meio ambiente;
Ética profissional;
Redução de custos e desperdícios;
Gerar lucro e sustentabilidade financeira.
15
3 - Análise de Mercado
3.1 – Análise dos fatores externos
TABELA 1
Tendência
Crescimento do PIB do país de 2,6% para 3,% ao ano
Oportunidades
Ameaças
Aumento de Postos de trabalho que aumentará a demanda por transporte
Não identificada ameaça
Tendência
Aumento do nível de escolaridade no país (aumento de 1% na força de trabalho)
Oportunidades
Ameaças
Aumento de excursões escolares na área pedagógica
Não identificada ameaça
Tendência
Estabilidade da Inflação
Oportunidades
Ameaças
Controle eficaz dos custos fixos
Não identificada ameaça
Tendência
Ensino à Distância
Oportunidades
Ameaças
Não identificada oportunidade
Diminuição das excursões escolares extra curriculares
Tendência
Fortalecimento do Turismo Interno
Oportunidades
Ameaças
Aumento da demanda por transportes relacionados ao turismo
Não identificada ameaça
Tendência
Aumento do população idosa
Oportunidades
Ameaças
Programas de fretamento turistico para este público específico
Despreparo da frota para atender este público específico
Tendência
Aumento da Violência e Criminalidade
Oportunidades
Ameaças
Aumento da demanda por transportes seguros
Prejuízos com vandalismo e robo da frota
Tendência
Instituição do Bilhete Único (Projeto lei 432/2008)
Oportunidades
Ameaças
Não identificada oportunidade
Reduçao de usuários por não conseguirem fazer a troca de blhete único por outros recursos
Oportunidades
Ameaças
Aumento do mecanismo para redução de veículos automotivos no centro expandido de São
Paulo (Implantação dos pedágios nas Marginais e Aumento do número diário de placas
placas de rodizio)
Aumento do número de usuários pelo sistema de fretamento
Não identificada ameaça
Tendência
Softwares de Localização (Transporte com Inteligência)
Tendência
Impacto
Missão
4
Impacto
Visão
3
Impacto
Missão
3
Impacto
Visão
3
Impacto
Missão
4
Impacto
Visão
3
Impacto
Missão
Impacto
Visão
4
4
Impacto
Missão
4
Impacto
Visão
4
Impacto
Missão
4
2
Impacto
Visão
4
2
Impacto
Missão
3
2
Impacto
Visão
2
2
Impacto
Missão
Impacto
Visão
4
3
Impacto
Missão
Impacto
Visão
4
3
Impacto
Missão
Diferencial que proporciona aos nossos clientes a informação dos horários exatos que o ônibus passará nos pontos
3
Não identificada ameaça
Impacto
Visão
1
Tendência
Produção de veículos com fonte de energia alternativa (não poluentes). Veículos com
técnologia Híbrida / Diesel / Elétrico / Etanol
Impacto
Missão
Impacto
Visão
Oportunidades
Ameaças
Contribuição para o meio ambiente e para a sociedade
Investimento financeiro para adequação da nova tecnologia imposto pelo setor governamental
3
4
1
2
Tendência
Taxa de crescimento anual da população em torno de 2,9% ao ano
Oportunidades
Ameaças
Ampliação das linhas de fretado com o maior número de usuários
Não identificada ameaça
Impacto
Missão
3
Impacto
Visão
3
Oportunidades
Ameaças
Fonte: Autoria do grupo
16
3.2 – Descrição dos serviços
Em meados dos anos 50, os sistemas de transporte público eram insuficientes para as altas
demandas decorrentes do aumento da industrialização na região do grande ABC, São Paulo.
As empresas geralmente estavam alocadas em regiões distantes das zonas residenciais, o que
dificultava o uso deste transporte, devido à distância e horários praticados pelos trabalhadores.
Com o intuito de atender esta população que crescia constantemente, o transporte por
fretamento foi a alternativa encontrada por estas empresas. Elas contratavam empresas de
ônibus para oferecer este serviço aos seus funcionários.
O setor de fretamento cresceu devido à contribuição de outros segmentos como pessoas que
trabalham em cidades diferentes das que residem e como solução reuniam-se em grupos para
locação de um transporte diário da casa para o trabalho; transportes de menor porte
contratados por empresas de diversos ramos para transporte de clientes; pessoas que estão
insatisfeitas com os freqüentes congestionamentos diários nas regiões centrais e optam pela
troca do uso do transporte individual pelos coletivos particulares; pessoas que deixam de
utilizar o transporte público pela falta de qualidade e segurança; entre outros.
A Associação Nacional de Transportes Públicos – ANTP realiza com freqüência pesquisas
neste setor. Estas pesquisas apontam o ramo de fretamento como muito promissor, pois
apresentam índices excelentes de aprovação pelo público em geral.
Os principais itens apontados nas pesquisas como relevantes são: segurança, conforto,
confiança, pontualidade.
Atualmente diversas empresas, nos mais variados ramos oferecem este serviço para seus
funcionários, pois consideram o transporte deste recurso importante para o bom andamento
das atividades.
A Transprof disponibilizará dois tipos de serviços à comunidade:

Fretamento contínuo - é aquele em que os ônibus circulam por itinerários e
horários pré-definidos, embarcando os clientes nos pontos de interesse dos
mesmos, levando-os ao destino, onde o pagamento pela prestação do serviço é
mensal e antecipada.

Fretamento eventual - é aquele em que a empresa fornece ônibus e motorista
para a realização de uma ou mais viagens específicas, cujos motivos são em
sua maioria, excursões escolares, eventos religiosos, culturais e de lazer. Nesta
modalidade a comercialização se dá por pagamento antecipado.
17
Como diferenciais competitivos a Transprof oferecerá:

Local para estacionamento dos veículos dos usuários com capacidade de até 30
automóveis para os clientes,

Parcerias com academia, lava-rápido, localizados próximo ao local do
estacionamento dos veículos,

Sala de conveniência com assentos, TV, revistas, jornais, bebidas como café e
chás.
3.3 – Análise dos clientes
No fretamento contínuo o púbico alvo para o serviço são pessoas que residem nas imediações
dos itinerários e trabalham ou estudam em regiões distantes servidas pelo fretamento.
No fretamento eventual o público alvo para o serviço são escolas, empresas e outros grupos
que necessitam de transporte com origem e destinos pré-definidos.
Para os dois modelos descritos acima, estaremos considerando como publico alvo a região
metropolitana de São Paulo, que será detalhado mais a diante no capítulo 8, item 8.4 –
Distribuição.
A pesquisa realizada com usuários atuais de transportes fretados revelou que os clientes
buscam um serviço de pontualidade, qualidade, segurança e conforto a preços competitivos. A
pesquisa encontra-se no anexo 1 – Pesquisa de Satisfação com o seu detalhamento no capítulo
8, item 8.1.3 - Pesquisa realizada para avaliar o grau de importância dos requisitos de uma
empresa de transporte de pessoas por fretamento.
3.4 – Análise dos concorrentes
No Estado de São Paulo existem 10.000 veículos de fretamento e no Brasil 4.900 empresas
cadastradas junto a ANTT (Agência Nacional de Transporte Terrestre).
O setor movimenta cerca de três bilhões anuais.
Todos meios enfrentam dificuldades. O transporte público não consegue suprir a demanda e
oferecer um serviço de qualidade aos usuários. O metro não cobre todas as áreas da cidade e
mesmo transportando cerca de três milhões de passageiros diariamente não é o suficiente,
portanto um grande número de pessoas opta pelo carro particular e acabam encurralados em
congestionamentos.
18
Acreditamos que o transporte coletivo por fretamento seja uma das alternativas para o caos no
trânsito de São Paulo e dos grandes centros, já que cada ônibus substitui aproximadamente 15
carros na rua.
As dificuldades no setor são muitas, a falta de investimento em infra-estrutura, como um todo
resulta no aumento de custos de transportes e elevação dos índices de acidentes, sobre tudo a
falta de respeito do governo às atribuições originais dos impostos.
A Transprof está localizada na Cidade de São Paulo, na região da Zona leste, onde existem
algumas opções de fretamento.
Os concorrentes estão segmentados em dois grupos: o primeiro constituído por concorrentes
diretos, e o segundo, por concorrentes indiretos.
FIGURA 1 – Divisão dos concorrentes
Indiretos
Mesma região
Concorrentes
Diretos
Outras regiões
Fonte: Autoria do grupo
3.4.1 - Concorrentes Indiretos:
Os concorrentes indiretos são as empresas que não possuem as mesmas características da
Transprof, aqui apresentadas, e possuem alguns atrativos, conforme a relação abaixo:

Vans

Automóveis domésticos

Transportes de passageiros clandestinos.
O transporte clandestino não afeta somente a economia brasileira. A população e o meio
ambiente também são bastante prejudicados com a ação dos chamados “piratas”, empresas e
veículos sem registro nos órgãos competentes, sem estrutura física, operacional e pessoal para
atender às demandas. Outro problema é o dano ao meio ambiente. Os clandestinos não
possuem garagens apropriadas e estacionam seus veículos na rua, despejando resíduos de
lavagem e troca de óleo diretamente nas vias públicas. Todos estes problemas fazem com que
o preço deste transporte seja inferior ao praticado pelas empresas regulares, o que pode ser um
19
atrativo para a contratação. Mas o alerta é claro: Preços muito abaixo aos praticados pelo
mercado é sinal de perigo.

Empresas de fretamento exclusivo para transporte de funcionários
Exemplo: Domínio Tur
Fundada em 1975 e localizada em Guarulhos, a empresa Domínio possui uma frota de 110
veículos, e seu foco é o contrato de fretamento para transporte de funcionários, não
oferecendo serviços para mensalistas.
A empresa possui grandes clientes como Ford, Colgate, SESC, Cofap, Good Year,
Volkswagen, Continental, entre outros.
Seu diferencial é investir em treinamento para sua brigada e assim oferecer um serviço de
qualidade.
3.4.2 - Concorrentes Diretos:
Os concorrentes diretos dividem-se em 2 categorias:

Mesma Região

Outras Regiões
3.4.2.1 - Concorrentes Diretos localizados na mesma Região:
Os pontos que foram mapeados para a identificação dos concorrentes diretos são:
 Localização
 Foco de atuação (contínuo, eventual, corporativo)
 Número de ônibus
 Quantos e quais itinerários
 Valor
Transparr
Fundada em 1962 localizada no Jardim VI Centenário, sua frota possui 5 ônibus. Oferece os
serviços de fretamento contínuo e eventual. Possui um grande público de terceira idade no
fretamento eventual, mas o seu foco é no fretamento contínuo. Sua frota é nova é o seu maior
20
diferencial é o investimento em eficiência de serviços, como o treinamento de toda a sua
brigada. Possui sistema próprio de manutenção para toda a sua frota, que mantém com
regularidade toda a revisão preventiva.
Grecco Tur
Fundada em 1984, localizada no Jardim Imperador, possui uma frota de 5 ônibus. Oferece os
serviços de fretamento contínuo e eventual, mas o seu foco é o transporte de funcionários,
atua também com os mensalistas, porém só atua em um itinerário na Avenida Paulista.
Otimiza sua frota com os serviços de fretamento eventual com o público da terceira idade.
Não possui serviço de manutenção próprio.
Seus principais clientes são: Indab, Dunga Empresa Alimentícia, Intra Ferro, Construtora
Queiroz Galvão.
Colméia Expresso
Fundada em 1986, localizada na Vila Santa Bernadete, possui uma frota 11 ônibus que não
são novos. Oferece os serviços de fretamento contínuo e eventual, mas o seu foco é em
fretamento contínuo. Possui 14 itinerários, com o final da linha na Avenida Paulista, Avenida
Luis Carlos Berrini, Itaim Paulista e Osasco. Não possui serviço de manutenção própria,
terceirizando o mesmo.
Vidao Tur
Fundada em 1990, localizada na Vila Paranaguá, possui uma frota de 8 ônibus. Oferece os
serviços de fretamento contínuo e eventual, mas o seu foco é em fretamento contínuo. Possui
10 itinerários. Não possui serviço de manutenção própria, terceirizando este serviço.
Rio Negro
Fundada em 1985, localizada no bairro Itaim Paulista, possui uma frota de 8 ônibus. Oferece
o serviço de fretamento contínuo. Possui 5 itinerários. Possui instalações próprias para
manutenção e conservação dos ônibus.
21
Luamar
Fundada em 1975, localizada no Jardim Matarazzo, possui uma frota de 20 ônibus de
fretamento, oferece os serviços de fretamento contínuo e o fretamento eventual. Seu foco é no
fretamento contínuo para transportes de funcionários. Possui grande parte da frota com ônibus
novos. Suas instalações são próprias, assim como a manutenção e conservação de seu ônibus.
3.4.2.2 - Concorrentes Diretos localizados em outras regiões
Leão Tur
Fundada em agosto de 1990 e localizada na Vila Cisper, a empresa Leão Tur possui uma
estratégia de ter uma quantidade mínima de veículos próprios e agregar terceiros, cuidando
especialmente da parte contábil do negócio.
A empresa dispõe de 7 ônibus próprios e pareceria com sete empresas que no total somam
mais 71 ônibus, sendo o seu grande diferencial, pois consegue oferecer uma grande
quantidade de itinerários .
Nunes Tur
Fundada em 1976 e localizada na Vila Gustavo, a empresa Nunes possui uma frota com 60
veículos e uma mão-de-obra bem treinada.
A empresa possui clientes como Philips do Brasil, ABB, Alston Power do Brasil, Afabesp,
Bombadier, Multiaços, entre outros.
Corcovado
Fundada em 1980 e localizada no Jaçanã, a empresa Corcovado possui uma frota de 42 ônibus
e 12 microônibus. Seu grande diferencial no mercado é a frota totalmente nova e treinamento
contínuo com a brigada.
22
3.5 – Análise dos fornecedores
Nossa meta é buscar fornecedores que se enquadram no perfil de melhor parceiro estratégico,
capaz de proporcionar a melhor combinação de qualidade, tecnologia, atendimento e preço.
Um sistema de gerenciamento será fundamental para nos mantermos atualizados detectando
sinais e antecipando problemas de qualidade, ou ainda de capacidade de fornecimento dos
matérias necessários.
Neste projeto decidiu-se que além dos insumos oriundos ao setor (Oleo Diesel / Pneus /
Discos de Tacógrafo / Oleo de Motor, etc) iremos adquirir serviços de manutenção funilaria e
pintura junto ao mercado. Deparamos com a preocupação de avaliar as informações de
fornecedores externos, e para isto, faremos a certificação cuidadosa destes fornecedores.
Sabemos que o bom desempenho de um projeto pode ser diretamente afetado por
fornecedores não adequados ou competentes, ou seja, as estimativas de prazo mal elaboradas;
os sistemas de comunicação ineficientes; informações erradas, insuficientes, incompletas ou
superestimadas; as promessas feitas acima da real capacidade de atendê-las, são riscos
inerentes ao processo que devem efetivamente serem extintos.
A necessidade de relacionamento com fornecedores tem uma importância grandiosa para o
bom desempenho de um projeto minimizando suas variações, segundo Gasnier (2001, pag
125) “o principal desafio do gerente de projeto e de sua equipe na seleção e desenvolvimento
de fornecedores reside nas habilidades de comunicação, negociação e acompanhamento
(follow up)”.
Para os fins deste trabalho, pesquisou-se os seis passos da aquisição em projetos, de acordo
com o PMBOK (Project Management Body of Knowledge (PMBOK) (®)) é um padrão
internacional reconhecido (IEEE, ANSI). Este trata da aplicação do conhecimento, das
habilidades, das ferramentas, e das técnicas para encontrar-se com exigências do projeto na
qual o quesito fornecedores abordam os seguintes critérios :

Planejar o que vai ser adquirido, quando e como;

Documentar os requisitos e identificar os possíveis fornecedores;

Solicitar as propostas dos fornecedores;

Selecionar os fornecedores;

Administrar o contrato e;

Encerrar o contrato.
23
3.5.1 - Descrição dos processos de gerenciamento de suprimentos a serem utilizados
neste projeto:
 Contratação dos serviços de manutenção, pintura, funilaria dos ônibus,
conforme anexo 2 – Contrato de prestação de serviço de manutenção;
 Contratação dos serviços de Informática;
 Contratação dos serviços de Contabilidade;
 Contratação do suprimento de Combustível (Óleo Diesel) e seus derivados.
3.5.2 - Gerenciamento de Fornecedores - Tipos de contratos a serem solicitados
No relacionamento comprador & fornecedor uma característica importante para a eficiência
do projeto é a existência de contratos, que são documentos legais entre os mesmos a qual
estabelece obrigações para ambos. Em nosso negócio optaremos pelo:
 Contrato por preço fixo.
3.5.3 - Critérios de avaliação das propostas
 Melhor preço;
 Melhor técnica;
 Atendimento 24 h;
 Condições de pagamento;
 Programa de garantia de qualidade;
 Experiência comprovada;
 Atendam aos requisitos ambientais;
24
3.5.4 - Analise cadastral dos fornecedores
A análise do fornecedor é fundamental para verificar se a organização tem como fazer frente
aos desafios do projeto em questão. Assumir como parceira uma organização com problemas
de caixa, salário atrasado ou devedor de impostos é a certeza de ter problemas. Existe ainda, a
análise financeira, que vai aprovar ou certificar um fornecedor. Este não pode ser apenas uma
pesquisa feita junto ao SERASA. Outros documentos também devem ser solicitados aos
possíveis fornecedores.
 Cópia do Contrato Social;
 Cópia das alterações do Contrato Social;
 Certidão Negativa de Impostos Federais, Estaduais e Municipais;
 Certidão Negativa dos cartórios de protestos;
 Certidão Negativa de INSS;
 Os dois últimos balanços anuais;
 Referências bancárias e comerciais;
 Ficha Cadastral.
3.5.5 - Critérios de avaliação dos fornecedores
Será feita no decorrer da prestação dos serviços onde os fornecedores serão avaliados pelo
sistema Vendor Rating que mensura o desempenho da empresa nos critérios:
 Qualidade: medindo a conformidade dos materiais recebidos com relação às
especificações e ainda o desempenho no processo de utilização;
 Eficiência: considerando a conformidade e a quantidade entre a data requerida
e a data de entrega, considera as ações corretivas enviadas ao fornecedor
 Quanto à Classificação, é feita através de um período pré-acordado e
estabelecido pelas empresas, onde os fornecedores são classificados em:
excelente, bom, razoável e insatisfatório.
25
3.5.6 - Responsabilidade social e ambiental dos fornecedores
Conhecer as práticas comerciais e de respeito à legislação e ao ser humano é fundamental para
que se possa aceitar ou recusar um fornecedor. Solicitar que o fornecedor assine um
documento de compromisso em atender a legislação ambiental e trabalhista, é um diferencial
competitivo uma vez que nossa matéria prima (Combustível – Óleo Diesel) é um dos fatores
poluentes do meio ambiente.
3.5.7 - Contrato de confidencialidade
Tratar processos de forma organizada e profissional é o primeiro passo para realizações de
verdadeiras parcerias comerciais e assinar um acordo de confidencialidade será uma
ferramenta onde estabelecemos normas que garantem que as informações trocadas não serão
utilizadas para outros fins (Ex: Concorrência).
3.5.8 - Administração dos contratos
A administração dos contratos será de responsabilidade da Área de Compras que tem por
meta assegurar bom desempenho do fornecedor escolhido.
3.5.9 – Principais fornecedores
Abaixo estão relacionados nossos principais fornecedores:
 Chassi: Volkswagen
 Carroceria: Comil
 Combustível: Combustran Derivados de Petróleo
Fanal Comércio e Derivados de Petróleo
 Pneus: Michelin e Goodyear
 Recapagem: Pneutec
Skema Comercio de Pneus
 Seguros: Brigante Corretora de Seguros
Paluama Seguros
26
 Rastreamento: 3T-Systems
Sascar Tecnologia e Segurança Automotiva SA
 Manutenção: Star Bus Mecânica e Reforma de Ônibus
A escolha dos nossos principais fornecedores foi feita com base o posicionamento de mercado
de cada empresa, pois entendemos que caso não ocorresse uma boa prestação de serviço,
estaríamos prejudicados com relação a qualidade dos nossos serviços, tempo de atendimento,
atividades operacionais como manutenção, entre outros.
3.6 – Análise da atratividade do mercado
3.6.1 - Ameaça de entrada de novos concorrentes (barreiras à entrada)
Observamos que a entrada de novos concorrentes neste mercado está em patamar baixo
devido à necessidade de grandes investimentos iniciais com ônibus, preparo de garagem e
ferramental, que são exigidos por uma legislação cada dia mais exigente.
Identificamos ainda que a entrada de um novo concorrente neste mercado pode ser bloqueada
ou nula se não houver alguma diferenciação ou criatividade em relação ao mercado existente.
A quantidade de concorrência é alta na região metropolitana de São Paulo, e os mesmos se
organizam para dificultar ou anular a entrada de um novo competidor neste cenário. Existe
ainda um risco alto de competição que são os transportes ilegais devido à falta de fiscalização
por parte dos órgãos competentes, ao dinamismo diário e a grande dificuldade de se mapear a
forma de atuação destas empresas / pessoas físicas.
3.6.2 - Poder de barganha dos clientes
O poder de negociação dos clientes é alto pelo fato da necessidade de buscarmos uma alta
taxa de ocupação das linhas.
Normalmente os preços são definidos pelo trajeto e dependendo da ocupação das linhas.
Geralmente com a apresentação de um outro cliente são feitos preços especiais.
Podemos observar que como existem várias opções no mercado legal somado ao transporte
ilegal, os clientes possuem um forte poder de negociação por preços mais baixos no momento
27
de fechar um compromisso de transporte seja contínuo ou eventual, mesmo sabendo que estas
outras opções oferecem um serviço de baixa qualidade e pouca segurança.
3.6.3 - Poder de barganha dos fornecedores
Classificamos o poder de negociação dos fornecedores como sendo baixo devido a grande
concorrência existente entre os mesmos.
3.6.4 - Rivalidade entre os concorrentes
Na região metropolitana de São Paulo a rivalidade entre os concorrentes é média dependendo
da área de atuação. Nossa opção é de iniciarmos com as atividades na região metropolitana de
São Paulo, em especifico na Zona Leste. Nesta região há vários concorrentes, mas também há
espaço para uma nova empresa devido à alta demanda, a baixa qualidade do transporte
público e a grande quantidade de trânsito diário, nos possibilitará conquistar os futuros
clientes que hoje são usuários de automóveis próprios.
3.6.5 - Pressão de produtos/negócios substitutos
A pressão de produtos/negócios substitutos é baixa devido ao fato do serviço ser muito
personalizado não podendo ser substituído por opções públicas ou condução própria no
mesmo nível de custo para o usuário final.
28
4 - Gerenciamento do processo operacional
4.1 - Estrutura de operação
4.1.1 – Como será o serviço:
Nosso serviço é prestado a um cliente ou a um grupo de pessoas, mediante contrato escrito,
para uma viagem com finalidade específica ou turística. Podemos destacar o transporte para
excursões e viagens de turismo, traslados entre aeroportos e hotéis, city tours, eventos,
passeios culturais, e muito mais.
Conforme será informado no planejamento mercadológico atuaremos com os dois tipos de
fretamento, são eles:

Fretamento Contínuo: Aquele em que a empresa de fretamento é contratada
para uma quantidade definida de viagens. Em geral, os motivos das viagens são
trabalho e estudo e ;

Fretamento Eventual: Aquele em que a empresa de fretamento é contratada
para a realização de uma ou mais viagens específicas, cujos motivos são,
excursões, eventos religiosos, culturais, lazer, etc;
Nos horários intermediários estaremos direcionando parte de nossa frota para o fretamento
eventual em excursões culturais organizadas por escolas (Ex.: Museu do Ipiranga, Instituto
Butantã, Jardim Botânico, Pinacoteca do Estado, MASP, etc.) buscando a maximização do
uso do ônibus. Ainda considerando o fretamento contínuo temos o segmento para clientes que
trabalham em horários alternativos.
Os clientes que utilizam os serviços a partir de nossa sede terão a disposição 30 vagas de
estacionamento para sua segurança e conforto, além de uma sala VIP com café, chás e água,
TV LCD 42 “, sofás, poltronas, jornais, principais revistas e WC masculino e feminino
proporcionando momentos agradáveis no aguardo do horário de partida da linha principal.
29
No local haverá também disponível o serviço de um engraxate (autônomo) para a renovação
de calçados.
Para cada itinerário haverá uma pessoa (cliente cadastrado que inicia a linha) nomeada como
“monitor” que será o principal elo entre nossa empresa e os novos clientes. Cada novo
ingressante no fretamento terá um contato direto com o monitor para obtenção de informações
de horário de passagem nos principais pontos, bem como a identificação visual e orientação
dos motoristas para novos pontos que venham a surgir.
O benefício concedido ao monitor como incentivo pelo suporte prestado diariamente é a
isenção do pagamento da mensalidade.
4.1.2 – Garagem principal e equipamentos:
Estaremos alugando um terreno com 1284 m² (estruturado fisicamente para empresa de
ônibus) preparado com:
 300 m² de galpão para área de oficina;
 81,81 m² de área de escritório;
 51,22 m² de área considerada VIP para a recepção de nossos clientes;
 30 vagas a disposição de nossos clientes para estacionamento de veículos próprios.
Durante o mês de Dezembro de 2009 faremos uma breve reforma com pintura geral e
pequenas mudanças de layout para a preparação da área VIP.
Segue abaixo a planta esquemática mostrando a distribuição das áreas acima referidas:
30
FIGURA 2 – Planta baixa do estacionamento / área VIP
Fonte: Autoria do grupo
Todos os serviços de manutenção serão terceirizados com empresa especializada que atenda
todas as especificações e normas exigidas pelas legislações.
31
Como opção, parte das manutenções poderão ser realizadas em nossas instalações com
equipamentos, ferramentas e serviços de terceiros, uma vez que teremos disponível uma vala
de manutenção dentro do galpão principal.
4.1.3 – Custo de Reforma, móveis e equipamentos:
TABELA 2 – Obras civis e/ou reformas
CARRÃO - Construção e Reformas
Orçamento: Empresa Transprof
Data
: Março / 2009
Pintura de alvenaria
m2
Acabamento
Valor mater. R$
Valor m2
Valor Total
Parede do fundo
manut. Tinta recup.
R$ 160,00
164 m²
R$ 6,00
R$ 1.142,20
Paredes laterais
manut. Tinta recup.
R$ 320,00
407 m²
R$ 6,00
R$ 2.762,00
Muro da frente
manut. Tinta recup.
R$ 80,00
88 m²
R$ 6,00
R$ 608,15
Portão de chapa quadrada vincada
metálico c/ revólver
R$ 40,00
22 m²
R$ 13,50
R$ 331,06
Paredes do Escritório
apl.massa + látex
R$ 390,00
304 m²
R$ 15,00
R$ 4.950,00
Teto do Escritório
apl.massa + látex
R$ 52,00
66 m²
R$ 15,00
R$ 1.035,98
Paredes vestiário/depósito
tinta látex
R$ 520,00
448 m²
R$ 10,00
R$ 5.000,00
Teto do vestiário/depósito
tinta látex
R$ 78,00
114 m²
R$ 10,00
R$ 1.213,42
Paredes da sala VIP
tinta látex
R$ 156,00
178 m²
R$ 10,00
R$ 1.940,00
Teto da sala VIP
tinta látex
R$ 52,00
61 m²
R$ 10,00
Sub-total
Pintura de portas
portas padrão 2,10 m x 0,80m
Demolição de paredes
paredes de 3,75 m x 2,80 m
1851 m²
Acabamento
Valor mater. R$
verniz
R$ 462,00
Trabalho
unidade
22
unidade
retirada + caçamba
21 m²
unidade
R$ 664,00
R$ 19.646,81
Valor unit.
Valor Total
R$ 30,00
R$ 1.122,00
Valor unit.
Valor Total
R$ 50,00
R$ 1.050,00
Construção de novas paredes
Acabamento
Valor mater. R$
Valor unit.
Valor Total
1 Parede de 2,90 m x 2,80 m
com reboque
R$ 222,00
8 m²
R$ 26,00
R$ 430,00
1 Parede de 3,75 m x 2,80 m
com reboque
R$ 430,00
11 m²
R$ 26,00
R$ 703,00
Pintura de faixas estacionamento
Acabamento
Valor mater. R$
Valor unit.
Valor Total
tinta piso
R$ 250,00
R$ 200,00
R$ 650,00
Conforme layout
Valor Total
Fonte: Autoria do grupo
Diária
2
R$ 23.601,81
32
TABELA 3 – Investimentos em bens (ativos e fixos)
Móveis e equipamentos da TRANSPROF
Recepção
Moveis
Mesa 130 x 65
Cadeira principal
Cadeira cliente
Suporte CPU
Arquivo 3 gavetas
Quantidade Custo unitário
1
R$ 410,00
1
R$ 462,00
4
R$ 298,00
1
R$ 122,00
1
R$ 864,00
Custo total
R$ 410,00
R$ 462,00
R$ 1.192,00
R$ 122,00
R$ 864,00
Equipamentos
Impressora multi-funcional HP LaserJet M1319f MFP Laser
Computador Pentium Dual Core E2200 2.2 GHz 320GB LCD 15
PABX + licenças de 5 linhas
Celular - Motorola i335 iDEN NEXTEL
Quantidade Custo unitário
1
R$ 662,00
1
R$ 1.499,00
1
R$ 1.700,00
10
R$ 399,00
Total
Custo total
R$ 662,00
R$ 1.499,00
R$ 1.700,00
R$ 3.990,00
R$ 10.901,00
Diretoria
Moveis
Mesa 160 x 75
Aparador 120 x 45
Cadeira executiva
Suporte CPU executivo
Armário diretoria
Quantidade Custo unitário
1
R$ 544,00
1
R$ 419,00
1
R$ 518,00
1
R$ 110,00
1
R$ 895,00
Custo total
R$ 544,00
R$ 419,00
R$ 518,00
R$ 110,00
R$ 895,00
Equipamentos
Computador Pentium Dual Core E2200 2.2 GHz 320GB LCD 15
Quantidade Custo unitário
1
R$ 1.499,00
Custo total
R$ 1.499,00
Total
R$ 3.985,00
Escritório 1
Moveis
Mesa 160 x 75
Cadeira escritório
Suporte CPU executivo
Quantidade Custo unitário
1
R$ 544,00
1
R$ 398,00
1
R$ 110,00
Custo total
R$ 544,00
R$ 398,00
R$ 110,00
Equipamentos
Computador Pentium Dual Core E2200 2.2 GHz 320GB LCD 15
Quantidade Custo unitário
1
R$ 1.499,00
Custo total
R$ 1.499,00
Total
R$ 2.551,00
Sala de reuniões / Escritório 2
Moveis
Mesa 153 x 80
Complemento de mesa 80 x 80
Cadeira para reuniões
Quantidade Custo unitário
1
R$ 555,00
1
R$ 375,00
10
R$ 179,00
Custo total
R$ 555,00
R$ 375,00
R$ 1.790,00
Equipamentos
Quantidade Custo unitário
Custo total
Total
R$ 2.720,00
Sala VIP
Moveis
Sofá modular direito
Sofá modular esquerdo
Sofá modular central
Sofá 3 lugares café
Mesa lateral
Mesa de centro
Equipamentos
TV - Philips 42PFL5403 LCD Tela Plana 42 Polegadas
Quantidade Custo unitário
2
R$ 384,00
2
R$ 384,00
6
R$ 310,00
2
R$ 785,00
2
R$ 189,00
2
R$ 376,00
Quantidade Custo unitário
1
R$ 2.203,67
Total
Total móveis e equipamentos para escritório
Custo total
R$ 768,00
R$ 768,00
R$ 1.860,00
R$ 1.570,00
R$ 378,00
R$ 752,00
Custo total
R$ 2.203,67
R$ 8.299,67
R$ 28.456,67
Ferramental operacional
Equipamentos
Lavadora de Alta Pressão HD 10/18 Maxi 2610 Libras (220V)
- Karcher
Quantidade Custo unitário
1
R$ 5.499,00
Total
Custo total
R$ 5.499,00
R$ 5.499,00
Software diversos
Software
Pacote Office
Quantidade Custo unitário
3
R$ 570,00
Total
Fonte: Autoria do grupo
Custo total
R$ 1.710,00
R$ 1.710,00
33
4.2 - Gestão da qualidade
Nossa gestão de qualidade será baseada em pesquisas regulares desenvolvidas para medir a
satisfação de nossos clientes de forma clara e objetiva de forma a buscar um aperfeiçoamento
contínuo dos serviços prestados.
Com base na gestão de qualidade estaremos garantindo a sustentabilidade de nosso negócio
que depende totalmente da satisfação plena de nossos clientes.
Desde o inicio estamos buscando superar as expectativas de nossos clientes e
conseqüentemente conseguir a fidelização dos mesmos.
5 – Gerenciamento de pessoas
Com a aceleração das mudanças no mercado de trabalho, a boa gestão de pessoas passa ser
um diferencial muito importante entre as organizações.
O aumento da competitividade torna a relação empresa x colaborador, cada vez mais
complexa e necessária de ser explorada.
Com essa realidade, faz-se necessário extrair o potencial intelectual dos colaboradores,
deixando-se de focar somente a parte técnica ou operacional, passando a atuar em grupos para
os planejamentos estratégicos, agregando assim maior valor a empresa.
No entanto, para que ocorra uma gestão adequada é necessário que a empresa esteja bem
estruturada. Com base nisso, buscamos estruturar nossa empresa de modo a apoiar e
desenvolver nossos colaboradores, pois acreditamos que nossos funcionários são o futuro da
empresa.
A atividade de transportar pessoas requer muita responsabilidade, mas acima de tudo,
criatividade e disposição por parte de todos os envolvidos.
34
5.1 – Estrutura de gestão de pessoas
5.1.1 – Nomenclatura dos cargos
Com a definição das atividades que serão desenvolvidas pela empresa, bem como o nível de
serviço que desejamos oferecer aos nossos clientes, definimos como seria formado o grupo de
trabalho.
Para melhor nos organizarmos, dividimos nossa estrutura em 3 tipos de cargos:
1 - Cargos administrativos:
As atividades relacionadas a estes cargos, são em sua maioria documental, legal, contato
direto ou indireto com clientes e fornecedores em geral.
Cargos:

Auxiliar administrativo

Recepcionista
2 - Cargos operacionais
As atividades relacionadas a estes cargos, são direcionadas a otimização de frota, rotas,
manutenção dos ônibus, entre outros.
Cargos:

Coordenador de Tráfego

Motoristas
3 - Cargos auxiliares:
As atividades relacionadas a estes profissionais estão ligadas à manutenção da organização,
das dependências da empresa, bem como serviços de copa para os funcionários e visitantes.
Cargos:

Auxiliar de serviços gerais
35
5.1.2 – Habilidades necessárias ao cargo
Com foco nos objetivos que estabelecemos para nossa empresa, definimos as competências
necessárias ao nosso grupo de trabalho,o que nos permitirá atingir tais objetivos, não somente
a curto, mais no médio e longo prazo.
1 - Cargos administrativos

Auxiliar administrativo
Requerido:
Ensino Médio
Desejável:
Nível superior ou técnico na área de turismo
Conhecimentos de informática: Pacote Office

Recepcionista
Requerido:
Ensino Médio
Desejável:
Cursos de “Atendimento ao cliente”
2 - Cargos operacionais

Motoristas
Requerido:
Ensino Médio
Habilitação categoria “D”
Especialização para transporte de passageiros (recertificação
anual)
Desejável:

Cursos de “Atendimento ao cliente”
Coordenador de tráfego
Requerido:
Ensino Médio
Desejável:
Motorista categoria “D”,experiência mínima de 3 anos no cargo.
3 - Cargos auxiliares

Auxiliar de serviços gerais
Requerido:
Ensino fundamental
Desejável:
Experiência mínima 2 anos.
36
5.1.3 – Descrição das atividades
Para atingirmos nossos objetivos delegamos, ou seja, atribuímos tarefas para o dia-a-dia de
nossos funcionários.
Com a definição das atividades da nossa empresa, procuramos deixar claro a todos, onde suas
atividades contribuem dentro do nosso negócio e podem impactar nos resultados.
1 - Cargos administrativos

Auxiliar de administrativo

Executar tarefas burocráticas de complexidade média, atendendo bem os
clientes, operando microcomputadores, calculadoras, fax e equipamentos
afins.

Elaborar, preencher e arquivar documentos.

Suportar os gestores com relatórios.

Programar de transportes.

Estar sempre atento à prevenção de acidentes e doenças ocupacionais, a
fim de propiciar ambiente físico saudável à organização.


Obedecer às normas específicas da Cia.
Recepcionista

Recepcionar pessoas que procuram a organização, identificando suas
necessidades e as direcionando para o departamento oportuno a fim de
facilitar a comunicação.

Receber e realizar chamadas telefônicas, recebendo e transmitindo
recados para manter o sistema em funcionamento.

Receber e enviar mensagens por fax.

Receber e remeter malotes.

Executar eventuais conferências de documentos para procedimentos de
rotina.

Executar eventuais serviços de digitação, arquivo e cópias de
documentos.

Receber,
conferir
departamentos.
e
distribuir
documentos
recebidos
para
os
37

Manter pequenos controles ou registros como agendar os fretamentos
eventuais,registros de chamadas.

Estar sempre atenta quanto à prevenção de acidentes e doenças
ocupacionais, a fim de propiciar ambiente físico saudável à organização.

Obedecer às normas específicas da Cia.
2 - Cargos operacionais
Coordenador de tráfego e-mail Ana

Preservar a manutenção operacional da frota (Pintura, mecânica,
elétrica).

Fiscalizar a parte operacional quanto a logística das linhas (Conferir
constantemente os itinerários).

Observar o comportamento dos motoristas bem como sua postura quanto
a uniforme, barba bem feita ....

Realizar testes operacionais na contratação de motoristas.

Programar os veículos para as vistorias exigidas pelos órgãos
competentes.

Avaliar a qualidade dos materiais operacionais adquiridos pelo Depto de
Compras.

Organizar e manter o estoque do Almoxarife.

Observar as exigências sa Área comercial quanto aos acessórios de
viagens de fretamento eventual (manta/ Travesseiros / Água).

Estar sempre atento à prevenção de acidentes e doenças ocupacionais, a
fim de propiciar ambiente físico saudável à organização.


Obedecer às leis de trânsito e as normas específicas da Cia.
Motoristas

Dirigir veículos da empresa em trajetos pré-determinados, transportando
pessoas.

É responsável pela limpeza e manutenção dos veículos sob sua
responsabilidade.

Estar sempre atento à prevenção de acidentes e doenças ocupacionais, a
fim de propiciar ambiente físico saudável à organização.

Obedecer às leis de trânsito e as normas específicas da Cia.
38
3 - Cargos auxiliares

Auxiliar de serviços gerais

Realizar a conservação e limpeza geral em todas as áreas internas e
externas da empresa, utilizando as máquinas, equipamentos, ferramentas
e produtos apropriados.

Preparar refeições.

Estar sempre atento à prevenção de acidentes e doenças ocupacionais, a
fim de propiciar ambiente físico saudável à organização.

Obedecer às normas específicas da Cia.
5.1.4 – Horários de trabalho
Todos os funcionários com exceção dos motoristas, trabalharão conforme determinação
trabalhista de 44 horas semanais das 08:00 às 18:00, com intervalo de uma hora para refeição.
Os motoristas obedecerão à convenção coletiva que é administrada em regime de banco de
horas.
5.1.5 – Descrição de salários e alíquotas dos encargos que incidirão diretamente sobre a
mão-de-obra:
Segue abaixo a relação das funções existentes na empresa Transprof com os salários e seus
respectivos encargos:
TABELA 4 – Salários e Encargos
Diretor Presidente
Gerente Comercial / Marketing
Gerente de Recursos Humanos
Gerente Operacional
Gerente de Compras / Finanças
Auxiliar Administrativo
Coordenador de Tráfego
Recepcionista
Auxliar de Serviços Gerais
Motoristas
Fonte: Autoria do grupo
Nº funcionários
1
1
1
2
2
1
1
1
1
7
Salário
1372,81
1372,81
1372,81
1372,81
1372,81
580,00
1200,00
560,00
465,00
1050,00
Total
1372,81
1372,81
1372,81
2745,62
2745,62
580,00
1200,00
560,00
465,00
7350,00
INSS
3816,41
3816,41
3816,41
7632,82
7632,82
1612,40
3336,00
1556,80
1292,70
20433,00
FGTS
109,82
109,82
109,82
219,65
219,65
46,40
96,00
44,80
37,20
588,00
13º
8,92
8,92
8,92
17,85
17,85
3,77
7,80
3,64
3,02
47,78
Férias
41,18
41,18
41,18
82,37
82,37
17,40
36,00
16,80
13,95
220,50
Total Geral
R$ 5.349,15
R$ 5.349,15
R$ 5.349,15
R$ 10.698,31
R$ 10.698,31
R$ 2.259,97
R$ 4.675,80
R$ 2.182,04
R$ 1.811,87
R$ 28.639,28
39
5.1.6 – Organograma
Segue proposta inicial para estrutura organizacional da empresa Transprof:
FIGURA 3 – Organograma da empresa
Fonte: Autoria do grupo
5.1.7- Processo de recrutamento e seleção
Buscando a excelência dos nossos serviços, precisamos ter em nosso grupo de trabalho
pessoas motivadas e com alto nível de qualidades pessoais e profissionais.
Estaremos anunciando nossas vagas por intermédio de anúncios em agências de empregos e
em nosso site com intuito de atrair candidatos.
Acreditamos que esta fase de recrutamento e seleção é uma das mais importantes, pois estas
escolhas estão diretamente ligadas com o atingimento dos nossos objetivos.
Com base nas descrições das atividades e habilidades necessárias, estaremos avaliando
criteriosamente os currículos enviados.
Após a análise dos currículos, serão selecionados os candidatos que apresentem os requisitos
mínimos necessários para o desenvolvimento das atividades para a realização de um teste de
acordo com a vaga, conforme anexo 3 – Teste admissional.
Os candidatos aprovados nos testes serão entrevistados e o que apresentar o perfil mais
adequado às expectativas serão escolhidos.
40
5.1.8 – Estrutura de treinamento
A busca pelo autodesenvolvimento é um fator muito importante para o profissional e
conseqüentemente para a nossa empresa.
É por isso que nossa empresa busca sempre estar alinhada com a realidade do mercado,
oferecendo sempre treinamentos que agreguem valor ao funcionário e a empresa em que a
mesmo esta envolvido.
Nossa empresa classifica os treinamentos como obrigatório e desejáveis.
5.1.8.1 – Treinamentos obrigatórios
Nossa empresa classifica como treinamentos obrigatórios àqueles que são regidos por alguma
regulamentação específica, ou seja, é uma exigência legal.
Especialização em Transporte Coletivo - para o quadro de motoristas e coordenador de
trafego.
Conteúdo do treinamento:

Demonstração da importância do Transporte coletivo.

Importância da competência profissional.

Exigências para os profissionais de transporte coletivo.

Conhecimentos teóricos para reciclagem (como segurança no trânsito,
relacionamento interpessoal, atendimento ao usuário, legislação, sinalização,
infrações, direção defensiva, primeiros socorros, cidadania e meio ambiente).
5.1.8.2 – Treinamentos desejáveis
Nossa empresa classifica como treinamentos desejáveis aqueles que melhoram o desempenho
habitual das atividades realizadas diariamente, ou seja, agrega valor, gerando mais facilidade
reduzindo assim o tempo de realização das tarefas com ganho de qualidade.
Tais treinamentos podem ser realizados por nossa própria empresa ou por empresas parceiras.
41
Treinamentos internos:

Regras Básicas de Saúde e Segurança no Trabalho

Regras Básicas de Atendimento ao Cliente

Solução de Problemas

Políticas Internas
Treinamentos externos:

Escolas de idiomas

Escolas de informática

Escolas técnicas

Universidades
5.1.9 – Aspecto motivacional
O objetivo de nossa empresa é sempre caminhar lado a lado com nossos clientes e
funcionários. Para isso, buscaremos estar alinhados aos acontecimentos.
Acreditamos que pequenos atos demonstram a grande importância de cada ser na
humanidade.
Com este espírito motivador desenvolveremos atividades como:

Homenagens em datas comemorativas com a visita da família na empresa (dias
dos pais, dia das mães e dia das crianças).

Distribuição de material escolar uma vez ao ano – limitação: 14 anos.

Distribuição de presentes no dia das crianças – limitação: 12 anos.

Entrega de Cartão de aniversário / casamento / nascimento de filhos dos
funcionários.

Programa de reconhecimento das contribuições dos funcionários com prêmios
em dinheiro de acordo com a economia atingida.

Campeonatos: dominó, damas, xadrez, entre outros para promover integração
entre a equipe.
42

Jornal Informativo onde serão publicadas quinzenalmente as notícias mais
importantes no ramo de transporte e notícias da empresa, além de curiosidades
diversas.
5.2 – Habilidades dos empreendedores
1 - Ana Claudia Luiz
Formação Acadêmica:
 Nível Superior em Letras
 Especialização em Marketing e Vendas
 MBA em Gestão Empresarial
Experiências Profissionais:
 13 anos de experiência com sócia-proprietária da empresa de transporte
profissional de pessoas “PlayBus.
 10 anos de experiência de gerenciamento administrativo do colégio “Brasília”,
escola de ensino fundamental e médio;
2 – Cristiane Maria Pereira de Godoy
Formação Acadêmica:
 Nível Superior em Pedagogia com especialização em orientação educacional e
educação especial
 Especialização em Marketing e Vendas
 MBA em Gestão Empresarial
Experiências Profissionais:
 16 anos de experiência na área gestão de vendas e manutenção de carteira de
clientes do segmento de varejo e segmentos especiais da empresa “Redecard”;
 06 anos de experiência na área de educação especial, coordenação pedagógica,
orientação educacional na instituição “Centro Social Nossa Senhora da Penha”.
3 – Dayani Silva de Almeida
Formação Acadêmica:
 Nível Superior em Tecnologia em Processos de Produção
43
 Especialização em Administração Geral
 MBA em Gestão Empresarial
Experiências Profissionais:
 02 anos de experiência como coordenadora de recursos humanos da área de
logística operativa da empresa “Volkswagen”.
 06 anos de experiência com staff a gerência da área de Armação de carrocerias
da empresa “Volkswagen”.
4 – Dilmar de Oliveira Souza
Formação Acadêmica:
 Nível Superior em Economia
 Especialização em Sistemas da Informação
 MBA em Gestão Empresarial
Experiências Profissionais:
 24 anos de experiência como coordenador de TI na empresa ZF do “Brasil”;
 04 anos de experiência como analista de software na “Ticket Restaurante”.
5 – Eduardo Pelaes Garcia
Formação Acadêmica:
 Nível Superior em Administração de Sistemas de Informação
 Especialização em Engenharia de Produção
 Especialização em Logística Integrada à Controladoria
 MBA em Gestão Empresarial
Experiências Profissionais:
 05 anos de experiência como gestor de unidade da logística operativa da
empresa “Volkswagen”;
 10 anos de experiência como analista de processo de produção da área de
Armação de carrocerias da empresa “Volkswagen”.
6 – Nevio Cacioli Junior
Formação Acadêmica:
 Nível Superior em Engenharia Industrial Mecânica
44
 Especialização em Administração Industrial
 MBA em Gestão Empresarial
Experiências Profissionais:
 12 anos de experiência como engenheiro industrial na área de Força Motriz da
empresa “Volkswagen”;
 06 anos de experiência como analista processos na empresa “Cofap”;
 02 anos de experiência como orçamentista técnico na empresa “Stringal”.
6 – Wagner Aparecido de Almeida
Formação Acadêmica:
 Nível Superior em Engenharia Elétrica
 Especialização em Administração
 MBA em Gestão Empresarial
Experiências Profissionais:
 07 anos de experiência como gerente comercial da empresa “Brasil
Telecom/Oi”;
 04 anos de experiência como gerente comercial da empresa “Telefônica”;
 14 anos de experiência como consultor técnico de telecomunicações da
empresa “CTBC”.
45
6 - Responsabilidade Social e Ambiental
6.1 - Responsabilidade Social
Com o surgimento de novas demandas e maior pressão por transparência nos negócios, as
empresas estão adotando uma postura mais responsável em suas ações. A responsabilidade
social é focada na cadeia de negócios da empresa e engloba preocupações com um público
maior (acionistas, funcionários, prestadores de serviço, fornecedores, consumidores,
comunidade, governo e meio ambiente).
A ética é a base da responsabilidade social, expressa nos princípios e valores adotados pela
organização. Não existe responsabilidade social sem ética nos negócios, uma empresa que
paga mal seus funcionários, corrompe a área de compras de seus clientes, paga propinas a
fiscais do governo e ao mesmo tempo, desenvolve programas sociais para comunidade, não
pode ser verdadeiramente reconhecida por ter Responsabilidade Social.
A pressão por produtos e serviços socialmente corretos faz com que empresas adotem
processos de reformulação interna para se adequarem às normas impostas pelas entidades
certificadoras, já que existe também vantagens competitivas em adquirir certificações que
atestem sua boa prática empresarial. Entre algumas das certificações mais cobiçadas
atualmente enumeramos as seguintes:

Selo Empresa Amiga da Criança, criado pela Fundação Abrinq para empresas
que não utilizem mão-de-obra infantil e contribuam para a melhoria das
condições de vida de crianças e adolescentes.

AA1000 foi criada em 1996 pelo Institute of Social and Ethical Accountability.
Esta certificação de cunho social enfoca principalmente a relação da empresa
com seus diversos parceiros, ou “stakeholders”. Uma de suas principais
características é o cárater evolutivo já que é uma avaliação regular (anual).

SA8000 – A “Social Accountability 8000” é uma das normas internacionais
mais conhecidas. Criada em 1997 pelo Council on Economic Priorities
Accreditation Agency (CEPAA). o SA8000 enfoca, primordialmente, relações
trabalhistas e visa assegurar que não existam ações anti-sociais ao longo da
cadeia produtiva, como trabalho infantil, trabalho escravo ou discriminação.
46
6.1.1 - Ações da empresa na área de Responsabilidade Social, contribuindo para a
melhoria da sociedade vizinha:

Selo Gesto Cidadão:
Apoio às entidades filantrópicas com doações de transporte de passageiros em
atividades de lazer e cultura, sendo uma parceria com a escola pública próximo
à garagem da Mooca, em excursões para os principais museus e parques da
cidade de São Paulo.

Incentivo a Educação dos filhos de funcionários:
Anualmente, no mês de Fevereiro é proporcionadas uma atividade com as
famílias dos funcionários, contando com atividades para as crianças como:
participação de DJ, pintura artística, cama elástica, piscina de bolinhas e
distribuição de lanches. Durante este evento, a empresa entrega uma bolsa para
cada criança com o kit escolar para o ano letivo e motiva os pais a manterem
seus filhos na escola, já que a educação é a maior herança que pais podem
deixar aos seus filhos, independente de classe social, raça ou credo – fonte da
Diretoria.
6.2 - Responsabilidade Ambiental
A Gestão Ambiental deve ser um conjunto de diretrizes, estratégias, ações e procedimentos
para proteger os meios físico, biótico e os grupos sociais deles dependente. Atualmente,
tornou-se mais presente a cada dia e ainda observando-se que o lixo ou poluição antes, agora
passa a ser entendido como desperdício para reciclagem.
Segundo Donaire (1999, p.15), "No principio as organizações precisavam preocupar-se
apenas com a eficiência dos sistemas produtivos", gerar um lucro cada vez maior, padronizar
cada dia mais o desempenho dos funcionários, essa visão industrial que as organizações
idealizavam, foi tornando-se, ao longo dos anos, cada vez mais enfraquecida.
O mesmo autor afirma que: os administradores começaram a ver que suas organizações não se
baseavam somente, nas responsabilidades referentes a resolver problemas econômicos
fundamentais (o que produzir, como produzir e para quem produzir) têm presenciado o
surgimento de novos papéis que devem ser desempenhados, como resultado das alterações no
ambiente em que operam. Donaire (1999, p.15).
47
Em Estocolmo na Suécia (1972) na Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente, a
questão ambiental foi inserida no meio das organizações de forma definitiva. Sendo
considerada no inicio como uma restrição regulatória imposta pelo governo e a partir da
conferência, muitas normas e obrigações foram exigidas, tanto pelos órgãos reguladores,
como pela própria sociedade.
6.2.1 - Norma ISO 14000 - Sistema de Gestão Ambiental
Conforme Oliveira (2005), a ISO 14000 é uma série de padrões, internacionalmente
reconhecidos, por estruturar o Sistema de Gestão Ambiental (SGA) de uma organização e o
gerenciamento do desempenho ambiental. As empresas ao implantar um SGA devem investir
tempo para o planejamento, já que as atividades não são simples. As atividades são de uma
complexidade onde a administração da organização precisa envolver todos em seu processo.
A conscientização com os aspectos ambientais da sociedade onde a empresa está inserida, faz
com que as organizações que implantam a ISO em suas administrações, tenham uma
vantagem competitiva em relação aos demais concorrentes, pois o consumidor enxergará essa
organização não somente uma prestadora de serviços comum, mas sim como uma empresa
que está interagindo com o interesse da sociedade. Se o consumidor pode escolher entre duas
empresas com preço e qualidade similar, certamente ele dará prioridade a empresa que tem
com o meio ambiente uma relação não danosa.
6.2.2 - Aspectos positivos e negativos da empresa para o Meio Ambiente
Podemos destacar dentre os aspectos positivos que a empresa encontra-se legalmente
enquadrada na Legislação Ambiental brasileira vigente e contribui de forma eficaz com o
meio ambiente, quando faz uso do biodiesel na frota de ônibus, este produto tem pouca
emissão de partículas de carvão, é constituído de carbono neutro. As plantas capturam todo o
CO2 emitido pela queima do biodiesel e separam o CO2 em Carbono e Oxigênio,
neutralizando suas emissões.
Estas emissões de gases na atmosfera, poderiam destacar-se como efeito negativo, porém as
mesmas encontram-se adequadas e são administradas através de inspeções veiculares, uma
forma eficaz de controlar a emissão de gases poluentes liberados pelos escapamentos dos
veículos.
48
As inspeções são realizadas pela empresa “Controlar”, conforme anexo 4 – Calendário de
Inspeção Veicular Ambiental, criada por um consórcio vencedor da licitação realizada pela
Prefeitura Municipal de São Paulo para a implantação e operação do Programa de Inspeção e
Manutenção de veículos movidos a diesel, inclusos ônibus, vans e pick-ups em uso na cidade
a partir de 2008, conforme Art. 5º da Lei Municipal 11.733/ 95 e Art. 9º da Resolução
Conama 7/93.
6.2.3 - Atendimento à Legislação na área de Manutenção da Garagem da empresa:
Tanque de combustível e abastecimentos de ônibus:

O tanque de combustível diesel subterrâneo, possui um sistema de detecção de
vazamentos e tubulações, além de controle de estoque considerando as características
do mesmo e de acordo com a NBR 14632 da ABNT. Deve ser apresentado projeto
para o poço de monitoramento adotado contendo a descrição do método,
características construtivas ou técnicas;

A área de abastecimento deve ser construída de piso impermeável (cimento liso),
possuindo sistemas de drenagem de águas pluviais, lavagem de piso e eventuais
derrames de combustível de modo a serem coletados para a caixa separadora de água /
óleo;
Oficina:

O óleo lubrificante usado somente poderá pertencer à fornecedores que possuam
licença de órgão ambiental, conforme Resolução CONAMA nº 09/93, de 31/08/90 e
cadastro junto à Agência Nacional do Petróleo (ANP);

A área de troca de óleos lubrificantes, deve conter uma caixa separadora de água / óleo
evitando vazamentos e que possa ter as funções de coletar, separar e filtrar as águas
residuárias, de maneira que não proporcione nenhum impacto ao meio ambiente;

A área de lavagem dos veículos deve conter piso impermeável e drenagem da água
para a caixa separadora de água / óleo;

Para o descarte de resíduos sólidos, deve ser feito o armazenamento para resíduos
classificados como Classe I (perigosos): lodo gerado pela caixa separadora, panos e
49
estopas contaminados, filtros de ar e óleo usados, etc. e este descarte deve ser
realizado de acordo com a Norma Técnica NBR 12235 da ABNT;
Descarte de pneus:
Conforme o artigo 11º disposto na resolução 258/99, os distribuidores, os revendedores e os
consumidores finais de pneus em acordo com os fabricantes, importadores e o poder público,
deverão colaborar na articulação de processos, onde deverão criar planos de coletas dos
pneumáticos inservíveis.
A Prefeitura Municipal de São Paulo e a Reciclanip, braço ambiental da Associação Nacional
da Indústria de Pneumáticos (ANIP), firmaram convênio para a abertura de cinco pontos de
coleta e destinação de pneus inservíveis da cidade nas subprefeituras de Santo Amaro,
Butantã, Vila Maria/Vila Guilherme, São Miguel e Itaquera.
Para esta parceria, a Prefeitura oferece os locais para recepção das caçambas estacionárias
colocadas à disposição pela Reciclanip para acondicionamento dos pneus, que serão retirados
e encaminhados para uma destinação adequada. De um modo geral os pneus velhos são
utilizados no co-processamento na indústria de cimento, na fabricação de pó de borracha,
artefatos, asfalto e como matéria-prima para solado de sapatos e dutos fluviais.
50
7 - Posicionamento Estratégico
O posicionamento estratégico são escolhas envolvendo decisões fundamentais da empresa.
Através delas a empresa vai determinar o perfil do cliente a ser atendido, definir atributos e
criar uma determinada cadeia de valores, garantindo que a empresa esteja sempre na mente de
seus clientes. Este planejamento deve ter como base a missão, visão, princípios e valores da
empresa, na definição das estratégias que serão adotadas para alcançar os objetivos, avaliando
os ambientes externos e internos.
A estratégia deve servir para orientar a empresa e segundo Ansoff, Declerck e Hayes (1981),
o planejamento da postura estratégica esta em dois desafios: o primeiro, denominado Análise
de Competitividade, consiste em decidir como a empresa conseguirá êxito em cada área
estratégica do negócio em que pretende atuar e o segundo, é integrar seus objetivos
estratégicos nas diversas áreas numa direção global. Estas estratégias devem estar alinhadas
nos seguintes aspectos: análise da estrutura da empresa, posições de mercado e contexto
econômico e altamente competitivo no qual as organizações obtêm margens de lucro baseadas
no gerenciamento da cadeia de valor.
7.1 - Estratégia de mercado no posicionamento estratégico
Nossa empresa estará posicionada em dois nichos de mercado que serão explorados:
- A conquista dos usuários de automóveis próprios, para o transporte contínuo de fretamento;
- Transporte para eventos direcionados para as escolas públicas e particulares, e outros fins.
Teremos ainda outro posicionamento quanto a preocupação com o meio ambiente, que poderá
nos diferenciar frente à concorrência.
O que nos motivou a definir este posicionamento estratégico para a empresa quanto a sua
entrada no mercado, foi uma pesquisa que realizamos em prédios comerciais na região da
Berrini, Paulista e Faria Lima e vários usuários de ônibus fretados na região da Zona Leste
em São Paulo, além de outras pesquisas nas escolas públicas e particulares. Buscamos
identificar os clientes potenciais e definir os melhores itinerários.
Nossa abordagem de convencimento aos clientes potenciais será baseada na oferta de
vantagens de um fretamento versus o dia a dia no trânsito em um automóvel próprio, como:
comodidade, conforto, rapidez, segurança, economia financeira e possibilidade de
desenvolvimento de outras atividades durante o percurso.
51
De acordo com Tamelini (2009), por ser insuficiente, a utilização do transporte público vem
perdendo terreno gradativamente para o transporte individual. Com uma frota crescente e vias
de menos, as dificuldades de mobilidade e de estacionamento estão cada vez maiores.
O serviço de fretamento para os clientes e empresas que o contratam significam a melhoria de
produtividade e pontualidade dos funcionários, além de oferecer melhoria na qualidade de
vida proporcionando conforto e qualidade no transporte para o trabalho (ida / volta) ou
atividade fim. Outro fator importante e muito valorizado pelo usuário e sua família esta na
segurança em função das condições de trânsito e assaltos.
Nossos percursos são os mais variados, desde pequenos deslocamentos diários até viagens
internas a grandes empresas, municipais, metropolitanas, intermunicipais.
Estes podem ser alguns argumentos para incentivar e convencer o passageiro do automóvel a
trocá-lo por um transporte fretado.
Porém o argumento maior ainda é o alto custo de utilização do automóvel, que pode ser
explorado da seguinte forma:

Custo real - é aquele cujo cálculo leva em consideração a desvalorização do veículo, o
custo do financiamento para aquisição do veículo, taxas de licenciamentos, impostos,
seguros, manutenção com peças/serviços e combustível.

Custo percebido - é aquele que o motorista sente e identifica como desembolso e que
se resume ao combustível, pedágio e o estacionamento.
7.2 - Os objetivos, indicadores de desempenho e metas da Transprof
Abaixo detalhamos nossos objetivos, indicadores e iniciativas que farão parte do
posicionamento estratégico da empresa:
TABELA 5 – Faturamento do capital investido
Objetivo
Indicadores de desempenho
Faturamento Anual
Fonte: Autoria do grupo
Obter faturamento que remunere o capital investido.
Meta 2010
Meta 2011
Meta 2012
R$ 1,944 M
R$ 2,061 M
R$ 2,184 M
52
Iniciativas:
 Elevar a taxa de ocupação dos ônibus divulgando o serviço nas regiões do itinerário.
 Realizar eventos pontuais nos prédios comerciais na região da Av.
Luís Carlos
Berrini, Av. Paulista, e Av. Brigadeiro Faria Lima com o intuito de conquistar novos
clientes.
 Oferecer serviço de fretamento eventual junto as empresas e escolas na Região
Metropolitana.
TABELA 6 – Reconhecimento de mercado
Objetivo
Ser reconhecido no mercado como uma empresa preocupada com o
meio ambiente.
Indicadores de
Meta 2010
Meta 2011
Meta 2012
desempenho
Resultado nas pesquisas
Atingir 70% de
Atingir 80% de
Atingir 90% de
(percepção/aceitação dos
aceitação
aceitação
aceitação
clientes)
Fonte: Autoria do grupo
Iniciativas:
 Divulgar a iniciativa da empresa em utilizar o biodiesel e descarte consciente dos
resíduos que agridem a natureza.
53
8 - Planejamento das atividades Mercadológicas
8.1 - Comunicação mercadológica
Com o posicionamento estratégico definido anteriormente, procuramos manter em nosso
plano de marketing um formato coerente com nossas definições de, missão, visão e valores.
Estaremos explorando os seguintes pontos:

Um plano de marketing focado ao usuário de automóvel particular e
divulgação focada em escolas públicas e particulares da região metropolitana
de São Paulo.

Mix de serviços oferecidos com as opções de fretamento contínuo ou eventual.

A implantação de um estacionamento de automóveis para nossos clientes que
será disponibilizado no endereço de nossa futura garagem que se encontrará
afastada do centro expandido de São Paulo, na região da Zona Leste. Criando
assim, um tipo de terminal que possa integrar perfeitamente com os ônibus
fretados;

Atendimento diferenciado, onde a empresa não trate o passageiro como um
simples consumidor, e sim como um cliente. Serão respeitados os desejos,
considerações e reclamações dos clientes, estaremos disponibilizando um
ponto focal de atendimento que tenha condições de ouvir e dar um tratamento
adequado para cada solicitação/reclamação (a ser definido posteriormente).
Para esta diferenciação, será realizados uma seleção criteriosa dos profissionais
com perfil adequado ao tratamento do público/cliente, os mesmos serão
capacitados através de treinamentos específicos para cada função;

Uma sala VIP com café, chás e água, TV , sofás, poltronas, jornais, principais
revistas e WCs . Daremos ainda a oportunidade dos clientes contratarem “Kits
de café da manhã” através de uma parceria com empresa terceirizada.

Compromisso com o meio ambiente. Uma parte da frota de ônibus será
abastecida com a mistura biocombustível B30 (O B30 é uma mistura
constituída por 30% de biodiesel, 8% de álcool e 62% de diesel, tendo como
matérias-primas básicos óleos vegetais e cana-de-açúcar), o que deve
54
contribuir para a redução da poluição na cidade, agregando uma imagem de
Responsabilidade Social a Empresa.
8.1.1 - Fatores Críticos de Sucesso

Excelência no atendimento ao cliente;

Qualificação dos profissionais;

Marketing integrado;

Qualidade e eficiência dos serviços prestados;

Itinerário;

Disponibilidade de ônibus nos horários pré-definidos;

Segurança;

Limpeza;

Preço compatível com a necessidade de mercado.
8.1.2 - “BRAINSTORMING” Sobre os possíveis requisitos dos Clientes

Preço inferior ao praticado no mercado;

Itinerário;

Disponibilidade de ônibus nos horários pré-definidos;

Mão-de-obra qualificada;

Agilidade / Prontidão no atendimento;

Segurança;

Limpeza;

Conforto;

Pós Venda;

Melhoria Continua.
8.1.3 - Pesquisa realizada para avaliar o grau de importância dos requisitos de uma
empresa de transporte de pessoas por fretamento.
No anexo1 – Pesquisa de satisfação estão os modelos de formulários que distribuímos ao
público de ônibus fretado e possíveis clientes na região da Av. Luís Carlos Berrini, Av.
55
Paulista e Av. Brigadeiro Faria Lima, em São Paulo, para colher as informações detalhadas
conforme segue abaixo com as escalas de pontuação e os resultados da Pesquisa:
8.1.3.1 - Critérios para Medir o Grau de Importância
TABELA 7 – Grau de importância
Escala Numérica
Descrição
(Notas)
5
Muito importante
4
Importante
3
Moderadamente importante
2
Pouco importante
1
Sem importância
Fonte: Autoria do grupo
8.1.3.2 - Critérios para Medir o Grau de Satisfação
TABELA 8 – Grau de satisfação
Escala Numérica
Descrição
(Notas)
5
Muito satisfeito
4
Satisfeito
3
Moderadamente satisfeito
2
Pouco satisfeito
1
Muito insatisfeito
Fonte: Autoria do grupo
56
8.1.3.3 - Avaliação da disponibilidade dos serviços prestados
TABELA 9 – Avaliação da disponibilidade dos serviços prestados
Requisitos dos clientes
Grau de
importância
Flexibilidade no itinerário.
Pontualidade dos ônibus fretados quando passarem nos pontos de embarques.
Cordialidade e respeito na individualidade dos passageiros por parte dos motoristas
dos ônibus fretados.
Apresentação pessoal dos funcionários.
Ouvidoria.
Grau de
satisfação
5
5
5
3
4
4
4
4
4
3
Fonte: Autoria do grupo
8.1.3.4 - Avaliação da qualidade, conforto e segurança dos Ônibus
TABELA 10 – Avaliação da qualidade, conforto e segurança dos ônibus
Requisitos dos clientes
Grau de
importância
Ar condicionado.
Limpeza e higienização.
Motoristas bem treinados para direção defensiva.
Ônibus novos e modernos.
Disponibilidade de TV.
Banheiros
5
5
5
5
4
5
Grau de
satisfação
2
4
4
3
3
4
Fonte: Autoria do grupo
8.1.3.5 - Avaliação do Preço
TABELA 11 – Avaliação do preço
Requisitos dos clientes
Ônibus fretado deve oferecer um custo inferior ao de um automóvel próprio.
È aceitável um custo superior ao de mercado, quando houver benefícios.
(ex. acesso a internet)
Facilidade de pagamento.
Fonte: Autoria do grupo
Grau de
importância
Grau de
satisfação
5
5
4
3
4
4
57
8.1.3.6 - Avaliação de Pós-Venda
TABELA 12 – Avaliação de pós-venda
Requisitos dos clientes
Grau de
importância
Programa de fidelidade
Pesquisa de satisfação
Comunicação com o cliente via Internet, para agradecimentos e informações.
5
4
5
Grau de
satisfação
3
3
3
Fonte: Autoria do grupo
8.1.3.7 - Análise dos Resultados da Pesquisa
Relacionamos abaixo vários itens importantes na avaliação dos usuários de transporte de
passageiro por meio de fretamento que as empresas atuais não estão atendendo com satisfação
plena dos clientes:

Flexibilidade no itinerário;

Ouvidoria;

Ar condicionado;

Ônibus novos e modernos;

Disponibilidade de TV;

É aceitável um custo superior ao de mercado, quando houver benefícios (ex.
acesso a internet).
8.1.3.8 - Conclusão da Pesquisa
Através dos resultados da pesquisa acima, percebermos que mesmo com a grande quantidade
de concorrência no mercado ainda há espaço para uma nova empresa de transporte de
passageiros no modelo de fretamento. Temos que explorar as deficiências atuais dos
concorrentes para surpreendermos nossos futuros clientes e conquistá-los através de uma
excelente prestação de serviço. Disponibilizaremos novos itinerários e mais flexíveis que os
atuais, com ônibus novos, modernos, ar condicionado e TV, e ainda se preparar para oferecer
novos serviços agregados, exemplo: acesso internet, engraxate, etc.
58
8.1.3.9 - Plano de Ação
Com a definição de atuarmos na região metropolitana de São Paulo e inicialmente na Zona
Leste, focaremos em nosso público alvo que são os usuários de carros próprios e as escolas
públicas e particulares. Utilizaremos a ferramenta de Marketing os “4 Ps” para organizar a
nossa atuação no mercado em busca dos clientes. A seguir estaremos detalhando os “4 Ps”.
8.2 - Política de preço
Definimos inicialmente atuar na região da Zona Leste de São Paulo, sendo os usuários de
carros particulares o principal público alvo a serem conquistados. Estaremos disponibilizando
um estacionamento para nossos clientes em nossa garagem na região, desta forma decidimos
iniciar nossas atividades com 7 ônibus sendo: 5 novos e 2 semi-novos adquiridos através de
capital próprio dos sócios.
Consideramos também os seguintes insumos mensais: Salários, diesel, óleo de motor, óleo de
cambio, pneu, recapagem, câmara de pneu, protetor, seguros entre outros, que serão
detalhados no “Planejamento Financeiro capítulo 12 ”.
Avaliamos ainda os preços praticados no mercado pela concorrência conforme segue tabela
abaixo, levando as seguintes considerações:

Os valores apresentados na tabela representam os preços médios para cada tipo de
serviço no mês;

A variação mensal é resultante direta da variação dos custos operacionais necessários
para realizar o transporte de passageiros. A este custo somam-se as despesas
administrativas, custo financeiro, imposto e a margem de lucro.

Comparando o valor do mês atual em relação ao valor do mês anterior é possível
identificar a variação positiva ou negativa, denominada Índice de Custos do
Fretamento ICF.
Os valores referem-se a seis tipos de serviços:

Entrada e Saída com ônibus Standard;

Três Turnos com ônibus Standard;

Entrada e Saída com ônibus Luxo;
59

Três Turnos com ônibus Luxo;

Turismo com ônibus Super Luxo;

Entrada e Saída com Microônibus.
TABELA 13 - Preço médio de Fretamento
Mês
fev/08
mar/08
abr/08
mai/08
jun/08
jul/08
ago/08
set/08
out/08
Standart E/S
R$/mês
14.897,81
14.931,24
14.928,90
15.357,34
15.315,80
15.604,15
15.625,37
15.856,08
15.862,07
Standart 3T
R$/mês
24.102,89
24.147,04
24.137,39
25.111,83
25.003,53
25.480,44
25.514,81
25.839,55
25.854,31
Luxo E/S
R$/mês
20.046,92
20.094,75
20.092,41
20.520,86
20.479,31
20.856,64
20.884,47
21.234,21
21.240,51
Luxo 3T
R$/mês
30.497,56
30.559,04
30.549,39
31.523,84
31.415,53
31.999,34
32.041,40
32.509,54
32.525,09
Super Luxo
R$/mês
28.252,18
28.326,24
28.319,33
28.916,18
28.833,51
29.450,58
29.496,32
30.000,35
30.011,83
Micro Ônibus
R$/mês
10.130,73
10.130,73
10.131,77
10.465,71
10.442,79
10.791,74
10.816,47
10.984,18
10.987,50
Fonte: http://www.transfretur.org.br/
Tabela 14 – Evolução dos índices de custos de fretamento
Mês
jan/08
fev/08
mar/08
abr/08
mai/08
jun/08
jul/08
ago/08
set/08
out/08
Standart E/S
%
Índice
no mês
205,16
0,57
205,8
0,31
206,27
0,22
206,23
-0,02
212,15
2,87
211,58
-0,27
215,56
1,88
215,85
0,14
219,04
1,48
219,12
0,04
Standart 3T
%
Índice
no mês
196,45
0,38
196,92
0,24
197,28
0,18
197,2
-0,04
205,16
4,04
204,27
-0,43
208,17
1,91
208,45
0,13
211,1
1,27
211,22
0,06
Luxo E/S
%
Índice
no mês
205,81
0,63
206,5
0,34
207
0,24
206,97
-0,01
211,39
2,13
210,96
-0,2
214,84
1,84
215,13
0,13
218,73
1,67
218,8
0,03
Luxo 3T
Índice
199,99
200,53
200,94
200,87
207,28
206,57
210,41
210,68
213,76
213,86
%
no mês
0,47
0,27
0,2
-0,03
3,19
-0,34
1,86
0,13
1,46
0,05
Super Luxo
%
Índice
no mês
204,09
0,67
204,84
0,36
205,37
0,26
205,32
-0,02
209,65
2,11
209,05
-0,29
213,52
2,14
213,86
0,16
217,51
1,71
217,59
0,04
Micro Ônibus
%
Índice
no mês
140,07
0,55
140,49
0,3
140,49
0
140,5
0,01
145,13
3,3
144,82
-0,22
149,65
3,34
150
0,23
152,32
1,55
152,37
0,03
Fonte: http://www.transfretur.org.br/
8.3 - Promoção
8.3.1 – Propaganda

Anúncios (de pequeno porte) nos principais cadernos de transportes de jornais
locais da região Zona Leste, conforme anexo 5 – Modelo de Planfletos.

Veiculação em revistas especializadas de transporte, etc.
60
8.3.2 - Publicidade

Site na Internet, com fotos da frota de ônibus e opções de itinerário. Será
disponibilizado ao cliente o cadastro via “Web” indicando o interesse pelo
itinerário e horário desejado.

Realizaremos alguns eventos com o objetivo de abordar possíveis clientes nos
estacionamentos dos principais prédios da região metropolitana (a ser definido
posteriormente) em acordo com cada administração/condomínio dos prédios.
Serão apresentados por promotoras de vendas alguns “Folders” com alternativa
aos clientes de locomoção ao trabalho através de ônibus fretado, deixando o
carro particular em casa e ajudando a diminuir a poluição ao meio ambiente.

Mala-direta para o público-alvo, obtida através de administradoras de cartões
de crédito e listas telefônicas da região Zona Leste.
8.3.2.1 - Relações Públicas

Cadastro nas entidades governamentais de transporte do país;

Associação a sindicatos da região de São Paulo;

Cadastros em sites de buscas, como Google, Altavista, Yahoo!, UOL, IG, etc.
8.4 - Produto
Fretamento profissional de pessoas através de ônibus fretados nos modelos Standard e Luxo,
nas modalidades abaixo:

Fretamento Contínuo: Aquele em que a empresa de fretamento é contratada
para uma quantidade definida de viagens. Em geral, os motivos das viagens
são a trabalho e estudo.

Fretamento Eventual: Aquele em que a empresa de fretamento é contratada
para a realização de uma ou mais viagens específicas, cujos motivos são,
excursões, eventos religiosos, culturais, lazer, etc;
61
8.5 - Distribuição
Iniciaremos nossa atividade atendendo a região metropolitana de São Paulo, e como público
alvo inicial focaremos
os profissionais que residem na região da Zona Leste, e que
necessitem se locomoverem até a região da Faria Lima, Luis Carlos Berrini, Paulista, entre
outros a serem decididos posteriormente.
Temos a seguir alguns dados da região metropolitana de São Paulo que nos levou a tomar esta
decisão inicial:
FIGURA 4 - Região Metropolitana de São Paulo
Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Regi%C3%A3o_Metropolitana_de_S%C3%A3o_
A Região Metropolitana de São Paulo, conhecida como Grande São Paulo, reúne 39
municípios do estado de São Paulo em intenso processo de conturbação.
Possui 19.616.060 habitantes, é o maior centro urbano do Brasil e da América do Sul, e a
sexta maior área urbana do mundo.
Sua área territorial é de 7.944 km², que corresponde a menos de um milésimo da superfície
brasileira e pouco mais de 3% do território paulista.
A área urbanizada corresponde em torno de 221 mil quarteirões, próximo de 2.209 km².
No aspecto econômico, conforme descrito no site WIKIPEDIA.ORG (2008, p. 2):
“A Região Metropolitana de São Paulo é o maior pólo de riqueza
nacional. A renda per capital atinge cerca de US$ 12.000 na
paridade de poder de compra. A metrópole detém a centralização
62
do comando do grande capital privado, concentrando a maioria
das sedes brasileiras dos mais importantes complexos industriais,
comerciais e principalmente financeiros, que controlam as
atividades econômicas no País. Esses fenômenos fizeram surgir e
condensar na região metropolitana uma série de serviços
sofisticados, definidos pela íntima dependência da circulação e
transporte de informações: planejamento, publicidade, marketing,
seguro, finanças e consultorias, entre outros. A região exibe um
Produto Interno Bruto (PIB) de R$ 416,5 bilhões, o que
representa 57,3% do PIB paulista.”
8.5.1 - Demografia
FIGURA 5 - Evolução demográfica da Região Metropolitana de São Paulo
Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Regi%C3%A3o_Metropolitana_de_S%C3%A3o_Paulo
No aspecto demográfico, conforme descrito no site WIKIPEDIA.ORG (2008, p. 2):
A população, segundo estimativas do IBGE para o ano de 2007, é
de cerca de 19,6 milhões de habitantes, o que significa que
aproximadamente um em cada dez brasileiros mora nesta área
metropolitana. Tal contingente é 66% superior ao da Região
Metropolitana do Rio de Janeiro, a segunda mais populosa do
Brasil, com cerca de 11,8 milhões de pessoas. Conseqüentemente,
a Região Metropolitana de São Paulo figura entre os seis maiores
aglomerados urbanos do mundo, incluindo Tóquio, Cidade do
México, Nova Iorque, Seul e Bombaim.
63
8.6 - Projeções de vendas e custos
8.6.1 - Projeções de vendas:
Nas tabelas “Plano estratégico” detalhadas abaixo, consideramos uma determinada taxa de
ocupação para o fretamento na modalidade contínuo, e ainda a quantidade de ônibus
contratados na modalidade eventual durante os dias da semana e final de semana.
TABELA 15 – Plano estratégico anual
Plano estratégico para Janeiro de 2010 / obs.: A operação inicia-se a partir de 16/01/2009
Quantidade de ônibus
Passageiros
2ª
3ª
4ª
5ª
6ª
Taxa de
Tipo de fretamento feira
feira
feira
feira
feira Sábado Domingo
ocupação
40%
Contínuo
3
3
3
3
3
0
0
Eventual
0
0
4
4
4
6
6
Tipo de fretamento
Contínuo
Eventual
Plano estratégico para Fevereiro de 2010
Quantidade de ônibus
Passageiros
2ª
3ª
4ª
5ª
6ª
Taxa de
feira
feira
feira
feira
feira Sábado Domingo
ocupação
40%
3
3
3
3
3
0
0
0
0
4
4
4
6
6
Tipo de fretamento
Contínuo
Eventual
Plano estratégico para Março de 2010
Quantidade de ônibus
Passageiros
2ª
3ª
4ª
5ª
6ª
Taxa de
feira
feira
feira
feira
feira Sábado Domingo
ocupação
40%
3
3
3
3
3
0
0
0
0
6
6
6
6
6
Tipo de fretamento
Contínuo
Eventual
2ª
feira
5
0
Plano estratégico para Abril de 2010
Quantidade de ônibus
Passageiros
3ª
4ª
5ª
6ª
Taxa de
feira
feira
feira
feira Sábado Domingo
ocupação
40%
5
5
5
5
0
0
0
6
6
6
7
7
2ª
feira
5
0
Plano estratégico para Maio de 2010
Quantidade de ônibus
Passageiros
3ª
4ª
5ª
6ª
Taxa de
feira
feira
feira
feira Sábado Domingo
ocupação
50%
5
5
5
5
0
0
0
6
6
6
7
7
Tipo de fretamento
Contínuo
Eventual
64
Tipo de fretamento
Contínuo
Eventual
Plano estratégico para Junho de 2010
Quantidade de ônibus
Passageiros
2ª
3ª
4ª
5ª
6ª
Taxa de
feira
feira
feira
feira
feira Sábado Domingo
ocupação
60%
5
5
5
5
5
0
0
0
0
7
7
7
7
7
Tipo de fretamento
Contínuo
Eventual
Plano estratégico para Julho de 2010
Quantidade de ônibus
Passageiros
2ª
3ª
4ª
5ª
6ª
Taxa de
feira
feira
feira
feira
feira Sábado Domingo
ocupação
60%
5
5
5
5
5
0
0
0
0
7
7
7
7
7
Tipo de fretamento
Contínuo
Eventual
Plano estratégico para Agosto de 2010
Quantidade de ônibus
Passageiros
2ª
3ª
4ª
5ª
6ª
Taxa de
feira
feira
feira
feira
feira Sábado Domingo
ocupação
60%
5
5
5
5
5
0
0
0
0
7
7
7
7
7
Tipo de fretamento
Contínuo
Eventual
Plano estratégico para Setembro de 2010
Quantidade de ônibus
Passageiros
2ª
3ª
4ª
5ª
6ª
Taxa de
feira
feira
feira
feira
feira Sábado Domingo
ocupação
60%
5
5
5
5
5
0
0
0
0
7
7
7
7
7
Tipo de fretamento
Contínuo
Eventual
Plano estratégico para Outubro de 2010
Quantidade de ônibus
Passageiros
2ª
3ª
4ª
5ª
6ª
Taxa de
feira
feira
feira
feira
feira Sábado Domingo
ocupação
60%
5
5
5
5
5
0
0
0
0
7
7
7
7
7
Tipo de fretamento
Contínuo
Eventual
Plano estratégico para Novembro de 2010
Quantidade de ônibus
Passageiros
2ª
3ª
4ª
5ª
6ª
Taxa de
feira
feira
feira
feira
feira Sábado Domingo
ocupação
60%
5
5
5
5
5
0
0
0
0
7
7
7
7
7
Tipo de fretamento
Contínuo
Eventual
Plano estratégico para Dezembro de 2010
Quantidade de ônibus
Passageiros
2ª
3ª
4ª
5ª
6ª
Taxa de
feira
feira
feira
feira
feira Sábado Domingo
ocupação
50%
5
5
5
5
5
0
0
0
0
7
7
7
7
7
Fonte: Autoria do grupo
65
A seguir segue nossa expectativa do faturamento mês a mês para o ano de 2010 na tabela
“Projeção de Faturamento / ano 2010” considerado os seguintes valores unitários: R$ 990,00
para a contratação do fretamento na modalidade eventual e R$ 290,00 para a contratação do
fretamento na modalidade contínuo.
TABELA 16 – Projeção do faturamento 2010
Mês
Eventual (R$)
Contínuo (R$)
Total (R$)
Projeção do Faturamento / ano 2010
jan/10
fev/10
mar/10
abr/10
mai/10
jun/10
59.400,00 95.040,00 124.740,00 138.600,00 140.580,00 145.530,00
6.612,00 16.530,00 16.530,00 27.550,00 34.800,00 42.050,00
66.012,00 111.570,00 141.270,00 166.150,00 175.380,00 187.580,00
Mês
Eventual (R$)
Contínuo (R$)
Total (R$)
jul/10
ago/10
set/10
out/10
nov/10
dez/10
158.400,00 138.600,00 152.460,00 159.390,00 138.600,00 103.950,00
42.050,00 42.050,00 42.050,00 42.050,00 42.050,00 34.800,00
200.450,00 180.650,00 194.510,00 201.440,00 180.650,00 138.750,00
Faturamento ano 2010
Total (R$)
1.944.412,00
Fonte: Autoria do grupo
8.6.2 - Projeções de crescimento nas vendas para 2011 e 2012
TABELA 17 – Projeção de crescimento nas vendas para 2011 e 2012
Taxa de crescimento para o 2°, 3 ° ano
Ano
Taxa Crescimento
2011
6% a.a.
2012
6% a.a.
Fonte: Autoria do grupo
66
8.7 - Projeções dos custos variáveis:
TABELA 18 – Projeção dos custos variáveis
Descrição
Custo mensal
Combustível
R$ 26.000,00
Kit Troca de Óleo
R$ 447,00
Kit Pneu
R$ 1.533,33
Fonte: Autoria do grupo
9 - Estrutura legal do negócio
Toda empresa regularizada precisa atender uma série de requisitos para obtenção do registro.
Longe de serem apenas um entrave burocrático, esses requisitos garantem um mínimo de
segurança para o usuário do transporte e para aquele que contrata .Para obter um registro, a
empresa tem de cumprir determinadas exigências em vários aspectos .Toda regularização
jurídica, econômica e financeira é comprovada por documentação específica do setor . As
empresas são filiadas a entidades sindicais e fiscalizadas pelos órgãos competentes para o
efetivo cumprimento da legislação vigente. Emitem notas fiscais, recolhem impostos e geram
empregos formais e ainda mantêm apólices de seguro de responsabilidade civil para assegurar
tanto seus contratantes como o passageiro transportado”. O Setor de Transporte Rodoviário
de passageiros na Modalidade de Fretamento Continuo e Eventual como Regime Tributário
o Lucro Presumido.
9.1 - Em relação á Empresa Pessoa Jurídica
Instrumento Constitutivo, arquivado no registro de comércio estadual, onde conste, como
objeto social , a exploração do transporte coletivo de passageiros:

Cartão do CNPJ ;

Prova do Capital integralizado , cujo montante depende de cada órgão ;

Certidão negativa de Tributos Federais (Imposto de renda , PIS , COFINS ,
Contribuição Social sobre o Lucro Líquido ) ;

Certidão Negativa de tributos Estaduais ( ICMS , IPVA)

Certidão Negativa de Tributos Municipais ( ISSQN , IPTU ) ;
67

Certidão de Regularidade junto

Certidão de Regularidade junto ao INSS ;

Certidão de Quitação da Contribuição Sindical – patronal e dos empregados ;

Certidão Negativa de Falência e Concordata ;

Certidão Negativa quanto á Divida Ativa da União.
ao FGTS ;
9.1.1 - Em relação as instalações

Inventário, com descrição pormenorizada das instalações e do aparelho
técnico, adequado e disponível para a realização dos serviços.

Prova de disponibilidade permanente de garagem e oficina
próprias ou
arrendadas , adequadas para atendimento dos serviços de manutenção ,
estacionamento e circulação da frota .
9.1.2 - Em relação aos empregados
 Relação das equipes técnicas e administrativas da empresa;
 Mecânicos com no mínimo formação técnica;
 Motoristas com curso de qualificação para o transporte coletivo, ministrados por
entidades credenciadas pelo DETRAN
e que envolve princípios de direção
defensiva, primeiro socorros, legislação básica, noções de mecânica etc.; maior de 21
anos, habilitado na categoria “D“ há pelo menos 1 ano e obter aprovação no Curso de
Transporte Coletivo.
9.1.3 - Em relação aos veículos
Elencar os veículos disponíveis para a realização do serviço certificação de propriedade deles.
Cada órgão exige um número mínimo de veículos para permitir o registro. Somente são
aceitos veículos tipo ônibus ou microônibus.
Os serviços de transporte coletivo intermunicipal, sob o regime de fretamento serão
executados por veículos de características rodoviárias que satisfaçam as condições técnicas
que garantam a segurança, conforto e a higiene. Assim, não podem ser utilizados veículos
urbanos para esse tipo de serviço.
Instalação de tacógrafo (aparelho que mensura a velocidade), devendo a transportadora
mantê-lo em perfeito estado de funcionamento e analisar os disco-diagramas conforme
anexo 6 – Modelo de discos de tacógrafos, relativos a cada viagem realizada que deverão ser
68
guardados pelo prazo de 1 ano. Nenhum veículo poderá ter modificadas suas características
sem prévia autorização da autoridade de trânsito.
Os veículos empregados no transporte coletivo de passageiros terão: cores, logotipo,
inscrições e símbolos
distintos para cada transportadora conforme anexo 7 – Logotipo
Transprof, e deverão atender aos requisitos de identificação visual impostos pelo poder
concedente tais como: na parte de trás deve constar a inscrição visível da firma ou razão
social da empresa e, nas laterais, o nome fantasia da mesma; número de ordem ou prefixo
do veículo; letreiro indicativo do nome do cliente no caso de fretamento continuo e a palavra
turismo quando se tratar de fretamento eventual. Na parte interna, perfeitamente visível, deve
constar o endereço e os telefones da empresa transportadora; Certificado de Registro do
Veículo; cartão de identificação da tripulação ;número de ordem ou prefixo do veículo.
Submeter o veículo á vistoria anual ou semestral, de acordo com a idade, arcando com o
pagamento das taxas pertinentes .
O serviço de transporte profissional de pessoas por ônibus de fretamento é regulamentado e
inspecionado periodicamente por quatro órgãos públicos, dependendo da área geográfica em
que é realizado.
Conforme anexo 8 – Identificação dos órgãos competentes, “na área interestadual e
internacional, a competência é da ANTT – Agência Nacional de Transportes Terrestre, no
Estado de São Paulo, a regulamentação está sob responsabilidade da Artesp – Agência
Reguladora de Serviços Públicos de Delegados de Transporte do Estado de São Paulo e, nas
três regiões metropolitanas do estado de São Paulo (São Paulo, Santos e Campinas), a
responsável é a Secretaria do Estado dos Transportes Metropolitanos e a EMTU – Empresa
Metropolitana de Transportes Urbanos. Alguns municípios como, Campinas e Sorocaba (além
de São Paulo), já possuem normas específicas.
9.1.4 - Quando o serviço for interestadual ou internacional
Na área interestadual e internacional a competência para regulamentar e fiscalizar o transporte
é da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). A matéria está disciplinada no
Decreto 2.521/98 e Portaria no 17 da ANTT .
Para realizar viagens internacionais ou interestaduais é obrigatório que o veículo tenha um
seguro, cujo prêmio será de R$2.324.260,00, conforme anexos 9 – Orçamento de seguro dos
ônibus Luxo, 10 – Orçamento de seguro dos ônibus semi-novos.
Em síntese , é preciso observar os seguintes detalhes :

A empresa deverá ter registro na ANTT;
69

O veículo deverá estar cadastrado segurado e com a inspeção veicular na
validade ;

Nota Fiscal do Serviço;

A transportadora devera obter, antes do início da viagem, autorização de
viagem junto á ANTT . A Autorização é obtida por meio eletrônico (e – mail)
mediante uma série de informações
sobre: viagem, motoristas, veículo e
especialmente, uma relação fechada e sem rasuras de todos os passageiros
que viajarão, em formulário próprio, conforme anexo 11 – Autorização de
viagem, contendo nome e documento de identificação de todos. A ANTT
somente tolera a substituição de até 4 passageiros antes do inicio da viagem,
com ressalva no verso da autorização;

Viagens não autorizadas ou com passageiros
em desacordo com a lista
autorizada podem motivar a apreensão do veículo caso ele sofra alguma
fiscalização no percurso;

A Policia Rodoviária Federal e a própria ANTT fiscalizam as viagens nas
rodovias;

Sempre é preciso verificar se a cidade de destino da viagem tem alguma
exigência ou restrição com relação ao ingresso e estacionamento de veículo
de transporte coletivo no município . É sempre oportuno consultar a prefeitura,
a Secretaria de Turismo ou a de Transporte local com certa antecedência.
Muitos municípios cobram taxa, exigem senha de ingresso, pernoite , e
determinam área apropriada para o estacionamento de ônibus etc;

As viagens somente podem ser feitas em ônibus cadastrados junto a ANTT.
Não é permitido a utilização de veículos com capacidade inferior a 20
lugares
com exceção
de veículos adaptados
para maior conforto
dos
passageiros, como por exemplo os ônibus leito;

Todas as bagagens dos passageiros devem estar identificadas, conforme anexo
12 – Etiquetas de bagagens,
e condicionadas
no bagageiro, local mais
apropriado e seguro para seu transporte. A ausência de identificação nas
bagagens é passível de multa.

É proibido transportar passageiros em pé, salvo no caso de socorro de outro
veículo;

Crianças com até cinco anos de idade poderão ser transportadas no colo, mas
deverão constar na lista de passageiros para fins da autorização de viagem;
70

Acima de cinco anos é obrigatória a utilização de poltrona.
9.1.5 - Quando o serviço for intermunicipal
No Estado de São Paulo, a Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de
Transporte do Estado
de São Paulo (ARTESP) é que regulamenta a atividade , hoje
Disciplinada no Decreto 29.912/89 e demais Portarias que podem ser encontradas no site
Em síntese, é preciso observar os seguintes detalhes:

A empresa deverá ter registro na ARTESP

O veículo deverá estar com Declaração de Vistoria dentro da validade;

Comunicar a ARTESP via e-mail, conforme anexo 13 – Autorização de
viagem intermunicipal até 1 hora antes do início da viagem: data modalidade
do serviço, Origem/destino, e via principal utilizada e quantidade de
passageiros transportados;

É obrigatório porte da relação de passageiros, fechada e sem rasuras, em
formulário próprio, contendo nome e documento de identificação de todos os
passageiros;

Nota Fiscal do serviço;

Portar durante a viagem o comprovante de envio do e mail comunicando a
viagem

As viagens somente podem ser feitas em ônibus ou microônibus.
Obs.: Não são permitidos veículos tipo “Van“
9.1.6 - Quando o serviço for metropolitano
Nas três regiões metropolitanas do Estado de São Paulo (São Paulo, Santos e Campinas ) é a
Secretaria de estado dos Transportes Metropolitanos (STM) que tem a competencia para
disciplinar o assunto. No entanto, a parte operacional foi delegada, mediante convênio, para a
Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo (EMTU).
Em síntese , é preciso observar os seguintes detalhes:

A empresa deverá ter registro na STM;

Certificado de Registro do veículo de porte Obrigatório;
71

O veículo deverá estar com a vistoria ( selo fixado o pára brisa ) dentro da
validade;

As viagens podem ser feitas em ônibus ou microônibus, inclusive, co veículos
tipo “Van“.
É importante esclarecer que não há uma permissão de ligação entre as três Regiões
Metropolitanas do estado de São Paulo. Assim, se a viagem tem origem dentro da Região
Metropolitana de Campinas e como destino alguma cidade da Região Metropolitana de São
Paulo ou Santos e vice –versa , o serviço é considerado intermunicipal , sob a competencia
da ARTESP.
Saiba as cidades que compõem as Regiões Metropolitanas de São Paulo:
TABELA 19 – Regiões Metropolitanas
Região Metropolitana de São Paulo
Aruja
Barueri
Biritiba Mirim
Caieiras
Cajamar
Carapicuiba
Cotia
Diadema
Embu
Embu Guaçu
Ferraz de vasconcelos
Francisco Morato
Franco da Roch a
Guararema
Guarulhos
Itapecirica d a Serra
Itapevi
Itaq uaqu ecetuba
Jand ira
Juquitib a
Mairip ora
Mau á
Mogi das Cruzes
Osasco
Pirapo ra do Bom Jesus
Poá
Riberão Pires
Rio Grand e da Serra
Salesópolis
Santa Isab el
Santana do Parnaiba
Santo Andre
São Bernardo d o campo
São Caetano do Sul
São Lourenço da Serra
São Paulo
Suzano
Taboão da Serra
Vargem Grand e do Sul
Região Metropolitana de Santos
Bertio ga
Cubatão
Guarujá
Itan haém
Mongagu á
Peruíbe
Praia Gran de
Santos
São Vicente
Região Metropolitana de Campinas
Americana
Artur Nogueira
Campinas
Cosmópolis
Engenheiro Coelho
Holamb ra
Hortolând ia
Ind aiatuba
Itatiba
Jaguariuna
Monte Mor
Noe Odesa
Paulinia
Pedreira
San ta Bárbara D’oeste
Santo Antonio da Posse
Sumaré
Valinh os
Fonte: Guia de orientação para contratação do Serviço de fretamento (FRESP)
72
9.1.7 - Quando o serviço for municipal
Alguns municípios já regulamentaram a atividade de fretamento como Campinas, São Paulo
entre outros. Sempre que o transporte a ser contratado for somente dentro da área de um
município é necessário consultar a Prefeitura Municipal, Secretaria de Transportes, para
verificar se há legislação específica e quais os requisitos que a empresa transportadora deve
cumprir para assegurar uma viagem tranqüila .
9.1.8 - No município de São Paulo
No município de São Paulo, a Secretaria de São Paulo, a Secretaria de Transportes, através da
Diretoria de Transportes Públicos (DTP), é que regulamenta a atividade, hoje disciplinada na
Lei 13.241/2001, decreto 42.423/2002 e demais portarias que podem ser encontradas no site
http://portal.prefeitura.sp.gov.br/secretarias/transportes/organizacao/0017.
Em
síntese,
é
preciso observar os seguintes detalhes:
Para o exercício da atividade de fretamento de âmbito municipal a empresa deverá obter o
termo de Autorização específico, renovado periodicamente, expedido pela Secretaria
Municipal de Transportes e de porte Obrigatório:
Para obtenção do termo de Autorização e empresa deverá dispor de mais de um veículo e
realizar cadastramento na Secretaria Municipal de transportes, devendo atender aos seguintes
requisitos:

Habilitação dos veículos em vistoria técnica

Comprovação de Inscrição no cadastro dos Contribuintes Mobiliários do
Município de São Paulo (CCM) com prestador do serviço de transporte de
passageiros;

Comprovação de Inscrição
no Cadastro de Contribuintes Mobiliários do
Município de São Paulo (CCM ) como prestador do serviço de transporte de
passageiros ;

Comprovação de inscrição no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas ( CNPJ)

Apresentação de Contrato Social ou Estatuto Social devidamente registrados

Comprovação de Regularidade Fiscal perante a Fazenda Federal;
73

Comprovação de Regularidade Fiscal perante as fazendas Estadual e
Municipal, referente aos tributos relacionados com a atividade de transporte de
passageiros;

Comprovação de regularidade relativa á Seguridade Social ( INSS) e ao Fundo
de Garantia por Tempo de Serviço ( FGTS)

Operação dos veículos de transporte de passageiros somente com condutores
portadores da Carteira

Nacional de habilitação na categoria profissional “D“ ou “E“

Comprovação do licenciamento dos veículos indicados para a atividade no
estado de São Paulo

Cadastro dos Condutores

Os veículos destinados ao exercício da atividade de fretamento de âmbito
municipal não poderão ter tempo de uso superior a

I – ônibus: 20 (vinte) anos

II- demais veículos: 10 (dez) anos

Em algumas áreas da cidade de São Paulo não é permitida a circulação dos
veículos de fretamento, salvo exceção autorizada . O município também não
permte que os veículos fiquem estacionados em logradouros públicos.
9.1.9 - Contrato de Prestação de Serviços
No caso de transporte turístico ou eventual é sempre importante observar a descrição do tipo
de de veículo contratado e seus opcionais, quando houver, o roteiro da viagem e os horários,
as condições de pagamento e o cancelamento da viagem, e a previsão de substituição do
veículo, em caso de problemas técnicos.
Durante a viagem não é permitida a alteração dos itinerários, salvo por motivo de força maior,
como: enchentes, desmoronamentos, entre outros ou, a critério do motorista, quando o
percurso pré determinado não ofereça condições de segurança.
A substituição de passageiros tem normas próprias, segundo cada agência reguladora. A
empresa deve orientar os passageiros com relação aos procedimentos de segurança e ás
proibições. Os passageiros devem zelar pelo veículo e por seus equipamentos.
Quando for um transporte contínuo como é o caso de trabalhadores e estudantes a empresa
contratante deve exigir que a transportadora comprove que possui autorização do poder
público competente para realizar o transporte e que os veículos que serão utilizados também
74
estão autorizados e com as inspeções veiculares e dia. O contrato firmado deverá espelhar
condições acordadas entre as partes, com relação a:

Quantidade e tipo de veículos

Quantidade de passageiros

Itinerários e horários pré-determinados

Condições pré-definidas para substituição do equipamento em caso de quebra
ou avaria, preço e suas condições de reajuste
9.1.10 – Legislação fretamento contínuo e eventual de acordo com a Portaria 300 / 2008
Para realizar o fretamento Contínuo e Eventual no município de São Paulo, as empresas
devem exercer
suas atividades
com veículos devidamente regularizados portando os
seguintes documentos, conforme anexos 1 – Modelo de contrato de prestação de serviço, 14 –
CVS, 15 – TA, 16 – Contrato de prestação de serviços de fretamento contínuo.

CVS (Certificado de Vinculo Serviço) Original

Cópia autenticada do TA (Termo de Autorização)

Cópia autenticada do Formulário “Informações do Contrato da Prestação de
Serviço de Fretamento nos termos do Anexo I da portaria n 300/ 2008

Formulário “Informações de Percurso no Centro Expandido – Ida” Nos termos
do anexo II da Portaria n 300 / 2008

Formulário Informações de Percurso no Centro Expandido – Volta “Nos
termos do anexo III da Portaria n 300 / 2008

Formulário “Informações de Percurso Completo – Ida (anexo IV) da Portaria
No 300 / 2008

Formulário Informações de Percurso Completo – Volta (anexo V) da Portaria
No 300 / 2008
75
9.1.11 - Responsabilidade Civil
Segundo lições da Profª Maria Helena Diniz: “Responsabilidade Civil é a aplicação de
medidas que obriguem um pessoa a reparar dano moral ou patrimonial causados a terceiros,
em razão de ato por ela mesma praticado , por pessoa por quem ela responda ou de simples
imposição legal “.
A ampliação do conceito de responsabilidade civil aliada a conscientização da sociedade eu
busca cada vez mais reparo pelos danos morais ou patrimoniais sofridos fez explodir o
número de pedidos de indenizações na Justiça Brasileira.
Se por um lado isso é sinal da Conscientização do povo brasileiro, de outro, demanda maior
atenção na hora de contratar o serviço de transporte.
O Código Civil em vigor destina um capítulo exclusivo ao transporte de pessoas – art 730 e
seguintes. O objetivo do legislador é garantir a segurança, a integridade do passageiro e o
cumprimento das condições cordadas entre transportado e transportador.
Somente uma empresa regularmente constituída e autorizada a executar o transporte é que
reúne condições, inclusive, capacidade financeira, para cumprir as determinações legais.
9.2 - Um setor que gera impostos
A carga tributária o transporte de passageiro varia conforme o tipo de transporte e pode
oscilar de 12,49 % até 19,49 em média. Em operações de transporte realizadas dentro do
município , ou seja , com origem e destino dentro do município ocorre a incidência d ISSQN
(Imposto sobre serviço de qualquer natureza) que pode chegar a 5% conforme a legislação
local , a este percentual
soma-se o PIS (Programa de Integração Social) , COFINS
(Contribuição para o fins sociais) IRPJ
(Imposto de Renda Pessoa Jurídica) e CSLL
(Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido) que totalizam 12,49 % .
Nas operações de transporte realizadas
entre municípios ocorre a incidência de ICMS
(Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviço) cuja alíquota é de 12 % . Somando a
este percentual os demais impostos chega-se a uma carga tributária total de 19,49 %.
Não basta , entretanto , somar os impostos em cada tipo de operação de transporte é preciso
incorporar o reflexo da carga tributária sobre o custo da operação .
Com o reflexo da carga tributária sobre o custo de operação a incidência dos impostos nas
operações municipais passa de 12 ,49 % para 14,27 % e, nas intermunicipais de 19,49 %
para 24,21 % .
76
Não considerar adequadamente toda a carga tributária na definição do preço do transporte
de passageiros apesar de calcular corretamente os custos pode levar a preços equivocados
e abaixo do mercado.
TABELA 20 – Impostos do setor
Descrição
PIS
COFINS
IRPJ
CSLL
ICMS
ISS QN
Municipal
0,65%
3,00%
2,40%
1,44%
5,00%
Intermunicicpal
0,65%
3,00%
2,40%
1,44%
12,00%
-
Carga Tributária
12,49%
19,49%
Incidência no custo Total
14,27%
24,21%
Fonte: Guia de orientação para contratação do Serviço de fretamento (FRESP)
9.2.1 - Encargos mensais que incidem sobre a mão de obra:
Contratar bons profissionais e dar treinamento adequado deixaram de ser as únicas exigências
que o contratante deve fazer com relação aos motoristas e demais funcionários
das
empresas de transporte de passageiros . Hoje é preciso assegurar que estão devidamente
registrados , que a empresa recolhe todos os encargos e segue a convenção coletiva da
categoria . Registrar funcionários e cumprir a convenção coletiva custa caro . Considerando
os custos diretos e suas incidências os encargos sociais , dependendo do tipo de transporte
podem variar de 78% a 92 % , em média , os benefícios adicionais de acordo coletivo podem
chegar a 35 % . Somados encargos e benefícios para cada R$ 100,00 de salário é preciso
gastar mais R$ 140,30 o custo total é de R$ 240,30 . Como se não bastasse a grande
incidência dos encargos trabalhistas o poder arrecadador ainda exige que o contratante
desconte parte do faturamento gerado pelo contratado para recolher antecipadamente alguns
tributos . É o caso da parcela relativa ao INSS, sobre o valor da prestação de serviço deduz-se
que 30 % equivalem ao custo de mão–de–obra e sobre o resultado o contratante é obrigado
a recolher 11 % .
Se este valor não corresponder ao valor devido pela empresa de transporte esta deverá fazer a
compensação, o que no
financeiros.
mínimo, exigira mais recursos disponíveis
gerando custos
77
10 – Planejamento da abertura da empresa
Segue planejamento das atividades da exigidas no âmbito legal para abertura de uma empresa
de fretamento profissional de pessoas:
TABELA 21 – Cronograma de abertura da empresa
Fonte: Autoria do grupo
78
11 – Desafios do negócio proposto
O SEBRAE-SP constatou através de pesquisa que 35% das empresas fracassam no primeiro
ano de operação, e 71 % não conseguem chegar a cinco anos de vida.
Muitos são os fatores que levam as empresas ao fracasso, porém listamos o que poderia
impactar diretamente a nossa Empresa a Transprof.

Crise financeira e com indícios de uma possível recessão, conforme o cenário
atual do Brasil, e com origem na crise global, pode gerar as seguintes ameaças:

Os Bancos reduzirem drasticamente as linhas de crédito e também
aumentarem os juros. Nesta situação se tivermos algum problema de
fluxo de caixa, fica difícil obtenção de recursos externos para
restabelecer o equilíbrio das contas;

Demissões em massa afetam diretamente o nosso público alvo e
impacta negativamente no faturamento da Empresa, pois diminui os
números de passageiros transportados.

Mudanças de governo ou novas legislações podem causar os seguintes
impactos:

Criação de áreas de restrições de tráfego;
A criação de novas áreas de restrição irá inviabilizar algumas linhas de fretamento reduzindo
receita da Empresa.

Proibição de circulação dos ônibus de fretamento em faixas exclusivas;
Com a proibição de circulação nas faixas exclusivas, teremos que criar novas rotas
ampliando tempo e de distancia dos percursos, aumentando os nossos custos.

Rodízio para ônibus de fretamento.
Como rodízio teremos que aumentar e remanejar a frota com foco nos finais das placas ,para
atender todas linhas de circulação sem riscos de rupturas.

Deficiências administrativas:
79
 Falta de um planejamento organizacional bem estruturado;
 Falta de um planejamento estratégico bem definido;
 Gestão ineficiente dos processos - Má gestão do RH. Não podemos
gerenciar apenas os recursos humanos e principalmente as relações
humanas;
 Falta de relacionamento com os concorrentes e com as entidades do
setor.
Uma empresa prestadora de serviços onde as matérias prima são as pessoas, o departamento
de relações humanas é fundamental para qualidade dos serviços prestados, pois os nossos
funcionários deverão estar sempre motivados, comprometidos e seguros em relação a
Empresa.
80
12 – Planejamento Financeiro
81
82
83
84
85
86
87
88
89
90
91
92
93
94
95
96
97
98
99
100
13 – Referências Bibliográficas
GASNIER, D. G. Guia Prático para Gerenciamento de Projetos. 2. ed. SãoPaulo:
IMAM,2001.
DONAIRE, Denis. A internalização da gestão ambiental na empresa. Revista de
Administração USP, São Paulo, v.31, n.1, p. 44-51, jan./mar.1996.
OLIVEIRA, Marcos Antonio Lima de. Conceitos ISO 14000. Disponível na Internet:
FIORILLIO, Celso Antônio Pacheco. “Curso de Direito Ambiental Brasileiro”- 1a ed. São
Paulo: Saraiva,2000
Sites da Internet:
http://jasconsultoria.vilabol.uol.com.br/ artigoConceitosISO14000.htm
http://pt.wikipedia.org/wiki/Responsabilidade_social
http://www1.ethos.org.br/
http://www.fundabrinq.org.br
http://www.responsabilidadesocial.com
http://www.hso.com.br/ehes/iso14000.htm
http://www.reciclanip.com.br
http://www.biodiesel.gov.br/
http://www.controlar.com.br
http://www.transfretur.org.br/
http://www.transfretur.org.br/
http://pt.wikipedia.org/wiki/Regi%C3%A3o_Metropolitana_de_S%C3%A3o_WIKIPEDIA.O
RG (2008, p. 2)
http://pt.wikipedia.org/wiki/Regi%C3%A3o_Metropolitana_de_S%C3%A3o_Paulo
http://www.artesp.sp.gov.br
Dados da Invest News
Fretamento Guia de orientação para Contratação do serviço
101
14 – Anexos
Anexo 1 – Pesquisa de Satisfação
102
103
Anexo 2 – Contrato de prestação de serviço de manutenção
104
105
Anexo 3 – Teste Admissional.
TESTES DE CONHECIMENTOS
Comente a seguinte frase:
“O cliente é o presidente da empresa”
Por que você se interessou pela vaga em nossa empresa?
O que você faria em caso de uma abordagem pela fiscalização rodoviária? E se fosse uma
situação de apreensão?
1) Indique um itinerário para as regiões a seguir:
A – De Guaianazes para o Hopi Hari (Itupeva)
B – De Itaim Paulista para Suzano
C – Da Vila Mariana para Guarapiranga
D – Da Vila Carrão para Guaratingueta
E – Da Praça da Sé para Campinas
F – Da Consolação para Ubatuba
106
G – De Guaianazes para Santana
TESTES DE CONHECIMENTOS MECÂNICOS
De um exemplo de uma situação que você pudesse utilizar as seguintes ferramentas:
Chave 13
Chave 19
Chave 2
O que você faria quando identificasse as seguintes situações?
1 - Pneu furado que tenha o equipamento Rodoar, mas não sustenta o pneu cheio.
2 – Você esta em uma serra operando na quarta marcha e o ônibus esquentar.
3 – Entrada de ar no veículo.
107
Anexo 4 – Calendário de Inspeção Veicular Ambiental
108
Anexo 5 – Modelo de Panfletos
.
109
Anexo 6 – Modelo de discos de tacografos
110
Anexo 7 – Logotipo Transprof
111
Anexo 8 – Identificação dos órgãos competentes
112
Anexo 9 – Orçamento de seguro dos ônibus Luxo
113
Anexo 10 – Orçamento de seguro dos ônibus semi-novos
114
Anexo 11 – Autorização de viagem
A Agência Nacional de Transportes Terrestres - ANTT autoriza a empresa abaixo
qualificada, por meio deste Termo de Autorização eletrônico, a prestar o serviço de transporte
rodoviário interestadual e internacional de passageiros sob o regime de fretamento eventual
ou turístico na forma e condições aqui estabelecidas:
INFORMAÇÕES BÁSICAS DE AUTORIZAÇÃO DE VIAGEM
Data da Emissão: XX/XX/XXXX
14:04:38
Data da Autorização:
Número da Autorização: 0000000000
XX/XX/XXXX 17:31:17
Tipo de Solicitação: Comum
Código de Controle:
31869A51F974A9A0
Empresa
Razão Social: TRANSPROF Transportadora Turística CNPJ: 00.000.000/0000Ltda
00
Placa Veículo:
Contratante
Razão Social:
CPF:
Dados da Nota Fiscal
Nº de Série:
UF:
Data de Emissão:
Número:
Valor em R$: 0,00
C1
SP
Informações do Início da Viagem
Data Início: XX/XX/XXXX XX:XX
País: BRASIL
UF: SP
Município: SAO PAULO
Logradouro:
Motorista(s)
Prontuário:
Admissão:
Nome:
00000000000
XX/XX/XX
Outras Informações
Motivo da Viagem: Turismo
Nº de Pessoas Transportadas (conforme listagem anexa): XX
KM Percorrida (ida/volta): XX
Município mais distante para o retorno desta autorização de viagem
UF:
Município:
115
Anexo 12 – Etiquetas de bagagem
116
Anexo 13 – Autorização de viagem intermunicipal
117
Anexo 14 – CVS
118
Anexo 15 – TA (Termo de Autorização)
119
Anexo 16 – Contrato de prestação de serviço de fretamento contínuo
CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS FRETAMENTO CONTÍNUO
Pelo presente instrumento particular e na melhor forma de direito, de um lado, TRANSPROF
TRANSPORTADORA TURISTICA LTDA EPP, inscrita no C.N.P.J. sob o N.º
00.000.000/0000-00, e Inscrição Estadual de N.º 000.000.000.000, com sede a Rua
Felicidade, 123 – Vila Alegria - São Paulo – SP, representada neste ato pela sua diretor(a)
abaixo identificada, Sr(a). ________________, doravante denominado CONTRATADA, e de
outro lado a CONTRATANTE, _______________________________________, sito á
Rua_______________ nº ____ - Bairro: ____________ - São Paulo – SP, inscrita no CNPJ
sob o N.º 00.000.000/0000-00, e Inscrição Estadual de N.º 000.000.000.000, ficou ajustado o
presente CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS, que regerá pelas cláusulas e
condições seguintes.
CLÁUSULA 1ª:
A CONTRATADA se obriga a transportar os associados da CONTRATANTE por esta
autorizados, através de ônibus de sua propriedade em número suficiente de veículos para
atender o objeto deste contrato, devendo os mesmos estar em perfeito estado, no que se refere
à parte mecânica, elétrica, instalações, bancos, bem como no tocante a higiene e segurança e
apresentar uma capacidade de ocupação de no mínimo 48 (quarenta e oito) passageiros
sentados, devendo ainda portar placa indicativa da respectiva linha.
A prestação de serviços será para atender á 05 linhas respectivamente:
05 ônibus para linha Itaim Paulista > Santo Amaro
(As linhas que operam com Micro ônibus poderão ser transferidas para ônibus de acordo com
a demanda, a empresa será informada com 30 dd de antecedência)
CLÁUSULA 2ª:
Em contraprestação aos serviços prestados pela CONTRATADA, a CONTRATANTE pagará
os valores abaixo indicados, que se referem ao valor mensal total das linhas em operação
120
sendo que fará parte integrante deste contrato, o itinerário da linha de Segunda-feira à Sextafeira no horário das 05:10 (Entrada) ás 17:45 (Saída). O veículo e o motorista não ficam á
disposição da contratante.
Valor Total : R$XXXXXXXXX
PARÁGRAFO 1º: O faturamento será mensal, sendo que no último dia do mês será
emitida a nota fiscal de Prestação
de Serviços com vencimento para dia 05 do mês
subseqüente ao serviço prestado
Na ocorrência de atraso de pagamento, após 05 dd do vencimento, será cobrado a título de
multa o percentual
Na ocorrência de atraso de pagamento, após 05 dd do vencimento, será cobrado a título de
multa o percentual de 10% mais o acréscimo de juros de acordo com a legislação em vigor.
PARÁGRAFO 2º: Os ônibus requisitados a título de serviços extraordinários, serão
remunerados com acréscimo de 5 % (Cinco por cento) sobre o preço incidente no valor das
viagens normais nos dias úteis, desde que aos Sábados Domingos e feriados sofrerão
acréscimo de 10 % ( Dez por cento)
PARÁGRAFO 3º: Quando houver compensação de horários da CONTRATANTE,
emrazão de dias pontes, o transporte não será considerado como serviço extra.
CLÁUSULA 3ª:
Os preços acordados entre as partes, serão reajustados a cada período de 12(doze) meses, em
comum acordo,
CLÁUSULA 4ª:
A CONTRATADA assumirá integral responsabilidade por todo e qualquer ônus decorrente
dos encargos sociais e trabalhistas, responsabilidade civil e tributária, todos inclusos no preço
acordado.
PARAGRAFO 1º: As notas fiscais de serviços e suas respectivas faturas deverão ser
entregues á CONTRATANTE na mesma data de sua emissão.
PARAGRAFO 2º: A CONTRATADA não poderá ceder este contrato ou subempreitar
seu objeto, total ou parcial, sendo com expressa anuência da CONTRATANTE. A anuência
121
da CONTRATANTE não desobrigará a CONTRATADA das responsabilidade pelo resultado
dos serviços. Qualquer cessão ou subempreitada deverá ser feita por meio de contrato escrito
pela CONTRATANTE.
PARAGRAFO 3º: Qualquer comunicação entre as partes em função deste contrato
deverá ser por escrito.
CLÁUSULA 5ª:
Durante o período de férias coletivas o número de linhas e de ônibus a serem operados pela
Contratada poderá ser reduzido por solicitação da contratante, ao número necessário para
atender os funcionários que permanecem em atividade, neste caso, o valor a ser pago nunca
poderá ser inferior a 70 % (Setenta por cento) do período não trabalhado .
CLÁUSULA 6ª:
Os ônibus deverão parar somente nos pontos determinados pela CONTRATANTE, não sendo
permitidos outras paradas ou desvios de itinerários pré estabelecidos, salvo por motivo de
força maior. Os itinerários poderão ser modificados pela CONTRATANTE, sem qualquer
alteração do preço, desde que de comum acordo com a CONTRATADA.
Devido as normas da EMTU não é permitido o acesso de passageiros que não sejam
associados e que a contratação do fretado é de uso exclusivo da mesma .
CLÁUSULA 7ª:
A CONTRATADA obriga-se a:
a) Apresentar um programa de manutenção preventiva dos ônibus. Certificado de
regularidade EMTU, dando especial atenção ás condições de segurança, tais como:
sistema de sinalização e iluminação, condições de freios, pneus, extintores,
operacionalidade do conjunto mecânico e sistema pneumático de abertura de portas.
b) As condições de conforto dos passageiros no que concerne aos assentos.
c) A conservação, asseio e desinfeção dos ônibus.
d) Fornecer motoristas habilitados, aptos e corretamente trajados, além de algum meio de comunicação
(celular), devendo receber treinamento em direção defensiva e atendimentos as normas de segurança viária,
no que concerne á preservação da integridade física dos funcionários da CONTRATANTE.
e)
Enviar mensalmente a apólice de seguro dos ônibus que executarem as linhas em referência do
contrato.
f-)Fornecer sempre que solicitado, um número adicional de ônibus para o atendimento aos empregados
da CONTRATANTE, que por ventura trabalhem em horários extraordinários.
g-) Caso ocorra alguma quebra do veículo, os funcionários da empresa Contratante deverão
aguardar o veículo reserva até o horário possível para que não cheguem ao seu destino após o
horário de entrada, caso o referido veículo não chegue em 25 minutos para prestar socorro, os
122
funcionários deverão optar pelo transporte alternativo em táxi, em grupos de no mínimo
04(quatro) passageiros, sendo que a CONTRATADA ressarcirá os valores despendidos com
este transporte.
CLÁUSULA 8ª:
O presente contrato vigorá por período indeterminado a contar de 01/01/2009
podendo ser automaticamente renovado por iguais períodos, caso as partes não
comunicarem a suspensão com no mínimo 30 dias de antecedência ao
vencimento.
1) A CONTRATANTE reserva-se ao direito de suspender parcialmente linha(s) que não
estiverem satisfazendo aos interesses de ordem operacional, mediante aviso de 30 dias á
contar da data de notificação.
2) A CONTRATADA reserva-se no direito de suspender o contrato após o 20º ( vigésimo)
dia de atraso no pagamento das respectivas faturas.
CLÁUSULA 9ª:
Independente de interpelação judicial ou extra judicial, o presente contrato considerar-se-á
rescindido por inadimplento de qualquer de suas clausulas, e também por motivo de pedido de
concordata, falência ou dissolução de qualquer das partes.
CLÁUSULA 10ª:
Fica eleito o foro desta capital de São Paulo, para que nele sejam demandados as questões
oriundas da interpretação deste contrato, dando-lhe preferência entre qualquer outro, por mais
privilegiado que seja.
E, por estarem assim, justas e combinadas, as partes assinam o presente instrumento em 02
(duas) vias de igual teor e forma, para um só efeito, praticando este ato na presença de 02
(duas) testemunhas.
São Paulo, ___ de ____________ de 2009.
_________________________________
TRANSPROF TRANSP TUR LTDA
CONTRATADA
XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX
CONTRATANTE
123
Anexo 17 – Modelo de contrato de prestação de serviço de fretamento
124
125
126
127
128
Anexo 18 – Base para plano certo: Despesa fixa com consumo de água e esgoto
129
Anexo 19 – Base para o plano certo: Despesa fixa com consumo de energia elétrica
130
Anexo 20 – Base para plano certo: Nota Fiscal de Biodiesel
131
Anexo 21 – Base para plano certo: Nota Fiscal de Óleo Lubrificante.
132
Anexo 22 – Base para o plano certo: Informativo de valores do credenciamento nos órgão
competentes
133
Anexo 23 – Base para o plano certo: Orçamento Disco de Tacografo.
134
Anexo 24 – Base para o plano certo: Orçamento de Seguro da Empresa
135
Anexo 25 – Base para o plano certo: Orçamento de DPVAT
136
Download

1 Plano de Negócio para abertura de Empresa de Transporte